125185642 o enfermeiro_e_a_morte

578 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
578
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

125185642 o enfermeiro_e_a_morte

  1. 1. O Enfermeiro e a Morte
  2. 2. O Enfermeiro e a Morte Os aperfeiçoamentos dos cuidados médicos e a nutrição permitiram que a maioria das pessoas sobrevivam até á velhice. Mas apesar de todos os avanços da ciência moderna, 100% das pessoas ainda morrem.
  3. 3. O Enfermeiro e a Morte Uma vez no hospital ninguém menciona a possibilidade de a doença ser fatal: a morte é tratada como um segredo criminoso. Os tradicionais costumes de luto tem vindo sendo abandonados e os rituais de cremação ou enterro perderam muito do seu significado emocional.
  4. 4. O Enfermeiro e a Morte Cada geração e cada sociedade desenvolveu as suas próprias soluções para o problema da morte. No entanto, todas as sociedades vêem a morte como uma transição relativamente á pessoa que morre. Os tempos de morte e desolação, são tempos em que as pessoas precisam umas das outras.
  5. 5. O Enfermeiro e a Morte A morte é um facto a viver e como tal faz parte da vida. A morte é algo que desconhecemos, mas em relação á qual profundamente não duvidamos. “ È como a outra face da lua, nunca a vemos mas sabemos que existe, podemos compreender a face que nos é revelada: a vida .”
  6. 6. O Enfermeiro e a Se souberMmoosr atsesumir que a morte enquadra a nossa existência, podemos concentrarmo-nos melhor na sua vivência quotidiana, equacionando o que fazemos e para que o fazemos. Durante muito tempo a morte foi considerada como um tabu. Mas a partir da década de 50/60, a morte começou a sair da clandestinidade.
  7. 7. O Enfermeiro e a Morte Antes morria-se em casa, quase ritualmente, hoje morre-se “ cientificamente “, no hospital, ás escondidas da família, rodeado do silêncio “ mortal”, e o morto não entra em casa. A morte acaba também por estar na mão dos médicos, quando o doente não é deixado morrer naturalmente, antes fica ligado a aparelhos sofisticados que o mantêm artificialmente á vida.
  8. 8. O Enfermeiro e a Morte “ Ao reflectir sobre a morte e ao estar consciente dela, a vida adquire um sentido pleno” Dalai Lama A morte é natural á vida. Escondendo a morte, estamos de qualquer forma a esconder ou a desvalorizar a vida.
  9. 9. O Enfermeiro e a Morte A morte não é mais que uma passagem para outra vida e que o “ instante da morte é uma experiência única, bela, libertadora que se vive sem medo nem angústia “. Ross
  10. 10. O Enfermeiro e a Morte Algumas vezes questionamo-nos sobre a morte desta ou daquela pessoa. Muitas vezes sentimo-nos embaraçados com o momento da morte, mas sempre nos sentimos solidários com a pessoa no seu processo de morrer. Consciencializamos também que a morte da pessoa nos confronta com os limites da nossa actuação e por isso algumas vezes nos sentimos “ desfeitos “.
  11. 11. O Enfermeiro e a Morte Chegamos a ter medo da nossa fragilidade perante a morte de outro, não nos fossemos sentir incapazes de lidar com a pessoa e de não saber como gerir a sua revolta, angústia e, mesmo a sua aceitação. Parece haver um contra senso, quando apregoamos o direito á vida, remetemos a pessoa ao esquecimento e recusamos a solidariedade a essa pessoa que se confronta com o seu fim.
  12. 12. O Enfermeiro e a Morte A pessoa, antes de morrer, tentará transmitir aos que a acompanham o essencial de si própria. O tempo que antecede a morte pode ser simultaneamente o de uma realização da pessoa e da transformação do que a rodeia.
  13. 13. O Enfermeiro e a Morte Quando nada mais nos resta a fazer, podemos ainda amar e sermos amados, e muitos moribundos, no instante de deixarem a vida , nos têm lançado esta mensagem: “ não passem ao largo da vida, não passem ao largo do amor”. Devemos nesta fase final, olhar em frente e apoiarmo-nos uns aos outros, em vez de rodearmos a morte de silêncio e solidão.
  14. 14. “A vida é uma doença incurável que fatalmente acaba sempre e a principal diferença entre nós e os nossos doentes prende-se com a possibilidade deles virem a morrer primeiro...”
  15. 15. “ É preciso toda a vida para aprender a morrer “ Séneca
  16. 16. “ A morte é a outra face da vida...” Autor desconhecido
  17. 17. “Quem ensinar o homem a morrer, ensiná-lo-á também a viver...” Montaigne
  18. 18. Referências Bibliográficas: ARIÈS, Philippe - O homem perante a morte. Mem Martins : Europa América, 2000. ISBN 972-1-01152-5. 341p. BARROS DE OLIVEIRA, J. H. - Viver a morte - abordagem antropológica e psicológica. Coimbra : Almedina, 1998. ISBN 972-40- 1063-5. 256p. CABRAL DE FRIAS, Cidália De Fátima - A aprendizagem do cuidar e a morte. Loures : Lusociência, 2003. ISBN 972-8383-50-9. 210p. HENNEZEL, Marie De - Diálogo com a morte. Lisboa : editorial noticias, 1997. ISBN 972-46-0793-3. 173p. PARKES, Colin Murray et al- Morte e luto através das culturas. Lisboa : Climpesi Editores, 2003. ISBN 972-8449-38-0. 297p.

×