385

266 visualizações

Publicada em

escola

Publicada em: Alimentos
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
266
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
97
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

385

  1. 1. PRINCIPAIS FALHAS DE SEGURANÇA NAPRINCIPAIS FALHAS DE SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO CIVILCONSTRUÇÃO CIVIL Protecção contra quedasProtecção contra quedas Protecção da cabeçaProtecção da cabeça Andaimes - Protecção contra quedasAndaimes - Protecção contra quedas EscavaçõesEscavações Andaimes – Acessos segurosAndaimes – Acessos seguros FormaçãoFormação Andaimes - PlataformasAndaimes - Plataformas Inspecções feitas por pessoas competentesInspecções feitas por pessoas competentes Formação para o risco de quedaFormação para o risco de queda
  2. 2. PRINCIPAIS FALHAS DE SEGURANÇA NASPRINCIPAIS FALHAS DE SEGURANÇA NAS ESCAVAÇÕESESCAVAÇÕES Protecção dos trabalhadores – Sistemas utilizadosProtecção dos trabalhadores – Sistemas utilizados Acessos - SaídasAcessos - Saídas Inspecções por pessoas competentesInspecções por pessoas competentes Protecção contra quedas de material e equipamentoProtecção contra quedas de material e equipamento
  3. 3. LEGISLAÇÃOLEGISLAÇÃO  Decreto nº 41 821 de 11 de Agosto de 1958Decreto nº 41 821 de 11 de Agosto de 1958 Regulamento de Segurança no Trabalho da Construção CivilRegulamento de Segurança no Trabalho da Construção Civil Titulo V - EscavaçõesTitulo V - Escavações Capitulo I - Disposições ComunsCapitulo I - Disposições Comuns Capitulo II - Obras auxiliares, equipamento e a sua utilizaçãoCapitulo II - Obras auxiliares, equipamento e a sua utilização Secção I - EntivaçõesSecção I - Entivações
  4. 4.  Acto ou efeito de escavar; cava. ( De escavar e do lat.Acto ou efeito de escavar; cava. ( De escavar e do lat. Excavatione).Excavatione).  Movimentação de terras, com remoção das mesmas,Movimentação de terras, com remoção das mesmas, podendo ser levada a cabo ao nível do plano de trabalhos oupodendo ser levada a cabo ao nível do plano de trabalhos ou em profundidade.em profundidade. (Dicionário “Editora”, Porto Editora – 5ª Edição.)(Dicionário “Editora”, Porto Editora – 5ª Edição.) (Segurança na Construção – Glossário – IDICT)(Segurança na Construção – Glossário – IDICT) ESCAVAÇÕESESCAVAÇÕES
  5. 5. EscavaçõesEscavações De acordo com a sua estabilidade os trabalhos deDe acordo com a sua estabilidade os trabalhos de escavações podem agrupar-se em dois grandesescavações podem agrupar-se em dois grandes grupos:grupos:  Escavações feitas com uma geometria, que associadaEscavações feitas com uma geometria, que associada às características geológicas e geotécnicas do terreno,às características geológicas e geotécnicas do terreno, não necessitam de trabalhos de contenção.não necessitam de trabalhos de contenção.  Escavações feitas recorrendo à aplicação de todas asEscavações feitas recorrendo à aplicação de todas as técnicas de suporte de terras desenvolvidas pelotécnicas de suporte de terras desenvolvidas pelo Homem.Homem.
  6. 6. A GEOTECNIAA GEOTECNIA  É um ramo da Engenharia que agrupa trêsÉ um ramo da Engenharia que agrupa três disciplinas que se preocupam com a caracterizaçãodisciplinas que se preocupam com a caracterização do comportamento dos terrenos:do comportamento dos terrenos: -- Mecânica dos Solos;Mecânica dos Solos; -- Mecânica das Rochas;Mecânica das Rochas; - Geologia da Engenharia.- Geologia da Engenharia.
  7. 7. O que é o solo?O que é o solo?  O solo é uma mistura de rocha, água, ar e de umaO solo é uma mistura de rocha, água, ar e de uma grande variedade de outras substâncias.grande variedade de outras substâncias.  Para a Engenharia Civil, o solo é entendido comoPara a Engenharia Civil, o solo é entendido como um conjunto de partículas não cimentadas ouum conjunto de partículas não cimentadas ou francamente cimentadas, resultantes da desagregaçãofrancamente cimentadas, resultantes da desagregação de material rochoso.de material rochoso.  Este tipo de ligações, designa-se por coesão, a qualEste tipo de ligações, designa-se por coesão, a qual é condicionada essencialmente pela quantidade deé condicionada essencialmente pela quantidade de água no solo.água no solo.
