SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 86
Amor & Afectos
XXI Cursos Internacionais
de Verão de Cascais
Direcção: Professor José Tengarrinha
Centro Cultural de Cascais
Cascais, Portugal
23 a 28 de Junho de 2014
Amor & Diversidade
UM, DOIS & A MULTIDÃO:
Ofélia Queiroz e seus múltiplos amores
com Fernando Pessoa &
Companhia
Prof. Doutor Vincenzo Di Nicola
Centro Cultural de Cascais
Cascais, Portugal
28 de Junho de 2014 – 17.00h
Amor & Diversidade
UM, DOIS & A MULTIDÃO:
Ofélia Queiroz e seus múltiplos amores
com Fernando Pessoa &
Companhia
Professor Doutor Vincenzo Di Nicola
Universidade de Montreal
Agradecimentos
• ICES – Instituto de Cultura
e de Estudos Sociais
• Prof. José Tengarrinha, ICES
• Dra. Ana Gomes, SPTF –
Sociedade Portuguesa de
Terapia Familiar
• Dra. Maria de Lurdes
Bettencourt, ICES
• Centro Cultural de Cascais,
Carla Pato e Filipa Aguiar
Photo : Arsinée Donoyan
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Costurar três coisas ...
Biografia e crítica literária
— Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz
Psicologia do amor e terapia relacional
Filosofia do evento
Nos duo turba sumus.
—Ovid, Metamorphoses
Nos dois formamos
uma multidão.
—Oviedo, Metamorfoses
—José Saramago
O Ano da Morte de Ricardo Reis
(citando Camões)
Onde a terra se acaba
e o mar começa.
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Fernando Pessoa
Nasceu em Lisboa
13 de Junho de 1888
Fernando
Pessoa
1888-1935
Fernando
Pessoa
• Em 29 de Novembro de 1935 foi internado no
Hospital São Luis dos Franceses
com diagnóstico de cólico hépatico
• Morreu no dia seguinte, ás 20.30 da noite
30 de Novembro de 1935
Fernando
Pessoa
Fernando
Pessoa
1888-1935
Fernando
Pessoa
1888-1935
Fernando
Pessoa
1888-1935
Fernando
Pessoa
1888-1935
Fernando
Pessoa
&
Ofélia
Queiroz
Fernando Pessoa & Ofélia Queiroz
Fernando
Pessoa
1888-1935
Fernando Pessoa & Ofélia Queiroz
Fernando
Pessoa
1888-1935
Fernando Pessoa
Fernando
Pessoa
Ofélia Queiroz
(ou Ophélia Queirós)
Nasceu 14 de Junho de 1900 em Lisboa
Faleceu em 1991
Suas cartas para Fernando foram publicadas em
1996
Duas fases do namoro:
• 1 de Maio a 29 de Novembro de 1920
• 11 de Setembro de 1929 a 11 de Janeiro de 1921
Sympósio – Casa Fernando Pessoa – 2012
No encontro entre Pessoa e a psiquiatria,
a psiquiatria tem mais a aprender de
Pessoa do que a psiquiatria pode nos
ensinar sobre Pessoa.
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
“A somática da saudade”
de: Um Estranho Na Família
Hoje sou a saudade imperial
Do que já na distância de mim vi ...
Eu próprio sou aquilo que perdi ...
—Fernando Pessoa
Passos da Cruz. VI
“After Fernando”
Depois do Fernando
Escrito em Setembro de 2004 para um concurso de escrever
um romance em 3 dias. Publicado em 2012.
• Um “sonho ficcional” sobre a vida de Ophélia Queiroz
depois da morte do poeta Fernando Pessoa em 1935 quando
ele estava com 47 anos e ela com 35
• Ela sobreviveu por mais de 50 anos, falecendo em 1991
• Sabemos que na vida ela se casou, mas para simplificar
minha conta, eu imagino ela muito velha, vivendo sozinha
com as suas memórias do Fernando
O desejo distribuído
Nos dois formamos
uma multidão.
—Oviedo, Metamorfoses
“After Fernando”
Depois do Fernando
• Quando um jovem estrangeiro aparece na sua porta em
Lisboa, Ophélia o leva a uma jornada de um “dia perfeito”,
que ela estava tricotando na sua “sala de memórias” com os
poemas e as cartas do quarteto heteronómico de Fernando
Pessoa
Fernando
Pessoa
“After Fernando”
Depois do Fernando
Tarde Norte – Sintra Alberto Caeiro Verão
Anoitecer Oeste – Brasil Ricardo Reis Outono
Madrugada Sul – Africa do Sul Fernando Pessoa Inverno
Amanhecer Leste – Suez Álvaro de Campos Primavera
A mãe de Fernando falava com ele em francês
desde a infância
Perdeu o pai com 5 anos
A mãe casou-se de novo
Mudaram de país, de lingua e de cultura
enquanto Fernando era criança de 7 anos
Voltou a Lisboa um jovem de 17 anos
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Fernando Pessoa —
“Um mutante cultural”
(Um Estranho na Família, 1998;
Sympósio na Casa Fernando Pessoa, 2012)
Um ser limiar, vivendo “na soleira” entre
mundos, línguas, sentimentos e identidades
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Um Estranho na Família
Cultura, Famílias e Terapia
—Fernando Pessoa/Bernardo Soares
O Livro do Desassossego
Lembro-me de repente de quando era
criança, e via, como hoje não posso ver,
a manhã raiar sobre a cidade. Ela então
não raiava para mim, mas para a vida,
porque então eu (não sendo consciente)
era a vida. Via a manhã e tinha alegria;
hoje vejo a manhã, e tenho alegria, e
fico triste. A criança ficou mas
emudeceu.
—Fernando Pessoa/Bernardo Soares
O Livro do Desassossego
Sim, outrora eu era ja daqui; hoje, a cada
paisagem, nova para mim que seja,
regresso estrangeiro, hóspede e peregrino
da sua presentação, forasteiro do que
vejo e ouço, velho de mim.
—Victor Turner, The Ritual Process (1969)
Os atributos da liminaridade ou das
personae liminares (pessoas que estão num
limiar, na soleira) são necessariamente
ambíguos, uma vez que essa condição e
essas pessoas escapam ou escorregam da
rede de classificações que normalmente
localiza estados e posições intermediária
entre as posições designadas e
organizadoras pela lei, costumes,
convenções e cerimônias. Como tal, seus
atributos ambíguos e indeterminados são
expressos por uma rica variedade de
símbolos nas muitas sociedades que
ritualizam as transições sociais e culturais.
Sem a metáfora da memória e história, nós
não podemos imaginar … o que é ser uma
outra pessoa. A metáfora é o agente
recíproco, a força universalizadora que torna
possível imaginar o coração do estranho.
— Cynthia Ozick
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
• Sobre um trilho, tentamos de ser
indivíduos, diferenciando-nos de
nossos pais e famílias e das regras e
conformidades da sociedade
• Sobre um outro trilho, perseguimos o
amor, tentando de nos completar e
cumprir-nos nas relações
com outros
Dois Trilhos paralelos
Sobre um trilho, tentamos de ser indivíduos, diferenciando-nos de nossos
pais e famílias e das regras e conformidades da sociedade …
O self, o eu – dois temas
1. “O eu dividido”
2. “O desejo distribuido”
O trilho individual
O Eu dividido
Je est un autre.
Eu é um outro.
—Arthur Rimbaud, poeta
O self, o eu – dois temas …
1.“O eu dividido”
• RD Laing, The Divided Self (1960)
• Diferenciação, indivíduação X integração –
Carl Jung, Guy Corneau
O Eu dividido
O Eu dividido
Nascemos três vezes na nossa vida:
nascemos de nossas mães,
nascemos de nossos pais,
e finalmente nascemos de nosso ser mais profundo.
—Guy Corneau,
Pais ausentes, filhos perdidos
O self, o eu – dois temas …
2. “O desejo distribuído”
• Bernardo Soares –
“Cada um de nos é dois …”
• Sigmund Freud –
“Tem seis pessoas na cama …”
