SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Risco Radiológico
Tec. Em farmácia
Prof.ª Esp. Maria Fernanda Godoy Costa
Equipamentos de segurança
Essa é justamente a finalidade dos EPIs, Equipamentos de Proteção
Individual. O uso deles é obrigatório por técnicos, enfermeiros, médicos,
pacientes, acompanhantes, etc. Também é necessária a plicação do
levantamento radiométrico.
Tempo, Distância e Blindagem
Na tentativa de minimizar o perigo da exposição à
radiação, é preciso ficar de olho em 3 fatores principais:
tempo, distância e blindagem.
Para que serve o avental de chumbo?
O avental de chumbo é um equipamento de proteção individual utilizado para
reduzir a exposição do tronco e das extremidades a radiações ionizantes. É
constituído por uma peça de tecido geralmente de algodão ou poliéster, revestida
por uma camada de chumbo, que pode ser fixada no corpo com tiras elásticas ou
botões.
Óculos plumbíferos: Assim como os aventais, também são um
equipamento feito de chumbo. Porém a substância é misturado ao
vidro. O objetivo é proteger os olhos e melhorar a visibilidade durante
exames radiológicos.
Protetores de tireóide: Assim como os aparelhos reprodutores, a glândula da
tireóide também pode ser muito afetada pela radiação. Para evitar esse risco
são utilizados os protetores de tireóide, geralmente em forma de colar,
pendurados ao redor do pescoço.
Protetores de gônadas: A radiação infelizmente é muito prejudicial à
fertilidade, tanto de homens quanto de mulheres. Pensando nisso, os
protetores de gônadas foram desenvolvidos como solução para a proteção
dos aparelhos reprodutores femininos e masculinos.
Exposição à radiação também é uma preocupação em certas
situações de alto risco, como:
• Gestação
• Na infância
• Início da infância
• Em adultos jovens para mulheres que precisam fazer
mamografia
Recomendações:
O diagnóstico de imagem que utiliza radiação ionizante, especialmente
a TC, só deve ser feito quando claramente necessário. Devem ser
consideradas alternativas. Por exemplo, em crianças pequenas,
traumas leves de crânio podem, geralmente, ser diagnosticados e
tratados com base em achados clínicos e a apendicite geralmente pode
ser diagnostica da por ultrassonografia. Entretanto, exames necessários
não devem ser adiados, mesmo que a dose de radiação seja elevada (p.
ex., tomografias), desde que os benefícios superem os potenciais
riscos.
Quais são os efeitos imediatos da exposição à radioatividade?
Exposição a níveis moderados de radiação podem resultar em náusea e vômitos, seguidos de
diarreia, dores de cabeça e febre. Depois da primeira série de sintomas, pode haver breve
período sem qualquer problema aparente, mas algumas semanas depois, os sintomas podem
voltar ainda mais fortes. Com níveis mais altos de radiação, todos esses sintomas podem ser
imediatamente aparentes, assim como lesões possivelmente fatais - aos órgãos internos.
Normalmente, a exposição a uma dose de quatro grays mataria cerca de metade dos adultos
saudáveis.
Em comparação, o tratamento com radiação contra câncer geralmente utiliza várias doses entre
um e sete grays de cada vez, mas as doses são altamente controladas e normalmente dirigidas a
uma área específica do corpo.
.
E os efeitos de longo prazo?
Câncer é o maior risco de longo prazo. Normalmente quando as células do corpo
atingem sua "data de validade", elas cometem suicídio.
O câncer aparece quando as células perdem esta habilidade e efetivamente se
tornam imortais, continuando a se dividir e se multiplicar de forma descontrolada.
O corpo tem vários processos para garantir que as células não se tornem
cancerosas, mas os danos causados por exposição à radiação podem atrapalhar
esses processos de controle, fazendo com que o câncer se torne muito mais
provável.
O fracasso em consertar de forma efetiva os danos causados pela radiação
também podem gerar mutações genéticas não apenas associadas ao câncer, mas
que também podem ser passadas para os filhos, levando a deformidades em
futuras gerações. Entre os problemas que podem surgir daí estão mudanças no
tamanho da cabeça e do cérebro, má formação dos olhos, problemas de
crescimento e de aprendizado
Atividade de fixação:
Quais os primeiros sintomas de contaminação gerados pela radiação:
Quais são as vias de contaminação pela Radiação:
Quais os grupos de pessoas mais afetados pela radiação:
Como a radiação pode levar a morte:
Quais fatores determinantes de segurança radiológica:

