SlideShare uma empresa Scribd logo
AC- HISTÓRIA II                                                           NOTA:



                   DISCIPLINA:   História – II                PROFESSOR(A):
                                                                              Pérysson                DATA:
                                                                                                               /    /
                   ALUNO(A):                                         N.º:           TURMA:            TURNO:




                                                                                         T.E.: 40        E.O.: ______
Leia atentamente o texto e responda às questões 1 e 2.
"Servidão: uma obrigação imposta ao produtor pela força e independentemente de sua vontade para satisfazer certas
exigências econômicas de um senhor, quer tais exigências tomem a forma de serviços a prestar ou de taxas a pagar em
dinheiro ou em espécie."                       (Maurice Dobb - A EVOLUÇÃO DO CAPITALISMO)
1. A "corvéia" e a "talha" estavam entre as "exigências econômicas" dos senhores em relação aos servos. Esclareça no
que consistiam. (T.E:5; E.O:___)

A corvéia: trabalho gratuito de 3 dias por semana no manso senhorial onde toda a produção iria para o senhor feudal. Já a
talha consistia em parte da produção como pagamento pelo manso servil.

2. O que diferencia a servidão da vassalagem? (T.E:5; E.O:___)

Servidão era, de acordo com o texto, “uma obrigação imposta ao produtor pela força e independentemente de sua vontade para
satisfazer certas exigências econômicas de um senhor” ou um colono fortemente preso a terra. Já a relação de suserania e
vassalagem era uma relação de aliança entre os nobres guerreiros.

3. "O ouro e a prata que os reis incas tiveram em grande quantidade não eram avaliados [por eles] como tesouro porque,
como se sabe, não vendiam nem compravam coisa alguma por prata nem por ouro, nem por eles pagavam os soldados,
nem os gastavam com alguma necessidade que lhes aparecesse; tinham-nos como supérfluos, porque não eram de
comer. Somente os estimavam por sua formosura e esplendor e para ornamento [das casas reais e ofícios religiosos]".
        Garcilaso de la Vega, Comentários Reais, 1609.
Com base no texto, aponte: as principais diferenças entre o conjunto das idéias expostas no texto e a visão dos
conquistadores espanhóis sobre a importância dos metais preciosos na colonização. (T.E:5; E.O:___)

De acordo com o texto, os nativos não reconheciam o valor financeiro dos metais preciosos, e sim apena sua beleza. Para o
dominador o metal precioso se encaixava na política do metalismo (a riqueza de uma pais era medida pela quantidade de metais
preciosos) que fazia parte do mercantilismo ( que visava o fortalecimento do Estado absolutista).

4. "É exclusivamente na minha pessoa que reside o poder soberano... é só de mim que os meus tribunais recebem a sua
existência e a sua autoridade; a plenitude dessa autoridade, que eles não exercem senão em meu nome, permanece
sempre em mim, e o seu uso não pode nunca ser voltado contra mim; é a mim unicamente que pertence o poder
legislativo sem dependência e sem partilha... a ordem pública inteira emana de mim, e os direitos e interesses da Nação,
de que se ousa fazer um corpo separado do Monarca, estão necessariamente unidos com os meus e repousam
unicamente nas minhas mãos.” (Apud MELLO, p.61)

A partir da análise do texto acima, assinale “V’ para verdadeiro e “F” para falso: (T.E.: 5; E.O.:_____)
(V       ) O texto expressa a concepção de autoridade e soberania do rei, na época do Antigo Regime.
(V       ) O conceito de soberania expresso no texto foi criticado por Montesquieu, ao defender a divisão entre os
Poderes do Estado de forma harmônica e equilibrada, dando ao Executivo o poder de vetar as decisões do Legislativo e
a este, o poder de declarar o "impeachment" do Executivo.
(V       ) A instalação do Estado caracterizado no texto anterior tornou-se possível a partir da sua aceitação pela nobreza
e do apoio da burguesia, interessada em adquirir vantagens econômicas com a adoção da política mercantilista.
(F       ) A imposição da autoridade de um soberano sobre a população se caracteriza como uma forma de poder
legitima.
(F       ) A plenitude da autoridade do soberano, referida no texto, constitui-se característica das monarquias européias,
até o final do século XIX.
O texto abaixo, de John Locke (1632-1704), revela algumas características uma determinada corrente de pensamento.
"Se o homem no estado de natureza é tão livre, conforme dissemos, se é senhor absoluto da sua própria pessoa e posses,
igual ao maior e a ninguém sujeito, por que abrirá ele mão dessa liberdade, por que abandonará o seu império e sujeitar-
se ao domínio e controle de qualquer outro poder?
Ao que é óbvio responder que, embora no estado natureza tenha tal direito, a utilização do mesmo é muito incerta e está
constantemente exposto à invasão terceiros porque, sendo todos senhores tanto quanto ele, todo homem igual a ele e, na
maior parte, pouco observadores da eqüidade e da justiça, o proveito da propriedade que possui nesse estado é muito
inseguro e muito arriscado. Estas circunstâncias obrigam-no abandonar uma condição que, embora livre, está cheia de
temores e perigos constantes; e não é sem razão que procura de boa vontade juntar-se em sociedade com outros estão já
unidos, ou pretendem unir-se, para a mútua conservação da vida, da liberdade e dos bens a que chamo de propriedade."
        ("Os Pensadores." São Paulo: Nova Cultural, 1991
5. Do ponto de vista político, podemos considerar o texto como uma tentativa justificar: (T.E:5)
a) A existência do governo como um poder oriundo da natureza.
b) A origem do governo como uma propriedade do rei.
c) O absolutismo monárquico como uma imposição da natureza humana.
d) A origem do governo como uma proteção à vida, aos bens e aos direitos.

