O juiz de paz

458 visualizações

Publicada em

O juiz de paz

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O juiz de paz

  1. 1. Profª. Josi Motta
  2. 2. • Luiz Carlos Martins Pena nasceu no Rio de Janeiro, em 1815, e morreu em Lisboa, em 1848. Humilde de nascimento, estudou e aprendeu por conta própria o francês e o italiano. • Desde cedo começou a escrever comédias, alcançando muito êxito com o apoio do maior ator da época, João Caetano.
  3. 3. Comédia de costumes • Análise superficial dos comportamentos humanos • Violação de certas normas de conduta • Preocupação: vida amorosa, o dinheiro, desejo de ascensão social, escravidão • Críticas quase realistas x teatro romântico • Contrastes campo X cidade
  4. 4. O Juiz de Paz da Roça (1838) • Escola Literária : Romantismo com elementos do pré-realismo • Gênero Literário : Dramático - Comédia de Costumes • Espaço : Interior do Rio de Janeiro ( casa de Manuel João no início da peça e a casa do Juiz no encerramento da obra. • Momento Histórico da ação narrativa : período da Revolução Farroupilha (Rio Grande do Sul - 1834) • Tempo : Cronológico: tudo acontece em menos de 24 horas. • Estrutura da Peça: Ato Único com 23 cenas
  5. 5. • Mãe e filha. • Amor secreto de Aninha e José: planejam casar em segredo, mas ele é capturado para tornar-se soldado, a favor do governo e contra a Revolução Farroupilha. • Família. Costumes. Escrivão. • Juiz e escrivão: Bananas e carta Casos: Umbigada de Gregório em Josefa. Após algumas deliberações sobre disputas locais entre os lavradores, o juiz ordena que Manuel João, pai de Aninha, leve José e o mantenha em casa por um dia, para, então, levá-lo ao quartel. • No meio da noite, Aninha e José fogem e casam-se
  6. 6. Espaço / Tempo Rio de Janeiro - casa de Manuel João e casa do Juiz de paz. A peça é de 1837. O momento histórico da ação é o mesmo da Revolução Farroupilha, acontecida no Rio Grande do Sul, em 1834: convocação militar que José, noivo de Aninha, vem fugindo. 0 casamento seria justificativa legal para seu não recrutamento. Manuel João o encarregado de conduzir o recruta ao serviço militar - o que não acaba acontecendo.
  7. 7. Personagens: •Juiz de Paz; •escrivão do Juiz de Paz; •Manuel João (pai da moça); •Maria Rosa (mãe da moça); •Aninha; •José da Fonseca; •lavradores.
  8. 8. Após algumas deliberações sobre disputas locais entre os lavradores, o juiz ordena que Manuel João, pai de Aninha, leve José e o mantenha em casa por um dia, para, então, levá-lo ao quartel. • No meio da noite, Aninha e José fogem e casam-se em segredo. Após darem o fato por consumado, os pais perdoam à jovem e vão até o juiz esclarecer o caso. O rapaz fica assim desobrigado de servir e a peça acaba com todos comemorando.
  9. 9. • Influenciada pelo teatro picaresco espanhol • Possui, além da crítica social e do diálogo coloquial; piada de duplo sentido e a utilização de danças e canções. (Gil Vicente) • A descrição e a crítica aos costumes do Rio de Janeiro de meados do século XIX. • Critica os costumes do interior brasileiro, à época do Império, evidenciando a ignorância dos pequenos magistrados roceiros, o jogo entre o Direito, enquanto doutrina jurídica, e a vontade e os desmandos puramente pessoais de quem assume o cargo de juiz.
  10. 10. Corrupção • Na comédia, o juiz de paz é um pequeno corrupto que usa a autoridade do cargo para lidar com a inocência dos roceiros, que lhe trazem os mais cômicos casos. • O escrivão é a pessoa mais próxima ao juiz e viabiliza suas ordens, no entanto não é intencionalmente corrupto e chega a surpreender-se com algumas decisões de seu superior. “O certo é que é bem bom ser juiz de paz cá pela roça. De vez em quando temos nossos presentes de galinhas, bananas, ovos.

×