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Risco Radiologico.pptx

Raios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascdaRaios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascdaJoao Candido
 
Raios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascdaRaios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascdaJoao Candido
 
Câncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e PescoçoCâncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e PescoçoOncoguia
 
Câncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e PescoçoCâncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e PescoçoOncoguia
 
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaEfeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaRenato Sabbatini
 
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaEfeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaRenato Sabbatini
 
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLARRITADECASSIABONASSI
 
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLARRITADECASSIABONASSI
 
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptxSLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptxGlendaRegoSoares1
 
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptxSLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptxGlendaRegoSoares1
 
Melanoma - Ameaça Silenciosa
 Melanoma - Ameaça Silenciosa Melanoma - Ameaça Silenciosa
Melanoma - Ameaça SilenciosaRui Costa
 
Melanoma - Ameaça Silenciosa
 Melanoma - Ameaça Silenciosa Melanoma - Ameaça Silenciosa
Melanoma - Ameaça SilenciosaRui Costa
 
Apresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxApresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxbrunaraevely1
 
Apresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxApresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxbrunaraevely1
 

Semelhante a Risco Radiologico.pptx (20)

Raios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascdaRaios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascda
 
Raios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascdaRaios ultravioletafasfascda
Raios ultravioletafasfascda
 
Câncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e PescoçoCâncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e Pescoço
 
Câncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e PescoçoCâncer de Cabeça e Pescoço
Câncer de Cabeça e Pescoço
 
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaEfeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
 
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde HumanaEfeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
Efeitos de RF de Baixa Intensidade na Saúde Humana
 
Câncer de pulmão
Câncer de pulmãoCâncer de pulmão
Câncer de pulmão
 
Câncer de pulmão
Câncer de pulmãoCâncer de pulmão
Câncer de pulmão
 
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
 
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
2 ano - Biologia - aula 2 - RADIAÇÃO SOLAR
 
Câncer de pele
Câncer de peleCâncer de pele
Câncer de pele
 
Câncer de pele
Câncer de peleCâncer de pele
Câncer de pele
 
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptxSLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
 
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptxSLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
SLIDE TRABALHO ONCOLOGIA CANCER DE PELE.pptx
 
Melanoma - Ameaça Silenciosa
 Melanoma - Ameaça Silenciosa Melanoma - Ameaça Silenciosa
Melanoma - Ameaça Silenciosa
 
Melanoma - Ameaça Silenciosa
 Melanoma - Ameaça Silenciosa Melanoma - Ameaça Silenciosa
Melanoma - Ameaça Silenciosa
 
Exposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames Radiológicos
Exposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames RadiológicosExposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames Radiológicos
Exposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames Radiológicos
 
Exposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames Radiológicos
Exposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames RadiológicosExposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames Radiológicos
Exposição Pediátrica à Radiação Ionizante em Exames Radiológicos
 
Apresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxApresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptx
 
Apresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxApresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptx
 

Mais de ProfYasminBlanco

INTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.ppt
INTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.pptINTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.ppt
INTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.pptProfYasminBlanco
 
tecnicemenfermagem......................................................
tecnicemenfermagem......................................................tecnicemenfermagem......................................................
tecnicemenfermagem......................................................ProfYasminBlanco
 
Aula 02 - Classificação dos seres vivos.pdf
Aula 02 - Classificação dos seres vivos.pdfAula 02 - Classificação dos seres vivos.pdf
Aula 02 - Classificação dos seres vivos.pdfProfYasminBlanco
 
