1 evolução dos sistemas de classificação

3.246 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.246
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
503
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 evolução dos sistemas de classificação

  1. 1. A Diversidade da Vida 1
  2. 2. •A história da Taxonomia (ramo da Biologia que se ocupa daclassificação dos seres vivos) ao nível dos reinos é um bomexemplo dos processos de avanço da Ciência.•Desde os tempos de Aristóteles até meados do século XIX, osbiólogos dividiam os seres vivos em dois reinos: Plantae eAnimalia.• Depois do desenvolvimento do microscópio, tornou-se cada vezmais óbvio que esta classificação era insuficiente, pois algunsorganismos não poderiam ser facilmente incluídos nem nasplantas nem nos animais.• Assim, à medida que as várias áreas de Biologia vão avançando,novos critérios vão sendo considerados e novos sistemas vãoaparecendo, por forma a melhor poder abarcar a grandediversidade de seres vivos da Biosfera. 2
  3. 3. Há mais de 24 séculos, os seres vivos foram classificados por Aristótelese Teofrasto, um discípulo seu, em dois Reinos – o Reino Animal e oReino Vegetal. No século XVIII, os trabalhos de Lineu reforçaram estamesma ideia. 3
  4. 4. No reino Plantae incluíam-se organismosfotossintéticos, sem locomoção e sem ingestão. As bactérias e os fungos, como apresentavamparede celular, eram também incluídas nestereino.No reino Animalia eram inseridos os seresnão fotossintéticos, com locomoção e queobtêm alimentos por ingestão. Incluía tambémalguns seres vivos unicelulares (Protozoários),com locomoção e alimentação por ingestão. 4
  5. 5. Problemas:•Em ambos os reinos teriam de ser incluídosseres unicelulares. A diferença era demasiadogrande para poder ser aceite.•Além disso, alguns seres não cumpriam todasas condições necessárias para fazer parte de umou outro reino. É o caso de alguns seres vivosflagelados (com locomoção) e que sãofotossintéticos 5
  6. 6. No século XIX, Ernest Haeckel propôs um terceiro reino –o Reino Protista, onde incluía todos os seres vivosunicelulares, separando-os dos animais e das plantas. 6
  7. 7. Contudo, continuava ainda a existirproblemas:• Não fazia a separação entre sereseucariontes e procariontes.• O reino Protista incluía alguns seres vivosque apenas seriam lá inseridos porque assuas características não eram claramente deanimais nem de plantas. 7
  8. 8. Mais tarde, Herbert Copeland introduziu um novo reino – o Reino Monera, surgindo assim o sistema de classificação em quatro reinos: Reino Monera – seres procariontes Reino Protista – seres eucariontes unicelulares Reino Plantae Reino Animalia. 8
  9. 9. Classificação de Copeland Contudo, continuava a existir o problema dos fungos, que possuemcaracterísticas simultaneamente de plantas e de animais, nomeadamente: - são heterotróficos como os animais, mas apresentam parede celular(embora de natureza diferente) como as plantas. 9
  10. 10. Em 1969, Whittaker propôs um sistema declassificação em cinco reinos, passando os fungos aconstituir um reino independente. Deste modo,passam a existir os cinco reinos que actualmente sãoconsiderados: Monera, Protista, Fungi, Plantae eAnimalia.Foi um sistema de classificação que continha algumaslimitações, mas o próprio Whittaker apresentou maistarde, em 1979, uma versão modificada do seu sistemade cinco reinos. 10
  11. 11. • Um dos problemas era relativo à separação de algunsseres. Era o caso das algas, que são autotróficas eapresentam espécies unicelulares, coloniais epluricelulares.• Segundo o sistema apresentado em 1969, as algasteriam de ser incluídas no Reino Protista (que incluíaapenas seres unicelulares) e no reino Plantae.• Na sua versão corrigida o grupo das algas foidefinitivamente incluído, na sua totalidade, no reinoProtista .•O Reino Protista passou a incluir algumas excepções àunicelularidade. 11
  12. 12. Sistema de classificação de Whittaker 12
