Gestão EstratégiaNão é só venda,é tecnologiaQuanta muda suas estratégias para atingir diretamenteos PDVs e alcançar metas ...
Gestão Estratégia   5 produtos essenciais da Quanta   Tascam – DM-4800   É um console digital para usuários pro ssionais c...
Gestão Estratégia                 Trabalhar com tecnologia exige atualização cons-         J. G.: A média é de 120 lojas. ...
Gestão Estratégia                 que nos Estados Unidos se pagariam 100 dólares             Store não é uma ofensa ou con...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Não é só venda, é tecnologia !

419 visualizações

Publicada em

Matéria da revista MUSICA E MERCADO.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
419
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Não é só venda, é tecnologia !

  1. 1. Gestão EstratégiaNão é só venda,é tecnologiaQuanta muda suas estratégias para atingir diretamenteos PDVs e alcançar metas ousadas em 2011Por Ana Carolina CoutinhoU ma das empresas pio- neiras do Brasil em tecnologia musical, aQuanta iniciou suas ativida-des praticamente junto coma abertura econômica do Paíspara importação, nos idos de1990 do governo Collor. Commais de 20 anos de atuação,um de seus grandes desa ossempre girou em torno da pe-culiaridade dos produtos quevende, já que exigem conheci-mentos especí cos por partedos lojistas, em sua maioria,avessos a certas novidades. Milton Lehmann (esq.) e Joey Gross Brown: “o que a QuantaNuma feliz coincidência com busca são negócios rentáveis e duráveis, nada aventureiro”.o salto tecnológico da socie-dade pós-moderna, a empre- A empresa vem passan-sa cresceu, e muito, e agorapretende dar um novo passo: O QUE A QUANTA do por mudanças, como a vinda do departamentopopularizar seus produtos BUSCA SÃO NEGÓCIOS comercial para a cidade deno varejo, com uma atuação São Paulo. Qual foi o moti-mais agressiva na conquista RENTÁVEIS E DURÁVEIS, vo dessa escolha?de novos PDVs, entre outrasestratégias. Para isso, começa NADA AVENTUREIRO Joey Gross Brown: Houve a necessidade de voltar paracom a transferência de todo o mainstream do mercadoo seu departamento comercial para a capital paulista. latino-americano. São Paulo é a espinha dorsal comer- A M&M foi conferir em como essas mudanças irão cial deste continente. Então a Quanta, tanto dentro daatingir o mercado e, no escritório provisório em São divisão AV-Pro quanto da distribuição, que ca em Cam-Paulo (em breve eles mudarão para um espaço mais ade- pinas, concluiu que para haver um crescimento e buscarquado para a estrutura que estão montando), conversou novos horizontes, precisava formar uma base comercialcom Milton Lehmann, diretor comercial, e Joey Gross em São Paulo. O setor administrativo e o nanceiro con-Brown, gerente da área. Além de falarem sobre as trans- tinuam em Campinas, mas tínhamos de vir para cá, pelaformações que a empresa atravessa, em um diálogo fran- mobilidade e representatividade do mercado paulistanoco e informal, conversaram sobre as outras unidades de na economia brasileira. Nossos melhores clientes estãonegócios do grupo, como a Quanta Store, e revelaram as aqui. Sobre a distribuição, somos uma empresa B2B emetas para este ano. Leia a seguir. havia essa necessidade de criar uma rotina em São Pau-58 WWW.MUSICAEMERCADO.COM.BR
  2. 2. Gestão Estratégia 5 produtos essenciais da Quanta Tascam – DM-4800 É um console digital para usuários pro ssionais com 64 canais de gravação baseados em modo DAW (Digital Audio Workstation). É compatível com os softwares Pro Tools, Logic, Sonar, DP, Cubase e Nuendo. Nord – Electro 3 O teclado é compatível com a biblioteca Piano Nord e aproveita a multiplicidade de camadas de velocidade, pedal e amostras de alta qualidade. M-Audio – Xponent A mesa combina as características de um mixer de DJ de dois canais com controle de estilo CDJ, permitindo ao usuário mixar e manipular arquivos digitais sem precisar tocar no computador. M-Audio – Torq 2.0 O software para DJs aproveita as quatro plataformas para criar mixagens complexas e dinâmicas. M-Audio – Fast Track Pro É uma interface de áudio que utiliza porta USB para se alimentar e se comunicar com o software de gravação Sound Forge.lo. A ideia é traçar novas Qual é o impacto dessasestratégias e nos diferen-ciar da concorrência. É IMPORTANTE ESTAR mudanças no portfólio de marcas e produtos da EM SÃO PAULO PORQUE empresa?Com essas modifi - J. G.: A ideia toda é