O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Corações descartáveis: a liquidez das relações conjugais

51 visualizações

Publicada em

Autoras Marinês dos Santos e Jandira Dantas dos Santos

​Na presente obra as autoras discutem como o conceito contemporâneo de liquidez pode ser identificado no contexto das relações conjugais e traz os registros que a modernidade realizou sobre este debate. Ainda nesta obra, é analisado o conceito de “Liquidez” na perspectiva de Bauman, relacionando-o com a conjugalidade e como a atuação do psicólogo na prática da terapia conjugal é relevante no fortalecimento dos vínculos.

Editora: Pimenta Cutural (2018)

ISBN: 
978-85-66832-69-3 (eBook PDF) 
978-85-66832-68-6 (Brochura) 

Publicada em: Aperfeiçoamento pessoal
  • DOWNLOAD THE BOOK INTO AVAILABLE FORMAT (New Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THE can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THE is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBOOK .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, CookBOOK, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, EBOOK, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THE Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THE the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THE Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • DOWNLOAD THE BOOK INTO AVAILABLE FORMAT (New Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THE can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THE is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBOOK .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, CookBOOK, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, EBOOK, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THE Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THE the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THE Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Corações descartáveis: a liquidez das relações conjugais

  1. 1. Corações DescartáveisA LIQUIDEZ DAS rELAÇÕES cONJUGAIS Marinêsdos Santos Jandiradantas dos Santos
  2. 2. Corações DescartáveisA LIQUIDEZ DAS rELAÇÕES cONJUGAIS 2018 Marinêsdos Santos Jandiradantas dos Santos
  3. 3. Corações Descartáveis Copyright © Pimenta Cultural, alguns direitos reservados Copyright do texto © 2018 as autoras Copyright da edição © 2018 Pimenta Cultural Comissão Editorial Prof. Dr. Alexandre Silva Santos Filho (UFPA) Profª. Dra. Heloísa Candello (IBM Research Brazil) Profª. Dra. Lídia Oliveira (Universidade de Aveiro - Portugal) Profª Dra. Lucimara Rett (UFRJ) Profª. Dra. Maribel Santos Miranda-Pinto (Instituto Politécnico de Viseu - Es- cola Superior de Educação, Portugal) Profª. Dra. Marina A. E. Negri (ECA-USP - Fundação Cásper Líbero) Profª. Dra. Rosane de Fatima Antunes Obregon (UFMA) Prof. Dr. Tarcísio Vanzin (UFSC) Profª. Dra. Vania Ribas Ulbricht (UFSC) Prof. Dr. Victor Aquino Gomes Corrêa (ECA - USP) Avaliadores AdHoc Dra. Joselia Maria Neves, Portugal Dr. Kamil Giglio, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil Maribel Santos Miranda-Pinto, Portugal Profª. Drª. Marina A. E. Negri, Escola de Comunicações e Artes da Univer- sidade de São Paulo - ECA USP, Brasil Prof. Dra. Lidia Oliveira, Universidade de Aveiro, Portugal Dra. Lucimara Rett, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil Dra. Eng. Marta Cristina Goulart Braga, UFSC Dr. Midierson Maia, ECA/USP, Brasil Dra Patricia Bieging, Universidade de São Paulo, Brasil Dr. Raul Inácio Busarello, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil Dra. Vania Ribas Ulbricht, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil Dr. Victor Aquino Gomes Correa, Universidade de São Paulo, Brasil Aline Corso, Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves, Brasil Andressa Wiebusch, Doutoranda em Educação na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil Andreza Regina Lopes da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil Carlysângela Silva Falcão,Universidade Federal de Pernambuco, Brasil Delton Aparecido Felipe, Universidade Estadual do Paraná - Campus de Campo Mourão, Brasil Elizabete de Paula Pacheco, Instituto Federal de Goiás Inara Antunes Vieira Willerding, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Brasil Elisiene Borges leal, Universidade Federal do Piauí, Brasil Gracy Cristina Astolpho Duarte, Escola Superior de Propaganda e Marke- ting, Brasil Jacqueline de Castro Rimá, Universidade Federal da Paraíba, Brasil
  4. 4. Corações Descartáveis Jeane Carla Oliveira de Melo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Brasil Júlia Carolina da Costa Santos, Brasil Jeronimo Becker Flores, PUC/RS, Brasil Luan Gomes dos Santos de Oliveira, Universidade Federal de Campina Grande, Brasil Luciene Correia Santos de Oliveira Luz, Universidade Federal de Goiás; Instituto Federal de Goiás, Brasil Marcio Duarte, Faculdade de Ensino superior do Interior Paulista, Brasil Maria Edith Maroca de Avelar Rivelli de Oliveira, UFOP Patricia Mara de Carvalho Costa Leite, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil Patrícia Oliveira, Universidade de Aveiro, Portugal Raimunda Gomes de Carvalho Belini, Brasil Ramofly Bicalho, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil Rita Oliveira, Universidade de Aveiro, Portugal Patricia Bieging Raul Inácio Busarello Direção Editorial Marcelo EyngAdministrador de sistemas Camila ClementeCapa e Projeto Gráfico Patricia BiegingEditora Executiva As autorasRevisão Marinêz Dos Santos Jandira Dantas Dos Santos Autoras PIMENTA COMUNICAÇÃO E PROJETOS CULTURAIS LTDA – ME. São Paulo - SP. Telefones: +55 (11) 96766-2200 - (11) 96777-4132 E-mail: livro@pimentacultural.com www.pimentacultural.com
  5. 5. Corações Descartáveis Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) ________________________________________________________________ C787 Corações descartáveis: a liquidez das relações conjugais. Marinês dos Santos, Jandira Dantas dos Santos. São Paulo: Pimenta Cultural, 2018. 67p. Inclui bibliografia. ISBN: 978-85-66832-69-3 (eBook PDF) 978-85-66832-68-6 (Brochura) 1. Relações conjugais. 2. Modernidade líquida. 3. Terapia conjugal. 4. Psicologia. I. Santos, Marinês dos. II. Santos, Jandira Dantas dos. III. Título. CDU: 159.9 CDD: 150 ________________________________________________________________ Esta obra é licenciada por uma Licença Creative Commons: Atribuição – Uso Não Comercial – Não a Obras Derivadas (by-nc-nd). Os termos desta licença estão disponíveis em: <http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/>. Direitos para esta edição cedidos à Pimenta Cultural pelo autor para esta obra. Qualquer parte ou a totalidade do conteúdo desta publicação pode ser reproduzida ou compartilhada. O conteúdo publicado é de inteira responsabilidade do autor, não representando a posição oficial da Pimenta Cultural. 2018
  6. 6. Corações Descartáveis DEDICATÓRIA Dedico este trabalho à minha família, amigos e todas as pessoas que influenciaram positivamente nesta caminhada.
  7. 7. Corações Descartáveis AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço a Deus por permitir minha chegada até este ponto. Finalizar minha graduação é a realização da minha primeira jornada profissional e de vida. Estes cinco anos permitiram enriquecimentos de conhecimento e de vivências fabu- losos. Sei que ainda existe muito caminho a percorrer, mas com fé e permissão do Criador, serei sempre vencedora, pois, com Ele e pra Ele o céu é o limite. Agradeço a minha orientadora Jandira Dantas Santos por ter me acompanhado ao longo desses anos. Obrigada pela atenção, dedicação, cuidado e o respeito que sempre teve por todos os discentes. Com certeza você será sempre um exemplo de profis- sional a ser seguido. Aproveito e agradeço também a cada professor que, de maneira singular, eleva o nível dessa graduação através da qualidade profissional que apresenta, e pela dedicação, sempre dispostos a ajudar, permitindo um aprendizado rico e consistente. A minha família, em especial, ao meu marido Silas de Almeida, que vivenciou comigo todos esses anos minhas angústias, alegrias, anseios, incertezas, dúvidas, medos, cansaços, alegrias, vontade de ir em frente! A todos que contribuíram de forma direta e indireta para a construção dessa jornada, meus sinceros agradecimentos!
  8. 8. Corações Descartáveis Amar é sofrer “Tem gente que ama que vive brigando, E depois que briga acaba voltando. Tem gente que canta porque está amando, Quem não tem amor leva a vida esperando, Uns andam para a frente e nunca se esquecem, Mas são tão pouquinhos que nem aparecem. Tem uns que são fracos e dão pra beber, Outros fazem samba e adoram sofrer. Tem apaixonado que faz serenata, Tem amor de raça e amor vira-lata. Amor com champagne amor com cachaça, Amor nos iates nos bancos de praça. Tem homem que briga pela bem amada, Tem mulher maluca que adora pancada. Tem quem ama tanto que até enlouquece, Tem quem dê a vida por quem não merece. Amores à vista, amores a prazo, Amor ciumento que só cria caso. Tem gente que jura sabendo que não é capaz. Tem gente que escreve até poesia E rima saudade com hipocrisia. Tem assunto à beça para a gente falar, Mas não interessa o negócio é amar”. (DOLORES DURAN, 1959)
  9. 9. Corações Descartáveis RESUMO O presente trabalho monográfico tem como objetivo geral compreender como o conceito contemporâneo de liquidez pode ser percebido no contexto das relações conjugais. No que tange aos objetivos específicos almeja-se descrever o que a modernidade registrou sobre o amor, a paixão e as relações conjugais; analisar o conceito de “Liquidez” na perspectiva de Bauman, relacionando-o à conjugalidade; apresentar a relevância da atuação do psicólogo na prática da terapia conjugal considerando o fortalecimento dos vínculos conjugais na atualidade. Quanto ao processo metodológico foi adotada a pesquisa qualitativa exploratória, de revisão bibliográfica constituída a partir do levantamento de referências teóricas publicadas por meios escritos e eletrônicos. O banco de dados utilizado foi do Conselho Federal de Psicologia-CFP por meio de artigos científicos indexados na Revista Psicologia: Ciência e Profissão; além de trabalhos de conclusão de curso e livros. Os descritoresutilizadosnapesquisaforamostermos:Relaçãoconjugal; Aconselhamento conjugal; Modernidade Líquida; Psicologia, palavras-chave para realizar a pesquisa. Os pressupostos teóricos levantados permitiram constatar que a temática do amor, da paixão e das relações conjugais está atrelada ao contexto histórico ao qual estão inseridos. Na sociedade moderna a pluralidade de formas conjugais é uma das características latentes; sendo que as relações conjugais são permeadas pela descontinuidade e fragilidade da constituição dos laços afetivos. Assim o psicólogo apresenta uma atuação relevante ao ajudar os cônjuges a se reorganizarem, se estruturarem enquanto casal; fazendo uso de si mesmo como um “encenador do drama familiar”. Palavras-chave: Aconselhamento conjugal, Modernidade Líquida, Efemeridade, descartabilidade, Psicologia.
  10. 10. Corações Descartáveis SUMÁRIO Introdução ............................................................................ 10 Metodologia ......................................................................... 13 Capítulo I O que a modernidade registrou sobre: amor, paixão e relações conjugais? ................................ 15 I.I Amor e paixão ......................................................... 17 I.II Relações conjugais ................................................ 20 Capítulo II A liquidez nos relacionamentos conjugais na perspectiva de Bauman ............................................... 26 II.I A multiplicidade de formas conjugais na contemporaneidade .............................................. 27 II.II A modernidade líquida de Zygmunt Bauman ....... 30 II.III Liquidez, relações conjugais e a modernidade ......................................................... 35 Capítulo III A relevância da atuação do psicólogo na prática da terapia conjugal e os vínculos conjugais na atualidade ..................................... 42 Considerações finais .......................................................... 53 Referências .......................................................................... 56 Sobre as autoras ................................................................... 67
  11. 11. 10 Corações Descartáveis Sumário INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como cerne das discussões a questão da conjugalidade na era moderna, considerando o entendi- mento de liquidez da sociedade moderna em Bauman e o papel da terapia conjugal no entremeio das rupturas constituídas a partir do atual modelo social. Segundo Machado (2007), a necessidade de se estar com o outro é algo típico do ser humano, sendo que tal necessidade começa no nascimento, nas primeiras relações com as figuras de referência, estendendo-se ao longo de todo ciclo vital e possibili- tando a construção de outros laços. Para Cigoli (2002) o vínculo compreende as relações internalizadas, o pacto conjugal, as rela- ções familiares, as relações de amizade e as relações sociais. A formação do casal constitui-se como uma das possibi- lidades de desenvolvimento de vínculos duradouros e implica na construção gradual de vínculo propiciador de apego, cumplicidade e também independência e autonomia emocional (BERTHOUD e BERGAMI, 1997). No que tange aos vínculos estabelecidos, Braz (2006), relata o amor como uma condição fundamental para o nascimento ontogenético da pessoa, é responsável pela evolução e estruturação do self, de forma ambivalente, considerando a capacidade de aproximarapessoadesuaessência,porpropiciarodesenvolvimento de relações sociais dentre outras coisas.
