Geografia 3 ano

1.549 visualizações

Publicada em

Slides das aulas de Geografia (3º ano) do Colégio Bimbatti - 2ºbimestre 2014

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia 3 ano

  1. 1. 3º Ano do E.M. Colégio Bimbatti Profº Junior
  2. 2.  Natalidade: nascimentos por ano x 1000/pop. total;  Mortalidade: óbitos por ano x 1000/pop. total;  Crescimento vegetativo (crescimento natural): diferença entre as taxas de natalidade e mortalidade; • Crescimento vegetativo positivo: quando a taxa de natalidade é maior que a taxa de mortalidade; • Crescimento vegetativo negativo: quando a taxa de natalidade é menor que a taxa de mortalidade;  Crescimento horizontal: aumento de migrantes;  Fecundidade: média de filhos por mulher;  Mortalidade infantil: óbitos (- de 1ano)/mil vivas;  Expectativa de vida: média de vida de uma pop.
  3. 3.  População absoluta: total de habitantes de um lugar (ex: Brasil = 191,8 milhões de brasileiros), Chamamos de populosos;  População Relativa (Densidade Demográfica): Relação entre a população absoluta e a área que ocupa ( Ex: área do Brasil = 8.514.877, então: Habitantes = 191.800.000 = 23 hab/km², área 8.514.877 Chamamos de povoados;
  4. 4. PAÍSES MAIS POPULOSOS Nome População (em milhões) Área (km2) Densidade demográfica (hab/km2) Continente Hemisfério Nível de desenvolvimento 1. China 1 336,3 9 596 961 139 Ásia Norte Emergente 2. Índia 1 169,0 3 287 263 356 Ásia Norte Emergente 3. EUA 305,8 9 826 675 31 América Norte Desenvolvido 4. Indonésia 231,6 1 904 569 122 Ásia Norte/ Sul Subdesenvolvido 5. Brasil 191,8 8 514 877 23 América Sul Emergente 6. Paquistão 163,9 796 095 206 Ásia Norte Subdesenvolvido 7. Bangladesh 158,7 143 998 1 102 Ásia Norte Subdesenvolvido 8. Nigéria 148,7 923 768 161 África Norte Subdesenvolvido 9. Rússia 142,5 17 098 242 8 Europa/Ásia Norte Emergente 10. Japão 127,9 377 915 338 Ásia Norte Desenvolvido 11. México 107,0 1 964 375 54 América Norte Emergente 12. Filipinas 98,0 300 000 327 Ásia Norte Subdesenvolvido 13. Vietnã 88,6 331 210 267 Ásia Norte Subdesenvolvido 14. Etiópia 85,2 1 104 300 77 África Norte Subdesenvolvido 15. Alemanha 82,3 357 022 231 Europa Norte Desenvolvido 16. Egito 78,9 1 001 450 79 África/ Ásia Norte Subdesenvolvido 17. Turquia 76,8 783 562 98 Europa/Ásia Norte Subdesenvolvido 18. Rep. Dem. do Congo 68,7 2 344 858 29 África Norte/ Sul Subdesenvolvido 19. Irã 66,4 1 648 195 40 Ásia Norte Subdesenvolvido 20. Tailândia 66,0 513 120 129 Ásia Norte Subdesenvolvido
  5. 5.  Crescimento acelerado após a Rev. Industrial; Anteriormente: alta mortalidade e baixa expectativa de vida ( condições médicas e sanitárias precárias); Após: melhoras nas condições médico-sanitaristas e ampliação do trabalho infantil (aumentar a renda familiar);  Explosão demográfica: ocorreu no século XX, em especial nos países subdesenvolvidos após 1950, tanto que atualmente registram 80% da população mundial.
