Superando a Transmissão

136 visualizações

Publicada em

Trabalho de alunas do curso de Pedagogia da UERJ/Cederj sobre a Pedagogia da transmissão.

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Parabéns pelo trabalho!
    Realmente o professor deve abandonar a pedagogia da transmissão e perceber que ele deve ser mediador do conhecimento.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Superando a Transmissão

  1. 1. AD1 - Atividade em Grupo
  2. 2. “Superando a Pedagogia da transmissão”
  3. 3. Com o passar dos anos , com o avanço das tecnologia e a facilidade de acesso as informações busca-se também um avanço na área educacional, muito já tem sido realizado , porém muita coisa ainda ha para se fazer e chegar ao ideal que foi traçado por Paulo Freire .
  4. 4. Atualmente, muito vem sido discutido acerca das metodologias aplicadas em sala de aula. O principal foco da discussão traz a tona o questionamento sobre como tornar a aprendizagem significativa e o papel do professor nesse processo. Nesse contexto, podemos destacar que muitas vezes existe um “buraco” entre alunos e professores no processo ensino- aprendizagem, caracterizando assim uma prática onde o educador é visto como autoridade máxima e o aluno como mero receptor de conteúdos. Essa prática, ainda muito encontrada nos dias atuais é conhecida como “Pedagogia da Transmissão”.
  5. 5. Ao debruçarmos um olhar crítico sobre a História da Educação, observamos que muito se avançou em relação as metodologias aplicadas na educação. Entretanto, no século XXI ainda encontramos métodos onde o aluno é tido como uma simples tábula rasa, vazia e pronta para receber informações pré-estabelecidas pela instituição.
  6. 6. Assim como defende Paulo Freire, a educação deve assumir um caráter libertador na vida do sujeito. Dessa forma, é importante que o educador enxergue o aluno como ator principal do processo, valorizando suas experiências e levando em consideração o significado que o conteúdo terá em sua vida. É necessário que o docente assuma uma postura de facilitador, mediando o processo e não apenas transmitindo conteúdos a serem “depositados” nos alunos, o ensino é uma troca.
  7. 7. É possível que nos deparemos facilmente com escolas e universidades que aderiram ao uso de novas tecnologias em sala de aula e até ao formato Educação a Distância, onde toda aprendizagem se dá online. Nestes casos é papel do professor fornecer subsídios em imagens, sons, videos e demais elementos que permitam o aprendizado de forma interativa. No caso da EAD este referencial se torna um desafio, pois o aprendizado ocorre de forma que não há o acompanhamento diário do aluno isso demanda que o professor invista em praticas próprias da cibercultura.
  8. 8. É preciso mais do que nunca aplicar uma educação em que o foco realmente seja desenvolver nos alunos uma experiência educativa que seja enriquecedora e uma construção colaborativa do conhecimento. É necessário que o docente assuma uma postura de facilitador, mediando o processo e não apenas transmitindo conteúdos a serem “depositados” nos alunos.
  9. 9. Assim como defende Paulo Freire, a educação deve assumir um caráter libertador na vida do sujeito. Dessa forma, é importante que o educador enxergue o aluno como ator principal do processo, valorizando suas experiências e levando em consideração o significado que o conteúdo terá em sua vida.

×