SlideShare uma empresa Scribd logo
1010Cuidados noCuidados no
serviço cristãoserviço cristão
Guarde no coraçãoGuarde no coração
““Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todoTudo quanto fizerdes, fazei-o de todo
o coração, como para o Senhor e nãoo coração, como para o Senhor e não
para homens, cientes de quepara homens, cientes de que
recebereis do Senhor a recompensa darecebereis do Senhor a recompensa da
herança. A Cristo, o Senhor, é queherança. A Cristo, o Senhor, é que
estais servindo.”estais servindo.”
(Cl 3.23-24)(Cl 3.23-24)
Pense e respondaPense e responda
Qual a minha motivação para oQual a minha motivação para o
serviço cristão?serviço cristão?
IntroduçãoIntrodução
A habilidade exercida sem disposição seA habilidade exercida sem disposição se
torna uma obrigação, e o serviço nãotorna uma obrigação, e o serviço não
será prestado com amor e perderá oserá prestado com amor e perderá o
valor. Paulo escreve para os crentes devalor. Paulo escreve para os crentes de
Colossos: “Colossos: “Tudo quanto fizerdes, fazei-oTudo quanto fizerdes, fazei-o
de todo o coração, como para o Senhor ede todo o coração, como para o Senhor e
não para homensnão para homens” (Cl 3.23).” (Cl 3.23).
I. Qual é a sua motivaçãoI. Qual é a sua motivação
para servir?para servir?
Duas motivações principais devemDuas motivações principais devem
dominar seu coração no serviço aodominar seu coração no serviço ao
Senhor:Senhor:
1.1.a glória de Deus;a glória de Deus;
2.2.a edificação dos outros.a edificação dos outros.
II. Entenda a diversidade de donsII. Entenda a diversidade de dons
Cada membro da igreja recebe umCada membro da igreja recebe um
dom para aplicá-lo no trabalho dodom para aplicá-lo no trabalho do
Senhor. Todos os dons são bons,Senhor. Todos os dons são bons,
todos são igualmente importantes etodos são igualmente importantes e
necessários. Todos foram dados pornecessários. Todos foram dados por
Deus, conforme o Seu querer. TudoDeus, conforme o Seu querer. Tudo
pela graça, só pela graça!pela graça, só pela graça!
III. Seja humilde ao usar o domIII. Seja humilde ao usar o dom
III. Seja humilde ao usar o domIII. Seja humilde ao usar o dom
““Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro oRogo-vos, pois, eu, o prisioneiro o
Senhor, que andeis de modo digno daSenhor, que andeis de modo digno da
vocação a que fostes chamados, comvocação a que fostes chamados, com
toda atoda a (humildade)(humildade) e mansidão, come mansidão, com
longanimidade, suportando-vos uns aoslonganimidade, suportando-vos uns aos
outros em amor, esforçando-vosoutros em amor, esforçando-vos
diligentemente por preservar a unidadediligentemente por preservar a unidade
do Espírito no vínculo da paz”do Espírito no vínculo da paz” (Ef 4.1-3).(Ef 4.1-3).
IV. Mantenha a santificaçãoIV. Mantenha a santificação
Como manter a santificação?Como manter a santificação?
Evite pessoas, coisas e lugares que tiremEvite pessoas, coisas e lugares que tirem
a sua comunhão com Deus (2Co 6.14-a sua comunhão com Deus (2Co 6.14-
7.1). Isso é o que não fazer.7.1). Isso é o que não fazer.
IV. Mantenha a santificaçãoIV. Mantenha a santificação
Mas o que fazer?Mas o que fazer?
Aprenda com Paulo em 1Timóteo 4.5:Aprenda com Paulo em 1Timóteo 4.5:
“porque, pela palavra de Deus e pela“porque, pela palavra de Deus e pela
oração, é santificado.”oração, é santificado.”
V. Não seja negligenteV. Não seja negligente
V. Não seja negligenteV. Não seja negligente
Paulo escreveu a Timóteo:Paulo escreveu a Timóteo: “Não te“Não te
façasfaças (negligente)(negligente) para com o dompara com o dom
que há em ti”que há em ti” (1Tm 4.14).(1Tm 4.14).
Ele volta a desafiar Timóteo, naEle volta a desafiar Timóteo, na
Segunda Carta:Segunda Carta: “Por esta razão, pois,“Por esta razão, pois,
te admoesto que reavives o dom dete admoesto que reavives o dom de
Deus que há em ti”Deus que há em ti” (2Tm 1.6).(2Tm 1.6).
Hoje, você aprendeu!Hoje, você aprendeu!
1.1. A sua motivação deve ser atingir osA sua motivação deve ser atingir os
alvos do serviço cristão: a glória dealvos do serviço cristão: a glória de
Deus e a edificação dos outros.Deus e a edificação dos outros.
2.2. Na igreja, há necessidade deNa igreja, há necessidade de
diversidade de dons, pelas exigênciasdiversidade de dons, pelas exigências
do serviço cristão.do serviço cristão.
Hoje, você aprendeu!Hoje, você aprendeu!
3.3. No exercício dos dons, a humildade éNo exercício dos dons, a humildade é
a principal virtude.a principal virtude.
4.4. Santificação é a vontade de Deus paraSantificação é a vontade de Deus para
a sua vida.a sua vida.
5.5. Você não pode negligenciar o domVocê não pode negligenciar o dom
que recebeu do Senhor, pela graça.que recebeu do Senhor, pela graça.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 03
Lição 03Lição 03
Lição 03
Joao DA Silva
 