  12. 12. 11 Corações Descartáveis Sumário De acordo com Costa (1997), a paixão é descrita como a primeira etapa de uma relação conjugal, que é narcísica, demar- cada por duas etapas: a primeira, onde há a negação da realidade, ilusão e idealização do outro; e uma segunda etapa, na qual o outro é visto como realmente é, com suas virtudes e defeitos. Para Minuchin (2009), a formação de um casal é um ato de alquimia no qual dois indivíduos tentam juntar suas vidas sem desistir de sua individualidade; a acomodação permite-lhes torna- rem-se um, definição de fronteiras permite-lhes permanecerem dois. Tratar da temática do amor, da paixão e da relação conjugal remete à contextualização desses assuntos temporalmente, compreendendo as evoluções e construções sociais imbricadas na conjugalidade. A esse respeito, Bauman (2004) apresenta a conju- galidade na era moderna considerando as concepções advindas e solidificadas no período moderno que afetaram a forma de esta- belecimento e rompimento das relações conjugais, reforçando o conceito de liquidez, efemeridade e descartabilidade. Reitera-se a semelhança entre a concepção de conjugali- dade e a relação que o homem estabelece com o consumismo no mundo globalizado, estendendo seus princípios de instanta- neidade, competitividade aos relacionamentos, em oposição ao apego, estabilização e às renúncias. Bauman (2005) reforça esse entendimento quando considera que, para a grande maioria dos habitantes do líquido mundo moderno, o ato de cuidar da coesão, apegar-se às regras, agir de acordo com precedentes e manter-se fiel à lógica da continuidade, são parâmetros que não constituem escolhas para o futuro. Nessa perspectiva, têm-se enquanto questão norteadora da pesquisa: Por que as relações conjugais estão cada vez mais frágeis, no que tange à durabilidade da convivência, reforçando o conceito de liquidez advindo da era moderna?
  13. 13. 12 Corações Descartáveis Sumário Assim o presente trabalho possui como objetivo geral compreender como o conceito contemporâneo de liquidez pode ser percebido no contexto das relações conjugais. No que tange aos objetivos específicos almeja-se descrever o que a modernidade registrou sobre o amor, a paixão e as rela- ções conjugais; analisar o conceito de “Liquidez” na perspectiva de Bauman, relacionando-o à conjugalidade; apresentar a relevância da atuação do psicólogo na prática da terapia conjugal conside- rando o fortalecimento dos vínculos conjugais na atualidade. Desse modo, essa pesquisa justifica-se com o intuito de demostrar o quão frágil encontram-se as relações conjugais, pois já não é mais permitido sofrer ou chorar por amor. Diante desses pressupostos, o homem busca de forma incansável a resolução para seus conflitos existenciais internalizados, a fim de produzir uma sensação de esvaziamento em seus conteúdos psicológicos latentes. Nessa perspectiva, reitera-se a importância da atuação do profissional de psicologia na transformação da vida privada do individuo, a partir da construção de sua identidade, trazendo como contribuição a análise de seu comportamento, não interferindo, entretanto, em suas decisões. Cabe ao psicólogo procurar compre- ender o funcionamento emocional do indivíduo através das relações estabelecidas com os sistemas onde está inserido.
  14. 14. 13 Corações Descartáveis Sumário METODOLOGIA A presente pesquisa caracteriza-se como qualitativa, preo- cupando-se com aspectos da realidade que não podem ser quan- tificados, centrando-se na compreensão e explicação da dinâmica das relações sociais. Caracteriza-se, também, como exploratória, uma vez que, tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses (GIL, 2007). Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, constituída a partir do levantamento de referências teóricas publicadas por meios escritos e eletrônicos. Esta pesquisa foi obtida por meio do arcabouço teórico dos seguintes autores: Zygmunt Bauman, Sigmund Freud, Michael Foucault, Antônio Giddens, Terezinha Féres-Carneiro, Diniz Neto, Salvador Minuchin, Marilene Grandesso, Bernardo Jablonski, Luciane Najar Smeha, Eliana Piccoli Zordan, Denise Falcke, Adriana Wagner, José Sterza Justo, dentre outras referências nas áreas conjugais, de família e da Psicologia. Quanto à fonte de dados utilizada foram selecionadas referências; dentre elas, artigos da Revista Psicologia: Ciência e Profissão indexadas no banco de dados do Conselho Federal de Psicologia-CFP; trabalhos de conclusão de curso e livros. Foram utilizados como descritores da pesquisa os termos como: Relação conjugal; Aconselhamento conjugal; Modernidade Líquida; Psicologia, palavras-chave para realizar a pesquisa.
  15. 15. 14 Corações Descartáveis Sumário Quanto aos critérios de inclusão e exclusão, foram incluídas 120 referências escritas em língua portuguesa e que contivessem pelo menos dois descritores. Foram excluídos os artigos que se apresentavam em língua estrangeira ou aqueles que não contem- plavam pelo menos dois descritores da pesquisa. No que tange ao tratamento dos dados, utilizou a Análise Temática de Conteúdo. Segundo Minayo (2007), esse método desdobra-se nas etapas pré-análise, exploração do material ou codificação e tratamento dos resultados obtidos/interpretação. A etapa da pré-análise compreende a leitura flutuante, constituição do corpus, formulação e reformulação de hipóteses ou pressupostos; na exploração do material o investigador busca encontrar catego- rias que são expressões ou palavras significativas em função das quais o conteúdo de uma fala será organizado; e no tratamento dos dados, o pesquisador realiza a classificação e a agregação dos dados, escolhendo as categorias teóricas ou empíricas, responsá- veis pela especificação do tema.
  16. 16. Capítulo 1O QUE A MODERNIDADE REGISTROU SOBRE: AMOR, PAIXÃO E RELAÇÕES CONJUGAIS?
  17. 17. 16 Corações Descartáveis Sumário Tratar das questões sobre o amor, a paixão e as relações conjugais remete ao entendimento de como esses fenômenos foram constituídos e são modificados temporalmente na sociedade, sob a influência de fatores sociais, econômicos, culturais e históricos. A união conjugal sempre esteve presente na história da humanidade, contudo assume contornos e características diferentes de acordo com o contexto “político, social, religioso, cultural e econômico de cada momento histórico” (ZORDAN, 2010, p. 27). Para Rolim e Wendling (2013) o ser humano é formado através do estabelecimento de relações, tanto com outros seres humanos como com os objetos e símbolos que o cercam. Carvalho, Politano e Franco (2008) caracterizam o vínculo tal como uma necessidade fisiológica primária como a fome. Nesse sentido, o vínculo pode ser tratado como uma realidade primeira, matriz da individualidade do homem: Afirmar que o vínculo interpessoal é universal é uma hipótese sobre uma das especificidades da natureza humana. Não implica, no entanto, nenhum conceito simplista de instinto, de determinismo biológico, de ausência de diversidade. Por sua própria natureza, o vínculo requer uma relação particular entre a preparação biológica do ser e sua experiência no mundo - no caso, no mundo social, na interação com o outro (CARVALHO, POLITANO; FRANCO, 2008, p.13). Com base nesse entendimento, o vínculo interpessoal cons- titui-se como um fenômeno complexo no que tange a multiplicidade de pontos de vista que o abarcam, entretanto, não há como disso- cia-lo da sua função primeira de promover a interação. Mota e Matos (2008), consideram o entendimento do processo vinculativo estabelecimento a partir dos laços afetivos precoces, responsáveis pelo balizamento da capacidade que o ser humano tem de criar novos e importantes laços. Há de se reitera
  18. 18. 17 Corações Descartáveis Sumário que a criação de laços constitui-se de extrema relevância para o desenvolvimento psicológico sendo um processo contínuo, que tem o surgimento na infância e prossegue por toda a vida. Cigoli (2002, p. 171), compreende que o vínculo constitui uma classe que compreende diversas áreas, citando “as relações internalizadas, o pacto conjugal, as relações familiares, as relações de amizade e as relações sociais”. Desse modo, cada uma dessas áreas possui autonomia, contudo o vínculo de cada área a uma classe implica “que ela influencie outras classes e seja influenciada por elas”, constituindo uma rede de conexões e nós. I.I Amor e Paixão Os primeiros estudos sobre o amor na Psicologia datam da primeira década do século XX com autores como Rubin; Sternberg; Hendrick e Hendrick. Deve-se reiterar que, desde esse período até os dias de hoje, muitas pesquisas foram realizadas com o objetivo de discutir o fenômeno (MARTINS-SILVA et al., 2013). Do ponto de vista psicológico e psicanalítico, para Freud (1929/ 1974) o amor era concebido como um subproduto da sexu- alidade, com uma visão mais biologicista. Paz (2009) indica que o termo “amor” não foi definido por Freud, pois foi utilizado de dife- rentes formas de acordo com as articulações e o momento em que estava em sua construção histórica. Schlösser et al., (2012) consideram que para Freud, qual- quer vínculo amoroso caracteriza-se por uma tentativa de reedição das primeiras experiências infantis da pessoa, estando à busca amorosa fadada ao fracasso, graças a impossibilidade de esse encontro acontecer.
  19. 19. 18 Corações Descartáveis Sumário Segundo Fromm (1966), existem dois tipos de amor: o verda- deiro, que é um amor maduro, identificado como uma atitude que se caracteriza pelo cuidado, responsabilidade, respeito e conhecimento do outro, e o falso, que é submisso, passivo e neurótico. Nesse amor falso, o ser em questão é dependente do outro e não mantém sua integridade; isso é claramente o contrário do amor verdadeiro. A primeira proposta teórica que abordou o amor romântico dentro da Psicologia social procurou fazer a distinção entre amar e gostar com base nos pressupostos teóricos de Rubin. Nessa pers- pectiva, Rubin sustentou que o amor é uma atitude em relação a uma pessoa em particular que envolve uma predisposição para pensar, sentir e se comportar de certa forma em relação a essa pessoa (MARTINS-SILVA et al., 2013). Buss (1988), utilizando uma perspectiva evolucionista, sugeriu que o amor é mais do que um estado, ele pode ser visto como atos, os quais, no passado, teriam servido a funções ligadas ao sucesso reprodutivo do indivíduo. Dentre essas funções, o autor destaca a escolha de parceiros e a reprodução como os objetivos centrais desses atos de amor. May (1992), definia o amor como uma força motivadora. Frankl (1994), o contemplava como um encontro ou um ato-coexis- tencial entre um eu e um tu, sendo esse um elemento essencial ou uma das vias para a realização do sentido na vida. Nesse contexto, distingue-se o amor da sexualidade, a eroticidade e o amor, esta- belecendo entre tais modalidades uma hierarquia crescente em termos de humanização. Considera-se, ainda, Hernandez; Oliveira (2003), que carac- teriza os tipos de amor; o amor apaixonado definido por um desejo forte de união com a outra pessoa, cuja ausência é percebida como um vazio; e o amor companheiro, cultivado nas semelhanças e nas diferenças, havendo nele o desejo de se revelar um ao outro.
