Conteúdo 1° ano - Resenha

868 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
868
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conteúdo 1° ano - Resenha

  1. 1. ResenhaCríticaObras artísticasEventos culturais
  2. 2. Leia o texto abaixo:O filme “Shattered Glass” (O preço da verdade) é baseado emfatos reais. Conta a história de Stephen Glass (HaydenChristensen), um jornalista muito conceituado, mesmo sendobem jovem na época, que alcançou o seu fracasso por purodespreparo, irresponsabilidade e falta de ética.Stephen já tinha trabalhado em outros jornais e revistas, masfoi na revista “The New Republic”, uma das mais bemconceituadas de Washington e lida pelo presidente americanoque ele cometeu o grande erro que o levou à decadência comojornalista. Glass era muito querido no trabalho. Era umbajulador e tinha todos os outros redatores como amigos.Exceto um, Chuck Lane (Peter Sarsgaard) que mais tarde setornaria o editor-chefe. Além de muito querido, Stephen tinhauma capacidade de criação muito grande, o que o fazia ser umredator bem cotado.
  3. 3. Ele foi desmascarado após ter escrito uma matéria sobre umhacker que teria conseguido invadir a segurança de umaempresa. A entrevista teria sido feita em uma convenção dehackers. A investigação sobre a matéria começou porque oeditor de uma outra publicação questionou o repórter AdamPenenberg (Steve Zahn) por não ter coberto o assunto.Adam, o jornalista da revista “Forbes”, achou estranho nãoter tido conhecimento da invasão e da convenção. Começa achecar as fonte, afim de conseguir uma matéria com o hackere acaba descobrindo que elas eram falsas. O filme mostra oque muitas pessoas são capazes de fazer para subir na vida:quebram o princípio da ética e da moral. A impressão que ofilme transmite, em seu final surpreendente, é de queStephen, por ser tão dissimulado, acabou acreditando naprópria mentira, esquecendo das consequências que podemacarretar.
  4. 4. Questões:Qual é o assunto tratado no filme?Há a possibilidade de saber sobre ospersonagens através do texto?Qual é o objetivo do texto?A linguagem utilizada é pessoal ouimpessoal?Quem é o público alvo do texto?
  5. 5. Definição:Resenha é o texto que se propõe fazer umarelação das propriedades de um objeto,enumerar cuidadosamente seus aspectosrelevantes, descrever as circunstâncias que oenvolvem.O objeto resenhado pode ser um acontecimentoqualquer da realidade (um jogo de futebol, umacomemoração solene, uma feira de livros) outextos e obras culturais (um romance, uma peçade teatro, um filme).
  6. 6. Estrutura:Uma parte descritiva em que se dão informações sobreo texto:— nome do autor (ou dos autores);— título completo e exato da obra (ou evento);— análise da obra/evento.Na resenha crítica, além dos elementos já mencionados,entram também comentários e julgamentos do autorsobre as ideias do autor, o valor da obra, etc .
  7. 7. Definições de outros gêneros que sediferenciam da resenha/crítica:Sinopse ResumoResumo de uma obra Sintetizar uma obra semcom o objetivo de opinar sobre a mesma;apontar os principaisaspectos desta de forma Deve possuir o mesmosucinta; vocabulário e a mesmaÉ sempre favorável à ordem do texto original;obra e possui (na Tem o objetivo de sermaioria das vezes) as material de estudo.palavras do autor;
  8. 8. Exemplos:Sinopse de CrepúsculoA história de Crepúsculo é sobre Bella Swan, uma adolescenteque nunca se deu bem com as outras garotas e, depois que a mãese casa novam ente, se muda da ensolarada Phoenix para achuvosa cidade de Forks para viver com o pai. Lá, ela começa aviver um romance com o misterioso Edward Cullen, que faz partede uma família de vampiros. Assim como os outros de suaespécie, Edward é extremamente forte e rápido, e também nãoenvelhece. Porém, sua família se diferencia dos outros vampirospor não beberem sangue humano. Apesar do que sentem um pelooutro, Bella e Edward tentam se afastar, para que ele não ceda aodesejo de beber o sangue dela. Mas as coisas começam a piorarpara os dois quando um grupo de vampiros inimigos da família deEdward chegam à cidade procurando por Bella.http://www.efeitopop.com/crepusculo-confira-o-trailer-fotos-e-sinopse-do-filme/
