SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
1


                     PREFEITURA MUNICIPAL DE CABO FRIO
                     Região dos Lagos – Estado do Rio de Janeiro
                     Secretaria Municipal de Educação
                     Departamento Técnico-Pedagógico / Divisão de Supervisão Escolar
                     Serviço de Programas Especiais / Coordenação de Alfabetização

                                       ATIVIDADES PERMANENTES EM TURMAS DE 1º ANO DE ESCOLARIDADE

                                                                                                                                                Tempo
                                                                                                                                                máximo
      Atividade                            Função                                                 Como fazer?                                recomendado

      AGENDA              O TRABALHO COM A AGENDA TEM                     Sensibilizar o grupo para o momento da escuta e da
                          COMO FINALIDADES:                                 participação durante a produção escrita da agenda do dia.        10 minutos
                                                                          Organizar e escrever a agenda do dia no quadro ou em outro
    Nas      situações     Trabalhar a função social da escrita,           material na presença dos alunos. Enquanto escreve, é
cotidianas da sala de     utilizando-se de textos REAIS.                    importante ler em voz alta quais serão as atividades do dia,
aula, é importante         Possibilitar ao aluno “ler”, mesmo sem          mencionando qual delas iniciará o dia, qual virá na sequência,
que as atividades do      saber ler convencionalmente.                      o que vem antes do recreio e depois dele.
dia              sejam     Observar um “escritor” mais experiente              Durante a produção escrita da agenda fazer, sempre
organizadas       junto   escrevendo e ampliar as noções que                        que possível, a abordagem dos aspectos do sistema
aos alunos. Assim,        possuem sobre os instrumentos e                           de escrita: representação gráfica das letras,
todos                se   procedimentos que envolvem o ato de                       reconhecimento delas, variedade e repetição de letras,
comprometem com o         escrever.                                                 palavras com começo e final com a mesma letra,
cumprimento         das    Ensinar que para escrever precisamos                    organização das letras na composição das palavras...
mesmas. Além disso,       de muitas letras, e que elas são colocadas
a organiza-ção da         nos lugares certos.                                ESTAS ABORDAGENS SOBRE OS ASPECTOS DA
AGENDA é uma               Possibilitar ao aluno ser um agente ativo        ESCRITA DEVERÃO SER FEITAS COM ALGUMAS
importante estratégia     no processo de ensino e aprendizagem.              PALAVRAS TENDO O CUIDADO COM O TEMPO
que leva os alunos a       Organizar as atividades do dia                   UTILIZADO PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE.
pensar e trabalhar        observando a sequência numérica.
uma situação real de       Desenvolver atitudes de escuta.                 Direcionar momentos de intervenções pontuais com alguns
leitura e de escrita.      Identificar as atividades do dia para            alunos: chamar ao quadro o aluno que ainda está com
Nessas situações a        decidir sobre o que fazer em cada                  dificuldade no processo de aprendizagem e pedir que ele leia
escrita é também          momento da aula.                                   uma das palavras escritas passando o dedo ou outro
utilizada para auto-       Ampliar noções de tempo, construindo             marcador sobre as palavras; peça ao aluno para falar o nome
2


monitoração       das   os conceitos de passado, presente e               da letra ou sílaba inicial da palavra lida; solicite que o aluno
próprias ações.         futuro.                                            encontre determinada palavra na lista (agenda) etc.
                         Garantir o aproveitamento do tempo             Conversar com os alunos sobre a responsabilidade para o
                        escolar.                                           cumprimento das atividades previstas e organizadas na
                         Ensinar comportamentos desejáveis                agenda.
                        para o cumprimento das atividades do dia.        Fazer, rapidamente, a leitura coletiva do que foi escrito.
                         Promover      situações    de     respon-      Retomar à agenda, ao término de cada atividade realizada,
                        sabilidade coletiva.                               para desafiar o aluno a saber o que vai acontecer, sinalizar o
                         Reconhecer palavras, letras e sílabas            que já foi feito e refletir sobre o tempo escolar. (“Qual atividade
                        com      consciência      das      relações        nós já realizamos hoje?” “Vamos ler e marcar na nossa
                        fonema/grafema.                                    agenda...” “Qual a próxima atividade a ser realizada?” etc).
                         Observar e pensar sobre a sonoridade            Ao final da aula, avaliar com os alunos o andamento das
                        das palavras e sobre a escrita delas.              atividades previstas: Realizamos todas as atividades? O que
                         Possibilitar a leitura e a escrita de            aconteceu? O que vamos fazer? etc.
                        palavras estáveis, como por exemplo:
                        LEITURA DELEITE, ATIVIDADE, NOME,             Vale ressaltar que o registro escrito diário da agenda, feito pelo
                        MATEMÁTICA, SALA ETC.                         professor, é uma situação importante para a apropriação do
                                                                      sistema de escrita alfabético; o que acontece quando a lista das
                                                                      atividades do dia contempla as mesmas palavras (palavras
                                                                      estáveis) para designar as atividades, variando apenas em função
                                                                      do dia da semana. Leitura deleite, escrita, recreio, Matemática,
                                                                      Artes, Educação Física e outras palavras relacionadas à agenda
                                                                      passarão a fazer parte do vocabulário dos alunos, e o contato com
                                                                      a escrita dessas palavras acabará se tornando uma referência para
                                                                      a escrita de outras palavras. Pouco a pouco, os alunos começarão
                                                                      a reconhecer partes da escrita dessas palavras – as letras com as
                                                                      quais começam ou terminam, a presença de um acento, as sílabas
                                                                      iniciais etc.
                                                                      “É importante que os alunos percebam que a produção escrita da
                                                                      AGENDA já faz parte da aula”
3


                                                                                                                                                     Tempo
                                                                                                                                                     máximo
      Atividade                            Função                                                   Como fazer?
                                                                                                                                                  recomendado

LEITURA DELEITE:          O TRABALHO COM LEITURA DELEITE                 1. PREPARANDO-SE PARA A LEITURA                                             15
    LEITURA               TEM COMO FINALIDADES:                                                                                                   MINUTOS
 REALIZADA EM                                                             Planejar momentos de leitura envolvendo textos de diferentes
 VOZ ALTA PELO             Garantir que a leitura se torne parte          gêneros para que os alunos comecem a perceber algumas
   PROFESSOR              integrante da rotina na sala de aula. E          características desses gêneros.
                          esse contato diário e constante permite         Selecionar previamente o texto a ser lido tendo o cuidado de
“Momentos       diários   que os alunos adquiram o gosto pela              escolher materiais bem escritos.
quando o professor        leitura, familiarizem-se com a linguagem        Conhecer o texto com profundidade, planejar as situações de
lê para seu grupo,        escrita, sintam prazer com a leitura,            leitura observando a utilização dos recursos linguísticos que
possibilitando que os     conheçam uma diversidade de textos e             enriquecem a história.
estudantes possam,        seus usos na sociedade.                         Preparar a leitura em voz alta de forma a garantir uma boa
inclusive, observar o      Favorecer a vivência de emoções e o            compreensão dos alunos.
escrito      e       as   exercício da fantasia e da imaginação.          Evitar escolher aqueles textos em que a intenção seja apenas
ilustrações, são de        Mostrar a função social da escrita com         de ensinar algum conteúdo escolar.
grande importância        textos de boa qualidade.
nesse        processo.     Favorecer a compreensão e                    É preciso cuidado especial ao selecionar os materiais a serem lidos, é
Pesquisas realizadas                                                     preciso levar em conta o grupo de alunos que compõem a turma. É
                          aprendizagem sobre a                           importante que o professor leia os textos com antecedência a fim de
em diversos países        organização(formatação) e função do
demonstram         que                                                   analisar o que pode ou não interessar aos seus alunos. Alguns tipos de
                          gênero em destaque.                            materiais que podem ser utilizados nesta etapa: contos tradicionais,
meninos e meninas          Ensinar comportamen-tos leitores.            histórias contemporâneas, lendas, fábulas, textos informativos, textos
que     desde     cedo     Promover situações de escuta atenta de       científicos sobre animais, sobre o corpo humano etc.
escutam       histórias   textos lidos em voz alta.
lidas por adultos, ou      Formar      leitores   com-petentes     e,
que brincam de ler e      consequen-temente, formar escri-tores          2. ANTES DE INICIAR A LEITURA
escrever      (quando     competentes, pois a possibilidade de
ainda              não    produzir textos eficazes tem sua origem na         Organizar os alunos para o momento da leitura,
dominaram             o   prática de leitura.                                 sensibilizando-os para a importância da escuta.
sistema de escrita         Ampliar os conheci-mentos dos alunos             Comunicar onde e como encontrou o texto.
alfabética) adquirem      sobre a linguagem escrita, favorecendo a           Demonstrar que a qualidade do texto é o que motivou a sua
um      conhecimento      realização de antecipações cada vez mais            escolha como algo que vale a pena ser lido: porque é
sobre a linguagem         ajustadas a cada tipo de texto a ser ouvido         interessante, instigante, intrigante ou emocionante… (seduzir
escrita e sobre os        pela turma.                                         os alunos para que queiram conhecer o texto).
usos dos diferentes
4


gêneros      textuais,    Compreender as relações entre o que se       Mostrar aos alunos o portador do texto: se é um livro, mostrar
antes mesmo de           fala e o que se escreve, que a linguagem        a capa; se é um jornal, fazer referência à seção na qual o
estarem                  que se usa para escrever é diferente da         texto aparece; se é uma carta, dizer como chegou às suas
alfabetizadas”    (cf.   linguagem falada.                               mãos e a quem está dirigida; se é um texto de uma
Teberosky, 1995)                                                         enciclopédia, mostrar a função do índice e investigar o que os
                          Entender que os textos escritos não são       alunos já sabem sobre o assunto etc.
                         todos iguais.                                  Se for um conto, informar aos alunos sobre o texto que será
                                                                         lido, antecipando parte da trama da história, seus
                                                                         personagens, o local onde ela se passa. Isso ajuda os alunos
                                                                         a se interessar pela leitura e fornece elementos para que eles
                                                                         possam antecipar o conteúdo do texto e se situar durante a
                                                                         leitura.
                                                                        A leitura feita pelo professor com a função de deleite,
                                                                         PREFERENCIALMENTE deverá acontecer no início da aula.
                                                                         É importante que os alunos formem hábitos escolares, ficará
                                                                         mais fácil se eles já souberem o que vai acontecer. No início
                                                                         da aula os alunos ainda estão mais calmos e é bom que não
                                                                         estejam cansados.
                                                                        A atividade de leitura deve ser intencional. Não basta
                                                                         simplesmente fazer uma leitura todos os dias. Os objetivos
                                                                         desta atividade devem estar claros no momento do
                                                                         planejamento.
                                                                        Para que a leitura não seja interrompida por pessoas que
                                                                         costumam bater à porta da sala, combine com os alunos sobre
                                                                         modos para resolver este problema, como por exemplo:
                                                                         realizar a produção escrita coletiva de uma plaquinha para ser
                                                                         pendurada na porta da sala de aula, esta atividade é uma
                                                                         oportunidade para facilitar a compreensão dos alunos sobre
                                                                         os usos sociais da escrita em situação real.