  20. 20. 19 Corações Descartáveis Sumário Schlösser et al., (2012), ressaltam a importância do amor na vida das pessoas como experiência humana elementar, sendo este buscado e expresso por meio das relações cotidianas, bem como livros, filmes e músicas. O amor, então, faz parte da vida das pessoas. Sternberg (1989), realiza sua consideração ao propor sua teoria triangular do amor, que define três tipos: compromisso, inti- midade e paixão. Para o autor, o compromisso evidencia a decisão de amar outra pessoa, mantendo esse amor; a intimidade acentua o desejo de promover o bem-estar da pessoa amada, seu respeito e valorização, o entendimento e o apoio mútuos, e finalmente, a paixão revela os desejos e a necessidade de autoestima, a entrega, a submissão e a satisfação sexual. Frankl (1989), descreve a paixão na atitude erótica, que corresponde à dimensão psíquica, encontra-se o fenômeno da paixão, e, nele, a excitação não emana apenas do físico, mas, principalmente, do anímico, sentindo-se o indivíduo atraído por um determinado tipo psíquico. Para Costa (1997), a paixão é descrita como a primeira etapa de uma relação conjugal, que é narcísica, demarcada por duas etapas: a primeira, onde há a negação da realidade, ilusão e ideali- zação do outro; e uma segunda etapa, na qual o outro é visto como realmente é, com suas virtudes e defeitos. Sternberg (1989), Yela (1997; 2006) propuseram refinamentos sugerindo um modelo tetrangular do amor. Assim, os autores manti- veram as dimensões de compromisso e intimidade, porém subdividiu a de paixão, que passou a ser definida em dois fatores específicos: paixão erótica e paixão romântica. Desse modo, a paixão erótica acentua a dimensão fisiológica do amor, sendo fugaz; a paixão romântica, por outro lado, é mais duradoura, e envolve aspectos e estereotipias de cunho social atribuído ao comportamento dos enamorados.
  21. 21. 20 Corações Descartáveis Sumário As definições apresentadas sobre amor e paixão, com bases teóricas na Psicologia, Psicanálise, Psicologia Social e evolucio- nismo apresentam-se como perspectivas para a conceituação, sendo que, segundo Shiramizu e Lopes (2013) nenhuma definição consegue contemplar o fenômeno do amor, que deve inclui compor- tamentos, sentimentos e pensamentos selecionados ao longo de nossa história evolutiva que favoreceu a vinculação de parceiros, promovendo uma aproximação e um investimento diferenciado de tempo e atenção entre estes que pode variar de acordo com as condições ecológicas, sociais e culturais. Essas “possibilidades” de conceituação permitem inferir que o amor constitui-se enquanto elemento primordial para as relações entre os casais, havendo de ser considerada as suas especificidades, quanto ao modo de interagir. A esse respeito, Franco e Aragón (2005), consideram que o amor incondicional, completo, pleno, seja a forma mais saudável e capaz de tornar toda relação mais duradoura e confiável. I.II Relações Conjugais Ferreira (2004), considera que a relação conjugal pode ser entendida como aquela que pertence a cônjuges ou ao casamento. Nesse sentido, cônjuge é “cada uma das pessoas ligadas pelo casamento em relação à outra” (Ferreira, 2004, p.525). Assim, a relação conjugal pode ser vista como a forma pela qual os cônjuges se relacionam entre si. Diniz (2011), considera que a conjugalidade pode ser enten- dida como a dinâmica relacional própria de cada díade, não acon- tece no vácuo, sendo que a forma como ela é vivenciada depende de fatores pessoais, interpessoais, transgeracionais, econômicos,
  22. 22. 21 Corações Descartáveis Sumário sociais e culturais. Na visão sistêmica, a formação da conjugalidade é um processo complexo, que envolve diversos níveis do relaciona- mento e contextos que resultam na definição psicossocial de uma relação afetiva estável (FÉRES-CARNEIRO e DINIZ-NETO, 2010). Antigamente, as relações conjugais eram formatadas em torno do casamento que era concebido como indissolúvel, condu- zindo homens e mulheres a histórias de sofrimento e aprisionamento em prol da sociedade, família e bons costumes. O casamento era a forma legítima e socialmente aceitável de duas pessoas estabele- cerem um vínculo afetivo amoroso. A esse respeito, Munhoz (2001, p.15) considera: O casamento, na maioria das sociedades ocidentais, tem suas raízes em controvertidos ideais que se apoiavam nos princípios da moral judaico-cristã. Era considerado pelos judeus como a união legítima entre o homem e a mulher, em duradoura comunhão corporal e espi- ritual. Respeitava-se o vínculo matrimonial por ter sido instituído por Deus (Gen.2,23s), e prescrito nos Mandamentos e na Lei. O casamento apresentou diversas conotações, embasado por características, objetivos, funções, mitos, regras, crenças e valores pessoais, sociais e culturais como parte integrante de sua história. Na Grécia Antiga, segundo Foucault (2002), o casamento era um ato privado que fazia referência à transmissão do nome; à constituição de herdeiros; à junção de riquezas e ao arranjo de um sistema de alianças. Essa condição muito se aproxima do modo como os romanos concebiam o casamento, na Antiguidade. Mayor e Farias (2012) traçam o perfil do casamento ao longo dos séculos citando quais eram suas principais características. Para os autores, nos primórdios do cristianismo o casamento não era valorizado, implicava na ocorrência da atividade sexual, sendo hostilizado e descrito como fonte de angústia e sofrimento para o casal que não se dedicava de corpo e alma para Deus. Nos séculos
  23. 23. 22 Corações Descartáveis Sumário III, IV e V, passou a ser considerado como uma alternativa mais segura aos prazeres da carne, caracterizado pela manutenção e transmissão de bens e poder, e a mulher, sendo encarada como patrimônio familiar. Nos séculos XI e XII, a igreja utilizava-se do casamento como uma forma de controle social do indivíduo; esse entendimento é compartilhado por Puga (2007) que aponta o casamento como uma construção sobremaneira social, cuja finalidade é garantir o controle social. No século XIII, a instituição foi estabelecida como sacramento tendo a sua legitimação por meio da lei e no fim do século XV, o surgimento do capitalismo propulsionou ao casamento o direito a ser considerado como um contrato, no qual as pessoas deveriam ter liberdade de escolha do parceiro (MAYOR e FARIAS, 2012). Zordan, Falcke e Wagner (2009), refletem que até os anos 70, a constituição da família parecia orientar-se por um modelo único de família nuclear tradicional, caracterizada pelo casamento heteros- sexual, indissolúvel e pelos papéis do homem como provedor e da mulher como mãe e dona de casa. Segundo Coelho (2006), somente no início dos anos 90 é que a mulher conquistou uma redefinição de papéis e identidades masculina feminina, sendo que essas mudanças e conquistas ocor- reram devido ao trabalho e a modernização do mundo. Assim, as variações de estruturas familiares são o resultado do ciclo de desen- volvimento de um determinado grupo familiar e são essas variações que dão lugar aos novos arranjos familiares. Para Neves (2008), o século XX trouxe muitas mudanças, como a dos papéis sociais de homens e mulheres, uma vez que estes vêm perdendo seus papéis tradicionais nas instituições da família, trabalho, religião, educação e no casamento. As mulheres,
  24. 24. 23 Corações Descartáveis Sumário por meio dos movimentos feministas, têm conseguido maior inde- pendência em termos financeiros e intelectuais, além de uma cres- cente igualdade e democratização nas relações. A esse respeito, Gomes (2006) indica que os homens vêm dividindo seu papel de provedor de família, de gênero dominante, o que tem levado ao que os teóricos chamam de crise da masculini- dade, já que em nossos tempos carece ao homem uma identidade e papéis sociais definidos. Historicamente, o homem vem passando por transformações em decorrência dos avanços sociais, e a mulher passa a assumir papéis que, anteriormente, eram de exclusividade dos homens. Conforme Dalbério (2007, p.46): Essa nova dimensão na qual o homem deve assumir tarefas domés- ticas cria em muitos deles uma situação de revisionismo de todas as ideologias que dizem respeito ao machismo. É óbvio que muitos ainda não estão entendendo essa nova situação, vivem como se a mulher ainda devesse prestar-lhe todos os serviços e ainda lhe ajudasse na manutenção das despesas familiares. Carregam ainda em consciência as visões burguesas de família, cujo modelo o homem tem direitos, por manter a família. As transformações na configuração e no funcionamento fami- liar no século XX contribuíram para a concepção contemporânea de família. De acordo com Buriasco (2011), figura do pai caracteri- za-se como mais afetiva e presente na vida da família e dos filhos e a mãe por uma tendência a proteger a prole, transmitindo valores como acolhimento e proteção. O pai apresenta um papel essencial na construção da autonomia e da ousadia da criança, sendo que a autoridade paterna, antes acompanhada pelo medo frente a uma figura tão severa e distante, hoje, ocorre de maneira mais saudável. O papel da mulher na contemporaneidade foi redefinido considerando principalmente três fatores: a entrada maciça das mulheres no mercado de trabalho; o planejamento familiar através
  25. 25. 24 Corações Descartáveis Sumário do controle reprodutivo e o advento da pílula anticoncepcional e a influência do movimento feminista (FONTENELLE-MOURÃO, 2006). Vale salientar, que a liberação da sexualidade na moderni- dade aliada ao individualismo, resultou na busca desenfreada pela satisfação e a realização pessoal, sendo esse o contexto social que subsidia a contemporaneidade. A esse respeito, Ribeiro (2010) refere que, na atualidade, a mulher encontra-se independente, afetiva e financeiramente, do companheiro. Desse modo, prioriza-se a afetividade na relação amorosa, todavia que não é adotada como única meta; ela também visa à felicidade pessoal, que não parece ser buscada somente pelo casamento, mas também em outras relações com o mudo ao seu redor, tanto no âmbito amoroso quanto sexual. Compreender as relações conjugais e a sua transição para a pós-modernidade, remete ao entendimento sobre a ideologia do individualismo. Assim, de acordo com Vieira e Stengel (2010), enquanto a responsabilidade na Modernidade refere-se a preo- cupações de âmbito coletivo, na Pós-Modernidade os indivíduos preocupam-se com o seu bem-estar individual, suplantando os inte- resses voltados ao bem-estar coletivo, organização coletiva, reve- lando uma indiferença com as questões da sociedade. Do ponto de vista de Chaves (2004) o individualismo é bastante discutido na atualidade, pois atuamos num mundo em que as pessoas vivem para si próprias, fazendo com que o interesse individual seja mais importante que o coletivo. A liberdade individual é bem valorizada, podendo ser entendida como “viver da forma que bem desejar”, ter várias opções e ser livre para fazer suas escolhas. Assim, o sujeito pós-moderno pode se perder numa nova ordem, em que a noção de responsabilidade passa a ter um viés narcísico, representando as preocupações do indivíduo com sua
  26. 26. 25 Corações Descartáveis Sumário saúde e qualidade de vida em que o indivíduo é o gerente da própria vida. A esse respeito, Bozon (2003) indica o que caracteriza a união contemporânea não é só a referência ao sentimento amoroso e ao papel essencial que assume a sexualidade, mas também a impor- tância crescente que adquiriram os interesses individuais dos que se unem. Desse modo, os valores do individualismo influenciam tanto a constituição, quanto a manutenção do casamento contemporâneo. Os ideais atuais de relação conjugal enfatizam mais a auto- nomia e a satisfação de cada cônjuge, do que os laços de depen- dência entre eles. Isso significa que a relação conjugal vai se manter enquanto for prazerosa e “útil” para os/as parceiros/as (FÉRES- CARNEIRO, 1998; FÉRES-CARNEIRO e ZIVIANI, 2009; FÉRES- CARNEIRO, ZIVIANI e MAGALHÃES, 2011; PERLIN e DINIZ, 2005).