  6. 6.  Malthusiana (1798): a população cresceria em escala geométrica (2,4,8,16) e a produção de alimentos em escala aritmética (1,2,3,4), gerando uma falta de alimentos; Sugestão: “Controle moral”= abstinência sexual, casamentos tardios e permitidos só quando tivessem condições de criar etc. (era contrario ao uso de contraceptivos, devido a religião); Contrário: Karl Marx – a fome e problemas vem do capitalismo, da má distribuição de renda e não da quantidade de população. O capitalismo mantinha desempregados (exército industrial de reserva); Fato: Malthus não considerou a tecnologia, sendo que atualmente a produção de alimentos é bem maior que a população mundial;
  7. 7.  Neomalthusiana (século XX): Difusão do controle de natalidade, principalmente nos países subdesenvolvidos, utilizando-se métodos contraceptivos; Justificativas: altos gastos com educação e saúde, que poderia ser investidos na produção e baixa renda per capita.  Reformistas: contrários a teoria neomalhusiana, afirmam que a população elevada é consequência do subdesenvolvimento e não a causa. Fato: Verificou-se que a diminuição da população ocorreu em países mais desenvolvidos, com acesso a educação, cultura e melhor distribuição de renda.
  8. 8.  Crescimento populacional gera dilapidação dos recursos naturais, porém o consumismo é o maior responsável;  EUA: 4,5% da população mundial são responsáveis por ¼ de todos os produtos consumidos, geram 25% de gases poluentes e é o destino de 1/3 de matérias primas e energia;  A fome mundial tem como causa as desigualdades sociais;  Nesse sentido surge a Teoria Ecomalthusiana ( ou também conhecida como Econeomalthusiana).
  9. 9.  Implosão demográfica: início do século 21 em alguns países houve a diminuição da população, a diminuição do ritmo de crescimento, que levará a um declínio após 2050 da população mundial; Problemas: déficit previdenciário, nos sistemas produtivos e de saúde. Manchete da Folha de São Paulo: "ABONO-BEBÊ" Sob risco de desaparecer, Laviano, na Itália, premia grávidas - Cidade paga €10 mil por filho  JAMES CRAWFORD DA REUTERS, EM LAVIANO (ITÁLIA)
  10. 10.  Há um século = 17 milhões de habitantes, menos da metade da população de SP atualmente;  Atualmente = 192 milhões de habitantes;  Crescimento após 1940: melhorias no saneamento e medicina;  Ápice em 1960: após, queda devido a urbanização (1960 Taxa fecundidade 6,3 - hoje 1,8); Motivos da queda: mulher no mercado de trabalho, nos estudos, casamentos tardios, opções por tardios ou não ter, custo financeiro, contraceptivos...
  11. 11.  Mudanças das taxas de natalidade e mortalidade;  Primeira fase: queda da mortalidade e natalidade alta, crescimento populacional;  Segunda Fase: estabilização da mortalidade (patamar baixo) e queda na natalidade, recuo do crescimento populacional;  Terceira (última) fase : taxa de natalidade e mortalidade em patamares baixos e semelhantes, não há crescimento populacional. Estabilização demográfica.
  12. 12.  População por idade: descrita no meio, analise por linhas;  População por sexo: esquerda homem, direita mulher;  Cada linha revela a quantidade de homens e de mulheres de uma certa faixa etária.  Com isso é possível comparar a quantidade de homens e mulheres de acordo com idade, ver se a população é predominantemente de jovens, adultos ou idosos etc.
  13. 13. (Fatec)Quando analisamos pirâmides etárias, a sua forma tem um significado muito importante para a representação da população de um país ou região. Com base nas pirâmides, identifique a alternativa correta Característica predominante da população e exemplo de um país nessa situação a) Pirâmide X - População Velha França/Pirâmide Y - População Jovem Indonésia b) Pirâmide X - População Jovem Suíça/Pirâmide Y - População Velha EUA c) Pirâmide X - População Velha Alemanha/Pirâmide Y - População Jovem França d) Pirâmide X -População Velha Índia/Pirâmide Y-População Jovem África do Sul e) Pirâmide X - População Jovem Itália/Pirâmide Y - População Velha China
  14. 14.  Problemas com alta população de jovens:  custo elevado para as necessidades (saúde, educação...);  Dificuldade de sustentar vários filhos;  Dificuldade na inserção à globalização.  Problemas com alta população de idosos:  Falência da previdência;  Falta de mão de obra (trabalhadores);  Diminuição da “Nação”, perca de sua identidade.
