12.2.12. #2 jenny campos

281 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
281
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

12.2.12. #2 jenny campos

  1. 1. A Cultura e das Artes na estratégia da Europa 2020 Jenny Campos (UA/UM/FCT) Maria Manuel Baptista (UA)
  2. 2. Apesar dos termos Cultura e Artes não serem referidos uma única vez nos documentos oficiais da estratégia Europa 2020 acreditamos ser possível identificar estas duas áreas como elementos potenciadores do desenvolvimento e capazes de contribuir para o alcançar dos objetivos referidos pela Europa 2020. Nesta comunicação propomo-nos identificar formas, caminhos e projetos/áreas que poderão ser trabalhados com vista a justificar o papel que a Cultura e as Artes têm no objetivo de converter a União Europeia numa economia inteligente, sustentável e inclusiva identificável a nível internacional, nacional e local
  3. 3. PRIORIDADES DA ESTRATÉGIA EUROPA 2020 Crescimento inteligente: visa reforçar o conhecimento e a inovação, enquanto fatores determinantes do crescimento. Busca melhorar a qualidade do ensino, promover a inovação e a transferência de conhecimentos e assegurando a transformação das ideias inovadoras em novos produtos e serviços que criam crescimento e emprego de qualidade.
  4. 4. PRIORIDADES DA ESTRATÉGIA EUROPA 2020 Crescimento sustentável: visa construir uma economia sustentável, competitiva e em que os recursos sejam utilizados de forma eficiente, explorando a liderança da Europa na corrida ao desenvolvimento de novos processos e tecnologias, incluindo as tecnologias «verdes», acelerando a implantação das redes inteligentes que recorrem às TIC, explorando redes à escala da UE e reforçando as vantagens competitivas das nossas empresas.
  5. 5. PRIORIDADES DA ESTRATÉGIA EUROPA 2020 Crescimento inclusivo: pretende “capacitar as pessoas através de taxas elevadas de emprego, investir nas qualificações, lutar contra a pobreza e modernizar os mercados de trabalho e os sistemas de formação e de protecção social, para ajudar as pessoas a antecipar e a gerir a mudança, e construir uma sociedade coesa” (Comissão Europeia, 2010: 21)
  6. 6. O ESPAÇO QUE A CULTURA E AS ARTES DESEMPENHAM NA EUROPA 2020 Contributo da Cultura e das Artes para um crescimento inteligente: As indústrias culturais e criativas: um sector bastante dinâmico cujos resultados se demonstram não só pelo dinamismo gerado em seu torno, como também pela sua ligação à inovação e ao crescimento das localidades; Ligação da Cultura com a Educação, uma vez que esta parceria pode contribuir eficazmente para a formação de uma mão-de-obra qualificada e adaptável, complementando assim o desempenho económico e permitindo aumentar e potenciar uma Europa inteligente.
  7. 7. O ESPAÇO QUE A CULTURA E AS ARTES DESEMPENHAM NA EUROPA 2020 Contributo da Cultura e das Artes para um crescimento sustentável: O projeto Promise (Uusimaa (FIN), Palermo (IT), Toscânia (IT), Porto (POR) e Newcastle (UK)) está a criar, através da rede Internet, um museu virtual europeu sobre o seu património histórico, que pretende fomentar o desenvolvimento turístico visa a cooperação inter-regional, recorrendo para isso à Cultura e às novas tecnologias e dando um contributo marcante para o crescimento inteligente destas regiões. É também relevante aqui o apoio e desenvolvimento da tecnologia que permitiu e permite a criação de soluções interativas inovadoras que modificam a relação dos visitantes com os espaços e que permitem um novo discurso face ao turismo e ao património.
  8. 8. Educação (ambiental) pela Arte – Fundação Narciso Ferreira Sons do Arco Ribeirinho – Sapal de Coina um dos princípios da sustentabilidade está relacionado com a equidade inter- geracional. Resta referir que o tratamento equitativo dos cidadãos não termina na geração atual, estende-se às responsabilidades para com as próximas gerações.
  9. 9. O dinamismo da Cultura e das Artes, bem como a todo o seu potencial criativo podem gerar mudanças de comportamento. Se entendermos que a chave para o crescimento sustentável exige uma mudança real na forma como vemos o nosso mundo podemos então pensar as Artes e a Cultura como elementos que alavancam e sustentam esta mudança.
  10. 10. O ESPAÇO QUE A CULTURA E AS ARTES DESEMPENHAM NA EUROPA 2020 Contributo da Cultura para um crescimento inclusivo: As atividades e os programas culturais podem fortalecer a coesão social e o desenvolvimento comunitário, bem como capacitar os indivíduos ou toda uma comunidade para a plena participação na vida social, cultural e económica. projeto “A casa vai a casa” da Casa da Música:
