17/09/13 Manuel Ribeiro 1
SEGURANÇA NO TRABALHO
Parte 1
Curso de Técnico Superior de
Higiene e Segurança no
Trabalho
Abril...
17/09/13 Manuel Ribeiro 2
SEGURANÇA NO TRABALHO
Parte 1
Estudo da Directiva Máquinas
17/09/13 Manuel Ribeiro 3
DIRECTIVA MÁQUINAS
A Directiva Comunitária 89/392/CEE, de 14 de
Junho, conhecida por «Directiva ...
17/09/13 Manuel Ribeiro 4
DIRECTIVA MÁQUINAS
Decreto-Lei n.º 320/2001, de 12 de
Dezembro
Revoga:
 O DL 378/93, de 05 de N...
17/09/13 Manuel Ribeiro 5
DIRECTIVA MÁQUINAS
Decreto-Lei n.º 320/2001, de 12 de
Dezembro
 Estabelece as regras a que deve...
17/09/13 Manuel Ribeiro 6
DIRECTIVA MÁQUINAS
CAMPO DE APLICAÇÃO DA DIRECTIVA
A Directiva é aplicável aos seguintes equipam...
17/09/13 Manuel Ribeiro 7
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
CONCEITO DE MÁQUINA
Conjunto de peças ou órgãos ligados entre...
17/09/13 Manuel Ribeiro 8
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
CONCEITO DE MÁQUINA
Conjunto de máquinas que, para a
obtenção...
17/09/13 Manuel Ribeiro 9
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
CONCEITO DE MÁQUINA
Um equipamento intermutável que
altera a ...
17/09/13 Manuel Ribeiro 10
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
DEFINIÇÃO DE “FABRICANTE DE
MÁQUINAS”
 Quem assume a respon...
17/09/13 Manuel Ribeiro 11
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
CONCEITO DE “COMPONENTE DE SEGURANÇA”
Componente que não sej...
17/09/13 Manuel Ribeiro 12
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Exigências essenciais de Segurança e de
Saúde, relativas à c...
17/09/13 Manuel Ribeiro 13
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Exigências essenciais de Segurança e
de Saúde, relativas à c...
17/09/13 Manuel Ribeiro 14
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Técnicas Comuns a Todas as Máquinas
Especific...
17/09/13 Manuel Ribeiro 15
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Técnicas Comuns a Todas as
Máquinas
Especific...
17/09/13 Manuel Ribeiro 16
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Técnicas Comuns a Todas as Máquinas
Especific...
17/09/13 Manuel Ribeiro 17
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos
 MEDIDAS DE P...
17/09/13 Manuel Ribeiro 18
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos
 MEDIDAS DE P...
17/09/13 Manuel Ribeiro 19
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos
 CARACTERÍSTI...
17/09/13 Manuel Ribeiro 20
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos
 CARACTERÍSTI...
17/09/13 Manuel Ribeiro 21
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Relativas à Protecção
de Riscos Vários
 MEDI...
17/09/13 Manuel Ribeiro 22
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações Relativas à
Manutenção
 SEGURANÇA NA MANUTEN...
17/09/13 Manuel Ribeiro 23
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
Especificações diversas
 INDICAÇÕES DIVERSAS
 Dispositivos...
17/09/13 Manuel Ribeiro 24
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
MANUAL DE INSTRUÇÕES
O anexo I estabelece, em vários
pontos,...
17/09/13 Manuel Ribeiro 25
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
ESTRUTURA DO MANUAL DE
INSTRUÇÕES
 Nome e endereço do fabri...
17/09/13 Manuel Ribeiro 26
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
ESTRUTURA DO MANUAL DE
INSTRUÇÕES
 Descrição das condições ...
17/09/13 Manuel Ribeiro 27
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
ESTRUTURA DO MANUAL DE INSTRUÇÕES
 Instruções para que poss...
17/09/13 Manuel Ribeiro 28
DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01
ESTRUTURA DO MANUAL DE INSTRUÇÕES
 Avisos sobre riscos iner...
