Musicas Teatro Mágico para análise de Figuras de Linguagem

1.149 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Musicas Teatro Mágico para análise de Figuras de Linguagem

  1. 1. Pratododia Como arroz e feijão, é feita de grão em grão Nossa felicidade Como arroz e feijão A perfeita combinação Soma de duas metades Como feijão e arroz que só se encontram depois de abandonar a embalagem Mas como entender que os dois Por serem feijão e arroz Se encontram só de passagem Me jogo da panela Pra nela eu me perder Me sirvo a vontade, que vontade de te ver O dia do prato chegou é quando eu encontro você Nem me lembro o que foi diferente! Mas assim como veio acabou e quando eu penso em você Choro café e você chora leite Choro café e você chora leite. (O Teatro Mágico) Reticências Quanta mudança alcança O nosso ser posso ser assim daqui a pouco não Quanta mudança alcança O nosso ser posso ser assim daqui a pouco Se agregar não é segregar Se agora for, foi-se a hora Dispensar não é não pensar Se saciou foi-se em bora Quanta mudança alcança O nosso ser posso ser assim daqui a pouco não Quanta mudança alcança O nosso ser posso ser assim daqui a pouco Se lembrar não é celebrar… Dura – lhe a dor quando aflora Esquecer não é perdoar Se consagrou sangra agora Quanta mudança alcança O nosso ser posso ser assim daqui a pouco não
  2. 2. Quanta mudança alcança O nosso ser posso ser assim Tempo de dá colo, tempo de decolar Tempo de dá colo, tempo de decolar O que há é o que é e o que será (nascerá, nascerá…) Tempo de dá colo, tempo de decolar Tempo de dá colo, tempo de decolar O que há é o que é e o que será (nascerá, nascerá…) Reciclar a palavra, o telhado e o porão… Reinventar tantas outras notas musicais… Escrever o pretexto, o prefácio e o refrão… Ser essência… Muito mais… Ser essência… Muito mais… A porta aberta, o porto acaso, o caos, o cais… Se lembrar de celebrar muito mais… Se lembrar de celebrar muito mais… Se lembrar de celebrar muito mais… (O Teatro Mágico) Pena Composição: Fernando Anitelli e Maíra Viana O poeta pena quando cai o pano E o pano cai Um sorriso por ingresso Falta assunto, falta acesso Talento traduzido em cédula E a cédula tronco é a cédula mãe solteira O poeta pena quando cai o pano E o pano cai Acordes em oferta, cordel em promoção A Prosa presa em papel de bala Música rara em liquidação E quando o nó cegar Deixa desatar em nós Solta a prosa presa A Luz acesa Lá se dorme um Sol em mim menor Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior (4x) O palhaço pena quando cai o pano E o pano cai A porcentagem e o verso rifa, tarifa e refrão
  3. 3. Talento provado em papel moeda Poesia metamorfoseada em cifrão O palhaço pena quando cai o pano E o pano cai Meu museu em obras, obras em leilão Atalhos, retalhos, sobras A matemática da arte em papel de pão E quando o nó cegar Deixa desatar em nós Solta a prosa presa A luz acesa Já se abre um sol em mim maior [Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior] (4x) (O Teatro Mágico)

×