SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Era uma vez uma flor.
Tanta flor que pode ter uma história, era uma vez… seja na
Primavera seja no próprio Inverno.
Mas esta flor era uma vez num canto escuro da terra sem sol
que lhe desse cor, sem um olhar que a tocasse, sem as mãos
do vento que a fizessem estremecer.
Vivia num canto escuro perto de uma lagoa de
sapos, entaipada. Nem o vento ou a vida a estremecia .
Era uma vez, mesmo uma vez toda a sua vida de sombra.
Na escuridão os sapos fitavam na flor os seus olhos
muito redondos e feios mas cheios de desejo de a
olhar, como se lhe dissessem deslumbrados:
-És pobre, prisioneira da sombra e és bela!
E a flor continuava escondida como um lençol de
trevas sepultada.
As        suas       raízes     agarravam-se      à
terra, frágeis, recebendo a humidade.
O caule tentava erguer-se na posição vertical, à
procura do sol que não chegava nunca.
E as pétalas, que não tinham nenhuma das cores do
arco-íris, porque o sol nunca as tocara – iam-se
abrindo, pálidas, devagarinho.
E, fora daquele canto da Natureza, a Primavera
já tinha rompido, aberto as cortinas de luz,
as jarras de chuva despejado a maravilha
transparente da água.
As árvores, com os troncos muito límpidos
pela chuva, muito castanhos a deixar romper
as folhas verdes e trémulas, quase sem
recorte, confundindo-se com a atmosfera clara.
E o sol, um dia, apareceu pela madrugada, mesmo sobre a
noite. Nasceu mais cedo do que nunca, nem sabíamos como
podia ter nascido assim quando a Terra se movia
exactamente como nos outros dias. E veio de madrugada
misturado com música tão mansa que as sombras se haviam
esquecido de tapar a flor – a flor escondida de pétalas sem
as cores do arco-íris, sem folhas verdes, de caule mal
erguido.
E os sapos abriram mais seus grandes olhos com o musgo da
solidão e o desejo de amar.
- És bela! És bela! – gritaram.
Os sapos mal amados, também mal
amados como a flor, os sapos que
trabalham na terra sem quererem nenhum
bem em troca.
-És bela! És bela! – repetiam.
E a flor tornou-se rubra de sol, franjada
com o amor que os sapos lhe diziam.
Rubra e trémula , o caule mais vertical, as
raízes agarradas mais à terra.
-Que nos dizes, flor? -Perguntaram os sapos
-O que vos digo? – e a flor, vermelha, percebeu que para
além de poder ter cor, também podia falar, ter voz.
- Que nos dizes, flor? – perguntaram os sapos.
-O que vos digo? – e flor vermelha, de folhas verdes e caule
erguido, raízes agarradas á terra, respondeu:
-O que vos digo? Sou vossa amiga, tanto!
Acompanharam-me quando eu tinha fome de sol, com o
vosso olhar tão bom, tão fraterno. Ajudaram-me a não
morrer!
Os sapos sorriram – que os sapos sabem sorrir.
E disseram-lhe:
-Obrigados também. Tu foste a nossa
esperança. Vivíamos aqui sós com o sangue da
noite na nossa pele e com o verde dos limos
nas águas paradas.
E a flor sorriu abrindo o vermelho
nítido das pétalas, o verde nítido nas
folhas - que as flores também podem
sorrir.
E então, viu-se uma criança que, caminhava pela
madrugada. Sobre a terra que o sol ia tocando. Vinha
descalça com a música dos passos mansos dos pés
descalços.
E olhou a flor.
-É tão linda! Vou leva-la a minha mãe!
A flor vermelha, desde que tivera a cor que o sol lhe havia
dado, começara breve a vida, a sua verdadeira vida ligada à
terra.
E em vida sorriu. Vida breve de flor que em breve iria
morrer.
Mas continuaria.
A amizade dos sapos, a mão do menino que a queria levar à
mãe - tudo era muito.
Os próprios sapos lhe disseram:
- Vai … Depois nos encontraremos…
Seremos homens ou cavalos alados…
Ela, apesar de tudo, vivera porque esperara – tanto! – o sol,
com o amor irmão dos sapos.
E se deixara cortar para viva continuar.
Pela mão de uma criança, filha dos homens, separou-se da
terra, partiu.
A mãe recebeu a flor da mão do filho e sorriu:
- Sabes que esta flor tem milhões de irmãos? –
perguntou-lhe.
Ela vivia tão só, no charco dos sapos… -
observou a criança.
- Onde estão eles, os irmãos?
- Vem ver…
E a mãe deu-lhe a mão direita muito suave e segura
enquanto a esquerda prendia a flor. E ambos caminhavam
pelas ruas. Na rua havia flores vermelhas por toda a parte.
No peito das mulheres, dos homens, nos olhos das
crianças, nos canos silenciosos das espingardas. Não era
uma guerra, nem uma festa. Era um mundo de coração
aberto.
O menino, espantado, olhava tudo e todos, e sua mãe.
O menino que fugira pela madrugada diferente para
encontrar a flor solitária. E viu que a mãe chorava. De
alegria. E com a sua mão de seda pura limpou-lhe as
lágrimas transparentes. Ambos haviam entendido a alegria
única das flores cortadas. No peito de toda a gente.
E continuaram a caminhar pelas ruas húmidas de alegria.
Rios livres a correrem para o mar.
Numa esquina encontraram o pai, com
uma flor ao peito. Abraçaram-se os
três, sorrindo. Como se abraçassem o
mundo inteiro. E continuaram a caminhar.
A flor que encontrou a primavera
A flor que encontrou a primavera
A flor que encontrou a primavera

