Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)

886 visualizações

Publicada em

Mini curso ministrado em julho de 2013, por Emerson R. Perez, no Planetário e Teatro Digital Johannes Kepler, localizado em Santo André (SP)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
886
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)

  1. 1. O Céu das 4 Estações! – 2.013 AULA 1 - DEFINIÇÕES BÁSICAS
  2. 2. O Olho Humano O mais complexo meio de observação ! Durante o dia => Sensibilidade = 1. Durante a noite=> Sensibilidade = 200.000 X > 1. Motivos: aumento no diâmetro da Pupila. (a dilatação da Pupila inicia-se em mais ou menos 3 minutos) Dia = 2 à 3 mm. / Noite = 6 à 7 mm. Pupila = diafragma de uma câmera fotográfica! formação da púrpura retiniana. (substância vermelha fotossensível que se forma na obscuridade) Tempo necessário = 1 hora (ideal) para local isento de luz. Mínimo ideal = 15 minutos para local isento de luz.
  3. 3. Estrelas (Sol), planetas, satélite natural (Lua), satélites artificiais (ISS e HST), meteoros, cometas, bólidos, chuvas de meteoros, lixo espacial, nebulosas, aglomerados estelares (abertos e fechados ou globulares), Via Láctea, galáxias e galáxias satélites, auroras boreais e austrais, luz cinérea, luz zodiacal, super novas e hiper novas, trânsito de Vênus, fases da Lua, retrogradação de planetas, ocultações, conjunções, eclipses solares e lunares. O que posso observar a olho nu
  4. 4. Local não isento de luz (poluição luminosa) - o processo de adaptação da pupila sofre um retardamento. - a difusão de luzes da cidade na atmosfera da Terra, nos limita a observação de astros mais brilhantes. - a poluição química + poluição luminosa, altera o brilho e as cores dos astros.
  5. 5. Cruzeiro do Sul observado num mesmo local e horário, mas, em diferentes épocas do ano. Localização do Polo Celeste Sul e do Horizonte Sul. 4,5 X
  6. 6. Movimento Aparente Diurno Deslocamento dos Astros na esfera celeste no sentido Leste-Oeste. Este movimento ocorre devido o movimento de rotação da Terra no sentido Oeste-Leste. Período de rotação da Terra : Dia Sideral = 23 h 56 min 4,1 seg. Dia Solar = 24 h (referencial = Sol) Velocidade de rotação = 1.670 km/h (Perímetro = π.Φ => 3.1416 x 12.756 km => 40.074 km / 24 h = 1.670 km/h) 1 a cada 4 min => 15 por h => 15x24 = 360 /dia.
  7. 7. ASTRONOMIA *(DO GREGO) = ASTRO = ESTRELAS , NOMOS = LEIS. ...”LEIS QUE REGEM AS ESTRELAS”... (É a Ciência que estuda o Universo.)
  8. 8. Medidas Astronômicas Unidade Astronômica = UA
  9. 9. Pergunta: Em que posição da linha do Tempo estamos neste exato momento? Passado Presente Futuro
  10. 10. Pergunta: Em que posição da linha do Tempo estamos neste exato momento? Passado Presente Futuro
  11. 11. Medidas Astronômicas *Ano-Luz = espaço percorrido por um raio de luz durante 1 ano a velocidade de aproximadamente 300.000 km por segundo (no vácuo). 1 a.l. = aproximadamente 10 trilhões de km. *(Medida de espaço e não de tempo!)
  12. 12. ESTRELA ASTRO QUE POSSUI LUZ PRÓPRIA. Sol Estrelas de nossa Galáxia
  13. 13. Imagine um Meteoro!!!
  14. 14. METEOROS E ASTEROIDES ASTEROIDE OU METEOROIDE = ASTRO DE TAMANHO VARIADO E DE FORMA IRREGULAR QUE ORBITA UMA ESTRELA. (Restos de formação do Sistema Planetário). GERALMENTE SE ENCONTRAM AGRUPADOS. METEORO = QUALQUER FENÔMENO ATMOSFÉRICO. (EX: VENTO,CHUVA,RELÂMPAGO.) ESTRIA = CAMINHO PERCORRIDO POR UM METEORÓIDE/ASTEROIDE NA ATMOSFERA. BÓLIDO = QUANDO OBSERVAMOS UMA EXPLOSÃO DO METEORÓIDE/ASTEROIDE NA ATMOSFERA. METEORITO = QUANDO O METEOROIDE/ASTEROIDE ATINGE A SUPERFÍCIE DE UM ASTRO.