  27. 27. Capítulo 2A LIQUIDEZ NOS RELACIONAMENTOS CONJUGAIS NA PERSPECTIVA DE BAUMAN
  28. 28. 27 Corações Descartáveis Sumário II.I A multiplicidade de formas conjugais na contemporaneidade De acordo com Smeha e Oliveira (2013) os relacionamentos amorosos da contemporaneidade poderiam ser caracterizados pelos seguintes aspectos: menor durabilidade das uniões, menor tolerância aos conflitos, menos paciência e mais imediatismo. Há ainda a ideia de que nada dura para sempre, e a rapidez com que as pessoas constituem vínculos afetivos seria proporcional ao tempo que levam para rompê-los (ZORDAN e STREY, 2010). Outra característica marcante dessas relações é a contração de diversas formas de conjugalidade. Para Araújo e Scalom (2005); Rocha-Coutinho (2009; 2013) a diversidade de arranjos familiares, a plasticidade das escolhas afetivas e o enfraquecimento da hierarquia nas relações entre gêneros e entre gerações, contribuíram para o surgimento de formas mais horizontais ou simétricas de interação, sendo estas caracterís- ticas marcantes no início do século XXI. Considerando as múltiplas formas de conjugalidade na atua- lidade, Ceccarelli (2007) enumera algumas formas de ligações afetivas nas quais podem existir ou não a parentalidade que foge aos padrões tradicionais tais como famílias monoparentais, homo- parentais, adotivas, recompostas, concubinárias, temporárias, de produções independentes, e tantas outras. Dentre as novas formas de interação praticadas na contem- poraneidade tem-se o “ficar”. A partir dos anos 80, essa modalidade
  29. 29. 28 Corações Descartáveis Sumário até então desconhecida, apresentou-se socialmente, por meio do estabelecimento de relacionamentos afetivos marcados pela falta de compromisso com o outro (JESUS, 2005). Aquino et al., (2012), indica que o “ficar” corresponde a um relacionamento superficial, casual e momentâneo, sendo caracteri- zado principalmente pela falta de compromisso entre os “ficantes”; esses encontros, muitas vezes, implicam intimidade sexual, mas não proporcionam, necessariamente, intimidade ou vínculo emocional . Caramaschi (2007), corrobora com esse entendimento apon- tando que no “ficar”, não existem delimitações, regras ou limites; e caso forem exigidas, serão negociadas algumas vezes previamente a qualquer relacionamento. Justo (2007), discorre que no “ficar” não se configura a obri- gação de fidelidade, possibilitando a flexibilidade de trocas afetivas e a experimentação de maior número de parceiros, pois tudo é permitido, uma vez acordado. Ainda Segundo Justo (2007), nesse sentido, no contexto da pós-modernidade, o amor romântico está cedendo lugar para o amor confluente (esporádico), em que não é mais o amor eterno que predomina, mas aquele no qual a fini- tude passa a ser uma possibilidade real, evitando-se a ansiedade desnecessária. Uma forma marcante das relações conjugais na contempo- raneidade é a instalação no interior das famílias de diversificadas maneiras de vivenciar a questão de gênero. Desse modo, essas novas formatações podem apresentar uma relação de ônus e bônus, sendo necessária a compreensão dessas relações diversifi- cadas. Segundo Souza e Dias (2010): As famílias modernas ou contemporâneas constituem-se em um núcleo evoluído a partir do desgastado modelo clássico, matrimo- nializado, patriarcal, hierarquizado, patrimonializado e heterosse- xual, centralizador de prole numerosa que conferia status ao casal. Neste seu remanescente, que opta por prole reduzida, os papéis
  30. 30. 29 Corações Descartáveis Sumário se sobrepõem, se alternam, se confundem ou mesmo se invertem, com modelos também algo confusos, em que a autoridade parental se apresenta não raro diluída ou quase ausente. Com a constante dilatação das expectativas de vida, passa a ser multigeracional, fator que diversifica e dinamiza as relações entre os membros. Outro tipo de arranjo familiar muito presentes na contempo- raneidade, são as relações monoparentais. De acordo com Vitale (2002) a expressão “famílias monoparentais” designa as unidades domésticas em que as pessoas vivem sem cônjuge, com um ou vários filhos; portanto, qualquer pai ou mãe que conviva com um ou vários filhos, sem o cônjuge serão consideradas família monoparental. Um fator significativo de considerar-se, segundo Oliveira (2009) é que a monoparentalidade masculina é significativamente menor que a feminina. Desse modo, tem-se pouca visibilidade do fato, podendo vir a reforçar a ideia de que os homens não são capazes de cuidar de uma família. A monoparentalidade, de maneira geral, deve ser considerada na sequência, em suas recomposições, permanências e podem ser consideradas protagonistas de histórias peculiares marcadas nos novos contextos sociais. Weissmann (2008), aponta que, outra causa de nova confi- guração familiar pode ser a produção independente materna muito decorrente; um caso de adoção, de viuvez; pode ser também um caso em que o pai decide não fazer parte da criação desse filho se desligando também dessa mulher com a qual o concebeu, ou ainda o caso do pai ser deixado de fora pela figura materna sem possibili- dades de acompanhar o desenvolvimento dos filhos; além disso, o meio social pode não lhe outorgar as possibilidades de se colocar na cadeia produtiva para ser o provedor na família, causando seu afastamento. Bottoli et al., (2012), caracteriza ainda, como uma configu- ração familiar, quando um dos pares recasa, constituindo assim
  31. 31. 30 Corações Descartáveis Sumário uma nova família, buscando uma nova tentativa de casamento, ou recasamento. Ainda a esse respeito, Cano et al., (2009) discorre que muitos recasamentos acabam ocorrendo de modo consensual, ou seja, sem qualquer registro ou procedimento legal, assim, cons- tata-se que o número de divorciados que se casam novamente é muito elevado. Jablonski (2009; 2011) chama a atenção para as distintas organizações familiares e conjugais nas quais o pai trabalha fora e a mãe, não; e outras nas quais pai e mãe trabalham fora. Famílias podem ser compostas por casais sem filhos – por opção ou não; por casais que moram juntos sem “oficializar” suas uniões. Além dos modelos heteronormativos, famílias podem ser formadas por casais homossexuais, com ou sem filhos, ou ainda, os que vivem juntos de forma separada: pessoas que embora se definam como casais, habitam em residências distintas. Salienta-se que todas essas formas alternativas se contrapõem ao modelo tradicional de família e redefinem na prática o conceito de família ou as expecta- tivas quanto ao casamento. Assim, Vasquez e Diniz (2014), corroboram com a compre- ensão de que essas novas formas de vinculação social, afetiva e sexual, experimentadas por meio da conjugalidade, caracterizam-se pela multiplicidade de identidades e papéis que se tornam contradi- tórios, por estar interligados a múltiplos contextos. II.II A modernidade líquida de Zygmunt Bauman Zygmunt Bauman, sociólogo polonês, sintetiza uma temá- tica trabalhada por campos diversos do conhecimento, tais como, a filosofia e as ciências sociais, apresentando por meio do conceito
  32. 32. 31 Corações Descartáveis Sumário de Modernidade Líquida ou Modernidade Fluida, uma alternativa ao debate em torno da ideia de pós-modernidade (BAUMAN, 2001). De acordo com Bauman (2004) os tempos modernos e, agora, os tempos pós-modernos provocaram um estado de fusão na sociedade humana, uma transformação do estado sólido para o líquido, evidenciando, então, o conceito de “modernidade líquida”. Nessa perspectiva, estamos inseridos na modernidade líquida que pode ser compreendida como uma sociedade em que as rela- ções não duram, em que o poder está desterritorializado e que o espaço e o tempo não compõe mais as duas faces de uma moeda. O tempo pode ser superado pela velocidade, enquanto o espaço pode ser ultrapassado pelas tecnologias que permitem conhecer o mundo em um só clique. Desta forma, a velocidade passa a ser uma característica marcante da contemporaneidade (BAUMAN, 2001). Ainda nas palavras de Bauman (2011, p. 06): “O mundo que chamo de “líquido” porque, como todos os líquidos, ele jamais se imobiliza nem conserva sua forma por muito tempo. Tudo ou quase tudo em nosso mundo está sempre em mudança: as modas que seguimos e os objetos que despertam nossa atenção; as coisas que sonhamos e que tememos, aquelas que desejamos e odiamos, as que nos enchem de esperanças e as que nos enchem de aflição. Um aspecto relevante de se considerar, contido no pensa- mento de Bauman ao longo das suas concepções, é a noção de liquidez, característica central do conceito de Modernidade líquida. A esse respeito, Silva et al., (2015) indica que o uso da locução “líquido” e seus derivados tende a tornar visualmente acessíveis essa percepção de algo essencialmente transitório, efêmero e volúvel. De acordo com Bauman (2007, p.07): A passagem da fase “sólida” da modernidade para a “líquida” - ou seja, para uma condição em que as organizações sociais (estruturas que limitam as escolhas individuais, instituições que asseguram a repetição de rotinas, padrões de comportamento aceitável) não
  33. 33. 32 Corações Descartáveis Sumário podem mais manter sua forma por muito tempo (nem se espera que o façam), pois se decompõem e se dissolvem mais rápido que o tempo que leva para moldá-las e, uma vez reorganizadas, para que se estabeleçam. Nessa perspectiva, a “fase líquida” da modernidade abarca o rompimento de paradigmas, concepções, pontos de vista e da estrutura social construída e arraigada em seus modos e tradições. Para Fragoso (2011) o momento atual da modernidade é caracterizado justamente pela dissolução das forças ordenadoras que permitiam ativamente reenraizar e reencaixar os antigos sólidos em novas formas sociais modernas. Desse modo, liquefazem-se os padrões sociais de referência que balizavam a ordem social da modernidade, esfacelando a classe, o Estado-nação, a cidadania, juntamente com a livre expansão global das forças de mercado e o retrocesso da veia totalitária da ordem moderna libertando os indivíduos de seus grilhões atados a uma ordem rígida e racional-instrumental. Do ponto de vista de Bauman (2001, p.12): O “derretimento dos sólidos”, traço permanente da modernidade, adquiriu, portanto, um novo sentido, e, mais que tudo, foi redire- cionado a um novo alvo, e um dos principais efeitos desse redire- cionamento foi a dissolução das forças que poderiam ter mantido a questão da ordem e do sistema na agenda política. Os sólidos que estão para ser lançados no cadinho e os que estão derretendo neste momento, o momento da modernidade fluida, são os elos que entrelaçam as escolhas individuais em projetos e ações coletivas – os padrões de comunicação e coordenação entre as políticas de vida conduzidas individualmente, de um lado, e as ações políticas de coletividades humanas, de outro. Nesse contexto, esse processo de liquefação tem como lastro o capitalismo, o aumento do individualismo e do consumismo, a valorização das tecnologias e das ciências em todos os aspectos da vida humana. Assim, a modernidade em sua versão líquida, traz como pontos relevantes a volatilidade, perda de consistência e esta-
  34. 34. 33 Corações Descartáveis Sumário bilidade em afetam as relações humanas distanciando e esgaçando a vida em conjunto, nas formas das relações familiares, de casais, de grupos de amigos, de afinidades políticas (DIAS e SILVA, 2014). Silva et al., (2015), ressalta que, para Bauman, quatro marcos se destacam no processo de configuração do contexto líquido-mo- derno: a separação entre o poder e a política visível na supervalori- zação do indivíduo em detrimento ao Estado; enfraquecimento da ideia de comunidade; o fracasso do planejamento a longo prazo e a queda de instituições norteadoras e responsabilização individual pelo fracasso ou sucesso da vida pessoal. Desse modo, compreen- de-se que a transição do sólido para o líquido pressupõe o estabe- lecimento de algumas verdades na modernidade que, no momento contemporâneo, são desconstruídas, reformatadas e passageiras até que um novo paradigma suplante-a. A Modernidade liquida alcançou todas as esferas da socie- dade; a economia, o trabalho, a relação tempo e espaço, o sentido de identidade, a noção de liberdade e as relações afetivas. Segundo Dias e Silva (2014) na obra de Bauman consta a descrição de uma série de mudanças que vem ocorrendo na socie- dade no que diz respeito ao mundo do trabalho. Desse modo, Bauman (2008) descreve que no tempo da modernidade sólida ou pesada, o trabalho possuía uma relação relativamente estável com o capital de forma a ambos possuírem um vínculo de depen- dência. Nesse contexto, o trabalhador necessitava de seu emprego, da mesma forma, que a empresa reconhecia a necessidade de mão-de-obra – ainda que explorável e descartável – para a manu- tenção da produção. Tal tipo de vinculação gerava uma série de conflitos internos às organizações de trabalho, mas que possuíam como base a necessidade de encontrar um lugar comum que pudesse manter ou retomar um tipo de ordem social interna à orga- nização que propiciasse condições de trabalho.