  11. 11. As Artes e a Cultura podem ser também compreendidas como vetores de coesão social e regional pois têm o poder de regenerar localidades, envolvendo toda a comunidade num esforço coletivo e levantando o capital social de toda uma região: Montemor-o-Novo Bilbao Também as paisagens culturais - enquanto lugares que transmitem histórias que preservam a memória e as tradições – são fatores de qualificação do espaço público, atente-se no exemplo dos sítios classificados como Património Mundial ou as Capitais Europeias da Cultura
  12. 12. A importância da criação de sinergias e de promoverem parcerias entre instituições de Educação, de Cultura e de investigação e o sector empresarial a nível nacional, regional e local. A Comissão Europeia incentiva que se incluam nos processos artísticos e culturais tecnologias sustentáveis e ecológicas e que se apoiem os artistas e o sector cultural no aumento da sensibilização para as questões do desenvolvimento sustentável, através nomeadamente de atividades educativas formais e informais.
  13. 13. OUTRAS INICIATIVAS Domínio digital: Na Europa, há ainda uma série de obstáculos e barreiras invisíveis que impedem a livre circulação de pessoas criativas e de produtos e atividades culturais, até mesmo dentro do ambiente digital. Por exemplo a distribuição de bens e serviços culturais, fora de um contexto nacional constitui um desafio tremendo que dificulta a itinerância. Projetos como o Anmenese são portanto fundamentais. Este projeto aliou a tecnologia, às Artes e a questão da mobilidade. Este projeto é uma tentativa de articular a realidade artística nacional com a comunidade internacional.
  14. 14. OUTRAS INICIATIVAS Turismo Cultural (como motor de coesão e desenvolvimento económico): Sicilia, onde os trabalhos de escavação da cidade de Segesta permitiram a descoberta da Agora, a antiga muralha da cidade, as ruínas de uma antiga cidade árabe e de uma Colónia normanda posterior. O complexo atrai atualmente numerosos turistas em todas as estações do ano e constitui um exemplo da contribuição dos fundos estruturais para reforçar o turismo não sazonal e o emprego permanente no sector cultural.
  15. 15. Em suma, pretende-se demonstrar que esta contribuição da Cultura e das Artes para as sociedades inteligentes, sustentáveis e inclusivas é uma realidade. No entanto, estamos muito aquém de aproveitar o enorme potencial da Cultura e das Artes. A Cultura não é apenas uma atividade pública criadora de despesas suplementares, é também uma parte cada vez mais importante da economia privada, com um forte potencial de crescimento e elementos de criatividade, inovação e produção benéficos para as economias regionais e locais.
  16. 16. IMPORTÂNCIA TRIPLA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL Em 1º lugar, é fonte de emprego pois as atividades relacionadas com o património ou turismo cultural, assim como os produtos e as indústrias de vocação cultural, criam, direta e indiretamente, emprego. Em 2º lugar, é um fator cada vez mais decisivo na localização de novos investimentos, dado que reforça a imagem e a capacidade de atração de uma região. Em 3º lugar, pode favorecer a integração social e, deste modo, contribuir para a coesão social.
  17. 17. CONCLUSÕES: Mesmo que a Cultura e as Artes não sejam referidas na estratégia Europa 2020, parece claro que estas são forças que alavancarão o aumento da competitividade, da sustentabilidade, excelência e do desempenho económico da União Europeia. Do ponto de vista da Cultura e das Artes este envolvimento poderá concentrar-se em vários tipos de iniciativas e projetos que transmitem um significado simbólico e incorporam um valor cultural que transcende qualquer valor comercial que possam ter.
  18. 18. Daí que nos próximos anos seja necessário compreender os benefícios económicos da Cultura e das Artes e promover a política cultural como uma função essencial dos governos e, em simultâneo, criar projetos com parcerias entre diferentes ministérios. As ações dos Ministérios da Cultura ou no caso português da Secretaria de Estado da Cultura têm que começar a revelar um entendimento da sociedade e época em que estão inseridos mostrando que a política tem também uma faceta mensurável, baseada em evidências numéricas, comportamentais, simbólicas, entre outras.
  19. 19. Acreditamos que desta forma a Cultura e as Artes podem abraçar plenamente a mudança digital e desempenhar o seu papel de impulsionadores da inovação na economia, enquanto promovem a inclusão social, provando que na União Europeia há também espaço para uma Cultura viva e ativa que procura dar o seu contributo para uma Europa mais sustentável, verde, tecnológica, inclusiva equitativa e inteligente.
  20. 20. OBRIGADA jennyjcampos@gmail.com

×