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroO leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroEmília Lima
 
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Os direitos as crianças   luiísa ducla soaresOs direitos as crianças   luiísa ducla soares
Os direitos as crianças luiísa ducla soaresBe Moinho Das Leituras
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesRita Arantes
 
A princesa baixinha power point
A princesa baixinha   power pointA princesa baixinha   power point
A princesa baixinha power pointlabeques
 
A história dos três reis magos
A história dos três reis magosA história dos três reis magos
A história dos três reis magosFi Nobre
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequimcasmaria
 
Coração de Mãe
Coração de MãeCoração de Mãe
Coração de MãePedro Moura
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreMarisol Santos
 
O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto Sousa Martins
 
Uma Aventura no Outono
Uma Aventura no OutonoUma Aventura no Outono
Uma Aventura no Outonopikittas
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeiteIsa Crowe
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendeszemeira
 

Mais procurados (20)

O leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroO leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentro
 
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Os direitos as crianças   luiísa ducla soaresOs direitos as crianças   luiísa ducla soares
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
 
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pagesConto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
Conto torrado trinta-por-uma-linha_18pages
 
A princesa baixinha power point
A princesa baixinha   power pointA princesa baixinha   power point
A princesa baixinha power point
 
Todos no sofá livro
Todos no sofá  livroTodos no sofá  livro
Todos no sofá livro
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
 
O senhor mago e a folha
O senhor mago e a folhaO senhor mago e a folha
O senhor mago e a folha
 
A história dos três reis magos
A história dos três reis magosA história dos três reis magos
A história dos três reis magos
 
O Menino que não Gostava de Ler
O Menino que não Gostava de LerO Menino que não Gostava de Ler
O Menino que não Gostava de Ler
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
Coração de Mãe
Coração de MãeCoração de Mãe
Coração de Mãe
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
A princesa da chuva
A princesa da chuvaA princesa da chuva
A princesa da chuva
 
O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto O beijo da palavrinha mia couto
O beijo da palavrinha mia couto
 
Mãe, Querida Mãe!
Mãe, Querida Mãe!Mãe, Querida Mãe!
Mãe, Querida Mãe!
 
