SlideShare uma empresa Scribd logo
I Seminário da Terceira Idade
ESTSP
Maus Tratos e Negligência a
Idosos
José Ferreira-Alves
Universidade do Minho
Maus Tratos e Negligência aos
idosos
• Tende a ser um assunto subreferenciado pelas
vítimas na medida em que estas temem:
– A perda do cuidador mesmo sendo este abusivo
– Ficar só sem ter ninguém que o cuide
– Ser colocado numa instituição
– Perda de privacidade e de relações familiares
– Recriminações pelo alegado abusador
– Exposição pública e intervenção exterior
– Ninguém acreditar no abuso
– Ser responsáveis pelo comportamento abusivo
Definição geral de abuso ao
idoso
• Acto único ou repetido ou falta de acção
que ocorre no contexto de uma relação na
qual há uma expectativa de confiança e que
causa danos ou perturbações à pessoa idosa
Tipos de Abuso
• Abuso físico
– Uso da força física que pode resultar em ferimentos
corporais, em dor física ou em incapacidade. Punições
físicas de qualquer tipo
• Abuso Sexual
– Contacto sexual não consensualizado de qualquer tipo
• Abuso emocional ou psicológico
– Inflicção de angústia, dor ou aflição
• Exploração material ou financeira
– Uso ilegal ou inapropriado de fundos, propriedades ou
bens do idoso
Tipos de Abuso
• Abandono
– a deserção de ao pé de uma pessoa idosa por parte de um
indivíduo que tinha a sua custódia física ou que tinha
assumido a responsabilidade de lhe fornecer cuidados.
• Negligência
– recusa ou ineficácia em satisfazer qualquer parte das
obrigações ou deveres para com um idoso.
• Auto-negligência
– comportamentos de uma pessoa idosa que ameaçam a sua
própria saúde ou segurança. Estão excluídas situações nas
quais uma pessoa idosa mentalmente capaz (que compreende
as consequências das suas decisões) toma decisões
conscientes e voluntárias de se envolver em actos que
ameaçam a sua saúde ou segurança.
Prevalência do abuso ou maus
tratos
Prevalência do abuso ou maus tratos
• Dados do estudo de incidência de abuso de idosos
(EAIS, 1997)
– A negligência foi o tipo mais frequente de maus tratos
aos idosos (48,7%), seguido do abuso
emocional/psicológico (35,5%), abuso financeiro
(30,2%) e o quarto o abuso físico (26,6%)
– Os filhos eram os principais perpetradores com 47,3%
de incidentes relatados, seguidos dos cônjuges (19,3%),
outros familiares (8,8%) e netos (8,6%).
– Em quase 90% de incidentes de abuso e negligência, o
perpetrador foi um familiar, sendo que destes 2/3 são
filhos ou cônjuges
– As vítimas de auto-negligência estão normalmente
deprimidas, confusas ou extremamente frágeis
Prevalência do abuso ou maus tratos
– O risco de abuso aumenta em idosos com
demência (Dyer et al, 2000; Cooney &
Mortimer, 1995)
– Pacientes que foram abusados ou
negligenciados mais provavelmente são
diagnosticados com depressão (62%) e
demência (51%) contra quem não é abusado
(12% e 30% respectivamente) (Dyer e al.
2000).
– Cooney & Mortimer (1995) constataram uma
taxa de prevalência de abuso de pessoas com
demência, na ordem dos 50%
Factores de risco para o abuso
(Jones et al. 1995)
• Excessiva dependência do idoso para actividades
de vida diária
– Ressentimento do cuidador em dar muito e em receber
pouco
• O cuidador distante
– Pobre qualidade pré-mórbida da relação
– Pressões exteriores (emprego, família, finanças)
– Falta de suporte social
– Sobrecarga emocional
– Depressão
– Aumento das necessidades de cuidados de um familiar
demente
Factores de risco para o abuso
(Jones et al. 1995)
• História de violência familiar
– Abuso de crianças ou da esposa