  15. 15.  Expectativa de vida alta;  Nem todos contribuem para a previdência;  Aposentadorias bilionárias (poucos casos);  Fraudes no sistema previdenciário;  Nascimentos igualitários;  A violência afeta mais os homens, gerando uma maior diferencia de acordo com as faixas etárias;  Em países de emigrantes predomina mulheres ao passo que de imigrantes, os homens.
  16. 16.  (UEMG) Em Outubro Seremos 7 Bilhões de Habitantes no Planeta Terra. Até outubro deste ano, provavelmente em alguma cidade indiana ou chinesa, nascerá o bebê que fará a população atingir a marca de 7 bilhões de habitantes. A ONU estima que seremos 10 bilhões até o fim do século, quando, finalmente, a população vai começar a diminuir (...). A questão, que está representada no gráfico abaixo, sempre afligiu a humanidade, pelo menos desde que o reverendo britânico, Thomas Malthus (1766-1834) previu, em 1798, um desfecho catastrófico para o aumento rápido da população mundial (...).  Folha de São Paulo - 1/8/2011 - Cad. Ilustríssima. Adaptação. A análise dos dados no gráfico e no texto acima, aliada a seus conhecimentos, permite afirmar CORRETAMENTE que a) a chamada teoria Malthusiana afirmava que os recursos naturais cresceriam a uma velocidade superior à população, resultando num quadro de fome em massa, no final do século passado. b) a produção mundial de alimentos per capita foi inferior a 70%, no período de 1951 a 1995, quando o crescimento da população mundial foi alarmante. c) o aquecimento global, a educação e o controle de natalidade estão entre os fatores apontados por demógrafos para assegurar a qualidade de vida no planeta. d) o problema não está na incapacidade de produzir comida em escala global para alimentar a população, e sim na distribuição dos recursos econômicos.
  17. 17.  Para responder essa questão é só relembrar o conceito da Teoria Malthusiana (população cresce em PG e produção de alimentos em PA) e de seu opositor, Karl Marx, que relata que o problema é a distribuição dos recursos econômicos.  Aliados a isso, ao analisarmos o gráfico, vemos que a produção de alimentos (linha mais escura) é superior ao crescimento populacional (linha mais clara).
  18. 18.  (FGV) As características demográficas de um país são dinâmicas e alteram-se ao longo da história, segundo diferentes contextos socioeconômicos. Recentemente, o IBGE identificou algumas mudanças no perfil da população brasileira, entre as quais, a diminuição da população masculina em relação à feminina nas regiões metropolitanas e, por outro lado, o aumento da população masculina em relação à feminina em alguns estados das Regiões Norte e Centro-Oeste, além de um envelhecimento geral da população. Assinale a alternativa que melhor explique pelo menos uma dessas alterações. a) É natural que exista uma população masculina maior nas áreas rurais, dadas as características das atividades agropecuárias. b) O envelhecimento da população explica-se pela baixa qualidade de vida de que dispõe o povo brasileiro, em média. c) Nas Regiões Norte e Centro-Oeste, as más condições de vida afetam principalmente mulheres e crianças, o que explica o aumento proporcional da população masculina. d) A violência nas regiões metropolitanas envolve mais a população masculina, o que ajuda a explicar a diminuição proporcional dessa população em relação à feminina nessas regiões. e) O aumento da população feminina nas regiões metropolitanas explica-se pelo êxodo rural, ou seja, a busca de trabalho nas frentes agrícolas pela população masculina.
  19. 19.  Vimos que os nascimentos de meninas e meninas são muito próximos e que conforme há a elevação das faixas etárias a diferença se acentua (diminui-se o número de jovens masculinos). Estudamos que a violência urbana é uma das principais causas da morte prematura de jovens principalmente do sexo masculino (acidentes de trânsito, homicídios...) o que gera uma diminuição da população masculina em relação a feminina.