  35. 35. 34 Corações Descartáveis Sumário Conforme explica Bauman (2008b p. 33): A “modernidade pesada” era o tempo do compromisso entre capital e trabalho, fortificado pela mutualidade de sua dependência. Os traba- lhadores dependiam de empregos para terem sustento; o capital dependia de empregá-los para sua reprodução e crescimento. Esse encontro tinha um endereço fixo; nenhum dos dois poderia se mover para outra parte com facilidade – as paredes maciças da fábrica mantinham ambos os sócios em uma prisão compartilhada. Considerando a relação de mútua dependência entre o capital e o trabalho na modernidade pesada, Bauman (2011) utilizou a metáfora do casamento, uma união que nenhum homem poderia desfazer, para vida toda. Porém, na sociedade líquido-moderna é como se as pessoas não mais se cassassem e a escolha seria o estar junto, não mais até que a morte os separe e sim, enquanto durar o amor. Dentro do entendimento de Bauman (2004) a respeito do trabalho na sociedade líquido-moderna, infere-se que ele deixa de constituir-se um aspecto relevante da condição humana de apren- dizagem e crescimento pessoal, que pode trazer estabilidade, e é a vocação para a vida; configurando-se, em uma relação íntima com a lógica de consumo. Considerando a relação capital-consumo, Bauman (2004, p. 32) pondera: A vida consumista favorece a leveza e a velocidade. E também a novidade e a variedade que elas promovem e facilitam. É a rota- tividade, não o volume de compras, que mede o sucesso na vida do homoconsumens. Em geral, a capacidade de utilização de um bem sobrevive à sua utilidade para o consumidor. Mas, usada repe- tidamente, a mercadoria adquirida impede a busca por variedade, e a cada uso a aparência de novidade vai se desvanecendo e se apagando. Pobres daqueles que, em razão da escassez de recursos, são condenados a continuar usando bens que não mais contêm a promessa de sensações novas e inéditas. Pobres daqueles que, pela mesma razão, permanecem presos a um único bem em vez de flanar entre um sortimento amplo e aparentemente inesgotável. Tais pessoas são os excluídos na sociedade de consumo, os consumi- dores falhos, os inadequados e os incompetentes, os fracassados — famintos definhando em meio à opulência do banquete consumista.
  36. 36. 35 Corações Descartáveis Sumário Nessa perspectiva, a sociedade líquida-moderna incentiva a lógica do consumismo desenfreado como estratégia para o preen- chimento existencial do vazio psíquico ao qual as pessoas estão expostas, como forma de compensação por suas fragilidades emocionais, suas relações inconsistentes. Para Bauman (2007, p. 111) “a sociedade de consumo não é nada além de uma socie- dade do excesso e da fartura – e, portanto da redundância e do lixo farto”. Assim, o excesso promove o vazio existencial, aumenta as incertezas pela liberdade de escolhas e não é nunca suficiente- mente excessivo. Outro entendimento preponderante da obra de Bauman (2001) é a respeito de quando o espaço e o tempo são separados da prática da vida e entre si. Segundo o autor, a tecnologia rompeu com todos os limites à velocidade do movimento que poderiam ser transgredidos, e o tempo moderno com sua flexibilidade e expan- sividade, tornou-se a principal ferramenta do poder e da domi- nação. Essa relação de descontinuidade entre o tempo e espaço da Modernidade Líquida evidencia a fragilidade e a imediaticidade dos laços e redes de relações humanas (BAUMAN, 2001). II.III Liquidez, relações conjugais e a Modernidade As concepções da Modernidade líquida afetam as relações humanas e de intimidade pessoal de forma agudizante, fato que pode ser comprovado com o aumento significativo da dissolução de relações conjugais por meio do divórcio, uma das características mais marcantes da conjugalidade na modernidade. A esse respeito, a pesquisa “Estatísticas do Registro Civil” realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE
  37. 37. 36 Corações Descartáveis Sumário indica que o Brasil registrou 341,1 mil divórcios em 2014, ante 130,5 mil registros em 2004; esse resultado é um salto de 161,4% em dez anos (IBGE, 2014). Na avaliação do IBGE, a elevação sucessiva, ao longo dos anos, do número de divórcios concedidos revela “uma gradual mudança de comportamento da sociedade brasileira, que passou a aceitá-lo com maior naturalidade e a acessar os serviços de Justiça de modo a formalizar as dissoluções dos casamentos” (IBGE, 2014). Nesse contexto, Nogueira (2006), reforçando o entendi- mento de Bauman a respeito da influência da modernidade líquida na conjugalidade, reitera que a ideia do casamento que dura para sempre é substituída pela ideia de que seja eterno enquanto durar o relacionamento. A partir desse entendimento, cada relacionamento amoroso é compreendido como uma das muitas experiências que se tem ao longo da vida e, caso este venha a terminar, fica a sensação de que tal experiência foi válida, disponibilizando-se para uma nova experiência amorosa. Bauman (2004) alude que existe a crença de que sempre se pode encontrar um/a parceiro/a melhor que o/a atual. Esse entendimento centra-se na ideia do consumo em massa, em que o sujeito adota uma postura passiva ao encontrar-se constantemente insatisfeito com o que conseguiu construir. Assim, a relação de consumo estabelecida pelo homem também influência as relações amorosas, à medida que transforma o outro em um objeto de prazer e satisfação individual. Aqui, o outro é constantemente julgado pelo que pode oferecer e no momento em que este não satisfaz mais, ele é descartado (BAUMAN, 1998; VIEIRA e STENGEL, 2010; CHAVES, 2011). Desse modo, os relacionamentos atuais caracterizam-se por sua liquidez/fluidez, uma vez que se pode dissolvê-lo a qualquer
  38. 38. 37 Corações Descartáveis Sumário momento, tornando o comprometimento para a vida inteira uma tarefa difícil. Inseridos e fortemente influenciados pelo modelo de socie- dade líquida moderna, os vínculos conjugais se misturam e se condensam com laços momentâneos, frágeis, volúveis, apresen- tando-se de forma efêmera, em que sentimentos e relacionamentos são descartáveis (BAUMAN, 2004). Justos (2005) compara a hiper velocidade de consumo dos objetos, que apresentam uma vida útil cada vez menor, tornando-se descartáveis, aos relacionamentos amorosos, fato manifesto por meio do não favorecimento da aproximação de pessoas, da criação de vínculos duradouros, e concretizando relacionamentos breves, de bolso, voltados para a satisfação de necessidades e desejos imediatos, sem um compromisso que ultrapasse o momento da relação. Essa postura de equiparação do consumismo estende-se para aos relacionamentos promovendo a cultura do descarte, em que as pessoas se relacionam com as outras até que dure seu interesse, ou que seja apresentada uma opção mais nova de rela- cionamento, assemelhando pessoas às mercadorias, objetos de consumo o outro é constantemente julgado pelo que pode oferecer e no momento em que este não satisfaz mais, ele é descartado (BAUMAN, 1998; VIEIRA e STENGEL, 2010; CHAVES, 2011). Sabe-se que, historicamente, as relações conjugais subsi- diavam-se nos moldes do casamento tradicional sendo que os critérios para a união conjugal embasavam-se nas necessidades econômicas e de parentela, no consentimento familiar. Na contem- poraneidade, em contraposição a esse modelo de conjugalidade, as relações desencadeiam-se a partir da vontade dos próprios indi- víduos, que passaram a escolher seus parceiros.
  39. 39. 38 Corações Descartáveis Sumário Com base nessa compreensão, Bauman (2004) alega que essa transição exerceu efeito no que se refere à durabilidade dos vínculos, pois o casamento, alicerçado na expressão “até que a morte nos separe”, extraía seu vigor e sua valorização justamente da função utilitarista que tinha para as estruturas de parentesco. Desse modo, Nogueira (2006) indica que na conjugalidade da Modernidade Líquida, o que se pode perceber a partir da vivência e não de modelos ou ideais existentes, são as uniões de pessoas constituídas e reconstituídas a partir de tentáculos múltiplos, cons- tituições “flexíveis e plurais” em suas formas. Assim, têm-se uma ampliação das alternativas de relações conjugais, sem necessaria- mente haver modelos hegemônicos a seguir. A “queda” do modelo dominante do casamento na sociedade reforça o entendimento de Bauman (2001), quando ele aponta que o casamento e as promessas feitas no altar não são mais garan- tias de segurança, uma vez que a rotatividade nos relacionamentos geram medos e inseguranças, pois, não se sabe se ao final do dia o relacionamento ainda existirá com toda solidez quanto o era na modernidade. Na perspectiva de Bauman (2004, p.31), as relações conju- gais da contemporaneidade são entendidas assim: Nos compromissos duradouros, a líquida razão moderna enxerga a opressão; no engajamento permanente percebe a dependência incapacitante. Essa razão nega direitos aos vínculos e liames, espa- ciais ou temporais. Eles não têm necessidade ou uso que possam ser justificados pela líquida racionalidade moderna dos consumi- dores. Vínculos e liames tornam “impuras” as relações humanas — como o fariam com qualquer ato de consumo que presuma a satisfação instantânea e, de modo semelhante, a instantânea obso- lescência do objeto consumido. Os advogados de defesa das “relações impuras” teriam de se esforçar para tentar convencer os jurados e obter sua aprovação. A fim de contribuir com essas discussões, destacam-se pesquisas realizadas por Oliveira et al., (2007); Chaves (2010);
  40. 40. 39 Corações Descartáveis Sumário Falcke e Zordan (2010) e Smeha e Oliveira (2013) relacionadas às percepções do relacionamento conjugal na contemporaneidade, apontando as características desse momento social em contrapo- sição à durabilidade das relações. Oliveira et al., (2007) investigaram as questões do ‘pegar’, ‘ficar’ e ‘namorar’ numa população de adolescentes brasileiros, discutindo o fato deles estarem em uma tensão liberdade-respon- sabilidade. Sendo assim, os relacionamentos foram definidos consi- derando o grau de liberdade dispensado. O pegar seria definido como um ato espontâneo, não repe- tível, sem compromisso e no qual o interessa físico predomina, quer pela beleza ou pela sensualidade. O ficar seria definido como “um relacionamento em que os atores sociais possuem uma intimidade e uma proximidade maiores, se vêem em uma freqüência que pode adquirir uma regularidade e até desembocar em um namoro”. E o namoro um “ato contínuo e repetitivo do ficar, que possui início em um relacionamento caracterizado pela liberdade de ação e que, com o tempo e a permissão de ambos, ganha contornos de maior compromisso e de oficialidade frente à família e o grupo social” (OLIVEIRA et al., 2007, p.500). Na pesquisa desenvolvida por Chaves (2010), discutiu-se a heterogeneidade das percepções de jovens sobre os relaciona- mentos amorosos na atualidade. A análise do material permitiu inferir que não há uma homogeneidade nas opiniões sobre as percep- ções, as quais variam entre dois extremos: de um lado, há aqueles que vêem os relacionamentos como semelhantes aos de outrora, e, de outro, os que percebem o campo amoroso como desordenado, instável, inseguro e frágil. A esse respeito, Ferry (2007), considera que atualmente as uniões se amparam, apenas nos sentimentos de amor. Como há
  41. 41. 40 Corações Descartáveis Sumário uma nova ordem que se estabelece, basta que o amor se apague para findar uma relação. Com isso, abre-se um espaço para que outro amor se imponha, justificando o aumento da troca de parceiros nos relacionamentos entre jovens. Falcke e Zordan (2010), investigaram a opinião de adultos jovens sobre romantismo, família, papéis conjugais e permissivi- dade sexual, comparando as opiniões de homens e mulheres. Os resultados indicaram que o casamento continua desejado pelos adultos jovens, apesar de não estar entre seus principais projetos de vida. O amor é importante, mas não é mais percebido como eterno e exclusivo. A avaliação dos papéis conjugais reflete a tran- sição entre velhos e novos modelos. No estudo realizado por Smeha e Oliveira (2013), sobre a percepção dos jovens adultos sobre os relacionamentos amorosos na contemporaneidade, os jovens apontaram que os relacionamentos atuais baseiam-se na individualidade, liberdade, descartabilidade, busca do romantismo, igualdade de gêneros e superficialidade. Nesse contexto, eles procuram em uma relação atributos como a confiança, respeito, beleza e alguém com um bom futuro profissional. Assim, os jovens também acreditam que o medo da respon- sabilidade e do constante investimento em uma relação poderá difi- cultar o relacionamento. Desse modo, o futuro das relações seria baseado em maior individualismo entre parceiros e casais morando em casas separadas. Por meio deste trabalho, constatou-se que as relações da atualidade são baseadas na liberdade e na individuali- dade, acontecendo quando há o investimento de ambas as partes (SMEHA e OLIVEIRA, 2013). Os estudos apresentados remetem e consolidam o enten- dimento de Bauman (2004) a respeito da fugacidade das relações conjugais na contemporaneidade, reforçando a liquidez das relações.