  9. 9. CrepúsculoCrepúsculo é o mais recente fenômeno entre a garotada. Tendo custado US$ 37milhões, rendeu mais de US$ 145 milhões ao redor do planeta em duas semanas noscinemas. Baseado no best seller homônimo de Stephenie Meyer, o filme reúneelementos que atraem em cheio os espectadores mais jovens: romance e fantasia,além de toques de suspense. A matemática está completa e temos aqui um fenômenocinematográfico que já tem frutos prometidos: Lua Nova será lançado em 2010.Dirigido por Catherine Hardwicke ( Os Reis de Dogtown ) – que já está fora dacontinuação -, Crepúsculo acompanha o romance entre Bella (Kristen Stewart, de NaNatureza Selvagem ) e Edward (Robert Pattinson, de Harry Potter e o Cálice de Fogo ).Um romance adolescente – já complicado por definição - que ganha toques dedramaticidade por conta dele ser um vampiro. Tudo ocorre na minúscula e chuvosacidade de Forks, no Estado norte-americano de Washington, para onde ela se mudapara morar com o pai (Billy Burke). O tempo sempre nebuloso é terreno perfeito paraque os vampiros Cullen, possam viver, incluindo Edward. Quando Bella se muda para lá,a atração entre os protagonistas é inevitável. Edward é mais ou menos tudo que umagarota sonha (num mundo fantasioso, evidentemente): lindo, protege Bella e aindatem superpoderes. Deve ser por isso que ele é capaz de arrancar suspiros não somenteda protagonista, mas da plateia feminina também. Tem esse detalhe dele sempre terde resistir a sugar todo o sangue da amada, mas isso é mero detalhe que Bella tentasuperar. Por isso, existe essa tensão entre os dois que nunca passa.
  10. 10. Ao mesmo tempo em que respondem a instintos primitivos relacionados aoamor e ficarem juntos para sempre, Edward tem de superar seus própriosdesejos vampirescos e não devorar sua amada. Literalmente.O conflito é transformado em tensão, sofrimento, dor e tudo isso que o amorprovoca, mesmo nos seres humanos normais que não brilham comodiamantes sob o sol como os vampiros. Crepúsculo é o tipo de filme quefunciona muito bem junto aos espectadores que embarcam em sua viagem.As cenas nas quais Edward mostra toda a sua força e velocidade típicas desua espécie são impressionantes, principalmente quando ele praticamenteflutua pelas paisagens geladas das florestas que circundam a cidade de Forks.Pattinson (que disputou o papel com outros cinco mil atores) e Kristen estãobem nos seus papéis, representando dignamente essa tensão do amor tãodificultado por seus próprios instintos, mas impossível de não serexperimentado pelos personagens. A fotografia gelada, numa ambientaçãosempre chuvosa, dá o ar sombrio que a história precisa. Mas algo incomodaem Crepúsculo : a trilha sonora. Essa já cansativa mania dos produtores deHollywood de utilizarem a música exageradamente para sublinharsentimentos e momentos de tensão. O final do longa é aberto,evidentemente, já pedindo uma continuação e atiçando o espectador quevolte aos cinemas em 2010. A franquia agradece.http://br.cine ma.yahoo.com/filme/15357/critica/10081/crepusculo
  11. 11. Mais um exemplo:Roger Waters ergue seu muro no MorumbiShow "The Wall" usa tecnologia para recriar ópera-rock do Pink Floyd lançada em1979THALES DE MENEZESO muro, figura que Roger Waters criou para sintetizar sua relação conturbadacom o público, é edificado hoje no Morumbi. É a terceira e última parada daturnê brasileira do show "The Wall", do ex-integrante do Pink Floyd, depois dePorto Alegre e Rio. Ele repete a dose na terça. O espetáculo foi concebido paraencher os olhos da plateia. No entanto, o disco que dá origem ao show, lançadoem 1979, nasceu da dificuldade de Waters em compreender a resposta da plateiaà banda no palco. Daí o compositor criou o conceito de um grande muro, pararepresentar a separação entre artista e fãs. Waters somou a isso experiênciaspessoais quando criança, depois da Segunda Guerra, e neuroses que assimilou noconvívio com Syd Barrett, maluquete que liderou o Pink Floyd nos anos 60. Ocriador não gosta de chamar sua obra de ópera-rock, mas "The Wall" é tãopoderosamente imagético que acabou virando filme em 1982. Foi a primeira devárias versões da história de Pink, o personagem central da narrativa (leia àesquerda). Alegorias sobre isolamento pessoal e governos autoritários sealternam na trajetória de astro de rock muito perturbado.
  12. 12. Conceitualmente, o show de hoje não é muito diferente da encenação a queBerlim assistiu em 1990. Com músicos convidados, fez a apresentação paracelebrar a derrubada do muro na cidade alemã, um ano antes. Duas décadasdepois, as novas tecnologias deixam "The Wall" irresistível no palco. Neste ano, oespetáculo é, para o calendário de shows no Brasil, o equivalente à turnê "360º",do U2, que aportou no mesmo local em 2011. Bonecos gigantescos e projeçõesdigitais impecáveis reconstituem os desenhos criados pelo artista Gerald Scarfepara o visual do álbum e para as animações do filme, icônicas na história do rock.Quando entoar "Fallen Loved Ones", o também ativista político Waters mostraráfotos e histórias de pessoas que perderam a vida em guerras, como seu pai. Aexemplo do que fez no show de Porto Alegre, deve prestar homenagem a JeanCharles de Menezes, brasileiro morto por agentes da Polícia Metropolitana deLondres há quase sete anos.

×