SlideShare uma empresa Scribd logo

Egito antigo

1 de 39
Baixar para ler offline
Egito antigo
Egito antigo
Egito antigo
Egito antigo
Rio Nilo
O rio Nilo e seu delta: como pode ser visto a partir da Estação Espacial
Internacional. A área metropolitana do Cairo forma uma base particularmente
brilhante da flor. As pequenas cidades no delta do Nilo, tendem a ser difíceis de
ver em meio à densa vegetação agrícola durante o dia. No entanto, estas áreas
de assentamento e as estradas de ligação entre elas se tornam visíveis à noite. Da
mesma forma, as regiões urbanizadas e infra-estrutura ao longo do rio Nilo se
torna aparente. Esta fotografia foi tirada pelo astronauta a tripulação da
Expedição 25 em 28 de outubro de 2010.
Soberano do Baixo Egito:
      cor vermelha

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sociedade Mineradora
Sociedade MineradoraSociedade Mineradora
Sociedade Mineradora
 
Hebreus, fenicios e persas
Hebreus, fenicios e persasHebreus, fenicios e persas
Hebreus, fenicios e persas
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e Persas
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
egito
 egito egito
egito
 
Feudalismo e idade média.
Feudalismo e idade média.Feudalismo e idade média.
Feudalismo e idade média.
 
Escravidão no Brasil, Leis abolicionistas e Problematizações atuais
Escravidão no Brasil, Leis abolicionistas e Problematizações atuaisEscravidão no Brasil, Leis abolicionistas e Problematizações atuais
Escravidão no Brasil, Leis abolicionistas e Problematizações atuais
 
Edith Piaf
Edith PiafEdith Piaf
Edith Piaf
 
Egito Antigo - 6º Ano (2017)
Egito Antigo - 6º Ano (2017)Egito Antigo - 6º Ano (2017)
Egito Antigo - 6º Ano (2017)
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Consílio
ConsílioConsílio
Consílio
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
Aula arte egipicia
Aula arte egipiciaAula arte egipicia
Aula arte egipicia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Independência da Africa do Sul - História
Independência da Africa do Sul - HistóriaIndependência da Africa do Sul - História
Independência da Africa do Sul - História
 
Arte Egípcia
Arte Egípcia Arte Egípcia
Arte Egípcia
 
Primeiras Civilizações - Egito Antigo
Primeiras Civilizações - Egito AntigoPrimeiras Civilizações - Egito Antigo
Primeiras Civilizações - Egito Antigo
 
Debret no brasil
Debret no brasilDebret no brasil
Debret no brasil
 

Semelhante a Egito antigo (20)

Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01
 
Egito antigo2016
Egito antigo2016Egito antigo2016
Egito antigo2016
 
Moda Através dos Séculos
Moda Através dos SéculosModa Através dos Séculos
Moda Através dos Séculos
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Arte egípcia,1
Arte egípcia,1Arte egípcia,1
Arte egípcia,1
 
Bh Fev2010
Bh Fev2010Bh Fev2010
Bh Fev2010
 
Pré Historia ao Oriente
Pré Historia ao OrientePré Historia ao Oriente
Pré Historia ao Oriente
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Banquete grego
Banquete gregoBanquete grego
Banquete grego
 
O Egito
O EgitoO Egito
O Egito
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 

Mais de ProfessoresColeguium (20)

Apresentação segundo reinado 2012
Apresentação segundo reinado 2012Apresentação segundo reinado 2012
Apresentação segundo reinado 2012
 
Eua xix - 2012
Eua   xix -  2012Eua   xix -  2012
Eua xix - 2012
 
Banquete grego
Banquete gregoBanquete grego
Banquete grego
 
Linha do tempo 8º ano
Linha do tempo   8º anoLinha do tempo   8º ano
Linha do tempo 8º ano
 
As revoltas regenciais
As revoltas regenciaisAs revoltas regenciais
As revoltas regenciais
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
 
Guerra dos colossos
Guerra dos colossosGuerra dos colossos
Guerra dos colossos
 
O século de péricles e troia
O século de péricles e troiaO século de péricles e troia
O século de péricles e troia
 
Projeto x modelo para a pesquisa bibliográfica
Projeto x   modelo para a pesquisa bibliográficaProjeto x   modelo para a pesquisa bibliográfica
Projeto x modelo para a pesquisa bibliográfica
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismo
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Roteiro 1ª suplementat 9º ano 2012
Roteiro 1ª suplementat 9º ano 2012Roteiro 1ª suplementat 9º ano 2012
Roteiro 1ª suplementat 9º ano 2012
 
Roteiro 1ª suplementar 8º ano 2012
Roteiro 1ª suplementar  8º ano 2012Roteiro 1ª suplementar  8º ano 2012
Roteiro 1ª suplementar 8º ano 2012
 