O Desejo distribuído
O desejo distribuído
Cada um de nós é dois, e quando
duas pessoas se encontram,
se tornam íntimas e estão ligadas,
é extremamente raro que as quatro
possam estar em acordo.
—Fernando Pessoa/Bernardo Soares
O Livro do Desassossego
O desejo distribuído
Tem seis pessoas na cama
de cada casal.
—Sigmund Freud
Sobre um outro trilho, perseguimos o amor, tentando de nos
completar e cumprir-nos nas relações com outros …
O Self-em-relação, o self relacional
Como nos preparamos para entrar nas relações com
outros?
1. A escolha do parceiro – diferenciação da família de
origem
2. A capacidade relacional – nivel de adaptação
O Trilho relacional
• Seguimos esses trilhos, às vezes em
paralelo, às vezes em conflito,
divergentes e alienados, mas para os
felizes da vida, esses trilhos vêm
juntos para criar vidas cheias,
cumpridas e produtivas
Dois trilhos paralelos
• Para isto acontecer, em vez da visão
romântica em que dois sejam um
cumprimentando ao outro, um deve se
cumprir-se a si mesmo para tornar-se
dois
• Isto é o amor: A cena de dois
• E daí, desse encontro, algo mais surge –
não só dois indivíduos, mas uma relação
e mais – o múltiplo: a família, a
comunidade e a sociedade
Amor: A cena de dois
—Tony Kushner
A menor unidade humana indivisível
são duas pessoas, não uma;
uma é uma ficção.
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
A matemática da psicologia humana
enfim é essa:
• Somos um ou somos muitos
• Portanto um é uma ficção, pois um se
divide em dois
• Porém esse dois cria uma relação,
fora de si, além da soma de dois,
e cria um terceiro e mais –
muitos, ou o múltiplo
Psicologia relacional
Turku, Finlândia Photo : V Di Nicola
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
1914 – cem anos atrás …
• Mario de Sá Carneiro chega a Lisboa de Paris
• 8 de Março – o dia triunfal …
• surge Alberto Caiero e em seguinte, rapidamente –
Alvaro de Campos e Ricardo Reis e Fernando Pessoa mesmo,
voltando por assim dizer, para afirmar e confirmar a sua
existência contra a sua não-existência como Alberto Caeiro
• 30 poemas de uma vez!
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
—Ignazio Silone
Nos damos a cada pessoa
o direito de contar sua história
à sua propria maneira.
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Extremamente curioso o que diz sobre o
seu desdobramento em várias personagens
– e o sentir-se mais elas, às vezes
do que Você próprio.
—Mário de Sá Carneiro
Cartas a Fernando Pessoa.
Lisboa, Edições Ática, 1958, Vol. 1, p. 183
Podemos imaginar o dia triunfal na vida de
Fernando Pessoa – 8 de Março de 1914 –
aquela noite quando Alberto Caiero surgiu
numa explosão de criatividade e criação
Esta foi uma ruptura – um evento
que mudou a vida dele
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Toda a obra de Pessoa é a busca de
identidade perdida.
—Octavio Paz
El Desconocido de Si Mesmo –
Fernando Pessoa. Madrid, Alianza
Editorial, 1983.
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Mário de Sá Carneiro
Carneiro
Ca(rn)eiro
Alberto Caeiro
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Que nós vemos das cousas são as cousas.
Por que veríamos nós uma cousa se houvesse outra?
Por que é que ver e ouvir seria iludirmo-nos
Se ver e ouvir são ver e ouvir?
O essenical é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê
Nem ver quando se pensa.
Mas isso (tristes de nós que trazemos a alma vestida!),
Isso exige um estudo profundo,
Uma aprendizagem de desaprender
– Alberto Caiero
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Quem esta ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
Do todos os filósofos e de todos os poetas.
– Alberto Caiero
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Philosophy has yet to become worthy
of Pessoa.
—Alain Badiou
Handbook of Inaesthetics
A filosofia ainda não é digna de Pessoa.
Ainda não esta em grau de entender
Pessoa.
A poesia de Fernando Pessoa abre janelas …
casas … mundos inteiros
E como o evento, ela não pode ser prevista
ou entendida pelos elementos que a constitui
Quem faz um poema abre uma janela.
—Mario Quintana
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Três aspectos do evento
(segundo Alain Badiou)
 Viver uma experiência
 Nomear esta experiência “evento”
 Ter fidelidade ao evento
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
É precisamente a fidelidade
ao evento que cria um sujeito
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
A fidelidade de Pessoa à sua arte
criou dele um sujeito
Tanto que o evento da sua vida
criou múltiplos sujeitos –
uma verdadeira multidão –
dentro de si
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Imagina a reação da Ofélia
em saber que o evento da vida do
seu namorado e o que ele valoriza
mais que tudo na vida não seja ela,
nem a família, nem seu trabalho,
mas a sua vocação de poeta
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia
Ophélinha: – 1.3.1920. Fernando Pessoa
Meu amorzinho, meu Bébé querido: …
Ai, meu amor, meu Bébé, minha bonequinha, quem te
tivesse aqui! Muitos, muitos, muitos, muitos beijos do
teu, sempre teu, Fernando
19.3.1920, às 9 de manhã. Meu querido amorzinho: …
Adeus, meu anjinho bébé. Cobre-te de beijos cheios de
saudade o teu, sempre, sempre teu, Fernando
Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia
19/3/1920, Meu Bébé pequinino (a atualmente muito
mau): … Fernando
Meu Bébé, meu Bébézinho querido: … Muitos, muitos
beijos do teu, sempre teu, mas muito abandonado e
desolado 20(?)/3/1920. Fernando
Meu Bébé pequeno e rabino: … Um beijo só durando
todo o tempo que ainda o mundo tem que durar, do teu
sempre, sempre e muito teu Fernando (Nininho).
Lisboa, 27 de Novembro de 1920
Fernando
Há já quatro dias que não me aparece ao menos se digna escrever-me.
Sempre a mesma forma de proceder.
Vejo que não faço nada de si, porque compreendo perfeitamente que é
para me aborrecer que assim procede, que me terá mesmo chamado
parva algumas vezes.
Como Fernando não tem motivos para acabar, procede então da forma
que procede. Pois bem eu assim não estou resolvida a continuar.
Não sou o seu ideal, compreendo-o claramente, unicamente o que
lastimo é que só quase ao fim de um ano o Sr. o tenha compreendido.
Porque se gostasse de mim não procedia como procede, pois que não
teria coragem.
Os feitios contrafzem-se. O essencial é gostar-se.
Está a sua vontade feita. Desejo-lhe felicidades
Ofélia
Ophelinha:
Quanto a mim …
O amor passou. Mas conservo-lhe uma afeição inalteravel, e
não esquecerei nunca – nunca, creia – nem a sua figurinha
engraçada e os seus modos de pequeninha, nem a sua
ternura, a sua dedicação, a sua indole amoravel. Pode ser
que me engane, e que estas qualidades, que lhe attribúo,
fossam uma illusão minha; mas nem creio que fossem, nem, a
terem sido, seria desprimor para mim que lh’as attribuisse.