  8. 8. TIPOS DE SOLOTIPOS DE SOLO  TIPO ATIPO A É um solo de consistência média com uma força de compressão deÉ um solo de consistência média com uma força de compressão de 1,5 newton/ m1,5 newton/ m²² ou maior.ou maior. -É exemplo deste solo o barro.É exemplo deste solo o barro. Nota:Nota: Este tipo de solo não pode apresentar os seguintes indícios:Este tipo de solo não pode apresentar os seguintes indícios: -Fissuras;Fissuras; -Estar exposto a vibrações, devido a trânsito por exemplo;Estar exposto a vibrações, devido a trânsito por exemplo; -Ter sido anteriormente mexido;Ter sido anteriormente mexido; -Ter sido sujeito a outros factores que alteram a suaTer sido sujeito a outros factores que alteram a sua classificação.classificação.
  9. 9. Tipo BTipo B  É um solo de pouca consistência com uma força deÉ um solo de pouca consistência com uma força de compressão compreendida entre 0,5 e 1,5compressão compreendida entre 0,5 e 1,5 newton/ mnewton/ m²² .. -É exemplo deste solo a lama ou o lodo.-É exemplo deste solo a lama ou o lodo.  Este tipo de solo também inclui os solos de tipo A queEste tipo de solo também inclui os solos de tipo A que apresentam fissuras ou que estiveram sujeitos a vibrações,apresentam fissuras ou que estiveram sujeitos a vibrações, assim como os solos de rocha que não são estáveis.assim como os solos de rocha que não são estáveis.
  10. 10. Tipo CTipo C  É um solo de pouca consistência com uma força deÉ um solo de pouca consistência com uma força de compressão compreendida de 0,5compressão compreendida de 0,5 newton/ mnewton/ m²² ou menos.ou menos. - É exemplo deste solo a areia e a gravilha.É exemplo deste solo a areia e a gravilha.  Inclui também solos submersos, solos encharcados eInclui também solos submersos, solos encharcados e rocha submersa que não seja estávelrocha submersa que não seja estável
  11. 11. Rocha estávelRocha estável  É um material mineral sólido natural que pode serÉ um material mineral sólido natural que pode ser escavado verticalmente, permanecendo intacto.escavado verticalmente, permanecendo intacto.
  12. 12. PRINCIPAIS TIPOS DE ESCAVAÇÕESPRINCIPAIS TIPOS DE ESCAVAÇÕES  TRINCHEIRA OU VALATRINCHEIRA OU VALA Escavação longa com largura e profundidade variável.
  13. 13.  GALERIA / TUNELGALERIA / TUNEL Escavação subterrânea horizontal ou inclinada, queEscavação subterrânea horizontal ou inclinada, que estabelece a ligação entre os poços de uma mina.estabelece a ligação entre os poços de uma mina. Pode ser realizada por meio de explosivos ou por meio dePode ser realizada por meio de explosivos ou por meio de equipamentos mecânicosequipamentos mecânicos..
  14. 14.  OUTROS TIPOSOUTROS TIPOS Todas as outras escavações efectuadas pelo homem, comoTodas as outras escavações efectuadas pelo homem, como por exemplo as escavações a céu aberto para a construçãopor exemplo as escavações a céu aberto para a construção de Caves e outros tipos de infra-estruturas.de Caves e outros tipos de infra-estruturas.