  13. 13. Este sistema de classificação tem a vantagemde se basear em vários critérios, tornando-se porisso mais próximo da realidade complexa dosseres vivos. Os critérios de classificação mais significativossão:- nível de organização celular- modo de nutrição- tipo de interacção nos ecossistemas. 13
  14. 14. A tabela resumo das características mais significativas de cada reino. Reino Critério Reino Protista Reino Fungi Reino Plantae Reino Animalia Monera Tipo de Unicelulares na sua Pluricelularesorganização Unicelulares maioria (solitários (com reduzida Pluricelulares Pluricelulares celular ou coloniais) diferenciação) Tipo de Eucariótica Eucariótica células Procariótica Eucariótica Parede celular Parede celular Eucariótica(organitos) de quitina de celulose Autotróficos Autotróficos (fotossíntese e Modo de (fotossíntese) Heterotróficos Autotróficos quimiossíntese) Heterotróficos nutrição Heterotróficos (por absorção) (fotossíntese) Heterotróficos (por ingestão) (absorção e ingestão) (por absorção) Interacções Produtores Produtores nos Macroconsumidores Microconsumidores Produtores Macroconsumidoresecossistemas Microconsumidores Microconsumidores Musgos, Amiba, Paramécia, fetos, Esponjas, insectos, Exemplos Bactérias Bolores, cogumelos Euglena, Algas plantas com répteis, mamíferos flor 14
  15. 15. Critério Monera Protista Fungi Plantae Animalia Eucariótica. Eucariótica. Eucariótica. Eucariótica. Procariótica.Tipo de Célula Núcleo, Núcleo, Núcleo, mitocôndrias. Núcleo,e Organelos Sem organelos mitocôndrias; sem mitocôndrias; sem mitocôndrias, cloroplastos. membranares. Alguns com cloroplastos. cloroplastos. Parede cloroplastos nem Parede celular celulósica. celular quitinosa. parede celular. MulticelularesTipo de Unicelulares, solitários (a (grande parte). Multicelulares, com Unicelulares, solitários ou Multicelulares, comOrganização maioria). Alguns coloniais, Alguns cenocíticos. diferenciação coloniais. diferenciação celular.Celular outros multicelulares. Reduzida celular. diferenciação. Autotróficos (fotossíntese e Autotróficos (fotossíntese).Modo de quimiossíntese). Heterotróficos Heterotróficos Autotróficos (fotossíntese).Nutrição Heterotróficos (absorção e (absorção). (ingestão) Heterotróficos (absorção). ingestão). Produtores.Interacções Produtores. Microconsumidores. Macroconsumidoresnos Microconsumidores ou Microconsumidores. Produtores. .Ecossistemas decompositores. Macroconsumidores. Musgos, fetos, plantas com Esponjas, insectos,Exemplos bactérias Amiba, paramécia, algas. Bolores, cogumelos. flor. baleias. 15
  16. 16. 1 – Níveis de organização celular •Estrutura celular procariótica – Reino Monera •Estrutura celular eucariótica – os restantes Reinos2 – Tipos de nutrição •Reino Monera: inclui espécies fotoautotróficas, quimioautotróficas eheterotróficas por absorção . Não existe ingestão nas espécies deste reino. É oúnico onde existe quimiossíntese. •Reino Protista: espécies que obtêm o alimentos por absorção, ingestão efotossíntese (todos os tipos de nutrição, excepto quimiossíntese). •Reino Plantae: fotossintéticos •Reino Fungi: obtêm o alimento por absorção •Reino Animalia: obtêm o alimento por ingestão 16
  17. 17. 3 – Interacções nos ecossistemas •Produtores – São os seres autotróficos, queproduzem a sua própria fonte de matéria orgânica epodem ser vistos como o início das cadeias alimentares.É o caso das plantas, algas e algumas bactérias. •Macroconsumidores – São os seresheterotróficos, que ocupam as posições intermédias ede topo nas cadeias alimentares. •Microconsumidores – São seres heterotróficosque decompõem a matéria orgânica, absorvem algunsprodutos resultantes da decomposição e libertamsubstâncias inorgânicas para o meio. São tambémchamados decompositores ou saprófitos. 17
  18. 18. 18