17/09/13 Manuel Ribeiro 29
IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA
DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE CE
É um documento que comprova que o
equipa...
17/09/13 Manuel Ribeiro 30
IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA
DECLARAÇÃO CE – Requisitos Obrigatórios
Para a certificação da sua máq...
17/09/13 Manuel Ribeiro 31
IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA
DECLARAÇÃO CE – Requisitos Obrigatórios
DOSSIER TÉCNICO
 É um instrum...
17/09/13 Manuel Ribeiro 32
IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA
DECLARAÇÃO CE
 A “Declaração CE de conformidade” é o
procedimento est...
17/09/13 Manuel Ribeiro 33
IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA
ELEMENTOS DA DECLARAÇÃO CE
 Nome e endereço do fabricante e/ou do
man...
17/09/13 Manuel Ribeiro 34
IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA
MARCAÇÃO CE
 A marcação CE é constituída pelas iniciais
CE que deverã...
17/09/13 Manuel Ribeiro 35
IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA
OUTRAS DIRECTIVAS
As máquinas e os componentes de
segurança com caract...
17/09/13 Manuel Ribeiro 36
SEGURANÇA DE UMA MÁQUINA
Entende-se por «segurança de uma
máquina» a aptidão de uma máquina
par...
17/09/13 Manuel Ribeiro 37
PREVENÇÃO INTEGRADA
A «prevenção integrada» (ou intrínseca) é um
conjunto de medidas de seguran...
17/09/13 Manuel Ribeiro 38
PREVENÇÃO INTEGRADA
INÍCIO
RISCO
REDUZ
SUPRIME
PROTECTORES
NENHUMA MEDIDA
PREVENÇÃO INTRÍNSECA
...
17/09/13 Manuel Ribeiro 39
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTOR
É o elemento de uma máquina utilizado
especificamente para garant...
17/09/13 Manuel Ribeiro 40
PREVENÇÃO INTEGRADA
TIPOS DE PROTECTORES
 Protector fixo;
 Protector móvel;
 Protector regul...
17/09/13 Manuel Ribeiro 41
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTORES FIXOS
É mantido no seu lugar (fechado), quer de
uma maneira per...
17/09/13 Manuel Ribeiro 42
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTORES FIXOS
Podem apresentar-se sob três formas:
 Em protecção local...
17/09/13 Manuel Ribeiro 43
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTORES MÓVEIS
É geralmente ligado à estrutura da
máquina, ou a um elem...
17/09/13 Manuel Ribeiro 44
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTORES MÓVEIS
Deve ser equipado com um dispositivo
de encravamento ou ...
17/09/13 Manuel Ribeiro 45
PREVENÇÃO INTEGRADA
A escolha entre protectores fixos ou
protectores móveis deve ser feita
prin...
17/09/13 Manuel Ribeiro 46
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE
ENCRAVAMENTO
Um protector com dispositivo de e...
17/09/13 Manuel Ribeiro 47
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE
ENCRAVAMENTO
 Permitir que as funções perigos...
17/09/13 Manuel Ribeiro 48
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE
BLOQUEIO
É um protector associado a um
disposi...
17/09/13 Manuel Ribeiro 49
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE
BLOQUEIO
 O protector permanece bloqueado na
...
17/09/13 Manuel Ribeiro 50
PREVENÇÃO INTEGRADA
PROTECTORES REGULÁVEIS
São protectores fixos ou móveis que são
reguláveis n...
17/09/13 Manuel Ribeiro 51
PREVENÇÃO INTEGRADA
DISPOSITIVO DE PROTECÇÃO
Qualquer dispositivo, diferente de um
protector qu...
17/09/13 Manuel Ribeiro 52
PREVENÇÃO INTEGRADA
TIPOS DE DISPOSITIVOS DE
PROTECÇÃO
 Dispositivo de encravamento;
 Disposi...
17/09/13 Manuel Ribeiro 53
PREVENÇÃO INTEGRADA
TIPOS DE DISPOSITIVOS DE
PROTECÇÃO
 Dispositivo de sensor;
 Dispositivo d...
