Ilust part03

343 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
343
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ilust part03

  1. 1. Fig. 3.1 - Os pontos de afélio e periélioJulho Janeiro Afélio Periélio 1,52x10 km 8 1,47x108 km Na translação há uma variação da distância Sol/Terra e da velocidade do movimento do planeta. O ponto onde a Terra fica mais próxima do Sol é o periélio. O ponto mais afastado é o afélio. Fig. 3.2 - Linhas da Terra Círculo Ártico Trópico de Câncer 23º 27’ E q u a d Equador o da Terra r d eEquador Trópico de Termal I Capricórnio 23º 27’ l u m i n a ç ã o Eixo de Círculo Rotação Antártico As linhas básicas do globo são duas: eixo de rotação e equador da Terra. As outras linhas são relativas entre si e dependem da iluminação do Sol. As linhas mostradas na figura são todas traçadas no exterior do globo, exceto o eixo de rotação. 107
  2. 2. Fig. 3.3 - Eclipse do Sol e da Lua A lua, ou passa no cone de sombra da Terra quando acontece o eclipse da Lua, fenômeno noturno, ou projeta sua sombra sobre a Terra, quando acontece o eclipse do Sol. O fenômeno não é frequente devido ao ângulo existente entre Terra as duas órbitas. Penumbra Lua Umbra Estrela Polaris Hemisfério Celestial Norte Setembro Equador Celestial nó de descidaDezembro Junho Eclíptica Sol 23º27’ Março nó de subida Hemisfério Celestial Sul Esfera Celestial Fig. 3.4 - Planos celestiais Os planos do equador terrestre e da eclíptica desenhados no globo são projetados na esfera celeste, com os nomes de eclíptica e equador celestial, guardando entre si o mesmo ângulo de 23º27. 108
  3. 3. Iluminação da Terra Durante o Ano Tropical Fig 3.5 Fig 3.6 Fig 3.7 Mostra o centro do foco de insolação coincidindo com a linha de contato dos dois planos celestiais: plano da Mostra o foco de insolação no ponto de maior declinação eclíptica e do equador terrestre nos Mostra o foco de insolação no ponto de maior declinação do Sol no hemisfério norte no dia 21 de junho. dias 21 de março e 23 de setembro. do Sol no hemisfério sul no dia 21 de dezembro.109 Fig 3.8 Mostra o conjunto das linhas do foco solar (círculos rosa) deslocando-se na superfície da Terra, sobre o equador termal, como se o Sol é que se movesse ao longo dos meses. mai abr mar fev jan jun dez jul ago set out nov
  4. 4. Fig. 3.9 - Funcionamento do SolO funcionamento do Sol é semelhante ao da Terra. O núcleo central se contrai pelo efeito da gravidade, aumentando aenergia interna. Em seguida se espande aliviando a energia que é jogada no espaço como luz. Fig. 3.10 - Fotografia do Sol A foto mostra as manchas solares, protuberâncias, flares e filamentos, todos produtos do mesmo fenômeno: compressão do núcleo da estrela pela gravidade. A matéria mineral do astro é o combustível do mesmo. 110
  5. 5. Fig. 3.11 - Zona Intertropical da Terra Esta zona é a mais afetada pela energia do Sol, e por isso tem comportamento diferenciado. Sob a insolação há o aquecimento da litosfera e dos dois principais envoltórios gasosos (troposfera e ozonosfera), flutuantes ao redor do globo. Observar que fora Trópico de Câncer dos trópicos, ao sul e ao norte, as camadas são mais delgadas porque Trópico de menos afetadas Capricórnio pela insolação. Fig. 3.12 - Estrutura Vertical da Atmosfera em Função da sua Temperatura Exosfera Termosfera % Ionosfera Elétrons e Íons80Km Mesopausa d e g Mesosfera a s Em azul, camadas e turbulentas da atmosfera. s Em linhas paralelas,50Km Estratopausa camadas estratificadas. O3 Ozonosfera As 3 linhas vermelhas Estratosfera 19% representam as camadas aquecidas pela insolação: duas da atmosfera e mais a litosfera.12Km Tropopausa Troposfera 80% L I T O S F E R A -130 -110 -70 -30 0 +30 Temperatura em ºC 111