• Psicopatologia do cuidador
– Abuso de substâncias
– Personalidade sociopática
– Hostilidade para com o idoso
– Autoritário e rígido para com os outros
• Dependência do idoso por parte do cuidador
– Alojamento, suporte financeiro
Factores de risco para o abuso
(Jones et al. 1995)
• Ambiente sócio-cultural
– Habitação inadequada
– Ressentimento e irritação do idoso sobre a
diminuição do estatuto dentro da família
– Personalidade exigente do idoso
– Sanções culturais contra a procura de ajuda fora
da família
Indicadores de Abuso (Reis, 2000)
• Cuidador:
– 1. Ter problemas de
comportamento
– 2. Estar financeiramente
dependente
– 3. Ter problemas mentais
/emocionais
– 6. Ter problemas de abuso
de álcool ou outras
substâncias
– 7. Ter expectativas
irrealistas
– 9. Não compreende a
condição médica do idoso
• Idoso
– 4. Foi abusado no passado
– 5. Tem conflitos
conjugais/familiares
– 8. Pouca compreensão da
sua condição médica
– 11. Sofre de isolamento
social
– 15. Falta-lhe suporte social
– 16. Tem problemas de
comportamento
– 18. É financeiramente
dependente
Indicadores de Abuso (Reis, 2000)
• Cuidador
– 12. Ter conflitos conjugais ou
familiares
– 13. Relação actual com o idoso
de baixa qualidade
– 14. Inexperiência na prestação
de cuidados
– 17. Acusador
– 24. Relação passada com o
idoso de baixa qualidade
• Idoso
– 19. Tem expectativas
irrealistas
– 20. Tem problemas de álcool
ou de medicação
– 21. Relação actual com o
cuidador de baixa qualidade
– 22. Tem ferimentos e faz
quedas suspeitos
– 23. Tem problemas
mentais/emocionais
– 25. Acusador
– 26. É emocionalmente
dependente
– 27. Não tem médico regular
Indícios de possíveis maus tratos
Hirsch, C. & Loewy, R. (2001)
• Gerais
– Cuidador de um idoso com défices cognitivos falta a
encontro marcado
– Cuidador não visita o paciente no hospital
– Relutância em responder a perguntas acerca de uma
descoberta física suspeita ou de doença
– Explicações vagas ou não plausíveis dadas pelo
cuidador ou pelo paciente para ferimentos
– Uma história de “esperança no médico”
– Tensão ou indiferença entre o cuidador e o paciente
Indícios de possíveis maus tratos
Hirsch, C. & Loewy, R. (2001)
• Sinais físicos suspeitos
– Múltiplas feridas ou feridas em diferentes estádios de
recuperação
– Feridas ou pisaduras em locais não usuais
– Feridas com um padrão
– Evidência de ferimentos antigos não documentados
previamente
– Nariz ou dentes partidos
– Evidência radiográfica de feridas antigas desalinhadas
– Níveis subterapêuticos de drogas
– Paciente sem óculos, dentadura ou auxiliar auditivo
Indícios de possíveis maus tratos
Hirsch, C. & Loewy, R. (2001)
• Cuidador
– Baixo conhecimento dos problemas médicos do
paciente
– Excessiva preocupação com os custos
– Tentativas de dominar a entrevista médica
– Abuso verbal ou hostilidade para com o idoso durante o
encontro
– Hostilidade para com o prestador de cuidados de saúde
– Evidência de abuso de substâncias ou de problemas de
saúde mental
Indícios de possíveis maus tratos
Hirsch, C. & Loewy, R. (2001)
• A vítima
– Timidez para com o cuidador
– Relutância em fazer contacto ocular
– Diagnóstico de demência com história de problemas de
comportamento
– Na pessoa demente uma resistência não explicada ou
medo de contacto físico, de tirar as roupas, de ir ao WC
ou de lavar as partes íntimas
– Depressão, ansiedade, insónia
Sinais e Sintomas de Abuso
Abuso Físico Feridas, olhos negros, vergão, lacerações, marcas de cordas;
feridas abertas, cortes, suturas, feridas não tratadas em vários estádios de
recuperação; entorses, deslocamentos ou feridas /hemorragias internas; óculos
partidos, sinais de ter sido reprimido; descobertas laboratoriais de overdose de
medicação ou subutilização de medicamentos prescritos; o relato de uma pessoa
idosa de ter sido batida, esbofeteada, pontapeada ou mal tratada; uma mudança
súbita de comportamento da pessoa idosa; a recusa do cuidador em permitir visitas
à pessoa idosa
Abuso material/financeiro Mudanças repentinas nas contas bancárias ou
nas práticas bancárias; a inclusão de nomes adicionais na conta bancária da pessoa
idosa; retirada não autorizada de fundas da pessoa idosa usando cartões bancários;
mudança abrupta no testamento ou em outros documentos financeiros,
desaparecimento inexplicado de fundos ou valores valiosos; facturas não pagas
apesar de haver dinheiro; descoberta de falsificação da assinatura da pessoa idosa;
transferência súbita inexplicada de valores para alguém dentro ou fora da família; o
relato da pessoa idosa de que sofreu abuso financeiro
Sinais e Sintomas de Abuso
Abuso sexual Pisaduras à volta dos seios ou das áreas genitais;
doença venérea inexplicada ou infecções genitais; sangramento vaginal ou
anal inexplicado; roupa interior manchada ou ensanguentada; o relato de
uma pessoa idosa de que foi ameaçada ou violada
Abuso psicológico / emocional Estar emocionalmente
aborrecida ou agitada; estar extremamente afastada, não comunicativa e
não responsiva; comportamento não usual normalmente atribuído a
demência (por exemplo, sugar, bater, oscilar); o relato de uma pessoa
idosa de ter sido abusada verbalmente ou emocionalmente
Abandono Abandono de uma pessoa idosa no hospital ou num lar ou
outra instituição; abandono de uma pessoa idosa num centro comercial ou
outro lugar público; o relato de uma pessoa idosa de ter sido abandonada
Sinais e Sintomas de Negligência e
de Auto-Negligência
Negligência Desidratação, má nutrição, escaras não tratadas, pouca
higiene pessoal; problemas de saúde não vigiados ou não tratados;
condições de vida arriscadas ou não seguras (sujidade, roupa de cama
suja, cheiro...)
Auto-Negligência Desidratação, má nutrição, escaras não
tratadas, pouca higiene pessoal; problemas de saúde não vigiados ou
não tratados; condições de vida arriscadas ou não seguras (sujidade,
roupa de cama suja, cheiro...); condições de vida sem sanidade; roupa
inapropriada, falta de instrumentos de ajuda médica (óculos,
instrumento de audição); alojamento grosseiramente desadequado ou
sem alojamento
Teorias explicativas do abuso
• O modelo do stress situacional
– Os maus tratos são um fenómeno situacional que ocorre
quando se gera stress no cuidador especialmente por
incapacidade física ou mental da vítima, por baixas
condições sócio-económicas ou por falta de
competências de coping do cuidador
• A teoria da troca social
– O cuidador sentirá maior poder e menor recompensa na
relação e isso pode levar a qualquer tipo de mau trato
• Modelo da violência transgeracional
– o abuso dever-se-ia a uma aprendizagem ao longo do
desenvolvimento, dada pela observação e/ou
experiência de abuso ou maus tratos que se perpetuaria
assim de geração em geração
Teorias explicativas do abuso
• O modelo da violência bidireccional
– A violência e o abuso são um fenómeno
bidireccional praticado tanto pela vítima como
pelo cuidador
• O modelo da psicopatologia do perpetrador
– O risco de abuso está relacionado com as
características do abusador sobretudo de
aspectos da sua saúde mental

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Violência doméstica
Violência doméstica   Violência doméstica
Audiência publica violência 2013
Audiência publica violência 2013Audiência publica violência 2013
Audiência publica violência 2013
Cgrbrasil Desenvolvimento
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Thiago de Almeida
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissionalCaso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
martasara
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorialCaso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Idosos albamaria violência
Idosos albamaria violênciaIdosos albamaria violência
Idosos albamaria violência
Anna Trina
 
Slide violência contra o idoso
Slide violência contra o idosoSlide violência contra o idoso
Slide violência contra o idoso
Karolina Peixoto
 
Transtorno do Comportamento Disruptor
Transtorno do Comportamento DisruptorTranstorno do Comportamento Disruptor
Transtorno do Comportamento Disruptor
Instituto Consciência GO
 
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Sara Américo
 
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade   CóPiaViolêNcia Na Terceira Idade   CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
susana12345
 
Transtornos de personalidade
Transtornos de personalidadeTranstornos de personalidade
Transtornos de personalidade
gfolive
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
Cláudia Sofia
 
Violencia contra o idosoatualizado
Violencia contra o idosoatualizadoViolencia contra o idosoatualizado
Violencia contra o idosoatualizado
Mayara Oliveira
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Cláudio Costa
 
Trasntorno por uso de álcool
Trasntorno por  uso de álcoolTrasntorno por  uso de álcool
Trasntorno por uso de álcool
Marisa Campos
 
Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidade
Lu1zFern4nando
 
Caderno violencia idoso_atualizado_19jun
Caderno violencia idoso_atualizado_19junCaderno violencia idoso_atualizado_19jun
Caderno violencia idoso_atualizado_19jun
Bernadetecebs .
 
Esquizofrenia Hebefrênica
Esquizofrenia HebefrênicaEsquizofrenia Hebefrênica
Esquizofrenia Hebefrênica
Ravenny Caminha
 

Mais procurados (20)

Violência doméstica
Violência doméstica   Violência doméstica
Violência doméstica
 
Audiência publica violência 2013
Audiência publica violência 2013Audiência publica violência 2013
Audiência publica violência 2013
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissionalCaso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorialCaso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
 
Idosos albamaria violência
Idosos albamaria violênciaIdosos albamaria violência
Idosos albamaria violência
 
Slide violência contra o idoso
Slide violência contra o idosoSlide violência contra o idoso
Slide violência contra o idoso
 
Transtorno do Comportamento Disruptor
Transtorno do Comportamento DisruptorTranstorno do Comportamento Disruptor
Transtorno do Comportamento Disruptor
 
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
Aula esquizofrenia [salvo automaticamente]
 
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade   CóPiaViolêNcia Na Terceira Idade   CóPia
ViolêNcia Na Terceira Idade CóPia
 
Transtornos de personalidade
Transtornos de personalidadeTranstornos de personalidade
Transtornos de personalidade
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
 
Violencia contra o idosoatualizado
Violencia contra o idosoatualizadoViolencia contra o idosoatualizado
Violencia contra o idosoatualizado
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
 
Trasntorno por uso de álcool
Trasntorno por  uso de álcoolTrasntorno por  uso de álcool
Trasntorno por uso de álcool
 
Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidade
 
Caderno violencia idoso_atualizado_19jun
Caderno violencia idoso_atualizado_19junCaderno violencia idoso_atualizado_19jun
Caderno violencia idoso_atualizado_19jun
 
Esquizofrenia Hebefrênica
Esquizofrenia HebefrênicaEsquizofrenia Hebefrênica
Esquizofrenia Hebefrênica
 

Semelhante a 2013

Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RSPalestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
VIROUCLIPTAQ
 
Violência contra idosos
Violência contra idososViolência contra idosos
Violência contra idosos
pastorlinaldo
 
Violencia contra Idosos
Violencia contra IdososViolencia contra Idosos
Violencia contra Idosos
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptxviolência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
KarineRibeiro57
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra Crianças
David Nordon
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
Nilson Dias Castelano
 
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Marcelly Cley
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx
lioMiltonPires1
 
Perturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescênciaPerturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescência
Sapphire Spell
 
Violencia intrafamiliar
Violencia intrafamiliarViolencia intrafamiliar
Violencia intrafamiliar
joanaanm
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
Luisa Sena
 
Violência contra o idoso.docx
Violência contra o idoso.docxViolência contra o idoso.docx
Violência contra o idoso.docx
FernandaCarla31
 
Infância e violência doméstica
Infância e violência domésticaInfância e violência doméstica
Infância e violência doméstica
Maria Clara Teixeira
 
maio laranja (1).pptx
maio laranja (1).pptxmaio laranja (1).pptx
maio laranja (1).pptx
Ribamar Benedito
 
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
Roberto C. Mayer
 
Maus Tratos e Adopção (Cp)
Maus Tratos e Adopção (Cp)Maus Tratos e Adopção (Cp)
Maus Tratos e Adopção (Cp)
EFA NS BALTAR
 
Demência e saúde mental na terceira idade
Demência  e saúde mental na terceira idadeDemência  e saúde mental na terceira idade
Demência e saúde mental na terceira idade
ssuserf8721e1
 
Maus tratos crianças e Jovens-----------
Maus tratos crianças e Jovens-----------Maus tratos crianças e Jovens-----------
Maus tratos crianças e Jovens-----------
RicardoNunes862936
 

Semelhante a 2013 (20)

Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RSPalestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
 
Violência contra idosos
Violência contra idososViolência contra idosos
Violência contra idosos
 
Violencia contra Idosos
Violencia contra IdososViolencia contra Idosos
Violencia contra Idosos
 
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptxviolência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
violência e maus tratos contra o idoso karine Ribeiro.pptx
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra Crianças
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx5-Pert.-personalidade.pptx
5-Pert.-personalidade.pptx
 
Perturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescênciaPerturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescência
 
Violencia intrafamiliar
Violencia intrafamiliarViolencia intrafamiliar
Violencia intrafamiliar
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Violência contra o idoso.docx
Violência contra o idoso.docxViolência contra o idoso.docx
Violência contra o idoso.docx
 
Infância e violência doméstica
Infância e violência domésticaInfância e violência doméstica
Infância e violência doméstica
 
maio laranja (1).pptx
maio laranja (1).pptxmaio laranja (1).pptx
maio laranja (1).pptx
 
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
 
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
 
Maus Tratos e Adopção (Cp)
Maus Tratos e Adopção (Cp)Maus Tratos e Adopção (Cp)
Maus Tratos e Adopção (Cp)
 
Demência e saúde mental na terceira idade
Demência  e saúde mental na terceira idadeDemência  e saúde mental na terceira idade
Demência e saúde mental na terceira idade
 
Maus tratos crianças e Jovens-----------
Maus tratos crianças e Jovens-----------Maus tratos crianças e Jovens-----------
Maus tratos crianças e Jovens-----------
 

Mais de Pelo Siro

1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas
Pelo Siro
 
11955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 111955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 1
Pelo Siro
 
1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros
Pelo Siro
 
1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais
Pelo Siro
 
119625756 motsser2
119625756 motsser2119625756 motsser2
119625756 motsser2
Pelo Siro
 
119999888 revisoes
119999888 revisoes119999888 revisoes
119999888 revisoes
Pelo Siro
 
119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos
Pelo Siro
 
2146
21462146
2146
Pelo Siro
 
2079
20792079
2079
Pelo Siro
 
2080
20802080
2080
Pelo Siro
 
2064
20642064
2064
Pelo Siro
 
2061
20612061
2061
Pelo Siro
 
2060
20602060
2060
Pelo Siro
 
2032
20322032
2032
Pelo Siro
 
2031
20312031
2031
Pelo Siro
 
2019
20192019
2019
Pelo Siro
 
2018
20182018
2018
Pelo Siro
 
2017
20172017
2017
Pelo Siro
 
2015
20152015
2015
Pelo Siro
 
2014
20142014
2014
Pelo Siro
 

Mais de Pelo Siro (20)

1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas
 
11955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 111955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 1
 
1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros
 
1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais
 
119625756 motsser2
119625756 motsser2119625756 motsser2
119625756 motsser2
 
119999888 revisoes
119999888 revisoes119999888 revisoes
119999888 revisoes
 
119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos
 
2146
21462146
2146
 
2079
20792079
2079
 
2080
20802080
2080
 
2064
20642064
2064
 
2061
20612061
2061
 
2060
20602060
2060
 
2032
20322032
2032
 
2031
20312031
2031
 
2019
20192019
2019
 
2018
20182018
2018
 
2017
20172017
2017
 
2015
20152015
2015
 
2014
20142014
2014
 

Último

Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 

Último (6)

Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 

2013

  • 1. I Seminário da Terceira Idade ESTSP Maus Tratos e Negligência a Idosos José Ferreira-Alves Universidade do Minho
  • 2. Maus Tratos e Negligência aos idosos • Tende a ser um assunto subreferenciado pelas vítimas na medida em que estas temem: – A perda do cuidador mesmo sendo este abusivo – Ficar só sem ter ninguém que o cuide – Ser colocado numa instituição – Perda de privacidade e de relações familiares – Recriminações pelo alegado abusador – Exposição pública e intervenção exterior – Ninguém acreditar no abuso – Ser responsáveis pelo comportamento abusivo
  • 3. Definição geral de abuso ao idoso • Acto único ou repetido ou falta de acção que ocorre no contexto de uma relação na qual há uma expectativa de confiança e que causa danos ou perturbações à pessoa idosa
  • 4. Tipos de Abuso • Abuso físico – Uso da força física que pode resultar em ferimentos corporais, em dor física ou em incapacidade. Punições físicas de qualquer tipo • Abuso Sexual – Contacto sexual não consensualizado de qualquer tipo • Abuso emocional ou psicológico – Inflicção de angústia, dor ou aflição • Exploração material ou financeira – Uso ilegal ou inapropriado de fundos, propriedades ou bens do idoso
  • 5. Tipos de Abuso • Abandono – a deserção de ao pé de uma pessoa idosa por parte de um indivíduo que tinha a sua custódia física ou que tinha assumido a responsabilidade de lhe fornecer cuidados. • Negligência – recusa ou ineficácia em satisfazer qualquer parte das obrigações ou deveres para com um idoso. • Auto-negligência – comportamentos de uma pessoa idosa que ameaçam a sua própria saúde ou segurança. Estão excluídas situações nas quais uma pessoa idosa mentalmente capaz (que compreende as consequências das suas decisões) toma decisões conscientes e voluntárias de se envolver em actos que ameaçam a sua saúde ou segurança.
  • 6. Prevalência do abuso ou maus tratos
  • 7. Prevalência do abuso ou maus tratos • Dados do estudo de incidência de abuso de idosos (EAIS, 1997) – A negligência foi o tipo mais frequente de maus tratos aos idosos (48,7%), seguido do abuso emocional/psicológico (35,5%), abuso financeiro (30,2%) e o quarto o abuso físico (26,6%) – Os filhos eram os principais perpetradores com 47,3% de incidentes relatados, seguidos dos cônjuges (19,3%), outros familiares (8,8%) e netos (8,6%). – Em quase 90% de incidentes de abuso e negligência, o perpetrador foi um familiar, sendo que destes 2/3 são filhos ou cônjuges – As vítimas de auto-negligência estão normalmente deprimidas, confusas ou extremamente frágeis
  • 8. Prevalência do abuso ou maus tratos – O risco de abuso aumenta em idosos com demência (Dyer et al, 2000; Cooney & Mortimer, 1995) – Pacientes que foram abusados ou negligenciados mais provavelmente são diagnosticados com depressão (62%) e demência (51%) contra quem não é abusado (12% e 30% respectivamente) (Dyer e al. 2000). – Cooney & Mortimer (1995) constataram uma taxa de prevalência de abuso de pessoas com demência, na ordem dos 50%
  • 9. Factores de risco para o abuso (Jones et al. 1995) • Excessiva dependência do idoso para actividades de vida diária – Ressentimento do cuidador em dar muito e em receber pouco • O cuidador distante – Pobre qualidade pré-mórbida da relação – Pressões exteriores (emprego, família, finanças) – Falta de suporte social – Sobrecarga emocional – Depressão – Aumento das necessidades de cuidados de um familiar demente
  • 10. Factores de risco para o abuso (Jones et al. 1995) • História de violência familiar – Abuso de crianças ou da esposa • Psicopatologia do cuidador – Abuso de substâncias – Personalidade sociopática – Hostilidade para com o idoso – Autoritário e rígido para com os outros • Dependência do idoso por parte do cuidador – Alojamento, suporte financeiro
  • 11. Factores de risco para o abuso (Jones et al. 1995) • Ambiente sócio-cultural – Habitação inadequada – Ressentimento e irritação do idoso sobre a diminuição do estatuto dentro da família – Personalidade exigente do idoso – Sanções culturais contra a procura de ajuda fora da família
  • 12. Indicadores de Abuso (Reis, 2000) • Cuidador: – 1. Ter problemas de comportamento – 2. Estar financeiramente dependente – 3. Ter problemas mentais /emocionais – 6. Ter problemas de abuso de álcool ou outras substâncias – 7. Ter expectativas irrealistas – 9. Não compreende a condição médica do idoso • Idoso – 4. Foi abusado no passado – 5. Tem conflitos conjugais/familiares – 8. Pouca compreensão da sua condição médica – 11. Sofre de isolamento social – 15. Falta-lhe suporte social – 16. Tem problemas de comportamento – 18. É financeiramente dependente
  • 13. Indicadores de Abuso (Reis, 2000) • Cuidador – 12. Ter conflitos conjugais ou familiares – 13. Relação actual com o idoso de baixa qualidade – 14. Inexperiência na prestação de cuidados – 17. Acusador – 24. Relação passada com o idoso de baixa qualidade • Idoso – 19. Tem expectativas irrealistas – 20. Tem problemas de álcool ou de medicação – 21. Relação actual com o cuidador de baixa qualidade – 22. Tem ferimentos e faz quedas suspeitos – 23. Tem problemas mentais/emocionais – 25. Acusador – 26. É emocionalmente dependente – 27. Não tem médico regular
  • 14. Indícios de possíveis maus tratos Hirsch, C. & Loewy, R. (2001) • Gerais – Cuidador de um idoso com défices cognitivos falta a encontro marcado – Cuidador não visita o paciente no hospital – Relutância em responder a perguntas acerca de uma descoberta física suspeita ou de doença – Explicações vagas ou não plausíveis dadas pelo cuidador ou pelo paciente para ferimentos – Uma história de “esperança no médico” – Tensão ou indiferença entre o cuidador e o paciente
  • 15. Indícios de possíveis maus tratos Hirsch, C. & Loewy, R. (2001) • Sinais físicos suspeitos – Múltiplas feridas ou feridas em diferentes estádios de recuperação – Feridas ou pisaduras em locais não usuais – Feridas com um padrão – Evidência de ferimentos antigos não documentados previamente – Nariz ou dentes partidos – Evidência radiográfica de feridas antigas desalinhadas – Níveis subterapêuticos de drogas – Paciente sem óculos, dentadura ou auxiliar auditivo
  • 16. Indícios de possíveis maus tratos Hirsch, C. & Loewy, R. (2001) • Cuidador – Baixo conhecimento dos problemas médicos do paciente – Excessiva preocupação com os custos – Tentativas de dominar a entrevista médica – Abuso verbal ou hostilidade para com o idoso durante o encontro – Hostilidade para com o prestador de cuidados de saúde – Evidência de abuso de substâncias ou de problemas de saúde mental
  • 17. Indícios de possíveis maus tratos Hirsch, C. & Loewy, R. (2001) • A vítima – Timidez para com o cuidador – Relutância em fazer contacto ocular – Diagnóstico de demência com história de problemas de comportamento – Na pessoa demente uma resistência não explicada ou medo de contacto físico, de tirar as roupas, de ir ao WC ou de lavar as partes íntimas – Depressão, ansiedade, insónia
