12.2.8. #1 maria piedade brandão

547 visualizações

Publicada em

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

12.2.8. #1 maria piedade brandão

  1. 1. A APOSTA NO ENVELHECIMENTO PRODUTIVO, UM DESAFIO PARA A CONSTRUÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS José Carlos Mota – jcm@ua.pt Maria Piedade Brandão – mpiedade@ua.pt
  2. 2. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota • O aumento da expectativa de vida observada em todo o mundo, tem resultado num aumento acentuado da população mais velha. • Na Europa, em 1971, os idosos representavam 15% do total da população, no ano 2000 eram 20% sendo que as estimativas apontam para 35% em 2050 (Christensen et al., 2009) • Em Portugal, a prevalência variou de 8% em 1960 para 17% em 2007 e projeções para o ano de 2050 indicam um aumento de 32% (INE, 2003; INE, 2008). • Como as pessoas vivem mais tempo, a qualidade de vida já se torna uma questão central para o bem-estar pessoal e social. 1 Introdução
  3. 3. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota 2 Introdução
  4. 4. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota • A disponibilização de serviços de saúde e de apoio social, dada a crescente emergência de patologias e doenças crónicas assim como fenómenos de pobreza com impacto mais elevado na população mais envelhecida, têm sido observados nas últimas décadas. • O resultado do envelhecimento, implica uma mudança de paradigma para muitas políticas públicas baseado na: » melhoria das condições de vida (rendimento e apoio médico » aumento da esperança de vida » diminuição da idade da reforma 3 Introdução
  5. 5. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota • Num contexto de crescente tensão para o aumento da idade da reforma, tem vindo a assistir-se à defesa de um outro conceito – o de envelhecimento produtivo: “o idoso envolve-se de forma estruturada e continuada com impacto positivo na sua vida através duma atividade significativa e satisfatória” Contudo: • Hoje existe o risco deste conceito estar relacionado com preocupações do aumento da idade ativa e não de • valorização do potencial de envolvimento dos idosos na realização de um conjunto de atividades ‘significativas, pessoalmente satisfatórias, e com um impacto positivo nas suas próprias vidas, nas dos outros’ e das suas comunidades e território (Gonçalves, et. al., 2006) 4 Introdução
  6. 6. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Envelhecimento Produtivo (do conceito à definição de políticas públicas) – Meio familiar (Educação netos) – Promoção Social (Voluntariado Sénior; Programas intergeracionais) – Trabalho/emprego sénior (Rural; Serviços; Empreendedorismo sénior (micro-crédito)) – Ativismo cívico – Actividade física sénior – Formação/educação sénior – Lazer e Turismo 5 Introdução
  7. 7. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Objetivos Este estudo, objetivou explorar os determinantes de envelhecimento produtivo das pessoas idosas em meio rural e urbano e perceber a atual forma de construir políticas públicas com idosos ao nível local. Investigação conduzida em contexto académico pelos alunos da unidade curricular de Programa de Promoção do Envelhecimento Produtivo do Mestrado em Gerontologia da Universidade de Aveiro 6
  8. 8. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Metodologia • Investigação de natureza qualitativa baseada no estudo multicasos de seis freguesias: cinco pertencentes ao distrito de Aveiro e uma ao distrito do Porto. • Instrumentos utilizados: i. entrevistas em profundidade a pessoas idosas para recolher informações sobre percursos de vida marcantes em direção ao envelhecimento produtivo: histórias de vida, ii. entrevistas semiestruturadas aos responsáveis e/ou pessoas delegadas das juntas de freguesia e/ou Câmara Municipal para recolher informações relativas às políticas públicas em curso em cada território identificado, iii. notas de terreno (sínteses diárias ou diários de bordo), iv. planos/programas existentes na autarquias 7