cresci-cações, quais benefí- EXISTEM MUITAS REVENDAS mento. E para crescer é pre-cios o lojista terá deforma direta? SEM ATENDIMENTO ciso comprar mais, diversi- car mais a compra, buscarJ. G.: Imediatamente, na novas marcas que sejamvelocidade de atendimento, captação revendas sem atendimento, que não vendáveis para toda a cadeia de su-de problemas vivenciados no PDV, e estão sendo acompanhadas de perto primentos. O produto precisa chegarainda vamos traçar estratégias mais e, estando próximo, o Joey vai poder às mãos do consumidor nal e causarjustas. Isso é bom tanto para o pessoal se relacionar com elas, conhecer mais satisfação, então obviamente estare-da Quanta quanto para o lojista. o mercado e a demanda. Tudo para ter mos sempre de olho, buscando novosMilton Lehmann: É importante estar mais proximidade e proporcionar o ca- negócios e novas formas de proporcio-em São Paulo porque existem muitas rinho de que esses clientes precisam. nar excelência. WWW.MUSICAEMERCADO.COM.BR 59
  3. 3. Gestão Estratégia Trabalhar com tecnologia exige atualização cons- J. G.: A média é de 120 lojas. Em clientes ativos, che- tante de portfólio, pois a cada mês surgem novos gamos a ter 350. Temos uma estrutura para parceiros equipamentos. Como a Quanta lida com isso? em cada região. Para tecnologia, produto que deman- M. L.: No mercado de tecnologia, a atualização é cons- da muito conhecimento, existe na Quanta Music um tante, mesmo em produtos já líderes. Se uma empresa treinamento gratuito de capacitação para revendas. A consegue fazer com que os processos sejam executados revenda só arca com o transporte até o local do curso. numa rotina de velocidade e qualidade de atendimento, Nesse sentido, o que a Quanta faz é aumentar o leque não importa que haja mil marcas chegando, você vai dentro de um formato conceitual coerente com o res- conseguir identi car aquela que realmente agrega algo to do grupo, e não só vender. Queremos o produto nas no mercado em vez de uma marca que vai dar um pique mãos do consumidor nal, e a loja é a principal forma e depois sumir. O que a Quanta busca são negócios ren- de fazer isso, então oferecemos todas as ferramentas táveis e duráveis, nada aventureiro. Não somos assim. para essa loja, para que possam entender e oferecer tecnologia aos clientes e satisfazê-los. A venda de tecnologia musical ainda sofre pre- NOSSA SEMENTE FOI conceito por parte de pequenas lojas que temem a dificuldade do aprendizado. Como estão enxer- PLANTADA EM 2009, NÓS gando a venda para esses PDVs? A REGAMOS EM 2010, M. L.: A velocidade da tecnologia é muito grande e as lojas que não entrarem nessa... É difícil sair da E ENTRE O FINAL DE zona de conforto e por isso queremos abrir a opor- tunidade de ensinar, inserir as lojas nesse contexto 2011 E O INÍCIO DE 2012 novo. Estamos em São Paulo para isso. COLHEREMOS SEUS FRUTOS Quais critérios a Quanta exige para uma loja que queira vender seus equipamentos? J. G.: Só a capacitação de alguém de vendas, para que não venda errado, pois quando isso acontece, o cliente Como foi o ano de 2010 para a empresa e qual é acha que o produto é ruim. Fazemos isso de graça, den- a meta de crescimento para 2011? tro do nosso centro de capacitação, em Campinas, SP. J. G.: Em 2010 tínhamos uma meta conservadora, Em breve também será feito em São Paulo. Indicamos vinda de uma economia recessiva. Havíamos esti- cursos por meio de parceiros. Também fazemos road pulado 8% de crescimento. E foi mesmo um ano de shows, clínicas, bate-papo sobre produtos. A Quanta é solidi car as bases, preparar a plataforma para dar o uma empresa para a qual você liga e tem alguém para salto. Nossa semente foi plantada em 2009, nós a rega- lhe dar suporte. Nossa expertise é atendimento ao con- mos em 2010, e entre o nal de 2011 e o início de 2012 sumidor. O PDV, hoje, só precisa treinar alguém para colheremos seus frutos. A meta para 2011 é de 20%. vender, o resto deixa com a gente. M. L.: Esse crescimento não pode ser enxergado como M. L.: É importante que as lojas entendam que tecno- meta de importação, pois a ideia é utilizar o estoque logia não é um bicho de sete cabeças, que é possível que já temos para car mais competitivos. Pretende- apresentá-la para os clientes, porque quando envere- mos diminuir o número de estoque e deixá-lo mais dam por esse caminho, não voltam mais. E isso acon- enxuto e objetivo. tece naturalmente. J. G.: Vamos economizar no tamanho do estoque e investir em pessoal para que possamos atender Além do desafio de fazer com que o vendedor e melhor, no corpo a corpo, e melhorar o pós-venda o lojista conheçam o produto de tecnologia musi- da Quanta Music. cal, existe algum outro desafio em vender tecno- logia musical? Como está a penetração da Quanta Music no M.L.: Sim, enfrentar a carga tributária do Brasil. mercado, especialmente em pontos de venda? É absurdo pagar 500 reais por um produto, sendo60 WWW.MUSICAEMERCADO.COM.BR