6. Em menos de 200 anos, os astecas construíram um império com quinhentas cidades e 15 milhões de habitantes,
dominando uma área que ia do golfo do México até o Pacífico. (T.E:5)

O sucesso dessa expansão baseava-se
a) Na liderança colegiada dos sacerdotes e nos rituais antropofágicos.
b) Em uma religião monoteísta e na escravização de povos submetidos.
c) Na presença de governo democrático e na escravização dos camponeses.
d) Na força das armas e no engenhoso sistema de irrigação.

7. A compreensão do mundo por meio da religião é uma disposição que traduz o pensamento medieval, cujo pressuposto
é (T.E:5)
a) O antropocentrismo: a valorização do homem como centro do Universo e a crença no caráter divino da natureza
    humana.
b) O panteísmo: a defesa da convivência harmônica de fé e razão, uma vez que o Universo, infinito, é parte da
    substância divina.
c) O positivismo: submissão do homem aos dogmas instituídos pela Igreja e não questionamento das leis divinas.
d) O teocentrismo: concepção predominante na produção intelectual e artística medieval, que considera Deus o centro
    do Universo.

8. Segundo o historiador Eric Hobsbawn, para o liberalismo clássico o homem era um animal social apenas na medida
em que coexistia em grande número. Por isso, considera que o símbolo literário do "homem" dessa corrente de
pensamento foi Robinson Crusoé, que conseguiu, após um naufrágio, viver quase três décadas numa ilha deserta,
criando, sozinho, as condições de sua sobrevivência.

Em consonância com esse perfil, o pensamento liberal pressupõe (T.E:5)
a) A crença no progresso, que deveria assegurar, através da intervenção governamental na atividade econômica, a
   felicidade e o conforto ao maior número possível de pessoas.
b) A crença no racionalismo, na livre iniciativa o no progresso, daí decorrendo a necessidade de manter a menor
   interferência governamental possível na atividade econômica.
c) A crença de que o bem estar social seria assegurado pelo respeito aos costumes tradicionalmente aceitos e
   estabelecidos.
d) A idéia de que a sociedade seria formada por uma teia de relações, tornando necessário ao homem agir em função
   dos seus semelhantes.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Carta de demissão temporária
Carta de demissão temporáriaCarta de demissão temporária
Carta de demissão temporáriaEdmilson Antonio
 
Juvenil b
Juvenil bJuvenil b
Juvenil bfbcat
 
Proceso de legalizacion de una empresa colombiana
Proceso de legalizacion de una empresa colombianaProceso de legalizacion de una empresa colombiana
Proceso de legalizacion de una empresa colombianadianaloboalvarado
 
Integración formas de estudiar el lenguaje
Integración formas de estudiar el lenguajeIntegración formas de estudiar el lenguaje
Integración formas de estudiar el lenguajeLautaro Pacella
 
Construction project and change order management contemporary affirm
Construction project and change order management contemporary affirmConstruction project and change order management contemporary affirm
Construction project and change order management contemporary affirmIAEME Publication
 
finalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEF
finalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEFfinalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEF
finalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEFEllen Minkels
 
Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...
Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...
Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...Vladimir Vulic
 
Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...
Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...
Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...Vladimir Vulic
 

Destaque (18)

Crossrail-C336-Paddington-New-Yard
Crossrail-C336-Paddington-New-YardCrossrail-C336-Paddington-New-Yard
Crossrail-C336-Paddington-New-Yard
 