A que sabe a lua
A que sabe a luaA que sabe a lua
A que sabe a lua
 
Uma Aventura no Outono
Uma Aventura no OutonoUma Aventura no Outono
Uma Aventura no Outono
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendes
 

Destaque

O tesouro---manuel-antónio-pina
O tesouro---manuel-antónio-pinaO tesouro---manuel-antónio-pina
O tesouro---manuel-antónio-pinaIsabelPereira2010
 
Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Susana Cardoso
 
O 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livrosO 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livrosfrancisco abreu
 
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
 Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete VozesMariana Moura
 
25 de Abril-história
25 de Abril-história25 de Abril-história
25 de Abril-históriaDiana Saraiva
 
Tesouro. história 25 abril
Tesouro. história 25 abrilTesouro. história 25 abril
Tesouro. história 25 abrilAna Paiva
 
Resumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouroResumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouroProfmaria
 
A liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaA liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaM José Buenavida
 

Destaque (12)

O tesouro---manuel-antónio-pina
O tesouro---manuel-antónio-pinaO tesouro---manuel-antónio-pina
O tesouro---manuel-antónio-pina
 
O tesouro liberdade
O tesouro  liberdadeO tesouro  liberdade
O tesouro liberdade
 
Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!
 
O 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livrosO 25 de abril, a liberdade e os livros
O 25 de abril, a liberdade e os livros
 
O Tesouro
O  TesouroO  Tesouro
O Tesouro
 
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
 Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
Alice Vieira - Vinte Cinco a Sete Vozes
 
25 de Abril-história
25 de Abril-história25 de Abril-história
25 de Abril-história
 
Tesouro. história 25 abril
Tesouro. história 25 abrilTesouro. história 25 abril
Tesouro. história 25 abril
 
Resumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouroResumo do conto o tesouro
Resumo do conto o tesouro
 
A liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaA liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge Letria
 
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
25 de Abril O tesouro e ficha de trabalho
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 

Semelhante a A flor que encontrou a primavera

Poemas so século xx
Poemas so século xxPoemas so século xx
Poemas so século xxtildocas
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018Sérgio Pitaki
 
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivoCetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivoVera Laporta
 
Recriação do conto de José Saramago
Recriação do conto de José SaramagoRecriação do conto de José Saramago
Recriação do conto de José SaramagoLurdes Augusto
 
Primavera - Cecília Meireles
Primavera - Cecília MeirelesPrimavera - Cecília Meireles
Primavera - Cecília MeirelesMima Badan
 
A fita vermelha
A fita vermelhaA fita vermelha
A fita vermelhaAna Moura
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBesaf Biblioteca
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verdemilitas2
 
O Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaO Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaRudimar
 
O Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaO Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaRudimar
 
O Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A RosaO Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A Rosamariahbrasil
 
O Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaO Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaRudimar
 
O Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A RosaO Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A Rosamariahbrasil
 
Monsaraz Alentejo
Monsaraz AlentejoMonsaraz Alentejo
Monsaraz AlentejoBiaEsteves
 

Semelhante a A flor que encontrou a primavera (20)

Poemas sobre árvores e as florestas
Poemas sobre árvores e as florestas Poemas sobre árvores e as florestas
Poemas sobre árvores e as florestas
 
Poemas so século xx
Poemas so século xxPoemas so século xx
Poemas so século xx
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
 
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivoCetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
 
Recriação do conto de José Saramago
Recriação do conto de José SaramagoRecriação do conto de José Saramago
Recriação do conto de José Saramago
 
Primavera - Cecília Meireles
Primavera - Cecília MeirelesPrimavera - Cecília Meireles
Primavera - Cecília Meireles
 
Espanta pardais
Espanta pardaisEspanta pardais
Espanta pardais
 
Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014
 
A fita vermelha
A fita vermelhaA fita vermelha
A fita vermelha
 
O Mundo às Cores
O Mundo às CoresO Mundo às Cores
O Mundo às Cores
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
 
O jardim encantado
O jardim encantadoO jardim encantado
O jardim encantado
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
 
O Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaO Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea Rosa
 
O Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaO Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea Rosa
 
O Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A RosaO Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A Rosa
 
O Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea RosaO Rouxinolea Rosa
O Rouxinolea Rosa
 
O Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A RosaO Rouxinol E A Rosa
O Rouxinol E A Rosa
 
Monsaraz Alentejo
Monsaraz AlentejoMonsaraz Alentejo
Monsaraz Alentejo
 

Mais de PeroVaz

Pf port91-ch2-2012-cc
Pf port91-ch2-2012-ccPf port91-ch2-2012-cc
Pf port91-ch2-2012-ccPeroVaz
 
Pf port91-ch2-2012
Pf port91-ch2-2012Pf port91-ch2-2012
Pf port91-ch2-2012PeroVaz
 
Pf port91-ch1-2012-cc
Pf port91-ch1-2012-ccPf port91-ch1-2012-cc
Pf port91-ch1-2012-ccPeroVaz
 
Pf port91-ch1-2012
Pf port91-ch1-2012Pf port91-ch1-2012
Pf port91-ch1-2012PeroVaz
 
Pf port91 ch2_2013_cc (1)
Pf port91 ch2_2013_cc (1)Pf port91 ch2_2013_cc (1)
Pf port91 ch2_2013_cc (1)PeroVaz
 
Pf port91 ch2_2013
Pf port91 ch2_2013Pf port91 ch2_2013
Pf port91 ch2_2013PeroVaz
 
Pf port91 ch1_2013_cc
Pf port91 ch1_2013_ccPf port91 ch1_2013_cc
Pf port91 ch1_2013_ccPeroVaz
 
Pf port91 ch1_2013
Pf port91 ch1_2013Pf port91 ch1_2013
Pf port91 ch1_2013PeroVaz
 
Pf port91-ch2-2014-cc
Pf port91-ch2-2014-ccPf port91-ch2-2014-cc
Pf port91-ch2-2014-ccPeroVaz
 
Pf port91-ch2-2014
Pf port91-ch2-2014Pf port91-ch2-2014
Pf port91-ch2-2014PeroVaz
 
Pf port91-ch1-2014-cc
Pf port91-ch1-2014-ccPf port91-ch1-2014-cc
Pf port91-ch1-2014-ccPeroVaz
 
Pf port91-ch1-2014
Pf port91-ch1-2014Pf port91-ch1-2014
Pf port91-ch1-2014PeroVaz
 
Pf port91-f2-2015-cc
Pf port91-f2-2015-ccPf port91-f2-2015-cc
Pf port91-f2-2015-ccPeroVaz
 
Pf port91-f2-2015
Pf port91-f2-2015Pf port91-f2-2015
Pf port91-f2-2015PeroVaz
 
Pf port91-f1-2015-cc
Pf port91-f1-2015-ccPf port91-f1-2015-cc
Pf port91-f1-2015-ccPeroVaz
 
Pf port91-f1-2015
Pf port91-f1-2015Pf port91-f1-2015
Pf port91-f1-2015PeroVaz
 
229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-ciclo
229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-ciclo229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-ciclo
229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-cicloPeroVaz
 
Folheto (alunos e enc. educ.
Folheto (alunos e enc. educ.Folheto (alunos e enc. educ.
Folheto (alunos e enc. educ.PeroVaz
 
Cartaz bullying
Cartaz   bullyingCartaz   bullying
Cartaz bullyingPeroVaz
 
Miguel ciganos
Miguel ciganosMiguel ciganos
Miguel ciganosPeroVaz
 

Mais de PeroVaz (20)

Pf port91-ch2-2012-cc
Pf port91-ch2-2012-ccPf port91-ch2-2012-cc
Pf port91-ch2-2012-cc
 
Pf port91-ch2-2012
Pf port91-ch2-2012Pf port91-ch2-2012
Pf port91-ch2-2012
 
Pf port91-ch1-2012-cc
Pf port91-ch1-2012-ccPf port91-ch1-2012-cc
Pf port91-ch1-2012-cc
 