Lição 04
Lição 04Lição 04
Lição 04
Joao DA Silva
 
Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 05
Joao DA Silva
 
Lição 16
Lição 16Lição 16
Lição 16
Joao DA Silva
 
Significa viver a sua vida para ser uma bênção para outros
Significa viver a sua vida para ser uma bênção para outrosSignifica viver a sua vida para ser uma bênção para outros
Significa viver a sua vida para ser uma bênção para outros
antonio ferreira
 
Oração
OraçãoOração
Oração
Márcio Pereira
 
Aula de Membresia - 2
Aula de Membresia - 2 Aula de Membresia - 2
Aula de Membresia - 2
Davison Almeida
 
Aula 05 membresia para o site
Aula 05   membresia para o siteAula 05   membresia para o site
Aula 05 membresia para o site
pbmarcelo
 
O poder da palavra de Deus
O poder da palavra de DeusO poder da palavra de Deus
O poder da palavra de Deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Aula de membresia 1
Aula de membresia   1Aula de membresia   1
Aula de membresia 1
Davison Almeida
 
10ª oração como estilo de vida - revizado
10ª   oração como estilo de vida   - revizado10ª   oração como estilo de vida   - revizado
10ª oração como estilo de vida - revizado
Zorli da Costa
 
Uma oração para deus
Uma   oração   para    deusUma   oração   para    deus
Uma oração para deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
A importância de deus em nossas vidas
A importância de deus em nossas  vidasA importância de deus em nossas  vidas
A importância de deus em nossas vidas
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Oração com estilo de vida
Oração com estilo de vidaOração com estilo de vida
Lição 02
Lição 02Lição 02
Lição 02
Joao DA Silva
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
baixarlivros1
 
Deveres e proibições do primeiro mandamento
Deveres e proibições do primeiro mandamentoDeveres e proibições do primeiro mandamento
Deveres e proibições do primeiro mandamento
Eduardo Braz
 
Vida de oração
Vida de oraçãoVida de oração
Vida de oração
Márcio Melânia
 
Eb 111 Fazendo o bem sem olhar a quem
Eb 111   Fazendo o bem sem olhar a quemEb 111   Fazendo o bem sem olhar a quem
Eb 111 Fazendo o bem sem olhar a quem
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Reavivamento cristão
Reavivamento cristãoReavivamento cristão
Reavivamento cristão
Carla Machado
 

Mais procurados (20)

Lição 03
Lição 03Lição 03
Lição 03
 
Lição 04
Lição 04Lição 04
Lição 04
 
Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 05
 
Lição 16
Lição 16Lição 16
Lição 16
 
Significa viver a sua vida para ser uma bênção para outros
Significa viver a sua vida para ser uma bênção para outrosSignifica viver a sua vida para ser uma bênção para outros
Significa viver a sua vida para ser uma bênção para outros
 