                                                                         NÃO SE ESQUEÇA DE TIRAR A PLAQUINHA ASSIM QUE A
                                                                         ATIVIDADE DE LEITURA DELEITE TERMINAR.
5



3. LENDO O TEXTO PARA OS ALUNOS

   Apresentar o texto ao grupo. Dizer o título, o autor (apresentar
    informações simples e importantes sobre o autor) e apresentar
    o ilustrador, se houver.
   Se for um livro, mostrar a capa e desafiar os alunos a
    utilizarem estratégias de antecipação a partir dos
    conhecimentos que eles já possuem frente ao texto, em
    função de suas hipóteses sobre: “O que vocês estão vendo na
    capa?”; “O que acham que está escrito?” “Onde está escrito o
    título?” “O que vocês acham que pode acontecer num texto
    com esse título?”
   Compartilhar com os alunos seu próprio comportamento de
    leitor experiente, mostrando-se interessado, emocionado ou
    entusiasmado com o texto a ser lido.
   Segurar o livro aberto sobre as mãos, com cuidado e carinho,
    denotando respeito.
   Ler, pausadamente, mas demonstrando intimidade com o
    texto.
   Fazer uma leitura clara com ritmo adequado respeitando a
    pontuação. Ler nem com muita pressa, nem muito devagar.
   Evitar gestos e expressões faciais exageradas, como recursos
    de narração. Pois, quando se lê uma história, a carga de
    tensão deve estar contida na própria relação das palavras.
   A voz deve ser bem impostada, mas nunca “dramatizada” com
    exageros.
   A cada página virada, mostrar aos ouvintes as imagens
    (ilustrações e palavras, se estiverem em destaque) – sem
    demorar.
   Durante a leitura procurar não interromper a narrativa.
   Não trocar nem simplificar as palavras do texto, ler o texto tal
    como ele é. Realizar a leitura do texto integral, sem resumi-lo.
   Ler com atenção, sem esquecer que a leitura está sendo
    realizada para outros, portanto é necessário que, entre um
    parágrafo e outro, o leitor dirija o olhar para o grupo, perceba o
    movimento, o nível de tensão e a atenção.
6


    Se o conto for longo, para garantir a atenção e o
     envolvimento do grupo, o professor pode interromper a leitura
     no momento de maior suspense e usar esta interrupção como
     estratégia para criar nos alunos o desejo de continuar ouvindo
     a história no dia seguinte (leitura feita em capítulos).


Durante a leitura, o professor deve criar muitas e variadas situações nas
quais lê diferentes tipos de texto. Quando se trata de um conto, por
exemplo, criar um clima propício para desfrutá-lo: propor que as crianças
se sentem a sua volta para que possam ver as imagens e o texto, caso
queiram; ler com a intenção de provocar emoção, curiosidade, suspense
ou diversão; evitar as interrupções que poderiam cortar o fio da história e,
portanto, não fazer perguntas para verificar se as crianças estão
entendendo, nem explicar palavras supostamente difíceis; incentivar as
crianças a seguirem o fio da narrativa (sem se deterem no significado
particular de certos termos) e a apreciarem a beleza daqueles trechos cuja
forma foi objeto de um cuidado especial por parte do autor.

É importante que os alunos aprendam que temos finalidades para as
nossas leituras. Lemos para nos deleitar, para nos informar, para saber
fazer, para saber jogar, para encontrar um nome numa lista etc. Esta
leitura feita pelo professor no início da aula, como atividade permanente,
tem a função de DELEITE.
7




                                                                                                                                             Tempo
                                                                                                                                             máximo
     Atividade                            Função                                                Como fazer?                               recomendado

ATIVIDADE COM O            O TRABALHO COM OS NOMES DOS                 DESENVOLVER ATIVIDADES DIVERSIFICADAS, COMO:                       15 minutos
     NOME:                  ALUNOS “CHADADA” TEM COMO
  “CHAMADA”                        FINALIDADES:                           Disponibilizar a cada aluno o crachá com a escrita do seu
                                                                           nome (letra de forma de um lado e cursiva do outro). Ensinar
  O desenvolvimento       Propor aos alunos uma oportunidade              aos alunos onde termina e onde começa a escrita do nome,
de     um    trabalho      privilegiada de reflexão sobre a língua         destacando o som da letra inicial, final...
sistemático          e     escrita por se tratar de uma palavra
frequente com o            estável.                                       Fazer a chamada dos alunos utilizando material escrito como
nome           próprio                                                     apoio (no caso, os crachás dos alunos). O encaminhamento
representa                Proporcionar aos alunos momentos de             pode e deve variar: Exemplo:
importante                 reflexão sobre a leitura e escrita do seu    Você lê e mostra os crachás procurando destacar alguma
estratégia    didática     nome e dos colegas de classe em                 informação sobre a escrita dos nomes.
na alfabetização. O        contextos reais informando-lhes sobre        Você mostra o crachá e desafia a turma (ou um aluno) a ler o
nome próprio traz          as letras: a quantidade, a posição e a      nome nele registrado (dê dicas que destaquem elementos da
uma             carga      ordem delas no nome.                        escrita dos nomes e/ou forneça informações sobre a mesma).
emocional maior do
que outras palavras,      Desafiar os alunos a lerem os próprios         Pedir que os alunos escrevam o nome no caderno ou em outro
que muitas vezes           nomes e os dos colegas acionando                material, de acordo com o planejamento. O encaminhamento
não têm significado        estratégias de antecipação, o que               pode variar: sem consulta, ou seja, conforme as suas
para o aluno.              possibilita descobrir o que está escrito.       hipóteses, com consulta ao colega (favorecendo a troca de
O nome próprio é                                                           ideias), com consulta a algum material.
um      modelo      de
escrita        estável                                                 Ao perceber que algum aluno fez o registro do nome de forma
(palavra estável é                                                     incorreta, pegar o crachá e desafiá-lo a compreender que para
aquela que o aluno        Fazer com que os alunos reflitam sobre      escrever o seu nome ele precisa de determinadas letras que são
tem certeza de que         as letras e seus sons comparando            organizadas de uma única forma.
se retirarmos uma          nomes parecidos, reconhecendo as
letra, trocá-la de         letras iniciais e finais dos nomes e           Escrever os nomes dos alunos no quadro construindo uma
posição, invertê-la,       permitindo o contato com diferentes             LISTA (se preferir esta lista pode ser escrita no quadro com
deixa de ter o             sílabas e diferentes tamanhos de                antecedência).
mesmo significado).        palavras.
8


                         desafiar os alunos a identificarem alguns nomes na lista
                          (contar as letras, verificar se há repetição de letras,
                          identificar nomes que começam com a mesma letra,
                          procurar nomes que possuam a mesma quantidade de
                          letras).

                         entregar letras soltas para que os alunos possam
                          reconstruir alguns dos nomes da lista; pode ser os nomes
                          dos alunos que faltaram, os nomes começados ou
                          terminados com determinada letra escolhida pelo professor
                          (ditar os nomes).
                         Fazer a revisão coletiva tendo o cuidado de refletir com os
                          alunos, como por exemplo: que F de Fátima tem o mesmo
                          som de F de Felipe, que letras iguais podem ter sons
                          diferentes, como C de Carla e C de Cíntia etc.

ATIVIDADE COM O   As atividades acima relacionadas não serão realizadas num único
      NOME        momento. Escolher apenas uma para cada vez.

                     Entregar aos alunos a lista mimeografada, estimulando a
                    realização de antecipações sobre o conteúdo da lista, assim:
                    temos aí uma lista; será lista de quê? Alguém já descobriu o seu
                    nome? Descobriu o nome de algum colega? Vamos ver quem
                    consegue encontrar onde está escrito o nome do(a)... etc. Propor
                    as seguintes atividades utilizando a lista de nomes:
                         Leitura coletiva e apontada dos nomes escrito
                            observando se há repetição de letras no próprio nome e
                            pintá-las
                         Marcar os nomes que começam com a mesma letra ou a
                            mesma sílaba.
                         Cobrir com lápis de cor os nomes iniciados com a letra C
                            (aproveite para explorar os nomes encontrados:
                            quantidade de letras, letra inicial, final, nomes e sons
                            dessas letras).
                         Pintar os nomes que possuem uma quantidade
                            determinada de letras, como por exemplo: pintar os
                            nomes que têm 4 letras.
9


           Marcar os nomes que terminam com a letra A
           Riscar os nomes que terminam com a letra I e circular os
            nomes que terminam com a letra O. Perguntar: São
            nomes de meninas ou de meninos?
           Identificar os nomes que têm mais letras e os que têm
            menos letras.
           Identificar a letra que mais aparece ao final dos nomes
            dos alunos da turma.

As atividades acima relacionadas não serão realizadas num único
momento. Escolher apenas uma para cada vez.

   Organizar com a turma um mural com o alfabeto dos nomes
    dos alunos. Durante a atividade, chamar a atenção para a letra
    inicial de cada nome e o seu respectivo som. Pode-se também
    chamar atenção para a sílaba inicial dos nomes.


