Sexualidade e a idade
Sexo masculino e feminino
Efeitos da doença e da viuvez
Sexualidade nas pessoas com deficiência
•

Hoje em dia vive-se numa sociedade em que, cada vez mais a imagem e a valorização do
corpo é de extrema importância.

•...
•
•

•

Com uma saúde razoável e um parceiro disponível, a maior parte das pessoas
podem ter relações sexuais mesmo aos 80...
•

As mudanças que intervêm na fisiologia sexual de um indivíduo em idade avançada,
podem afectar, tanto a função eréctil ...
•

Certas atitudes em relação à actividade sexual na terceira idade, podem ser
influenciadas pelo fenómeno de ansiedade da...
Embora as doenças e a invalidez possam afectar a sexualidade, mesmo nas mais
sérias condições, não devem impedir que o ind...
A menopausa implica o fim da sexualidade? De modo nenhum. O que a
menopausa implica é o fim da reprodução. Para o ser huma...
Nesta fase, o prazer também é menos intenso? A capacidade para ter orgasmo
não muda após a menopausa. O que se verifica é ...
A actividade sexual após a menopausa é igual á actividade sexual na juventude?
A sexualidade transforma-se com a idade. O ...
Há pessoas que dizem ter melhorado a sua vida sexual após a menopausa. É
possível? Sim. Quando tal acontece deve-se essenc...
Falar sobre a sexualidade de um portador de deficiência física implica
necessariamente abordar o conceito de sexualidade h...
Para muitos deficientes, o casamento é somente um sonho distante, e o
sexo, uma diversão proibida.
Várias famílias impedem...
 O deficiente mental é submetido muitas vezes a um tratamento
protector, como se fosse uma criança eternamente.
 A sexua...
 A sexualidade é tida pela sociedade como algo ligado apenas às
regiões sexuais.
 Para deficientes do sexo feminino com ...
Educaosexual 110404184710-phpapp02
Educaosexual 110404184710-phpapp02
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Educaosexual 110404184710-phpapp02

655 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
655
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
245
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educaosexual 110404184710-phpapp02

  1. 1. Sexualidade e a idade Sexo masculino e feminino Efeitos da doença e da viuvez Sexualidade nas pessoas com deficiência
  2. 2. • Hoje em dia vive-se numa sociedade em que, cada vez mais a imagem e a valorização do corpo é de extrema importância. • Vários estereótipos vão-se interiorizando e moldando o nosso modo de pensar e de agir. A sexualidade não é só um direito dos jovens, mas também dos mais velhos, experientes na vida. • Toda esta ideia de que a sexualidade é apenas para os jovens, bonitos e atraentes é incentivada pelos meios de comunicação como as revistas, os filmes, os anúncios publicitários e a moda. A imagem que estes passam é de que o amor e o romance fazem parte somente de uma faixa etária. Devido a isto, reduz-se a ideia de que os mais velhos também podem ter uma vida sexual activa e saudável. • Esta imagem de conotação negativa é mais forte nas mulheres. Mesmo que isto não seja verdade, muitos idosos tendem a deixar-se levar por estes estereótipos, agindo de acordo com o pensamento da sociedade em geral, por vergonha ou falta de coragem, ocultando os seus verdadeiros sentimentos. Assim, a vontade de ter uma actividade sexual é diminuída e por vezes o desejo é mesmo apagado.
  3. 3. • • • Com uma saúde razoável e um parceiro disponível, a maior parte das pessoas podem ter relações sexuais mesmo aos 80/90 anos. Esta constatação é substituída por numerosos estudos que demonstram que uma vasta percentagem de indivíduos, com idade superior aos 65 anos, não só continuam a actividade sexual, mas também, geralmente estão satisfeitos com o sexo e com os seus parceiros. Todavia, é possível constatar uma certa diminuição de resposta aos estímulos. Este fenómeno é relacionado ao processo normal de envelhecimento.
  4. 4. • As mudanças que intervêm na fisiologia sexual de um indivíduo em idade avançada, podem afectar, tanto a função eréctil como a ejaculação. • Os homens frequentemente percebem algumas mudanças distintivas como: Prolongamento do tempo necessário para haver uma erecção completa. A erecção pode não ser firme ou ampla como nos últimos anos precedentes. Uma diminuição do tempo em manter a erecção antes da ejaculação. Uma redução da força de ejaculação. Falta de sensibilidade, no momento da ejaculação. A perda de erecção depois de um orgasmo pode ser mais rápida, ou então precisa de mais tempo para obter outra erecção. Alguns homens podem necessitar de uma maior estimulação manual.
  5. 5. • Certas atitudes em relação à actividade sexual na terceira idade, podem ser influenciadas pelo fenómeno de ansiedade da expressão sexual, o temor e a ansiedade que podem resultar em interpretações negativas das alterações na estrutura genital e na resposta sexual, próprio da idade. • Quando o homem envelhece, o fenómeno da impotência parece acentuar-se, especialmente em homens com problemas cardíacos, diabetes e hipertensão.
  6. 6. Embora as doenças e a invalidez possam afectar a sexualidade, mesmo nas mais sérias condições, não devem impedir que o indivíduo tenha uma vida sexual satisfatória: Problemas cardíacos: Muitas pessoas que sofreram ataques cardíacos, temem que o facto de haver relações sexuais possa causar outros ataques. Esse risco é muito baixo, se seguir as orientações do médico. Muita gente pode recomeçar a actividade sexual depois de um período de tempo variável entre 12 e 16 semanas após ter sofrido um ataque. Diabetes: Muitos homens que têm diabetes não têm problemas, mas é uma das poucas doenças que na realidade pode causar impotência. Artrite: Dores articulares devido à artrite, podem limitar a actividade sexual. Tratamentos cirúrgicos ou medicinais podem aliviar as dores. Em alguns casos, os medicamentos podem diminuir o desejo pelo sexo. Exercícios físicos, repouso, banhos quentes e mudanças de posição durante o acto sexual, pode ajudar.
  7. 7. A menopausa implica o fim da sexualidade? De modo nenhum. O que a menopausa implica é o fim da reprodução. Para o ser humano a reprodução é apenas uma das funções da sexualidade e é pela partilha desta que duas pessoas se ligam, através do elo do prazer. Para muitas mulheres e muitos homens o fim da capacidade reprodutora significa finalmente sentirem-se libertos de uma consequência indesejável e portanto poderem usufruir mais da sua sexualidade. Após a menopausa, a mulher tem menos desejo sexual? Não é necessariamente assim. No envelhecimento há uma diminuição lenta e gradual do desejo sexual. O desejo sexual feminino está dependente de uma complexa influência de factores ambientais, afectivos, psicológicos e físicos. A menopausa só por si não implica directamente a diminuição do desejo, o qual do ponto de vista hormonal está mais dependente dos androgéneos (hormonas que o homem produz em grande quantidade e a mulher em pequena), já que o corpo feminino costuma produzir estas hormonas.
  8. 8. Nesta fase, o prazer também é menos intenso? A capacidade para ter orgasmo não muda após a menopausa. O que se verifica é que com o avanço da idade a duração e a intensidade do orgasmo diminuem. É muito frequente a mulher, na menopausa, sentir dores durante a penetração, o que não acontecia antes da menopausa? Às vezes acontece. Quando a mulher se começa a sentir sexualmente excitada, as paredes da vagina produzem um líquido viscoso que lubrifica a vagina e assim a prepara para a penetração. Por outro lado, a vagina é um órgão altamente elástico, consegue alargar durante o parto deixando passar a cabeça do bebé. Quando há diminuição de estrogénios, o que acontece na menopausa, a vagina torna-se menos elástica e as suas paredes mais finas e frágeis, diminuindo deste modo a capacidade de penetração sem dor.
  9. 9. A actividade sexual após a menopausa é igual á actividade sexual na juventude? A sexualidade transforma-se com a idade. O envelhecimento implica que o corpo se modifique tanto no seu aspecto como na sua capacidade de acção. Com a idade aumentam também as doenças. Em relação à sexualidade, verifica-se que a pessoa sente menor necessidade de ter relações sexuais. Por outro lado o ritmo é mais lento, pelo que o sexo é também mais lento e prolongado. Por vezes a interacção sexual também é condicionada pelas consequências das doenças, como por exemplo: as dores provocadas pelo reumatismo podem implicar que determinadas posições sejam dolorosas; após o enfarte do miocárdio a actividade sexual não deve ser abandonada devendo ser retomada ao ritmo das outras actividades do dia-a-dia e o casal deve assumir posições que cansem menos daquelas que tinham antes do enfarte ocorrer.
  10. 10. Há pessoas que dizem ter melhorado a sua vida sexual após a menopausa. É possível? Sim. Quando tal acontece deve-se essencialmente a três factores: tempo, disponibilidade e experiência. É uma fase da vida em que frequentemente o casal passa a ter mais tempo um para o outro. Por outro lado, os anos de experiência trazem um maior conhecimento do próprio corpo e do corpo do outro, para além do bem estar e da desinibição que os anos de vida em comum dão. Com o tempo e a experiência passa-se a valorizar mais a qualidade versus a quantidade.
  11. 11. Falar sobre a sexualidade de um portador de deficiência física implica necessariamente abordar o conceito de sexualidade humana de forma ampla, em toda sua dimensão, ou seja, abrangendo os aspectos físicobiológicos, socioculturais, económicos e políticos.
  12. 12. Para muitos deficientes, o casamento é somente um sonho distante, e o sexo, uma diversão proibida. Várias famílias impedem os relacionamentos: os pais têm receio de que os filhos não estejam preparados para um envolvimento afectivo, e temem demais a gravidez- vêm-se a cuidar dos netos, e sentem muito medo de um novo caso de deficiência na família. Quando o homem e a mulher possuem deficiência mental leve, a hipótese de uma criança nascer com o mesmo quadro é de 42%. Se a mulher for portadora de síndrome de Down, existe 50% de hipóteses do filho contrair a doença. Ao contrário de muitos deficientes mentais, os portadores de síndrome de Down apresentam uma diminuição de fertilidade. As mulheres têm a fertilidade diminuída em 50%, e os homens, na maioria das vezes, são estéreis.
  13. 13.  O deficiente mental é submetido muitas vezes a um tratamento protector, como se fosse uma criança eternamente.  A sexualidade destes pode também ser vista como algo selvagem, que deve ser reprimido. De acordo com diversos autores estas pessoas sentem desejo, amam, sentem prazer e querem ser amadas. A condição sexual destas pessoas depende muito das suas condições educacionais.  Geralmente, trata-se as pessoas com diferentes deficiências de forma igualitária, mas, na verdade, dependem de condições psicossociais diversas. Também existe a fobia de que um possível descendente possa ser também um deficiente mental. Um mito pois nem todas as deficiências mentais são transmitidas de forma hereditária.
  14. 14.  A sexualidade é tida pela sociedade como algo ligado apenas às regiões sexuais.  Para deficientes do sexo feminino com lesões medulares, outros locais podem ser estimulados como os mamilos por exemplo, sendo possível chegar a uma situação denominada de paraorgasmo.  Pode ocorrer também a falta de lubrificação vaginal que é resolvida através de lubrificantes íntimos.  Já para os homens, a erecção é possível dependendo do caso, mas o controlo da ejaculação fica prejudicado em lesões completas.

×