  15. 15. Acidentes mortais por soterramento porAcidentes mortais por soterramento por tipo de obratipo de obra 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 1990 1991 1992 1993 Vala/Trincheira Túnel/Galeria Outros tipos
  16. 16. Desmoronamento;Desmoronamento; Esmagamento por queda de objectos;Esmagamento por queda de objectos; Queda de pessoas e veículos para a escavação;Queda de pessoas e veículos para a escavação; Implicações em estruturas vizinhas;Implicações em estruturas vizinhas; Fumos tóxicos;Fumos tóxicos; Incêndios;Incêndios; Electrocussão por contacto com cabos subterrâneos;Electrocussão por contacto com cabos subterrâneos; Explosões;Explosões; Perigo para o público em geral.Perigo para o público em geral. Principais perigos nas escavaçõesPrincipais perigos nas escavações
  17. 17. Antes de escavarAntes de escavar  Limpar toda a área, retirando ou escorando tudo oLimpar toda a área, retirando ou escorando tudo o que possa ser fonte de perigo;que possa ser fonte de perigo; Contactar os serviços responsáveis para localizarContactar os serviços responsáveis para localizar instalações subterrâneas na zona da escavação;instalações subterrâneas na zona da escavação; Classificar o tipo de solo;Classificar o tipo de solo; Realizar um plano de emergência;Realizar um plano de emergência;
  18. 18. Pode-se considerar uma escavação um espaçoPode-se considerar uma escavação um espaço confinado ?confinado ? Quando temos uma atmosfera com menos de 19,5% deQuando temos uma atmosfera com menos de 19,5% de oxigénio;oxigénio; Quando existirem outros gases na atmosfera da escavação,Quando existirem outros gases na atmosfera da escavação, que não somente:que não somente: - Gás natural – Proveniente de fugas- Gás natural – Proveniente de fugas - Metano – Proveniente de matérias em decomposição- Metano – Proveniente de matérias em decomposição
  19. 19. Principais causas de desmoronamentoPrincipais causas de desmoronamento Sobrecarga – motivada pelo peso dos equipamentos, materiais. Choque e vibrações – originados pelo equipamento em movimento, trânsito, outras construções, etc... Intercepção de trincheiras – os cantos têm menor suporte e estabilidade. Posição elevada do nível freático. Existência de blocos de pedra no meio do solo. Levantamento do fundo. Nota – Todas estas situações são agravadasNota – Todas estas situações são agravadas quando a escavação se situar perto de valasquando a escavação se situar perto de valas construídas anteriormente.construídas anteriormente.
  20. 20. Cenários de roturaCenários de rotura FendaFenda FendaFenda Área de maior stressÁrea de maior stress Área de maior stressÁrea de maior stressSolo em tensãoSolo em tensão DerrocadaDerrocada DerrocadaDerrocada Primeira DerrocadaPrimeira Derrocada
  21. 21. Cenários de roturaCenários de rotura DerrocadaDerrocada DerrocadaDerrocada FendaFenda FendaFenda Área de maior stressÁrea de maior stress Solo em tensãoSolo em tensão Segunda DerrocadaSegunda Derrocada Terceira DerrocadaTerceira Derrocada
  22. 22. PRINCIPAIS MEIOS DE PROTECÇÃOPRINCIPAIS MEIOS DE PROTECÇÃO NAS ESCAVAÇÕESNAS ESCAVAÇÕES  TaludesTaludes SocalcosSocalcos EntivaçõesEntivações Escudos ou caixas de trincheirasEscudos ou caixas de trincheiras Nota:Nota: Escavações superiores a 6 metros deEscavações superiores a 6 metros de profundidade requerem um sistema de protecçãoprofundidade requerem um sistema de protecção desenhado por um Engenheirodesenhado por um Engenheiro
  23. 23. Escolha de Sistema de ProtecçãoEscolha de Sistema de Protecção  Depende do sitio, das condições e dasDepende do sitio, das condições e das circunstâncias;circunstâncias; Depende dos sistemas disponíveis;Depende dos sistemas disponíveis; Depende do destino do trabalho em questão.Depende do destino do trabalho em questão.
  24. 24. TALUDESTALUDES  Inclinação que se dá à superfície de um terreno, muro,Inclinação que se dá à superfície de um terreno, muro, fosso; rampa, declive; escarpa.fosso; rampa, declive; escarpa. (Dicionário “Editora”, Porto Editora – 5ª Edição.)(Dicionário “Editora”, Porto Editora – 5ª Edição.)  Superfície inclinada de uma escavação ou aterro. O ânguloSuperfície inclinada de uma escavação ou aterro. O ângulo de estabilização de um talude varia, de acordo com o ângulode estabilização de um talude varia, de acordo com o ângulo de atrito interno dos materiais, mas também com o teor dade atrito interno dos materiais, mas também com o teor da água.água. (Segurança na Construção – Glossário – IDICT)(Segurança na Construção – Glossário – IDICT)
  25. 25. Inclinação dos taludes de acordo com os tipos de SoloInclinação dos taludes de acordo com os tipos de Solo Tipo de solo ou de rochaTipo de solo ou de rocha Inclinação máximaInclinação máxima admissível para escavaçõesadmissível para escavações com menos de 6,5 metros.com menos de 6,5 metros. Rocha estávelRocha estável Vertical ( 90º )Vertical ( 90º ) Tipo ATipo A ¾ para 1 ( 53º )¾ para 1 ( 53º ) Tipo BTipo B 1 para 1 ( 45º )1 para 1 ( 45º ) Tipo CTipo C 1 ½ para 1 ( 34º )1 ½ para 1 ( 34º )
  26. 26. Exemplos de Taludes por tipo de soloExemplos de Taludes por tipo de solo Tipo ATipo A Tipo BTipo B TipoTipo CC 6 m máx.6 m máx. 6 m máx.6 m máx. 6 m máx.6 m máx.