17/09/13 Manuel Ribeiro 54
PREVENÇÃO INTEGRADA
Os dois tipos principais de meios de
protecção a utilizar, combinados
ou is...
17/09/13 Manuel Ribeiro 55
PREVENÇÃO INTEGRADA
DISPOSITIVOS SENSORES
São dispositivos que permitem garantir
a segurança da...
17/09/13 Manuel Ribeiro 56
PREVENÇÃO INTEGRADA
DISPOSITIVOS SENSORES
Sempre que se utilize um tal dispositivo
para garanti...
17/09/13 Manuel Ribeiro 57
PREVENÇÃO INTEGRADA
MEDIDAS NA INSTALAÇÃO
 Garantir a estabilidade da máquina;
 Arranjar os e...
17/09/13 Manuel Ribeiro 58
PREVENÇÃO INTEGRADA
MEDIDAS NA INSTALAÇÃO
 Prever e adaptar áreas para
armazenagem e circulaçã...
17/09/13 Manuel Ribeiro 59
PREVENÇÃO INTEGRADA
MEDIDAS PARA O PESSOAL
 Informar as condições de utilização das
máquinas;
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1188861057 seguranca no_trabalho-directiva_maquinas

1.361 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

1188861057 seguranca no_trabalho-directiva_maquinas

  1. 1. 17/09/13 Manuel Ribeiro 1 SEGURANÇA NO TRABALHO Parte 1 Curso de Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho Abril de 2006
  2. 2. 17/09/13 Manuel Ribeiro 2 SEGURANÇA NO TRABALHO Parte 1 Estudo da Directiva Máquinas
  3. 3. 17/09/13 Manuel Ribeiro 3 DIRECTIVA MÁQUINAS A Directiva Comunitária 89/392/CEE, de 14 de Junho, conhecida por «Directiva Máquinas», transposta para a legislação portuguesa pelo DL n.º 378/93, de 05 de Novembro, alterado pelos DL n.º 139/95, de 14 de Junho, e nº 374/98, de 24 de Novembro, estando regulamentado pela Portaria n.º 145/94, de 12 de Março, alterada pela Portaria n.º 280/96, de 22 de Julho, veio ordenar um sector com muitos riscos e sem a devida protecção.
  4. 4. 17/09/13 Manuel Ribeiro 4 DIRECTIVA MÁQUINAS Decreto-Lei n.º 320/2001, de 12 de Dezembro Revoga:  O DL 378/93, de 05 de Novembro  O art.º 4.º do DL n.º 139/95, de 14 de Junho;  O art.º 1º do DL n.º 374/98, de 24 de Novembro;  A Portaria n.º 145/94, de 12 de Março;  A Portaria n.º 280/96, de 22 de Junho.
  5. 5. 17/09/13 Manuel Ribeiro 5 DIRECTIVA MÁQUINAS Decreto-Lei n.º 320/2001, de 12 de Dezembro  Estabelece as regras a que deve obedecer a colocação no mercado e a entrada em serviço das máquinas e dos componentes de segurança colocados no mercado isoladamente.  Refere as exigências essenciais de segurança e saúde a que está sujeita a concepção e construção de máquinas e componentes de segurança – Anexo I.
  6. 6. 17/09/13 Manuel Ribeiro 6 DIRECTIVA MÁQUINAS CAMPO DE APLICAÇÃO DA DIRECTIVA A Directiva é aplicável aos seguintes equipamentos:  todas as máquinas novas, provenientes de dentro e de fora da UE;  máquinas recondicionadas (máquinas em 2.ª mão, sujeitas a recondicionamento que altere ou melhore as suas características);  máquinas em 2.ª mão, provenientes de fora da UE;  máquinas colocadas em serviço a partir da entrada em vigor da directiva.
