Romance de Pedro e Inês Um Amor Proibido
A História <ul><li>D. Pedro I, Infante de Portugal, era filho do Rei D. Afonso   IV e de D. Beatriz de Castela. </li></ul>...
<ul><li>Depois de tempos atribulados e de muitas intrigas pelo meio, conseguiu-se enfim concretizar o casamento, entrando ...
<ul><li>A   vida de D. Pedro continuava assim afogada em excessos até que um dia seus olhos pousaram na dama de companhia ...
<ul><li>O seu amor excedeu de tal modo que o escândalo estalou na corte e o rei D. Afonso IV forçou a amante do filho a sa...
<ul><li>Em 1354, D. Constança morre ao dar à luz o primeiro filho. D. Pedro fica então liberto para ir buscar a sua amada....
<ul><li>A seguir a alguns anos no norte de Portugal, Pedro e Inês voltaram a Coimbra e instalaram-se no Paço de Santa Clar...
<ul><li>Conta a lenda que na quinta das lágrimas, as lágrimas derramadas (por ela) criaram a fonte dos amores e que alguma...
<ul><li>A seguir a este episódio trágico, D. Pedro mandou construir dois magníficos túmulos no mosteiro de Alcobaça, onde ...
Acróstico <ul><li>D istinta </li></ul><ul><li>I nstruída </li></ul><ul><li>N obre </li></ul><ul><li>Ê sbelta </li></ul><ul...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Romance P..[1][1][1]

454 visualizações

Publicada em

Historia de Pedro e Inês

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
454
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romance P..[1][1][1]

  1. 1. Romance de Pedro e Inês Um Amor Proibido
  2. 2. A História <ul><li>D. Pedro I, Infante de Portugal, era filho do Rei D. Afonso IV e de D. Beatriz de Castela. </li></ul><ul><li>Em criança foi-lhe prometido casamento com a princesa D. Branca, filha do Infante D. Pedro de Castela, prima do rei D. Afonso XI e neta de Sancho IV de Castela e de D. Maria Molina. Era um casamento político que acabou por não se realizar, pois a jovem D. Branca, aos 14 anos, mostrava-se tão fraca e doente que o Infante se recusou a casar com ela . </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Depois de tempos atribulados e de muitas intrigas pelo meio, conseguiu-se enfim concretizar o casamento, entrando em Portugal D. Constança com varias criadas, com as honrarias devidas a um descendente dos reis de Castela, Leão e Aragão. Foi no entanto, uma afronta a D. Afonso IV que sempre odiou esse irmão bastardo, a quem culpava das desavenças tidas com o pai, o rei D. Dinis. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A vida de D. Pedro continuava assim afogada em excessos até que um dia seus olhos pousaram na dama de companhia de D. Constança que o entonteceram de tal maneira que pensou em nunca mais a abandonar. </li></ul><ul><li>O escândalo tomou tais proporções que a esposa, D. Constança, resolveu convidar D. Inês para madrinha do filho que tinha no ventre pois considerava que este parentesco espiritual os afastaria. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>O seu amor excedeu de tal modo que o escândalo estalou na corte e o rei D. Afonso IV forçou a amante do filho a sair do país. Inês escondeu-se no castelo de Albuquerque, próximo da fronteira portuguesa, situado no alto de uma escarpa, a poucos quilómetros do Alentejo. </li></ul><ul><li>Fora construído por D. Afonso Sanches, filho bastardo de D. Dinis e familiar de D. Inês, pois aí tinha sido criada pela tia D. Teresa de Albuquerque, desde tenra idade . </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Em 1354, D. Constança morre ao dar à luz o primeiro filho. D. Pedro fica então liberto para ir buscar a sua amada. Preso como estava a um casamento que não procurara nem queria, viu na morte da esposa a sua libertação. </li></ul><ul><li>Logo a seguir à morte da sua esposa, D. Pedro traz D. Inês para Portugal e leva-a para as terras da Lourinhã que eram muito do seu agrado. Instala-a numa quinta em Moledo, nas proximidades do Paço da Serra, onde ele passava os seus tempos de lazer. Viveram separados algum tempo e depois juntos, quer nestas duas localidades, quer em Touguia. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>A seguir a alguns anos no norte de Portugal, Pedro e Inês voltaram a Coimbra e instalaram-se no Paço de Santa Clara, onde D. Inês viveu os seus últimos anos. </li></ul><ul><li>No dia 7 do mês de Janeiro no ano de 1355 o rei D. Manuel cedeu às pressões dos seus conselheiros, e aproveitou a ausência de D. Pedro, e ordenou Pêro Coelho, Álvaro Gonçalves e Diogo Lopes Pacheco aniquilar D. Inês, num dos actos mais cruéis da historia Portuguesa, D. Inês chorando pela sua vida, em frente aos filhos foi morta. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Conta a lenda que na quinta das lágrimas, as lágrimas derramadas (por ela) criaram a fonte dos amores e que algumas algas vermelhas são o seu sangue. </li></ul><ul><li>A seguir à morte de D. Inês, D. Pedro amuou com o seu pai e mandou apanhar os três assassinos de D. Inês, dois ( Pêro Coelho e Álvaro Gonçalves) foram apanhados, e um deles ( Diogo Lopes Pacheco) fugiu. D. Pedro obrigou os seus amos a arrancar os corações aos assassinos (que foram apanhados) de D. Inês e comeu-os ao jantar, num acto crudelissimo. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A seguir a este episódio trágico, D. Pedro mandou construir dois magníficos túmulos no mosteiro de Alcobaça, onde estão os dois sepultados. </li></ul><ul><li>E D. Inês é considerada a “rainha após a morte”. </li></ul>
  10. 10. Acróstico <ul><li>D istinta </li></ul><ul><li>I nstruída </li></ul><ul><li>N obre </li></ul><ul><li>Ê sbelta </li></ul><ul><li>S electa </li></ul><ul><li>D espachada </li></ul><ul><li>E special </li></ul><ul><li>C intilante </li></ul><ul><li>A paixonada </li></ul><ul><li>S onhadora </li></ul><ul><li>T ernurenta </li></ul><ul><li>R ainha </li></ul><ul><li>O radora </li></ul>

×