Oração
OraçãoOração
Oração
 
Aula de Membresia - 2
Aula de Membresia - 2 Aula de Membresia - 2
Aula de Membresia - 2
 
Aula 05 membresia para o site
Aula 05   membresia para o siteAula 05   membresia para o site
Aula 05 membresia para o site
 
O poder da palavra de Deus
O poder da palavra de DeusO poder da palavra de Deus
O poder da palavra de Deus
 
Aula de membresia 1
Aula de membresia   1Aula de membresia   1
Aula de membresia 1
 
10ª oração como estilo de vida - revizado
10ª   oração como estilo de vida   - revizado10ª   oração como estilo de vida   - revizado
10ª oração como estilo de vida - revizado
 
Uma oração para deus
Uma   oração   para    deusUma   oração   para    deus
Uma oração para deus
 
A importância de deus em nossas vidas
A importância de deus em nossas  vidasA importância de deus em nossas  vidas
A importância de deus em nossas vidas
 
Oração com estilo de vida
Oração com estilo de vidaOração com estilo de vida
Oração com estilo de vida
 
Lição 02
Lição 02Lição 02
Lição 02
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
 
Deveres e proibições do primeiro mandamento
Deveres e proibições do primeiro mandamentoDeveres e proibições do primeiro mandamento
Deveres e proibições do primeiro mandamento
 
Vida de oração
Vida de oraçãoVida de oração
Vida de oração
 
Eb 111 Fazendo o bem sem olhar a quem
Eb 111   Fazendo o bem sem olhar a quemEb 111   Fazendo o bem sem olhar a quem
Eb 111 Fazendo o bem sem olhar a quem
 
Reavivamento cristão
Reavivamento cristãoReavivamento cristão
Reavivamento cristão
 

Destaque

Lição 06
Lição 06Lição 06
Lição 06
Joao DA Silva
 
Lição 14
Lição 14Lição 14
Lição 14
Joao DA Silva
 
Lição 1 a maturidade do cristão
Lição 1   a maturidade do cristãoLição 1   a maturidade do cristão
Lição 1 a maturidade do cristão
Joanilson França Garcia
 
Manuais adotados Secundária 2016/17
Manuais adotados Secundária 2016/17Manuais adotados Secundária 2016/17
Manuais adotados Secundária 2016/17
Pedro França
 
LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO
LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃOLIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO
LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10   Discipulado, a missão educadora da igrejaLição 10   Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Wander Sousa
 

Destaque (6)

Lição 06
Lição 06Lição 06
Lição 06
 
Lição 14
Lição 14Lição 14
Lição 14
 
Lição 1 a maturidade do cristão
Lição 1   a maturidade do cristãoLição 1   a maturidade do cristão
Lição 1 a maturidade do cristão
 
Manuais adotados Secundária 2016/17
Manuais adotados Secundária 2016/17Manuais adotados Secundária 2016/17
Manuais adotados Secundária 2016/17
 
LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO
LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃOLIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO
LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO
 
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10   Discipulado, a missão educadora da igrejaLição 10   Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
 

Semelhante a Lição 10

Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013
Liana Plentz
 
Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221
Frei João
 
Diaconia reunião apresentacao-evandro
Diaconia reunião apresentacao-evandroDiaconia reunião apresentacao-evandro
Diaconia reunião apresentacao-evandro
Evandro Cruz
 
Coletânea de mensagens e palestras 1ª parte
Coletânea de mensagens e palestras   1ª parteColetânea de mensagens e palestras   1ª parte
Coletânea de mensagens e palestras 1ª parte
Francisco_Edinaldo
 
Jovens adoradores rompendo em fé
Jovens adoradores rompendo em féJovens adoradores rompendo em fé
Jovens adoradores rompendo em fé
joaquim2010_2011
 
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely LageO que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
Igreja Presbiteriana Renovada de Castelo Branco
 
Servir a deus com compromisso
Servir a deus com compromissoServir a deus com compromisso
Servir a deus com compromisso
tabernaculoamorevida
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
Monergista Post
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
Joel Silva
 
Mensagem o ato de honrar
Mensagem   o ato de honrarMensagem   o ato de honrar
Mensagem o ato de honrar
Construção Edificações
 
LBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃO
LBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃOLBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃO
LBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃO
Natalino das Neves Neves
 