Não sei o que quer que lhe devolva – cartas ou que mais. Eu
preferia não lhe devolver nada, e conservar as suas cartinhas
como memoria viva de um passado morto, como todos os
passados; como alguma cousa de commovedor numa vida,
como a minha, em que p progresso nos annos é par do
progresso na infelicidade e na desillusão.
Peço que não faça como o gente vulgar, que é sempre
reles; que não me volte a cara quando passe por si, nem tenha
de mim uma recordação em que entre o rancor. Fiquemos, um
perante o outro, como dois conhecidos desde a infancia, que se
amaram um pouco quando meninos, e, embora a vida adulta
sigam outras affeições e outros caminhos, conservam sempre,
num escaninho da alma, a memoria profunda do seu amor
antigo e inutil.
Que isto de “outras affeições” e de “outros caminhos” é
consigo, Ophelinha, e não commigo. O meu destino pertence a
outra Lei, de cuja existencia a Ophelinha nem sabe, e está
subordinado cada vez mais á obediência a Mestres que não
permittem e não perdoam.
Não é necessario que comprehenda isto. Basta que me
convserve com carinho na sua lembrança, como eu,
inalteravelmente, a conservarei na minha.
Fernando
29/XI/1920
Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia
Pequinina:
Estas palavras são de um individuo, que, aparte ser
P pessoa, se chama preliminaramente
Fernando
14/9/1929
Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia
Ora a minha Vespa, que alias será vespa
mas não minha …
A minha (?) pequena Vespa gosta realmente de mim? …
Vespa que não é minha …
Queria ir, ao mesmo tempo, á India e a Pombal.
Curiosa mistura, não é verdade? Em todo o caso é só parte
da viagem.
Recorda-se desta geographia, Vespa
vespissima?
Fernando
24/9/1929
Exma. Senhora D. Ophelia Queiroz:
Um abjecto e miseravel individuo chamado Fernando Pessoa,
meu particular e querido amigo, encarregou-me de communicar a V.
Ex.a
– considerando que estado mental d’elle o impede de communicar
qualquer coisa, mesmo a uma ervilha secca (exemplo da obediencia e
da disciplina) – que V. Ex.a
está prohibida de:
(1) Pesar menos grammas,
(2) comer pouco,
(3) não dormir nada,
(4) ter febre,
(5) pensar no individuo em questão.
…
Cumprimenta V. Ex.a
Alvaro de Campos
eng. naval
25/9/1929
ABEL
Ex.mo
Senhor
Engenheiro Álvaro de Campos
Permite–me que discorde por completo com a primeira parte
da sua carta, porque, nem posso consentir que Va Exa trate o Ex.mo Sr.
Fernando Pessoa, pessoa que muito prezo, por abjecto e miserável
indivíduo nem compreendo que, sendo seu particular e querido amigo
o possa tratar tão desprimorosamente.
Como vê estamos sempre em completa desarmonia, nem podia
deixar de ser, pedindo-lhe por especial fineza, que não volte a
escrever-me.
Quanto às observações que me faz, como foram ditadas pelo
Sr. Fernando Pessoa, farei quanto em mim caiba por lhe ser agradável.
Agradeço o conselho que me dá, mas já que me puxa pela
lingua, deixe-me dizer-lhe que quem eu de boa vontade há muito
tempo teria, não deitado na pia, mas debaixo dum comboio, era Va
Exa
.
Esperando não o tornar a ler, subscreve-se com respeito a
25-9-929
Ofélia Queiroz
9.10.1929
Terrivel Bébé:
Gosto das suas cartas, que são meiguinhas, e tambem gosto
de si, que é meiguinha tambem. E é bonbon, e é vespa, e é mel,
que é das abelhas e nèao das vespas, e tudo está certo, e o Bébé
deve escrever-me sempre, mesmo que eu não escreva, que é
sempre, e eu estou triste, e sou maluco, e ninguem gosta de mim, e
tambem porque é que havia de gostar, e isso mesmo …
… e porque é que a Ophelinha gosta de um meliante e de um
cevado e de um javardo e de um individuo com ventas de contador
de gaz e expressão geral de não estar alli mas na pia da casa ao
lado, exactamente, e enfim, e vou acabar porque estou doido, e
estive sempre, e é da nascença, que é como quem diz desde que
nasci, e eu gostava que a Bébé fôsse uma boneca minha, e eu fazia
como uma crença, despia-a, e o papel acaba aqui mesmo, e isto
parece impossivel ser escripto por um ente humano, mas é escripto
por mim
Fernando
Ilusão e realidade,
homem e mulher
Diálogo do discípulo e a mestre:
Vincenzo: Mas o poder é uma ilusão,
professora ...
Mara Selvini Palazzoli: O poder pode ser
uma ilusão mas a luta pelo poder é
uma realidade.
Fernando
Pessoa
1888-1935
—José Saramago
O Ano da Morte de Ricardo Reis
(invertendo Camões)
Aqui o mar acaba
e a terra principia.
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Saramago queria enterrar Ricardo Reis e o último livro de
poesia incompleta dele. Ele queria enterrar Fernando
Pessoa e a sua obra.
Eu quero dar ainda mais vida a todos os raios que ainda
surgem daquele “baú cheio de gente” – como Antonio
Tabucchi disse – sem fim que é Fernando Pessoa &
Companhia
Aqui o mar acaba e a terra principia.
—José Saramago
“Here, where the sea ends and the earth awaits.”
(… a terra espera)
Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
Agradecimentos
• ICES – Instituto de Cultura
e de Estudos Sociais
• Prof. José Tengarrinha, ICES
• Dra. Ana Gomes, SPTF –
Sociedade Portuguesa de
Terapia Familiar
• Dra. Maria de Lurdes
Bettencourt, ICES
• Centro Cultural de Cascais,
Carla Pato e Filipa Aguiar
Photo : Arsinée Donoyan
Referências Bibliográficas
Badiou, Alain. Handbook of Inaesthetics (trans. Alberto Toscano). Stanford, CA:
Stanford University Press, 2005.
Badiou, Alain. “Manifesto of affirmationism.” lacanian ink, volume 24/25, Spring
2005.
Balso, Judith. Pessoa, Le Passeur Métaphysique. Paris, Éditions du Seuil, 2006.
Tradução por Drew Burk: Pessoa, The Metaphysical Courrier. New York &
Dresden, Atropos Press, 2011.
Bréchon, Robert. Étrange Étranger: Une Biographie de Fernando Pessoa. Paris,
Christian Bourgois. 1996.
Di Nicola, Vincenzo. Um Estrahna na Família: Cultura, Famílias e Terapia.
Tradução por Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre, Artes Médicas,
1998.
Di Nicola, Vincenzo. “After Fernando.” The Unsecured Present: 3-Day Novels &
Pomes for Pilgrims. New York & Dresden, Atropos Press, 2012.
Referências Bibliográficas
Monteiro, George (Ed.). The Man Who Never Was: Essays on Fernando Pessoa.
Providence, RI, Gávea-Brown Publications, 1981.
Nogueira, Manuela e Maria de Conceição Azevedo. Cartas de Amor de Ofélia a
Fernando Pessoa. Lisboa, Assírio & Alvim, 1996.
Paz, Octavio. El Desconocido de Si Mesmo – Fernando Pessoa. Madrid, Alianza
Editorial, 1983.
Pessoa, Fernando. Cartas de Amor. Introdução e seleção de Walmir Ayala. Rio de
Janeiro, Ediouro Publicações.
Sa Carneiro, Mario de. Cartas a Fernando Pessoa. Lisboa, Edições Ática, 1958.
Saraiva, Mário. O Caso Clínico de Fernando Pessoa. Post-fácio do Prof. Doutor
Luís Duarte Santos. Lisboa, Edições Referendo.
Tabucchi, Antonio. Un Baule Pieno di Gente: Scritti su Fernando Pessoa. Milano,
Feltrinelli, 1990.
Turku, Finlândia Photo : V Di Nicola