  42. 42. 41 Corações Descartáveis Sumário Bauman (2004) acrescenta que o relacionamento puro tende a ser, atualmente, a forma predominante de convívio, em que cada um entra pelo que se pode ganhar e permanece enquanto puder dar e receber satisfações. Assim, a relação com o parceiro é esta- belecida em uma dimensão individualista e utilitarista. A literatura aponta que atualmente se busca prazer nas rela- ções e frente a algum desprazer proporcionado pelas dificuldades da relação, rompe-se o frágil vínculo e se estabelecem outros que continuem a proporcionar prazer. Por outro lado, pesquisas apontam que o casamento ainda é desejado, porém são estabe- lecidas outras prioridades de cunho individual antes da realização do mesmo (BAUMAN, 1998; ZORDAN; FALCKE; WAGNER, 2009). A respeito do atual relacionamento puro, Giddens (1992) indica que ele opõe-se ao casamento, considerado como uma condição natural e com durabilidade garantida, a não ser em circuns- tâncias extremas. Assim, uma característica do relacionamento puro é a possibilidade do seu rompimento, que pode acontecer de uma forma esporádica por ambas as partes. Ainda para Giddens (1992), para que uma relação seja mantida, é necessária a possibilidade de compromisso duradouro, trazendo como risco para aquele que se compromete sem reservas, um grande sofrimento futuro, caso a relação venha a ser dissolvida.
  43. 43. Capítulo 3A RELEVÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PRÁTICA DA TERAPIA CONJUGAL E OS VÍNCULOS CONJUGAIS NA ATUALIDADE
  44. 44. 43 Corações Descartáveis Sumário A Psicologia no Brasil tem a gênese das suas atribuições regulamentadas por meio da lei (BRASIL, 1962) e dos Conselhos de Psicologia (BRASIL,1971) com o objetivo de orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de psicólogo, zelando pela observância dos princípios ético-disciplinares. De acordo com Cruz (2016, p.252): a formação profissional em Psicologia exige o desenvolvimento e aperfeiçoamento de competências científico-profissionais para atuar em sociedade, no sentido da mobilização de conhecimentos, habilidades e recursos para responder às necessidades científicas e sociais, tendo vista o grau de conhecimento sobre os fenômenos estudados e as possibilidades de intervenção nos diferentes contextos de atuação dos psicólogos . Desse modo, a atuação profissional do psicólogo tem como eixo norteador a instrumentalização técnico-científica dos seus saberes, associada à aplicação adequada das técnicas e instru- mentos de intervenção que poderão promover a resolução de demandas pessoais que acarretam sofrimento e adoecimento físico e psíquico. A formação do psicólogo o habilita a atuar em qualquer uma das áreas da psicologia, descritas na Resolução CFP 13/2007, sendo elas: Psicologia Escolar/Educacional; Psicologia Organizacional e do Trabalho; Psicologia de Trânsito; Psicologia Jurídica; Psicologia do Esporte; Psicologia Clínica; Psicologia Hospitalar; Psicopedagogia; Psicomotricidade; Psicologia Social; Neuropsicologia (CFP, 2007). No caso da temática da conjugalidade abordada nesse estudo, ressalta-se a relevância da Psicologia Clínica área especí- fica da saúde, que atua em diferentes contextos, através de interven- ções que visam reduzir o sofrimento do homem, levando em conta a complexidade do humano e sua subjetividade. Contribui para a promoção de mudanças e transformações visando o benefício de
  45. 45. 44 Corações Descartáveis Sumário sujeitos, grupos, situações, bem como a prevenção de dificuldades (CFP, 2007). Para Dutra (2004) a Psicologia Clínica remete a alguns conceitos imbricados à prática clínica, como “escuta clínica”, “sofri- mento psíquico”, “subjetividade”. Bauman (2004) considera que a vivência da conjugalidade foi se alterando em consonância com o contexto histórico, sendo que, na atualidade, está marcada pela fragilidade dos laços afetivos em decorrência das crescentes relações de consumo. Nesse cenário, constata-se que as relações afetivas estão cada vez mais rápidas e cristalizadas, sendo a dissolução dos vínculos relacionais do casal cada vez mais frequentes, pela separação ou por divórcio. Para Féres-Carneiro (1998), as características individualistas do casal contemporâneo podem, frequentemente, tornar o relacionamento frágil. Desse modo, a relação conjugal se manterá apenas enquanto for prazerosa e tiver “utilidade”. A hipervalorização dos espaços individuais pode significar a fragilidade da zona comum do relacionamento. Féres-Carneiro e Diniz Neto (2010), preconizam a necessi- dade de compreensão das problemáticas do casal, apontando as tensões da individualidade e da conjugalidade como forças para- doxais presentes na vivência do casal no contexto contemporâneo. Para tanto, demanda intenso investimento afetivo e temporal por parte dos cônjuges. Rolim e Wendling (2013), constatam que o processo de dissolução da conjugalidade, fato cada vez mais comum na atuali- dade, tem sido uma das principais demandas de procura de terapia no contexto clínico. Zimerman (2000), afirma ser cada vez maior a procura por terapia de casal, mencionando como principais motivos manifestos, a deterioração gradativa do relacionamento com problemas na comunicação, na sexualidade, e com os filhos.
  46. 46. 45 Corações Descartáveis Sumário De acordo com Féres-Carneiro (1994, p. 53) “a terapia de casal pode ser considerada como um caso particular de terapia familiar”. Assim, “o compromisso da terapia é com a promoção da saúde emocional dos membros do casal e não com a manutenção ou a ruptura do casamento. A rigidez estereotipia quase sempre caracteriza a patologia, enquanto a flexibilidade e a possibilidade de mudança apontam para a saúde”. Historicamente, o movimento que constituiu a terapia familiar tem a origem do seu nascimento nos Estados Unidos, a partir da metade do século XX, tendo como precursores psicanalistas que questionavam a eficácia de seu trabalho psicoterápico, influenciado pelas ciências sociais e o período pós-segunda guerra mundial. A partir desse período histórico, a família ganhou um status de um sistema vivo em movimento, um todo orgânico, enraizado no seu contexto cultural e social (MINUCHIN, 1982). Costa et al., (2017), indicam que a psicoterapia de casal vem sendo investigada, mesmo que de forma acanhada, há aproxima- damente quatro décadas, sendo que os primeiros estudos sobre terapia de casal encontrados na literatura científica datam da década de 1970. Nos anos 1980, foi produzido um número expressivo de estudos sobre terapia de casal na perspectiva comportamental. Nos anos 1990 e início dos anos 2000, foram produ- zidos estudos à luz da teoria cognitivo-comportamental (Terapia Conjugal Comportamental (BMT) e a Terapia Conjugal Cognitivo- comportamental (CBMT)) e da teoria sistêmica (Terapia Sistêmica Integrativa (IST) e a Terapia Focada na Emoção (EFT) (COSTA et al., 2017). Reitera-se que, a realização de estudos sobre a conjugali- dade em aspectos múltiplos, apresenta uma variedade da abor- dagem teórica, técnica e demanda que influencia no processo psicoterápico partindo das necessidades dos casais.
  47. 47. 46 Corações Descartáveis Sumário Nessa perspectiva, Pimentel (2003, p.19) aponta que do ponto de vista da Gestalt-terapia, no relacionamento entre cônjuges, cada parceiro vive no mundo apoiado, principalmente, na “capa- cidade de significar e de reconhecer o outro como um outro, com quem compartilha o mundo pela familiaridade e convívio”. Assim, o apoio disponibilizado de forma simultânea pelo casal está vinculado à qualidade e a quantidade de energia que eles aplicam no relacio- namento, o qual é visto como uma gestalt em constante processo de reorganização. Lemaire (1988), ao discutir a questão da conjugalidade, refuta o pressuposto da psicanálise clássica da existência de um sujeito completamente constituído, falando em seu próprio nome. Ele defende a tese de que não existe sujeito totalmente constituído e que a conjugalidade se constrói em torno das zonas mais mal definidas do eu de cada cônjuge. Assim, no casal, os indivíduos misturam suas fronteiras e, muitas vezes, a terapia conjugal é o meio privilegiado para o tratamento de pessoas mal individualizadas. Reitera-se que, segundo Andolfi, Angelo e Saccu (1995, p. 74) no que tange à conjugalidade “os psicanalistas tratam dos determi- nantes profundos (motivações, fantasias, situações relacionais do passado, que estão na base dos conflitos presentes)” dos casais. A formação da conjugalidade, na visão sistêmica, é um processo complexo, envolvendo diversos níveis do relacionamento e contextos que resultam na definição psicossocial de uma relação afetiva estável. Autores de estudos sobre família e casamento, como Berger e Kellner (1964), Féres-Carneiro (2008), Féres-Carneiro e Diniz Neto (2008) e Grandesso (2000), abordam a conjugalidade como um processo de construção de uma realidade comum. Com base nessa abordagem, cada parceiro, ao se engajar na relação a dois, experimenta uma reconstrução de sua realidade indivi- dual, criando referências comuns e uma identidade conjugal. Esta
  48. 48. 47 Corações Descartáveis Sumário relação é construída a partir de trocas verbais e não verbais entre os parceiros que coordenam suas ações recíprocas no universo social de significado, comprometendo-se com a construção de uma história comum, na qual as mudanças na pauta de ação de um dos cônjuges afeta o outro. Os estudos apresentados nessa pesquisa reafirmam a multi- plicidade e a complexidade dos tipos de família constituídos na contemporaneidade, demonstrando, por extensão, a fragilidade das relações que geram o rompimento, influenciadas pelo individu- alismo e o consumismo, tão recorrentes na sociedade contempo- rânea. Desse modo, os conflitos conjugais constituem-se situações reais que demandam do psicólogo, ponderações e estratégias para contribuir com a resolução dos conflitos que podem resultar na separação do casal, a partir da efetivação de técnicas específicas como a Psicoterapia. A Psicoterapia utiliza-se de técnicas específicas da Psicologia, tais como a sumarização positiva, o resumo, o enquadre e o ques- tionamento socrático como estratégias usadas para desafiar o modo de pensar do sujeito, que amplia e torna mais compreensível o processo de mediação. As estratégias demonstram a importância da escuta não nervosa, da interpretação do discurso velado, da linguagem corporal e não verbal (OLIVEIRA, 2010). Rangé (1995), explicita alguns comportamentos relevantes aos terapeutas, no que tange às habilidades que devem apresentar, considerando que a influência das características do terapeuta sobre o estabelecimento e a manutenção da relação terapêutica é inquestionável. Assim, o terapeuta saber fazer perguntas que faci- litarão a descoberta; ter habilidade para instruir, desafiar e reforçar os esforços do cliente de uma forma não superior, mas de recipro- cidade; ter habilidade para ouvir e observar de uma forma objetiva, porém empática; Fazer uso criterioso do humor; dar feedback apro-
  49. 49. 48 Corações Descartáveis Sumário priado, sumarizando o significado explícito e implícito do que foi falado pelo cliente; ser diretivo, inquisidor, e didático, entre outros. Rangé (1998), ressalta a importância do desenvolvimento e treinamento em habilidades como a estruturação e condução do processo terapêutico; técnicas de entrevista; técnicas de avaliação e formulação de casos e habilidades de questionamento para que o processo psicoterapêutico apresente resultados efetivos. No que tange às possibilidades de abordagem terapêutica utilizadas na psicoterapia, Nichols (2007) afirma que as teorias visam trazer ordem ao caos, organizando a consciência, ajudando a compreender o que as famílias estão fazendo. Assim, as várias perspectivas do campo da terapia familiar procuram nos auxiliar a entender a dinâmica familiar buscando modificar suas relações e comportamentos. Nos dias atuais, Grandesso (2008, p. 116) aponta que se vive na terapia familiar uma “multiplicidade de abordagens, tantas quantas forem os terapeutas em questão”. A autora indica que essa multiplicidade de abordagens não significa desordem, pois há uma coerência epistemológica que une as práticas pós-modernas de terapia, organizando, assim, a ação dos terapeutas. Pode-se dizer que tal coerência parte dos pressupostos: • O terapeuta é um co-construtor no sistema terapêutico, tendo uma ação conjunta com a família para solução de problemas; • O terapeuta deve ser o responsável pela organização da conversação terapêutica, mas a mudança só pode acontecer a partir da própria pessoa e de sua organi- zação sistêmica autopoiética; • A legitimação do saber local das pessoas e contextos;
  50. 50. 49 Corações Descartáveis Sumário • A concepção não-essencialista de self que passa a ser construído no contexto das relações; • A pessoa é autora de sua história e existência, respon- sável pelas suas escolhas, po-dendo criar e expandir suas possibilidades; • A ênfase nas práticas de conversação e nos processos de questionamentos como recursos de reflexão e mudanças, conforme o aumento da interação entre terapeuta e cliente. Independente no modelo terapêutico adotado pelo casal ressalta-se a relevância do vínculo terapêutico como instrumento facilitador de aspectos importantes no processo de mudança dos pressupostos comportamentais adotados pelo casal, tais como o aumento do valor reforçador do terapeuta, e a promoção de um maior engajamento na terapia, na modelação de comportamentos adequados, promovendo expectativas positivas para superar as adversidades. De-Farias (2010) e Guilhardi (2001) acreditam que o vínculo terapêutico não é apenas um meio facilitador para o processo de mudança, mas uma ferramenta importantíssima para se obter o resultado esperado. Rangé (1995) afirma que a relação terapêutica poderá exercer influência positiva se o terapeuta tiver participação efetiva no trata- mento, já que, tendo-se desenvolvido uma relação terapêutica posi- tiva, o cliente sente-se suficientemente confortável para fornecer as informações necessárias para a terapia. No tratamento do casal, o par em terapia deve sentir que pelo menos o terapeuta o respeita incondicionalmente no momento em que assume o risco de dizer algo pessoal, estabelecendo um clima de confiança para que as falas sejam evocadas.