Egito antigo

  • 5. Rio Nilo O rio Nilo e seu delta: como pode ser visto a partir da Estação Espacial Internacional. A área metropolitana do Cairo forma uma base particularmente brilhante da flor. As pequenas cidades no delta do Nilo, tendem a ser difíceis de ver em meio à densa vegetação agrícola durante o dia. No entanto, estas áreas de assentamento e as estradas de ligação entre elas se tornam visíveis à noite. Da mesma forma, as regiões urbanizadas e infra-estrutura ao longo do rio Nilo se torna aparente. Esta fotografia foi tirada pelo astronauta a tripulação da Expedição 25 em 28 de outubro de 2010.
  • 6. Soberano do Baixo Egito: cor vermelha
  • 11. As embarcações Os barcos eram dirigidos por meio de remos especiais à proa. Os tamanhos das embarcações iam desde os pequenos barcos de junco até os grandes barcos mercantes de guerra. As barcaças elegantes fabricadas para o rei,e para os nobres,ou para transportar estátuas de deuses,eram pintadas com cores alegres e enfeitadas com ouro.Tinham confortáveis cabines e velas de cores berrantes
  • 12. Estátua em calcário do escriba Amen- hotep, filho de Nebiri Museu de Brooklyn, Estados Unidos.
  • 13.  O vestuário dos egípcios restringia-se a poucas peças, basicamente saia, blusa e túnica, com leve drapeado ou pregueado diagonal, em geral confeccionadas em tecidos brancos, leves e transparentes, de algodão ou linho.  A roupa era um divisor das classes sociais. Para as classes mais altas, a roupa era muito mais luxuosa, enquanto as menos favorecidas, muita das vezes andavam nus. Os pastores e barqueiro geralmente usavam só uma faixa na cintura com tiras penduradas na frente. As bailarinas usavam vestidos transparentes. E as criadas andavam geralmente nuas ou com apenas uma tira de couro entre as pernas.
  • 14. Linho O fio de linho, cultivado nas margens do Nilo, costuma ser empregado para a fabricação de vestimentas em geral, além de peças de cama e bandagens de múmia. Isso acontecia porque o linho era um dos principais produtos agrícolas do país.
  • 15. Vestuário Feminino  As roupas masculinas eram  As mulheres egípcias usavam feitas basicamente por um saiote uma camisa muito fina e, sobre a curto e uma ou várias pulseiras, mesma, um vestido branco, um anel e um gorjal. Também plissado e transparente como o usavam pingentes de jade ou de dos homens. As mangas dos cornalina suspenso a um vestidos eram enfeitadas com comprido cordão. Esse vestuário franjas e os antebraços ficavam deixava o egípcio apresentável descobertos. Os pulsos para visitar suas terras, receber femininos exibiam pulseiras que negociantes ou se dirigir para podiam ser rígidas, ou formadas qualquer repartição. Mas ele por duas placas de ouro tinha a alternativa de substituir trabalhado unidas por duas o pequeno saio por uma saia charneiras. Também usavam tufada e calçar sandálias. anéis.
  • 16. As sandálias As sandálias, por outro lado, não eram usadas propriamente para o ir e vir, mas apenas nos momentos convenientes. O homem do povo levava suas sandálias na mão ou penduradas em um cajado, e só se calçavam quando chagava ao seu destino. Até o faraó, às vezes, andava descalço e um dos seus criados de sua escolta carregava-lhe as sandálias. Tais calçados eram feitos de papiro transado, de couro ou até mesmo com solado e correias de ouro.
  • 17. Processo de Mumificação Mumificação é o nome do processo aprimorado pelos egípcios em que retiram-se os principais órgãos, além do cérebro do cadáver, dificultando assim a sua decomposição. Geralmente, os corpos são colocados em sarcófagos e envoltos por faixas de algodão ou linho. Após o processo ser concluído são chamadas de múmias Primeiro, o corpo era levado para um local conhecido como 'ibu' ou o 'lugar da purificação'. Lá os embalsamadores lavavam o corpo com essências aromáticas, e com água do Nilo.
  • 18. O cérebro é tirado pelas narinas, através de um instrumento curvo, mexe-se no cérebro que é uma massa mole, e este se liquefaz. Injeta-se vinho de tâmara, ajudando a dissolver mais o cérebro. Vira-se o morto e o cérebro escorre pelas narinas;
  • 19. É aberta uma incisão no abdômen e todos os órgãos internos, exceto o coração, são retirados, embalsamados e colocados em jarros chamados de canopos. Em seguida, o corpo é enchido com saquinhos de sal (Natrão) e mergulhado em uma espécie de bacia um pouco inclinada com um furo de um lado, para que seus líquidos escorram. Após isso, a múmia é literalmente enterrada por cerca de 70 dias. O sal absorve todo o líquido do corpo;
  • 20. Após os 70 dias o corpo era lavado com água do Nilo. Depois era coberto com óleos aromáticos para manter a pele elástica. No passado, os órgãos internos retirados das múmias eram armazenados em jarras canópicas.