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (16)

Jornal Mente Ativa 16
Jornal Mente Ativa 16Jornal Mente Ativa 16
Jornal Mente Ativa 16
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Nostalgia de infância - Fernando Pessoa
Nostalgia de infância -  Fernando PessoaNostalgia de infância -  Fernando Pessoa
Nostalgia de infância - Fernando Pessoa
 
A hora da estrela
A hora da estrelaA hora da estrela
A hora da estrela
 
Projeto rosa e lilás 2º d
Projeto rosa e lilás   2º dProjeto rosa e lilás   2º d
Projeto rosa e lilás 2º d
 
Chicos especial 80 anos de Chico cabral
Chicos especial   80 anos de Chico cabralChicos especial   80 anos de Chico cabral
Chicos especial 80 anos de Chico cabral
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
 
Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.
 
Saramago
SaramagoSaramago
Saramago
 
Homenagem a Saramago
Homenagem a SaramagoHomenagem a Saramago
Homenagem a Saramago
 
Acredite em você
Acredite em vocêAcredite em você
Acredite em você
 
José saramago homenagem
José saramago  homenagemJosé saramago  homenagem
José saramago homenagem
 
Saramago - Merecida Homenagem
Saramago - Merecida HomenagemSaramago - Merecida Homenagem
Saramago - Merecida Homenagem
 
Saramago
SaramagoSaramago
Saramago
 
Saramago
SaramagoSaramago
Saramago
 

Semelhante a Um, dois e a multidão: Ofélia Queiroz e seus múltiplos amores com Fernando Pessoa & Companhia - Amor & Afectos - Cascais, Portugal - 28.06.2014

Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...
Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...
Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...Université de Montréal
 
Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fplenaeira
 
novo slide primo-1.pptx
novo slide primo-1.pptxnovo slide primo-1.pptx
novo slide primo-1.pptxJussaraLima47
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 satense
 
Face à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória Permanece
Face à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória PermaneceFace à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória Permanece
Face à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória PermaneceUniversité de Montréal
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioCeber Alves
 
Ficha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaFicha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaAMLDRP
 
01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdf
01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdf01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdf
01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdfCleiaPaiva1
 
Herculano pires curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-
Herculano pires   curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-Herculano pires   curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-
Herculano pires curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-Jorge Wenceslau
 
Wole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciaWole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciatyromello
 
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfprosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfCarolinaDeCastroCerv1
 

Semelhante a Um, dois e a multidão: Ofélia Queiroz e seus múltiplos amores com Fernando Pessoa & Companhia - Amor & Afectos - Cascais, Portugal - 28.06.2014 (20)

Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...
Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...
Um estranho em casa, uma casa estranha - Pessoa e psiquiatria - Casa Fernando...
 
Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fp
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Fp
FpFp
Fp
 
novo slide primo-1.pptx
novo slide primo-1.pptxnovo slide primo-1.pptx
novo slide primo-1.pptx
 
Mediunidade diagnostico dificil
Mediunidade diagnostico dificilMediunidade diagnostico dificil
Mediunidade diagnostico dificil
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
 
Face à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória Permanece
Face à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória PermaneceFace à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória Permanece
Face à Família do Terapeuta Familiar: A Busca Continua, A Memória Permanece
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
 
Ficha de leitura - brida
Ficha de leitura - bridaFicha de leitura - brida
Ficha de leitura - brida
 
01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdf
01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdf01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdf
01 - -1440 e 1400 a.C- - Gênesis-1.pdf
 
Curso dinamico-espiritismo
Curso dinamico-espiritismoCurso dinamico-espiritismo
Curso dinamico-espiritismo
 
Herculano pires curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-
Herculano pires   curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-Herculano pires   curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-
Herculano pires curso dinamico de espiritismo-.-ww w.livrosgratis.net-.-
 
Wole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciaWole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existência
 
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfprosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 

Mais de Université de Montréal

What Is Called Therapy? Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the Event
What Is Called Therapy?  Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the EventWhat Is Called Therapy?  Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the Event
What Is Called Therapy? Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the EventUniversité de Montréal
 
Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...
Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...
Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...Université de Montréal
 
“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on Trauma
“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on Trauma“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on Trauma
“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on TraumaUniversité de Montréal
 
Sin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanas
Sin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanasSin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanas
Sin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanasUniversité de Montréal
 
“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of War
“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of War“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of War
“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of WarUniversité de Montréal
 
Polarization: On the Threshold between Political Ideology and Social Reality
Polarization: On the Threshold between Political Ideology and Social RealityPolarization: On the Threshold between Political Ideology and Social Reality
Polarization: On the Threshold between Political Ideology and Social RealityUniversité de Montréal
 
