1255042093 fitossanidade3

789 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
789
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
203
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1255042093 fitossanidade3

  1. 1. OLIVEIRA Doenças
  2. 2. GAFA A gafa é a doença da oliveira mais importante em Portugal, principalmente por a variedade Galega ser extremamente sensível. Esta doença é causada por duas espécies de fungos do género Colletotrichum: C. acutatum e C. gloeosporioides.
  3. 3. Tradicionalmente, os ataques da gafa localizaram-se especialmente nas azeitonas Mas em graves epidemias, também se observaram defoliações intensas em ramos com azeitonas afectadas.
  4. 4. Lesões necróticas iniciais em frutos afectados
  5. 5. Lesão necrótica, apodrecimento e mumificado, causados por Colletotrichum sp
  6. 6. Defoliação intensa e azeitonas mumificadas causadas pelos ataques conjuntos de gafa, olho-de-pavão e cercosporiose
  7. 7. Biologia Em condições normais as infecções ocorrem entre 15-25ºC, com um óptimo em 23ºC. A esta temperatura os sintomas característicos aparecem em 2-3 dias. A disseminação deste fungo dá-se, principalmente, através da chuva.
  8. 8. Geralmente, os ataques ocorrem durante as primeiras chuvas de final de Verão, antes do Inverno. Se as chuvas continuam, produzemse infecções secundárias importantes.
  9. 9. Geralmente, os ataques ocorrem durante as primeiras chuvas de final de Verão, antes do Inverno. Se as chuvas continuam, produzemse infecções secundárias importantes. Observa-se geralmente uma elevada correlação entre a doença e os ataques de mosca da azeitona.
  10. 10. Sintomatologia Inicialmente formam-se nas azeitonas manchas mais ou menos circulares de cor castanha, isoladas, que crescem e podem chegar a unirse.
  11. 11. O normal é que os ataques comecem pelo ápice do fruto, zona onde se acumula a água da chuva. Ao evoluir a doença origina um apodrecimento parcial ou total da azeitona que se seca, enruga e mumifica
  12. 12. Aspecto de azeitonas mumificadas
  13. 13. Prejuízos A azeitona afectada desprende-se da árvore prematuramente, diminuindo a produção, que pode ter bastante importância.
  14. 14. Por outro lado, e mais importante, os azeites obtidos de azeitonas afectadas são de inferior qualidade, visto alterar-se a sua acidez e características organolépticas (cheiro e sabor).
  15. 15. Meios de luta Devido à importância que tem a elevada humidade relativa para o desenvolvimento da doença, recomendam-se as medidas de luta cultural que favoreçam o arejamento da copa.
  16. 16. A eliminação de azeitonas mumificadas após a colheita e até a plantação de variedades resistentes em zonas mais propícias ao desenvolvimento do fungo, são medidas a ter em conta no combate contra a gafa.
  17. 17. A aplicação simples de fungicidas cúpricos ou misturados com fungicidas orgânicos é o meio de luta mais utilizado.
  18. 18. Uma vez que são tratamentos preventivos, recomenda-se molhar bem os frutos antes das chuvas outonais. Este tratamento tem acção simultânea contra o olho-de-pavão.
  19. 19. OLHO-DE-PAVÃO O olho-de-pavão é uma doença com alguma importância em Portugal, principalmente devido à sua incidência nalgumas variedades, como é o caso da Cobrançosa. O agente causador da doença é o fungo Spilocaea oleagina.
  20. 20. Biologia É muito variável a biologia do fungo em diferentes regiões e anos, dependendo o seu desenvolvimento de muitos factores como a humidade, temperatura, chuva e práticas culturais.
  21. 21. A sua germinação produz-se entre 2-3 e 28-34ºC, com um óptimo entre 1621ºC. A germinação é favorecida pela elevada humidade relativa e o tempo médio necessário para germinar diminui com o aumento da temperatura.
  22. 22. Aspecto de uma oliveira atacada por olho-de-pavão
  23. 23. Depois da germinação estabelece-se a infecção, pelo que necessita de água livre ou atmosfera saturada, durante pelo menos 14 horas.
  24. 24. Sintomatologia O olho-de-pavão produz lesões no limbo da folha e ocasionalmente no pecíolo, pedúnculo e fruto.
  25. 25. Nas folhas aparecem manchas circulares de diferentes tamanhos, desde 2 a 10 mm de diâmetro. A sua coloração é variável, desde castanho, amarelo e verde
  26. 26. Quando afecta o pecíolo e o pedúnculo, observam-se manchas castanhas alargadas. No caso do fungo afectar as azeitonas, estas enrugam e deformam-se ao terminar o crescimento da zona afectada.
  27. 27. Folhas de oliveira com manchas típicas provocadas pelo olhode-pavão
  28. 28. Prejuízos Como consequência das lesões produzidas pelo olho-de-pavão produz-se uma importante caída de folhas, o que se manifesta claramente sobretudo em ramos inferiores que podem ficar completamente desfoliados.
  29. 29. Isto leva a debilitamento da árvore, perda de produção e perda de gemas axilares, que provocam um desenvolvimento muito lento e em árvores jovens comprometem a sua formação.
  30. 30. Também pode afectar pedúnculos e frutos. No primeiro caso, a azeitona cai prematuramente para o chão produzindo perdas na colheita ou na qualidade do azeite. No caso de afectar o fruto, atrasa a maturação e diminui a quantidade e qualidade do azeite produzido
  31. 31. Meios de luta As medidas de luta cultural que favoreçam o arejamento da copa e reduzam a condensação da humidade nas oliveiras são de extraordinária importância, pois o olho-de-pavão necessita de elevada humidade relativa para o seu desenvolvimento.
  32. 32. Assim, devem efectuar-se podas selectivas e devem eleger-se densidades de plantação que evitem copas densas ou muito próximas. Devem também evitar-se aplicações exageradas de fertilizações azotadas e orgânicas e drenar terrenos excessivamente húmidos.
  33. 33. A luta química inclui a aplicação foliar de tratamentos preventivos antes do começo da estação de infecção principal, a qual coincide com a de maior crescimento dos gomos da oliveira, como por exemplo antes da floração na Primavera ou no Outono.
  34. 34. Dado o carácter preventivo dos tratamentos é necessário molhar muito bem toda a copa da árvore com calda fungicida, preferencialmente os ramos baixos e interiores, pois é ai que a doença se desenvolve mais frequentemente.
  35. 35. A frequência dos tratamentos depende da persistência do produto utilizado e da duração das condições ambientais favoráveis à infecção. Entre os fungicidas utilizados destacam-se os produtos cúpricos (sulfato de cobre, hidróxido de cobre e oxicloreto de cobre).
  36. 36. A frequência dos tratamentos depende da persistência do produto utilizado e da duração das condições ambientais favoráveis à infecção. Entre os fungicidas utilizados destacam-se os produtos cúpricos (sulfato de cobre, hidróxido de cobre e oxicloreto de cobre).

×