SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE AZEITÃO
Plano de Acção de Ciências da Natureza/Naturais
Prioridades do Projecto
Educativo
Metas e Objectivos Actividades (público alvo) Observ.
EU E OS OUTROS
- Reduzir os índices de
indisciplina;
- Melhorar as relações inter-
pessoais
- Aperfeiçoar os canais de
comunicação/ informação
entre todos os intervenientes
da comunidade escolar;
- Aumentar o envolvimento
parental na escola
➣ Promover o respeito mútuo
➣ Promover valores e atitudes para o exercício de uma cidadania
responsável
➣ Promover a comunicação, a partilha de boas práticas e materiais no
Conselho Curricular.
- Criar oportunidades para o desenvolvimento de trabalho em equipa, gestão
de conflitos e definição de normas de conduta
- Desenvolver atitudes promotoras de saúde
- Fomentar a participação dos Pais e Encarregados de Educação na vida
escolar.
- Desenvolver no Departamento um espaço comum de partilha.
- Desenvolvimento de projectos com o envolvimento/conhecimento dos Encarregados de Educação
- Trabalho de pares e de grupo
Comemoração de datas relacionadas com a Ciência (dia mundial da água, da alimentação,do
ambiente, da árvore, do coração, da floresta, doa oceanos, da saúde, sem tabaco e da Terra)
. Feira dos minerais
. Colecção de rochas e minerais
. Visitas de estudo (CCV de Estremoz, Amarsul, ETAR, Museu da Água, Museu da Electricidade, e
Oceanário)
. Micro estação meteorológica
. Horto Pedagógico
. Participação nas actividades a desenvolver pelo Projecto “Saúde em meio escolar” e pelo GIA
. Participação na festa do agrupamento
EU E O CONHECIMENTO
- Aumentar o sucesso
➣ Atingir os indicadores de sucesso estabelecidos pelo Conselho
Pedagógico
➣ Prevenir o abandono escolar
- Proporcionar aos alunos experiências de aprendizagem diversificadas
e participadas
- Desenvolver as competências essenciais para a literacia científica
- Facilitar aprendizagens significativas, articuladas e contextualizadas
- Incentivar a adopção de metodologias personalizadas de trabalho e de
aprendizagens adequadas a objectivos visados
- Elaboração de planificações; testes de diagnóstico; definição de critérios de avaliação
- Recurso às TIC no desenvolvimento de trabalhos e projectos
- Elaboração de pesquisas, organização e selecção de informação;
- Auto e hetero avaliação
. Comemoração de datas relacionadas com a Ciência (dia mundial da água, da alimentação,do
ambiente, da árvore, do coração, da floresta, doa oceanos, da saúde, sem tabaco e da Terra)
. Feira dos minerais
. Colecção de rochas e minerais
. Visitas de estudo (CCV de Estremoz, Amarsul, ETAR, Museu da Água, Museu da Electricidade, e
Oceanário)
. Participação nas actividades a desenvolver pelo Projecto “Saúde em meio escolar” e pelo GIA
. Participação na festa do agrupamento
. Portefólio da Natureza
. Portefólio da saúde e higiene
. Micro estação meteorológica
. Horto Pedagógico
ApropostadeoutrasvisitasdeestudoemCiênciasdaNaturezaeNaturaisserádefinidano
âmbitodosProjectosCurricularesdeTurmadeacordocomasnecessidadeseestratégiasa
definiremcadaturma.
EU E OS ESPAÇOS
- Melhorar os espaços
interiores e exteriores
- Garantir o maior número de
horas de ocupação dos
tempos escolares
➣ Promover a rentabilização e valorização dos espaços de trabalho
disponíveis na escola (Sala Polivalente, BE-CRE, outros...)
➣ Assegurar a correcta utilização dos espaços específicos –
Laboratório e salas de Ciências Naturais e da Natureza
➣ Assegurar a preservação de todos os espaços escolares
- Criar oportunidades para a efectiva utilização dos recursos disponíveis
- Zelar pelo cumprimento das normas estabelecidas para cada espaço.
- Promover a divulgação e aplicação regulamento de utilização dos
espaços específicos
- Recurso à BE-CRE em actividades de pesquisa.
- Integração das TIC nas experiências de aprendizagem.
