CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAFIBE

ANÁLISE SWOT: UMA ANÁLISE DO ENSINO SUPERIOR NA REGIÃO DE
BEBEDOURO ATRAVÉS DE UM ESTUDO M...
ANÁLISE SWOT: UMA ANÁLISE DO ENSINO SUPERIOR NA REGIÃO DE
BEBEDOURO ATRAVÉS DE UM ESTUDO MULTI-CASOS

Resumo
Diante do gra...
Sendo assim, para atingir essa meta foi definido como objetivo geral do trabalho a
identificação e análise dos principais ...
Conforme Kotler (2000) uma unidade de negócios tem por natureza própria de
sobrevivência, que analisar os elementos macroa...
de entrevistas não estruturadas. Segundo Richardson (1999), esse tipo de entrevista é
adequada para colher os pontos mais ...
dados coletados com todos os representantes de cada instituição, em quadros nas etapas
da Análise SWOT: Forças, Fraquezas,...






 gestores com acúmulo de tarefas;
 perfil de alunos com deficiência na
formação básica;
 comunicação interna...


complementação da formação dos
alunos nos cursos oferecidos;
captação de alunos pela demanda
de novos cursos na região....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ANÁLISE SWOT: UMA ANÁLISE DO ENSINO SUPERIOR NA REGIÃO DE BEBEDOURO ATRAVÉS DE UM ESTUDO MULTI-CASOS

8.589 visualizações

Publicada em

Artigo elaborado por mim, no ano de 2012, para conclusão do curso de Administração, com ênfase em Gestão de Negócios, do Centro Universitário UNIFAFIBE.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.589
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ANÁLISE SWOT: UMA ANÁLISE DO ENSINO SUPERIOR NA REGIÃO DE BEBEDOURO ATRAVÉS DE UM ESTUDO MULTI-CASOS

