SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
apresentação institucional   2009 realização apoio
uma história de encontros e  desenvolvimento ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
porque existimos?    nossa missão ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
o quê? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],o quê?
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],por quê?
 
qual é o perfil do participante?   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
qual é o perfil do participante?
qual é o perfil do participante?   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
qual é o perfil do participante?   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
qual é o perfil do participante?   Em  Recife - PE , em cinco módulos presenciais de 04 dias cada um, intercalados por um estruturado conjunto de atividades de educação a distância (EAD), num total de  256 horas  de estudo.  As datas e os módulos são:  Módulos em 2009 julho: módulo I –  O que é desenvolvimento?   outubro: módulo II –  Como ocorrem as mudanças? dezembro: módulo III –  Como ler processos de desenvolvimento? Módulos em 2010 fevereiro: módulo IV –  Como intervir em processos de  denvolvimento? março: módulo V –  Como medir desenvolvimento? Como manter-se  aprendendo?
qual é o método?   Trabalha-se com exercícios de reflexão individual, trabalhos em grupo, debates e plenárias, estudos dirigidos, apresentação e análise de experiências, produção de textos, estudos de caso e atividades lúdico-artísticas com intencionalidade pedagógica. O sujeito aprende a partir de suas próprias motivações, e se interessa por aquilo que diz respeito à sua realidade. A sua realidade e a sua ação são pontos-chave da intervenção.  Ao mesmo tempo, há espaço e valorização do conjunto de conhecimentos acumulados pela sociedade e desenvolvidos por outros.  Valoriza esta dialética e procura favorecer a reconstrução de conceitos dentro de uma reflexão crítica a partir dos encontros entre prática, crenças, teorias e sentimentos.
 
resultados o que dizem os participantes   Revisitaram  e construíram compreensões mais amplas e consistentes a respeito do que são processos de desenvolvimento. Compreenderam  melhor seu papel junto aos diferentes grupos com  os quais se relacionam, cuidado melhor de suas próprias intervenções. Ampliaram  a percepção sobre seus próprios limites e desta forma passaram a valorizar e fortalecer a atuação de outras pessoas, potencializando ações em grupo. Observam  os processos sociais de modo mais integrado, relacionando o desenvolvimento das pessoas com o das organizações/comunidades.
resultados o que dizem os participantes   Desenvolveram  senso crítico a respeito de sua própria prática  social.  Passaram a valorizar  uma abordagem mais processual, usando perguntas como formas de estimular diálogos e abrir novos campos de compreensão sobre o mundo. Passaram a buscar  maneiras mais criativas para realizar seus trabalhos de gestão, supervisão, educação e articulação  política.  Ampliaram  fortemente suas habilidades de escuta. Perceberam  melhor o potencial criativo e por isso lidam melhor  com situações de pressão e de conflito.
Depoimentos...
Depoimentos... “ Senti-me mais forte e segura no meu papel de gente e profissional  que atua na questão social.  Não estou nem mais nem menos sensível,  estou mais consciente”. “ Desenvolvi habilidades cognitivas, corporais e metafísicas.  Aumentei  minha capacidade de leitura do cenário onde atuo , das questões que inquietam o outro. Melhorei minha capacidade de conviver com minhas incertezas, meus desafios. Percebo com muita clareza as necessidades trazidas na relação com os outros, minhas e deles”. “ Sobre futuras edições do Profides, eu realmente torço que elas  Aconteçam cada vez mais.  É profundo, transformador para pessoas e organizações.  Desejo muito sucesso e longevidade para esse processo”.
 
