COLÉGIO FRANCISCANO CORAÇÃO DE MARIA                        Disciplina: Redação                                      Ensin...
Justiça e MemóriaÉ incansável o trabalho de mulheres e homens agentes da lei - investigadores,            "Há milhares de ...
b)   O poder de transformação da leituraAssunto: LeituraObjetivo: Como a leitura pode transformar um indivíduo.    c)   Vi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gabartio segunda avaliação 3° ano 1° trimestre

440 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gabartio segunda avaliação 3° ano 1° trimestre

  1. 1. COLÉGIO FRANCISCANO CORAÇÃO DE MARIA Disciplina: Redação Ensino Médio Atividade: Segunda Avaliação Série: 3ª Trimestre: 1º Data: _______/04/2013 Professor (a): Fernanda BragaAluno(a): Turma: Número:ESTA PROVA TEM O VALOR DE 9,0 PONTOS.AS QUESTÕES DEVEM SER RESPONDIDAS À CANETA PRETA.OS VALORES DAS QUESTÕES ESTÃO AO LADO DO ENUNCIADO.RESPOSTAS EM FORMA DE ESQUEMA E NÃO DE PARÁGRAFOS NÃO SERÃO LIDAS.NADA ESCRITO ALÉM DO LIMITE DE LINHAS SERÁ LIDO.A REDAÇÃO QUE FOR ESCRITA SOMENTE NA FOLHA DE RASCUNHO NÃO SERÁ AVALIADA. VOCÊPODERÁ DESTACAR A FOLHA DE RASCUNHO.BOA SORTE!QUESTÃO 01 (VALOR: 4 PONTOS)TEXTO IDireitos das mulheres e fim da impunidade à violência (Por Eleonora Menicucci*)Os crimes de violência contra as mulheres são reais, perversos e vulnerabilizam a todas: conhecidas e anônimas, emqualquer período da vida. O Estado brasileiro enfrenta os crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06)ou no Código Penal -, levando-os à justiça, com determinação de não ser cúmplice com a impunidade. Há um ano, o Brasil assistiu estarrecido o desenrolar de uma trama ardilosa: o "Pelo menos três estupros coletivos estiveram estupro coletivo de cinco mulheres como presente de aniversário. O município de em evidência em Queimadas, no interior da Paraíba, viu faces bárbaras da violência de gênero. Duas nosso país. Duas das vítimas reconheceram os algozes e foram brutalmente assassinadas. Tiveram adolescentes, fãs de seus corpos profanados e jogados nas ruas da cidade. Com requintes de crueldade, uma banda de axé, o caso de Queimadas tem elementos que caracterizam o femicídio, crime motivado estupradas por dez pelo ódio às mulheres. homens, em agosto, na Bahia. Uma enfermeira violada, em novembro, no Paraná, por três homens a mando do ex-marido. Uma veranista violentada por dois homens, neste mês, no Piauí"Estupros ColetivosDe lá para cá, pelo menos três estupros coletivos estiveram em evidência em nosso país. Duas adolescentes, fãs deuma banda de axé, estupradas por dez homens, em agosto, na Bahia. Uma enfermeira violada, em novembro, noParaná, por três homens a mando do ex-marido. Uma veranista violentada por dois homens, neste mês, no Piauí.Pelo mundo, vieram à tona os estupros coletivos na Índia e, recentemente, na África do Sul e no México. Um tantodistante no tempo, o assassinato de Margarida Maria Alves, eliminada por defender a causa das Trabalhadorasrurais, no interior da Paraíba, completará 30 anos, em agosto, e continua sem condenação dos assassinos.PandemiaEstamos diante de uma pandemia que exige respostas cada vez mais rápidas, eficientes e integradas do poderpúblico e da sociedade. Não é mais possível furtar-se do debate nem postergar soluções. É hora de inverter a lógicavigente e tornar efetivo o direito das mulheres a ter uma vida sem violência.Se por um lado, são muitos os criminosos que ainda permanecem impunes, por outro, parte deles está respondendojudicialmente por seus atos. A celeridade com que os sistemas de segurança pública e de justiça têm reagido, com aresponsabilização dos agressores, é determinante para o enfrentamento à violência de gênero. E é de Queimadasum exemplo que pode ser seguido país afora: pressão social para apuração e elucidação dos fatos, investigaçãopolicial célere, julgamentos imparciais com aplicação rigorosa da legislação e condenação dos criminosos que soma184 anos de reclusão. Seis deles estão presos e três adolescentes cumprem medidas socioeducativas. A SPM estáatenta e aguardando o julgando do mentor dos crimes, que irá a júri popular.
