1193433844 alzheimer

1.640 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.640
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
41
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1193433844 alzheimer

  1. 1. A Doença de Alzheimer na Velhice Ler trab escrito, IMAGEM DE CUIDAR PARA FORMA COMO A FAMILIA
  2. 2. “É triste alguém que ama não conseguir lembrar-se do seu nome ou esquecer como voltar para casa. Mas o mais importante é ajudar e fazer com que estas pessoas vivam rodeadas de carinho.”
  3. 3. História A designação doença de Alzheimer (DA) é uma homenagem ao neuropsiquiatra alemão Alois Alzheimer, que em 1906 descreveu um quadro de demência de causa desconhecida com agravamento progressivo, com aspectos idênticos, bem como as alterações histológicas aos da já há muito conhecida demência senil. Fig.1: Alois Alzheimer
  4. 4. História O facto que despertou curiosidade em Alzheimer, foi examinar uma mulher, de meia-idade, que acabou por falecer com 51 anos, que desde 1902 apresentava sintomas que ele mesmo descrevia como “inquietação progressiva”, perda gradual da memória, desorientação e alucinações. Como estes sintomas eram encontrados habitualmente apenas em indivíduos com 80 e 90 anos, Alzheimer ficou bastante intrigado.
  5. 5. História No sentido de descobrir a causa destes sintomas, Alzheimer abriu a caixa craniana da mulher, examinou o cérebro e notou que este estava severamente atrofiado, quase como se tivesse sido seco e encolhido. Fig.2: Comparação entre um cérebro atrofiado pela doença de Alzheimer (à esquerda) e um cérebro normal (à direita).
  6. 6. Demência Por demência entende-se a falência global das funções corticais incluindo a memória, a capacidade para resolver os problemas do dia a dia, a capacidade para apreender aptidões motoras e de compreensão, para ter comportamentos sociais adequados e para controlar reacções emocionais, na ausência de perturbações do nível da consciência. É uma situação muitas vezes irreversível e progressiva.
  7. 7. Demência O envelhecimento normal, a tendência para a “falta de memória” própria do envelhecimento, os graus de demenciação ligeira, moderada ou grave parecem ser manifestações do mesmo processo com evolução linear mais do que entidades distintas. A doença de Alzheimer é uma das formas de demência mais prevalentes. A demência deve ser diferenciada de outras falências das funções corticais de causa tratável como depressão, tumores cerebrais ou hematomas, doença de Parkinson, hipotiroidismo…
  8. 8. O que é Alzheimer? A Doença de Alzheimer é uma doença do cérebro, degenerativa, pois produz atrofia, progressiva, com início mais frequente após os 65 anos, que provoca a perda da capacidade de pensar, raciocinar e memorizar, que afecta as áreas da linguagem e origina alterações no comportamento. Inteligência Memória Linguagem Fig.3: Zonas afectadas do cérebro
  9. 9. Velhice Considera-se idoso a pessoa que passou por alterações físicas, psicológicas e sociais, todas elas de carácter natural e gradativo. O limite da idade que permite classificar a pessoa como idosa corresponde aos 65 anos, embora este limite seja mais sociológico do que biológico.Fig.4: Idosa
  10. 10. Velhice Existem várias características marcantes do envelhecimento. No que diz respeito ao envelhecimento dos aspectos físicos verificam-se modificações a nível externo e interno. Relativamente ao nosso trabalho, a modificação interna que se verifica no indivíduo, ao longo do envelhecimento, à qual damos maior importância, é a perda de neurónios e atrofia do cérebro, tornando-se menos eficiente.
  11. 11. Diagnóstico da demência de Alzheimer Uma das dificuldades em realizar um diagnóstico de doença de Alzheimer é a aceitação da demência como consequência normal do envelhecimento. O diagnóstico de Alzheimer é feito através da exclusão de outras doenças que podem evoluir também com quadros demenciais. Para ter a certeza de um diagnóstico de doença de Alzheimer é necessário o estudo histológico do cérebro. Mas mesmo assim a sua fiabilidade não é total.
  12. 12. Prognóstico Actualmente, mesmo sendo precoce o seu diagnóstico, não existe qualquer cura para a demência de Alzheimer e as perspectivas a longo prazo, não indicam uma solução para a doença, nem diferente tratamento do que é já hoje em dia aplicado.
  13. 13. Quais as causas da doença? As causas da Doença de Alzheimer ainda não são conhecidas, mas sabe-se que existem relações com certas mudanças nas terminações nervosas e nas células cerebrais que interferem nas funções cognitivas. A doença de Alzheimer pode ser provocada pela diminuição de substâncias que transmitem o impulso nervoso entre os neurónios, como é o caso da acetilcolina.
  14. 14. Quais os factores de risco? Alguns estudos apontam como factores importantes para o desenvolvimento da doença: • A predisposição genética; • O consumo de álcool e tabaco; • A classe social e educação; • Stress; • Idade; • Aspectos ambientais; • Aspectos infecciosos.