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAFIBE ANÁLISE SWOT: UMA ANÁLISE DO ENSINO SUPERIOR NA REGIÃO DE BEBEDOURO ATRAVÉS DE UM ESTUDO MULTI-CASOS Rafael Henrique dos Santos Orientador: Prof. Felipe Furlan Soriano Bebedouro 2012
  2. 2. ANÁLISE SWOT: UMA ANÁLISE DO ENSINO SUPERIOR NA REGIÃO DE BEBEDOURO ATRAVÉS DE UM ESTUDO MULTI-CASOS Resumo Diante do grande crescimento do número de instituições de ensino superior no país, tem aumentado a facilidade para se cursar um curso de nível superior em virtude da disponibilidade de cursos, entretanto, a qualidade no ensino destas instituições talvez não tenha crescido ao passo com que o número delas. Dessa forma, a presente pesquisa analisa essa questão na região de Bebedouro, aplicando-se a análise SWOT em duas instituições que têm crescido nos últimos anos (“X” e “Y”). Assim, levantando informações que possibilitem uma análise deste cenário. 1. Introdução O curso superior tem se mostrado cada vez mais como uma questão determinante para a conquista de um bom emprego, sendo exigido por diversas empresas no país e no mundo. Por ser a porta de entrada para o ingresso na carreira profissional, a demanda por cursos superiores encontra-se numa crescente, acarretando na abertura de diversas instituições que o oferecem. Dessa forma, fazer um curso superior nos dias de hoje, já não é mais tão restrito como em épocas passadas. Anteriormente era uma exclusividade de poucos, entretanto atualmente, com o número de opções de instituição, cursos e alta disponibilidade de vagas, boa parte das pessoas já pode realizar um curso superior. Porém, a qualidade dos mesmos parece não ter acompanhado a sua evolução em quantidade ofertada. Conforme a publicação de Glória Tupinambás (2011) em uma inspeção que realizou o jornal revela problemas em universidades mal avaliadas pelo MEC, como laboratórios precários, atrasos de pagamento dos professores, alunos insatisfeitos, entre outros problemas avaliados. Esses problemas podem ser fatores determinantes para que ocorra um ensino de qualidade na instituição, caso não sejam identificados e solucionados. Dessa forma, mostra-se importante que as instituições de ensino estejam atentas à identificação, análise e solução desses problemas. Visando contribuir academicamente, este artigo procura analisar os problemas existentes em 2 instituições de ensino superior do município de uma determinada região do Estado de São Paulo, sendo chamadas neste artigo de Instituições “X” e “Y”.Este estudo multicaso tem como finalidade identificar os problemas na gestão das instituições, tanto interna como externamente, para que ambas possam visualizar as dificuldades em suas gestões e verificar as atitudes que podem ser tomadas para solucioná-las, a fim de evitar um desgaste das imagens das instituições diante não só da população da região estudada. mas como diante de toda a população atendida pelo ensino destas instituições.
  3. 3. Sendo assim, para atingir essa meta foi definido como objetivo geral do trabalho a identificação e análise dos principais pontos a serem melhorados nas instituições de estudadas através da aplicação da Análise SWOT. De forma que, para que este seja atingido alguns passos foram previamente estabelecidos como a aplicação da Análise SWOT nos objetos de estudo, realização de uma entrevista com um colaborador da instituição, um representante do corpo docente, e um representante dos estudantes e, por fim, a apresentação do contexto atual de ambos os casos e proposição de soluções. 2. Revisão Teórica Neste capítulo são explicados os principais conceitos trabalhados por este artigo, a fim de proporcionar uma melhor compreensão em relação ao tema aqui abordado. 2.1 Desenvolvimento da educação superior no Brasil Conforme apresenta Cunha (2004), analisar o desenvolvimento do ensino superior no Brasil é complexo, devido a enorme dimensão nos números apresentados: em meados de 1931 eram cerca de 20 mil estudantes matriculados em até duas ou três universidades na época; já nos tempos atuais, em 2002, apresentam-se cerca de 3,5 milhões de estudantes de graduação distribuídos por 165 universidades, 77 centros universitários, e 1.400 faculdades integradas, faculdades isoladas e centros de educação tecnológica. Segundo o autor, este vasto crescimento no número de vagas e conseqüentemente no número de instituições disponíveis não foram acompanhados do mesmo nível de qualidade das instituições, em qualquer âmbito que fosse, até mesmo no quadro docente das instituições, conforme citado em seu artigo; perdeu-se a visão de que uma boa administração da instituição, aliada a uma avaliação da mesma, são necessárias para que se obtenha um feedback do ensino aplicado e da qualidade como um todo da instituição. 2.2 Administração na educação superior Focando no tema central do presente artigo, a educação superior, Dias Sobrinho (2003) comenta que a avaliação é uma ferramenta que usamos em nosso dia-a-dia, seja formalmente ou espontaneamente; ela está incorporada significativamente na vida de estudantes, professores e instituições de ensino. O autor ainda complementa que com a crescente demanda por vagas nas universidades, a exigência pela eficiência no ensino das mesmas aumenta a cada dia, e o modelo adotado para isso era a expansão de vagas com redução de recursos; estavam então abertas as portas para privatização, daí a necessidade de uma avaliação rígida. Para realizar essa avaliação, utiliza-se a Análise SWOT, que é segundo Kotler (2000, p. 98): “a avaliação global das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças”. Tal avaliação é aplicada realizando-se o cruzamento das forças e fraquezas internas da organização com as oportunidades e ameaças externas à intenção estratégica da empresa (CHIAVENATO; SAPIRO, 2009). 2.3 Análise SWOT