  2. 2. Justiça e MemóriaÉ incansável o trabalho de mulheres e homens agentes da lei - investigadores, "Há milhares de processosperitos, legistas, delegados, defensores públicos, promotores, jurados e juízes - em judiciaisbusca da justiça e do respeito à memória das vítimas. Apenas no último ano, instaurados emacompanhamos a movimentação dos julgamentos de agressores e assassinos de comarcas, varas eEloá Pimentel, das mulheres paraibanas e de Eliza Samudio, cujas penas tribunais. Até 2011abrandam a indignação pelas mortes precoces. foram 685.905 milContudo, vale registrar que há milhares de processos judiciais instaurados em procedimentos,comarcas, varas e tribunais. Até 2011 foram 685.905 mil procedimentos, sendo 408 sendo 408 milmil julgados e encerrados, conforme dados do Conselho Nacional de Justiça, um julgados edos parceiros da campanha Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha - A encerrados"Lei é mais forte", coordenada pela SPM. Há seis meses, lançamos essamobilização, que inclui o Ministério da Justiça, a Defensoria Pública e o Ministério Público, para que a lei seja maisforte do que qualquer sinal, tentativa ou sensação de impunidade. É compromisso da justiça assegurar julgamentosbaseados em provas incontestáveis de condenação ou inocência, assim como evitar a banalização da violência e osucessivo descumprimento aos direitos das mulheres.♦ Eleonora Menicucci é ministra de estado, chefe da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência daRepública (SPM-PR)Fonte: http://www.carosamigos.com.br/index/index.php/artigos-e-debates/3119-direito-das-mulheres-e-fim-da-impunidadeTEXTO IIApós a leitura dos textos acima, redija uma dissertação-argumentativa sobre a violência contra as mulheres e asconsequências que isso gera na constituição familiar. Como conclusão, proponha uma forma de evitar que aimpunidade para quem pratica esse crime continue.• Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao longo de suaformação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista, elaborandopropostas para a solução do problema discutido em seu texto. Suas propostas devem demonstrar respeito aosdireitos humanos.• Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da modalidade escrita culta da línguaportuguesa.• O texto não deve ser escrito em forma de poema (versos).• O texto deverá ter no mínimo 15 (quinze) linhas escritas.Obrigatoriedades:Mencionar as consequências da violência contra a mulher na formação familiar;Proposta de intervenção na conclusão: evitar a impunidade para os agressores.QUESTÃO 02 (VALOR: 3 PONTOS)Aponte a delimitação do assunto e a fixação do objetivo nos temas abaixo: a) O trabalho na construção da dignidade humanaAssunto: TrabalhoObjetivo: Como o trabalho influencia na dignidade do homem.
  3. 3. b) O poder de transformação da leituraAssunto: LeituraObjetivo: Como a leitura pode transformar um indivíduo. c) Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privadoAssunto: Os meios virtuais de comunicação do século 21Objetivo: as diferenças e limites entre o ambiente virtual público e o privado, invasão de privacidade, uso indiscriminadodos meios virtuais, crimes virtuais, etc..QUESTÃO 03 (VALOR: 2 PONTOS)Redija um parágrafo introdutório através da contextualização sobre o tema da tira abaixo:O parágrafo introdutório deveria abordar o tratamento dispensado ao índio nos dias de hoje e citar o fatoocorrido no RJ com a retirada dos índios do museu próximo ao Maracanã. Como acréscimo, o aluno poderiamencionar as disputas entre portugueses e indígenas desde a época da colonização.

×