  • 21. Muitos anos depois a prática de embalsamamento foi mudada e os embalsamadores começaram a recolocar os órgãos no corpo do falecido após terem sido desidratados em natro. Cada um deles representava um Deus,que velava os órgãos da Múmia. São eles: Imsety o deus com cabeça de humano velava pelo fígado. Hapy o deus com cabeça de babuíno guardava os pulmões. Duamutef o deus com cabeça de chacal tomava conta do estomago. Qebehsenuef o deus com cabeça de falcão vigiava os intestinos.  
  • 22. Vaso canopo era um recipiente utilizado no Antigo Egito para colocar os órgãos retirados do morto durante o processo de mumificação. A forma destes recipientes variou ao longo da história do Antigo Egito, bem como os materiais em que estes foram feitos, que incluíram a madeira, a pedra, o barro e o alabastro. Os egípcios acreditavam que a preservação desses órgãos era fundamental para assegurar uma vida no Além.
  • 23. Tribunal de Osíris Reparem na balança. Na imagem o Deus Anúbis, o deus dos mortos, manipula a balança da justiça. Importante: O tribunal de Osíris relaciona-se com o processo de mumificação.
  • 24.  Os exames feitos nas múmias podem esclarecer dúvidas sobre a vida dos antigos egípcios, sua alimentação, doenças, relações familiares, etc. No caso das múmias reais, estas podem também melhorar nossa compreensão da cronologia egípcia.  A múmia de Ramsés II, abrigada no Museu Egípcio do Cairo, revela um homem de rosto longo, fino e nariz aquilino.  Raios X demonstraram que, para manter o característico nariz curvo deste faraó, os embalsamadores colocaram dentro dele grãos de pimenta escorados por um minúsculo osso de animal. Ele tinha provavelmente uns 90 anos quando morreu e tinha suas costas curvadas a tal ponto, que os embalsamadores tiveram que quebrar sua espinha para endireitar seu corpo.  Abscessos notados em seu maxilar devem ter lhe causado muita dor. O rei também sofria de problemas de circulação sanguínea, artrite, uma ferida no ombro e foram descobertos sinais de uma fratura cicatrizada no dedo do pé.
  • 27.  Das cem pirâmides conhecidas no Egito, a maior (e mais famosa) é a de Quéops, única das sete maravilhas antigas que resiste ao tempo. Datada de 2.550 a.C.  Khufu (ou Quéops, seu nome em grego), que encomendou a grande pirâmide, era filho de Snefru, que já tinha feito sua pirâmidezinha. O conhecimento passou de geração em geração, e Quéfren, filho de Quéops, e Miquerinos, o neto, completaram o trio das pirâmides de Gizé.  Para botar de pé os monumentos, que nada mais eram que tumbas luxuosas para os faraós, estima-se que 30 mil egípcios trabalharam durante 20 anos. "Esses trabalhadores eram trocados a cada três meses. A maioria trabalhava no corte e transporte dos blocos", diz Antonio Brancaglion Jr., egiptólogo do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).  Além do pessoal que pegava pesado, havia arquitetos, médicos, padeiros e cervejeiros. Tudo indica que esses homens eram livres (e não escravos), pagos com cerveja e alimentos. Mas há controvérsias. Alguns apostam em 100 mil trabalhadores!
  • 28. Cerca de 2,3 milhões de blocos ajudaram a botar de pé a pirâmide de Quéops As pedras foram o começo de tudo - cada bloco pesava em média 2,5 toneladas, mas isso variava: o tamanho diminuía de acordo com a altura, e em lugares específicos, como a câmara do rei, havia pedras gigantes, estimadas em até 80 toneladas. Depois de cortados nas pedreiras, os blocos eram lixados e catalogados: escrevia-se o nome do faraó e o do grupo de trabalhadores responsáveis. No total, 2,3 milhões de blocos teriam sido usados na construção da pirâmide de Queóps. Veja os infográficos a seguir:
  • 32. A proeza de transportar os blocos gigantes é tão complexa que até hoje não existe consenso. Isso pode ter sido feito com cordas; com uma espécie de trenó de troncos de madeira cilíndricos, sobre os quais as pedras deslizavam; ou com a ajuda de tafla, um tipo de barro que, molhado, fica escorregadio e ajuda a deslizar os blocos. Depois de assentados, os blocos eram cortados em um ângulo de 51º, o que deixava a face da pirâmide lisa. Mais infográficos:
  • 39. Livro:  BRAICK. Patricia. História das Cavernas ao Terceiro Milênio. (6º ano) São Paulo: Editora Moderna, 2006. Sites:  http://ciencia.hsw.uol.com.br/piramide2.htm  http://professor-rogerio.blogspot.com/2011/04/como-foram-erguidas-as-piramides-do.html  http://domfernando.wordpress.com/2009/03/24/mumificacao/  http://www.khanelkhalili.com.br/egiptologia02.htm  http://www.egito-turismo.com/mapas/nilo-imagem.htm  http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/galeria+a+terra+vista+de+cima/n1300094619287.html  http://histemoda.blogspot.com/2009/07/antigo-egito.html  http://egipcioscuriosidades.blogspot.com/2010/08/prova-virtual-de-historia.html  http://www.starnews2001.com.br/mum1emb.htm  http://osfilhosdonilo.blogspot.com/2010_07_01_archive.html  http://hidrografia.atspace.com/galfotos.html