facilitadoras Marina Magalhães Carneiro de Oliveira,  consultora e facilitadora de processos, dedica-se a apoiar o desenvolvimento de grupos e organizações da esfera social. Coordenou a primeira edição do programa Profissão: Desenvolvimento e atuou como gerente do projeto DIES e do projeto Gestão, primeiros projetos do Fonte. Cursou o Facilitating Development no CDRA. É membro da Associação de Pedagogia Social de base antroposófica no Brasil. Estudou Medicina Veterinária na USP/SP e fez MBA em Recursos Humanos na FEA / USP. Trabalhou no setor empresarial nas áreas de qualidade, produção e operações no setor alimentício. Helena Rondon,  consultora e facilitadora de processos do Instituto Fonte. Dedica-se a facilitar e apoiar o processo de desenvolvimento de grupos e organizações da esfera social. Mestra em gestão pública da UFPE – Universidade Federal de Pernambuco. Formada em comunicação, especialização em marketing, área em que atuou por 15 anos no setor privado. Está atuando no Terceiro Setor há nove anos. Especializou-se em Fund Raising pela Indiana  University Center on Philanthropy  em  parceria com Instituto Procura – México. Coordenou a área de Mobilização de Recursos dos Doutores da Alegria – Recife e da Aliança INTERAGE. Professora de MKT Social, Comunicação Social , mobilização de recursos e planejamento para OSC’s no Mackenzie, na FCAP – Faculdade de Ciências e Administração de Pernambuco da UPE e na Escola de Governo. Conselheira da FMA- Fundação Mamíferos Aquáticos.
coordenação geral Antonio Luiz de Paula e Silva Consultor e facilitador de processos, Mestre em Administração pela FEA/USP (2001), engenheiro agrônomo pela ESALQ/USP e desde 1989 trabalha em projetos de desenvolvimento social como facilitador, educador e consultor. Fellow da Ashoka Empreendedores Sociais (1988), já esteve nos Estados Unidos, Áustria, Chile, Colômbia, Costa Rica e África do Sul para aprender e trabalhar. Autor do livro “Utilizando o Planejamento como Ferramenta de Aprendizagem”, editado pela Editora Global em 2001. Por quatro anos foi coordenador do Instituto Fonte ao lado de Flora Lovato; trabalha com consultoria de processos desde 1995 e coordenador deste programa..
 
Como apoiar? ,[object Object],[object Object],[object Object],F undo de Bolsas Cada bolsa integral para a edição Recife equivale a R$ 7.900,00 Você e sua organização podem realizar doações de uma ou mais bolsas.  As bolsas podem ser dirigidas ou abertas. A opção pela bolsa dirigida é interessante  para organizações que investem em projetos sociais e se preocupam com o fortalecimento institucional e a sustentabilidade das organizações apoiadas. A escolha por apoiar bolsas dirigidas permite indicar profissionais para participação no programa. O candidato deve passar pelo processo de seleção, que visa a garantir que os participantes tenham vivências e experiências no campo social.  Venha conversar com a gente e participar desta construção:  Lia Nasser:  [email_address] org . br   Helena Rondon :   [email_address] org . br Antonio Luiz de Paula e Silva:  alpsilva @fonte. org . br
Instituto Fonte para o Desenvolvimento Social Rua Itamirindiba, 1 – Pinheiros. Tel.: (11) 3032-1108/8733/2575 Visite nossa página:   fonte.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4CETUR
 
PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)
PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)
PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)ejaes
 
Aula 3 Metodologia Instrumentos
Aula 3 Metodologia InstrumentosAula 3 Metodologia Instrumentos
Aula 3 Metodologia Instrumentoseadcedaps
 
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...LOCIMAR MASSALAI
 
Módulo IV Aula 7
Módulo IV Aula 7Módulo IV Aula 7
Módulo IV Aula 7CETUR
 
Projeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitáriaProjeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitáriaRicardo da Palma
 
As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...
As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...
As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...Aslan Bogado
 
Módulo IV Aula 5
Módulo IV Aula 5Módulo IV Aula 5
Módulo IV Aula 5CETUR
 
Organizações do Poder Público e a Governança Social Integrada
Organizações do Poder Público e a Governança  Social IntegradaOrganizações do Poder Público e a Governança  Social Integrada
Organizações do Poder Público e a Governança Social IntegradaFundação Dom Cabral - FDC
 
Lideranças para Segurança Climática.
Lideranças para Segurança Climática.Lideranças para Segurança Climática.
Lideranças para Segurança Climática.CES FGV
 
Instrumentos De Gestão Participativa Das águas
Instrumentos De Gestão Participativa Das águasInstrumentos De Gestão Participativa Das águas
Instrumentos De Gestão Participativa Das águasRonaldo Weigand Jr
 
Coordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interaçõesCoordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interaçõesRoberto Costa
 
Estilos de Liderança em Comunidades de Prática Online
Estilos de Liderança em Comunidades de Prática OnlineEstilos de Liderança em Comunidades de Prática Online
Estilos de Liderança em Comunidades de Prática OnlineMário Santos
 

Mais procurados (19)

Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4
 
Projeto voluntariado
Projeto voluntariadoProjeto voluntariado
Projeto voluntariado
 
PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)
PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)
PEC-EJA:Desenvolvimento (Módulo 2)
 
Aula 3 Metodologia Instrumentos
Aula 3 Metodologia InstrumentosAula 3 Metodologia Instrumentos
Aula 3 Metodologia Instrumentos
 
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
 
Intervencao social modulo iii
Intervencao social modulo iiiIntervencao social modulo iii
Intervencao social modulo iii
 
Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012
Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012
Bombou! - Ed. Especial, Nº 06/2012
 
Módulo IV Aula 7
Módulo IV Aula 7Módulo IV Aula 7
Módulo IV Aula 7
 
Projeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitáriaProjeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitária
 
As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...
As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...
As Implicações da Cotidianidade na Prática do Assistente Social: Desafios da ...
 