  7. 7. 17/09/13 Manuel Ribeiro 7 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 CONCEITO DE MÁQUINA Conjunto de peças ou órgãos ligados entre si, em que pelo menos um deles é móvel e, se for caso disso, de accionadores, de circuitos de comando e de potência, etc., reunidos de uma forma solidária com vista a uma aplicação definida, nomeadamente, para a transformação, o tratamento, a deslocação e o acondicionamento de um material;.
  8. 8. 17/09/13 Manuel Ribeiro 8 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 CONCEITO DE MÁQUINA Conjunto de máquinas que, para a obtenção de um mesmo resultado, estão dispostas e são comandadas de modo a serem solidárias no seu funcionamento;
  9. 9. 17/09/13 Manuel Ribeiro 9 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 CONCEITO DE MÁQUINA Um equipamento intermutável que altera a função de uma máquina, que é colocado no mercado no intuito de ser montado pelo próprio operador, quer numa máquina quer numa série de máquinas diferentes, quer ainda num tractor, desde que o referido equipamento não constitua uma peça sobressalente.
  10. 10. 17/09/13 Manuel Ribeiro 10 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 DEFINIÇÃO DE “FABRICANTE DE MÁQUINAS”  Quem assume a responsabilidade da concepção e do fabrico da máquina. Pode estar estabelecido na UE ou fora dela;  Quem modifica a utilização prevista de uma máquina, assumindo a responsabilidade das consequências que derivem desse facto;  Quem fabrica máquinas ou componentes de segurança, para uso próprio;  Quem monta máquinas, partes de máquinas ou componentes de segurança, de origens diferentes.
  11. 11. 17/09/13 Manuel Ribeiro 11 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 CONCEITO DE “COMPONENTE DE SEGURANÇA” Componente que não seja um intermutável, e que o fabricante ou o seu mandatário estabelecido na Comunidade coloque no mercado com o objectivo de assegurar, através da sua utilização, uma função de segurança, e cuja avaria ou mau funcionamento ponha em causa a segurança ou a saúde das pessoas expostas.
  12. 12. 17/09/13 Manuel Ribeiro 12 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Exigências essenciais de Segurança e de Saúde, relativas à concepção e ao fabrico de máquinas No Anexo I da Directiva “Máquinas”, estão descritas as especificações técnicas a respeitar pelo fabricante, desde a fase de concepção e fabrico da máquina, tendo como objectivo a garantia da segurança e da saúde das pessoas expostas durante o seu tempo de vida útil (instalação, utilização, afinação, manutenção e desmantelamento).
  13. 13. 17/09/13 Manuel Ribeiro 13 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Exigências essenciais de Segurança e de Saúde, relativas à concepção e ao fabrico de máquinas O fabricante tem a obrigação de determinar todos os riscos aplicáveis à máquina e, seguidamente, concebê-la e construí-la tendo em conta a análise efectuada.
  14. 14. 17/09/13 Manuel Ribeiro 14 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Técnicas Comuns a Todas as Máquinas Especificações Relativas aos Comandos  COMANDOS  Segurança e fiabilidade dos sistemas de comando;  Órgãos de comando claramente visíveis e identificáveis, dispostos fora de zonas perigosas, acessíveis e situados de modo que a sua manobra não provoque riscos adicionais, fabricados de modo a resistirem aos esforços previsíveis;
  15. 15. 17/09/13 Manuel Ribeiro 15 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Técnicas Comuns a Todas as Máquinas Especificações Relativas aos Comandos  COMANDOS  Arranque por acção voluntária;  Comando de paragem que permita a paragem total da máquina em condições de segurança e comando de paragem de emergência com bloqueamento, que provoque a paragem do movimento perigoso num período de tempo tão reduzido quanto possível;
  16. 16. 17/09/13 Manuel Ribeiro 16 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Técnicas Comuns a Todas as Máquinas Especificações Relativas aos Comandos  COMANDOS  Ordem de paragem com prioridade sobre a ordem de arranque;  Não deve verificar-se o arranque intempestivo, após uma avaria do circuito de alimentação de energia ou do circuito de comando.
