Quinta dos Loridos
Jardim Oriental
Fica na zona do Bombarral
Quinta dos Loridos
João Annes de Lourido, a quem o Mosteiro doara terras junto ao Bombarral, talvez tenha
sido o primeiro ...
Os Loridos mantiveram-se na família Sepúlveda ate 1989, quando a firma
J.P. Vinhos, S.A adquiriu. Desde então foi realizad...
Impressionado com a destruição das estátuas de Buda no Afeganistão, pelos talibans - os libertadores
da humanidade - Joe B...
Joe Berardo, o conhecido comendador e filantropo, coleccionador de arte, dá, ele próprio, a
explicação: “é um local onde a...
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral

407 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
407
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
151
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

14845175 quinta-dos-loridos-carvalhal-bombarral

  1. 1. Quinta dos Loridos Jardim Oriental Fica na zona do Bombarral
  2. 2. Quinta dos Loridos João Annes de Lourido, a quem o Mosteiro doara terras junto ao Bombarral, talvez tenha sido o primeiro proprietário da Quinta dos Loridos, por volta de 1430. Nos finais do sec. XV, aparecem em Lisboa os Aifaitati ou Lafetas, família de banqueiros italianos, provenientes da cidade de Cremona, que controlavam uma das mais poderosas companhias internacionais, com sucursais em Roma, Portugal, Espanha, Flandres, Inglaterra e Franca. Associados ao comércio do açúcar da ilha da Madeira, e, logo após o regresso de Vasco da Gama, em 1499, ao tráfico de especiarias, fixam-se na zona de Óbidos, tendo construído casa de campo na Quinta dos Loridos doada por El Rei D. Manuel I, no inicio do sec. XVI. Na actualidade, a imagem quinhentista ainda é marcante na organização espacial das construções, nos jardins em socalcos, e particularmente, no portal “Paladiano” do corpo central do edifício, de inspiração obviamente colhida na Itália do sec XVI. Curiosamente a casa dos Aifaitati em Cremona apresenta um portal idêntico. Em meados do sec. XVIII, a Quinta dos Loridos é propriedade da família Sanches de Baena, da qual o portal de entrada apresenta uma pedra de armas. Esta família, ao adquirir a Quinta, procedeu a alterações exteriores de grande impacte visual e clara filiação barroca, de que e exemplo a entrada e capela. Em 1834, o Capitão João Pedro Barboza compra a Quinta dos Loridos. 0 seu filho, José Antonio da Silva Barboza quis deixa-la em testamento a um pároco, que a recusou, pedindo-lhe que deixasse ao primo, Albino Herculano da Silveira Sepúlveda, que deste modo a herdou
  3. 3. Os Loridos mantiveram-se na família Sepúlveda ate 1989, quando a firma J.P. Vinhos, S.A adquiriu. Desde então foi realizada uma profunda obra de restauro, que inclui a reconstrução dos telhados e interiores, a instalação de uma adega para a produção de um espumante Método Clássico numa antiga adega existente que ainda conserva um lagar de pedra com prensa de “vara”, a construção de uma cave de envelhecimento e a plantação de vinha. Vinhas Desde o final dos anos 8o, quando a Quinta foi adquirida pela JP Vinhos, inicia-se então à adaptação das vinhas aí existentes, à produção de vinhos com direito à apelação de espumantes, bem como de outras variedades de uva inovadoras que lhe permitam vir a produzir vinhos de mesa com a denominação de origem de região (Estremadura) de que são exemplos as castas Pinot, Alvarinho e Cabernet. A Quinta dos Loridos dispõe de uma vinha com 45 hectares, com um compasso de 2,4 x 1,1 e uma densidade de 3.700 plantas. As principais castas plantadas são: Castelão, Fernão Pires, Merlot, Tinta Roriz, Chardonnay, Arinto, Alvarinho e Pinot.
  4. 4. Impressionado com a destruição das estátuas de Buda no Afeganistão, pelos talibans - os libertadores da humanidade - Joe Berardo criou este enorme espaço de vegetação, árvores de sobreiros e carvalhos, um lago artificial, rodeado de inúmeras estátuas de Buda e de outras divindades orientais. A Quinta dos Loridos, fica a poucos kilómetros do Bombarral e é uma exposição a céu aberto. Um impressionante jardim oriental com pagodes chineses e enormes estátuas de Buda está a nascer na Quinta dos Loridos, no Bombarral. O seu mentor, o milionário português Joe Berardo, quer fazer daquele local um espaço de meditação e de paz e “um contributo para um mundo melhor”. O projecto ocupa uma área de 35 hectares, tem um lago artificial e levará 6 mil toneladas de estátuas. Ao longe, emergindo das copas das árvores, avistam-se pagodes chineses. O Jardim do Oriente fica no meio dos vinhedos do Bombarral, em local discreto, nas imediações na Quinta dos Loridos. Um leão de pedra guarda a sua entrada, numa rampa que dá acesso a um moinho destino recuperado e a um fontanário de pedra branca, importado da China, tal como todas as estátuas. O Oriente começa uns metros mais abaixo, num passeio que pode ter início junto a um lago artificial ladeado de árvores e de estátuas, onde pontificam as do Buda, grandes e quase omnipresentes por se avistarem de vários ângulos. As obras ainda estão quase no início e até Dezembro, quando estiverem concluídas, o número de estátuas será quatro vezes maior do que o actual. Na região, a Quinta dos Loridos já é local de peregrinação desde que passou a palavra que ali estão a construir um tão estranho jardim. Aos fins-de-semana vão famílias em romaria visitar as obras e tirar fotografias às estátuas. Mas o que é, afinal, aquilo tudo?
  5. 5. Joe Berardo, o conhecido comendador e filantropo, coleccionador de arte, dá, ele próprio, a explicação: “é um local onde as pessoas podem ir para meditar e reflectir sobre si próprias sem qualquer responsabilidade religiosa”. A área do projecto terá vários níveis de estatuária, desde as maiores, que serão “as grandes referências”, até ao nível mais pequeno, com esculturas de meio metro espalhadas por entre os caminhos que se situam no meio das flores e das árvores. O arquitecto José Cornélio diz que o jardim não será um santuário budista, mas sim “uma evocação do Oriente feita por ocidentais” e que representará também “a presença portuguesa no Oriente e a interpenetração de culturas”. As estátuas representarão várias épocas da vida de Buda, a quem José Cornélio equipara a S. Francisco pois ambos nasceram ricos e se despojaram da riqueza em vida numa atitude humilde de conquista de paz interior. Os trabalhos nos Loridos vão prolongar-se até Dezembro divididos por três fases: instalação das peças, tratamento da zona envolvente às estátuas e o plantio do coberto vegetal. O projecto inclui ainda um anfiteatro onde se poderão realizar concertos. O arquitecto, que estudou em Itália e leccionou em universidades daquele país e dos Estados Unidos, diz que “é um prazer trabalhar com uma pessoa com as qualidades do comendador”, a quem tece os maiores elogios, comparando-o a Calouste Gulbenkian pois “deixa atrás de si um rasto de cultura”, de que é exemplo este jardim no concelho do Bombarral que “será um legado ímpar para Portugal”.

×