  19. 19. 1. Monera1.1. Existem em todos os tipos de habitat (mesmo aquelesem que não existem outras formas de vida ou dentro deoutros seres vivos)1.2. Possuem células muito simples, com umas únicamolécula de DNA circular e sem organelos membranares 19
  20. 20. 1.3. Trazem várias vantagens:1.3.1. Intervêm no ciclo de elementos químicos essenciais à vida (ex.azoto)1.3.2. Fermentações bacterianas utilizadas na produção de alimentos(queijo, iogurte, vinagre, cerveja, etc.)1.3.3. Produção de antibióticos1.3.4. Simbiose com ruminantes – degradação da celulose1.3.5. O Homem possui bactérias no intestino produtoras de váriasvitaminas (flora e fauna intestinal)1.3.6. Reciclagem de nutrientes nos ecossistemas naturais1.4. Mas também algumas desvantagens:1.4.1. Bactérias patogénicas – causam doenças (pneumonia,tuberculose, tétano, lepra)1.4.2. Acção das bactérias decompositoras sobre os alimentos ou nacontaminação das águas 20
  21. 21. 2. Protista2.1. Reúne menos consenso no que dizrespeito aos organismos nele incluídos (desdeas formas mais simples unicelulares até àsalgas multicelulares gigantes)2.2. Existem: protistas semelhantes aanimais (protozoários), semelhantes a plantas(algas) e semelhantes a fungos (mixomicetos)2.3. Os mixomicetos distinguem-se dos fungosporque: são heterotróficos por ingestão e nãoapresentam parede celular quitinosa2.4. Existem em ambientes húmidos 21
  22. 22. 3. Fungi3.1. São maioritariamente multicelulares(apesar de existirem alguns unicelulares – ex.leveduras)3.2. São heterotróficos por absorção3.3. Têm grande importância ecológica eeconómica (ex. produção de alimentos,antibióticos, têm um papel fundamental nosecossistemas)3.4. Podem estabelecer relações simbióticas (ex.líquenes e micorrizos)3.5. Podem ser parasitas, causado váriasdoenças 22
  23. 23. 4. Plantae4.1. São multicelulares e fotossintéticas 4.2. Máximo de especialização morfológicae funcional 4.3. As primeiras plantas devem terevoluído a partir de um ancestral aquático(provavelmente uma alga verde); aevolução deveu-se a uma maior adaptaçãoao meio terrestre, surgindo as plantas comtecidos vasculares 23
  24. 24. 5. Animalia 5.1. Estão distribuídos por todo o tipo dehabitats 5.2. Organismos eucariontes,multicelulares e heterotróficos 5.3. A distribuição dos animais por filosobedece, essencialmente, a característicasestruturais e a critérios relacionados com aembriologia 24
  25. 25.  O sistema de classificação de Whittaker é uma tentativa para classificar a vida de uma forma que é útil e reflecte a história evolutiva, e por isso mesmo continua a assumir uma importância muito grande nos dias de hoje. Contudo, novos estudos têm levado os cientistas a propor novos sistemas de classificação. 25
  26. 26. Carl Woese, em 1970, com base em critérios de análise molecular, propusera que há fundamentalmente dois grupos distintos de procariontes: arqueobactérias e eubactérias, muito mais diferentes entre si (em termos metabólicos) que todos os eucariontes. Assim sendo, surge um novo sistema de classificação que propõe a existência de seis reinos. Este sistema usa um nível de classificação ainda superior ao reino, chamado domínio. 26
  27. 27. Sistema de Classificação de Carl Woese – Propõe a divisão do Reino Monera. Passam a existir três domínios: dois que incluem seres procariontes outro que inclui todos os eucariontes.Whittaker inclui todos os procariontes num só reino A classificação em três domínios reconhece dois reinos dentro dos seresprocariontes, tão diferentes entre si que se incluem em dois domínios diferentes. 27
  28. 28. O sistema de classificação de Carl Woese não é oúnico sistema considerado actualmente.O debate continua aceso, e há propostas declassificação que vão dos 6 aos 12 reinos, dependendodos critérios considerados. Todas estas evidências levam a afirmar que aTaxonomia é uma ciência em constante evolução. Mas apesar de todas as propostasapresentadas posteriormente, o sistema declassificação de Whittaker em cinco reinosainda se pode considerar como um dos maisconsensuais. 28

×