O IMPÉRIO PORTUGUÊS NOS SÉCULOS XV E XVI
UM IMPÉRIO EXTENSO E REPARTIDO – ILHAS ATLÂNTICAS                                       CABO                              ...
O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - ÁFRICA                                                       Mantas  A colo...
O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - ÁSIA                                                    _______________    ...
O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - ÁSIA   Com o objectivo de impor melhor a sua autoridade e controlar mais de...
O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - BRASIL O Brasil foi dividido em capitanias, tendo-se desenvolvido o cultivo...
UM ENCONTRO DE MUNDOS DIFERENTESOs portugueses levaram a sua cultura e os seus costumes, a sua língua, religião e conheci-...
LISBOA QUINHENTISTANos reinados de D. João II e D. Manuel I,a população de Lisboa cresceu muito.A maior parte, no entanto,...
LISBOA QUINHENTISTA                                                                          Os reis deixaram             ...
LISBOA QUINHENTISTA       À volta do Rossio, construíram-se importantes construções:RIBEIRA DAS NAUS           HOSPITAL DE...
LISBOA QUINHENTISTA      A maior parte dos produtos que chegavam a Lisboa não servia para consumo do Reino.               ...
A SOCIEDADE PORTUGUESA NO SÉCULO XVIA RIQUEZA                               A POBREZAA Expansão trouxe                    ...
AS ALTERAÇÕES ECONÓMICAS E SOCIAISALTERAÇÕES ECONÓMICAS                           ALTERAÇÕES SOCIAISDesenvolveu-se o comér...
A CRIAÇÃO CULTURAL                LITERATURAPOESIA    TEATRO         CRÓNICAS        LITERATURA DE VIAGENSCAMÕES   GIL VIC...
A CRIAÇÃO CULTURAL                                      CIÊNCIASAs viagens marítimas e o contacto com novas terras, nova f...
A CRIAÇÃO CULTURAL                                        A ARTEO reinado de D. Manuel I ficou marcado por um grande desen...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi

1.444 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • alguem pode me ajudar é urgente calendário utilizado pelos europeus nos séculos xv e XVI
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.444
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
264
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi

  1. 1. O IMPÉRIO PORTUGUÊS NOS SÉCULOS XV E XVI
  2. 2. UM IMPÉRIO EXTENSO E REPARTIDO – ILHAS ATLÂNTICAS CABO VERDE AÇORES Os arquipélagos da Ma- S. TOMÉdeira e dos Açores foram Eos primeiros a ser coloni- PRÍNCIPEzados.Os arquipélagos deCabo Verde e S. Tomé fo-ram colonizados por es-cravos trazidos de África.Todos os arquipélagos fo- MADEIRAram divididos em capita-nias.
  3. 3. O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - ÁFRICA Mantas A colonização e o estabeleci- AÇORES Panosmento de feitorias foram as for- Tapetes Trigomas encontradas por Portugal MADEIRA Salpara fazer o povoamento e o Objectos deaproveitamento económico do Vidroseu império CABO VERDE O ouro e os escravos foramos produtos de maior rendimen-to para a coroa e comerciantesportugueses. S. TOMÉ Ouro Escravos O comércio realizava-se atra- Malaguetavés da troca directa. Marfim
  4. 4. O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - ÁSIA _______________ Rota do Cabo _______________ Rota do Oriente Portugal utilizava as rotas do Cabo e do Oriente para transportar produtos como as ESPECIARIAS para Portugal.
  5. 5. O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - ÁSIA Com o objectivo de impor melhor a sua autoridade e controlar mais de perto o co- mércio das especiarias, D. Manuel I nomeou vice-reis para o representar na Índia. Especiarias, perfumes, ma- deiras exóticas, pedras pre- ciosas, porcelanas, tapetes, P sedas O O R R I T E U N G T A Ouro E L Cobre Prata FRANCISCO AFONSO DE DE ALMEIDA ALBUQUERQUE
  6. 6. O APROVEITAMENTO ECONÓMICO DOS NOVOS ESPAÇOS - BRASIL O Brasil foi dividido em capitanias, tendo-se desenvolvido o cultivo da cana-de-açúcar, a man- dioca, o algodão, o tabaco, o trigo e a criação de gado. Cada capitania era entregue a um capi- tão-donatário. Nas fazendas da cana-de-açúcar trabalhavam escravos de África.
  7. 7. UM ENCONTRO DE MUNDOS DIFERENTESOs portugueses levaram a sua cultura e os seus costumes, a sua língua, religião e conheci-mentos, o seu modo de vida para os outros povos, influenciando-os, ao mesmo tempo que,do contacto com os outros povos surgiram também influências.MISSIONAÇÃO:-Os membros do Clero procuraram es-palhar o cristianismo junto dos povosque contactaram; ENRIQUECIMENTO VOCABULAR-Procuraram, igualmente, ensinar es- ÁFRICA ORIENTE AMÉRICAses povos, em particular na língua por- Banana Bengala Ananástuguesa Batuque Biombo Capim Cachimbo Bule Carioca Macaco Caril JacaréCONCLUSÃO: Mandioca Chávena MaracujáO contacto entre os portugueses e os Masmorra Leque Tapiocaoutros povos reflectiu-se: Samba Pires Toca Tanga Salamaleque-Na troca de conhecimentos (p. ex: no-vas plantas)-Na aquisição de novos hábitos alimen-tares.
  8. 8. LISBOA QUINHENTISTANos reinados de D. João II e D. Manuel I,a população de Lisboa cresceu muito.A maior parte, no entanto, era compostapor escravos e estrangeiros.
  9. 9. LISBOA QUINHENTISTA Os reis deixaram de residir no cas- telo de S. Jorge e passaram a viver no Paço da Ribei- ra. Muitos outros edifícios importantes foram construídos na cidade de Lisboa no século XVI.CASA DOS BICOS ALFÂNDEGA NOVA CASA DA ÍNDIA TERREIRO DO TRIGO
  10. 10. LISBOA QUINHENTISTA À volta do Rossio, construíram-se importantes construções:RIBEIRA DAS NAUS HOSPITAL DE TODOS IGREJA DE SÃO OS SANTOS DOMINGOS
  11. 11. LISBOA QUINHENTISTA A maior parte dos produtos que chegavam a Lisboa não servia para consumo do Reino. FLANDRES De Lisboa partiam os barcos com as merca- LISBOA dorias para serem vendidas no norte eAtravés da Rota do centro da EuropaCabo, chegavam a através da feitoria queLisboa os vários Portugal tinha emprodutos... Flandres.
  12. 12. A SOCIEDADE PORTUGUESA NO SÉCULO XVIA RIQUEZA A POBREZAA Expansão trouxe A riqueza trazida pelamuita riqueza para a Expansão não contri-Coroa portuguesa, buiu para a melhoriapois o rei tinha o mo- da vida do povo.nopólio do comércioA Corte de D. Manuel Os portugueses a-era das mais ricas, bandonaram a agri-luxuosas e cultas da cultura e outras acti-Europa. Grande parte vidades e muitos op-dos lucros do taram pelo Êxodocomércio eram Rural, isto é a saídagastos no vestuário e dos campos para asna alimentação cidades.
  13. 13. AS ALTERAÇÕES ECONÓMICAS E SOCIAISALTERAÇÕES ECONÓMICAS ALTERAÇÕES SOCIAISDesenvolveu-se o comércio, desempe-nhando Portugal o papel de intermediário, A Burguesia enriqueceu com o comércioentre os novos espaços descobertos e a marítimo.Europa. A Nobreza viu reduzidos os rendimentosAgravou-se o abandono da agricultura, da agricultura. Surgiu o nobre-mercador,devido ao êxodo rural dedicado ao comércio marítimo. O Clero desempenhou um papel im-Muitos dos ofícios (artesanato) eram portante na evangelização dos povosexercidos por estrangeiros indígenas de África, Brasil e Ásia. O Povo continuou a ter condições de vida difíceis
  14. 14. A CRIAÇÃO CULTURAL LITERATURAPOESIA TEATRO CRÓNICAS LITERATURA DE VIAGENSCAMÕES GIL VICENTE DAMIÃO DE GÓIS FERNÃO MENDES PINTO
  15. 15. A CRIAÇÃO CULTURAL CIÊNCIASAs viagens marítimas e o contacto com novas terras, nova flora, nova fauna, novas gentes,contribuíram para o desenvolvimento das ciências.GEOGRAFIACARTOGRAFIAASTRONOMIAMATEMÁTICA GARCIA DE ORTA DUARTE PACHECO PEDRO NUNES PEREIRA BOTÂNICA ZOOLOGIA MEDICINA
  16. 16. A CRIAÇÃO CULTURAL A ARTEO reinado de D. Manuel I ficou marcado por um grande desenvolvimento artístico a cujo estilose chamou ESTILO MANUELINO e que se caracteriza pelo uso de elementos decorativos liga-dos às viagens marítimas: cordas, âncoras, redes, conchas, naus, caravelas, plantas e animaisexóticos, a cruz de Cristo e a esfera armilar CRUZ DEMOSTEIRO DOS JERÓNIMOS TORRE DE BELÉM CRISTO E ESFERA ARMILAR CUSTÓDIA DE BELÉM

×