“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic Branch
“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic Branch“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic Branch
“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic BranchUniversité de Montréal
 
Against “The Myth of Independence” – For a More Convivial and Interdependent...
Against “The Myth of Independence” –  For a More Convivial and Interdependent...Against “The Myth of Independence” –  For a More Convivial and Interdependent...
Against “The Myth of Independence” – For a More Convivial and Interdependent...Université de Montréal
 
Social Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric Times
Social Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric TimesSocial Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric Times
Social Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric TimesUniversité de Montréal
 
Take Your Time: Seven Lessons for Young Therapists
Take Your Time: Seven Lessons for Young TherapistsTake Your Time: Seven Lessons for Young Therapists
Take Your Time: Seven Lessons for Young TherapistsUniversité de Montréal
 
“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...
“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...
“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...Université de Montréal
 
El Evento Como Desencadenante del Cambio Ontólogico
El Evento Como Desencadenante del Cambio OntólogicoEl Evento Como Desencadenante del Cambio Ontólogico
El Evento Como Desencadenante del Cambio OntólogicoUniversité de Montréal
 
From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...
From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...
From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...Université de Montréal
 
Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...
Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...
Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...Université de Montréal
 
The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency
The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency
The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency Université de Montréal
 
Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...
Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...
Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...Université de Montréal
 
Perspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three Leaders
Perspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three LeadersPerspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three Leaders
Perspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three LeadersUniversité de Montréal
 
A Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative Plurality
A Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative PluralityA Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative Plurality
A Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative PluralityUniversité de Montréal
 
Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social Psychiatry
 Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social Psychiatry Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social Psychiatry
Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social PsychiatryUniversité de Montréal
 

Mais de Université de Montréal (20)

What Is Called Therapy? Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the Event
What Is Called Therapy?  Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the EventWhat Is Called Therapy?  Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the Event
What Is Called Therapy? Towards a Unifying Theory of Therapy Based on the Event
 
Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...
Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...
Émile Nelligan - poète québécois, pris entre deux solitudes : la poèsie et la...
 
“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on Trauma
“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on Trauma“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on Trauma
“Bound Upon a Wheel of Fire”: Reflections on Trauma
 
Sin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanas
Sin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanasSin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanas
Sin Magia ni Maestros: Para las prácticas sistémicas y sociales mexicanas
 
“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of War
“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of War“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of War
“This Is Your Brain on War” – Poetry for Peace in a Time of War
 
Polarization: On the Threshold between Political Ideology and Social Reality
Polarization: On the Threshold between Political Ideology and Social RealityPolarization: On the Threshold between Political Ideology and Social Reality
Polarization: On the Threshold between Political Ideology and Social Reality
 
“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic Branch
“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic Branch“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic Branch
“The Web of Meaning” – Family Therapy is Social Psychiatry’s Therapeutic Branch
 
Against “The Myth of Independence” – For a More Convivial and Interdependent...
Against “The Myth of Independence” –  For a More Convivial and Interdependent...Against “The Myth of Independence” –  For a More Convivial and Interdependent...
Against “The Myth of Independence” – For a More Convivial and Interdependent...
 
Social Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric Times
Social Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric TimesSocial Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric Times
Social Psychiatry Comes of Age - Inaugural Column in Psychiatric Times
 
Take Your Time: Seven Lessons for Young Therapists
Take Your Time: Seven Lessons for Young TherapistsTake Your Time: Seven Lessons for Young Therapists
Take Your Time: Seven Lessons for Young Therapists
 
“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...
“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...
“Atado a una rueda de fuego”: Reflexiones sobre una vida en los estudios de t...
 
El Evento Como Desencadenante del Cambio Ontólogico
El Evento Como Desencadenante del Cambio OntólogicoEl Evento Como Desencadenante del Cambio Ontólogico
El Evento Como Desencadenante del Cambio Ontólogico
 
From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...
From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...
From Populations to Patients: Social Determinants of Health & Mental Health i...
 
Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...
Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...
Borders, Belonging, and Betrayals: A Poetic Conversation Among a Palestinian ...
 
The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency
The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency
The Gaza-Israel War - A Major Poetic Emergency
 
Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...
Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...
Lessons for Young Therapists: Getting Started and Staying on Track in Your Ps...
 
Perspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three Leaders
Perspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three LeadersPerspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three Leaders
Perspectives on Canadian Psychiatry: The Vision of Three Leaders
 
"At the Sufi Tavern" (poem)
"At the Sufi Tavern" (poem)"At the Sufi Tavern" (poem)
"At the Sufi Tavern" (poem)
 
A Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative Plurality
A Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative PluralityA Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative Plurality
A Collection of Poems that Refutes the Binary in Favor of Imaginative Plurality
 
Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social Psychiatry
 Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social Psychiatry Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social Psychiatry
Families, Society & Psychiatry: The Intimate Triad of Social Psychiatry
 

Um, dois e a multidão: Ofélia Queiroz e seus múltiplos amores com Fernando Pessoa & Companhia - Amor & Afectos - Cascais, Portugal - 28.06.2014

