A Cronoestratigrafia trata das relações de idade relativa dos
corpos rochosos. Cada unidade cronostratigráfica representa ...
A datação relativa estabelece a ordem sequencial dos eventos
geológicos, baseada na interpretação cronostratigráfica da su...
Nicolas Steno (1638-1686) observou que os sedimentos se depositavam em camadas,
sendo os da base os mais antigos – princíp...
Steno também verificou que, devido à influência da gravidade, os
sedimentos suspensos na água são depositados preferencial...
O princípio da intersecção proposto por James Hutton (1726-1797)
enuncia que qualquer corpo ígneo, falha ou estrutura que ...
O princípio da inclusão, aplicado geralmente a rochas conglomeráticas ou
brechas tectónicas, enuncia que qualquer rocha qu...
A, B, C e D - Rochas
sedimentares
 Formou-se a camada A, a qual foi, posteriormente intruída por um magma que se
originou...
Ciclos de gelo-degelo
Verão
Inverno
1 ano
Esta alternância rítmica de estratos formados no Verão e no Inverno originam
var...
A Biostratigrafia é um ramo da estratigrafia que permite correlacionar e fazer a
datação relativa de rochas, através do es...
Dendrocronologia
Anéis
mais
recentes
Primavera/Verão
Inverno
Toda a matéria é composta por elementos químicos, que por sua vez são
constituídos por partículas extremamente pequenas, o...
Existem, contudo, quatro pontos importantes a ter em conta no cálculo da idade absoluta
de uma rocha ou mineral. São eles:...
Na determinação da idade da Terra, recorre-se a isótopos instáveis cujo período de meia
vida seja longo, na ordem de milhõ...
Ramo da estratigrafia que estuda as características das rochas estratificadas com
base nas suas propriedades magnéticas.
A- 2,5 M.a.
B- 3,5 M.a.
37584542 estratigrafia2
37584542 estratigrafia2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

37584542 estratigrafia2

255 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
255
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