  • 18. Sinais e Sintomas de Abuso Abuso Físico Feridas, olhos negros, vergão, lacerações, marcas de cordas; feridas abertas, cortes, suturas, feridas não tratadas em vários estádios de recuperação; entorses, deslocamentos ou feridas /hemorragias internas; óculos partidos, sinais de ter sido reprimido; descobertas laboratoriais de overdose de medicação ou subutilização de medicamentos prescritos; o relato de uma pessoa idosa de ter sido batida, esbofeteada, pontapeada ou mal tratada; uma mudança súbita de comportamento da pessoa idosa; a recusa do cuidador em permitir visitas à pessoa idosa Abuso material/financeiro Mudanças repentinas nas contas bancárias ou nas práticas bancárias; a inclusão de nomes adicionais na conta bancária da pessoa idosa; retirada não autorizada de fundas da pessoa idosa usando cartões bancários; mudança abrupta no testamento ou em outros documentos financeiros, desaparecimento inexplicado de fundos ou valores valiosos; facturas não pagas apesar de haver dinheiro; descoberta de falsificação da assinatura da pessoa idosa; transferência súbita inexplicada de valores para alguém dentro ou fora da família; o relato da pessoa idosa de que sofreu abuso financeiro
  • 19. Sinais e Sintomas de Abuso Abuso sexual Pisaduras à volta dos seios ou das áreas genitais; doença venérea inexplicada ou infecções genitais; sangramento vaginal ou anal inexplicado; roupa interior manchada ou ensanguentada; o relato de uma pessoa idosa de que foi ameaçada ou violada Abuso psicológico / emocional Estar emocionalmente aborrecida ou agitada; estar extremamente afastada, não comunicativa e não responsiva; comportamento não usual normalmente atribuído a demência (por exemplo, sugar, bater, oscilar); o relato de uma pessoa idosa de ter sido abusada verbalmente ou emocionalmente Abandono Abandono de uma pessoa idosa no hospital ou num lar ou outra instituição; abandono de uma pessoa idosa num centro comercial ou outro lugar público; o relato de uma pessoa idosa de ter sido abandonada
  • 20. Sinais e Sintomas de Negligência e de Auto-Negligência Negligência Desidratação, má nutrição, escaras não tratadas, pouca higiene pessoal; problemas de saúde não vigiados ou não tratados; condições de vida arriscadas ou não seguras (sujidade, roupa de cama suja, cheiro...) Auto-Negligência Desidratação, má nutrição, escaras não tratadas, pouca higiene pessoal; problemas de saúde não vigiados ou não tratados; condições de vida arriscadas ou não seguras (sujidade, roupa de cama suja, cheiro...); condições de vida sem sanidade; roupa inapropriada, falta de instrumentos de ajuda médica (óculos, instrumento de audição); alojamento grosseiramente desadequado ou sem alojamento
  • 21. Teorias explicativas do abuso • O modelo do stress situacional – Os maus tratos são um fenómeno situacional que ocorre quando se gera stress no cuidador especialmente por incapacidade física ou mental da vítima, por baixas condições sócio-económicas ou por falta de competências de coping do cuidador • A teoria da troca social – O cuidador sentirá maior poder e menor recompensa na relação e isso pode levar a qualquer tipo de mau trato • Modelo da violência transgeracional – o abuso dever-se-ia a uma aprendizagem ao longo do desenvolvimento, dada pela observação e/ou experiência de abuso ou maus tratos que se perpetuaria assim de geração em geração
  • 22. Teorias explicativas do abuso • O modelo da violência bidireccional – A violência e o abuso são um fenómeno bidireccional praticado tanto pela vítima como pelo cuidador • O modelo da psicopatologia do perpetrador – O risco de abuso está relacionado com as características do abusador sobretudo de aspectos da sua saúde mental