  27. 27.  Revestir de tábuas as paredes de uma mina, de um poço,Revestir de tábuas as paredes de uma mina, de um poço, etc.etc. Do latim – instipare, de stipare.Do latim – instipare, de stipare.  Escoramento de sustentação provisória de terras em valasEscoramento de sustentação provisória de terras em valas ou trincheiras.ou trincheiras. (Dicionário “Editora”, Porto Editora – 5ª Edição.)(Dicionário “Editora”, Porto Editora – 5ª Edição.) (Segurança na Construção – Glossário – IDICT)(Segurança na Construção – Glossário – IDICT) ENTIVAÇÕESENTIVAÇÕES
  28. 28. CorrimãoCorrimão CintaCinta EstroncaEstronca Prumo/Prumo/ estaca ouestaca ou pranchapranchaGuardaGuarda Entivação de acordo com o Decreto nº 41821Entivação de acordo com o Decreto nº 41821
  29. 29. Materiais mais utilizadosMateriais mais utilizados De acordo com o art.º 70 do Dec. 41821De acordo com o art.º 70 do Dec. 41821  Madeira - Quando a profundidade < 5 mMadeira - Quando a profundidade < 5 m  Metal - Quando a profundidade > 5 mMetal - Quando a profundidade > 5 m
  30. 30. Características mínimas das madeirasCaracterísticas mínimas das madeiras Natureza do soloNatureza do solo PrumosPrumos CintasCintas EstroncasEstroncas SecçãoSecção CmCm EspaçamentoEspaçamento mm SecçãoSecção CmCm EspaçamentoEspaçamento mm SecçãoSecção CmCm EspaçamentoEspaçamento verticalvertical mm EspaçamentoEspaçamento horizontalhorizontal mm Consistência MédiaConsistência Média 5x155x15 1,801,80 -- -- 10x1510x15 1,201,20 1,801,80 Pouca ConsistênciaPouca Consistência 5x155x15 0,900,90 10x1510x15 1,201,20 10x1510x15 1,201,20 1,801,80 Sem ConsistênciaSem Consistência 5x155x15 ContinuoContinuo 10x1510x15 1,201,20 10x1510x15 1,201,20 1,801,80 Art.º 72º do DL 41 821 – Tabela para profundidades entre 1,20 m e 3 mArt.º 72º do DL 41 821 – Tabela para profundidades entre 1,20 m e 3 m
  31. 31. ESCUDOS OU CAIXAS PARAESCUDOS OU CAIXAS PARA TRINCHEIRASTRINCHEIRAS  São estruturas pré – montadas, preparadas para resistirSão estruturas pré – montadas, preparadas para resistir a desmoronamentos, protegendo os trabalhadores.a desmoronamentos, protegendo os trabalhadores. REGRASREGRAS  Devem estar fixas na valaDevem estar fixas na vala  Devem passar 45 cm acimaDevem passar 45 cm acima do lado vertical da valado lado vertical da vala
  32. 32. Colocação do escudoColocação do escudo
  33. 33. SOCALCOSSOCALCOS 6 m6 m 6 m6 m  Simples ou múltiplosSimples ou múltiplos  Os ângulos dependem do tipoOs ângulos dependem do tipo de solo, tal como já foi referido.de solo, tal como já foi referido.