37584542 estratigrafia2

  1. 1. A Cronoestratigrafia trata das relações de idade relativa dos corpos rochosos. Cada unidade cronostratigráfica representa um determinado intervalo de tempo geológico, durante o qual se formaram corpos rochosos, estratificados ou não. Deste modo, é possível estabelecer a sucessão temporal das rochas de uma região, formando uma coluna estratigráfica, tendo as mais antigas na base e as mais jovens no topo. Por esta via estabelece-se a datação relativa dos eventos terrestres. A Geocronometria trata da quantificação (numérica) do tempo geológico com base no decaimento radioactivo de elementos presentes nos materiais a datar. Estas unidades expressam a extensão temporal antes do presente, não a duração do intervalo do tempo geológico passado. Por esta via estabelece-se a datação absoluta dos eventos terrestres. As informações obtidas pelos dois métodos são usadas na construção da Escala de tempo geológico e na ordenação dos eventos geológicos.
  2. 2. A datação relativa estabelece a ordem sequencial dos eventos geológicos, baseada na interpretação cronostratigráfica da sucessão de rochas e seus conteúdos por eles formadas ou modificadas. Tem como base vários princípios geológicos, os quais possibilitam a interpretação da sucessão relativa dos eventos que ocorreram ao longo da história da Terra. Esta interpretação é limitada ao registo litológico preservado. Existem intervalos temporais não materializados no registo litológico, coincidindo com ausência de formação de rochas e/ou a sua destruição. Além disso, como anteriormente já referido, não nos informa há quanto tempo ocorreu determinado evento geológico, apenas se antecedeu ou precedeu um outro. A Cronostratigrafia baseia-se em 5 princípios gerais: o da Sobreposição, da Horizontalidade, da Continuidade Lateral, da Intersecção e da Inclusão.
  3. 3. Nicolas Steno (1638-1686) observou que os sedimentos se depositavam em camadas, sendo os da base os mais antigos – princípio da sobreposição. Este princípio é fundamental na determinação da idade relativa de duas ou mais entidades geológicas. Mais Recente Mais Antigo
  4. 4. Steno também verificou que, devido à influência da gravidade, os sedimentos suspensos na água são depositados preferencialmente em camadas horizontais, designadas por estratos, paralelas à superfície de deposição, a superfície de estratificação. Segundo Steno os sedimentos estendem-se lateralmente em todas as direcções havendo, por este motivo, uma continuidade lateral dos estratos. Estes dois princípios enunciados por Steno podem ser referidos como o princípio da horizontalidade original (a) e continuidade lateral dos estratos (b)
  5. 5. O princípio da intersecção proposto por James Hutton (1726-1797) enuncia que qualquer corpo ígneo, falha ou estrutura que intersecte uma sequência de rochas, é mais recente do que as rochas por ele atravessadas ou modificadas da sua posição original.
  6. 6. O princípio da inclusão, aplicado geralmente a rochas conglomeráticas ou brechas tectónicas, enuncia que qualquer rocha que contenha elementos de outra (preexistente) é-lhe posterior
  7. 7. A, B, C e D - Rochas sedimentares  Formou-se a camada A, a qual foi, posteriormente intruída por um magma que se originou a rocha magmática α;  Houve uma nova intrusão que originou a formação do filão β;  Este conjunto sofreu erosão tendo-se depositado em seguida a camada B;  Nova acção magmática que origina uma estrutura em forma de vulcão γ;  Deposição da camada C, com magmatismo que origina a estrutura δ; β α γ δ  Deposita-se a camada D.
  8. 8. Ciclos de gelo-degelo Verão Inverno 1 ano Esta alternância rítmica de estratos formados no Verão e no Inverno originam varvitos. Estes são os depósitos rítmicos mais pequenos e mais importantes para o estudo do passado da Terra, nomeadamente as modificações climáticas.
  9. 9. A Biostratigrafia é um ramo da estratigrafia que permite correlacionar e fazer a datação relativa de rochas, através do estudo das associações fósseis nelas contidas. “Relógios” Paleontológicos Estratos com as mesmas associações fossilíferas possuem a mesma idade – Princípio da Identidade Paleontológica. Os fósseis permitem definir unidades biostratigráficas – biozonas. Fósseis de identidade estratigráfica – caracterizam-se por terem uma distribuição limitada no tempo, uma ampla distribuição geográfica e serem abundantes nos estratos.
  10. 10. Dendrocronologia Anéis mais recentes Primavera/Verão Inverno
  11. 11. Toda a matéria é composta por elementos químicos, que por sua vez são constituídos por partículas extremamente pequenas, os átomos. O núcleo dos átomos é constituído por protões (partículas com carga positiva) e neutrões (partículas com carga neutra). A circundar o núcleo encontram-se os electrões (partículas carregadas negativamente). É o número de protões que determina o número atómico de um elemento e permite o estabelecimento das suas características e propriedades físico-químicas, juntamente com os electrões associados . A combinação do número de protões com o número de neutrões num átomo corresponde ao número de massa. Contudo, nem todos os átomos do mesmo elemento têm igual número de neutrões no núcleo. Estas variedades do mesmo elemento são chamadas de isótopos. Apesar de muitos isótopos serem estáveis, outros não o são. É precisamente o decaimento de um isótopo instável (isótopo-pai) para outro estável (isótopo-filho) que envolve a emissão de radiação. A taxa de decaimento (constante de decaimento) de isótopos instáveis é usada na determinação da idade absoluta das rochas .
  12. 12. Existem, contudo, quatro pontos importantes a ter em conta no cálculo da idade absoluta de uma rocha ou mineral. São eles:  As rochas são formadas por minerais, que são constituídos por elementos químicos, alguns deles possuindo isótopos radioactivos.  O decaimento radioactivo envolve ainda o conceito de meia-vida ou semi-vida. Esta corresponde ao tempo decorrido para que metade do número de átomos do elemento-pai instável se transforme em átomos do elemento-filho mais estável. Trata-se de um valor conhecido e diferente para cada isótopo radioactivo existente.  Para a aplicação de métodos de datação absoluta é necessário ainda que a rocha ou mineral se tenha comportado como um sistema fechado após a sua formação.  Tem que haver homogeneização isotópica do magma. Cada grão mineral em que exista um isótopo radioactivo funciona como um cronómetro, porque assim que cristaliza e que o sistema isotópico fecha inicia-se o decaimento radioactivo. Determinando-se a quantidade do isótopo-pai e do isótopo-filho no grão mineral e sabendo a constante de decaimento, é possível saber há quanto tempo ocorre o decaimento radioactivo e, portanto, quando o mineral se formou.
  13. 13. Na determinação da idade da Terra, recorre-se a isótopos instáveis cujo período de meia vida seja longo, na ordem de milhões de ano. Isto porque é necessário que estes já estivessem presentes quando a Terra se formou. Na tabela encontram-se indicados os sistemas isotópicos mais usados em geocronologia, o intervalo de datação e os minerais e rochas passíveis de serem datados.
  14. 14. Ramo da estratigrafia que estuda as características das rochas estratificadas com base nas suas propriedades magnéticas.
  15. 15. A- 2,5 M.a. B- 3,5 M.a.

×