Módulo IV Aula 5
Módulo IV Aula 5Módulo IV Aula 5
Módulo IV Aula 5
 
Organizações do Poder Público e a Governança Social Integrada
Organizações do Poder Público e a Governança  Social IntegradaOrganizações do Poder Público e a Governança  Social Integrada
Organizações do Poder Público e a Governança Social Integrada
 
Ferramentas para metodologias participativas parte 2
Ferramentas para metodologias participativas parte 2Ferramentas para metodologias participativas parte 2
Ferramentas para metodologias participativas parte 2
 
Intervenção social
Intervenção social Intervenção social
Intervenção social
 
Módulo x seção 2
Módulo x   seção 2Módulo x   seção 2
Módulo x seção 2
 
Lideranças para Segurança Climática.
Lideranças para Segurança Climática.Lideranças para Segurança Climática.
Lideranças para Segurança Climática.
 
Instrumentos De Gestão Participativa Das águas
Instrumentos De Gestão Participativa Das águasInstrumentos De Gestão Participativa Das águas
Instrumentos De Gestão Participativa Das águas
 
Coordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interaçõesCoordenador pedagógico processos e interações
Coordenador pedagógico processos e interações
 
Estilos de Liderança em Comunidades de Prática Online
Estilos de Liderança em Comunidades de Prática OnlineEstilos de Liderança em Comunidades de Prática Online
Estilos de Liderança em Comunidades de Prática Online
 

Destaque (20)

Aet turbos
Aet turbosAet turbos
Aet turbos
 
Hastane ing referasn albümü hg
Hastane ing referasn albümü hgHastane ing referasn albümü hg
Hastane ing referasn albümü hg
 
I o pertemuan 10
I o pertemuan 10I o pertemuan 10
I o pertemuan 10
 
The solar chill
The solar chillThe solar chill
The solar chill
 
Construção carbo
Construção carboConstrução carbo
Construção carbo
 
U rex video converter
U rex video converterU rex video converter
U rex video converter
 
Babiisistempemerintahan
BabiisistempemerintahanBabiisistempemerintahan
Babiisistempemerintahan
 
Publicación3 museo del mar
Publicación3 museo del marPublicación3 museo del mar
Publicación3 museo del mar
 
Respuestas
RespuestasRespuestas
Respuestas
 
45 romanos 1.1-17
45 romanos 1.1-1745 romanos 1.1-17
45 romanos 1.1-17
 
Hukum tajwid
Hukum tajwidHukum tajwid
Hukum tajwid
 
Umang Umang & Siput Laut
Umang Umang & Siput LautUmang Umang & Siput Laut
Umang Umang & Siput Laut
 
Fokus
FokusFokus
Fokus
 
Radial Process Charts
Radial Process ChartsRadial Process Charts
Radial Process Charts
 
Pierburg vedeni spalin
Pierburg vedeni spalinPierburg vedeni spalin
Pierburg vedeni spalin
 
Promoción genérica de la serie
Promoción genérica de la seriePromoción genérica de la serie
Promoción genérica de la serie
 
Siglo xv
Siglo xvSiglo xv
Siglo xv
 
Lixa para sua obra é com a Chimas
Lixa para sua obra é com a ChimasLixa para sua obra é com a Chimas
Lixa para sua obra é com a Chimas
 
Presentasi tia
Presentasi tiaPresentasi tia
Presentasi tia
 
Tsunami dari bnpb
Tsunami dari bnpbTsunami dari bnpb
Tsunami dari bnpb
 

Semelhante a PROFISSÃO DESENVOLVIMENTO

A escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivaA escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivarosania39
 
Programa Germinar - primeira turma Porto Alegre
Programa Germinar - primeira turma Porto AlegrePrograma Germinar - primeira turma Porto Alegre
Programa Germinar - primeira turma Porto Alegrelaurenaita
 
IAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdf
IAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdfIAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdf
IAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdfpedrodivinoo
 