  34. 34. Utilização de diversos métodos de SegurançaUtilização de diversos métodos de Segurança em conjuntoem conjunto 6 m6 m
  35. 35. Regras de segurançaRegras de segurança ANTES DE ESCAVARANTES DE ESCAVAR  Limpar toda a área, retirando ou escorando tudo oLimpar toda a área, retirando ou escorando tudo o que possa ser fonte de perigo;que possa ser fonte de perigo;  Contactar os serviços responsáveis para localizarContactar os serviços responsáveis para localizar instalações subterrâneas na zona da escavação;instalações subterrâneas na zona da escavação;  Classificar o tipo de solo;Classificar o tipo de solo;  Realizar um plano de emergência.Realizar um plano de emergência.
  36. 36. DURANTE OS TRABALHOSDURANTE OS TRABALHOS  Utilizar material adequado e em boas condições, (art. 77º)Utilizar material adequado e em boas condições, (art. 77º)  Prevenir os desabamentos, usando os meios de protecção;Prevenir os desabamentos, usando os meios de protecção;  Não sobrecarregar os taludes, os produtos das escavações nãoNão sobrecarregar os taludes, os produtos das escavações não podem ser colocados a menos de 0,60 m do bordo da escavação,podem ser colocados a menos de 0,60 m do bordo da escavação, (art. 79º);(art. 79º);  Colocar corrimões ou outro tipo de protecção para evitar a quedaColocar corrimões ou outro tipo de protecção para evitar a queda de pessoas e equipamento para a escavação;de pessoas e equipamento para a escavação;  Verificar as condições ambientais e ventilar sempre queVerificar as condições ambientais e ventilar sempre que necessário;necessário;
  37. 37.  Ter em atenção as condições climatéricas, como por exemploTer em atenção as condições climatéricas, como por exemplo chuvas fortes;chuvas fortes;  Garantir uma supervisão adequada da escavação;Garantir uma supervisão adequada da escavação;  Sempre que necessário construir passadiços para os veículos; (art.Sempre que necessário construir passadiços para os veículos; (art. 73º);73º);  Garantir acessos adequados através de escadas ou rampas, naGarantir acessos adequados através de escadas ou rampas, na abertura da trincheira haverá, pelo menos, uma escada em cadaabertura da trincheira haverá, pelo menos, uma escada em cada troço de 15 metros, a qual sairá 0,90 m para fora da borda superior,troço de 15 metros, a qual sairá 0,90 m para fora da borda superior, (secção III )(secção III )  Zelar pela protecção do público, colocando sinalização,Zelar pela protecção do público, colocando sinalização, construindo barreiras e passadiços, etc,( Capítulo IV)construindo barreiras e passadiços, etc,( Capítulo IV)
  38. 38.  Uma pessoa competente deve Inspeccionar as escavações noUma pessoa competente deve Inspeccionar as escavações no começo de cada turno, depois de qualquer incidente ou acidente;começo de cada turno, depois de qualquer incidente ou acidente;  Não colocar motores de combustão dentro, ou perto dasNão colocar motores de combustão dentro, ou perto das escavações;escavações;  PARAR DE TRABALHAR CASO A INSPECÇÃO MOSTRE QUE A ESCAVAÇÃO NÃO É SEGURA.
  39. 39. O Ideal!!!O Ideal!!!