  6. 6. Fig. 3.13 - Evolução da Estrutura Química da Atmosfera ao Longo do Tempo Geológico A evolução da composição química da atmosfera é uma função da fotossíntese, que transforma o gás carbônico em matéria orgânica na superfície do globo. A absorção do CO2, pelos vegetais, libera igual quantidade de oxigênio. A quantidade de oxigênio é crescente e atualmente calculada em 21% e a de gás carbônico é de 0,032% e decrescente. Os gases presentes na atmosfera estão dissolvidos em um “mar” de nitrogênio: 78%. A porcentagem de oxigênio na troposfera é variável pois é função da fotossíntese. O lugar final do oxigênio é na ozonosfera, na forma de ozônio, onde se acumula definitivamente. Ozônio Nitrogênio Oxigênio Gás Carbônico G Z E J KPrepang. Alphaiano Betaiano a Deltaiano Epsiloniano e t Thetaiano o a Lambdaiano 2008 m t a t p m a i a p a i Tempo Geológico i a a n i a a i a n o n a n o o n o Fotossíntese o Fig. 3.14 - Climas da Terra Setembro, 23 Outono ao norte, círculo ártico escurecendo e enregelando. Dias e noitesiguais. Primavera ao sul. SOL Dezembro, 21 Junho, 21 Inverno ao norte. Círculo Verão ao norte. Círculoantártico totalmente iluminado. ártico totalmente iluminado. Dias longos e noites curtas. Dias e noites curtos. Outono ao sul, círculo antártico Inverno ao sul. Verão ao sul. escurecendo e enregelando. Dias e noites iguais. Primavera ao norte. Março, 21 112
  7. 7. Fig. 3.15 - MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO SOLSTÍCIO NORTE SOLSTÍCIO SUL 21/06 21/12 EQUINÓCIO AIM sobre o trópico de Câncer. Verão ao norte e inverno ao sul. 21/03 AIM sobre o trópico de Capricórnio. Verão ao sul e inverno ao norte. Círculo ártico totalmente iluminado, com dia de 24hs e degelando. Círculo antártico totalmente iluminado, com dia de 24hs e degelando. Círculo antártico está escuro com noites de 24hs e enregelado. Círculo ártico está escuro com noite de 24hs e enregelado. (nó de subida) Outono ao sul e primavera ao norte. A B C A I M113 23º A I M 27’ 23º 27’ A I M Equador de Equador de Iluminação Iluminação EQUINÓCIO 23/09 (nó de descida) Primavera ao sul e outono ao norte. Obs.: AIM significa Área de Insolação Máxima, onde os raios de sol incidem na superfície perpendicularmente.
  8. 8. Fig. 3.16 - Solstício ao Norte Fig. 3.17 - EquinócioFig. 3.18 - Solstício ao Sul 114
  9. 9. Fig. 3.19 - Ventos Polares de Leste Predominantes de Oeste “Horse Latitudes” Alíseos de NE Calmarias Alíseos de SE “Horse Latitudes” Predominantes de Oeste “Bramantes dos 40” Polares de Leste Fig. 3.20 - Lunação Crescente b a b a b a a b a bb a Cheia Novaa b b a b a a b a b a b Minguante Terra ao centro. Raios solares vindos da direita. Hemisfério iluminado limitado pela linha preta. Parte iluminada variável, vista da terra em amarelo. 115
  10. 10. Fig. 3.21 - Dia Solar e Sideral Dia solar é medido em relação ao Sol e dura 24h. Dia sideral é medido em relação às estrelas e é menor que o dia solar por 3’56”. Sol Estrelas 1/365 dia = 356” ar Sol D ia Estrelas Dia Sideral TranslaçãoFig. 3.22 - A Precessão e a Nutação Precessão = 25.800 anos Estrela Polar Vega Nutação A precessão é um movimento do eixo de rotação da Terra que desloca para oeste o ponto do equador terrestre onde se dão os equinócios; e a nutação é a sinuosidade existente na precessão. Eixo de rotação Equador Terrestre Translação = 365 dias Rotação = 24 horas 116
  11. 11. Fig. 3.23 - Motor dos movimentos tangenciais A energia do núcleo, devido à gravidade, impulsiona as correntes convectivas no manto e estas movimentam os continentes tangencialmente à superf icie do globo. Corrente radial descendente. Ponto sismicamente ativo. Área sismicamente estávelCorrente radial ascendente. Corrente radial ascendente.Ponto sismicamente ativo. Ponto sismicamente ativo. célula célula convectiva convectiva sulamericana sulamericana brasileira Corrente andina Corrente radial radial ascendente ascendente NÚCLEO Energia máxima Fig. 3.24 - Linhas de compressão e distensão na superfície do globo Linhas de distensão Linhas de compressão R if t Área quieta A t l ân t i o c Ri ft co i P a c íf A superfície do globo é composta de áreas sólidas móveis impulsionadas pelas correntes convectivas no interior da esfera. O movimento de uma área interfere na área contígua originando fatos geológicos. Os mapeamentos estratigráficos localizam tais fenômenos com precisão. 117
  12. 12. 118

×