2aqui

715 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
715
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2aqui

  1. 1. Bárbara Relvas ÍlyanCarolina Freiberger CoelhoPriscila Raijche de Oliveira
  2. 2. Populações de organismos quepodem ser mantidas vivas em condiçõesartificiais e controladas dedesenvolvimento, com finalidadesdiversas, desde a manutenção dos organismosaté o aproveitamento econômico;Algas com dimensõesmicroscópicas.
  3. 3. Presentes em sistemas aquáticos (ou zonaúmida);Fotossintetizantes;Hábito planctônico, bentônico ou terrestre.
  4. 4. Praticado há cerca de 140 anos;Dois períodos:Descobertas fundamentais (cultivo);Diversificação do produto (biotecnologias).
  5. 5. Iniciou-se no segundo período - fase dediferenciação dos estudos;Primeiros estudos: 1970 por Clóvis Teixeira eArmando Vieira – USP.1980 criação dos primeiros bancos demicroalgas marinhas de maior porte do Brasil.
  6. 6. AMBIENTALHUMANAAQUICULTURA
  7. 7. AMBIENTALMENTEBioconservação daenergia solar(estocagem de energia)FloraçõesFuncionamentode ecossistemas;Tratamento deáguas residuaisIndicadores ambientais;
  8. 8. AlimentaçãoSubstâncias farmacêuticas;Cosméticos;Corantes;Produção de matéria orgânica.HUMANA
  9. 9. Segundo Duerr et al. (1998), aproximadamente90% das 14,5 milhões de toneladas de animaisproduzidos pela aquicultura mundialenvolveram o uso de microalga.AQUICULTURA
  10. 10. Unidades especializadas na manutenção deexemplares de organismos ou partedeles, para estudos científicos e aplicaçõesdiversas.Acervos vivos e não-vivos.
  11. 11. Chamados de coleções de cultivos (ouculturas).Funções:Conservação de recursos genéticos;Fornecimento de material biológico.Coleções de cultivo Coleções de trabalho
  12. 12. – Muitas cepas, sistemas plenamenteinformatizados;– Financiadas por agências governamentais;– Importância nacional e internacional.– Simples, poucas cepas;– Importância local, regional e eventualmentenacional.
  13. 13. Uma vez isolada, a microalga pode sermantida em cultivo sem limite de tempodeterminado;• Três categorias:– Coleções diversificadas;– Coleções delimitadas;– Coleções geneticamente bem definidas e estáveis.
  14. 14. Direta: Animal de interesse alimenta-se dasmicroalgas;Indireta: Animal não capaz de alimentar-se damicroalga, mas consome outros animaisalimentados com ela, como rotíferos, artêmias,microcrustáceos.
  15. 15. Qualidades ideais de nutrição, digestibilidade,tamanho celular adequado e adaptação ascondições de cultivo;Alimentação e animais marinhos = Dietadiversificada (combinação de espécies)LCMM : Chaetoceros calcitrans, Chaetoceros muelleri, Thalassiosira pseudonana, Isochrysissp., Skeletonema sp., Nannochloropsis oculata, Tetraselmis suecica e Tetraselmis tetrathele– Alimentação e reprodução de pré-sementes de ostras e vieiras.
  16. 16. Espécies de microalgas e indicações de uso na aquiculturaSkeletonema costatum Moluscos e larvas de camarõesThalassiosira pseudonana Moluscos e larvas de camarõesThalassiosira weissflogii Larvas de camarõesPhaeodactylum tricornutum Larvas de camarão e larvas e moluscosChaetoceros calcitrans / neogracile Moluscos e larvas de camarãoChaetoceros muelleri MoluscosIsochrysis galbana Larvas de moluscos e rotíferosIsochrysis sp Moluscos e larvas de peixesPavlova (monochrysis) lutheri Larvas de moluscosChroomonas salina/ Rhodomonas MoluscosMonochrysis Larvas, pré-sementes de moluscos, rotíferos e artemiaTetraselmis sp Moluscos e larvas de camarãoT. suecica L. de moluscos, peixes e camarões, artemias e rotíferosChlorella autotrophica Larvas de camarão, larvas de peixesNannochloris atomus Rotíferas de artemia, larvas e pré sementes demoluscos, larvas de camarãoChlamydomonas coccoides Larvas de moluscos e camarões, artemias e rotíferosDunaliella tertiolecta Larvas de moluscos e camarões, artemia
  17. 17. Incrementar o conteúdo nutricional de alimentosconvencionais ( Proteína)Restrições: digestibilidade / Purinas Ácido úrico= Cálculo renal 20g por dia;Encapsulados para consumo humano(nutracêuticos);Pílulas, sucos, pó extratos concentradoslíquidos, barras gelatinosas, etc.
  18. 18. 1960 1980: Clorofilas, carotenóides eficobilinas;- Clorofila: valor comercial;- Ficobilinas vermelhas: Corantes de alimentosIndustrializados;- Ficobilinas azuis: Corantes naturais, indústriade cosméticos, produção de chiclete, doces ebebidas (Japão);
  19. 19. - Carotenóides: β-caroteno +astaxantina,luteína, zeaxantina, licopeno e bixina;• Corantes naturais de alimentos, aditivos em raçõespara animais, aditivos em cosméticos.• Vantagens: Atividade antioxidante(anticarcinogênica), redução de cólicasmenstruais, melhoria no quadro deosteoartrite, lesões musculares, etc.