   ENCONTRE O SEU NOME:
     Organizar as carteiras da sala de aula enfileiradas.
     Separar os crachás da turma de acordo com os nomes os
    alunos de cada fileira, colocando-os em caixas.
     Colocar uma caixa na primeira carteira de cada fileira.
     A um sinal, dado pelo professor, o primeiro aluno da fileira
    pegará o seu nome e passará a caixa para o aluno de trás, e
    assim sucessivamente até chegar ao último aluno da fileira.
     Os alunos de cada fileira, juntos, deverão organizar os
    crachás em ordem alfabética, afixando-os no quadro de pregas.
    Essa atividade será orientada pelo professor com a
    participação de toda a turma.


       Durante a atividade, o professor deverá fazer as intervenções
        necessárias, pois nem todos os alunos conseguirão
        identificar corretamente o seu próprio nome. Caso isso
        aconteça, pergunte:
10


- O seu nome começa com essa letra?
- Onde está o começo deste nome?
- Que letra é esta?
- O seu nome é ALINE. ALINE começa com a letra A. Esse nome que
você pegou tem a letra A? Essa letra (aponte para a 1ª letra do crachá)
é a letra A?
- Vamos procurar qual o nome que começa com a letra A?
- Se necessário, continue fazendo as intervenções, até que o aluno
consiga encontrar o seu nome.

   Elaborar fichas com os nomes dos alunos. Cada aluno
    receberá o seu nome e deverá recortar as letras, misturá-las
    sobre a carteira e, em seguida, recompor o nome, colando no
    caderno ou em outro material.
     Orientar os alunos a dobrar os crachás marcando cada
       letra (o professor deverá observar cada aluno e fazer as
       intervenções necessárias; se for o caso, mostrar o nome do
       aluno para que ele faça a revisão e as alterações antes de
       colar no caderno).

    Entregar aos alunos fichas com os seus nomes, eles deverão
     recortar as sílabas que compõem os seus respectivos nomes,
     misturá-las sobre a carteira e recompor os nomes, colando no
     caderno ou em outro material. Se for necessário, mostrar o
     nome do aluno para que ele faça a revisão e as alterações
     necessárias antes de colar no caderno.
     Orientar os alunos a falarem seus respectivos nomes,
    pausadamente, contando cada sílaba pronunciada.
     Todos deverão dobrar seus crachás, de acordo com o
    número de sílabas (o professor deverá observar cada aluno e
    fazer as intervenções necessárias).
     Os alunos deverão cortar e misturar as sílabas
    reorganizando-as, formando o seu nome e colando-o no
    caderno ou em outro material.
     O professor deverá registrar no quadro, com a participação
    dos alunos, os nomes que têm sílabas iguais destacando-as.
    Após destacar as sílabas, chamar atenção para as letras
    necessárias à escrita das mesmas.
11


    Preparar um cartaz com a escrita da música A CANOA
       VIROU.
     Apresentar o texto desafiando os alunos a anteciparem o
    conteúdo escrito no cartaz.
     Explicar para os alunos sobre a atividade a ser realizada.
     Desenhar no chão uma grande canoa, pode ser com giz.
     Conforme a música vai sendo cantada, o professor mostra
    um crachá e os alunos leem este nome e o dono dele entra na
    canoa.

   Para esta atividade, escolher alguns nomes que possibilitem
         reflexões sobre o sistema de escrita alfabético.

     Preparar fichas com a escrita dos nomes dos alunos
    faltando a 1ª letra ou a 1ª sílaba:
     Organizar os alunos em roda.
     Espalhar as fichas e desafiar os alunos a anteciparem o
    conteúdo das fichas questionando-os: o que está escrito nestas
    fichas? Mas será que aqui está escrito o nome da Juliana?
    Para ser o nome dela, o que está faltando?
     Entregar a cada aluno a ficha correspondente ao seu nome.
     O que fazer para ser o seu nome?

O professor deve estar atento às dificuldades dos alunos, fazendo
as intervenções necessárias. Talvez seja preciso ensinar o traçado
da letra a alguns alunos; esteja atento.

    Preparar fichas com os nomes dos alunos, tendo o cuidado
     de não escrevê-los com letras de tamanho pequeno:
    Organizar os alunos dispostos em roda.
    Espalhar as fichas no centro da roda e desafiar os alunos a
     anteciparem o conteúdo escrito nelas.
    Solicitar que cada aluno pegue a ficha em que está escrito
     o seu nome.
    Colocar um quadro de pregas no centro da roda e orientar
     os alunos a organizarem os seus nomes em ordem
     alfabética. Indagar: Como podemos fazer isto?
12


    Organizar esses nomes tendo o cuidado de refletir, junto
     com os alunos, sobre as letras iniciais dos nomes.
    Solicitar que os alunos registrem o seu nome no caderno ou
     em outro material, destacando com lápis de cor a letra
     inicial.

    Leitura do nome do colega:
    Colocar numa caixa (de tato) os nomes dos alunos.
    Explicar para os alunos como será o desenvolvimento da
     atividade.
    Passar a caixa de mão em mão e solicitar que cada aluno
     pegue uma ficha, tente ler o que está escrito nela.
    Pedir que cada aluno leia o nome em voz alta. Se houver
     dificuldade para identificar o nome escrito, o professor deve
     fazer as intervenções necessárias ajudando o aluno a
     realizar a atividade.
    Pedir que os alunos registrem no caderno o seu nome e o
     nome do colega (o nome tirado da caixa).

     Ditado:
     Entregar aos alunos uma lista com os seus nomes.
     Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta lista (O
    que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata disto?
    Todos os nomes começam iguais? Todos os nomes têm o
    mesmo número de letras? etc.)
     Ditar três nomes da lista.
     O aluno deverá encontrá-los na lista que tem em mãos e
    circulá-lo.
     A seguir, escrever o nome no quadro e orientar os alunos
    para a revisão.



Para que essa atividade seja possível a todos os alunos, é
importante fornecer algumas dicas, como: o nome começa com a
letra L; termina com a letra A; tem 5 letras; começa com a sílaba
LU; o nome é LUCIA.
13



 Fazendo a chamada:
 Entregar aos alunos uma lista com os seus nomes.
 Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta lista (O
  que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata
  disto? Todos os nomes começam iguais? Todos os nomes
  têm o mesmo número de letras? etc.)
 Pedir aos alunos para dizerem os nomes dos ausentes,
  procurarem esses nomes e circular.
 Registrar estes nomes no quadro e refletir com alunos
  sobre a escrita deles.

 Escrita espelhada:
 Escrever os nomes dos alunos em fichas de plástico
  transparente (usar caneta para retroprojetor).
 Organizar os alunos dispostos em roda e espalhar estas
  fichas no centro (viradas).
 Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta ficha (O
  que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata
  disto? Tem algo estranho nesses nomes? Quando
  mudamos as letras de posição o nome continua o mesmo?
  etc.)
 Desvirar as fichas e questionar os alunos sobre o que
  perceberam.
 Entregar a cada aluno a fichas com o seu nome e solicitar
  que o registre em seu caderno.

 Nomes partidos:
 Preparar envelopes feitos com folhas de revistas ou outro
  material reaproveitado. Colocar fichas com as sílabas que
  compõem os nomes dos alunos dentro dos envelopes.
 Entregar a cada aluno o envelope com as fichas do seu
  nome.
 Solicitar que abram o envelope e descubram o que está
  escrito nas fichas.
 Pedir que cada um forme o seu nome, chamando atenção
  para a sílaba inicial.
14



    Desafiar os alunos a retirarem a ficha que tem a sílaba final
     e verem o que aconteceu.
    Escrever um dos nomes no quadro e destacar a sílaba
     inicial.
    Propor que os alunos falem outras duas palavras que têm
     esta mesma sílaba no início.
    Pedir que colem no caderno as sílabas formando o nome.
    Destacar a sílaba inicial com lápis de cor e escrever ao lado
     o número que representa a quantidade de sílabas que
     compõem o nome.

    Chamada pela sílaba inicial:
    Preparar fichas com as sílabas iniciais dos nomes dos
     alunos e colocá-las num “saquinho”.
    Combinar com os alunos como será a chamada – feita pela
     sílaba inicial dos nomes, assim:

   Sortear uma sílaba, mostrar e ler. O aluno cujo nome inicia com
   esta sílaba deverá ficar de pé.

    As sílabas vão sendo colocadas num quadro de pregas.
    Pedir que os alunos registrem no caderno a 1ª sílaba dos
       seus nomes e desenhem ao lado um objeto cujo nome
       inicie com a mesma letra.

Apresentamos aqui apenas algumas sugestões de atividades que
podem ser realizadas no momento da “chamada”. Cabe ao
professor fazer as adaptações necessárias de acordo com a sua
turma. Se os alunos já consolidaram a escrita do 1º nome, o
professor poderá planejar atividades para esse momento diário da
aula ensinando a escrita do nome completo.
15

                                                                                                                                              Tempo
     Atividade                            Função                                                Como fazer?                                   máximo
                                                                                                                                             recomen-
                                                                                                                                               dado

ATIVIDADE COM O          O TRABALHO COM O CALENDÁRIO                     Conversar com os alunos sobre a utilização do calendário,            10
CALENDÁRIO               TEM COMO FINALIDADES:                          indagando-os: Para que consultamos um calendário? Quem tem           minutos
                                                                        um calendário em casa? Será que todos os calendários são
O       uso     deste     Compreender e sistematizar o uso do          iguais? O que tem escrito num calendário? Para que servem os
instrumento       tem       calendário.                                 números que estão num calendário? etc.
função          social
definida no cotidiano     Aprender   sobre a      organização   e       Criar situações nas quais os alunos precisem consultar no
da sociedade. O             passagem do tempo.                          calendário:
trabalho com este                                                         Hoje é 2ª feira, vamos descobrir que data é...
instrumento na sala       Entender sobre a importância do                Pedir a um aluno para marcar no calendário com o lápis de
de aula possibilita a       registro de números.                             cor a data.
construção         de                                                     Escrever no quadro a data para que os alunos possam
conhecimentos             Desenvolver capacidades relativas ao              copiá-la no caderno.
importantes        em       uso da medida de tempo (dia, mês,             Refletir, junto com os alunos, sobre a importância de
contextos reais de          ano...)                                          registrarem a data do dia no caderno.
utilização.
                                                                     Antes de realizar qualquer atividade com o calendário, é importante
                                                                     que o professor ensine aos alunos como consultar dados neste
                                                                     material. E ao registrar a data do dia no quadro, os alunos precisam
                                                                     ser ensinados sobre como traçar os números.