  17. 17. 17/09/13 Manuel Ribeiro 17 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos  MEDIDAS DE PROTECÇÃO CONTRA RICOS MECÂNICOS  Estabilidade, risco de ruptura em serviço;  Riscos devidos às quedas e projecções de objectos;  Riscos devidos a superfícies agressivas, arestas, ângulos;  Riscos devidos às máquinas combinadas e riscos devidos às variações de velocidade de rotação das ferramentas;
  18. 18. 17/09/13 Manuel Ribeiro 18 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos  MEDIDAS DE PROTECÇÃO CONTRA RICOS MECÂNICOS  Selecção de protecção contra os riscos ligados aos elementos móveis de transmissão e aos elementos móveis que concorrem para o trabalho.
  19. 19. 17/09/13 Manuel Ribeiro 19 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos  CARACTERÍSTICAS EXIGIDAS PARA PROTECTORES E DISPOSITIVOS DE PROTECÇÃO  Devem ser robustos, não devem ocasionar riscos suplementares, não devem ser facilmente escamoteados ou tornados inoperantes, devem estar situados a distância suficiente da zona perigosa, não devem limitar mais do que o absolutamente necessário à observação do ciclo de trabalho, devem permitir intervenções indispensáveis à colocação e/ou substituição de ferramentas.
  20. 20. 17/09/13 Manuel Ribeiro 20 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Relativas aos Riscos Mecânicos  CARACTERÍSTICAS EXIGIDAS PARA PROTECTORES E DISPOSITIVOS DE PROTECÇÃO  Exigências especiais para protectores fixos, para protectores móveis e para os protectores reguláveis que limitam o acesso;  Exigências especiais para os dispositivos de protecção.
  21. 21. 17/09/13 Manuel Ribeiro 21 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Relativas à Protecção de Riscos Vários  MEDIDAS VÁRIAS DE PROTECÇÃO  Contra riscos de contacto com a energia eléctrica;  Contra riscos devidos a temperaturas extremas;  Contra riscos de incêndio e explosão;  Contra riscos devidos ao ruído, vibrações, radiações;  Contra riscos devidos às emissões de poeiras, gases, vapores ou líquidos;  Contra riscos de aprisionamento e de queda.
  22. 22. 17/09/13 Manuel Ribeiro 22 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações Relativas à Manutenção  SEGURANÇA NA MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS  Conservação da máquina;  Meios de acesso ao posto de trabalho ou aos pontos de intervenção;  Isolamento das fontes de energia;  Limitação das causas de intervenção do operador;  Limpeza das partes interiores.
  23. 23. 17/09/13 Manuel Ribeiro 23 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 Especificações diversas  INDICAÇÕES DIVERSAS  Dispositivos de informação;  Dispositivos de alerta;  Aviso sobre riscos residuais;  Marcação: nome e endereço do fabricante, marcação CE, designação da série ou do modelo, número de série, ano de fabrico, etc.;  Manual de instruções.
  24. 24. 17/09/13 Manuel Ribeiro 24 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 MANUAL DE INSTRUÇÕES O anexo I estabelece, em vários pontos, que qualquer equipamento deve ser acompanhado pelo Manual de Instruções. Este Manual de Instruções deverá ser redigido numa das línguas comunitárias e acompanhado da sua tradução na ou nas línguas do país de utilização.