  20. 20.  Corantes; Produtos para cabelos; Produtos refrescantes e de regeneração; Emolientes; Antiirritante em esfoliantes; Proteção contra o sol; Efeito tonificante na pele Reparação de sinais deenvelhecimento (síntese de colágeno); Renovação celular;
  21. 21. Fonte de ácidos graxos poliinsaturados: Ácidodecosahexaenóico (DHA)- Desenvolvimento do cérebro e olhos em crianças;- Saúde cardiovascular;- Desenvolvimento de órgãos.
  22. 22. Moléculas de alto valor agregado(tabela)
  23. 23. Substâncias bioativas- Metabolismo secundário- Atividade antiinflamatória, antiviral, inibitória deenzimas, hipocolesterolêmica, antioxidante, anticarcinogênica;- Não são produzidas comercialmente;- Necessidade de estudos Efeitos colaterais.
  24. 24.  Produção de biodiesel- Redução da emissão de CO2;- Produtividade superior aos demais vegetais;- Teor de lipídeos = Concentrações de energia;- Preço baixo do petróleo não justifica gastos com fontesalternativas de combustíveis;- Problemas de tecnologia para produção em grande escala;- Menor espaço para produçãode biomassa de algas do que plantas;
  25. 25. http://hhenkels.blogspot.com.br/2011/07/algae-biofuel.htmlhttp://www.abq.org.br/biocom/2011/trabalhos/76-9524.htm
  26. 26. Imagens (livro aquicultura pag 111
  27. 27. Quanto ao número de espécies cultivadas:Unialgas e plurialgas;Quanto ao conteúdo de bactérias: axênicos enão axênicos;Quanto ao volume: Abertos e fechados;Quanto à divisão celular: Culturas sincrônicase não sincrônicas.
  28. 28. Descontínuo (“batch”)Semi contínuo;Contínuo.
  29. 29.  Cepas importadas (USA); Câmara para Germinação com Fotoperíodo; Mitose; Fotoperíodo de 12 horas; Temperatura: 10 - 15 °C; Volume: 15 ml de meio de cultura (troca a cada20 dias); Meio de cultura: Nitrato + Fosfato + Metaistraço (Zinco, Cobre, Ferro, Manganês eMolibdênio); Fase de maior cuidado com a assepsia; Tratamento de amostras contaminadas:Antibióticos.
  30. 30.  Primeira fase do cultivo maciço demicroalgas; Volume: 300 ml (1 semana) / 2 litros (3dias); Tempo de duração: 1 semana; Temperatura: 20°C; 24 horas de luz; Recebimento de CO2 (substrato); Meio de cultura: Nitrato + Fosfato +Metais traço (Zinco, Ferro, Cobre,Manganês e Molibdênio).
  31. 31.  Segundo estágio do cultivo maciço; Tempo de duração: 3 dias; Temperatura: 20 - 22°C; Meio de cultura: Nitrato (25 ml) + Fosfato(25 ml) + Metais traço(Zinco, Ferro, Cobre, Manganês eMolibdênio); 24 horas de luz; Recebimento de CO2 (substrato).
  32. 32.  Terceiro estágio do cultivo maciço; Tempo de duração: 2 dias; Temperatura: 20 - 22°C; Meio de cutura: Nitrato (125 ml) +Fosfato (125 ml) + Metais traço(Zinco, Cobre, Ferro, Manganês eMolibdênio); 24 horas de luz; Recebimento de CO2 (substrato).
  33. 33.  Último estágio do cultivo maciço; Volume: 4 mil litros; Temperatura: 20 - 22°C; Meio de cultura: Nitrato (1L) +Fosfato (1L) + Metais traço(Zinco, Cobre, Ferro, Manganês eMolibdênio); 24 horas de luz; Recebimento de CO2 (substrato); Duração: 2 dias Larvicultura.
  34. 34.  No laboratório: chaetoceros muller + isochrysis (tanquesdiferentes); Para larvicultura da vieira: Chaetoceros calcitrans +chaetoceros muller + isochrysis + Pavlova; Para as diatomáceas: Acrescentar sílica no meio de cultura(Frústula Carapaça); Ideal: Cultivar diversas espécies Cada uma tem a suaparticularidade e elas se complementam.
  35. 35. Filtro de 5 microns (0,005 milímetros)Filtro de 1 micron (0,001 milímetro)Lâmpadas de ultravioleta
  36. 36.  Tanques e tubos: Diáriamente (todos os dias um éesvaziado) Solução de água e limão batidos noliquidificador; Bolsas são descartáveis; Mangueiras submersas em água comcloro por 3 – 4 horas; Vidrarias ácido clorídrico / autoclave.
  37. 37. Bactérias e protozoários;Maior contaminação na fase de tanque: Até afase da bolsa a qualidade da água é muito boa;Contaminação no laboratório: Bactériasvibrionáceas (matam a larvicultura);Tratamento nas cepas – Antibiótico.
  38. 38. Exames periódicos: microscopia ópticabactérias, fungos, microalgas; Coloração (verde, marrom, vermelho, etc.)Células no fundo do tubo de ensaio;
  39. 39. Manutenção de organismos vivos sobtemperatura ultrafria (menor que 130°C), deforma que eles sejam capazes de sobreviverapós congelamento.
  40. 40. Possui cerca de 45 laboratórios e coleções decultivos de microalgas marinhas de portesmédios e pequenos, situados em instituiçõesde pesquisas e ensinos.• Verificar dados atuais!! 
  41. 41. • Brasil:• Mundo:
  42. 42. REPORTAGENS

×