Sistema De GestãO Da Qualidade Automotiva

4.341 visualizações

Publicada em

Apresentação referente à palestra ministrada no dia 22/nov/2011 na Ftec.

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.341
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
170
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema De GestãO Da Qualidade Automotiva

  1. 1. Sistema de Gestão da Qualidade Automotiva Ciclo de palestras de Gestão da Qualidade 22/11 – Caxias do Sul RS
  2. 2. Alexandre Job  Eng. Mecânico – UCS  MBA Gestão de Operações Logísticas - FSG.  Mais de 14 anos de atuação nas áreas de Gestão da Qualidade, Processos e Supply Chain em indústrias do segmento automotivo e empresas de serviços.
  3. 3. Histórico do Sistema de Gestão daQualidade Automotiva – ISO TS16949
  4. 4. Como e por quê? Henry Ford e o famoso modelo "T" (Ford Bigode)- Produção automotiva em série teve seu sistema fundamentado em 1914 (Fordismo).- O Fordismo desenvolveu-se mas entrou em declínio por volta de 1980, com o fortalecimento do Toyotismo.
  5. 5. Como e por quê? Redução dos custos e atribuição de responsabilidades Requisitos padronizadosCadeia deFornecedores
  6. 6. Como e por quê? - E se der problema? - Se não entregar? - Se parar a linha? - Se gerar problemas em campo? - Se envolver a segurança do usuário?
  7. 7. Sistema de Gestão da Qualidade AutomotivaNecessidade de alinhar os requisitos a serem atendidos pela cadeia automotivaRequisitos específicos para este mercado definidos pela ISO TS16949Critérios mais rigorosos para o Sistema de Gestão da QualidadeRepasse da responsabilidade aos fornecedores
  8. 8. O que é a ISO TS16949?- Especificação técnica embasada na norma ISO 9001.- Aplica-se apenas e somente às organizações que produzem itens ou fornecem serviços diretamente para uma montadora ou para quem tem como cliente final da cadeia uma montadora.
  9. 9. Histórico Criada a ISO TS16949 entre ISO e Última versão da IATF ( International ISO TS16949 Automotive TaskCada montadora Surge a QS-9000 Force).com sua norma: (Foco Chrysler,dificuldades GM e Ford)desnecessáriasaos fornecedores - IATF: General Motors, Ford, Daimler Chrysler, BMW, PSA Citroën, Volkswagen, Renault, Fiat) e suas respectivas associações.
  10. 10. Números do Sistema de Gestão daQualidade Automotiva – ISO TS16949
  11. 11. Números ISO TS16949 Year 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL 10.019 17.047 27.999 35.198 39.320 41.240 Africa/West Asia 417 1.568 2.573 3.158 3.473 3.910 Central/ South America 394 734 1.270 1.383 1.454 1.476 North America 4.517 4.571 5.230 5.929 5.903 5.411 Europe 3.212 6.290 8.943 10.159 10.771 10.533 Far East 1.314 3.834 9.854 14.388 17.531 19.738 Australia/New Zealand 165 50 129 181 188 172Far east:China, Coréiado Norte, Empresas Certificadas em ISO TS16949Coréia do Sul,Japão, Taiwan 172; 0% 1.476; 4% 3.910; 9%West Asia:Turquia, Israel, 5.411; 13%Iraque, Arábia 19.738; 48% Africa/West AsiaSaudita. Central/ South America North America Europe 10.533; 26% Far East Australia/New Zealand
  12. 12. Números ISO TS16949 19.73820.000 17.531 14.38815.000 10.771 10.533 10.159 Europe10.000 9.854 Far East 6.290 8.943 5.000 3.834 3.212 1.314 0 2004 2005 2006 2007 2008 20096.000 5.929 5.903 5.411 5.2305.000 4.517 4.571 3.9104.000 3.473 3.158 Africa/West Asia3.000 2.573 Central/ South America North America2.000 1.568 1.454 1.476 Australia/New Zealand 1.270 1.383 7341.000 417 181 188 172 50 129 165 394 0 2004 2005 2006 2007 2008 2009
  13. 13. Números ISO TS16949 Top Ten Empresas Certificadas em ISO TS16949 (2009) 14000 12071 12000 10000 8000 6000 3882 3857 4000 3205 2660 2000 1195 1096 1077 1070 990 0 China USA Korea Germany India Japan France Brazil Italy Mexico 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
  14. 14. Por que no Brasil ainda não é tão acentuado ocrescimento do número de empresas certificadas ? - Não era COMPULSÓRIO!