  15. 15. Quais os sintomas da Alzheimer? Os primeiros sintomas surgem muito lentamente, tornando-se difícil aos familiares do utente recordarem a altura em que apareceram, pois quando se tornam evidentes as suas “queixas” são habitualmente confundidas com as chamadas “coisas da idade”. Normalmente são descritas quatro fases quanto à evolução da doença, mas como a última etapa é o falecimento, muito embora este possa ocorrer em qualquer outra das fases, visto que a doença de Alzheimer não é geralmente uma causa de morte por si só, podem-se considerar apenas três fases.
  16. 16. 1ª Fase – fase inicial: Nesta fase, a pessoa afectada mostra-se um pouco confusa e esquecida e parece não encontrar palavras para comunicar em determinados momentos; às vezes, apresenta descuido da aparência pessoal, perda da iniciativa e alguma perda da autonomia para as actividades da vida diária.
  17. 17. 2ª Fase – fase intermediária: Na fase intermediária, o doente necessita de maior ajuda para executar as tarefas de rotina, pode passar a não reconhecer os seus familiares, pode apresentar incontinência urinária e fecal, torna-se incapaz para o julgamento e o pensamento abstracto, precisa de auxílio directo para se vestir, comer, tomar banho, tomar os seus medicamentos e todas as outras actividades de higiene. Pode apresentar comportamentos inadequados, irritabilidade, desconfiança, impaciência e até agressividade; ou pode apresentar depressão, regressão e apatia.
  18. 18. 3ª Fase – fase avançada ou terminal: No período final da doença, existe perda de peso, mesmo com dieta adequada; dependência completa, torna-se incapaz de qualquer actividade de rotina da vida diária e fica restrito ao leito, com perda total de julgamento e concentração. Pode apresentar reacções a medicamentos, infecções bacterianas e problemas renais. Na maioria das vezes, a causa da morte não tem relação com a doença mas com factores relacionados à idade avançada.
  19. 19. Fases da Doença de Alzheimer FunçãoFisiol Tempo (Meses ou Anos) Sintomas Iniciais Diagnóstico Dependência Dependência Total Etapa Final
  20. 20. Prevenção e educação Até ao presente, não existe um tratamento preventivo para a doença de Alzheimer. A única prevenção é a do agravamento: • Organizar uma vida regular; • Evitar as mudanças de casa e as hospitalizações; • Manter as funções intelectuais e as actividades físicas.
  21. 21. Atendimento de enfermagem A função do enfermeiro torna-se imprescindível e decisiva no dever de comunicar os utentes que tenham pré- disposição para a doença. O seu papel torna-se fundamental para despiste, valorização e observação de evolução de todos os casos que possam vir a ter a demência.
  22. 22. Atendimento de enfermagem A tarefa do profissional de saúde, ao nível da prevenção, é divulgar algumas acções que se julgam preventivas, tais como: • Sensibilização da população; • Rastreio das pessoas em risco; • Utilização de meios adequados nas pessoas em risco, como: - Não cozinhar alimentos em alumínio; - Não abusar de antiácidos; - Não usar desodorizante em spray; - Evitar situações de stress ou ansiedade; - Utilização de aparelhos de desionização.
  23. 23. A recusa em admitir que está doente • Há uma recusa em admitir que está doente. • A família vai ter dificuldade em ajudá-lo. • À medida que as perturbações causadas pela DA se tornarem mais evidentes, ele pode ficar deprimido e queixar-se repetidamente da sua saúde. • A depressão é muitas vezes a demonstração da profunda frustração que ele sente.
  24. 24. Forma como a família reage à doença • O cuidador é frequentemente denominado de “a vítima escondida” ou “a segunda vítima da doença de Alzheimer”. • Tomar conta de uma pessoa com a DA é mais oneroso devido ao acréscimo de stress. • As pessoas que cuidam dos doentes com DA estão em risco de consequências adversas para a saúde.
  25. 25. Forma como a família reage à doença A doença de Alzheimer não afecta apenas o doente, mas também as pessoas que lhe são próximas. A família deve preparar-se para uma sobrecarga muito grande em termos emocionais, físicos e financeiros. Também deve organizar-se com um plano de atenção ao familiar doente, em que se incluam, além da supervisão sociofamiliar, os cuidados gerais, sem esquecer os cuidados médicos e as visitas regulares ao mesmo, que ajudará a acompanhar as condições da pessoa doente, verificando se existem outros problemas de saúde que precisem de ser tratados.
  26. 26. A importância do acompanhamento psicológico • Ao saberem da doença pela primeira vez, o mundo à sua volta desmorona-se. • Já sabem que não se trata de uma doença rara e que muitas pessoas vivem a mesma experiência, sabem quais as associações a que se dirigir para pedirem ajuda. • Sabem que a investigação científica está a fazer progressos neste domínio, por isso, não vão estar sozinhos quando enfrentarem as dificuldades que os esperam.
  27. 27. Tratamento Não existe cura conhecida para a doença de Alzheimer. O tratamento destina-se a controlar os sintomas e proteger a pessoa doente dos efeitos produzidos pela deterioração trazida pela sua condição. Assim sendo, o tratamento envolve a detecção e tratamento dos problemas médicos acompanhantes, tratamento dos sintomas psiquiátricos com medicação psicotrópica (substância medicamentosa que actua sobre o psiquismo, ou seja, são estimulantes), instituição de medidas de comportamento para diminuir os sintomas de falência cognitiva e aconselhamento à família.
  28. 28. Fim:

×