                                                                         Combinar com os alunos sobre a maneira como vão fazer a
                                                                        escolha de quem vai marcar a data do dia no calendário, como
                                                                        por exemplo: seguir uma ordem alfabética, dizer uma letra ou
                                                                        sílaba inicial e o aluno cujo nome inicie com essa letra ou sílaba
                                                                        vai marcar a data. Aproveitar para trabalhar a leitura dos nomes
                                                                        dos colegas.

                                                                         Preparar uma tabela com os nomes de todos os meses do
                                                                        ano, apresentá-la aos alunos desafiando-os a antecipar o
                                                                        conteúdo escrito na mesma.
                                                                          Explicar aos alunos sobre a realização da atividade –
                                                                         construção da tabela de aniversários.
16


  Registrar na tabela os nomes dos alunos conforme o mês de
 aniversário.
  Solicitar que os alunos contem quantos meses têm no ano.
  Afixar a tabela num mural e questionar os alunos: Este texto
 vai servir para quê?
  Aproveitar a tabela construída no dia anterior para resolver
 algumas questões com os alunos. Quantos alunos fazem
 aniversário no mês de maio? Em qual mês têm mais
 aniversariantes? Tem algum mês em que não tem
 aniversariante? Em que mês LUCAS faz aniversário? Quantos
 dias faltam para o aniversário da MARIANA?

 Confeccionar um calendário mensal para registrar as aulas
de Educação Física, sala de leitura, Sala de Informática, se
houver.
  Consultar neste calendário para saber em que datas
 acontecerão às aulas de Educação Física etc.
  Consultar neste calendário para saber quantos dias faltam
 para as atividades na sala de leitura etc.
  Contar no calendário quantas vezes terá aula de Educação
 Física no mês...
  Registrar junto com os alunos as datas num calendário
 individual.

 Utilizar o calendário para contar ou calcular período de
duração, como por exemplo: Quantos dias faltam para...?
Quantos dias se passaram...? etc.

 Localizar no calendário informações contidas nos bilhetes ou
comunicados enviados ou recebidos. Ex.: Fazer a leitura de um
bilhete aos pais comunicando sobre uma reunião e pedir aos
alunos para marcarem no calendário a data e dia da semana em
que acontecerá a reunião etc.

 Solicitar aos alunos que consultem no calendário e copiem
no caderno o nome do dia da semana em que estamos.
17



    Consultar no calendário para saber:
          Em que dia do mês estamos?
          Ontem foi que dia do mês?
          Quantos dias têm uma semana?
          Quantos dias têm um mês?
          Qual é o menor mês do ano?
          Quantos dias faltam para terminarmos o projeto?
          Em que mês estamos? Qual foi o mês que acabou? Qual
           será o próximo mês? etc.
          Quantos Domingos têm no mês? Etc.



É importante que os dados consultados no calendário sejam
registrados no caderno ou em outro material.
O professor precisa tomar cuidado para não apresentar aos alunos
calendários que não fazem parte dos usos sociais. Eles precisam
aprender a utilizar calendários que circulam na sociedade. Se for
utilizar um calendário confeccionado, é preciso aproximá-lo dos
calendários oficiais.

Apresentamos neste material apenas algumas sugestões de
atividades que são importantes no processo de alfabetização. Cabe
ao professor criar e planejar situações de ensino para que os alunos
possam avançar no processo de aprendizagem desenvolvendo as
capacidades previstas para o 1º ano de escolaridade.


É IMPORTANTE RESSALTAR QUE O TRABALHO DE REFLEXÃO
SOBRE O SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICO DEVE
PERPASSAR TODO O TRABALHO DO DIA A DIA DO
PROFESSOR ALFABETIZADOR, DESDE AS PRIMEIRAS
ATIVIDADES DO DIA (ESCRITA DA AGENDA, LEITURA DELEITE,
“CHAMADA”,   CALENDÁRIO)     ATÉ  O    MOMENTO     DE
ENCERRAMENTO DA AULA.
18


Referências bibliográficas:

     CARVALHO, Marlene. Alfabetizar e letrar: um diálogo entre
    a teoria e a prática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.


     CAVALCANTI, Joana. Caminhos da Literatura infantil e
    juvenil: dinâmicas e vivências na ação pedagógica. São Paulo:
    Paulo, 2002.


     SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educação. Diretoria
    de Orientação Técnica. Projeto Toda Força ao 1º Ano: guia para
    o planejamento do professor alfabetizador – orientações para o
    planejamento e avaliação do trabalho com o 1º ano do Ensino
    Fundamental / Secretaria Municipal de Educação. São Paulo:
    SME / DOT, 2006. 115p.


     SEME. Secretaria Municipal de Educação. Departamento
    Técnico- Pedagógico. Divisão de Supervisão Escolar. Caderno
    Pedagógico nº 2 - 1º      e 2º anos do Ensino Fundamental /
    Secretaria Municipal de Educação. Cabo Frio: SME, 2007.


     BRASIL.       Secretaria    de    Educação     Básica.   Ensino
    Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da
    criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação -
    SEB, 2007.
19




 PRÓ-LETRAMENTO – Programa de Formação Continuada
de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental.
Alfabetização e Linguagem. Ministério da Educação. Secretaria
de Educação Básica. Brasília, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Professora Cida
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escritaAlekson Morais
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProfessora Cida
 
94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizao
94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizao94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizao
94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizaoEduardo Lopes
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasProfessora Cida
 
Práticas de produção de texto no primeiro ano
Práticas de produção de texto no primeiro anoPráticas de produção de texto no primeiro ano
Práticas de produção de texto no primeiro anoAprender com prazer
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestreNaysa Taboada
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Edeil Reis do Espírito Santo
 
Atividade matematica da arca de ninguem
Atividade matematica da arca de ninguemAtividade matematica da arca de ninguem
Atividade matematica da arca de ninguemRenata Damasceno
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEISSEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEISeducacaodetodos
 
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de SouzaQuadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de SouzaSolange Goulart
 
Semanário+primeira+semana
Semanário+primeira+semanaSemanário+primeira+semana
Semanário+primeira+semanaSusana Felix
 
Projeto diario de classe ed. infantil uyara assunção - Timon
Projeto diario de classe ed. infantil   uyara assunção - TimonProjeto diario de classe ed. infantil   uyara assunção - Timon
Projeto diario de classe ed. infantil uyara assunção - TimonUyara Santana Assunção
 
Planejamento de Sondagem Educ Infantil
Planejamento de Sondagem Educ InfantilPlanejamento de Sondagem Educ Infantil
Planejamento de Sondagem Educ Infantilkeillacr
 
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumondProjeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumondSimoneHelenDrumond
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliaçãoIsa ...
 
Oficina para casa 1º ano
Oficina para casa 1º anoOficina para casa 1º ano
Oficina para casa 1º anoCláudia Cacal
 

Mais procurados (20)

Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardim
 
94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizao
94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizao94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizao
94910044 atividades-permanentes-na-alfabetizao
 
Português 1º ano
Português 1º anoPortuguês 1º ano
Português 1º ano
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
 
Práticas de produção de texto no primeiro ano
Práticas de produção de texto no primeiro anoPráticas de produção de texto no primeiro ano
Práticas de produção de texto no primeiro ano
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
 
Atividade matematica da arca de ninguem
Atividade matematica da arca de ninguemAtividade matematica da arca de ninguem
Atividade matematica da arca de ninguem
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEISSEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
 
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de SouzaQuadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
Quadro de rotina 2º ano PNAIC -Professora Orientadora Solange Goulart de Souza
 
Semanário+primeira+semana
Semanário+primeira+semanaSemanário+primeira+semana
Semanário+primeira+semana
 
Plano de aula meio ambiente
Plano de aula meio ambientePlano de aula meio ambiente
Plano de aula meio ambiente
 
Projeto diario de classe ed. infantil uyara assunção - Timon
Projeto diario de classe ed. infantil   uyara assunção - TimonProjeto diario de classe ed. infantil   uyara assunção - Timon
Projeto diario de classe ed. infantil uyara assunção - Timon
 
Planejamento de Sondagem Educ Infantil
Planejamento de Sondagem Educ InfantilPlanejamento de Sondagem Educ Infantil
Planejamento de Sondagem Educ Infantil
 
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumondProjeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumond
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliação
 
Oficina para casa 1º ano
Oficina para casa 1º anoOficina para casa 1º ano
Oficina para casa 1º ano
 

Destaque

Atividades da oficina alfabetizar com musica
Atividades da oficina alfabetizar com musicaAtividades da oficina alfabetizar com musica
Atividades da oficina alfabetizar com musicaProalfacabofrio
 
Guia Planejamento 3serie
Guia Planejamento 3serieGuia Planejamento 3serie
Guia Planejamento 3serieMaristela Couto
 
Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1
Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1
Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1Ana Maria Machado
 
Blog do alfabetizar
Blog do alfabetizarBlog do alfabetizar
Blog do alfabetizarm0rt3
 
Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]
Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]
Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]Maristela Couto
 
Trabalhos Apresentados - Resumo
Trabalhos Apresentados - ResumoTrabalhos Apresentados - Resumo
Trabalhos Apresentados - Resumovalmirsouto
 
Ler e escrever tecnologias
Ler e escrever tecnologiasLer e escrever tecnologias
Ler e escrever tecnologiastecampinasoeste
 
ExpressãO Oral E Escrita I I
ExpressãO Oral E Escrita  I IExpressãO Oral E Escrita  I I
ExpressãO Oral E Escrita I Igeorgescheller
 
Rotina 1º ano
Rotina 1º anoRotina 1º ano
Rotina 1º anotaboao
 
Dificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemDificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de Aprendizagemdaniferrao2010
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Avaliação
Saberes e Praticas da Inclusão - AvaliaçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Avaliação
Saberes e Praticas da Inclusão - Avaliaçãoasustecnologia
 
Saberes e Praticas da Inclusão I
Saberes e Praticas da Inclusão ISaberes e Praticas da Inclusão I
Saberes e Praticas da Inclusão Iasustecnologia
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaÉdlon Marcus
 