  4. 4. Conforme Kotler (2000) uma unidade de negócios tem por natureza própria de sobrevivência, que analisar os elementos macroambientais (tecnologia, política, entre outros) e elementos microambientais (clientes, fornecedores, entre outros), pois são decisivos na obtenção de lucros para a empresa, portanto devem ser acompanhadas as tendências e mudanças para que possa se definir as oportunidades e ameaças externas a empresa. Segundo Kotler ; Keller (2006, p.50) “a avaliação global das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças é denominada análise SWOT (dos termos em inglês strengths, weaknesses, opportunities, threats). Ela envolve o monitoramento dos ambientes externo e interno”. Neste sentido, além de se analisar os elementos externos a empresa, se faz necessária também a análise interna da empresa, para que se possa definir a capacidade de aproveitamento e adaptação da empresa em relação aos fatores externos, e a sucessão da empresa em relação a estes fatores, afim de se obter um melhor resultado final. Por esse motivo, o uso de uma metodologia adequada mostra-se relevante. Uma ferramenta importante e adequada para esse tipo de situação é a Análise SWOT. 3. Procedimentos Metodológicos Segundo Gil (2009, p. 17) a pesquisa é desenvolvida mediante o concurso dos conhecimentos disponíveis e a utilização cuidadosa de métodos, técnicas e outros procedimentos científicos. Na realidade, a pesquisa desenvolve-se ao longo de um processo que envolve inúmeras fases, desde a adequada formulação do problema até a satisfatória apresentação dos resultados. Neste contexto, pode-se afirmar que a presente pesquisa tem caráter descritivo, que segundo Gil (2009) proporciona ao leitor uma maior identificação com o problema estudado e com uma visão mais explícita do mesmo, e em alguns casos, pode até assumir a forma de um estudo de caso. Para embasar conceitualmente o artigo foi realizada uma revisão bibliográfica sobre os conceitos abordados pela pesquisa. Complementando com uma aplicação prática dos principais conceitos foi definido como método de pesquisa o estudo multi-casos no qual serão analisadas variáveis qualitativas. A abordagem qualitativa de um problema, além de ser uma opção do investigador, justifica-se, sobretudo, por ser uma forma adequada para entender a natureza de um fenômeno social. Tanto assim é que existem problemas que podem ser investigados por meio de metodologia quantitativa, e há outros que exigem diferentes enfoques e, conseqüentemente, uma metodologia de conotação qualitativa. (RICHARDSON, 1999, p. 79) Segundo Yin (2010, p. 24) “o método do estudo de caso permite que os investigadores retenham as características holísticas e significativas dos eventos da vida real”. Quanto a escolha dos objetos abordados no estudo de caso, a mesma foi feita por conveniência, visando obter informações que possam contribuir para a resolução dos objetivos da pesquisa, dessa forma foram escolhidas as instituições de ensino superior “X” e “Y”, localizadas na região de Bebedouro. As informações serão colhidas através
  5. 5. de entrevistas não estruturadas. Segundo Richardson (1999), esse tipo de entrevista é adequada para colher os pontos mais importantes considerados pelo entrevistado, podendo ser utilizadas em análises qualitativas. Nestas instituições de ensino superior foram realizadas entrevistas com as pessoas envolvidas na administração, e as que freqüentam os cursos disponibilizados pelas instituições, para que seja possível obter-se uma maior amplitude informações provenientes de indivíduos que possuem pontos de vista diversificados, proporcionando uma visão mais abrangente. Posteriormente as informações obtidas pelas entrevistas foram analisadas através da Análise SWOT. 4. Análise e Discussão 4.1 Instituição “X” A Instituição “X”, como é chamada neste artigo, está localizada na região Norte do Estado de São Paulo, está no mercado desde 1983, sendo que seu primeiro vestibular foi no mês de dezembro do ano de 1988. Seu faturamento e outros números acerca da sua parte financeira não foram divulgados por sigilo da Instituição, e por declarar que é uma instituição sem fins lucrativos que tem como objetivo o aperfeiçoamento e a qualidade de ensino dos cursos de graduação, pós-graduação e extensão. O fato de não visar lucro também possibilita que a instituição atue com uma mensalidade até 50% inferior ao que é cobrado pelas faculdades privadas. Constitui-se como Entidade Autárquica Municipal com personalidade jurídica própria de direito público. Possui 7 cursos de graduação, que são eles: Administração, Ciências Contábeis, Jornalismo, Radialismo (Rádio e TV), Publicidade e Propaganda, Direito e Serviço Social; todos reconhecidos pelo Conselho Estadual de Educação (CEE). 4.2 Instituição “Y” A Instituição “Y”, como também é chamada neste artigo, também se localiza na região Norte do Estado de São Paulo, está no mercado há 44 anos, desde abril de 1968 quando sua pedra fundamental foi criada. Seu faturamento também não foi fornecido por questões de sigilo da instituição. A missão da Instituição “Y”, como instituição de ensino superior, é constituir-se em efetivo agente de integração e transformação social, educando, produzindo e disseminando o saber universal, contribuindo para o desenvolvimento humano, comprometendo-se com a justiça social, a democracia e a cidadania da comunidade em que se insere e que a justifica. Possui 21 cursos de graduação, que são eles: Administração, Ciências Biológicas (Bacharelado e Licenciatura), Ciências Contábeis, Design Gráfico, Direito, Educação Física (Bacharelado e Licenciatura), Enfermagem (Bacharelado e Licenciatura), Engenharia Agronômica, Engenharia Biomédica, Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Estética e Cosmética, Fisioterapia, Gestão Ambiental, Letras Português – Espanhol, Letras Português – Inglês, Nutrição, Pedagogia, Produção Sucroalcooleira, Psicologia e Sistemas de Informação. 4.3 Análise dos dados coletados Nesta seção são apresentados os dados coletados nas entrevistas com os representantes das instituições, dos corpos docentes e dos estudantes, onde serão considerados os