AULA DIVISÃO CELULAR.pptx
AULA DIVISÃO CELULAR.pptxAULA DIVISÃO CELULAR.pptx
AULA DIVISÃO CELULAR.pptxProfYasminBlanco
 
trabalho de mucoliticos.pptx
trabalho de mucoliticos.pptxtrabalho de mucoliticos.pptx
trabalho de mucoliticos.pptxProfYasminBlanco
 
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxpowerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxProfYasminBlanco
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfProfYasminBlanco
 
psicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptx
psicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptxpsicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptx
psicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptxProfYasminBlanco
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxProfYasminBlanco
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxProfYasminBlanco
 
Anestesia-Geral-princip.ppt
Anestesia-Geral-princip.pptAnestesia-Geral-princip.ppt
Anestesia-Geral-princip.pptProfYasminBlanco
 
tcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptx
tcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptxtcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptx
tcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptxProfYasminBlanco
 
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdfanestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdfProfYasminBlanco
 
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.pptMetodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.pptProfYasminBlanco
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfProfYasminBlanco
 
docsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptx
docsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptxdocsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptx
docsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptxProfYasminBlanco
 
ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdf
ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdfALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdf
ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdfProfYasminBlanco
 

Mais de ProfYasminBlanco (20)

INTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.ppt
INTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.pptINTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.ppt
INTRODUÇÃO À ANATOMIA 2019 ..GRAVAÇÃO.ppt
 
tecnicemenfermagem......................................................
tecnicemenfermagem......................................................tecnicemenfermagem......................................................
tecnicemenfermagem......................................................
 
Aula 02 - Classificação dos seres vivos.pdf
Aula 02 - Classificação dos seres vivos.pdfAula 02 - Classificação dos seres vivos.pdf
Aula 02 - Classificação dos seres vivos.pdf
 
AULA DIVISÃO CELULAR.pptx
AULA DIVISÃO CELULAR.pptxAULA DIVISÃO CELULAR.pptx
AULA DIVISÃO CELULAR.pptx
 
trabalho de mucoliticos.pptx
trabalho de mucoliticos.pptxtrabalho de mucoliticos.pptx
trabalho de mucoliticos.pptx
 
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxpowerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
 
psicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptx
psicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptxpsicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptx
psicofarmacologia-150819141931-lva1-app6891.pptx
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
 
PHARMACODYNAMICS-.pptx
PHARMACODYNAMICS-.pptxPHARMACODYNAMICS-.pptx
PHARMACODYNAMICS-.pptx
 
Anestesia-Geral-princip.ppt
Anestesia-Geral-princip.pptAnestesia-Geral-princip.ppt
Anestesia-Geral-princip.ppt
 
tcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptx
tcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptxtcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptx
tcnicadevendasffgilberto-110804143816-phpapp02.pptx
 
24CRF-IM-AF-e-RAM.pptx
24CRF-IM-AF-e-RAM.pptx24CRF-IM-AF-e-RAM.pptx
24CRF-IM-AF-e-RAM.pptx
 
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdfanestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
anestsicoslocais-151014013000-lva1-app6892.pdf
 
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.pptMetodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
 
docsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptx
docsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptxdocsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptx
docsity-aula-1-farmacia-hospitalar.pptx
 
aula_respiratorio-09.ppt
aula_respiratorio-09.pptaula_respiratorio-09.ppt
aula_respiratorio-09.ppt
 
ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdf
ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdfALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdf
ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS.pdf
 