  9. 9. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Participantes •As pessoas idosas foram selecionadas tendo em conta: i. a idade (65 anos e mais), ii. comportamentos e atitudes proactivas, iii. promotoras do envelhecimento produtivo (voluntariado e/ou participação social atual e intensa) •As freguesias foram selecionadas, segundo critérios de contraste, que procuram cobrir a variabilidade dos territórios em Portugal: i. sociogeográfica (contextos urbanos, rurais e mistos); ii. desenvolvimento socioeconómico; iii. integração social e laboral das populações. 8
  10. 10. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Cinco projetos resultantes – CARNAVALIDADES, UM MUNDO DE ATIVIDADES – CENTRO INTERGRACIONAL DA MURTOSA – PERCURSO VIVO DA BEIRA MAR: SER + AVEIRO – PERCURSOS INTERGERACIONAIS DA CIDADE DO PORTO – PROJETO SABOREAR HISTÓRIAS 9
  11. 11. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota CarnavalIdades, um mundo de atividades • Objetivo geral: desenvolver o corso de Carnaval, dando ênfase ao papel das pessoas idosas • Objetivos: promover a participação social das pessoas idosas evitando o isolamento social; promover a troca de experiências e saberes; promover a solidariedade entre gerações; estimular as capacidades cognitivas e físicas; melhorar a qualidade de vida, saúde e autoestima. • Grupos-alvo principais: das pessoas idosas integrados das freguesias de Albergaria-a-Velha, e institucionalizados no Concelho. • Grupos-alvo secundários: crianças, jovens, adultos, associações e coletividades. Autoras: Hilma Caravau e Mariana Letra 10
  12. 12. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Centro Intergeracional da Murtosa Autoras: Hilma Caravau e Mariana Letra Objetivo: criar um plano de ação para um “centro intergeracional” para Município da Murtosa Publico alvo: Pessoas idosas comunidade 11
  13. 13. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota PERCURSO VIVO DA BEIRA MAR: SER + AVEIRO PERCURSOS INTERGERACIONAIS DA CIDADE DO PORTO Autoras: Elisabete Marques, Graça Silva, e Guilherme Oliveira, Objetivo: promover as relações intergeracionais e combater o isolamento social das pessoas idosas Publico alvo: pessoas idosas, crianças e jovens das escolas do Concelho de Aveiro e do Porto Autoras: Cátia Rodrigues e Maria Clara Cardoso 12
  14. 14. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota PROJETO SABOREAR HISTÓRIAS Autores: Carlos Rendeiro e Silvia Rendeiro Objetivos: • Promover o convívio e intercâmbio de conhecimento entre as gerações; • Potenciar o surgimento de uma rede de afetos; Propiciar aos idosos condições para que os mesmos se sintam uteis e produtivos; • Envolver os jovens e adultos num projeto que valorize o seu passado geracional e a história da sua comunidade de origem; 13 • Conhecer a história das diferentes iguarias típicas da região; • Utilizar a aprendizagem intergeracional como preservação do património cultural/gastronômico do Conselho de Mortágua; • Manter viva a tradição gastronómica local. Publico alvo: oficinas de culinária ministradas pelas pessoas idosas e destinadas à população mais jovem.
  15. 15. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Considerações finais Nas entrevistas em profundidade às pessoas idosas e entrevistas semiestruturadas aos decisores políticos locais, destacaram-se como Prioridades de promoção do envelhecimento ativo/produtivo: I. reintrodução da população idosa na vida cultural e económica dos contextos em que vivem; II. fortalecimento das relações intergeracionais III. reativação de programas anteriormente significativos. Os resultados evidenciam que as pessoas idosas são ativas/produtivas capazes de “contagiar” a passividade dos seus pares e capazes de promover maior efetividade das ações das estruturas sociais quer em meio rural ou urbano. Apostar em programas de promoção do envelhecimento produtivo em contextos locais sociais associados a políticas públicas, parece constituir-se como meio facilitador à integração social, inclusiva e inteligente das pessoas idosas. 14
  16. 16. Envelhecimento Produtivo, um desafio para a construção de políticas públicas Maria Piedade Brandão José Carlos Mota Obrigada pela vossa atenção! “[...] o homem não vive nunca em estado natural; na sua velhice, como em qualquer idade, o seu estatuto é-lhe imposto pela sociedade à qual pertence”. Mercadante (2002)

×