  20. 20.  (UFG) Observe o gráfico a seguir.  INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Anuário Estatístico do Brasil, 1982. Censo demográfico, 2000. A diferença entre as taxas de natalidade e de mortalidade indica aumento, redução ou estabilização na taxa de crescimento vegetativo. A leitura e interpretação do gráfico demonstra que o crescimento vegetativo a)aumenta quando as taxas de natalidade e mortalidade são elevadas. b)estabiliza-se quando a taxa de natalidade é maior que a de mortalidade. c)é maior quando a diferença entre as taxas de natalidade e mortalidade é elevada. d)é baixo quando a taxa de mortalidade é menor que a de natalidade. e)aumenta quando as taxas de natalidade e mortalidade são baixas.
  21. 21.  O crescimento vegetativo é a diferença entre as taxas de natalidade e mortalidade ( crescimento vegetativo = tx. de natalidade – tx. de mortalidade). Portanto, quanto maior a diferença (distância) entre as taxas de natalidade e as taxas de mortalidade, maior será o crescimento vegetativo.  Isso também fica claro no gráfico:
  22. 22.  (PUCPR) Confira com atenção o gráfico abaixo. A miséria e as doenças a ela correlacionadas, explicam os elevados índices de mortalidade na porção da África que se estende desde o deserto do Saara até o extremo sul desse continente. Tanto a África do Norte, como a América Latina e Caribe apresentam, no entanto, índices menores de mortalidade do que a Europa. Isso se deve principalmente a que: a) há grande porcentagem de idosos caracterizando a estrutura etária da maioria dos países europeus. b) os países da África do Norte e da América Latina têm melhorado significativamente os seus índices de desenvolvimento humano, superando até mesmo vários países do continente europeu. c) a população de migrantes latino-americanos e africanos no continente europeu tem contribuído para o desenvolvimento socioeconômico de seus países de origem com o envio de parte de seus recursos financeiros. d) o atual contexto econômico mundial caracterizado pelo predomínio do neoliberalismo, tem contribuído para a redução das desigualdades socioeconômicas inter-regionais. e) mudanças culturais, relacionadas a formas racionais de uso do solo, melhorias alimentares e de higiene, têm reduzido os índices de mortalidade das populações da África Setentrional, América Latina e Caribe.
  23. 23.  A característica das pirâmides dos países europeus (desenvolvidos em sua grande maioria) é de predomínio de população idosa, portanto a taxa de mortalidade é alta (estão no terceiro estágio da transição demográfica).
  24. 24.  (UFRN) Para a explicação do crescimento da população e de sua relação com o desenvolvimento, algumas teorias foram formuladas: malthusiana, reformista e neomalthusiana. Os adeptos da teoria reformista a) consideram que o rápido crescimento demográfico exerce pressão sobre os recursos naturais, sendo um sério risco para o futuro da humanidade. b) defendem a necessidade de reformas socioeconômicas que permitam a elevação do padrão de vida da população. c) defendem que o alto crescimento demográfico é causa da pobreza generalizada, sendo imprescindíveis reformas políticas rígidas de controle da natalidade. d) consideram o descompasso entre a população e os recursos necessários para a sua sobrevivência como causa para a existência da miséria do mundo.
  25. 25.  Reformistas: contrários a teoria neomalhusiana, afirmam que a população elevada é consequência do subdesenvolvimento e não a causa, ou seja, com melhorias no campo socioeconômico (saúde, educação) será possível o país desenvolver-se e consequentemente a população iria diminuir. Não é a quantidade de pessoas que gera a pobreza, mas a pobreza (falta de educação, por exemplo) que faz com que a população aumente.
  26. 26.  (UFRJ) Tradução: O Sumiço dos Bebês (Para um número cada vez maior de países, o problema não é ter gente demais, mas ter de menos.) Apresente os principais problemas resultantes da diminuição da taxa de natalidade em alguns países desenvolvidos.
  27. 27.  A redução da natalidade gera: - Aumento da população idosa e aumento dos gastos previdenciários; - Redução de jovens no mercado de trabalho (mão de obra); - O Estado (país) perde simbolicamente o grupo etário que representa o futuro da nação; - Importação de mão de obra, o que gera conflitos étnicos (discriminação e até aversão a estrangeiros- xenofobia).

×