  • 1.
  • 2. Amor & Afectos XXI Cursos Internacionais de Verão de Cascais Direcção: Professor José Tengarrinha Centro Cultural de Cascais Cascais, Portugal 23 a 28 de Junho de 2014
  • 3. Amor & Diversidade UM, DOIS & A MULTIDÃO: Ofélia Queiroz e seus múltiplos amores com Fernando Pessoa & Companhia Prof. Doutor Vincenzo Di Nicola Centro Cultural de Cascais Cascais, Portugal 28 de Junho de 2014 – 17.00h
  • 4.
  • 5.
  • 6. Amor & Diversidade UM, DOIS & A MULTIDÃO: Ofélia Queiroz e seus múltiplos amores com Fernando Pessoa & Companhia Professor Doutor Vincenzo Di Nicola Universidade de Montreal
  • 7. Agradecimentos • ICES – Instituto de Cultura e de Estudos Sociais • Prof. José Tengarrinha, ICES • Dra. Ana Gomes, SPTF – Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar • Dra. Maria de Lurdes Bettencourt, ICES • Centro Cultural de Cascais, Carla Pato e Filipa Aguiar Photo : Arsinée Donoyan
  • 8. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia Costurar três coisas ... Biografia e crítica literária — Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz Psicologia do amor e terapia relacional Filosofia do evento
  • 9. Nos duo turba sumus. —Ovid, Metamorphoses
  • 10. Nos dois formamos uma multidão. —Oviedo, Metamorfoses
  • 11. —José Saramago O Ano da Morte de Ricardo Reis (citando Camões) Onde a terra se acaba e o mar começa. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 12. Fernando Pessoa Nasceu em Lisboa 13 de Junho de 1888
  • 14. Fernando Pessoa • Em 29 de Novembro de 1935 foi internado no Hospital São Luis dos Franceses com diagnóstico de cólico hépatico • Morreu no dia seguinte, ás 20.30 da noite 30 de Novembro de 1935
  • 21. Fernando Pessoa & Ofélia Queiroz
  • 25. Ofélia Queiroz (ou Ophélia Queirós) Nasceu 14 de Junho de 1900 em Lisboa Faleceu em 1991 Suas cartas para Fernando foram publicadas em 1996 Duas fases do namoro: • 1 de Maio a 29 de Novembro de 1920 • 11 de Setembro de 1929 a 11 de Janeiro de 1921
  • 26. Sympósio – Casa Fernando Pessoa – 2012 No encontro entre Pessoa e a psiquiatria, a psiquiatria tem mais a aprender de Pessoa do que a psiquiatria pode nos ensinar sobre Pessoa.
  • 27. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia “A somática da saudade” de: Um Estranho Na Família Hoje sou a saudade imperial Do que já na distância de mim vi ... Eu próprio sou aquilo que perdi ... —Fernando Pessoa Passos da Cruz. VI
  • 28.
  • 29. “After Fernando” Depois do Fernando Escrito em Setembro de 2004 para um concurso de escrever um romance em 3 dias. Publicado em 2012. • Um “sonho ficcional” sobre a vida de Ophélia Queiroz depois da morte do poeta Fernando Pessoa em 1935 quando ele estava com 47 anos e ela com 35 • Ela sobreviveu por mais de 50 anos, falecendo em 1991 • Sabemos que na vida ela se casou, mas para simplificar minha conta, eu imagino ela muito velha, vivendo sozinha com as suas memórias do Fernando
  • 30. O desejo distribuído Nos dois formamos uma multidão. —Oviedo, Metamorfoses
  • 31. “After Fernando” Depois do Fernando • Quando um jovem estrangeiro aparece na sua porta em Lisboa, Ophélia o leva a uma jornada de um “dia perfeito”, que ela estava tricotando na sua “sala de memórias” com os poemas e as cartas do quarteto heteronómico de Fernando Pessoa
  • 33. “After Fernando” Depois do Fernando Tarde Norte – Sintra Alberto Caeiro Verão Anoitecer Oeste – Brasil Ricardo Reis Outono Madrugada Sul – Africa do Sul Fernando Pessoa Inverno Amanhecer Leste – Suez Álvaro de Campos Primavera
  • 34. A mãe de Fernando falava com ele em francês desde a infância Perdeu o pai com 5 anos A mãe casou-se de novo Mudaram de país, de lingua e de cultura enquanto Fernando era criança de 7 anos Voltou a Lisboa um jovem de 17 anos Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 35. Fernando Pessoa — “Um mutante cultural” (Um Estranho na Família, 1998; Sympósio na Casa Fernando Pessoa, 2012) Um ser limiar, vivendo “na soleira” entre mundos, línguas, sentimentos e identidades Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 36. Um Estranho na Família Cultura, Famílias e Terapia
  • 37. —Fernando Pessoa/Bernardo Soares O Livro do Desassossego Lembro-me de repente de quando era criança, e via, como hoje não posso ver, a manhã raiar sobre a cidade. Ela então não raiava para mim, mas para a vida, porque então eu (não sendo consciente) era a vida. Via a manhã e tinha alegria; hoje vejo a manhã, e tenho alegria, e fico triste. A criança ficou mas emudeceu.
  • 38. —Fernando Pessoa/Bernardo Soares O Livro do Desassossego Sim, outrora eu era ja daqui; hoje, a cada paisagem, nova para mim que seja, regresso estrangeiro, hóspede e peregrino da sua presentação, forasteiro do que vejo e ouço, velho de mim.
  • 39. —Victor Turner, The Ritual Process (1969) Os atributos da liminaridade ou das personae liminares (pessoas que estão num limiar, na soleira) são necessariamente ambíguos, uma vez que essa condição e essas pessoas escapam ou escorregam da rede de classificações que normalmente localiza estados e posições intermediária entre as posições designadas e organizadoras pela lei, costumes, convenções e cerimônias. Como tal, seus atributos ambíguos e indeterminados são expressos por uma rica variedade de símbolos nas muitas sociedades que ritualizam as transições sociais e culturais.
  • 40. Sem a metáfora da memória e história, nós não podemos imaginar … o que é ser uma outra pessoa. A metáfora é o agente recíproco, a força universalizadora que torna possível imaginar o coração do estranho. — Cynthia Ozick Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 41. • Sobre um trilho, tentamos de ser indivíduos, diferenciando-nos de nossos pais e famílias e das regras e conformidades da sociedade • Sobre um outro trilho, perseguimos o amor, tentando de nos completar e cumprir-nos nas relações com outros Dois Trilhos paralelos
  • 42. Sobre um trilho, tentamos de ser indivíduos, diferenciando-nos de nossos pais e famílias e das regras e conformidades da sociedade … O self, o eu – dois temas 1. “O eu dividido” 2. “O desejo distribuido” O trilho individual
  • 43. O Eu dividido Je est un autre. Eu é um outro. —Arthur Rimbaud, poeta
  • 44. O self, o eu – dois temas … 1.“O eu dividido” • RD Laing, The Divided Self (1960) • Diferenciação, indivíduação X integração – Carl Jung, Guy Corneau O Eu dividido
  • 45. O Eu dividido Nascemos três vezes na nossa vida: nascemos de nossas mães, nascemos de nossos pais, e finalmente nascemos de nosso ser mais profundo. —Guy Corneau, Pais ausentes, filhos perdidos
  • 46. O self, o eu – dois temas … 2. “O desejo distribuído” • Bernardo Soares – “Cada um de nos é dois …” • Sigmund Freud – “Tem seis pessoas na cama …” O Desejo distribuído
  • 47. O desejo distribuído Cada um de nós é dois, e quando duas pessoas se encontram, se tornam íntimas e estão ligadas, é extremamente raro que as quatro possam estar em acordo. —Fernando Pessoa/Bernardo Soares O Livro do Desassossego