  40. 40.  EXPLOSÃOEXPLOSÃO Acto ou efeito de explodir; reacção química, rápida eActo ou efeito de explodir; reacção química, rápida e violenta, acompanhada de grande elevação daviolenta, acompanhada de grande elevação da temperatura e de libertação abundante de gases.temperatura e de libertação abundante de gases.  EXPLOSIVOEXPLOSIVO Substância química instável capaz de libertar energia eSubstância química instável capaz de libertar energia e de produzir fragmentação.de produzir fragmentação. EXPLOSÕESEXPLOSÕES
  41. 41. Na construção Civil as Explosões são utilizadasNa construção Civil as Explosões são utilizadas principalmente em:principalmente em:  DEMOLIÇÕESDEMOLIÇÕES  ESCAVAÇÕESESCAVAÇÕES EXPLOSÕESEXPLOSÕES
  42. 42.  A explosão ocorrer inopinadamente.A explosão ocorrer inopinadamente.  Projecção de materiais a grandes alturas e distâncias.Projecção de materiais a grandes alturas e distâncias.  Desabamento de outras estruturas, por efeito dasDesabamento de outras estruturas, por efeito das vibrações.vibrações.  Não explodir.Não explodir. PRINCIPAIS PERIGOSPRINCIPAIS PERIGOS EXPLOSÕESEXPLOSÕES
  43. 43.  Deve-se efectuar um plano de operação e de segurança.Deve-se efectuar um plano de operação e de segurança.  Deve-se fazer um levantamento de tudo o que circunda aDeve-se fazer um levantamento de tudo o que circunda a área da explosão, incluindo serviços subterrâneos.área da explosão, incluindo serviços subterrâneos.  Se existir a possibilidade de ocorrência de muitasSe existir a possibilidade de ocorrência de muitas vibrações deve-se efectuar testes nas estruturas vizinhas.vibrações deve-se efectuar testes nas estruturas vizinhas.  Deve-se avisar as populações, das medidas a tomar devidoDeve-se avisar as populações, das medidas a tomar devido ás vibrações.ás vibrações.  Deve-se criar limites de segurança. Nunca < a um raio deDeve-se criar limites de segurança. Nunca < a um raio de 100 m, medido do centro da explosão100 m, medido do centro da explosão ANTES DE EXPLODIRANTES DE EXPLODIR EXPLOSÕESEXPLOSÕES
  44. 44. CUIDADOS A TER COM OS EXPLOSIVOSCUIDADOS A TER COM OS EXPLOSIVOS EXPLOSÕESEXPLOSÕES  MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA O FOGOMEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA O FOGO -- Deve-se afastar os explosivos de toda a fonte de chama ou calor.Deve-se afastar os explosivos de toda a fonte de chama ou calor.  TRANSPORTE DE EXPLOSIVOSTRANSPORTE DE EXPLOSIVOS - Os veículos utilizados devem ter a caixa de transporte forrada aOs veículos utilizados devem ter a caixa de transporte forrada a madeira.madeira. - Devem estar protegidos contra a emissão de faíscas,Devem estar protegidos contra a emissão de faíscas, nomeadamente na zona do cano-de-escape.nomeadamente na zona do cano-de-escape. - Devem ser transportados sozinhos.Devem ser transportados sozinhos. - O veiculo tem que ser identificado.- O veiculo tem que ser identificado. - Tem que estar equipado com um extintor de pó químico ABC.Tem que estar equipado com um extintor de pó químico ABC.
  45. 45. CUIDADOS A TER COM OS EXPLOSIVOSCUIDADOS A TER COM OS EXPLOSIVOS EXPLOSÕESEXPLOSÕES  ARMAZENAMENTOARMAZENAMENTO -- Deve existir um inventário actualizado dos explosivos. - Devem estar fechados. - Deve-se seguir as instruções de armazenamento inscritas nas caixas. - Deve-se usar o sistema FIFO (1º a entrar é o 1º a sair do armazém). - Não se deve utilizar material metálico para executar a abertura e transporte das caixas. - As instalações devem ser secas e ventiladas e relativamente frescas. - As instalações devem ser à prova de fogo e de bala. Os detonadores nunca são armazenados juntamente com os explosivos
  46. 46. CUIDADOS A TER COM OS EXPLOSIVOSCUIDADOS A TER COM OS EXPLOSIVOS EXPLOSÕESEXPLOSÕES  UTILIZAÇÃOUTILIZAÇÃO SÓ UMA PESSOA COMPETENTE E HABILITADA DEVE MANUSEAR OS EXPLOSIVOS E PREPARAR AS ZONAS A EXPLODIR.
  47. 47. DEPOIS DE EXPLODIRDEPOIS DE EXPLODIR EXPLOSÕESEXPLOSÕES  Desligar o explosor dos fios;Desligar o explosor dos fios;  Deixar passar tempo por forma a que o fumo e o pó deixem a zona daDeixar passar tempo por forma a que o fumo e o pó deixem a zona da explosão.explosão.  O responsável pela explosão deve inspeccionar a zona para verificarO responsável pela explosão deve inspeccionar a zona para verificar se todos os explosivos rebentaram.se todos os explosivos rebentaram.  O responsável deve recolher todos os fios e cargas não utilizadas.O responsável deve recolher todos os fios e cargas não utilizadas.  Deve-se inspeccionar a zona, principalmente nas escavações, paraDeve-se inspeccionar a zona, principalmente nas escavações, para determinar a segurança da restante obra.determinar a segurança da restante obra.
  48. 48. Realizado porRealizado por Fernando SantosFernando Santos 20072007

×