  25. 25. 17/09/13 Manuel Ribeiro 25 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 ESTRUTURA DO MANUAL DE INSTRUÇÕES  Nome e endereço do fabricante;  Designação da série ou do modelo e ano de construção;  Descrição pormenorizada das características da máquina;
  26. 26. 17/09/13 Manuel Ribeiro 26 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 ESTRUTURA DO MANUAL DE INSTRUÇÕES  Descrição das condições de utilização previstas e avisos relativamente às eventuais contra – indicações, para o caso da máquina não ser utilizada para os fins ou condições para as quais foi concebida;  Indicação do posto ou postos de trabalho susceptíveis de serem ocupados pelos trabalhadores;
  27. 27. 17/09/13 Manuel Ribeiro 27 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 ESTRUTURA DO MANUAL DE INSTRUÇÕES  Instruções para que possam ser efectuadas, em segurança, as operações de:  Movimentação e manipulação;  Montagem e desmantelamento;  Instalação;  Colocação em serviço, utilização, afinação e regulação;  Manutenção (conservação e reparação);  Intervenções reservadas a assistência autorizada;  Eventualmente, instruções de aprendizagem;
  28. 28. 17/09/13 Manuel Ribeiro 28 DECRETO-LEI N.º 320/2001, 12/12/01 ESTRUTURA DO MANUAL DE INSTRUÇÕES  Avisos sobre riscos inerentes ao funcionamento da máquina;  Desenhos e esquemas necessários à colocação em serviço, à manutenção, à inspecção, à verificação do bom funcionamento e à reparação;  Informações úteis, nomeadamente quanto à segurança;  Indicações relativas ao ruído aéreo emitido pela máquina, quer em valor real, quer em valor estabelecido a partir da medição efectuada numa máquina idêntica.
  29. 29. 17/09/13 Manuel Ribeiro 29 IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE CE É um documento que comprova que o equipamento está abrangido pela Directiva Máquinas e que cumpre as normas de segurança. Essa declaração deverá ser obrigatoriamente emitida aquando da venda, pelo fabricante ou seu mandatário.
  30. 30. 17/09/13 Manuel Ribeiro 30 IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA DECLARAÇÃO CE – Requisitos Obrigatórios Para a certificação da sua máquina, o fabricante deverá:  Verificar se esta cumpre os requisitos essenciais de segurança e saúde aplicáveis;  Constituir um “Dossier Técnico de Fabrico”, de acordo com o previsto no Anexo V da “Directiva Máquinas”;  Emitir a “Declaração CE de conformidade” e fazer a aposição da marcação CE, na máquina.
  31. 31. 17/09/13 Manuel Ribeiro 31 IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA DECLARAÇÃO CE – Requisitos Obrigatórios DOSSIER TÉCNICO  É um instrumento destinado a demonstrar que a máquina ou o componente de segurança foi concebido e construído de acordo com as exigências de segurança e saúde requeridas pela DM, bem como a demonstração de que foi realizado um trabalho sistemático de identificação de perigos e avaliação de riscos e a correspondente implementação de soluções.
  32. 32. 17/09/13 Manuel Ribeiro 32 IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA DECLARAÇÃO CE  A “Declaração CE de conformidade” é o procedimento estabelecido pelo anexo V da DM e a sua assinatura autoriza o fabricante, ou o mandatário estabelecido na União, a apôr a marcação CE na máquina e a colocá-la no mercado.
  33. 33. 17/09/13 Manuel Ribeiro 33 IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA ELEMENTOS DA DECLARAÇÃO CE  Nome e endereço do fabricante e/ou do mandatário estabelecido na União;  Identificação da máquina: tipo, modelo, n.º de série;  Legislação à qual a máquina obedece: directivas comunitárias, normalizações,especificações técnicas;  Documento datado e assinado.
  34. 34. 17/09/13 Manuel Ribeiro 34 IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA MARCAÇÃO CE  A marcação CE é constituída pelas iniciais CE que deverão ser visíveis no equipamento, com grafismo próprio definido pelo Anexo III da DM, para atestar a conformidade, garantindo um nível de segurança adequada.
  35. 35. 17/09/13 Manuel Ribeiro 35 IMPLICAÇÕES DA DIRECTIVA OUTRAS DIRECTIVAS As máquinas e os componentes de segurança com características específicas poderão ser abrangidas por outras directivas (equipamentos eléctricos, elevadores).
  36. 36. 17/09/13 Manuel Ribeiro 36 SEGURANÇA DE UMA MÁQUINA Entende-se por «segurança de uma máquina» a aptidão de uma máquina para desempenhar a sua função, para ser transportada, instalada, afinada, sujeita a manutenção, desmantelada, e posta de parte ou em sucata, nas condições normais de utilização especificadas no Manual de Instruções, sem causar uma lesão ou um dano para a saúde.