  6. 6. dados coletados com todos os representantes de cada instituição, em quadros nas etapas da Análise SWOT: Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças. 4.3.1 Instituição “X” Com a visão da Análise Interna, foram verificados estes dados, que seguem no quadro abaixo: FORÇAS  qualidade no corpo docente;  convênio com a USP – Ribeirão     FRAQUEZAS  burocracia elevada;  baixa comodidade para os alunos Preto para cursos de Pósgraduação; baixo custo dos cursos; infra-estrutura de qualidade; mensalidades mais baixas da região; relação próxima professor-aluno. na estrutura das salas de aula. Quadro 1 – Forças e fraquezas da instituição “X” A seguir é demonstrada a visão da Análise Externa da Instituição, foram verificados estes dados no quadro abaixo: OPORTUNIDADES  criação de novos convênios com instituições públicas de qualidade;  captação de novos alunos mediante novos cursos devido a alta demanda. AMEAÇAS  crescimento do número de instituições concorrentes na região;  por ser um órgão público, fica vulnerável às decisões do governo e que se altera a cada 4 anos;  o crescimento dos cursos à distância, com preços menores, mais convenientes para muitos estudantes. Quadro 2 – Oportunidade e ameaças da instituição “X” 4.3.2 Instituição “Y” Com a visão da Análise Interna, foram verificados estes dados, que seguem no quadro abaixo: FORÇAS  corpo docente qualificado;  acervo bibliográfico e informatizado, além de infraestrutura de qualidade;  bom histórico no mercado em que FRAQUEZAS  mal atendimento dos funcionários aos estudantes;  barreiras para a concessão de descontos;  alta rotatividade de funcionários;
  7. 7.       gestores com acúmulo de tarefas;  perfil de alunos com deficiência na formação básica;  comunicação interna deficiente;  alguns cursos com demanda restrita ou inviável. atua; fácil localidade na região; responsabilidade social atrelada à suas clínicas e demais departamentos; bons coordenadores de cursos; reconhecimento dos egressos à qualidade dos cursos oferecidos; capacidade de expansão para novos cursos. Quadro 3 – Forças e fraquezas da instituição “Y” Agora com a visão da Análise Externa da Instituição, foram verificados estes dados no quadro abaixo: OPORTUNIDADES AMEAÇAS  alta quantidade de alunos na região que não possuem ensino superior;  demanda por novos cursos na região atrelada a autonomia para realização dos mesmos pela instituição;  parcerias com novas empresas da região para concessão de estágios;  reaproveitamento dos egressos para realização de novos cursos;  melhor utilização da infra-estrutura institucional para captação de receitas;  abertura de novos cursos não existentes na região.  concorrência com demais instituições da região;  fator econômico, o que pode afetar todas as instituições do ramo;  outras instituições com corpo docente qualificado e preços mais acessíveis;  a inovação dos cursos à distância;  a evasão de alunos por qualquer motivo ocorrente. Quadro 4 – Oportunidade e ameaças da instituição “Y” 5. Considerações finais Considerando os fatores das Análises Internas e Externas de ambas as Instituições, notase que existem fatores semelhantes em uma Análise SWOT de duas Instituições de Ensino Superior localizadas na mesma cidade. Abaixo seguem estes fatores no quadro: FORÇAS   corpo docente qualificado; infra-estrutura de qualidade. FRAQUEZAS - OPORTUNIDADES  criação de novos convênios com novas empresas para AMEAÇAS  crescimento instituições do número concorrentes de na
  8. 8.  complementação da formação dos alunos nos cursos oferecidos; captação de alunos pela demanda de novos cursos na região.  região; o crescimento dos cursos à distância, mais convenientes, cômodo para os estudantes, e financeiramente mais viáveis. Quadro 5 – Comparativo das instituições “X” e “Y” Tendo estes dados como referência pode-se dizer que estes fatores, por existirem em ambas as instituições de ensino superior na mesma região, dão indícios de serem fatores relevantes e de grande importância para as instituições para que elas possam corrigir ou melhorar os pontos negativos e investir ou aproveitar seus pontos positivos para buscar um crescimento ainda maior da própria instituição, sempre agregando ainda mais qualidade ao seu ensino oferecido e à formação de seus alunos. Dessa forma, serem questões importantes e que merecem ser tratadas com uma atenção especial por parte das instituições de ensino. 6. Referências Bibliográficas CHIAVENATO, I.; SAPIRO, A. Planejamento estratégico: Fundamentos e aplicações 2ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. CUNHA, L.A. Desenvolvimento desigual e combinado no ensino superior: Estado e mercado. In: Fórum Brasil de Educação – IV Encontro Nacional.; Brasília. Anais eletrônicos Campinas: 2004. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010173302004000300008&lang=pt.> Acesso em 15.jun.2012. DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: Políticas educacionais e reformas da educação superior São Paulo: Cortez, 2003. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2009. GLÓRIA TUPINAMBÁS Inspeção revela problemas em universidades mal avaliadas pelo MEC. Disponível em <http://www.em.com.br/app/noticia/especiais/educacao/2011/10/02/internas_educacao, 253708/inspecao-revela-problemas-em-universidades-mal-avaliadas-pelo-mec.shtml> Acesso em 13.maio.2012. KOTLER, P. Administração de Marketing 10ª ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2000. KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de Marketing 12ª ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2006. RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: Métodos e Técnicas 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1999. YIN, R. K. Estudo de caso: Planejamento e métodos 4ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

×