PSICOLOGIA - LICENCIATURA
PSICOLOGIA - LICENCIATURAPSICOLOGIA - LICENCIATURA
PSICOLOGIA - LICENCIATURAxiaowu8637
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA
PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIAPROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA
PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIAxiaowu8637
 
II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...
II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...
II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...Colaborar Educacional
 
PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.
PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.
PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.Colaborar Educacional
 
COMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO
COMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃOCOMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO
COMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃOColaborar Educacional
 
Programa educação para o futuro revisão 25-08
Programa educação para o futuro   revisão 25-08Programa educação para o futuro   revisão 25-08
Programa educação para o futuro revisão 25-08Carolina Mendes
 
Boletim coaching junho13
Boletim coaching   junho13Boletim coaching   junho13
Boletim coaching junho13Myrthes Lutke
 
O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...
O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...
O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...Colaborar Educacional
 
III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...
III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...
III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...Colaborar Educacional
 
I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...
I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...
I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...Colaborar Educacional
 

Semelhante a PROFISSÃO DESENVOLVIMENTO (17)

A escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusivaA escola na perspectiva da educ inclusiva
A escola na perspectiva da educ inclusiva
 
Programa Germinar - primeira turma Porto Alegre
Programa Germinar - primeira turma Porto AlegrePrograma Germinar - primeira turma Porto Alegre
Programa Germinar - primeira turma Porto Alegre
 
Guia Habilidades.pdf
Guia Habilidades.pdfGuia Habilidades.pdf
Guia Habilidades.pdf
 
IAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdf
IAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdfIAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdf
IAS - As competências socioemocionais no cotidiano das escolas.pdf
 
PSICOLOGIA - LICENCIATURA
PSICOLOGIA - LICENCIATURAPSICOLOGIA - LICENCIATURA
PSICOLOGIA - LICENCIATURA
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA
PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIAPROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA
PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA
 
II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...
II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...
II - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos psicossociais a ...
 
PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.
PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.
PROGRAMA DE EXTENSÃO: PROGRAMA DE AÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL.
 
COMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO
COMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃOCOMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO
COMPONENTE CURRICULAR: PROJETO DE EXTENSÃO I - PSICOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO
 
Programa educação para o futuro revisão 25-08
Programa educação para o futuro   revisão 25-08Programa educação para o futuro   revisão 25-08
Programa educação para o futuro revisão 25-08
 
Aulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil efAulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil ef
 
Boletim coaching junho13
Boletim coaching   junho13Boletim coaching   junho13
Boletim coaching junho13
 
O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...
O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...
O perfil do egresso do curso de Psicologia idealizado pela IES proporciona um...
 
III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...
III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...
III - Participar de processos grupais, em diferentes contextos, considerando ...
 
I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...
I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...
I - Avaliar, diagnosticar, planejar e intervir em processos educativos em dif...
 