  51. 51. 50 Corações Descartáveis Sumário Búrigo (2010) considera que a psicoterapia é o momento no qual os participantes se abrem para possibilidades até então inaces- síveis, e o terapeuta irá abrir este caminho através de seus recursos terapêuticos. Assim, na terapia de casal, o terapeuta tem a função de “ajudar seus clientes a revisar seus modelos de funcionamento do mundo do self” (BÚRIGO, 2010.p. 26). Portanto, o terapeuta deve promover uma comunicação aberta entre os membros, para poder compreender a opinião individual sobre o que é importante para a relação conjugal ou familiar. Épormeiodestacomunicaçãoaberta,queoterapeutairáco-construir com o casal, alternativas, seja para darem continuidade a um projeto de vida juntos, ou separados. Por isso, é necessário criar um espaço terapêutico colaborativo e reflexivo, no qual os cônjuges se sintam à vontade para abrir as bagagens que trouxeram para o casa-mento, bem como externalizar seus pensamentos, e auxiliar o casal a esta- belecer uma boa comunicação (BÚRIGO, 2010, p. 26). Costa et al., (2017), consideram na efetivação da psicote- rapia de casais a adoção das estratégias construtivas envolvem comunicação respeitosa, percepção do conflito como oportunidade de melhorar o relacionamento, clareza sobre a corresponsabili- dade dos cônjuges, autocontrole, flexibilidade, tolerância e a busca conjunta por uma solução satisfatória para o casal. Todos os atributos considerados essenciais para a efetivação de uma psicoterapia de casais construtiva não refletem as caracte- rísticas dos sujeitos e os casais na contemporaneidade, que adotam a postura de oposição ao apego, à estabilização e às renúncias. Bauman (2005) reforça esse entendimento quando considera que, para a grande maioria dos habitantes do líquido mundo moderno, o ato de cuidar da coesão, apegar-se às regras, agir de acordo com precedentes e manter-se fiel à lógica da continuidade, são parâme- tros que não constituem escolhas para o futuro.
  52. 52. 51 Corações Descartáveis Sumário A respeito do terapeuta Minuchin (2009, p. 30) considera: O terapeuta é um profissional da mudança, mas a mudança sempre encontra resistência: pela familiaridade com os caminhos já conhe- cidos, pela convicção da família sobre como as coisas são, pela tensão competitiva entre os “selfs em relação” que forma uma família e pelas demandas da mudança que os membros da família exercem uns sobre os outros. Partindo desse entendimento, Minuchin (2009) afirma que o terapeuta constitui-se um agente de mudança com atuação limitada, uma vez que as mudanças são a parte colaborativa dos membros do casal, não sendo um imperativo, mas uma opção deste, rompendo o que foi estabelecido como pressupostos no relaciona- mento conjugal. Assim, o terapeuta precisa integrar-se à família ao ponto de transmitir-lhes a esperança de que outros modos de estar em uma relação podem trazer benefícios como o conhecimento, alegria e satisfação. Machado (2012), salienta que o papel do terapeuta é o de ajudar os cônjuges a se reorganizarem, se estruturarem enquanto casal; para isso, faz uso de si mesmo, sendo um “encenador do drama familiar”, e aproveita o potencial de seus clientes, para a realização das mudanças. Ele exerce um papel ativo, sendo um agente de mudanças que favorecem a ampliação das flutuações do sistema. A atitude do terapeuta não é de observar o indivíduo isola- damente, tentando explicá-lo, mas sim participar de um processo ativo em que observa as interações entre os parceiros e os outros sistemas nos quais estão interagidos. Coelho Guimarães (2009), ressalta que o terapeuta que atende casais, precisa refletir sobre sua própria existência, traba- lhando seu papel enquanto terapeuta, pois sua vivência fará parte de todas as suas ações. Para colaborar com os outros, precisa ter um embasamento teórico e muita disposição. “A partir do momento que o terapeuta se dispõe a ouvir o outro, ele tem que entrar em
  53. 53. 52 Corações Descartáveis Sumário contato com ele mesmo, rever seus conteúdos internos, familiares, e a valorizar o que o outro está trazendo no momento” (COELHO GUIMARÃES, 2009, p. 8).
  54. 54. 53 Corações Descartáveis Sumário CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando os objetivos apresentados na presente pesquisa, reitera-se que eles foram alcançados com sucesso, por meio dos pressupostos teóricos que subsidiaram a discussão da temática da conjugalidade, em questão, imbricada por nuances como a constituição das relações conjugais, a influência do conceito da sociedade líquido moderna nas relações e o papel do psicólogo nesse entremeio. No que tange ao que foi registrado pela sociedade sobre o amor e a paixão constata-se que todos esses termos apresentam conotações específicas orientadas por perspectivas psicológicas, psicanalíticas, evolucionistas, biologicistas, considerando o recorte do período histórico em que estão inseridas. Assim, não existem definições absolutas para os relativos termos, mas, concepções construídas sobre a influência temporal, social, histórica e cultural de uma sociedade. Quanto às relações conjugais ressalta-se o papel que o casamento constituiu enquanto representação oficial da conjugalidade, estabelecido sobre os moldes da família patriarcal, identificando pontualmente os papéis atribuídos a homens e mulheres. Na modernidade, as relações conjugais vêm recebendo influências significativas da emancipação da mulher por meio do controle de natalidade e da sua entrada no mercado de trabalho,
  55. 55. 54 Corações Descartáveis Sumário causas conquistadas a partir dos movimentos feministas, e da ideologia do individualismo constituindo um homem com muitos atributos narcísicos. Desse modo, as relações conjugais na atualidade apre- sentam uma amplitude considerável de possibilidades, e uma vari- ável de continuidade, sendo que a pluralidade de formas conjugais é uma das características latentes da sociedade moderna. Assim, considerando que as relações conjugais da moderni- dade são permeadas pela descontinuidade e fragilidade da cons- tituição dos laços afetivos, tem-se em Bauman um entendimento profundo de como a mudança no foco da vida em sociedade passou por reconsiderações sobre as noções de tempo, espaço, tecnologia, trabalho, relação de consumismo vão influenciar a conjugalidade, reforçando a brevidade e a dissolução das relações. Ao conceituar a sociedade líquido moderna por sua fluidez, Bauman, considera que, na conjugalidade, a relação do homem com o consumismo remete aos vínculos afetivos constituídos por ele, em que pessoas são coisificados e comparadas a objetos inanimados, podendo ser descartadas, trocadas por uma versão mais recente, sendo que essas escolhas são baseadas pelo individualismo. As características de efemeridade, descartabilidade, fugaci- dade, aversão ao apego e à continuidade, foram enraizadas nas concepções da sociedade líquido moderna promovendo uma avalanche nas relações conjugais por meio das dissoluções das relações. Desse modo, o psicólogo encontra nesse entremeio de relações, um campo favorável para a sua atuação no sentido de prover ao casal o sentido de estarem juntos havendo de se consi- derar duas subjetividades, vencendo o individualismo exacerbado e a relação de consumismo que os obriga a descartar o que não é mais considerado útil.
  56. 56. 55 Corações Descartáveis Sumário O psicólogo enquanto profissional da mudança tem suas ações limitadas por sua clientela, considerando que suas práticas terapêu- ticas apresentarão resultados favoráveis para desenvolvimento do indivíduo e para a relação, demandando do casal uma mudança de postura frente aos motivos que acarretaram a procura pela terapia, bem como rompendo, com o modelo social e cultural imposto e repro- duzido de que deve-se descartar os objetos e as relações.
  57. 57. 56 Corações Descartáveis Sumário REFERÊNCIAS ANDOLFI, M. A crise do casal: uma perspectiva sistêmico-relacional (pp. 171-200). Porto Alegre: Artmed. 1995. AQUINO, T.A.V.; GOUVEIA, V.V; PATRÍCIO, K.S.C; SILVA, M.G.S.; BEZERRA, J.L.M; SOUZA JÚNIOR, V.B.; OLIVEIRA NETO, W.M. O Amor entre Jovens em Tempos de Ficar: Correlatos Existenciais e Demográficos. Psicologia: Ciência e profissão, 2012, v.32, nº 1, p. 112-125. ARAÚJO, C.; SCALON, C. Apresentação. Em Clara Araújo e Celi Scalon (Orgs.), Gênero, família e trabalho no Brasil, 7-13. Rio de Janeiro: FGV, 2005. BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1998. ______. Amor líquido – sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: ZAHAR, 2004. ______. Tempos líquidos. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007. ______. Sociedade Individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. ______. A vida em fragmentos: sobre a ética pós-moderna. Tradução Alexandre Werneck. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2011. ______. 44 cartas do mundo líquido moderno. Tradução: Vera Pereira. Jorge Zahar Editor Ltda. Edição eletrônica: julho 2011. ______. Identidade: entrevista a Benedito Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. ______. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
  58. 58. 57 Corações Descartáveis Sumário BERGER R.; KELLNER, E.Marriage and the construction of reality. Diógenes, 12, 1-24, 1964.      BERTHOUD, C. M. E.; BERGAMI, N. B. B. Família em fase de aquisição. In C. M. O.Cerveny; C. M. E. Berthoud (Eds.). Família e ciclo vital: nossa realidade em pesquisa (pp.47-75). 1997. BOTTOLI, C.; BÜRGER, R.B.; CASTRO, L.M.; FERRÃO, N. da R. Transformações da família nuclear para a família contemporânea: novas configurações. 5º Interfaces no fazer psicológico. Direitos humanos, Diversidade e Diferença. UNIFRA. BOZON, M. Sexualidade e conjugalidade: a redefinição das relações de gênero na França contemporânea. Cadernos Pagu, 20, 131-156, 2003. BRAZ, A. L. N. Reflexões sobre as origens do amor no ser humano. Psicologia para América Latina, 5, recuperado em agosto de 2006. BRASIL. Presidência da República. Lei nº 4119, de 27 de agosto de 1962. Dispõe sobre a formação em Psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. Boletim de Psicologia, 14(44), 71-76, 1962. ______. Presidência da República. Lei nº 5.766 de 20 de dezembro de 1971. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências. Brasília, 20 de dezembro de 1971. ______. Resolução CFP n.º 013/2007. Institui a Consolidação das Resoluções relativas ao Título Profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre normas e procedimentos para seu registro. 2007. BURIASCO, S. A nova figura paterna. Vitória, ES, 2011. Disponível em: <http://konvenios.com.br/conteudo.php?codItem=20706>.Acesso em marco de 2017. BÚRIGO, M.V.A. Terapia de casal: Uma visão Sistêmica. Florianópolis. 2010. BUSS, D. Love acts: The evolutionary biology of love. In R. J. Sternberg; M. L. Barnes (Eds.), The psychology of love (pp. 100-118). New Haven, CT: Yale University Press. 1988. CANO, D.; GABARRA, L.; MORÉ, C.; CREPALDI, M. As transições familiares do divórcio ao recasamento no contexto brasileiro. Psicologia: Reflexão Crítica, v. 22, n. 2. Porto Alegre, 2009.