Pf port91-ch1-2012
Pf port91-ch1-2012Pf port91-ch1-2012
Pf port91-ch1-2012
 
Pf port91 ch2_2013_cc (1)
Pf port91 ch2_2013_cc (1)Pf port91 ch2_2013_cc (1)
Pf port91 ch2_2013_cc (1)
 
Pf port91 ch2_2013
Pf port91 ch2_2013Pf port91 ch2_2013
Pf port91 ch2_2013
 
Pf port91 ch1_2013_cc
Pf port91 ch1_2013_ccPf port91 ch1_2013_cc
Pf port91 ch1_2013_cc
 
Pf port91 ch1_2013
Pf port91 ch1_2013Pf port91 ch1_2013
Pf port91 ch1_2013
 
Pf port91-ch2-2014-cc
Pf port91-ch2-2014-ccPf port91-ch2-2014-cc
Pf port91-ch2-2014-cc
 
Pf port91-ch2-2014
Pf port91-ch2-2014Pf port91-ch2-2014
Pf port91-ch2-2014
 
Pf port91-ch1-2014-cc
Pf port91-ch1-2014-ccPf port91-ch1-2014-cc
Pf port91-ch1-2014-cc
 
Pf port91-ch1-2014
Pf port91-ch1-2014Pf port91-ch1-2014
Pf port91-ch1-2014
 
Pf port91-f2-2015-cc
Pf port91-f2-2015-ccPf port91-f2-2015-cc
Pf port91-f2-2015-cc
 
Pf port91-f2-2015
Pf port91-f2-2015Pf port91-f2-2015
Pf port91-f2-2015
 
Pf port91-f1-2015-cc
Pf port91-f1-2015-ccPf port91-f1-2015-cc
Pf port91-f1-2015-cc
 
Pf port91-f1-2015
Pf port91-f1-2015Pf port91-f1-2015
Pf port91-f1-2015
 
229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-ciclo
229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-ciclo229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-ciclo
229656983 preparacao-para-prova-final-de-portugues-9º-ano-3º-ciclo
 
Folheto (alunos e enc. educ.
Folheto (alunos e enc. educ.Folheto (alunos e enc. educ.
Folheto (alunos e enc. educ.
 