Escola de ministérios
Escola de ministériosEscola de ministérios
Escola de ministérios
Marcio Gonçalves
 
A Nova Vida em Cristo
A Nova Vida em CristoA Nova Vida em Cristo
A Nova Vida em Cristo
Luciana Evangelista
 
Escola de ministérios
Escola de ministériosEscola de ministérios
Escola de ministérios
Marcio Gonçalves
 
25. evangelismo
25. evangelismo25. evangelismo
25. evangelismo
pohlos
 
Vp6 Estudo - Promotores da Paz
Vp6 Estudo - Promotores da PazVp6 Estudo - Promotores da Paz
Vp6 Estudo - Promotores da Paz
renatomclopes
 
Deus Procura Adoradores
Deus Procura AdoradoresDeus Procura Adoradores
Deus Procura Adoradores
Ramón Zazatt
 
Romanos 12
Romanos   12Romanos   12
Romanos 12
Joel Silva
 
Sermão Dia Mundial Da Oração
Sermão Dia Mundial Da OraçãoSermão Dia Mundial Da Oração
Sermão Dia Mundial Da Oração
Ramón Zazatt
 
Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.
Quenia Damata
 

Semelhante a Lição 10 (20)

Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013
 
Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221
 
Diaconia reunião apresentacao-evandro
Diaconia reunião apresentacao-evandroDiaconia reunião apresentacao-evandro
Diaconia reunião apresentacao-evandro
 
Coletânea de mensagens e palestras 1ª parte
Coletânea de mensagens e palestras   1ª parteColetânea de mensagens e palestras   1ª parte
Coletânea de mensagens e palestras 1ª parte
 
Jovens adoradores rompendo em fé
Jovens adoradores rompendo em féJovens adoradores rompendo em fé
Jovens adoradores rompendo em fé
 
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely LageO que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
 
Servir a deus com compromisso
Servir a deus com compromissoServir a deus com compromisso
Servir a deus com compromisso
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
 
Mensagem o ato de honrar
Mensagem   o ato de honrarMensagem   o ato de honrar
Mensagem o ato de honrar
 
LBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃO
LBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃOLBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃO
LBJ LIÇÃO 9 - CORAGEM EM MEIO À PERSEGUIÇÃO
 
Escola de ministérios
Escola de ministériosEscola de ministérios
Escola de ministérios
 
A Nova Vida em Cristo
A Nova Vida em CristoA Nova Vida em Cristo
A Nova Vida em Cristo
 
Escola de ministérios
Escola de ministériosEscola de ministérios
Escola de ministérios
 
25. evangelismo
25. evangelismo25. evangelismo
25. evangelismo
 
Vp6 Estudo - Promotores da Paz
Vp6 Estudo - Promotores da PazVp6 Estudo - Promotores da Paz
Vp6 Estudo - Promotores da Paz
 
Deus Procura Adoradores
Deus Procura AdoradoresDeus Procura Adoradores
Deus Procura Adoradores
 
Romanos 12
Romanos   12Romanos   12
Romanos 12
 
Sermão Dia Mundial Da Oração
Sermão Dia Mundial Da OraçãoSermão Dia Mundial Da Oração
Sermão Dia Mundial Da Oração
 
Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.
 

Último

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 

Último (10)