  • 48. O desejo distribuído Tem seis pessoas na cama de cada casal. —Sigmund Freud
  • 49. Sobre um outro trilho, perseguimos o amor, tentando de nos completar e cumprir-nos nas relações com outros … O Self-em-relação, o self relacional Como nos preparamos para entrar nas relações com outros? 1. A escolha do parceiro – diferenciação da família de origem 2. A capacidade relacional – nivel de adaptação O Trilho relacional
  • 50. • Seguimos esses trilhos, às vezes em paralelo, às vezes em conflito, divergentes e alienados, mas para os felizes da vida, esses trilhos vêm juntos para criar vidas cheias, cumpridas e produtivas Dois trilhos paralelos
  • 51. • Para isto acontecer, em vez da visão romântica em que dois sejam um cumprimentando ao outro, um deve se cumprir-se a si mesmo para tornar-se dois • Isto é o amor: A cena de dois • E daí, desse encontro, algo mais surge – não só dois indivíduos, mas uma relação e mais – o múltiplo: a família, a comunidade e a sociedade Amor: A cena de dois
  • 52. —Tony Kushner A menor unidade humana indivisível são duas pessoas, não uma; uma é uma ficção. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 53. A matemática da psicologia humana enfim é essa: • Somos um ou somos muitos • Portanto um é uma ficção, pois um se divide em dois • Porém esse dois cria uma relação, fora de si, além da soma de dois, e cria um terceiro e mais – muitos, ou o múltiplo Psicologia relacional
  • 54. Turku, Finlândia Photo : V Di Nicola Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 55. 1914 – cem anos atrás … • Mario de Sá Carneiro chega a Lisboa de Paris • 8 de Março – o dia triunfal … • surge Alberto Caiero e em seguinte, rapidamente – Alvaro de Campos e Ricardo Reis e Fernando Pessoa mesmo, voltando por assim dizer, para afirmar e confirmar a sua existência contra a sua não-existência como Alberto Caeiro • 30 poemas de uma vez! Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 56. —Ignazio Silone Nos damos a cada pessoa o direito de contar sua história à sua propria maneira. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 57. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia Extremamente curioso o que diz sobre o seu desdobramento em várias personagens – e o sentir-se mais elas, às vezes do que Você próprio. —Mário de Sá Carneiro Cartas a Fernando Pessoa. Lisboa, Edições Ática, 1958, Vol. 1, p. 183
  • 58. Podemos imaginar o dia triunfal na vida de Fernando Pessoa – 8 de Março de 1914 – aquela noite quando Alberto Caiero surgiu numa explosão de criatividade e criação Esta foi uma ruptura – um evento que mudou a vida dele Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 59. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia Toda a obra de Pessoa é a busca de identidade perdida. —Octavio Paz El Desconocido de Si Mesmo – Fernando Pessoa. Madrid, Alianza Editorial, 1983.
  • 60. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia Mário de Sá Carneiro Carneiro Ca(rn)eiro Alberto Caeiro
  • 61. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia Que nós vemos das cousas são as cousas. Por que veríamos nós uma cousa se houvesse outra? Por que é que ver e ouvir seria iludirmo-nos Se ver e ouvir são ver e ouvir? O essenical é saber ver, Saber ver sem estar a pensar, Saber ver quando se vê, E nem pensar quando se vê Nem ver quando se pensa. Mas isso (tristes de nós que trazemos a alma vestida!), Isso exige um estudo profundo, Uma aprendizagem de desaprender – Alberto Caiero
  • 62. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia Quem esta ao sol e fecha os olhos, Começa a não saber o que é sol E a pensar muitas cousas cheias de calor. Mas abre os olhos e vê o sol, E já não pode pensar em nada, Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos Do todos os filósofos e de todos os poetas. – Alberto Caiero
  • 63. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia Philosophy has yet to become worthy of Pessoa. —Alain Badiou Handbook of Inaesthetics A filosofia ainda não é digna de Pessoa. Ainda não esta em grau de entender Pessoa.
  • 64. A poesia de Fernando Pessoa abre janelas … casas … mundos inteiros E como o evento, ela não pode ser prevista ou entendida pelos elementos que a constitui Quem faz um poema abre uma janela. —Mario Quintana Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 65. Três aspectos do evento (segundo Alain Badiou)  Viver uma experiência  Nomear esta experiência “evento”  Ter fidelidade ao evento Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 66. É precisamente a fidelidade ao evento que cria um sujeito Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 67. A fidelidade de Pessoa à sua arte criou dele um sujeito Tanto que o evento da sua vida criou múltiplos sujeitos – uma verdadeira multidão – dentro de si Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 68. Imagina a reação da Ofélia em saber que o evento da vida do seu namorado e o que ele valoriza mais que tudo na vida não seja ela, nem a família, nem seu trabalho, mas a sua vocação de poeta Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 69. Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia Ophélinha: – 1.3.1920. Fernando Pessoa Meu amorzinho, meu Bébé querido: … Ai, meu amor, meu Bébé, minha bonequinha, quem te tivesse aqui! Muitos, muitos, muitos, muitos beijos do teu, sempre teu, Fernando 19.3.1920, às 9 de manhã. Meu querido amorzinho: … Adeus, meu anjinho bébé. Cobre-te de beijos cheios de saudade o teu, sempre, sempre teu, Fernando
  • 70. Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia 19/3/1920, Meu Bébé pequinino (a atualmente muito mau): … Fernando Meu Bébé, meu Bébézinho querido: … Muitos, muitos beijos do teu, sempre teu, mas muito abandonado e desolado 20(?)/3/1920. Fernando Meu Bébé pequeno e rabino: … Um beijo só durando todo o tempo que ainda o mundo tem que durar, do teu sempre, sempre e muito teu Fernando (Nininho).
  • 71. Lisboa, 27 de Novembro de 1920 Fernando Há já quatro dias que não me aparece ao menos se digna escrever-me. Sempre a mesma forma de proceder. Vejo que não faço nada de si, porque compreendo perfeitamente que é para me aborrecer que assim procede, que me terá mesmo chamado parva algumas vezes. Como Fernando não tem motivos para acabar, procede então da forma que procede. Pois bem eu assim não estou resolvida a continuar. Não sou o seu ideal, compreendo-o claramente, unicamente o que lastimo é que só quase ao fim de um ano o Sr. o tenha compreendido. Porque se gostasse de mim não procedia como procede, pois que não teria coragem. Os feitios contrafzem-se. O essencial é gostar-se. Está a sua vontade feita. Desejo-lhe felicidades Ofélia
