Saber mais 2015_agosto

119 visualizações

Publicada em

Desenvolvimentos nos projetos do PlanºC

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
119
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saber mais 2015_agosto

  1. 1. COM O APOIO DA COOPERAÇÃO PORTUGUESA AGOSTO DE 2015 SABER MAIS
  2. 2. No planºC agosto marca o fecho de mais uma fase. Se, por um lado, em agosto ocorre o terceiro curso do EBAC nas cidades de São Tomé e de Santo António, assinalando conclusão do primeiro ciclo destas ações, neste mesmo mês continuam a ser desenhados os projetos do PACA que darão sequência à tarefa de consulta comunitária e orçamento participativo e prepara-se o ciclo final de cursos IAC a iniciar já em setembro próximo na região centro de Moçambique. Deste modo, dá-se nota do que serão os desenvolvimentos destes três projetos neste mês. Mais informação está disponível em http://www.planoc.com.pt/ 2
  3. 3. O terceiro curso do EBAC – Estratégias de Baixo Carbono, decorrerá entre 3 e 7 e 10 e 14 de agosto nas cidades de São Tomé e de Santo António, respetivamente. O plano de capacitação para esta ação foi definido com base nas necessidades identificadas pelo país e é composto pela combinação de: §  M1 – MRV IGEE que visa aumentar a capacidade para elaborar inventários nacionais de gases de efeito de estufa (GEE) numa primeira instância e o §  M2 – INDC (como definir a Contribuição Intencional Nacionalmente Determinada – INDC, de Moçambique). A estes acresce atividade paralela incluída num terceiro módulo que visa a sensibilização de um público mais vasto para o que poderá ser a contribuição e Moçambique para um desenvolvimento de baixo Carbono §  M3 – debate “que contribuição de São Tomé e Príncipe para um desenvolvimento de baixo C?”. 3
  4. 4. 4 M0 Enquadramento geral M0 .1 São Tomé e Príncipe e GEE M1 MRV de GEE M1.0 Assuntos transversais M1.1 Arranjos Institucionais M1.2 Tabelas de Reporting M1.3 NAIIS Estimar GEE M1.4 Relatório de IGEE M1.5 Revisão de IGEE M2 INDC M0.2 A INDC do país M3 "Que futuro de baixo C?"
  5. 5. Até agora já decorreram dois destes cursos, o primeiro em Maputo (de 11 a 22 de maio) e o segundo na Cidade da Praia (de 6 a 17 de julho). Estes cursos foram bastante bem sucedidos, tendo sido reconhecido pelos vários participantes a sua pertinência dado o período em que se define o que será e uma cada vez maior necessidade de integração e coordenação das temáticas relacionadas com o desenvolvimento de baixo carbono e resiliente no que são as estratégias locais, sectoriais e nacionais. A capacidade reforçada poderá então contribuir para a elaboração do Inventários Nacional de Emissões e Remoções de Gases de Efeito de Estufa e da Proposta de Contribuição (INDC) para limitar o aumento global da temperatura a 2ºC, sendo enaltecido todo o apoio que Portugal tem dado, particularmente através do Fundo Português de Carbono, ao desígnio de um desenvolvimento de baixo Carbono e resiliente de que os países tanto podem beneficiar para definir a sua contribuição para o futuro à prova de clima que se pretende alcançar através do acordo a definir agora na Conferência das Partes em Paris (COP) no próximo mês de dezembro. 5
  6. 6. 6
  7. 7. 7
  8. 8. 8
  9. 9. 9
  10. 10. 10
  11. 11. 11
  12. 12. 12
  13. 13. 13
  14. 14. 14
  15. 15. 15
  16. 16. No planºC de 14 a 24 de setembro de 2015 decorrerá o quarto curso do projeto IAC – Integração da Adaptação da Cooperação na cidade do Songo, província de Tete em Moçambique. O projeto IAC pretende dar resposta aos impactes das mudanças climáticas, contribuindo para integrar a resposta à vulnerabilidade com a criação de capacidade para a integração da adaptação nas políticas, planos e projetos em Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. O projeto conta com financiamento do Fundo Português de Carbono e apoio da Agência Portuguesa do Ambiente e a Cooperação Portuguesa, sendo executado pela CAOS. Como parceiro tem também o GIZ o qual partilhou alguns dos materiais e metodologia. Dar-se-á assim início ao segundo ciclo de cursos será iniciado no próximo mês de setembro e contará com mais três cursos, dois deles em Moçambique e um em Cabo Verde. 16
  17. 17. MÓDULOS DO CURSO IAC 17 M0 Moçambique e as mudanças climáticas M1 Aplicar uma lente climática M3 Avaliar a vulnerabilidade M4 Identificar opções de adaptação (+M5 Selecionar opções de adaptação) M6 Desenvolver qadro de monitorização&avaliação M11 Analisar opções de adaptação M12 Desenhar projetos
  18. 18. No PACA agosto marca a continuação das tarefas do projeto dando sequência à tarefa de orçamento participativo e auscultação de partes interessadas •  Foram consultados mais de 1000 (mil) representantes das comunidades. Resultou: •  Projeto tipo com medidas para a gestão da água mormente para produção agrícola de subsistência, em contexto de seca como de cheia ou inundação mais intensas e frequentes. Deverá também incluir –  Medidas para evitar o conflito homem-fauna bravia –  Fontes alternativas de renda como criação pecuária e agro-processamento –  Distribuição de insumos e a promoção de agricultura de conservação –  Reforço simples de sistemas de alerta prévio –  Ações para promover aproveitamento de fontes de energia renovável e a divulgação e aconselhamento sobre práticas de eficiência energética –  Campanha de comunicação e sensibilização com base nas boas práticas a desenvolver e testar nas comunidades 18
  19. 19. RESULTADOS PRELIMINARES
 DIMENSÕES PROJETO TIPO DE ADAPTAÇÃO COMUNITÁRIA PECUÁRIA GESTÃO ÁGUA CONS. HUMANO REGA INSUMOS AGRÍCOLAS HOMEM FAUNA BRAVIA SENSIBI- LIZAÇÃO CONSER- VAÇÃO ALIMENTOS GÉNERO RENOVÁ- VEIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 19
  20. 20. PRÓXIMOS PASSOS 20

×