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 

Lição 10

  • 1.
  • 2. 1010Cuidados noCuidados no serviço cristãoserviço cristão
  • 3. Guarde no coraçãoGuarde no coração ““Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todoTudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e nãoo coração, como para o Senhor e não para homens, cientes de quepara homens, cientes de que recebereis do Senhor a recompensa darecebereis do Senhor a recompensa da herança. A Cristo, o Senhor, é queherança. A Cristo, o Senhor, é que estais servindo.”estais servindo.” (Cl 3.23-24)(Cl 3.23-24)
  • 4. Pense e respondaPense e responda Qual a minha motivação para oQual a minha motivação para o serviço cristão?serviço cristão?
  • 5. IntroduçãoIntrodução A habilidade exercida sem disposição seA habilidade exercida sem disposição se torna uma obrigação, e o serviço nãotorna uma obrigação, e o serviço não será prestado com amor e perderá oserá prestado com amor e perderá o valor. Paulo escreve para os crentes devalor. Paulo escreve para os crentes de Colossos: “Colossos: “Tudo quanto fizerdes, fazei-oTudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor ede todo o coração, como para o Senhor e não para homensnão para homens” (Cl 3.23).” (Cl 3.23).
  • 6. I. Qual é a sua motivaçãoI. Qual é a sua motivação para servir?para servir? Duas motivações principais devemDuas motivações principais devem dominar seu coração no serviço aodominar seu coração no serviço ao Senhor:Senhor: 1.1.a glória de Deus;a glória de Deus; 2.2.a edificação dos outros.a edificação dos outros.
  • 7. II. Entenda a diversidade de donsII. Entenda a diversidade de dons Cada membro da igreja recebe umCada membro da igreja recebe um dom para aplicá-lo no trabalho dodom para aplicá-lo no trabalho do Senhor. Todos os dons são bons,Senhor. Todos os dons são bons, todos são igualmente importantes etodos são igualmente importantes e necessários. Todos foram dados pornecessários. Todos foram dados por Deus, conforme o Seu querer. TudoDeus, conforme o Seu querer. Tudo pela graça, só pela graça!pela graça, só pela graça!
  • 8. III. Seja humilde ao usar o domIII. Seja humilde ao usar o dom
  • 9. III. Seja humilde ao usar o domIII. Seja humilde ao usar o dom ““Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro oRogo-vos, pois, eu, o prisioneiro o Senhor, que andeis de modo digno daSenhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados, comvocação a que fostes chamados, com toda atoda a (humildade)(humildade) e mansidão, come mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aoslonganimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, esforçando-vosoutros em amor, esforçando-vos diligentemente por preservar a unidadediligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz”do Espírito no vínculo da paz” (Ef 4.1-3).(Ef 4.1-3).
  • 10. IV. Mantenha a santificaçãoIV. Mantenha a santificação Como manter a santificação?Como manter a santificação? Evite pessoas, coisas e lugares que tiremEvite pessoas, coisas e lugares que tirem a sua comunhão com Deus (2Co 6.14-a sua comunhão com Deus (2Co 6.14- 7.1). Isso é o que não fazer.7.1). Isso é o que não fazer.
  • 11. IV. Mantenha a santificaçãoIV. Mantenha a santificação Mas o que fazer?Mas o que fazer? Aprenda com Paulo em 1Timóteo 4.5:Aprenda com Paulo em 1Timóteo 4.5: “porque, pela palavra de Deus e pela“porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificado.”oração, é santificado.”
  • 12. V. Não seja negligenteV. Não seja negligente
  • 13. V. Não seja negligenteV. Não seja negligente Paulo escreveu a Timóteo:Paulo escreveu a Timóteo: “Não te“Não te façasfaças (negligente)(negligente) para com o dompara com o dom que há em ti”que há em ti” (1Tm 4.14).(1Tm 4.14). Ele volta a desafiar Timóteo, naEle volta a desafiar Timóteo, na Segunda Carta:Segunda Carta: “Por esta razão, pois,“Por esta razão, pois, te admoesto que reavives o dom dete admoesto que reavives o dom de Deus que há em ti”Deus que há em ti” (2Tm 1.6).(2Tm 1.6).
  • 14. Hoje, você aprendeu!Hoje, você aprendeu! 1.1. A sua motivação deve ser atingir osA sua motivação deve ser atingir os alvos do serviço cristão: a glória dealvos do serviço cristão: a glória de Deus e a edificação dos outros.Deus e a edificação dos outros. 2.2. Na igreja, há necessidade deNa igreja, há necessidade de diversidade de dons, pelas exigênciasdiversidade de dons, pelas exigências do serviço cristão.do serviço cristão.
  • 15. Hoje, você aprendeu!Hoje, você aprendeu! 3.3. No exercício dos dons, a humildade éNo exercício dos dons, a humildade é a principal virtude.a principal virtude. 4.4. Santificação é a vontade de Deus paraSantificação é a vontade de Deus para a sua vida.a sua vida. 5.5. Você não pode negligenciar o domVocê não pode negligenciar o dom que recebeu do Senhor, pela graça.que recebeu do Senhor, pela graça.