Carta de demissão temporária
Carta de demissão temporáriaCarta de demissão temporária
Carta de demissão temporária
 
Juvenil b
Juvenil bJuvenil b
Juvenil b
 
С.Набока
С.НабокаС.Набока
С.Набока
 
Proceso de legalizacion de una empresa colombiana
Proceso de legalizacion de una empresa colombianaProceso de legalizacion de una empresa colombiana
Proceso de legalizacion de una empresa colombiana
 
Jet Net (2)
Jet Net (2)Jet Net (2)
Jet Net (2)
 
Integración formas de estudiar el lenguaje
Integración formas de estudiar el lenguajeIntegración formas de estudiar el lenguaje
Integración formas de estudiar el lenguaje
 
DOCUMENTOS
DOCUMENTOSDOCUMENTOS
DOCUMENTOS
 
CARPE_Logo
CARPE_LogoCARPE_Logo
CARPE_Logo
 
CV_YI CHUN WANG
CV_YI CHUN WANGCV_YI CHUN WANG
CV_YI CHUN WANG
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Construction project and change order management contemporary affirm
Construction project and change order management contemporary affirmConstruction project and change order management contemporary affirm
Construction project and change order management contemporary affirm
 
finalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEF
finalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEFfinalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEF
finalSensors2015_SpeakerPresentationPPT_Exergen Global Bram Stelt_DEFINITIEF
 
Reaildad e imagen
Reaildad e imagenReaildad e imagen
Reaildad e imagen
 
Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...
Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...
Organizaciona transformacija - Kako drustveni mediji razgradjuju korporativnu...
 
A república populista
A república populistaA república populista
A república populista
 
Forma
FormaForma
Forma
 
Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...
Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...
Feel Like Being a Hero? Help the Balkans Recover From a Catastrophic Natural ...
 

Semelhante a Ac 3 ano h ii -turma 1 - gabaritada

Idade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo aIdade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo aPaulo Billi
 
As trevas atingindo a medicina do período medieval A ética de Paracelso.pptx
As trevas atingindo a medicina do período medieval  A ética de Paracelso.pptxAs trevas atingindo a medicina do período medieval  A ética de Paracelso.pptx
As trevas atingindo a medicina do período medieval A ética de Paracelso.pptxFabricioSaraiva5
 
Historia exercicios idade_moderna_absolutismo
Historia exercicios idade_moderna_absolutismoHistoria exercicios idade_moderna_absolutismo
Historia exercicios idade_moderna_absolutismoCesar Silva
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentadoemanuel
 
Questões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxQuestões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxDiego Rocha
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Ana Cristina F
 
Historia lit
Historia litHistoria lit
Historia litliterafro
 
Aula absolutismo monárquico 2
Aula absolutismo monárquico 2Aula absolutismo monárquico 2
Aula absolutismo monárquico 2seixasmarianas
 
Lista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaLista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaElton Zanoni
 
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 GabaritoKellyCarvalho2011
 

Semelhante a Ac 3 ano h ii -turma 1 - gabaritada (20)

2º ano a e b
2º ano a e b2º ano a e b
2º ano a e b
 
Análise iconográfica
Análise iconográficaAnálise iconográfica
Análise iconográfica
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Idade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo aIdade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo a
 
As trevas atingindo a medicina do período medieval A ética de Paracelso.pptx
As trevas atingindo a medicina do período medieval  A ética de Paracelso.pptxAs trevas atingindo a medicina do período medieval  A ética de Paracelso.pptx
As trevas atingindo a medicina do período medieval A ética de Paracelso.pptx
 
Historia exercicios idade_moderna_absolutismo
Historia exercicios idade_moderna_absolutismoHistoria exercicios idade_moderna_absolutismo
Historia exercicios idade_moderna_absolutismo
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
 
Questões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxQuestões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docx
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
 
Prova de historia 2ano 3bimestre
Prova de historia 2ano 3bimestreProva de historia 2ano 3bimestre
Prova de historia 2ano 3bimestre
 
Historia lit
Historia litHistoria lit
Historia lit
 
Aula absolutismo monárquico 2
Aula absolutismo monárquico 2Aula absolutismo monárquico 2
Aula absolutismo monárquico 2
 
Lista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaLista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade Antiga
 
Avaliacao de historia pip
Avaliacao de historia pipAvaliacao de historia pip
Avaliacao de historia pip
 
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
 
Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)
 
Absolutismo europeu
Absolutismo europeuAbsolutismo europeu
Absolutismo europeu
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 

Mais de Pérysson Nogueira (20)

Ac de história 2 ano
Ac de história 2 anoAc de história 2 ano
Ac de história 2 ano
 