Risco Radiologico.pptx

  • 1. Risco Radiológico Tec. Em farmácia Prof.ª Esp. Maria Fernanda Godoy Costa
  • 2. Equipamentos de segurança Essa é justamente a finalidade dos EPIs, Equipamentos de Proteção Individual. O uso deles é obrigatório por técnicos, enfermeiros, médicos, pacientes, acompanhantes, etc. Também é necessária a plicação do levantamento radiométrico.
  • 3. Tempo, Distância e Blindagem Na tentativa de minimizar o perigo da exposição à radiação, é preciso ficar de olho em 3 fatores principais: tempo, distância e blindagem.
  • 4. Para que serve o avental de chumbo? O avental de chumbo é um equipamento de proteção individual utilizado para reduzir a exposição do tronco e das extremidades a radiações ionizantes. É constituído por uma peça de tecido geralmente de algodão ou poliéster, revestida por uma camada de chumbo, que pode ser fixada no corpo com tiras elásticas ou botões.
  • 5. Óculos plumbíferos: Assim como os aventais, também são um equipamento feito de chumbo. Porém a substância é misturado ao vidro. O objetivo é proteger os olhos e melhorar a visibilidade durante exames radiológicos.
  • 6. Protetores de tireóide: Assim como os aparelhos reprodutores, a glândula da tireóide também pode ser muito afetada pela radiação. Para evitar esse risco são utilizados os protetores de tireóide, geralmente em forma de colar, pendurados ao redor do pescoço.
  • 7. Protetores de gônadas: A radiação infelizmente é muito prejudicial à fertilidade, tanto de homens quanto de mulheres. Pensando nisso, os protetores de gônadas foram desenvolvidos como solução para a proteção dos aparelhos reprodutores femininos e masculinos.
  • 8. Exposição à radiação também é uma preocupação em certas situações de alto risco, como: • Gestação • Na infância • Início da infância • Em adultos jovens para mulheres que precisam fazer mamografia
  • 9. Recomendações: O diagnóstico de imagem que utiliza radiação ionizante, especialmente a TC, só deve ser feito quando claramente necessário. Devem ser consideradas alternativas. Por exemplo, em crianças pequenas, traumas leves de crânio podem, geralmente, ser diagnosticados e tratados com base em achados clínicos e a apendicite geralmente pode ser diagnostica da por ultrassonografia. Entretanto, exames necessários não devem ser adiados, mesmo que a dose de radiação seja elevada (p. ex., tomografias), desde que os benefícios superem os potenciais riscos.
  • 10. Quais são os efeitos imediatos da exposição à radioatividade? Exposição a níveis moderados de radiação podem resultar em náusea e vômitos, seguidos de diarreia, dores de cabeça e febre. Depois da primeira série de sintomas, pode haver breve período sem qualquer problema aparente, mas algumas semanas depois, os sintomas podem voltar ainda mais fortes. Com níveis mais altos de radiação, todos esses sintomas podem ser imediatamente aparentes, assim como lesões possivelmente fatais - aos órgãos internos. Normalmente, a exposição a uma dose de quatro grays mataria cerca de metade dos adultos saudáveis. Em comparação, o tratamento com radiação contra câncer geralmente utiliza várias doses entre um e sete grays de cada vez, mas as doses são altamente controladas e normalmente dirigidas a uma área específica do corpo. .
  • 11. E os efeitos de longo prazo? Câncer é o maior risco de longo prazo. Normalmente quando as células do corpo atingem sua "data de validade", elas cometem suicídio. O câncer aparece quando as células perdem esta habilidade e efetivamente se tornam imortais, continuando a se dividir e se multiplicar de forma descontrolada. O corpo tem vários processos para garantir que as células não se tornem cancerosas, mas os danos causados por exposição à radiação podem atrapalhar esses processos de controle, fazendo com que o câncer se torne muito mais provável. O fracasso em consertar de forma efetiva os danos causados pela radiação também podem gerar mutações genéticas não apenas associadas ao câncer, mas que também podem ser passadas para os filhos, levando a deformidades em futuras gerações. Entre os problemas que podem surgir daí estão mudanças no tamanho da cabeça e do cérebro, má formação dos olhos, problemas de crescimento e de aprendizado
  • 12. Atividade de fixação: Quais os primeiros sintomas de contaminação gerados pela radiação: Quais são as vias de contaminação pela Radiação: Quais os grupos de pessoas mais afetados pela radiação: Como a radiação pode levar a morte: Quais fatores determinantes de segurança radiológica: