Movimentos Associativos na
sociedade Civil
Empreendedorismo Social
1
Introdução
• O Empreendedorismo é muito importante para o
desenvolvimento de nações, pois gera riqueza
para a sociedade.
•...
O que é o Empreendedorismo?
• O empreendedorismo refere-se a uma
capacidade individual para colocar as ideias
em prática.
...
O empreendedorismo...
• É fundamentalmente a capacidade e o desejo de agir
consciente, determinado e voluntário, tendente ...
• A capacidade de imaginar novas
realidades é determinante para a
sociedade, seja para o(a) jovem
que quer ser cientista e...
Existem dois eixos temáticos de actuação para as
actividades empreendedoras: o eixo social e o eixo
tecnológico.
Social • ...
Tecnológico e Científico – Dinamização / participação activa em
projectos ou acções de cariz tecnológico e científico, que...
Que Competências a Desenvolver?
• Um empreendedor
é alguém que
procura sempre a
mudança,
responde-lhe e
explora-a como
uma...
As competências
• Traduzem comportamentos, conhecimentos, atitudes que o
sujeito usa para desenvolver uma dada actividade ...
• A avaliação técnica de competências e do seu
nível de desenvolvimento pode requerer a
utilização de metodologias própria...
Competência • Autoconfiança /
Assumpção de riscos
ser
• O jovem/adulto tem uma
imagem positiva de si
próprio, bem como o d...
Competência • Iniciativa / Energia
Ser
• O jovem/adulto sabe avaliar,
seleccionar e actuar com vários
método e estratégias...
Competência • Resistência ao fracasso
Ser
• O jovem/adulto revela a
capacidade para manter
um comportamento
equilibrado be...
Competência • Planeamento /
Organização
Ser
• O jovem/adulto estabelece planos
de acção para si próprio ou para os
outros,...
Competência • Criatividade / Inovação
Ser
• O jovem/adulto gera ideias
novas e abordagens originais e
utiliza-as para melh...
Competência • Relações Interpessoais
Ser
• O jovem/adulto estabelece
facilmente relações com os outros,
desenvolvendo e pr...
• Os empreendedores bem sucedidos, qualquer
que seja a sua motivação pessoal (…)
curiosidade, ou desejo de fama ou
reconhe...
Objectivos da Educação para o
Empreendedorismo:
• Incentivar…
• Sensibilzar…
• Potenciar…
• Integrar…
… o desenvolvimento ...
• Ensino transversal para a vida
• Centrado na acção
• Focalizado no processo e nos
resultados
• Coerente e constante
• In...
EMPREENDEDORISMO EM 7 PASSOS:
1. Assumir riscos
• Esta é a primeira e uma das maiores qualidades
do verdadeiro empreendedo...
2. Identificar oportunidades
• Ficar atento e perceber, no momento certo, as
oportunidades que o mercado oferece e
reunir ...
3. Conhecimento, organização e
independência
• Quanto maior o domínio de um empresário sobre um ramo de
negócio, maior ser...
4. Tomar decisões
• O sucesso de um empreendimento, muitas
vezes, está relacionado com a capacidade de
decidir correctamen...
5. Liderança, dinamismo e optimismo
• Liderar é saber definir objectivos, orientar tarefas, combinar
métodos e procediment...
6. Planeamento e plano de negócios
• Existe uma importante acção que somente o próprio empreendedor pode e
deve fazer pelo...
7. Instinto empresarial
• O que muita gente acredita ser um "sexto
sentido", intuição, faro empresarial, típicos de
gente ...
• Actualmente, aborda-se o empreendedorismo
numa outra vertente – a de criação de
entidades com um cariz social e não some...
O que é o Empreendedorismo Social ?
• O empreendedorismo social refere-se aos
trabalhos realizados pelo empreendedor
socia...
O que é o Empreendedorismo Social ?
• De maneira mais ampla, o termo pode se referir a
qualquer iniciativa empreendedora f...
O Empreendedor Social
• O empreendedor social visa a maximização do
capital social (relações de confiança e respeito)
exis...
• Para tal, utiliza técnicas de gestão, inovações
produtivas, técnicas de planeamento sustentável
de recursos naturais e c...
• Na raíz do seu funcionamento encontra-se um
modelo voluntário de participação e co-
responsabilização dos empreendedores...
Os Impulsionadores destas
organizações:
• São os empreendedores sociais que regem a
sua actuação nas instituições da socie...
Empreendedores Sociais VS.
Empreendedores Empresariais:
• Os empreendedores sociais partilham com os
empreendedores empres...
Conceito de “Empreendedor Social”:
• Apesar do conceito de “empreendedorismo
social” parecer estranho afigura-se fundament...
Conceito de “Empreendedor Social”:
• Esta postura implica por natureza que o empreendedor
social, à semelhança do empreend...
Conceito de “Empreendedor Social”:
• É precisamente esta atitude de compromisso dos diversos tipos de
empreendedores, seja...
Os empreendedores sociais
• Procuram resolver problemas sociais tendo em
conta as situações de risco, por exemplo ao lidar...
Definiu-se assim o empreendedor como agentes
de mudanças no sector social por:
Adoptarem uma missão de gerar e manter o va...
Diferenças entre Empreendedorismo empresarial e
Empreendedorismo Social
• Empreendedorismo
É individual
Produz bens e serv...
O empreendedorismo social pode ser
assim considerado como:
Um novo paradigma de intervenção social, pois apresenta um novo...
O empreendedorismo social pode ser
assim considerado como:
Uma nova tecnologia social, pois sua capacidade de inovação e d...
Conclusão
• De facto o Empreendedorismo é um meio bastante positivo e necessário
para o desenvolvimento de todos os países...
Actividade:
• Elaboração de um projecto de
empreendedorismo social.
• Criação da ideia (instituição...);
• Definição de ob...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedorismo-social

599 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
599
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedorismo-social

  1. 1. Movimentos Associativos na sociedade Civil Empreendedorismo Social 1
  2. 2. Introdução • O Empreendedorismo é muito importante para o desenvolvimento de nações, pois gera riqueza para a sociedade. • Deste modo, o Empreendedorismo designa os estudos relativos ao empreendedor, o seu perfil, as suas origens, o seu sistema de actividades, o seu universo de actuação, enquanto que o Empreendedorismo Social trata-se de um ramo específico do Empreendedorismo que visa essencialmente uma missão social e não propriamente o lucro/ riqueza. 2
  3. 3. O que é o Empreendedorismo? • O empreendedorismo refere-se a uma capacidade individual para colocar as ideias em prática. • Requer criatividade, inovação e o assumir de riscos, bem como a capacidade para planear e gerir projectos com vista a atingir determinados objectivos. Comissão Europeia – Educação e Cultura, 2005 3
  4. 4. O empreendedorismo... • É fundamentalmente a capacidade e o desejo de agir consciente, determinado e voluntário, tendente a obter uma mudança. • O acto de empreender revela-se numa atitude dinâmica perante a realidade, em que, face a determinados contextos internos ou externos, imaginam-se respostas de modificação dessa realidade. • É por isso que se associa, regra geral, o empreendedorismo à inovação, pois o(a) empreendedor(a) tende a realizar as suas acções de forma diferente, para obter resultados diferentes e, nesse processo de inovação, está a descontruir a realidade para recriar. 4
  5. 5. • A capacidade de imaginar novas realidades é determinante para a sociedade, seja para o(a) jovem que quer ser cientista e inventor(a), seja para o(a) jovem em contexto de exclusão social. • A educação para o empreendedorismo deve proporcionar um ambiente em que os jovens possam desenvolver e utilizar a capacidade de imaginar mudanças, e procurar realizar essas mesmas mudanças. O espírito empreendedor é visto no sentido lato e não está apenas confinado à criação de empresas, ou mesmo, ao espírito empresarial. 5
  6. 6. Existem dois eixos temáticos de actuação para as actividades empreendedoras: o eixo social e o eixo tecnológico. Social • Dinamização/participação activa em projectos ou acções de cariz social. • Este eixo é considerado um meio fértil para o exercício do espírito empreendedor. A variedade das acções é inúmera e permitirá adequar os projectos às motivações dos jovens/adultos e ao desenvolvimento de “vocações”, que são um terreno privilegiado de educação para a cidadania. Na sua génese está a participação social de forma activa e a defesa de valores fundamentais das sociedade modernas, como a igualdade de oportunidades e a inclusão social. • Por exemplo, um grupo de jovens/adultos pode trabalhar com uma associação sem fins lucrativos, como a Casa do Gil, para angariar fundos, para conseguir novos associados, para colaborar em acções de sensibilização, para promover um fórum temático na Internet, entre outros. O grupo pode aindatrabalhar em actividades de cariz social como a Cooperativa de “Comércio Justo”. 6
  7. 7. Tecnológico e Científico – Dinamização / participação activa em projectos ou acções de cariz tecnológico e científico, que não a mera utilização das TIC. • O desenvolvimento do espírito científico e inovação tecnológica está alinhado com a necessidade de Portugal estruturar o seu tecido económico e científico, sendo, igualmente, um espaço para o desenvolvimento do potencial empreendedor de jovens/adultos, pela criatividade, inovação e concretização real/experimental que lhe são inerentes. • Por exemplo, um grupo pode conceber e implementar projectos de poupança de energia na escola, na criação de uma página de Internet, entre outros. 7
  8. 8. Que Competências a Desenvolver? • Um empreendedor é alguém que procura sempre a mudança, responde-lhe e explora-a como uma oportunidade. Drucker, 1985 Competências-chave para o desenvolvimento do empreendedorismo: • Autoconfiança / Assumpção de riscos • Iniciativa / Energia • Resistência ao fracasso • Planeamento / Organização • Criatividade / Inovação • Relações interpessoaisAs seis competências-chave, são consideradas essenciais no acto de empreender. 8
  9. 9. As competências • Traduzem comportamentos, conhecimentos, atitudes que o sujeito usa para desenvolver uma dada actividade com sucesso. • Considera-se um comportamento competente, aquele que se transforma em acção adequada tendo como fim um dado objectivo. • A Educação para o Empreendedorismo deverá considerar como pilar o desenvolvimento destas competências-chave. • A avaliação destas competências para o empreendedorismo pressupõe que se sejam criadas técnicas de avaliação formativa e que todos os intervenientes tenham um papel activo neste processo. 9
  10. 10. • A avaliação técnica de competências e do seu nível de desenvolvimento pode requerer a utilização de metodologias próprias baseadas em referenciais para diagnóstico do grupo de alunosFormandos, para o estabelecimento de metas e pontos de chegada. 10
  11. 11. Competência • Autoconfiança / Assumpção de riscos ser • O jovem/adulto tem uma imagem positiva de si próprio, bem como o desejo de exercer e confiar na sua capacidade de julgamento e na sua capacidade para resolver as dificuldades. É capaz de arriscar, uma vez que confia que é capaz de resolver os problemas que possam surgir. não ser • O jovem/adulto duvida da sua capacidade para agir de forma independente e da sua capacidade para resolver dificuldades. • Não arrisca, ficando sempre dependente dos outros relativamente a decisões que comportem alguns riscos. 11
  12. 12. Competência • Iniciativa / Energia Ser • O jovem/adulto sabe avaliar, seleccionar e actuar com vários método e estratégias para resolver problemas e atingir objectivos, antes de lhe perguntarem ou pedirem para o fazer. • Jovem/adulto sabe actuar de forma proactiva e enérgica, em vez de esperar passivamente por ordens ou instruções. não ser • O jovem/adulto está dependente das instruções dos outros para agir. Tem medo de agir e errar. • Quando tem de resolver um problema, utiliza métodos e estratégias rígidas, não sendo capaz de experimentar outras abordagens de resolução. 12
  13. 13. Competência • Resistência ao fracasso Ser • O jovem/adulto revela a capacidade para manter um comportamento equilibrado bem como a sua auto-estima, quando confrontado com a oposição dos outros ou quando as coisas não correm de acordo com as suas expectativas. não ser • O jovem/adulto lida mal com a oposição ou hostilidade dos outros, deixando que isso afecte a sua actuação. • Destrutura-se facilmente quando contrariado ou quando as coisas não correm de acordo com os seus desejos. 13
  14. 14. Competência • Planeamento / Organização Ser • O jovem/adulto estabelece planos de acção para si próprio ou para os outros, de forma a assegurar o cumprimento de objectivos específicos. • Decompõe os problemas em partes e organiza-as de forma sistemática. • Determina prioridades, faz a alocação do tempo e de recursos eficazmente e controla o seu cumprimento. não ser • O jovem/adulto tem muita dificuldade em planear uma actividade ou conjunto de actividades, com sequência lógica ou e/ou de gestão de tempo, de forma a cumprir um objectivo. • Não é capaz de estabelecer prioridades, não definindo acções prioritárias e tentando desenvolver várias tarefas em simultâneo sem resultados positivos. 14
  15. 15. Competência • Criatividade / Inovação Ser • O jovem/adulto gera ideias novas e abordagens originais e utiliza-as para melhorar ou desenvolver novos processos, métodos, sistemas, etc.. Revela um pensamento aberto e fora dos esquemas habituais para resolver problemas, apesar dos obstáculos e/ou resistências. não ser • O jovem/adulto demonstra uma estrutura rígida de pensamento, privilegiando sempre o mesmo modelo de abordagens teóricas e tradicionais na forma como actua ou se posiciona face a problemas. • Deixa-se influenciar com facilidade pelos outros, tendo dificuldade em defender e manter pontos de vista diferentes dos habituais. 15
  16. 16. Competência • Relações Interpessoais Ser • O jovem/adulto estabelece facilmente relações com os outros, desenvolvendo e promovendo uma rede de relacionamentos) que podem ajudar a concretizar objectivos e/ou processos de aprendizagem/trabalho. Jovem coopera com os outros para atingir os objectivos estabelecidos pelo grupo. • Jovem/adulto colabora com os outros no trabalho e na procura de soluções que possam ser positivas para todas as partes envolvidas. não ser • O jovem/adulto tem dificuldade em estabelecer relações com os outros, evidenciando comportamento tímido, distante e avesso a contactos. Desenvolve as suas acções de forma individualista tendo dificuldade em partilhar com os outros, ou em colaborar na procura de soluções que possam ser positivas também para os outros. 16
  17. 17. • Os empreendedores bem sucedidos, qualquer que seja a sua motivação pessoal (…) curiosidade, ou desejo de fama ou reconhecimento, tentam criar valor e fazer uma contribuição. Peter Drucker, 1986 17
  18. 18. Objectivos da Educação para o Empreendedorismo: • Incentivar… • Sensibilzar… • Potenciar… • Integrar… … o desenvolvimento do espírito empreendedor em cada aluno/a, em cada actividade, em cada desafio, em cada disciplina, em cada projecto 18
  19. 19. • Ensino transversal para a vida • Centrado na acção • Focalizado no processo e nos resultados • Coerente e constante • Integrado multidisciplinarmente • Contextualizado • Auto-construído pelos alunos A Educação para o Empreendedorismo é: • Ensino de gestão empresarial • Centrado nos saberes • Focalizado nas tarefas • Esporádico e inconstante • Isolado disciplinarmente • Descontextualizado • “Fornecido” pelos agentes de ensino A Educação para o Empreendedorismo não é: 19
  20. 20. EMPREENDEDORISMO EM 7 PASSOS: 1. Assumir riscos • Esta é a primeira e uma das maiores qualidades do verdadeiro empreendedor. Arriscar conscientemente é ter coragem de enfrentar desafios, de tentar um novo empreendimento, de buscar, por si só, os melhores caminhos. É ter autodeterminação. Os riscos fazem parte de qualquer actividade e é preciso aprender a lidar com eles. 20
  21. 21. 2. Identificar oportunidades • Ficar atento e perceber, no momento certo, as oportunidades que o mercado oferece e reunir as condições propícias para a realização de um bom negócio é outra marca importante do empresário bem-sucedido. Ele é um indivíduo curioso e atento a informações, pois sabe que suas oportunidades melhoram quando seu conhecimento aumenta. 21
  22. 22. 3. Conhecimento, organização e independência • Quanto maior o domínio de um empresário sobre um ramo de negócio, maior será sua oportunidade de êxito. Esse conhecimento pode vir da experiência prática, de informações obtidas em publicações especializadas, em centros de ensino, ou mesmo de "dicas" de pessoas que montaram empreendimentos semelhantes. • Possuir senso de organização, ou seja, ter capacidade de utilizar recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos de forma racional. É bom não esquecer que, na maioria das vezes, a desorganização, principalmente no início do empreendimento, compromete o seu funcionamento e o seu desempenho. • Determinar os seus próprios passos, abrir os seus próprios caminhos, ser o seu próprio patrão, enfim, procurar a independência é uma meta importante para o sucesso. O empreendedor deve ser livre, evitando proteccionismos que, mais tarde, possam se transformar em obstáculos aos negócios. 22
  23. 23. 4. Tomar decisões • O sucesso de um empreendimento, muitas vezes, está relacionado com a capacidade de decidir correctamente. • Tomar decisões certas é um processo que exige o levantamento de informações, análise fria da situação, avaliação das alternativas e a escolha da solução mais adequada. O verdadeiro empreendedor é capaz de tomar decisões correctas, na hora certa. 23
  24. 24. 5. Liderança, dinamismo e optimismo • Liderar é saber definir objectivos, orientar tarefas, combinar métodos e procedimentos práticos, estimular as pessoas no rumo das metas traçadas e favorecer relações equilibradas dentro da equipe de trabalho, em torno do empreendimento. Assim, a liderança tem que ser uma qualidade sempre presente. • Um empreendedor de sucesso nunca se acomoda, para não perder a capacidade de fazer com que simples ideias se concretizem em negócios efectivos. Manter-se sempre dinâmico e cultivar um certo inconformismo diante da rotina é um de seus lemas preferidos. • O optimismo é uma característica das pessoas que enxergam o sucesso, em vez de imaginar o fracasso. Capaz de enfrentar obstáculos, o empresário de sucesso sabe olhar além e acima das dificuldades. 24
  25. 25. 6. Planeamento e plano de negócios • Existe uma importante acção que somente o próprio empreendedor pode e deve fazer pelo seu empreendimento: planear, planear e planear. Os fatos devem ser encarados de maneira objectiva. Não basta apenas sonhar, deve-se transformar o sonho em acções concretas, reais, mensuráveis. Para isso, existe uma simples, porém para muitos, tediosa, técnica de se transformar sonhos em realidade: o planeamento. • Quando se considera o conceito de planeamento, têm-se pelo menos três factores críticos que podem ser destacados: • • 1.Toda empresa necessita de um planeamento do seu negócio para poder geri-lo e apresentar a sua ideia a investidores, bancos, clientes e para os seus parceiros, sejam eles fornecedores ou seus funcionários, • 2.Toda a entidade provedora de financiamento, fundos e outros recursos financeiros necessita de um plano de negócios da empresa requisitante para poder avaliar os riscos inerentes ao negócio, e • 3.Poucos empresários sabem como escrever adequadamente um bom plano de negócios. Quando entendem o conceito, geralmente não conseguem colocá-lo objectivamente num plano de negócios. 25
  26. 26. 7. Instinto empresarial • O que muita gente acredita ser um "sexto sentido", intuição, faro empresarial, típicos de gente bem sucedida nos negócios é, na verdade, na maioria das vezes, a soma de todas as qualidades descritas até aqui. Se o empreendedor reúne a maior parte dessas características terá grandes oportunidades de êxito. 26
  27. 27. • Actualmente, aborda-se o empreendedorismo numa outra vertente – a de criação de entidades com um cariz social e não somente lucrativo, bem como a possibilidade das empresas privadas associarem à sua actividade também um objectivo social. 27
  28. 28. O que é o Empreendedorismo Social ? • O empreendedorismo social refere-se aos trabalhos realizados pelo empreendedor social, pessoa que reconhece problemas sociais e tenta utilizar ferramentas empreendedoras para resolvê-los. • Difere do empreendedorismo tradicional, pois tenta maximizar retornos sociais ao invés de maximizar o lucro. 28
  29. 29. O que é o Empreendedorismo Social ? • De maneira mais ampla, o termo pode se referir a qualquer iniciativa empreendedora feita com o intuito de avançar causas sociais e ambientais. • Essa iniciativa pode ser com ou sem fins lucrativos, englobando tanto a criação de um centro de saúde com fins lucrativos numa aldeia onde não exista nenhuma assistência à saúde, como a distribuição de remédios gratuitos para a população pobre. 29
  30. 30. O Empreendedor Social • O empreendedor social visa a maximização do capital social (relações de confiança e respeito) existente para realizar mais iniciativas, programas e acções que permitam à comunidade, cidade ou região que se desenvolverem de maneira sustentável. • Ele faz esses avanços disseminando tecnologias produtivas, aumentando a articulação de grupos produtivos e estimulando a participação da população na esfera política, ampliando o "espaço público" dos cidadãos em situação de exclusão e risco. 30
  31. 31. • Para tal, utiliza técnicas de gestão, inovações produtivas, técnicas de planeamento sustentável de recursos naturais e criatividade para fornecer produtos e serviços que possibilitem a melhoria da condição de vida das pessoas envolvidas e beneficiadas, através da acção dos empreendedores sociais externos e internos a comunidade. • Tais organizações prosseguem a melhoria e transformação do contexto comunitário em que se inserem tendo como modelo de gestão o da auto-sustentabilidade da sua acção e actividade. 31
  32. 32. • Na raíz do seu funcionamento encontra-se um modelo voluntário de participação e co- responsabilização dos empreendedores sociais, que não são motivados apenas por intenções de lucro mas essencialmente pela prestação de serviços que podem propiciar, bem como pelo ganho social que trazem à comunidade. • São essas organizações da sociedade civil que levam a cabo a promoção e criação de emprego e a melhoria das condições de vida, de empregabilidade, de acesso aos bens e à cultura sem que possuam uma finalidade lucrativa, mas visando a auto-sustentabilidade da sua gestão. 32
  33. 33. Os Impulsionadores destas organizações: • São os empreendedores sociais que regem a sua actuação nas instituições da sociedade civil (associações, IPSS´s, organizações não governamentais, associações mutualistas, incubadoras de empresas, etc.) de acordo com motivações de transformação social, de compromisso e de impulsionador social e não somente por uma pura intenção de obter lucro distribuível pelos investidores. 33
  34. 34. Empreendedores Sociais VS. Empreendedores Empresariais: • Os empreendedores sociais partilham com os empreendedores empresariais a mesma intenção de incremento de valor (para uns económico-financeiro, para outros social), as mesmas dificuldades e limitações de meios e recursos e a mesma atitude arrojada, criativa e inovadora de desafio às limitações impostas pela escassez de meios. 34
  35. 35. Conceito de “Empreendedor Social”: • Apesar do conceito de “empreendedorismo social” parecer estranho afigura-se fundamental que exista pois talvez seja realmente o ponto- chave para uma sociedade mais equilibrada e mais justa. • Fazer aparecer mais empresas que conjuguem, de igual modo, o sentido empresarial e social implica uma atitude de compromisso social que preconiza quer a criação de valor privado, quer a transformação social. 35
  36. 36. Conceito de “Empreendedor Social”: • Esta postura implica por natureza que o empreendedor social, à semelhança do empreendedor empresarial seja atento, criativo e inovador. • Quem possui escassos meios direccionados à realização de objectivos e simultaneamente possui muita vontade de os prosseguir tem necessariamente de ser um “caçador” de oportunidades, de ideias e de acasos e simultaneamente um defensor da aprendizagem e da inovação contínuas. 36
  37. 37. Conceito de “Empreendedor Social”: • É precisamente esta atitude de compromisso dos diversos tipos de empreendedores, seja qual for o tipo de mercado em que actuam, que os faz indivíduos apaixonados por projectos, ideias e ideais, actuando com espírito de missão, respeitando importantes valores éticos e visando acima de tudo a transparência e a lealdade nas relações que estabelecem com os seus colaboradores, parceiros de negócio, clientes e fornecedores. • A nota mais característica do empreendedorismo social passa essencialmente pela capacidade de transformar para ganhar mais, sem que a medida do ganho seja somente o lucro mas também a criação de valor social para a comunidade, promovendo o emprego, minorando a exclusão social e a conflitualidade e aumentando as valências de apoio e os benefícios da comunidade. 37
  38. 38. Os empreendedores sociais • Procuram resolver problemas sociais tendo em conta as situações de risco, por exemplo ao lidar com situações de exclusão social, pobreza, miséria e também situações de risco de vida, para isso desenvolvem estratégias de uso de recursos para dar apoio e reforçar as suas missões sociais. Apesar dos seus recursos serem limitados eles trabalham mais com menos procurando sempre atrair recursos de terceiros e estabelecendo parcerias de forma a satisfazerem a sua missão. 38