Ac 3 ano h ii -turma 1
Ac 3 ano h ii -turma 1Ac 3 ano h ii -turma 1
Ac 3 ano h ii -turma 1
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
Era vargas
Era   vargasEra   vargas
Era vargas
 
Política do café com leite
Política do café com leitePolítica do café com leite
Política do café com leite
 
Republica do cafe com leite
Republica do cafe com leiteRepublica do cafe com leite
Republica do cafe com leite
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Estados totalitários
Estados totalitáriosEstados totalitários
Estados totalitários
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
 
História fácil
História fácilHistória fácil
História fácil
 
História do ceará
História do cearáHistória do ceará
História do ceará
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Questão judaico palestina
Questão judaico palestinaQuestão judaico palestina
Questão judaico palestina
 
Aula de historia ditadura militar Parte II 64 pérysson
Aula de historia   ditadura militar Parte II 64 péryssonAula de historia   ditadura militar Parte II 64 pérysson
Aula de historia ditadura militar Parte II 64 pérysson
 
Sugestões de temas para o enem 2011
Sugestões de temas para o enem 2011Sugestões de temas para o enem 2011
Sugestões de temas para o enem 2011
 
Aula de historia ditadura militar 64 pérysson
Aula de historia   ditadura militar 64 péryssonAula de historia   ditadura militar 64 pérysson
Aula de historia ditadura militar 64 pérysson
 
Aula de historia ditadura militar 64 parte i
Aula de historia   ditadura militar 64  parte iAula de historia   ditadura militar 64  parte i
Aula de historia ditadura militar 64 parte i
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