Cartaz bullying
Cartaz   bullyingCartaz   bullying
Cartaz bullying
 
Miguel ciganos
Miguel ciganosMiguel ciganos
Miguel ciganos
 

Último

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

A flor que encontrou a primavera

  • 1.
  • 2.
  • 3. Era uma vez uma flor. Tanta flor que pode ter uma história, era uma vez… seja na Primavera seja no próprio Inverno. Mas esta flor era uma vez num canto escuro da terra sem sol que lhe desse cor, sem um olhar que a tocasse, sem as mãos do vento que a fizessem estremecer. Vivia num canto escuro perto de uma lagoa de sapos, entaipada. Nem o vento ou a vida a estremecia . Era uma vez, mesmo uma vez toda a sua vida de sombra.
  • 4.
  • 5. Na escuridão os sapos fitavam na flor os seus olhos muito redondos e feios mas cheios de desejo de a olhar, como se lhe dissessem deslumbrados: -És pobre, prisioneira da sombra e és bela! E a flor continuava escondida como um lençol de trevas sepultada. As suas raízes agarravam-se à terra, frágeis, recebendo a humidade. O caule tentava erguer-se na posição vertical, à procura do sol que não chegava nunca. E as pétalas, que não tinham nenhuma das cores do arco-íris, porque o sol nunca as tocara – iam-se abrindo, pálidas, devagarinho.
  • 6.
  • 7. E, fora daquele canto da Natureza, a Primavera já tinha rompido, aberto as cortinas de luz, as jarras de chuva despejado a maravilha transparente da água. As árvores, com os troncos muito límpidos pela chuva, muito castanhos a deixar romper as folhas verdes e trémulas, quase sem recorte, confundindo-se com a atmosfera clara.
  • 8.
  • 9. E o sol, um dia, apareceu pela madrugada, mesmo sobre a noite. Nasceu mais cedo do que nunca, nem sabíamos como podia ter nascido assim quando a Terra se movia exactamente como nos outros dias. E veio de madrugada misturado com música tão mansa que as sombras se haviam esquecido de tapar a flor – a flor escondida de pétalas sem as cores do arco-íris, sem folhas verdes, de caule mal erguido. E os sapos abriram mais seus grandes olhos com o musgo da solidão e o desejo de amar. - És bela! És bela! – gritaram.
  • 10.
  • 11. Os sapos mal amados, também mal amados como a flor, os sapos que trabalham na terra sem quererem nenhum bem em troca. -És bela! És bela! – repetiam. E a flor tornou-se rubra de sol, franjada com o amor que os sapos lhe diziam. Rubra e trémula , o caule mais vertical, as raízes agarradas mais à terra.
  • 12.
  • 13. -Que nos dizes, flor? -Perguntaram os sapos -O que vos digo? – e a flor, vermelha, percebeu que para além de poder ter cor, também podia falar, ter voz. - Que nos dizes, flor? – perguntaram os sapos. -O que vos digo? – e flor vermelha, de folhas verdes e caule erguido, raízes agarradas á terra, respondeu: -O que vos digo? Sou vossa amiga, tanto! Acompanharam-me quando eu tinha fome de sol, com o vosso olhar tão bom, tão fraterno. Ajudaram-me a não morrer!
  • 14.
  • 15. Os sapos sorriram – que os sapos sabem sorrir. E disseram-lhe: -Obrigados também. Tu foste a nossa esperança. Vivíamos aqui sós com o sangue da noite na nossa pele e com o verde dos limos nas águas paradas.
  • 16.
  • 17. E a flor sorriu abrindo o vermelho nítido das pétalas, o verde nítido nas folhas - que as flores também podem sorrir.
  • 18.
  • 19. E então, viu-se uma criança que, caminhava pela madrugada. Sobre a terra que o sol ia tocando. Vinha descalça com a música dos passos mansos dos pés descalços. E olhou a flor. -É tão linda! Vou leva-la a minha mãe! A flor vermelha, desde que tivera a cor que o sol lhe havia dado, começara breve a vida, a sua verdadeira vida ligada à terra. E em vida sorriu. Vida breve de flor que em breve iria morrer. Mas continuaria.
  • 20.
  • 21. A amizade dos sapos, a mão do menino que a queria levar à mãe - tudo era muito. Os próprios sapos lhe disseram: - Vai … Depois nos encontraremos… Seremos homens ou cavalos alados… Ela, apesar de tudo, vivera porque esperara – tanto! – o sol, com o amor irmão dos sapos. E se deixara cortar para viva continuar. Pela mão de uma criança, filha dos homens, separou-se da terra, partiu.
  • 22.
  • 23. A mãe recebeu a flor da mão do filho e sorriu: - Sabes que esta flor tem milhões de irmãos? – perguntou-lhe. Ela vivia tão só, no charco dos sapos… - observou a criança. - Onde estão eles, os irmãos? - Vem ver…
  • 24.
  • 25. E a mãe deu-lhe a mão direita muito suave e segura enquanto a esquerda prendia a flor. E ambos caminhavam pelas ruas. Na rua havia flores vermelhas por toda a parte. No peito das mulheres, dos homens, nos olhos das crianças, nos canos silenciosos das espingardas. Não era uma guerra, nem uma festa. Era um mundo de coração aberto.
  • 26.
  • 27. O menino, espantado, olhava tudo e todos, e sua mãe. O menino que fugira pela madrugada diferente para encontrar a flor solitária. E viu que a mãe chorava. De alegria. E com a sua mão de seda pura limpou-lhe as lágrimas transparentes. Ambos haviam entendido a alegria única das flores cortadas. No peito de toda a gente. E continuaram a caminhar pelas ruas húmidas de alegria. Rios livres a correrem para o mar.
  • 28.
  • 29. Numa esquina encontraram o pai, com uma flor ao peito. Abraçaram-se os três, sorrindo. Como se abraçassem o mundo inteiro. E continuaram a caminhar.