  59. 59. 58 Corações Descartáveis Sumário CARAMASCHI, S. Ficar ou namorar: intimidade sexual e intimidade emocional em conflito. 2007. Recuperado em 07 de março, 2007, de www. faac.unesp.br/pesquisa/nos/ novos_textos/b/ficar.htm. Acesso em marco de 2017. CARVALHO, A. M. A., POLITANO, I.; FRANCO, A. L. E. S. Vínculo interpessoal: uma reflexão sobre diversidade e universalidade do conceito na teorização da psicologia. Estudos de Psicologia, 25(2), 233-240.2008. CECCARELLI, P. R. Novas configurações familiares: Mitos e Verdades. Jornal de Psicanálise, São Paulo, v.40, n.72, p. 89-102, jun. 2007. CHAVES, J. Contextuais e Pragmáticos: Os relacionamentos amorosos na pós-modernidade. 2004, 212 f. Teses da UFRJ, Rio de Janeiro, 2004. CHAVES, J. F. As percepções de jovens sobre os relacionamentos amorosos na atualidade. Psicologia em Revista, v. 16, n1, p. 28-46. 2010. CHAVES, R. O significado do sentimento de amor na contemporaneidade: a perspectiva da mulher. 26 f. TFG (Trabalho final de graduação) – Curso de Psicologia, Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS, 2011. CIGOLI, V. O rompimento do pacto: tipologia do divórcio e rituais de passagem. In M. Andolfi (Ed.). A crise do casal: uma perspectiva sistêmico-relacional (pp. 171-200). Porto Alegre: Artmed. 2002. COELHO, S.V. Abordagens psicossociais da família. In: AUN, JulianaGontijo; VASCONCELLOS, Maria José Esteves de; COELHO, Sônia Vieira. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: fundamentos teóricos e epistemológicos. 2º edição. Belo Horizonte: Ophicina de Arte e Prosa, 2006. p. 143 – 233. COELHO GUIMARÃES, K.A. A Dificuldade de Comunicação do Casal. Rio de Janeiro: PUC- Rio, 2012. COSTA, G. P. Conflitos da vida real. Porto Alegre: Artes Médicas.1997. COSTA, C.B.; DELOTORRE, M.Z.; WAGNER, A.; MOSMANN, P.C. Terapia de Casal e Resolução de Conflitos. Psicologia: Ciência e Profissão Jan/ Mar. 2017 v. 37 n°1, 208-223.2016.
  60. 60. 59 Corações Descartáveis Sumário CRUZ, R.M. Formação científica e profissional em Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão jan/mar. 2016, Vol.36 Nº 1, 3-5. doi: 10.1590/1982- 3703003512016. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pcp/v36n1/1982- 3703-pcp-36-1-0003.pdf. Acesso em março de 2017. DALBÉRIO, O. A família e sua constituição social. In: JOSÉ FILHO, M.; DALBÉRIO, O. Família: conjuntura, organização e desenvolvimento. Franca: UNESP-FHDSS, 2007. DE-FARIAS, A. K. C. R. Por que “análise comportamental clínica?”: Uma introdução ao livro. Em A. K. C. R. de-Farias (Org.), Análise Comportamental Clínica: aspectos teóricos e estudo de caso (pp. 19-29). Porto Alegre: Artmed. 2010. DIAS, D.M.T.; SILVA, R.B. As Relações de Trabalho na Sociedade Líquido- Moderna: Desafios para Psicologia Organizacional e do Trabalho. 15º Encontro Regional Sul da ABRASCO. O clamor das ruas: As demandas sociais e as práticas da Psicologia Social, 24 a 26 de setembro de 2014. Disponível em: http://www.encontroregionalsul2014.abrapso.org.br/ resources/anais/13/1409014384_ARQUIVO_ABRAPSO-AsrelacoesdeTraba lhonaSociedadeLiquido-Moderna.pdf. Acesso em marco de 2017. DIAS, M.B.; SOUZA, I.M.C.C. Famílias modernas: (inter) secções do afeto e da lei. Disponível em http://www.iuspedia.com.br. Acesso em marco de 2017. DINIZ, G. Conjugalidade e violência: reflexões sob uma ótica de gênero. Em Terezinha Féres-Carneiro (Org.), Casal e família: conjugalidade, parentalidade e psicoterapia, 11-26. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. DINIZ-NETO, O. D.; FÉRES-CARNEIRO, T. Psicoterapia de casal na pósmodernidade: rupturas e possibilidades. Estudos de Psicologia, Campinas, v.22, n 2, p.133-141. 2005. DUTRA, E. Considerações sobre as significações da Psicologia clínica na contemporaneidade. Estudos em Psicologia, v. 9, n. 2, pp. 381-387, 2004. FALCKE, D.; ZORDAN, E. Amor, casamento e sexo: opinião de adultos jovens solteiros. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v.62, n 2, p.143-155. 2010. FÉRES-CARNEIRO, T.; DINIZ-NETO, O. D. Construção e dissolução da conjugalidade: padrões relacionais. Paidéia, v.20, n 46, p.269-278, 2010.
  61. 61. 60 Corações Descartáveis Sumário FÉRES-CARNEIRO, T.; DINIZ-NETO, O. De onde viemos? Uma revisão histórico conceitual da terapia de casal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24, 487-496, 2008. FÉRES-CARNEIRO, T. Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. 1988. Psicologia: Reflexão e Crítica. 11. 2. 379-394. Recuperado em 22 out 2008: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid= S0102- 79721998000200014&lng=&nrm=isso. Acesso em marco de 2017. ______. Diferentes abordagens em terapia de casal: uma articulação possível? nº 02. Temas em Psicologia. 1994. FERRY, L. Aprender a viver: filosofia para os novos tempos. Rio de Janeiro: Objetiva. 2007. ______. (1998a). Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(2), 379-394, 1998a. ______. Clínica da família e do casal: tendências da demanda contemporânea. Interações, Estudo e Pesquisa em Psicologia, 6(3), 23-32, 1998b. FÉRES-CARNEIRO, T.; ZIVIANI, C. Conjugalidades contemporâneas: um estudo sobre os múltiplos arranjos amorosos da atualidade. Em Terezinha FéresCarneiro (Org.), Casal e família: permanências e rupturas, 83-107. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009. FÉRES-CARNEIRO, T.; ZIVIANI, C.; MAGALHÃES, A. S. Arranjos amorosos contemporâneos: sexualidade, fidelidade e dinheiro na vivência da conjugalidade. Em Terezinha Féres-Carneiro (Org.), Casal e família: conjugalidade, parentalidade e psicoterapia, 43-59. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. FONTENELE-MOURÃO, T.M. Mulheres no topo de carreira: Flexibilidade e persistência. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para Mulheres, 2006. 92p. FOUCAULT, M. História da sexualidade III: o cuidado de si: Rio de Janeiro: Graal, 2002. p. 79-87, 152-165.
  62. 62. 61 Corações Descartáveis Sumário FRAGOSO, T.O. Modernidade líquida e liberdade consumidora: o pensamento crítico de Zygmunt Bauman. In: Revista Perspectivas Sociais, Pelotas, Ano 1, N. 1, p. 109-124, março/2011. FRANCO, B. E. R.; ARAGÓN, R. S. Construcción y validación de una escala para medir adicción al amor en adolescentes. Enseñanza e Investigación en Psicología, v10, p.127-141. 2005. FRANKL, V. E. Psicoterapia e sentido da vida. São Paulo: Quadrantes.1989. ______. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Petrópolis, RJ: Vozes / Sinodal. 1994. FREUD, S. O mal-estar na civilização. In S. Freud, Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Traduzido por J. Salomão, v. 21, p. 81-171. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1929). 1974. FROMM, E. A arte de amar. Belo Horizonte, MG: Itatiaia.1966. GRANDESSO, M. A. Sobre a reconstrução do significado: Uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. ______. Desenvolvimentos em terapia familiar: das teorias às práticas e das práticas às teorias. In: Manual de Terapia Familiar. Porto Alegre: Artmed, 2008. GIDDENS, A. The Transformation of Intimacy: Sexuality, Love and Eroticism in Modern Societies. Oxford, Polity, 1992, p.58, 137. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007. GOMES, S. A Crise da Masculinidade: uma critica a identidade de gênero e a literatura masculinista. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília-DF, v 01, p. 118-131,2006. GUILHARDI, H. J. Com que contingências o terapeuta trabalha em sua atuação clínica? Em R. A. Banaco (Org.), Sobre o comportamento e cognição: Vol. 1. Aspectos teóricos, metodológicos e de formação em Análise do Comportamento e Terapia Cognitivista, p. 287-300. Santo André: ARBytes.2001.
  63. 63. 62 Corações Descartáveis Sumário HERNANDEZ, J. A. E.; OLIVEIRA, I. M. B. Os componentes do amor e a satisfação. Psicologia: Ciência e Profissão, v23, p.58-69. 2003. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE. Estatísticas do Registro Civil, 2014. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/pesquisas/estudos_especiais.php. Acesso em marco de 2017. JABLONSKI, B. Atitudes e expectativas de jovens solteiros frente à família e ao casamento: duas décadas de estudo. Em Terezinha Féres-Carneiro (Org.), Família e casal: saúde, trabalho e modos de vinculação, 109-134. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009. JABLONSKI, B. O país do casamento segundo seus futuros habitantes: pesquisando atitudes e expectativas de jovens solteiros. Em Terezinha Féres-Carneiro (Org.), Casal e família: conjugalidade, parentalidade e psicoterapia, 27-42. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. JESUS, J. S. O. Ficar ou namorar: um dilema juvenil. PSIC. Revista Psicológica da Vetor Editora, v 6, p.67-73. 2005. JUSTO, J. S. O ficar na adolescência e paradigma de relacionamentos amorosos da contemporaneidade. 2007. Recuperado em 07 de março de 2007. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rdpsi/v17n1/v17n1a05.pdf. Acesso em março de 2017. LEMAIRE, J. Du je au nous, ou du nous au je? Il n’y a pas de sujet tout constitué. Dialogue: recherches cliniques et sociologiques sur le couple et la famille, 102, 72-79.1988. MACHADO, L. M. Satisfação e insatisfação no casamento: Os dois lados de uma mesma moeda? Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2007. MACHADO, M. Compreender a terapia familiar. Portugal – 2012 MARTINS-SILVA, P. O., TRINDADE, Z.A.; SILVA JUNIOR, A. Teorias Sobre o Amor no Campo da Psicologia Social Psicologia: ciência e profissão, 2013, volume 33, nº1, p.16-31. MAY, R. Amor e vontade: eros e repressão (Á. B. Weissenberg, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.1992.

×