Induction 1
Induction 1Induction 1
Induction 1
 
Germinar Maringá
Germinar MaringáGerminar Maringá
Germinar Maringá
 

PROFISSÃO DESENVOLVIMENTO

  • 1. apresentação institucional 2009 realização apoio
  • 2.
  • 3.
  • 4.  
  • 5.
  • 6.
  • 7.  
  • 8.
  • 9.  
  • 10.
  • 11. qual é o perfil do participante?
  • 12.
  • 13.
  • 14.  
  • 15. qual é o perfil do participante? Em Recife - PE , em cinco módulos presenciais de 04 dias cada um, intercalados por um estruturado conjunto de atividades de educação a distância (EAD), num total de 256 horas de estudo. As datas e os módulos são: Módulos em 2009 julho: módulo I – O que é desenvolvimento? outubro: módulo II – Como ocorrem as mudanças? dezembro: módulo III – Como ler processos de desenvolvimento? Módulos em 2010 fevereiro: módulo IV – Como intervir em processos de denvolvimento? março: módulo V – Como medir desenvolvimento? Como manter-se aprendendo?
  • 16. qual é o método? Trabalha-se com exercícios de reflexão individual, trabalhos em grupo, debates e plenárias, estudos dirigidos, apresentação e análise de experiências, produção de textos, estudos de caso e atividades lúdico-artísticas com intencionalidade pedagógica. O sujeito aprende a partir de suas próprias motivações, e se interessa por aquilo que diz respeito à sua realidade. A sua realidade e a sua ação são pontos-chave da intervenção. Ao mesmo tempo, há espaço e valorização do conjunto de conhecimentos acumulados pela sociedade e desenvolvidos por outros. Valoriza esta dialética e procura favorecer a reconstrução de conceitos dentro de uma reflexão crítica a partir dos encontros entre prática, crenças, teorias e sentimentos.
  • 17.  
  • 18. resultados o que dizem os participantes Revisitaram e construíram compreensões mais amplas e consistentes a respeito do que são processos de desenvolvimento. Compreenderam melhor seu papel junto aos diferentes grupos com os quais se relacionam, cuidado melhor de suas próprias intervenções. Ampliaram a percepção sobre seus próprios limites e desta forma passaram a valorizar e fortalecer a atuação de outras pessoas, potencializando ações em grupo. Observam os processos sociais de modo mais integrado, relacionando o desenvolvimento das pessoas com o das organizações/comunidades.
  • 19. resultados o que dizem os participantes Desenvolveram senso crítico a respeito de sua própria prática social. Passaram a valorizar uma abordagem mais processual, usando perguntas como formas de estimular diálogos e abrir novos campos de compreensão sobre o mundo. Passaram a buscar maneiras mais criativas para realizar seus trabalhos de gestão, supervisão, educação e articulação política. Ampliaram fortemente suas habilidades de escuta. Perceberam melhor o potencial criativo e por isso lidam melhor com situações de pressão e de conflito.
  • 21. Depoimentos... “ Senti-me mais forte e segura no meu papel de gente e profissional que atua na questão social. Não estou nem mais nem menos sensível, estou mais consciente”. “ Desenvolvi habilidades cognitivas, corporais e metafísicas. Aumentei minha capacidade de leitura do cenário onde atuo , das questões que inquietam o outro. Melhorei minha capacidade de conviver com minhas incertezas, meus desafios. Percebo com muita clareza as necessidades trazidas na relação com os outros, minhas e deles”. “ Sobre futuras edições do Profides, eu realmente torço que elas Aconteçam cada vez mais. É profundo, transformador para pessoas e organizações. Desejo muito sucesso e longevidade para esse processo”.
  • 22.  
  • 23. facilitadoras Marina Magalhães Carneiro de Oliveira, consultora e facilitadora de processos, dedica-se a apoiar o desenvolvimento de grupos e organizações da esfera social. Coordenou a primeira edição do programa Profissão: Desenvolvimento e atuou como gerente do projeto DIES e do projeto Gestão, primeiros projetos do Fonte. Cursou o Facilitating Development no CDRA. É membro da Associação de Pedagogia Social de base antroposófica no Brasil. Estudou Medicina Veterinária na USP/SP e fez MBA em Recursos Humanos na FEA / USP. Trabalhou no setor empresarial nas áreas de qualidade, produção e operações no setor alimentício. Helena Rondon, consultora e facilitadora de processos do Instituto Fonte. Dedica-se a facilitar e apoiar o processo de desenvolvimento de grupos e organizações da esfera social. Mestra em gestão pública da UFPE – Universidade Federal de Pernambuco. Formada em comunicação, especialização em marketing, área em que atuou por 15 anos no setor privado. Está atuando no Terceiro Setor há nove anos. Especializou-se em Fund Raising pela Indiana University Center on Philanthropy em parceria com Instituto Procura – México. Coordenou a área de Mobilização de Recursos dos Doutores da Alegria – Recife e da Aliança INTERAGE. Professora de MKT Social, Comunicação Social , mobilização de recursos e planejamento para OSC’s no Mackenzie, na FCAP – Faculdade de Ciências e Administração de Pernambuco da UPE e na Escola de Governo. Conselheira da FMA- Fundação Mamíferos Aquáticos.
  • 24. coordenação geral Antonio Luiz de Paula e Silva Consultor e facilitador de processos, Mestre em Administração pela FEA/USP (2001), engenheiro agrônomo pela ESALQ/USP e desde 1989 trabalha em projetos de desenvolvimento social como facilitador, educador e consultor. Fellow da Ashoka Empreendedores Sociais (1988), já esteve nos Estados Unidos, Áustria, Chile, Colômbia, Costa Rica e África do Sul para aprender e trabalhar. Autor do livro “Utilizando o Planejamento como Ferramenta de Aprendizagem”, editado pela Editora Global em 2001. Por quatro anos foi coordenador do Instituto Fonte ao lado de Flora Lovato; trabalha com consultoria de processos desde 1995 e coordenador deste programa..
  • 25.  
  • 26.
  • 27. Instituto Fonte para o Desenvolvimento Social Rua Itamirindiba, 1 – Pinheiros. Tel.: (11) 3032-1108/8733/2575 Visite nossa página: fonte.org.br