  15. 15. A partir do ano 2002, com a nova versão da ISO TS 16949, as montadoras iniciaram uma cobrança mais acentuada da sua cadeia de fornecimento em relação à certificações.- Até 2002 cobrança dos T1 (Tier 1)- A partir de 2002 cobrança dos T2 (Tier 2)
  16. 16. Certificar em ISO TS16949? - É muito caro! - Se você me der negócios eu invisto. - Muito burocrática.
  17. 17. Certificar em ISO TS16949?• A quem você destinaria o fornecimento de seus produtos?• Se a ISO TS atrapalha, algo está errado!• O sistema de gestão da qualidade ISO TS16949 deve agregar valor à sua organização.• A certificação abre portas para negócios de proporções muito maiores.
  18. 18. Estrutura da ISO TS16949
  19. 19. A ISO TS 16949
  20. 20. A ISO TS 169494. Sistema de Gestão da Qualidade5. Responsabilidade da Direção6. Gestão de Recursos7. Realização do Produto8. Medição, análise e melhoria
  21. 21. Principais adições em relação a ISO 9001 4. Sistema de Gestão da Qualidade a) Devem ser assegurados os controles sobre os processos terceirizados. b) Toda documentação de clientes (normas/especificações) deve ser analisada criticamente e controlada, inclusive com data de implementação.
  22. 22. Principais adições em relação a ISO 90015. Responsabilidade da Direção a) Devem ser garantidas a eficácia e a eficiência dos processos. b) Objetivos da qualidade e indicadores devem ser incluídos no plano de negócios e devem desdobrar a política da qualidade. c) Colaboradores da organização devem possuir autonomia para intervir na produção em nome da qualidade dos processos e produtos. d) Além do representante da direção, deve ser indicado o representante do cliente que tem por objetivo defender e garantir os interesses do mesmo. e) Além da análise de indicadores, os custos da não-qualidade e falhas de campo devem ser entradas para análise crítica.
  23. 23. Principais adições em relação a ISO 90016. Gestão de Recursos a) Assegurar que o pessoal com responsabilidades pelo projeto seja competente. b) Estabelecer e manter procedimentos para identificar as necessidades e garantir a capacitação do pessoal que possa afetar a conformidade dos requisitos do produto. c) Devem ser fornecidos treinamentos nos postos de trabalho ao pessoal para funções novas, modificadas, colaboradores contratados ou temporários.. d) A organização deve ter um processo para motivar os funcionários a atingir os objetivos da qualidade e que promova a conscientização pela qualidade.
  24. 24. Principais adições em relação a ISO 90016. Gestão de Recursos e) A organização deve utilizar métodos para avaliar e monitorar a eficácia das operações existentes (plantas, instalações e equipamentos). Focar princípios da manufatura enxuta. f) Devem ser elaborados planos de contingência para equipamentos-chave. g) A organização deve abordar a segurança do produto e meios de minimizar os riscos de acidentes e manter as dependências em um estado de ordem, limpeza e conservação.
  25. 25. Principais adições em relação a ISO 90017. Realização do Produto a) Dentro do planejamento da realização do produto, devem ser contemplados: • Critérios de aceitação e Confidencialidade • Controle de alterações • Características especiais definidas pelo cliente • É orientado pela maioria dos clientes o uso da ferramenta APQP (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) para a gestão do desenvolvimento de projetos. • O desenvolvimento de projetos deve ser orientada para a prevenção de erros e não para detecção. Deve ser utilizada a ferramenta FMEA – Análises dos Modos e Efeitos de Falha (DFMEA – FMEA de Projetos e PFMEA – FMEA de Processos.
  26. 26. Principais adições em relação a ISO 90017. Realização do Produto b) Aquisição • Materiais adquiridos devem respeitar requisitos estatutários e regulamentares • A organização deve realizar o desenvolvimento do sistema de gestão da qualidade do fornecedor, sendo requisito mínimo a certificação na ISO 9001 • As fontes para aquisição, quando exigido, devem ser aprovadas pelo cliente • Deve ser determinado um processo para garantir a qualidade dos produtos adquiridos • Deve-se monitorar o desempenho dos fornecedores • Aplicação do processo PAPP (Processo de Aprovação de Peças de Produção) aos fornecedores