Livro Psicopedagogia ClíNica Marcia Siqueira De Andrade[1]
Livro Psicopedagogia ClíNica   Marcia Siqueira De Andrade[1]Livro Psicopedagogia ClíNica   Marcia Siqueira De Andrade[1]
Livro Psicopedagogia ClíNica Marcia Siqueira De Andrade[1]SILVANA Fernandes
 
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaVanessa Casaro
 
Alfabetário olimpíadas do rio 2016
Alfabetário olimpíadas do rio 2016Alfabetário olimpíadas do rio 2016
Alfabetário olimpíadas do rio 2016Sonia Amaral
 
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMMapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMInstituto A Vez do Mestre
 

Destaque (20)

Atividades da oficina alfabetizar com musica
Atividades da oficina alfabetizar com musicaAtividades da oficina alfabetizar com musica
Atividades da oficina alfabetizar com musica
 
Guia Planejamento 3serie
Guia Planejamento 3serieGuia Planejamento 3serie
Guia Planejamento 3serie
 
Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1
Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1
Guia planejamento orientacoesdidaticas_professor_2ano_cicloi_v1
 
Blog do alfabetizar
Blog do alfabetizarBlog do alfabetizar
Blog do alfabetizar
 
Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]
Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]
Toda ForçA Ao 1º Ano Vol 1[1]
 
Trabalhos Apresentados - Resumo
Trabalhos Apresentados - ResumoTrabalhos Apresentados - Resumo
Trabalhos Apresentados - Resumo
 
Ler e escrever tecnologias
Ler e escrever tecnologiasLer e escrever tecnologias
Ler e escrever tecnologias
 
ExpressãO Oral E Escrita I I
ExpressãO Oral E Escrita  I IExpressãO Oral E Escrita  I I
ExpressãO Oral E Escrita I I
 
Rotina 1º ano
Rotina 1º anoRotina 1º ano
Rotina 1º ano
 
Dificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemDificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de Aprendizagem
 
As formas de planejar do professor
As formas de planejar do professorAs formas de planejar do professor
As formas de planejar do professor
 
Edu Inclusiva Maristela
Edu Inclusiva MaristelaEdu Inclusiva Maristela
Edu Inclusiva Maristela
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Avaliação
Saberes e Praticas da Inclusão - AvaliaçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Avaliação
Saberes e Praticas da Inclusão - Avaliação
 
Saberes e Praticas da Inclusão I
Saberes e Praticas da Inclusão ISaberes e Praticas da Inclusão I
Saberes e Praticas da Inclusão I
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao Diagnostica
 
Livro Psicopedagogia ClíNica Marcia Siqueira De Andrade[1]
Livro Psicopedagogia ClíNica   Marcia Siqueira De Andrade[1]Livro Psicopedagogia ClíNica   Marcia Siqueira De Andrade[1]
Livro Psicopedagogia ClíNica Marcia Siqueira De Andrade[1]
 
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
 
Alfabetário olimpíadas do rio 2016
Alfabetário olimpíadas do rio 2016Alfabetário olimpíadas do rio 2016
Alfabetário olimpíadas do rio 2016
 
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMMapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
 
Mascotes rio 2016
Mascotes  rio 2016Mascotes  rio 2016
Mascotes rio 2016
 

Semelhante a Atividades permanentes na alfabetização

O registro da rotina do dia 2
O registro da rotina do dia 2O registro da rotina do dia 2
O registro da rotina do dia 2xereque2009
 
Construindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativosConstruindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativosLukass da Silva
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Co 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativosCo 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativosJeh Antunes
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoMagda Marques
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaCida Nenê Leite
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textosmariaelidias
 
Alfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusivaAlfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusivaAntonioMarquesFiguei
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoAndréa Gomes
 
Planejamento pratia de leitura
Planejamento pratia de leituraPlanejamento pratia de leitura
Planejamento pratia de leituraSimoneHelenDrumond
 
Planejamento 1ºano
Planejamento 1ºanoPlanejamento 1ºano
Planejamento 1ºanomiesbella
 
Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdfLíngua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdfGorete Santos
 
Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdfLíngua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdfhelenildeprofessora
 
CADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
CADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdfCADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
CADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdfAnaMonteiro462195
 

Semelhante a Atividades permanentes na alfabetização (20)

O registro da rotina do dia 2
O registro da rotina do dia 2O registro da rotina do dia 2
O registro da rotina do dia 2
 
Rotina Semanal
Rotina SemanalRotina Semanal
Rotina Semanal
 
Construindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativosConstruindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativos
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
 
Co 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativosCo 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativos
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Projeto cantigas de roda
Projeto cantigas de rodaProjeto cantigas de roda
Projeto cantigas de roda
 
Corrigir e preciso
Corrigir e precisoCorrigir e preciso
Corrigir e preciso
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textos
 
Alfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusivaAlfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusiva
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Planejamento pratia de leitura
Planejamento pratia de leituraPlanejamento pratia de leitura
Planejamento pratia de leitura
 
Planejamento 1ºano
Planejamento 1ºanoPlanejamento 1ºano
Planejamento 1ºano
 
Apresentação unidade 5
Apresentação unidade 5Apresentação unidade 5
Apresentação unidade 5
 
Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdfLíngua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
 
Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdfLíngua Portuguesa - 3º ano.pdf
Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
 
CADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
CADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdfCADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
CADERNO DE ATIVIDADES DE Língua Portuguesa - 3º ano.pdf
 
Situações didáticas
Situações didáticasSituações didáticas
Situações didáticas
 
Cap. pe de vento
Cap. pe de ventoCap. pe de vento
Cap. pe de vento
 

Mais de Proalfacabofrio

Sugestões e Orientações para o trabalho com texto na Alfabetização
Sugestões e Orientações para o trabalho com texto na AlfabetizaçãoSugestões e Orientações para o trabalho com texto na Alfabetização
Sugestões e Orientações para o trabalho com texto na AlfabetizaçãoProalfacabofrio
 
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1Proalfacabofrio
 
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetizaçãoSugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetizaçãoProalfacabofrio
 
Encontro de agosto orientações
Encontro de agosto orientaçõesEncontro de agosto orientações
Encontro de agosto orientaçõesProalfacabofrio
 
Alfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 anoAlfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 anoProalfacabofrio
 
Alfabetizar com música integrando áreas de conhecimento
Alfabetizar com música  integrando áreas de conhecimentoAlfabetizar com música  integrando áreas de conhecimento
Alfabetizar com música integrando áreas de conhecimentoProalfacabofrio
 
Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial 1º ano - 2011
Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial   1º ano - 2011Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial   1º ano - 2011
Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial 1º ano - 2011Proalfacabofrio
 
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011Proalfacabofrio
 
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011Proalfacabofrio
 
Slide oficina avaliação na alfabetização
Slide oficina avaliação na alfabetizaçãoSlide oficina avaliação na alfabetização
Slide oficina avaliação na alfabetizaçãoProalfacabofrio
 

Mais de Proalfacabofrio (13)

Sugestões e Orientações para o trabalho com texto na Alfabetização
Sugestões e Orientações para o trabalho com texto na AlfabetizaçãoSugestões e Orientações para o trabalho com texto na Alfabetização
Sugestões e Orientações para o trabalho com texto na Alfabetização
 
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização1
 
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetizaçãoSugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização
Sugestões e orientações para o trabalho com texto na alfabetização
 
Encontro de agosto orientações
Encontro de agosto orientaçõesEncontro de agosto orientações
Encontro de agosto orientações
 
Alfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 anoAlfabetização matemática apostila p professor 1 ano
Alfabetização matemática apostila p professor 1 ano
 
Alfabetizar com música integrando áreas de conhecimento
Alfabetizar com música  integrando áreas de conhecimentoAlfabetizar com música  integrando áreas de conhecimento
Alfabetizar com música integrando áreas de conhecimento
 
Jogos para alfabetizar
Jogos para alfabetizarJogos para alfabetizar
Jogos para alfabetizar
 
Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial 1º ano - 2011
Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial   1º ano - 2011Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial   1º ano - 2011
Sugestões de atividades para avaliação diagnóstica inicial 1º ano - 2011
 
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011
 
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011
 
Oficina roteiro out[1]
Oficina roteiro out[1]Oficina roteiro out[1]
Oficina roteiro out[1]
 
Jornal Letra A CEALE
Jornal Letra A CEALEJornal Letra A CEALE
Jornal Letra A CEALE
 
Slide oficina avaliação na alfabetização
Slide oficina avaliação na alfabetizaçãoSlide oficina avaliação na alfabetização
Slide oficina avaliação na alfabetização
 