Ac 3 ano h ii -turma 1 - gabaritada

  • 1. AC- HISTÓRIA II NOTA: DISCIPLINA: História – II PROFESSOR(A): Pérysson DATA: / / ALUNO(A): N.º: TURMA: TURNO: T.E.: 40 E.O.: ______ Leia atentamente o texto e responda às questões 1 e 2. "Servidão: uma obrigação imposta ao produtor pela força e independentemente de sua vontade para satisfazer certas exigências econômicas de um senhor, quer tais exigências tomem a forma de serviços a prestar ou de taxas a pagar em dinheiro ou em espécie." (Maurice Dobb - A EVOLUÇÃO DO CAPITALISMO) 1. A "corvéia" e a "talha" estavam entre as "exigências econômicas" dos senhores em relação aos servos. Esclareça no que consistiam. (T.E:5; E.O:___) A corvéia: trabalho gratuito de 3 dias por semana no manso senhorial onde toda a produção iria para o senhor feudal. Já a talha consistia em parte da produção como pagamento pelo manso servil. 2. O que diferencia a servidão da vassalagem? (T.E:5; E.O:___) Servidão era, de acordo com o texto, “uma obrigação imposta ao produtor pela força e independentemente de sua vontade para satisfazer certas exigências econômicas de um senhor” ou um colono fortemente preso a terra. Já a relação de suserania e vassalagem era uma relação de aliança entre os nobres guerreiros. 3. "O ouro e a prata que os reis incas tiveram em grande quantidade não eram avaliados [por eles] como tesouro porque, como se sabe, não vendiam nem compravam coisa alguma por prata nem por ouro, nem por eles pagavam os soldados, nem os gastavam com alguma necessidade que lhes aparecesse; tinham-nos como supérfluos, porque não eram de comer. Somente os estimavam por sua formosura e esplendor e para ornamento [das casas reais e ofícios religiosos]". Garcilaso de la Vega, Comentários Reais, 1609. Com base no texto, aponte: as principais diferenças entre o conjunto das idéias expostas no texto e a visão dos conquistadores espanhóis sobre a importância dos metais preciosos na colonização. (T.E:5; E.O:___) De acordo com o texto, os nativos não reconheciam o valor financeiro dos metais preciosos, e sim apena sua beleza. Para o dominador o metal precioso se encaixava na política do metalismo (a riqueza de uma pais era medida pela quantidade de metais preciosos) que fazia parte do mercantilismo ( que visava o fortalecimento do Estado absolutista). 4. "É exclusivamente na minha pessoa que reside o poder soberano... é só de mim que os meus tribunais recebem a sua existência e a sua autoridade; a plenitude dessa autoridade, que eles não exercem senão em meu nome, permanece sempre em mim, e o seu uso não pode nunca ser voltado contra mim; é a mim unicamente que pertence o poder legislativo sem dependência e sem partilha... a ordem pública inteira emana de mim, e os direitos e interesses da Nação, de que se ousa fazer um corpo separado do Monarca, estão necessariamente unidos com os meus e repousam unicamente nas minhas mãos.” (Apud MELLO, p.61) A partir da análise do texto acima, assinale “V’ para verdadeiro e “F” para falso: (T.E.: 5; E.O.:_____) (V ) O texto expressa a concepção de autoridade e soberania do rei, na época do Antigo Regime. (V ) O conceito de soberania expresso no texto foi criticado por Montesquieu, ao defender a divisão entre os Poderes do Estado de forma harmônica e equilibrada, dando ao Executivo o poder de vetar as decisões do Legislativo e a este, o poder de declarar o "impeachment" do Executivo. (V ) A instalação do Estado caracterizado no texto anterior tornou-se possível a partir da sua aceitação pela nobreza e do apoio da burguesia, interessada em adquirir vantagens econômicas com a adoção da política mercantilista. (F ) A imposição da autoridade de um soberano sobre a população se caracteriza como uma forma de poder legitima. (F ) A plenitude da autoridade do soberano, referida no texto, constitui-se característica das monarquias européias, até o final do século XIX.
  • 2. O texto abaixo, de John Locke (1632-1704), revela algumas características uma determinada corrente de pensamento. "Se o homem no estado de natureza é tão livre, conforme dissemos, se é senhor absoluto da sua própria pessoa e posses, igual ao maior e a ninguém sujeito, por que abrirá ele mão dessa liberdade, por que abandonará o seu império e sujeitar- se ao domínio e controle de qualquer outro poder? Ao que é óbvio responder que, embora no estado natureza tenha tal direito, a utilização do mesmo é muito incerta e está constantemente exposto à invasão terceiros porque, sendo todos senhores tanto quanto ele, todo homem igual a ele e, na maior parte, pouco observadores da eqüidade e da justiça, o proveito da propriedade que possui nesse estado é muito inseguro e muito arriscado. Estas circunstâncias obrigam-no abandonar uma condição que, embora livre, está cheia de temores e perigos constantes; e não é sem razão que procura de boa vontade juntar-se em sociedade com outros estão já unidos, ou pretendem unir-se, para a mútua conservação da vida, da liberdade e dos bens a que chamo de propriedade." ("Os Pensadores." São Paulo: Nova Cultural, 1991 5. Do ponto de vista político, podemos considerar o texto como uma tentativa justificar: (T.E:5) a) A existência do governo como um poder oriundo da natureza. b) A origem do governo como uma propriedade do rei. c) O absolutismo monárquico como uma imposição da natureza humana. d) A origem do governo como uma proteção à vida, aos bens e aos direitos. 6. Em menos de 200 anos, os astecas construíram um império com quinhentas cidades e 15 milhões de habitantes, dominando uma área que ia do golfo do México até o Pacífico. (T.E:5) O sucesso dessa expansão baseava-se a) Na liderança colegiada dos sacerdotes e nos rituais antropofágicos. b) Em uma religião monoteísta e na escravização de povos submetidos. c) Na presença de governo democrático e na escravização dos camponeses. d) Na força das armas e no engenhoso sistema de irrigação. 7. A compreensão do mundo por meio da religião é uma disposição que traduz o pensamento medieval, cujo pressuposto é (T.E:5) a) O antropocentrismo: a valorização do homem como centro do Universo e a crença no caráter divino da natureza humana. b) O panteísmo: a defesa da convivência harmônica de fé e razão, uma vez que o Universo, infinito, é parte da substância divina. c) O positivismo: submissão do homem aos dogmas instituídos pela Igreja e não questionamento das leis divinas. d) O teocentrismo: concepção predominante na produção intelectual e artística medieval, que considera Deus o centro do Universo. 8. Segundo o historiador Eric Hobsbawn, para o liberalismo clássico o homem era um animal social apenas na medida em que coexistia em grande número. Por isso, considera que o símbolo literário do "homem" dessa corrente de pensamento foi Robinson Crusoé, que conseguiu, após um naufrágio, viver quase três décadas numa ilha deserta, criando, sozinho, as condições de sua sobrevivência. Em consonância com esse perfil, o pensamento liberal pressupõe (T.E:5) a) A crença no progresso, que deveria assegurar, através da intervenção governamental na atividade econômica, a felicidade e o conforto ao maior número possível de pessoas. b) A crença no racionalismo, na livre iniciativa o no progresso, daí decorrendo a necessidade de manter a menor interferência governamental possível na atividade econômica. c) A crença de que o bem estar social seria assegurado pelo respeito aos costumes tradicionalmente aceitos e estabelecidos. d) A idéia de que a sociedade seria formada por uma teia de relações, tornando necessário ao homem agir em função dos seus semelhantes.