A fantastica maquina dos bichos

7.543 visualizações

Publicada em

literatura infantil

Publicada em: Educação
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
787
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
581
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A fantastica maquina dos bichos

  1. 1. É A EANTÁSTICA ¡ MAQUINA os B A' 5:1_ L _. ' r ~ n# N a W í RUTH ROCHA AÂÂÉSXÔARITA MENÊNDEZ '
  2. 2. A FANTÁSTICA MÁQUI ilustrações MARGARITA MENÉNDEZ 1 " o _ . .mf . ' 'r ' ' Í 4V, _ k . n, . H › ' - , U _ ' 'h , V v - 71,» p-lllomulvu ' A "(7 - 1 _ . ,z ' L › f,
  3. 3. Vocês se lembram da história dc Níacacote e Porco Pança. um macaco c um porquinho que viviam se metendo em aventuras"? Pois os dois cresceram. casaram c tiveram muitos Filhos.
  4. 4. Os filhos dos dois, como moravam pertinho, acabaram se tornando grandes amigos. E brincavam, todos os dias, no quintal de Macacote. onde inventavam as mais divertidas brincadeiras.
  5. 5. Zé Mico, o mais velho dos filhos de Macacote, era parecido com o pai. Tinha as idéias mais extravagantes: - Vamos nos tomar cientistas. Eu li num livrão do meu pai que. lá não sei onde, estão fazendo uma bruta máquina não sei pra quê.
  6. 6. Pancinha, o filho de Porco Pança, ria, ria: - Se você nem sabe pra que serve, como é que nós vamos fazer? - Ah, isso não é problema. A gente vai copiando a máquina, vai copiando, até ficar pronta. Aí a gente liga na tomada e vê o que acontece.
  7. 7. ° De fato. 'a durante muitos dias. só se ouvia um barulhão de martelo. lá nos fundos da casa. e os dois passavam . o tempo todo Ri) entretidos, emendando. martelando. colando e até costurando. um montão de coisas:
  8. 8. rodas de carroça. gramoiiõncs ivclhos. camas dc chaminés. latas wizins e tudo o qiic cics conseguiam dos vizinho» s. - amigos.
  9. 9. A máquina foi crescendo, crescendo e acabou tomando todo o fundo da casa.
  10. 10. Quando a geringonça Ficou pronta ou, pelo menos, cics acharam que estava pronta, todos os vizinhos vieram espiar: 4 Que máquina mais atrapalhada! Pra que é que serve? - perguntou logo a dona Arara. que era muito xereta. - Ah, isso é segredo 4 respondeu Zé Mico, piscando para Pancinha.
  11. 11. Na verdade, eles não tinham a menor idéia. - Mas nós vamos ligar e todos vão ficar sabendo. Tomando ares de muita importância. Zé Mico ligou a máquina na tomada.
  12. 12. Depois, começou a apertar botões c a puxar manivelas. Os bichos todos olhavam, muito espantados, sem poder imaginar o que iria acontecer. E aconteceu.
  13. 13. A máquina começou a tremer e a roncar, fazendo um barulho muito engraçado. E, de repente, começou a puxar, pra dentro dela, primeiro o tamanduá, depois o gato, o leão, a girafa, o cachorro, como se fosse um imenso aspirador de pó. Zé Mico e Pancinha ficaram muito preocupados.
  14. 14. .'.4.. Wu›. m
  15. 15. Começaram a mexer na máquina. para ver se paravam com aquilo, mas não havia meio. Todos os bichos foram parar dentro dela.
  16. 16. E. na mesma hora em que o último acabou de desaparecer dentro da geringonça. pelo outro lado começaram a sair os mais estranhos animais.
  17. 17. Os dois amigos, no começo, Ficaram assustados. Mas os bichos estavam tão engraçados que eles não agüentaram e começaram a rir: - Olha aquele, é o gatofante, um gato com tromba de elefante. ..
  18. 18. 4 E olha aquele outro, o cabrelho, / l a cabra com as orelhas do coelho. .. 4 E o tartaspinho, a tartaruga misturada com o porco-espinho. ..
  19. 19. Mas os bichos não estavam achando graça nenhuma na travessura: 4 Acabem com isso já, já! 4 gritava o cachorro que, como estava com o rabo do gato. não parava de correr atrás dele mesmo.
  20. 20. 4 Vocês me pagam! 4 berrava o jacaré. desajeitadissimo. com seu rabo de pavão. E todos reclamavam, fazendo uma grande algazarra.
  21. 21. 4 Esses dois arteiros merecem uma boa lição. 4 Vamos pegar esses malandros. 4 Pega, pega! 4 gritavam todos, correndo atrás dos dois.
  22. 22. Os dois, aliás, já estavam longe, pois, quando viram que as coisas estavam ficando pretas, trataram de se pôr a correr. E, por toda a floresta, Zé Mico e Pancinha correram, com aquela bicharada esquisitissima atrás.
  23. 23. Ainda bem que os bichos, misturados uns com os outros. estavam muito desajeitados e não conseguiam alcançar os moleques. Porque, senão. era uma vez um macaco e um porquinho.
  24. 24. Finalmente, depois de muito correr, acabaram passando de novo pela casa de Macacotc.
  25. 25. Sem saber mais onde se esconder, os dois amigos, que já estavam soprando de canseira, pularam para dentro da máquina. _e pelo tubo de saída. e i a E, atrás deles, veio toda a bicharada. J gre*
  26. 26. A máquina ainda estava funcionando a todo vapor. E, da mesma maneira com que tinha misturado todo mundo, começou a consertar a turma toda.
  27. 27. Pelo outro lado começaram a sair os bichos todos direitinhos. como sempre haviam sido.
  28. 28. Mas olha só quem saiu atrapalhado!
  29. 29. Os dois estavam desapontadissimos. Era muito engraçado ver os outros bichos todos embrulhados. uns com as pernas dos outros. a arara com as pernas do urubu. o coelho com o rabo do galo.
  30. 30. Mas. quando aconteceu com eles, já não era tão engraçado: 4 Olha o macaporco, um macaco com cabeça de porco. .. - - Olha o orcaco, P o porco misturado com o macaco. ..
  31. 31. O que valeu e' que agora eles sabiam como consertar as coisas. Nlais que depressa. Zé Mico c Pancinha entraram pela máquina adentro.
  32. 32. a zumbír, a pipocar, a estalar. . E, de repente, estourou toda, jogando nossos heróis para o alto. A máquina começou a zunir, 0,/
  33. 33. Os dois caíram, já consertados. mm¡ lugar macio. E juraram nunca mais se meter noutra. - Nunca mais. . f?

×