Atividades permanentes na alfabetização

  • 1. 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CABO FRIO Região dos Lagos – Estado do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Educação Departamento Técnico-Pedagógico / Divisão de Supervisão Escolar Serviço de Programas Especiais / Coordenação de Alfabetização ATIVIDADES PERMANENTES EM TURMAS DE 1º ANO DE ESCOLARIDADE Tempo máximo Atividade Função Como fazer? recomendado AGENDA O TRABALHO COM A AGENDA TEM  Sensibilizar o grupo para o momento da escuta e da COMO FINALIDADES: participação durante a produção escrita da agenda do dia. 10 minutos  Organizar e escrever a agenda do dia no quadro ou em outro Nas situações  Trabalhar a função social da escrita, material na presença dos alunos. Enquanto escreve, é cotidianas da sala de utilizando-se de textos REAIS. importante ler em voz alta quais serão as atividades do dia, aula, é importante  Possibilitar ao aluno “ler”, mesmo sem mencionando qual delas iniciará o dia, qual virá na sequência, que as atividades do saber ler convencionalmente. o que vem antes do recreio e depois dele. dia sejam  Observar um “escritor” mais experiente  Durante a produção escrita da agenda fazer, sempre organizadas junto escrevendo e ampliar as noções que que possível, a abordagem dos aspectos do sistema aos alunos. Assim, possuem sobre os instrumentos e de escrita: representação gráfica das letras, todos se procedimentos que envolvem o ato de reconhecimento delas, variedade e repetição de letras, comprometem com o escrever. palavras com começo e final com a mesma letra, cumprimento das  Ensinar que para escrever precisamos organização das letras na composição das palavras... mesmas. Além disso, de muitas letras, e que elas são colocadas a organiza-ção da nos lugares certos. ESTAS ABORDAGENS SOBRE OS ASPECTOS DA AGENDA é uma  Possibilitar ao aluno ser um agente ativo ESCRITA DEVERÃO SER FEITAS COM ALGUMAS importante estratégia no processo de ensino e aprendizagem. PALAVRAS TENDO O CUIDADO COM O TEMPO que leva os alunos a  Organizar as atividades do dia UTILIZADO PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE. pensar e trabalhar observando a sequência numérica. uma situação real de  Desenvolver atitudes de escuta.  Direcionar momentos de intervenções pontuais com alguns leitura e de escrita.  Identificar as atividades do dia para alunos: chamar ao quadro o aluno que ainda está com Nessas situações a decidir sobre o que fazer em cada dificuldade no processo de aprendizagem e pedir que ele leia escrita é também momento da aula. uma das palavras escritas passando o dedo ou outro utilizada para auto-  Ampliar noções de tempo, construindo marcador sobre as palavras; peça ao aluno para falar o nome
  • 2. 2 monitoração das os conceitos de passado, presente e  da letra ou sílaba inicial da palavra lida; solicite que o aluno próprias ações. futuro. encontre determinada palavra na lista (agenda) etc.  Garantir o aproveitamento do tempo  Conversar com os alunos sobre a responsabilidade para o escolar. cumprimento das atividades previstas e organizadas na  Ensinar comportamentos desejáveis agenda. para o cumprimento das atividades do dia.  Fazer, rapidamente, a leitura coletiva do que foi escrito.  Promover situações de respon-  Retomar à agenda, ao término de cada atividade realizada, sabilidade coletiva. para desafiar o aluno a saber o que vai acontecer, sinalizar o  Reconhecer palavras, letras e sílabas que já foi feito e refletir sobre o tempo escolar. (“Qual atividade com consciência das relações nós já realizamos hoje?” “Vamos ler e marcar na nossa fonema/grafema. agenda...” “Qual a próxima atividade a ser realizada?” etc).  Observar e pensar sobre a sonoridade  Ao final da aula, avaliar com os alunos o andamento das das palavras e sobre a escrita delas. atividades previstas: Realizamos todas as atividades? O que  Possibilitar a leitura e a escrita de aconteceu? O que vamos fazer? etc. palavras estáveis, como por exemplo: LEITURA DELEITE, ATIVIDADE, NOME, Vale ressaltar que o registro escrito diário da agenda, feito pelo MATEMÁTICA, SALA ETC. professor, é uma situação importante para a apropriação do sistema de escrita alfabético; o que acontece quando a lista das atividades do dia contempla as mesmas palavras (palavras estáveis) para designar as atividades, variando apenas em função do dia da semana. Leitura deleite, escrita, recreio, Matemática, Artes, Educação Física e outras palavras relacionadas à agenda passarão a fazer parte do vocabulário dos alunos, e o contato com a escrita dessas palavras acabará se tornando uma referência para a escrita de outras palavras. Pouco a pouco, os alunos começarão a reconhecer partes da escrita dessas palavras – as letras com as quais começam ou terminam, a presença de um acento, as sílabas iniciais etc. “É importante que os alunos percebam que a produção escrita da AGENDA já faz parte da aula”
  • 3. 3 Tempo máximo Atividade Função Como fazer? recomendado LEITURA DELEITE: O TRABALHO COM LEITURA DELEITE 1. PREPARANDO-SE PARA A LEITURA 15 LEITURA TEM COMO FINALIDADES: MINUTOS REALIZADA EM  Planejar momentos de leitura envolvendo textos de diferentes VOZ ALTA PELO  Garantir que a leitura se torne parte gêneros para que os alunos comecem a perceber algumas PROFESSOR integrante da rotina na sala de aula. E características desses gêneros. esse contato diário e constante permite  Selecionar previamente o texto a ser lido tendo o cuidado de “Momentos diários que os alunos adquiram o gosto pela escolher materiais bem escritos. quando o professor leitura, familiarizem-se com a linguagem  Conhecer o texto com profundidade, planejar as situações de lê para seu grupo, escrita, sintam prazer com a leitura, leitura observando a utilização dos recursos linguísticos que possibilitando que os conheçam uma diversidade de textos e enriquecem a história. estudantes possam, seus usos na sociedade.  Preparar a leitura em voz alta de forma a garantir uma boa inclusive, observar o  Favorecer a vivência de emoções e o compreensão dos alunos. escrito e as exercício da fantasia e da imaginação.  Evitar escolher aqueles textos em que a intenção seja apenas ilustrações, são de  Mostrar a função social da escrita com de ensinar algum conteúdo escolar. grande importância textos de boa qualidade. nesse processo.  Favorecer a compreensão e É preciso cuidado especial ao selecionar os materiais a serem lidos, é Pesquisas realizadas preciso levar em conta o grupo de alunos que compõem a turma. É aprendizagem sobre a importante que o professor leia os textos com antecedência a fim de em diversos países organização(formatação) e função do demonstram que analisar o que pode ou não interessar aos seus alunos. Alguns tipos de gênero em destaque. materiais que podem ser utilizados nesta etapa: contos tradicionais, meninos e meninas  Ensinar comportamen-tos leitores. histórias contemporâneas, lendas, fábulas, textos informativos, textos que desde cedo  Promover situações de escuta atenta de científicos sobre animais, sobre o corpo humano etc. escutam histórias textos lidos em voz alta. lidas por adultos, ou  Formar leitores com-petentes e, que brincam de ler e consequen-temente, formar escri-tores 2. ANTES DE INICIAR A LEITURA escrever (quando competentes, pois a possibilidade de ainda não produzir textos eficazes tem sua origem na  Organizar os alunos para o momento da leitura, dominaram o prática de leitura. sensibilizando-os para a importância da escuta. sistema de escrita  Ampliar os conheci-mentos dos alunos  Comunicar onde e como encontrou o texto. alfabética) adquirem sobre a linguagem escrita, favorecendo a  Demonstrar que a qualidade do texto é o que motivou a sua um conhecimento realização de antecipações cada vez mais escolha como algo que vale a pena ser lido: porque é sobre a linguagem ajustadas a cada tipo de texto a ser ouvido interessante, instigante, intrigante ou emocionante… (seduzir escrita e sobre os pela turma. os alunos para que queiram conhecer o texto). usos dos diferentes
  • 4. 4 gêneros textuais,  Compreender as relações entre o que se  Mostrar aos alunos o portador do texto: se é um livro, mostrar antes mesmo de fala e o que se escreve, que a linguagem a capa; se é um jornal, fazer referência à seção na qual o estarem que se usa para escrever é diferente da texto aparece; se é uma carta, dizer como chegou às suas alfabetizadas” (cf. linguagem falada. mãos e a quem está dirigida; se é um texto de uma Teberosky, 1995) enciclopédia, mostrar a função do índice e investigar o que os  Entender que os textos escritos não são alunos já sabem sobre o assunto etc. todos iguais.  Se for um conto, informar aos alunos sobre o texto que será lido, antecipando parte da trama da história, seus personagens, o local onde ela se passa. Isso ajuda os alunos a se interessar pela leitura e fornece elementos para que eles possam antecipar o conteúdo do texto e se situar durante a leitura.  A leitura feita pelo professor com a função de deleite, PREFERENCIALMENTE deverá acontecer no início da aula. É importante que os alunos formem hábitos escolares, ficará mais fácil se eles já souberem o que vai acontecer. No início da aula os alunos ainda estão mais calmos e é bom que não estejam cansados.  A atividade de leitura deve ser intencional. Não basta simplesmente fazer uma leitura todos os dias. Os objetivos desta atividade devem estar claros no momento do planejamento.  Para que a leitura não seja interrompida por pessoas que costumam bater à porta da sala, combine com os alunos sobre modos para resolver este problema, como por exemplo: realizar a produção escrita coletiva de uma plaquinha para ser pendurada na porta da sala de aula, esta atividade é uma oportunidade para facilitar a compreensão dos alunos sobre os usos sociais da escrita em situação real. NÃO SE ESQUEÇA DE TIRAR A PLAQUINHA ASSIM QUE A ATIVIDADE DE LEITURA DELEITE TERMINAR.