  37. 37. 17/09/13 Manuel Ribeiro 37 PREVENÇÃO INTEGRADA A «prevenção integrada» (ou intrínseca) é um conjunto de medidas de segurança que consiste em:  Evitar ou reduzir o maior número possível de fenómenos perigosos, escolhendo convenientemente determinadas características de concepção;  Limitar a exposição de pessoas aos fenómenos perigosos inevitáveis ou que possam ser suficientemente reduzidos. Esta condição consegue-se reduzindo a necessidade de intervenção do operador em zonas perigosas.
  38. 38. 17/09/13 Manuel Ribeiro 38 PREVENÇÃO INTEGRADA INÍCIO RISCO REDUZ SUPRIME PROTECTORES NENHUMA MEDIDA PREVENÇÃO INTRÍNSECA PROTECTORES E DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA AVISO DE RISCOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEGURANÇA OBJECTIVO ATINGIDO N N S N S S
  39. 39. 17/09/13 Manuel Ribeiro 39 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTOR É o elemento de uma máquina utilizado especificamente para garantir uma protecção por meio de uma barreira material. Consoante a sua construção, um protector pode ter designações tais como cárter, tampa, resguardo, porta, cercadura fechada, blindagem, etc.
  40. 40. 17/09/13 Manuel Ribeiro 40 PREVENÇÃO INTEGRADA TIPOS DE PROTECTORES  Protector fixo;  Protector móvel;  Protector regulável;  Protector com dispositivo de encravamento;  Protector com dispositivo de bloqueio;  Protector com comando de arranque.
  41. 41. 17/09/13 Manuel Ribeiro 41 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTORES FIXOS É mantido no seu lugar (fechado), quer de uma maneira permanente (soldadura, rebitagem, etc.), quer por meio de fixação (parafusos, porcas, etc.) de modo que só possa ser aberto por meio de uma ferramenta. Uma fechadura que só fecha por meio de chave é considerada um elemento de fixação.
  42. 42. 17/09/13 Manuel Ribeiro 42 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTORES FIXOS Podem apresentar-se sob três formas:  Em protecção local muito próxima do risco;  Isolando uma zona de risco;  Em protecção perimétrica ou por sector.
  43. 43. 17/09/13 Manuel Ribeiro 43 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTORES MÓVEIS É geralmente ligado à estrutura da máquina, ou a um elemento fixo vizinho, por meio de dobradiças, e pode ser aberto sem a utilização de qualquer ferramenta.
  44. 44. 17/09/13 Manuel Ribeiro 44 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTORES MÓVEIS Deve ser equipado com um dispositivo de encravamento ou com um dispositivo de bloqueio, sempre que a análise de riscos o justifique. O objectivo é o de impedir que uma pessoa possa ter acesso pelo protector aos órgãos perigosos, enquanto apresentem riscos.
  45. 45. 17/09/13 Manuel Ribeiro 45 PREVENÇÃO INTEGRADA A escolha entre protectores fixos ou protectores móveis deve ser feita principalmente em função da inércia dos elementos perigosos, mas também em função da frequência de acesso à zona coberta.
  46. 46. 17/09/13 Manuel Ribeiro 46 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE ENCRAVAMENTO Um protector com dispositivo de encravamento (mecânico, eléctrico, ou outra) deve:  Impedir que as funções perigosas «cobertas» pelo protector operem se o protector estiver aberto;  Dar uma ordem de paragem, se se abrir o protector, enquanto as funções perigosas da máquina estão a operar;
  47. 47. 17/09/13 Manuel Ribeiro 47 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE ENCRAVAMENTO  Permitir que as funções perigosas da máquina possam operar, desde que o operador esteja fechado;  Não provocar o arranque da máquina quando se fecha o protector.