  39. 39. Definiu-se assim o empreendedor como agentes de mudanças no sector social por: Adoptarem uma missão de gerar e manter o valor social (não apenas valor privado); Investigarem e assegurarem novas oportunidades para servir a tal missão; Empregarem-se num processo de inovação, adaptação e aprendizagem continua; Agirem arrojadamente sem a limitação dos recursos disponíveis; e Exibirem um elevado senso de transparência para com os seus parceiros e público e logo pelos resultados gerados. 39
  40. 40. Diferenças entre Empreendedorismo empresarial e Empreendedorismo Social • Empreendedorismo É individual Produz bens e serviços Tem o foco no mercado Sua medida de desempenho é o lucro Visa a satisfazer necessidades dos clientes e a ampliar as potencialidades do negócio 40 É colectivo Produz bens e serviços à comunidade Tem o foco na busca de soluções para os problemas sociais A sua medida de desempenho é o impacto social Visa respeitar pessoas da situação de risco social e a promovê-las Empreendedorismo social
  41. 41. O empreendedorismo social pode ser assim considerado como: Um novo paradigma de intervenção social, pois apresenta um novo olhar e leitura da relação e integração entre os vários actores e segmentos da sociedade; Um processo de gestão social, pois apresenta, uma cadeia sucessiva e ordenada de acções, que pode ser resumida em três fases: 1º concepção da ideia; 2º Institucionalização e maturação da ideia; 3º Multiplicação da ideia. Uma arte e uma ciência. Uma arte porque permite a cada empreendedor aplicar as suas habilidades e aptidões e, por que não, seus dons e talentos, na sua intuição e sensibilidade na elaboração do processo do empreendedorismo social, uma ciência porque utiliza meios técnicos e científicos para ler, elaborar/planejar e agir sobre e na própria realidade humana e social. 41
  42. 42. O empreendedorismo social pode ser assim considerado como: Uma nova tecnologia social, pois sua capacidade de inovação e de empreender novas estratégias de acção faz com que sua dinâmica gere outras acções que afectam profundamente o processo de gestão social; Um indutor de auto-organização social, pois não é uma acção isolada, mas, ao contrario, necessita da articulação e participação da sociedade para se institucionalizar e apresentar resultados que atendam às reais necessidades da população, tendo de ser duradouro e de alto impacto social. Não é privativo, pois a principal característica e a possível multiplicação da ideia/acção partem de acções locais, mas sua expansão é para o impacto global. Dessa forma, é um sistema dentro de um maior, que é a sociedade, gerando mudanças significativas a partir do processo de interacção, cooperação elevado de capital social. O processo de empreendedorismo social exige, principalmente, o redesenho de relações entre comunidade, governo e sector privado, que se baseia no modelo de parcerias, tendo como principal objectivo retirar pessoas da situação de risco social; 42
  43. 43. Conclusão • De facto o Empreendedorismo é um meio bastante positivo e necessário para o desenvolvimento de todos os países. Embora em Portugal, o Empreendedorismo, e mais especificamente o Empreendedorismo Social sejam ainda bastante recentes, têm sido criadas diversas iniciativas e decisões no sentido do desenvolvimento destas duas áreas, para assim permitir tanto um maior incentivo por parte das pequenas empresas para uma maior inovação e risco à criação e desenvolvimento de empreendimentos, como para as instituições sem fins lucrativos no desenvolvimento e melhoramento das acções sociais e consequentemente desenvolvimento da sociedade. • Empenhadas em exercer uma cidadania responsável, as empresas têm procurado de forma crescente assumir uma postura social, ética e ambiental consciente. Desta forma, procuram interagir com as comunidades envolventes, retribuindo-lhes parte do que delas recebem. É neste sentido que actua o empreendedorismo social para o desenvolvimento da responsabilidade social e consciência para o melhoramento de tantas lacunas existentes a nível do social, como por exemplo a pobreza, o desemprego de pessoas deficientes, entre outros problemas tão preocupantes para um mundo melhor. 43
  44. 44. Actividade: • Elaboração de um projecto de empreendedorismo social. • Criação da ideia (instituição...); • Definição de objectivos da ideia; • Meios para atingir os objectivos; • Definição de tarefas. • Ter em conta: – Aspectos de solidariedade; – Exclusão social; – Resolução de problemas sociais. 44

×