  • 5. 5 3. LENDO O TEXTO PARA OS ALUNOS  Apresentar o texto ao grupo. Dizer o título, o autor (apresentar informações simples e importantes sobre o autor) e apresentar o ilustrador, se houver.  Se for um livro, mostrar a capa e desafiar os alunos a utilizarem estratégias de antecipação a partir dos conhecimentos que eles já possuem frente ao texto, em função de suas hipóteses sobre: “O que vocês estão vendo na capa?”; “O que acham que está escrito?” “Onde está escrito o título?” “O que vocês acham que pode acontecer num texto com esse título?”  Compartilhar com os alunos seu próprio comportamento de leitor experiente, mostrando-se interessado, emocionado ou entusiasmado com o texto a ser lido.  Segurar o livro aberto sobre as mãos, com cuidado e carinho, denotando respeito.  Ler, pausadamente, mas demonstrando intimidade com o texto.  Fazer uma leitura clara com ritmo adequado respeitando a pontuação. Ler nem com muita pressa, nem muito devagar.  Evitar gestos e expressões faciais exageradas, como recursos de narração. Pois, quando se lê uma história, a carga de tensão deve estar contida na própria relação das palavras.  A voz deve ser bem impostada, mas nunca “dramatizada” com exageros.  A cada página virada, mostrar aos ouvintes as imagens (ilustrações e palavras, se estiverem em destaque) – sem demorar.  Durante a leitura procurar não interromper a narrativa.  Não trocar nem simplificar as palavras do texto, ler o texto tal como ele é. Realizar a leitura do texto integral, sem resumi-lo.  Ler com atenção, sem esquecer que a leitura está sendo realizada para outros, portanto é necessário que, entre um parágrafo e outro, o leitor dirija o olhar para o grupo, perceba o movimento, o nível de tensão e a atenção.
  • 6. 6  Se o conto for longo, para garantir a atenção e o envolvimento do grupo, o professor pode interromper a leitura no momento de maior suspense e usar esta interrupção como estratégia para criar nos alunos o desejo de continuar ouvindo a história no dia seguinte (leitura feita em capítulos). Durante a leitura, o professor deve criar muitas e variadas situações nas quais lê diferentes tipos de texto. Quando se trata de um conto, por exemplo, criar um clima propício para desfrutá-lo: propor que as crianças se sentem a sua volta para que possam ver as imagens e o texto, caso queiram; ler com a intenção de provocar emoção, curiosidade, suspense ou diversão; evitar as interrupções que poderiam cortar o fio da história e, portanto, não fazer perguntas para verificar se as crianças estão entendendo, nem explicar palavras supostamente difíceis; incentivar as crianças a seguirem o fio da narrativa (sem se deterem no significado particular de certos termos) e a apreciarem a beleza daqueles trechos cuja forma foi objeto de um cuidado especial por parte do autor. É importante que os alunos aprendam que temos finalidades para as nossas leituras. Lemos para nos deleitar, para nos informar, para saber fazer, para saber jogar, para encontrar um nome numa lista etc. Esta leitura feita pelo professor no início da aula, como atividade permanente, tem a função de DELEITE.
  • 7. 7 Tempo máximo Atividade Função Como fazer? recomendado ATIVIDADE COM O O TRABALHO COM OS NOMES DOS DESENVOLVER ATIVIDADES DIVERSIFICADAS, COMO: 15 minutos NOME: ALUNOS “CHADADA” TEM COMO “CHAMADA” FINALIDADES:  Disponibilizar a cada aluno o crachá com a escrita do seu nome (letra de forma de um lado e cursiva do outro). Ensinar O desenvolvimento  Propor aos alunos uma oportunidade aos alunos onde termina e onde começa a escrita do nome, de um trabalho privilegiada de reflexão sobre a língua destacando o som da letra inicial, final... sistemático e escrita por se tratar de uma palavra frequente com o estável.  Fazer a chamada dos alunos utilizando material escrito como nome próprio apoio (no caso, os crachás dos alunos). O encaminhamento representa  Proporcionar aos alunos momentos de pode e deve variar: Exemplo: importante reflexão sobre a leitura e escrita do seu  Você lê e mostra os crachás procurando destacar alguma estratégia didática nome e dos colegas de classe em informação sobre a escrita dos nomes. na alfabetização. O contextos reais informando-lhes sobre  Você mostra o crachá e desafia a turma (ou um aluno) a ler o nome próprio traz as letras: a quantidade, a posição e a nome nele registrado (dê dicas que destaquem elementos da uma carga ordem delas no nome. escrita dos nomes e/ou forneça informações sobre a mesma). emocional maior do que outras palavras,  Desafiar os alunos a lerem os próprios  Pedir que os alunos escrevam o nome no caderno ou em outro que muitas vezes nomes e os dos colegas acionando material, de acordo com o planejamento. O encaminhamento não têm significado estratégias de antecipação, o que pode variar: sem consulta, ou seja, conforme as suas para o aluno. possibilita descobrir o que está escrito. hipóteses, com consulta ao colega (favorecendo a troca de O nome próprio é ideias), com consulta a algum material. um modelo de escrita estável Ao perceber que algum aluno fez o registro do nome de forma (palavra estável é incorreta, pegar o crachá e desafiá-lo a compreender que para aquela que o aluno  Fazer com que os alunos reflitam sobre escrever o seu nome ele precisa de determinadas letras que são tem certeza de que as letras e seus sons comparando organizadas de uma única forma. se retirarmos uma nomes parecidos, reconhecendo as letra, trocá-la de letras iniciais e finais dos nomes e  Escrever os nomes dos alunos no quadro construindo uma posição, invertê-la, permitindo o contato com diferentes LISTA (se preferir esta lista pode ser escrita no quadro com deixa de ter o sílabas e diferentes tamanhos de antecedência). mesmo significado). palavras.
  • 8. 8  desafiar os alunos a identificarem alguns nomes na lista (contar as letras, verificar se há repetição de letras, identificar nomes que começam com a mesma letra, procurar nomes que possuam a mesma quantidade de letras).  entregar letras soltas para que os alunos possam reconstruir alguns dos nomes da lista; pode ser os nomes dos alunos que faltaram, os nomes começados ou terminados com determinada letra escolhida pelo professor (ditar os nomes).  Fazer a revisão coletiva tendo o cuidado de refletir com os alunos, como por exemplo: que F de Fátima tem o mesmo som de F de Felipe, que letras iguais podem ter sons diferentes, como C de Carla e C de Cíntia etc. ATIVIDADE COM O As atividades acima relacionadas não serão realizadas num único NOME momento. Escolher apenas uma para cada vez.  Entregar aos alunos a lista mimeografada, estimulando a realização de antecipações sobre o conteúdo da lista, assim: temos aí uma lista; será lista de quê? Alguém já descobriu o seu nome? Descobriu o nome de algum colega? Vamos ver quem consegue encontrar onde está escrito o nome do(a)... etc. Propor as seguintes atividades utilizando a lista de nomes:  Leitura coletiva e apontada dos nomes escrito observando se há repetição de letras no próprio nome e pintá-las  Marcar os nomes que começam com a mesma letra ou a mesma sílaba.  Cobrir com lápis de cor os nomes iniciados com a letra C (aproveite para explorar os nomes encontrados: quantidade de letras, letra inicial, final, nomes e sons dessas letras).  Pintar os nomes que possuem uma quantidade determinada de letras, como por exemplo: pintar os nomes que têm 4 letras.
  • 9. 9  Marcar os nomes que terminam com a letra A  Riscar os nomes que terminam com a letra I e circular os nomes que terminam com a letra O. Perguntar: São nomes de meninas ou de meninos?  Identificar os nomes que têm mais letras e os que têm menos letras.  Identificar a letra que mais aparece ao final dos nomes dos alunos da turma. As atividades acima relacionadas não serão realizadas num único momento. Escolher apenas uma para cada vez.  Organizar com a turma um mural com o alfabeto dos nomes dos alunos. Durante a atividade, chamar a atenção para a letra inicial de cada nome e o seu respectivo som. Pode-se também chamar atenção para a sílaba inicial dos nomes.  ENCONTRE O SEU NOME:  Organizar as carteiras da sala de aula enfileiradas.  Separar os crachás da turma de acordo com os nomes os alunos de cada fileira, colocando-os em caixas.  Colocar uma caixa na primeira carteira de cada fileira.  A um sinal, dado pelo professor, o primeiro aluno da fileira pegará o seu nome e passará a caixa para o aluno de trás, e assim sucessivamente até chegar ao último aluno da fileira.  Os alunos de cada fileira, juntos, deverão organizar os crachás em ordem alfabética, afixando-os no quadro de pregas. Essa atividade será orientada pelo professor com a participação de toda a turma.  Durante a atividade, o professor deverá fazer as intervenções necessárias, pois nem todos os alunos conseguirão identificar corretamente o seu próprio nome. Caso isso aconteça, pergunte:
  • 10. 10 - O seu nome começa com essa letra? - Onde está o começo deste nome? - Que letra é esta? - O seu nome é ALINE. ALINE começa com a letra A. Esse nome que você pegou tem a letra A? Essa letra (aponte para a 1ª letra do crachá) é a letra A? - Vamos procurar qual o nome que começa com a letra A? - Se necessário, continue fazendo as intervenções, até que o aluno consiga encontrar o seu nome.  Elaborar fichas com os nomes dos alunos. Cada aluno receberá o seu nome e deverá recortar as letras, misturá-las sobre a carteira e, em seguida, recompor o nome, colando no caderno ou em outro material.  Orientar os alunos a dobrar os crachás marcando cada letra (o professor deverá observar cada aluno e fazer as intervenções necessárias; se for o caso, mostrar o nome do aluno para que ele faça a revisão e as alterações antes de colar no caderno).  Entregar aos alunos fichas com os seus nomes, eles deverão recortar as sílabas que compõem os seus respectivos nomes, misturá-las sobre a carteira e recompor os nomes, colando no caderno ou em outro material. Se for necessário, mostrar o nome do aluno para que ele faça a revisão e as alterações necessárias antes de colar no caderno.  Orientar os alunos a falarem seus respectivos nomes, pausadamente, contando cada sílaba pronunciada.  Todos deverão dobrar seus crachás, de acordo com o número de sílabas (o professor deverá observar cada aluno e fazer as intervenções necessárias).  Os alunos deverão cortar e misturar as sílabas reorganizando-as, formando o seu nome e colando-o no caderno ou em outro material.  O professor deverá registrar no quadro, com a participação dos alunos, os nomes que têm sílabas iguais destacando-as. Após destacar as sílabas, chamar atenção para as letras necessárias à escrita das mesmas.
  • 11. 11  Preparar um cartaz com a escrita da música A CANOA VIROU.  Apresentar o texto desafiando os alunos a anteciparem o conteúdo escrito no cartaz.  Explicar para os alunos sobre a atividade a ser realizada.  Desenhar no chão uma grande canoa, pode ser com giz.  Conforme a música vai sendo cantada, o professor mostra um crachá e os alunos leem este nome e o dono dele entra na canoa. Para esta atividade, escolher alguns nomes que possibilitem reflexões sobre o sistema de escrita alfabético.  Preparar fichas com a escrita dos nomes dos alunos faltando a 1ª letra ou a 1ª sílaba:  Organizar os alunos em roda.  Espalhar as fichas e desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo das fichas questionando-os: o que está escrito nestas fichas? Mas será que aqui está escrito o nome da Juliana? Para ser o nome dela, o que está faltando?  Entregar a cada aluno a ficha correspondente ao seu nome.  O que fazer para ser o seu nome? O professor deve estar atento às dificuldades dos alunos, fazendo as intervenções necessárias. Talvez seja preciso ensinar o traçado da letra a alguns alunos; esteja atento.  Preparar fichas com os nomes dos alunos, tendo o cuidado de não escrevê-los com letras de tamanho pequeno:  Organizar os alunos dispostos em roda.  Espalhar as fichas no centro da roda e desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo escrito nelas.  Solicitar que cada aluno pegue a ficha em que está escrito o seu nome.  Colocar um quadro de pregas no centro da roda e orientar os alunos a organizarem os seus nomes em ordem alfabética. Indagar: Como podemos fazer isto?
