Planejamento familiar

575 visualizações

Publicada em

Apresentação e descrição dos principais métodos contraceptivos e a forma correta de usa-los.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejamento familiar

  1. 1. Romane Cristine Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí
  2. 2. Planejamento Familiar Proporcionar aos casais informações e meios necessários para que possam decidir de forma livre e consciente sobre o numero de filhos e oportunidades em que irão tê-los.
  3. 3. Atuação dos profissionais de saúde na assistência a anticoncepção Atividades educativas Aconselha mento Atividades clinicas Oferecer à clientela os conhecimentos necessários para a escolha e posterior utilização do método anticoncepcional mais adequado, assim como propiciar o questionamento e reflexão sobre os temas relacionados com a prática da anticoncepção, inclusive a sexualidade. Pressupõe a capacidade de estabelecer uma relação de confiança entre os interlocutores visando o resgate dos recursos internos do indivíduo para que ele tenha possibilidade de reconhecer- se como sujeito de sua própria saúde e transformação"
  4. 4. Evolução Dos Métodos Concepcionais  Coito interrompido;  A mulher era a única responsável por evitar a gravidez;  Em gestações indesejadas utilizavam ervas, amuletos e orações com intuito de interromper a gestação;  Utilização de espermicidas naturais aplicados diretamente na vagina;
  5. 5.  1564 primeiros preservativos confeccionados com linho, posteriormente a base de intestino de animais;  No inicio do século XX surgiram os preservativos de látex;  No final do século XX surgiram os diafragmas, dispositivos intrauterinos e o capuz cervical;  Tabelinha em 1930; Evolução Dos Métodos Concepcionais
  6. 6.  Em 1934 surgiu a esterilização cirúrgica feminina;  Em 1960 o aparecimento da pílula anticoncepcional;  A vasectomia se tornou popular;  O anticoncepcional injetável é aprovado em 1992;  Em 1993 o preservativo feminino. Evolução Dos Métodos Concepcionais
  7. 7. Métodos Anticoncepcionais Na Atualidade Critérios de elegibilidade os métodos 1. O método pode ser usado sem restrição. 2. O método pode ser usado com restrição. 3. O método não deve ser usado. 4. O método não deve ser utilizado pois representa risco a saúde.
  8. 8. Características Dos Métodos • Eficácia • Efeitos secundários • Aceitabilidade • Disponibilidade • Fatores de uso • Reversibilidade • Proteção á doenças sexualmente transmissíveis (DST) e infecção pelo HIV
  9. 9. Fatores Individuais Relacionados Aos Usuários Do Método Condições econômicas Estado de saúde Características da personalidade da mulher e/ou do homem. Fase da vida
  10. 10. Padrão de comportamento sexual Aspirações reprodutivas Outros fatores Fatores Individuais Relacionados Aos Usuários Do Método
  11. 11. Tabelinha  Consiste na determinação do período fértil por meio de observação do padrão menstrual prévio, durante seis a doze meses, e na realização de cálculos para encontrar o inicio e o fim do período fértil.  Subtrai-se 18 do ciclo mais curto obtém-se o dia do inicio da fase fértil;  Subtrai-se 11 do ciclo mais longo se obtém-se o fim da fase fértil;  Nesse intervalo não ter relações sexuais.
  12. 12. Temperatura Basal  Fundamenta-se nas alterações da temperatura corporal a mulher ao longo do ciclo menstrual;  A mulher deve verificar a temperatura diariamente a partir o primeiro dia do ciclo, pela manhã, antes de qualquer atividade, durante pelo menos 5 minutos;  Para não engravidar evitar atividades sexuais durante a primeira fase do ciclo, no pré- ovulatório e até a manhã do dia seguinte.
  13. 13. Coito Interrompido  Consiste retirar o pênis da vagina antes que ocorra ejaculação, evitando a deposição de esperma em seu interior.
  14. 14. Amenorreia da Lactação (LAM)  Baseia-se na amamentação exclusiva da mulher em amenorreia durante o período de até 6 meses após o parto.
  15. 15. Preservativo Masculino (Camisinha)  Consiste em um envoltório de látex que recobre o pênis durante o ato sexual e retém esperma por ocasião da ejaculação impedindo contato com a vagina, assim como impede que o microrganismos da vagina entrem e contato com o pênis ou vice-versa.
  16. 16. Técnica De Uso Deve ser colocado antes da penetração, após obtida a ereção peniana. O receptáculo existente na extremidade do preservativo deve ser apertado durante a colocação, retirando todo o ar do seu interior. Ainda segurando a ponta do preservativo, desenrolá-lo até a base do pênis.
  17. 17. Após a ejaculação, retirar o preservativo com o pênis ainda ereto Retirar o preservativo segurando-o pela base para que não haja vazamento de esperma. O preservativo não deve ser reutilizado, devendo ser descartado no lixo após o uso.
  18. 18. Preservativo feminino  O preservativo feminino é um tubo de poliuretano com uma extremidade fechada e a outra aberta, acoplado a dois anéis flexíveis também de poliuretano.  O primeiro, que fica solto dentro do tubo, serve para ajudar na inserção e na fixação de preservativo no interior da vagina.  O segundo anel constitui o reforço externo do preservativo que, quando corretamente colocado,  cobre parte da vulva.
  19. 19. Técnica De Uso Com o dedo indicador, ele deve ser empurrado o mais profundamente possível para alcançar o colo do útero. O anel (externo) deve ficar aproximadamente 3cm para fora da vagina. Durante a penetração, o pênis deve ser guiado para o centro do anel externo. O preservativo não deve ficar retorcido.