  27. 27. Principais adições em relação a ISO 90017. Realização do Produto c) Produção e fornecimento de serviços • A organização deve utilizar planos de controle, considerando como saídas os resultados do DFMEA e do PFMEA • Os processos produtivos devem ser especificados em instruções de trabalho (posto de trabalho) e os set-ups devem ser controlados • A organização deve desenvolver uma metodologia de manutenção preventiva e preditiva. • Deve ser feita a gestão do ferramental de produção (monitoramento periódico) • Aprovação dos itens desenvolvidos com metodologia específica (PAPP)
  28. 28. Principais adições em relação a ISO 90017. Realização do Produto c) Produção e fornecimento de serviços • A produção deve ser programada e atender aos requisitos do cliente (just in time) • Identificação e rastreabilidade mandatórios • Propriedade do cliente deve ser identificada • Armazenamento e inventários: devem ser avaliados os estoques, otimizando o giro dos mesmos (PEPS/FIFO) • MSA: deve ser realizados estudos dos sistemas de medição utilizados na produção
  29. 29. Principais adições em relação a ISO 90018. Medição, análise e melhoria • Devem ser determinadas ferramentas estatísticas apropriadas para cada processo • Satisfação de clientes deve ser monitorada continuamente através de indicadores de desempenho dos processos (PPM, interrupções no cliente, etc) • Além das auditorias internas do SGQ, devem ser realizadas auditorias de: produto, processo e inspeções de layout • Devem ser realizados estudos para verificar a capacidade para controle dos processos (estudos de capabilidade)
  30. 30. Principais adições em relação a ISO 90018. Medição, análise e melhoria • Deve ser determinado método para controle de produtos retrabalhado • Qualquer divergência dos requisitos do produto deve receber derroga do cliente para a continuidade da produção • Dados dos processos devem ser analisados e promover a melhoria contínua, através da diminuição da variação dos mesmos • A organização deve ter um processo para solução de problemas, com foco na identificação e eliminação da causa raiz (8D)
  31. 31. Quantas exigências!!! Por que tudo isso?• As montadoras atualmente não realizam qualquer tipo de inspeção dos itens adquiridos.• A qualidade é de responsabilidade dos fornecedores.
  32. 32. Parar uma linha de montagem de uma montadora não parece uma boa idéia ...Multa cobrada pela Volvo Caminhões para paradas de linha: –R$40 mil/hora ou –R$180 mil por caminhão perdido
  33. 33. Em resumo, a ISO TS16949 é ...ISO 9001 + Requisitos específicos do setor automotivo 6. MSA 1. APQP 7. Estudos de 2. DFMEA Capabilidade 3. Fluxograma de Processo 8. CEP 4. PFMEA 9. PAPP 5. Plano de Controle 10. 8D
  34. 34. Considerações finais Um sistema gestão da qualidade, sobretudo automotivo, pode representar apenas um quadro na parede (certificado) ou um diferencial competitivo para o seu negócio, a escolha é da organização. Se um SGQ representa apenas custo, não o faça! Ele tem que agregar valor, tem que dar retorno e gerar resultados.
  35. 35. Considerações finais Um SGQ é tão complicado ou burocrático quanto você o transformar. Os resultados positivos de um SGQ dependem fundamentalmente de como os processos são medidos e do quanto são audaciosas as metas traçadas. Um SGQ não protege o cliente, protege o fornecedor. Muitas empresas já quebraram em função da fragilidade do seu SGQ (Recall’s milionários).
  36. 36. Considerações finais Para a cadeia de fornecedores ser forte não basta sua organização ser forte, seus fornecedores também devem ser. Se eles não forem, você será o filtro.
  37. 37. Como melhorar
  38. 38. Contatos:alexandre.job@qualytool.comTel: +55 054 3025 6363 .qualytool.com .facebook.com/qualytool = Apresentação .linkedin.com - Qualytool

×