  • 72. Ophelinha: Quanto a mim … O amor passou. Mas conservo-lhe uma afeição inalteravel, e não esquecerei nunca – nunca, creia – nem a sua figurinha engraçada e os seus modos de pequeninha, nem a sua ternura, a sua dedicação, a sua indole amoravel. Pode ser que me engane, e que estas qualidades, que lhe attribúo, fossam uma illusão minha; mas nem creio que fossem, nem, a terem sido, seria desprimor para mim que lh’as attribuisse. Não sei o que quer que lhe devolva – cartas ou que mais. Eu preferia não lhe devolver nada, e conservar as suas cartinhas como memoria viva de um passado morto, como todos os passados; como alguma cousa de commovedor numa vida, como a minha, em que p progresso nos annos é par do progresso na infelicidade e na desillusão.
  • 73. Peço que não faça como o gente vulgar, que é sempre reles; que não me volte a cara quando passe por si, nem tenha de mim uma recordação em que entre o rancor. Fiquemos, um perante o outro, como dois conhecidos desde a infancia, que se amaram um pouco quando meninos, e, embora a vida adulta sigam outras affeições e outros caminhos, conservam sempre, num escaninho da alma, a memoria profunda do seu amor antigo e inutil. Que isto de “outras affeições” e de “outros caminhos” é consigo, Ophelinha, e não commigo. O meu destino pertence a outra Lei, de cuja existencia a Ophelinha nem sabe, e está subordinado cada vez mais á obediência a Mestres que não permittem e não perdoam. Não é necessario que comprehenda isto. Basta que me convserve com carinho na sua lembrança, como eu, inalteravelmente, a conservarei na minha. Fernando 29/XI/1920
  • 74. Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia Pequinina: Estas palavras são de um individuo, que, aparte ser P pessoa, se chama preliminaramente Fernando 14/9/1929
  • 75. Ofélia com Fernando Pessoa & Companhia Ora a minha Vespa, que alias será vespa mas não minha … A minha (?) pequena Vespa gosta realmente de mim? … Vespa que não é minha … Queria ir, ao mesmo tempo, á India e a Pombal. Curiosa mistura, não é verdade? Em todo o caso é só parte da viagem. Recorda-se desta geographia, Vespa vespissima? Fernando 24/9/1929
  • 76. Exma. Senhora D. Ophelia Queiroz: Um abjecto e miseravel individuo chamado Fernando Pessoa, meu particular e querido amigo, encarregou-me de communicar a V. Ex.a – considerando que estado mental d’elle o impede de communicar qualquer coisa, mesmo a uma ervilha secca (exemplo da obediencia e da disciplina) – que V. Ex.a está prohibida de: (1) Pesar menos grammas, (2) comer pouco, (3) não dormir nada, (4) ter febre, (5) pensar no individuo em questão. … Cumprimenta V. Ex.a Alvaro de Campos eng. naval 25/9/1929 ABEL
  • 77. Ex.mo Senhor Engenheiro Álvaro de Campos Permite–me que discorde por completo com a primeira parte da sua carta, porque, nem posso consentir que Va Exa trate o Ex.mo Sr. Fernando Pessoa, pessoa que muito prezo, por abjecto e miserável indivíduo nem compreendo que, sendo seu particular e querido amigo o possa tratar tão desprimorosamente. Como vê estamos sempre em completa desarmonia, nem podia deixar de ser, pedindo-lhe por especial fineza, que não volte a escrever-me. Quanto às observações que me faz, como foram ditadas pelo Sr. Fernando Pessoa, farei quanto em mim caiba por lhe ser agradável. Agradeço o conselho que me dá, mas já que me puxa pela lingua, deixe-me dizer-lhe que quem eu de boa vontade há muito tempo teria, não deitado na pia, mas debaixo dum comboio, era Va Exa . Esperando não o tornar a ler, subscreve-se com respeito a 25-9-929 Ofélia Queiroz
  • 78. 9.10.1929 Terrivel Bébé: Gosto das suas cartas, que são meiguinhas, e tambem gosto de si, que é meiguinha tambem. E é bonbon, e é vespa, e é mel, que é das abelhas e nèao das vespas, e tudo está certo, e o Bébé deve escrever-me sempre, mesmo que eu não escreva, que é sempre, e eu estou triste, e sou maluco, e ninguem gosta de mim, e tambem porque é que havia de gostar, e isso mesmo … … e porque é que a Ophelinha gosta de um meliante e de um cevado e de um javardo e de um individuo com ventas de contador de gaz e expressão geral de não estar alli mas na pia da casa ao lado, exactamente, e enfim, e vou acabar porque estou doido, e estive sempre, e é da nascença, que é como quem diz desde que nasci, e eu gostava que a Bébé fôsse uma boneca minha, e eu fazia como uma crença, despia-a, e o papel acaba aqui mesmo, e isto parece impossivel ser escripto por um ente humano, mas é escripto por mim Fernando
  • 79. Ilusão e realidade, homem e mulher Diálogo do discípulo e a mestre: Vincenzo: Mas o poder é uma ilusão, professora ... Mara Selvini Palazzoli: O poder pode ser uma ilusão mas a luta pelo poder é uma realidade.
  • 81. —José Saramago O Ano da Morte de Ricardo Reis (invertendo Camões) Aqui o mar acaba e a terra principia. Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 82. Saramago queria enterrar Ricardo Reis e o último livro de poesia incompleta dele. Ele queria enterrar Fernando Pessoa e a sua obra. Eu quero dar ainda mais vida a todos os raios que ainda surgem daquele “baú cheio de gente” – como Antonio Tabucchi disse – sem fim que é Fernando Pessoa & Companhia Aqui o mar acaba e a terra principia. —José Saramago “Here, where the sea ends and the earth awaits.” (… a terra espera) Pessoa. Psiquiatria. Filosofia
  • 83. Agradecimentos • ICES – Instituto de Cultura e de Estudos Sociais • Prof. José Tengarrinha, ICES • Dra. Ana Gomes, SPTF – Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar • Dra. Maria de Lurdes Bettencourt, ICES • Centro Cultural de Cascais, Carla Pato e Filipa Aguiar Photo : Arsinée Donoyan
  • 84. Referências Bibliográficas Badiou, Alain. Handbook of Inaesthetics (trans. Alberto Toscano). Stanford, CA: Stanford University Press, 2005. Badiou, Alain. “Manifesto of affirmationism.” lacanian ink, volume 24/25, Spring 2005. Balso, Judith. Pessoa, Le Passeur Métaphysique. Paris, Éditions du Seuil, 2006. Tradução por Drew Burk: Pessoa, The Metaphysical Courrier. New York & Dresden, Atropos Press, 2011. Bréchon, Robert. Étrange Étranger: Une Biographie de Fernando Pessoa. Paris, Christian Bourgois. 1996. Di Nicola, Vincenzo. Um Estrahna na Família: Cultura, Famílias e Terapia. Tradução por Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre, Artes Médicas, 1998. Di Nicola, Vincenzo. “After Fernando.” The Unsecured Present: 3-Day Novels & Pomes for Pilgrims. New York & Dresden, Atropos Press, 2012.
  • 85. Referências Bibliográficas Monteiro, George (Ed.). The Man Who Never Was: Essays on Fernando Pessoa. Providence, RI, Gávea-Brown Publications, 1981. Nogueira, Manuela e Maria de Conceição Azevedo. Cartas de Amor de Ofélia a Fernando Pessoa. Lisboa, Assírio & Alvim, 1996. Paz, Octavio. El Desconocido de Si Mesmo – Fernando Pessoa. Madrid, Alianza Editorial, 1983. Pessoa, Fernando. Cartas de Amor. Introdução e seleção de Walmir Ayala. Rio de Janeiro, Ediouro Publicações. Sa Carneiro, Mario de. Cartas a Fernando Pessoa. Lisboa, Edições Ática, 1958. Saraiva, Mário. O Caso Clínico de Fernando Pessoa. Post-fácio do Prof. Doutor Luís Duarte Santos. Lisboa, Edições Referendo. Tabucchi, Antonio. Un Baule Pieno di Gente: Scritti su Fernando Pessoa. Milano, Feltrinelli, 1990.
  • 86. Turku, Finlândia Photo : V Di Nicola