  • 12. 12  Organizar esses nomes tendo o cuidado de refletir, junto com os alunos, sobre as letras iniciais dos nomes.  Solicitar que os alunos registrem o seu nome no caderno ou em outro material, destacando com lápis de cor a letra inicial.  Leitura do nome do colega:  Colocar numa caixa (de tato) os nomes dos alunos.  Explicar para os alunos como será o desenvolvimento da atividade.  Passar a caixa de mão em mão e solicitar que cada aluno pegue uma ficha, tente ler o que está escrito nela.  Pedir que cada aluno leia o nome em voz alta. Se houver dificuldade para identificar o nome escrito, o professor deve fazer as intervenções necessárias ajudando o aluno a realizar a atividade.  Pedir que os alunos registrem no caderno o seu nome e o nome do colega (o nome tirado da caixa).  Ditado:  Entregar aos alunos uma lista com os seus nomes.  Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta lista (O que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata disto? Todos os nomes começam iguais? Todos os nomes têm o mesmo número de letras? etc.)  Ditar três nomes da lista.  O aluno deverá encontrá-los na lista que tem em mãos e circulá-lo.  A seguir, escrever o nome no quadro e orientar os alunos para a revisão. Para que essa atividade seja possível a todos os alunos, é importante fornecer algumas dicas, como: o nome começa com a letra L; termina com a letra A; tem 5 letras; começa com a sílaba LU; o nome é LUCIA.
  • 13. 13  Fazendo a chamada:  Entregar aos alunos uma lista com os seus nomes.  Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta lista (O que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata disto? Todos os nomes começam iguais? Todos os nomes têm o mesmo número de letras? etc.)  Pedir aos alunos para dizerem os nomes dos ausentes, procurarem esses nomes e circular.  Registrar estes nomes no quadro e refletir com alunos sobre a escrita deles.  Escrita espelhada:  Escrever os nomes dos alunos em fichas de plástico transparente (usar caneta para retroprojetor).  Organizar os alunos dispostos em roda e espalhar estas fichas no centro (viradas).  Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta ficha (O que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata disto? Tem algo estranho nesses nomes? Quando mudamos as letras de posição o nome continua o mesmo? etc.)  Desvirar as fichas e questionar os alunos sobre o que perceberam.  Entregar a cada aluno a fichas com o seu nome e solicitar que o registre em seu caderno.  Nomes partidos:  Preparar envelopes feitos com folhas de revistas ou outro material reaproveitado. Colocar fichas com as sílabas que compõem os nomes dos alunos dentro dos envelopes.  Entregar a cada aluno o envelope com as fichas do seu nome.  Solicitar que abram o envelope e descubram o que está escrito nas fichas.  Pedir que cada um forme o seu nome, chamando atenção para a sílaba inicial.
  • 14. 14  Desafiar os alunos a retirarem a ficha que tem a sílaba final e verem o que aconteceu.  Escrever um dos nomes no quadro e destacar a sílaba inicial.  Propor que os alunos falem outras duas palavras que têm esta mesma sílaba no início.  Pedir que colem no caderno as sílabas formando o nome.  Destacar a sílaba inicial com lápis de cor e escrever ao lado o número que representa a quantidade de sílabas que compõem o nome.  Chamada pela sílaba inicial:  Preparar fichas com as sílabas iniciais dos nomes dos alunos e colocá-las num “saquinho”.  Combinar com os alunos como será a chamada – feita pela sílaba inicial dos nomes, assim: Sortear uma sílaba, mostrar e ler. O aluno cujo nome inicia com esta sílaba deverá ficar de pé. As sílabas vão sendo colocadas num quadro de pregas.  Pedir que os alunos registrem no caderno a 1ª sílaba dos seus nomes e desenhem ao lado um objeto cujo nome inicie com a mesma letra. Apresentamos aqui apenas algumas sugestões de atividades que podem ser realizadas no momento da “chamada”. Cabe ao professor fazer as adaptações necessárias de acordo com a sua turma. Se os alunos já consolidaram a escrita do 1º nome, o professor poderá planejar atividades para esse momento diário da aula ensinando a escrita do nome completo.
  • 15. 15 Tempo Atividade Função Como fazer? máximo recomen- dado ATIVIDADE COM O O TRABALHO COM O CALENDÁRIO  Conversar com os alunos sobre a utilização do calendário, 10 CALENDÁRIO TEM COMO FINALIDADES: indagando-os: Para que consultamos um calendário? Quem tem minutos um calendário em casa? Será que todos os calendários são O uso deste  Compreender e sistematizar o uso do iguais? O que tem escrito num calendário? Para que servem os instrumento tem calendário. números que estão num calendário? etc. função social definida no cotidiano  Aprender sobre a organização e  Criar situações nas quais os alunos precisem consultar no da sociedade. O passagem do tempo. calendário: trabalho com este  Hoje é 2ª feira, vamos descobrir que data é... instrumento na sala  Entender sobre a importância do  Pedir a um aluno para marcar no calendário com o lápis de de aula possibilita a registro de números. cor a data. construção de  Escrever no quadro a data para que os alunos possam conhecimentos  Desenvolver capacidades relativas ao copiá-la no caderno. importantes em uso da medida de tempo (dia, mês,  Refletir, junto com os alunos, sobre a importância de contextos reais de ano...) registrarem a data do dia no caderno. utilização. Antes de realizar qualquer atividade com o calendário, é importante que o professor ensine aos alunos como consultar dados neste material. E ao registrar a data do dia no quadro, os alunos precisam ser ensinados sobre como traçar os números.  Combinar com os alunos sobre a maneira como vão fazer a escolha de quem vai marcar a data do dia no calendário, como por exemplo: seguir uma ordem alfabética, dizer uma letra ou sílaba inicial e o aluno cujo nome inicie com essa letra ou sílaba vai marcar a data. Aproveitar para trabalhar a leitura dos nomes dos colegas.  Preparar uma tabela com os nomes de todos os meses do ano, apresentá-la aos alunos desafiando-os a antecipar o conteúdo escrito na mesma.  Explicar aos alunos sobre a realização da atividade – construção da tabela de aniversários.
  • 16. 16  Registrar na tabela os nomes dos alunos conforme o mês de aniversário.  Solicitar que os alunos contem quantos meses têm no ano.  Afixar a tabela num mural e questionar os alunos: Este texto vai servir para quê?  Aproveitar a tabela construída no dia anterior para resolver algumas questões com os alunos. Quantos alunos fazem aniversário no mês de maio? Em qual mês têm mais aniversariantes? Tem algum mês em que não tem aniversariante? Em que mês LUCAS faz aniversário? Quantos dias faltam para o aniversário da MARIANA?  Confeccionar um calendário mensal para registrar as aulas de Educação Física, sala de leitura, Sala de Informática, se houver.  Consultar neste calendário para saber em que datas acontecerão às aulas de Educação Física etc.  Consultar neste calendário para saber quantos dias faltam para as atividades na sala de leitura etc.  Contar no calendário quantas vezes terá aula de Educação Física no mês...  Registrar junto com os alunos as datas num calendário individual.  Utilizar o calendário para contar ou calcular período de duração, como por exemplo: Quantos dias faltam para...? Quantos dias se passaram...? etc.  Localizar no calendário informações contidas nos bilhetes ou comunicados enviados ou recebidos. Ex.: Fazer a leitura de um bilhete aos pais comunicando sobre uma reunião e pedir aos alunos para marcarem no calendário a data e dia da semana em que acontecerá a reunião etc.  Solicitar aos alunos que consultem no calendário e copiem no caderno o nome do dia da semana em que estamos.
  • 17. 17  Consultar no calendário para saber:  Em que dia do mês estamos?  Ontem foi que dia do mês?  Quantos dias têm uma semana?  Quantos dias têm um mês?  Qual é o menor mês do ano?  Quantos dias faltam para terminarmos o projeto?  Em que mês estamos? Qual foi o mês que acabou? Qual será o próximo mês? etc.  Quantos Domingos têm no mês? Etc. É importante que os dados consultados no calendário sejam registrados no caderno ou em outro material. O professor precisa tomar cuidado para não apresentar aos alunos calendários que não fazem parte dos usos sociais. Eles precisam aprender a utilizar calendários que circulam na sociedade. Se for utilizar um calendário confeccionado, é preciso aproximá-lo dos calendários oficiais. Apresentamos neste material apenas algumas sugestões de atividades que são importantes no processo de alfabetização. Cabe ao professor criar e planejar situações de ensino para que os alunos possam avançar no processo de aprendizagem desenvolvendo as capacidades previstas para o 1º ano de escolaridade. É IMPORTANTE RESSALTAR QUE O TRABALHO DE REFLEXÃO SOBRE O SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICO DEVE PERPASSAR TODO O TRABALHO DO DIA A DIA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR, DESDE AS PRIMEIRAS ATIVIDADES DO DIA (ESCRITA DA AGENDA, LEITURA DELEITE, “CHAMADA”, CALENDÁRIO) ATÉ O MOMENTO DE ENCERRAMENTO DA AULA.
  • 18. 18 Referências bibliográficas:  CARVALHO, Marlene. Alfabetizar e letrar: um diálogo entre a teoria e a prática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.  CAVALCANTI, Joana. Caminhos da Literatura infantil e juvenil: dinâmicas e vivências na ação pedagógica. São Paulo: Paulo, 2002.  SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Projeto Toda Força ao 1º Ano: guia para o planejamento do professor alfabetizador – orientações para o planejamento e avaliação do trabalho com o 1º ano do Ensino Fundamental / Secretaria Municipal de Educação. São Paulo: SME / DOT, 2006. 115p.  SEME. Secretaria Municipal de Educação. Departamento Técnico- Pedagógico. Divisão de Supervisão Escolar. Caderno Pedagógico nº 2 - 1º e 2º anos do Ensino Fundamental / Secretaria Municipal de Educação. Cabo Frio: SME, 2007.  BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação - SEB, 2007.
  • 19. 19  PRÓ-LETRAMENTO – Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Alfabetização e Linguagem. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brasília, 2007.