  15. 15. Asteroide/Meteoroide (espaço) Meteoro (entrada na atmosfera) Meteoro (Estria) Bólido (explosão) Impacto Cratera Meteorito
  16. 16. Maior Meteorito Meteorito: Hoba West Data descoberta: 1920 Localidade: Grootfontein, Namíbia - África Peso: 60 toneladas Localização Atual: Inalterada Notas: O maior meteorito encontrado até agora. 2,7 m de comprimento por 2,4 m de largura
  17. 17. PLANETA Segundo a União Astronômica Internacional (IAU) para um astro ser considerado planeta é preciso: * Estar em órbita ao redor do Sol (uma estrela). * Ter forma determinada pelo equilíbrio hidrostático (arredondado) resultante do fato de que sua força de gravidade supera as forças de coesão dos materiais que o constituem. * Ser um objeto de dimensão predominante entre os objetos que se encontram em órbitas vizinhas. Portanto podemos definir que um planeta é um astro que não possui luz própria, com formato esférico, órbita regular e que esteja orbitando uma estrela em primeiro plano. Saturno Terra Vênus
  18. 18. Planeta Anão Para a União Astronômica Internacional (IAU), um astro é considerado planeta anão quando: * está em órbita ao redor do Sol (uma estrela). * possui forma determinada pelo equilíbrio hidrostático (arredondado) resultante do fato de que sua força de gravidade supera as forças de coesão dos materiais que o constituem. Portanto podemos definir que um planeta anão é um astro que está orbitando uma estrela e de formato esférico, mas não é dominante em sua órbita. Ceres, Plutão, Makemake, Haumea e Éris
  19. 19. SATÉLITE NATURAL ASTRO QUE NÃO POSSUI LUZ PRÓPRIA E QUE ESTEJA ORBITANDO UM PLANETA, PLANETA ANÃO OU UM ASTERÓIDE EM PRIMEIRO PLANO. Lua Asteroide Ida e seu companheiro Dáctyl
  20. 20. COMETAS PEQUENOS ASTROS QUE ORBITAM UMA ESTRELA E SÃO COMPOSTOS POR GASES E POEIRAS CONGELADOS. Cometa Hyakutake – 1996.
  21. 21. Partes de um cometa
  22. 22. SISTEMA SOLAR (Sistema Planetário) CONJUNTO DE 8 PLANETAS, MAIS DE UMA CENTENA DE SATÉLITES NATURAIS, COMETAS, ASTERÓIDES, 5 PLANETAS ANÕES, GASES E POEIRAS QUE ORBITAM A ESTRELA SOL.
  23. 23. O Sistema Solar atual
  24. 24. NEBULOSA DO CONE
  25. 25. Constelação Constelação é uma área internacionalmente definida da esfera celeste. (OBS.: as estrelas de uma mesma constelação, em geral, não estão próximas fisicamente uma das outras).
  26. 26. Asterismo Representação artística. Há 88 constelações reconhecidas pela União Astronômica Internacional (UAI) desde 1922..
  27. 27. GALÁXIA CONJUNTO DE BILHÕES DE SISTEMAS PLANETÁRIOS, NEBULOSAS, AGLOMERADOS ESTELARES , GASES E POEIRAS CÓSMICA, ORBITANDO UM CENTRO DE GRAVIDADE COMUM. Galáxia de Andrômeda
  28. 28. UNIVERSO (COSMOS) É O CONJUNTO DE MILHÕES DE GALÁXIAS CONHECIDAS HOJE.
  29. 29. Agradecimentos: Thiago Wenzler Coordenador Administrativo Prof. Marcos Calil Coordenador Científico Profa. Mestre Rachel Zuchi Coordenadora Pedagógica Prof. Emerson R. Perez Educador Eng. Mauro Kanashiro Educador E a toda equipe do Planetário Johannes Kepler Obs.: Fontes das imagens = www.google.com.br/imagens
  30. 30. Rua Juquiá, 135 (altura) Santo André – SP /sabina.planetario .sabina.org.br 44222000 sabina@santoandre.sp.gov.br

×