  48. 48. 17/09/13 Manuel Ribeiro 48 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE BLOQUEIO É um protector associado a um dispositivo de encravamento e um dispositivo de bloqueio mecânico de modo que:  As funções perigosas da máquina cobertas pelo protector não possam operar enquanto o protector não estiver fechado e bloqueado;
  49. 49. 17/09/13 Manuel Ribeiro 49 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTOR COM DISPOSITIVO DE BLOQUEIO  O protector permanece bloqueado na posição de fechado, até que tenha desaparecido o risco de ferimento ou lesão devido às funções perigosas da máquina;  Quando o protector está bloqueado na posição fechado, as funções perigosas da máquina podem operar, mas o fecho e o bloqueio do protector não iniciam, por si próprios, a operação de tais funções.
  50. 50. 17/09/13 Manuel Ribeiro 50 PREVENÇÃO INTEGRADA PROTECTORES REGULÁVEIS São protectores fixos ou móveis que são reguláveis no seu conjunto ou que são compostos por partes reguláveis. São normalmente utilizados para limitar o acesso aos órgãos móveis de trabalho ou a ferramentas, desde que estas não possam ser totalmente inacessíveis; a sua protecção deve permanecer fixa durante o trabalho.
  51. 51. 17/09/13 Manuel Ribeiro 51 PREVENÇÃO INTEGRADA DISPOSITIVO DE PROTECÇÃO Qualquer dispositivo, diferente de um protector que, por si só ou associado a um protector, elimina ou reduz o risco.
  52. 52. 17/09/13 Manuel Ribeiro 52 PREVENÇÃO INTEGRADA TIPOS DE DISPOSITIVOS DE PROTECÇÃO  Dispositivo de encravamento;  Dispositivo de validação;  Dispositivo de comando de acção continuada;  Dispositivo de comando bimanual;
  53. 53. 17/09/13 Manuel Ribeiro 53 PREVENÇÃO INTEGRADA TIPOS DE DISPOSITIVOS DE PROTECÇÃO  Dispositivo de sensor;  Dispositivo de retenção mecânica;  Dispositivo limitador;  Dispositivo de comando por movimento limitado;  Dispositivo dissuador/deflector.
  54. 54. 17/09/13 Manuel Ribeiro 54 PREVENÇÃO INTEGRADA Os dois tipos principais de meios de protecção a utilizar, combinados ou isoladamente, são protectores e os dispositivos sensores.
  55. 55. 17/09/13 Manuel Ribeiro 55 PREVENÇÃO INTEGRADA DISPOSITIVOS SENSORES São dispositivos que permitem garantir a segurança das pessoas provocando a paragem dos elementos perigosos de uma máquina ou a interrupção de um fenómeno perigoso, seja pela violação de um limite de segurança, seja pela acção voluntária ou não sobre um órgão sensor.
  56. 56. 17/09/13 Manuel Ribeiro 56 PREVENÇÃO INTEGRADA DISPOSITIVOS SENSORES Sempre que se utilize um tal dispositivo para garantir uma função de segurança, é necessário que ele esteja disposto a uma distância suficiente da zona perigosa para ter em conta a inércia dos órgãos móveis perigosos e da velocidade de aproximação da pessoa exposta.
  57. 57. 17/09/13 Manuel Ribeiro 57 PREVENÇÃO INTEGRADA MEDIDAS NA INSTALAÇÃO  Garantir a estabilidade da máquina;  Arranjar os espaços e os acessos necessários para todas as intervenções do pessoal (produção e manutenção);  Prever e adaptar as vias de circulação das pessoas e veículos;
  58. 58. 17/09/13 Manuel Ribeiro 58 PREVENÇÃO INTEGRADA MEDIDAS NA INSTALAÇÃO  Prever e adaptar áreas para armazenagem e circulação dos produtos e evacuação de detritos;  Examinar a posição relativa dos postos de trabalho.
  59. 59. 17/09/13 Manuel Ribeiro 59 PREVENÇÃO INTEGRADA MEDIDAS PARA O PESSOAL  Informar as condições de utilização das máquinas;  Informar a conduta a seguir quer em situação normal, quer face aos acidentes previsíveis;  Informar sobre as conclusões retiradas da experiência, permitindo assim evitar certos riscos.

×