  4. 4. Gestão Estratégia que nos Estados Unidos se pagariam 100 dólares Store não é uma ofensa ou concorrência, pois não [170 reais, numa conversão livre]. É difícil explicar vende o mesmo que a Quanta Music. Por esse canal para o cliente que nosso lucro não é de 400 reais, não vendemos produtos comercializados nos PDVs. é de 30, e que o governo ca com os outros 370. É M. L.: Só queremos atender o mercado com produtos assustador. Somos obrigados a manter uma quanti- pelos quais nem sempre as lojas têm interesse. Existe dade de informação para o governo, que é absurda, uma cesta de produtos que não se adequava a outros para não corrermos risco de sofrer retaliação, isso canais de vendas e a Store começou a atender clien- enquanto o País está cheio de contrabandistas que tes com itens especí cos. O faturamento tem sido não pagam nada de imposto... crescente. O trabalho é muito e ciente. Vemos, a cada mês, um Os consumidores finais tam- A META crescimento de 10%, 20%, 30% na bém têm acesso às lojas lá de Quanta Store, sem alterar o fatu- fora, e mesmo pagando cer- PARA 2011 É ramento da distribuição. tos impostos conseguem o mesmo produto mais barato. CRESCER 20% J. G.: Na verdade, a transparên- cia do que foi feito dá o tom do O que a Quanta faz ao orien- que é a Quanta Store. Todos os tar o varejista para falar com seu cliente? produtos que estão nela foram oferecidos para os J. G.: Não há como tomar uma atitude de nitiva. En- PDVs por cerca de oito meses em caráter promocio- tre os paliativos está o pós-venda. A Quanta não ven- nal e não foram absorvidos. Então o que zemos? de somente produto, vende serviço de alta qualidade. Antes mesmo de ela ir para o ar, zemos um comu- M. L.: O caso da tecnologia musical é peculiar. Se o nicado ao mercado, mostrando o foco e possibilitan- produto não tiver registro no Brasil, o consumidor - do, inclusive, a devolução de produtos e trocá-los por nal não vai poder fazer atualizações. Se ele for de con- outros. De certa forma, até limpamos o estoque de trabando e o cliente está na internet e, por ventura, lojas que não estavam conseguindo girar esses equi- atualiza-o, o software pode travar e então o usuário pamentos. Foi interessante para todo mundo. Não não terá suporte. Existe um risco enorme e é ruim há vontade de competir com lojas. para a marca, pois será como se o produto dela não funcionasse no Brasil. Produtos ilegais são um risco. O que o lojista pode esperar da Quanta neste ano? J. G.: Inovação, diversi cação, busca por excelência. Como conciliar a questão do consumidor final Este é o ano para isso, para encontrarmos mercado, com a Quanta Store e AV-Pro com o PDV? prospectarmos novos segmentos, caminhos, com J.G.: Dentro de um mercado não existe só um ca- muita inovação. nal de venda, assim todos devem ser explorados M. L.: Melhoria do pós-venda, evolução da equipe e por completo. No caso da AV-Pro, que trabalha aperfeiçoamento do trabalho que já fazemos hoje.  com uma mesa diferenciada e precisa de um pós- venda especial, distribuir esse produto por loja é incoerente para com o consumidor nal — tam- bém existem as exigências do fornecedor nesse sentido. A Quanta Store é o canal que busca en- Quanta Brasil entre elas: tregar produtos fora de linha ou esquecidos no Marcas: São mais de 20, , Novation, tempo, novas marcas e produtos que não tenham Avid, M-Audio, Tascam volume su ciente para uma distribuição dentro dB Technologies e Nord. dos do PDV ou ainda aqueles pelos quais o lojista não Funcionários: 45, além tem interesse. O lojista precisa começar a olhar a colaboradores externos diversi cação do mercado dele também, do canal exclusivos. Portfólio: 450 produtos do outras marcas. de venda dentro da loja dele. Ainda estamos muito Por volta de 80 0, incluin em cima de commodities [produtos populares e de Contato: (19) 3741-464 6 muito giro]. Vejo isso mudando em breve. A Quanta62 WWW.MUSICAEMERCADO.COM.BR

×