  20. 20. Deve ser utilizado um novo preservativo a cada nova relação. Para retirá-lo, segure as bordas do anel externo fazendo um movimento de torção para manter o esperma dentro do preservativo. Puxe-o delicadamente para fora da vagina, jogando-o no lixo.
  21. 21. Diafragma  É um método anticoncepcional de uso feminino que consiste num anel flexível, coberto no centro com uma delgada membrana de látex ou silicone em forma de cúpula que se coloca na vagina cobrindo completamente o colo uterino e a parte superior da vagina, impedindo a penetração dos espermatozoides no útero e trompas.
  22. 22. Técnicas De Medição Do Diafragma  Antes que a mulher comece a usá-lo é importante que aprenda a identificar o colo do útero por meio do auto- toque vaginal da seguinte forma:  Após lavar as mãos, introduzir o dedo médio na vagina, dirigindo-o para trás.  Movendo suavemente o dedo dentro da vagina, procurar o colo uterino, cuja forma e consistência se assemelham à ponta do nariz.  Quando colocar o diafragma, a usuária deve ser capaz de sentir o colo do útero através da borracha, portanto deve estar bem familiarizada com tal identificação.
  23. 23. Técnica de Uso 1) Segurar o diafragma com uma das mãos, com a parte côncava virada para cima (com a geléia dentro), pressionar e unir as bordas com os dedos médio e polegar. 2) Afastar os lábios da vulva com a outra mão e colocar, dentro da vagina, o diafragma dobrado, empurrando-o na direção do fundo posterior da vagina até onde seja possível. 3) Com o dedo indicador, empurrar a borda anterior do diafragma até que esta se apóie na face posterior do púbis.
  24. 24. 4) Verificar a correta colocação do diafragma por meio do auto toque, certificando-se de que o colo uterino esteja coberto pela membrana de borracha. 5) O diafragma não deve ser retirado antes de um período de 6 horas após a última relação sexual, e deve-se evitar duchas vaginais durante esse período.
  25. 25. Geleia Espermicida  São substâncias químicas que recobrem a vagina e o colo do útero, impedindo a penetração dos espermatozoides no canal cervical e, bioquimicamente, imobilizando ou destruindo os espermatozoides.
  26. 26. Técnica De Uso 1) Tirar a tampa do tubo e colocar o aplicador na abertura do mesmo, girando-o. 2) Apertar o tubo desde o fundo, forçando seu conteúdo para o cilindro do aplicador, até que o êmbolo esteja totalmente exposto e o cilindro completamente cheio. 3) Segurar o aplicador cheio e inseri-lo na vagina o mais profundo possível.
  27. 27. Anticoncepcionais Hormonais Orais  Constituem na utilização de estrogênio associado a progestogênio (pílulas combinadas) ou somente progestogênio isolado.
  28. 28.  Atuam por meio da inibição do eixo hipotalamo-hipofise-ovario, por retroalimentação negativa, impedindo a ovulação. Anticoncepcionais Hormonais Orais São utilizados por 21 dias com uma pausa de 7 dias, nos quais não devem ocorrer atividade sexual.
  29. 29. Anticoncepcionais Hormonais Orais  Hemorragia uterina disfuncional;  Dismenorreia.;  Endometriose;  Tensão pré-menstrual;  Hipoplasia uterina;  Hirsutíismo;  Acne.  Hipertensão grave e moderada;  Diabetes insulinodependentes;  Hepatopatia aguda ou crônica;  Câncer;  Tromboembolismo;  Etc. Outras Indicações Contra indicações
  30. 30. Anticoncepcionais Hormonais Injetáveis  Podem ser mensais ou trimestrais;  Aplicação via intramuscular;  Composição combinada (estrogênio e progestogênio) ou isolada (somente o progestôgenio), com doses hormonais de longa duração; Atua inibindo a ovulação pelo bloqueio do pico de LH(hormônio luteinizante), que permanece em níveis basais que, secundariamente, alteram o muco cervical, o endométrio a peristalse tubária, ampliando o potencial contraceptivo.
  31. 31. Anticoncepcional Hormonal Vaginal Anel vaginal Consiste em um anel flexível contendo hormônios á base de estrógenos e progestogênos, sendo liberados de forma constante, absorvidos pela mucosa vaginal, atingindo a circulação sistêmica.
  32. 32. Implantes Contraceptivos Consiste em uma cápsula de silicone polimerizada, contendo em seu interior progestogênio, que é liberado continuamente na corrente sanguínea, proporcionando efeito contraceptivo. Inibe a ovulação, aumenta a viscosidade muco cervical, e produz efeitos na espessura do endométrio.
  33. 33. Contracepção de Emergência  Composta por hormônios concentrados, estrogênio e progestogênio, ou somente progestogênio, que possui esquema de dose única ou dupla.  Indicado apenas em ocasiões EMERGÊNCIAIS.  Utilizado até 72 horas após o coito desprotegido.
  34. 34. Dispositivo Intrauterino  Artefatos de polietileno, em forma de T que são inseridos na cavidade uterina.  Atua como uma reação ao corpo estranho, provocando alterações no endométrio e interferindo no transporte de espermatozoides no aparelho genital.
  35. 35. Laqueadura Tubária  As trompas de falópio são seccionadas, ligadas ou ocluídas por eletro cautério.  A obstrução mecânica impede que os espermatozoides migrem ao encontro do óvulo, evitando a fertilização.  Permanente.
  36. 36. Vasectomia  Consiste na secção ou oclusão do canal deferente, bloqueando a passagem dos espermatozoides.  Não interfere no prazer sexual.
  37. 37. Referencias BARROS, Sonia Maria Oliveira. Enfermagem Obstétrica e ginecológica: Guia para prática assistencial. 2 ed – São Paulo: Roca, 2009. Ministério da Saúde. Assistência em Planejamento Familiar: manual técnico. 4 ed. Brasilia, 2002.

×