- Desenvolvimento de projectos de divulgação e sensibilização temáticos;
- Dinamização de actividades extra-curriculares (Clube da Protecção Civil)
- Exposições temáticas;
. Comemoração de datas relacionadas com a Ciência (dia mundial da água, da alimentação,do
ambiente, da árvore, do coração, da floresta, doa oceanos, da saúde, sem tabaco e da Terra)
. Colecção de rochas e minerais
. Visitas de estudo (CCV de Estremoz, Amarsul, ETAR, Museu da Água, Museu da Electricidade, e
Oceanário)
. Micro estação meteorológica
. Horto Pedagógico
. Participação na festa do agrupamento
. Construção de ecopontos
. Campanha das tampinhas
. Arranjo e embelezamento dos espaços interior e exterior do GIA
Necessidades de
Formação
- Trabalho e segurança laboratorial no ensino das ciências experimentais - Trabalhar com a indisciplina e a diversidade no contexto de sala de aula
- Promoção da saúde em contexto escolar - Tecnologias de Informação e Comunicação nas Ciências Experimentais
Avaliação do Plano
O Conselho Curricular irá rever as directrizes deste plano sempre que for de interesse para a comunidade escolar, bem como quando se alterem as permissas, que lhe deram origem,
como forma de regular a sua implementação. No final do ano lectivo, será feita uma avaliação global do plano.
Anexos:
Competências gerais a priorizar pelo Conselho Curricular
Na mobilização de saberes
Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano.
Na comunicação e
linguagens específicas
Usar correctamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento próprio;
Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar.
Nos métodos de trabalho e
na pesquisa, selecção e
organização de informação
Adoptar metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagem adequadas a objectivos visados;
Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável;
Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões;
Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa.
Na realização de actividades
Empenhar-se de forma autónoma na realização das actividades;
Desenvolver o espírito crítico e a criatividade.
Operacionalização específica das competências gerais
DOMÍNIO DE COMPETÊNCIAS PARÂMETROS
Substantivo . Aquisição de conhecimento científico, interpretando e
compreendendo leis e modelos científicos
Experiências de Aprendizagem em Ciência – Indicações do
Currículo Nacional
Para os conhecimentos científicos serem compreendidos pelos alunos em estreita relação
com a realidade que os rodeia, considera-se fundamental a vivência de experiências de
aprendizagem como as que a
seguir se indicam:
• Observar o meio envolvente.
• Recolher e organizar material, classificando-o por categorias ou temas
• Planificar e desenvolver pesquisas diversas.
• Conceber projectos, prevendo todas as etapas, desde a definição de um problema
até à comunicação de resultados e intervenção no meio, se for esse o caso.
• Realizar actividade experimental e ter oportunidade de usar diferentes
instrumentos de observação e medida.
• Analisar e criticar notícias de jornais e televisão, aplicando conhecimentos
científicos na abordagem de situações da vida quotidiana;
• Realizar debates sobre temas polémicos e actuais
• Comunicar resultados de pesquisas e de projectos, expondo as suas ideias e as
do seu grupo
• Realizar trabalho cooperativo em diferentes situações
(in Currículo Nacional)
Conhecimento
Processual
 Realização de pesquisa bibliográfica
 Observação
 Execução de experiências (individual ou grupo)
 Avaliação resultados obtidos na experiência
 Planeamento e realização de investigações
 Elaboração e interpretação de representações gráficas
Epistemológico a)  Análise e debate de relatos e descobertas científicas
Raciocínio Aplicação do método de Resolução de problemas
Comunicação
 Interpretação de fontes de informação diversa
 Debates
 Produção de textos escritos/e orais
 Apresentação de resultados de pesquisa
Atitudes
 Curiosidade, empenho, respeito por normas
e pessoas, responsabilidade
Critérios de Avaliação Gerais e Específicos do Conselho Curricular de Ciências da Natureza/Naturais
Os critérios de avaliação aprovados no agrupamento, pretendem constituir-se como orientadores da acção do professor, sem prejuízo das prioridades e orientações estabelecidas nos Departamentos, e no Projecto
Curricular de cada turma, levando sempre em conta as características e necessidades específicas dos alunos.
Nomenclatura da escala a usar na aplicação dos critérios de avaliação,
na classificação de trabalhos, testes e outras actividades
1 - Muito Insuficiente (MI) (0% a 19%)
2 – Insuficiente (I) (20% a 49%)
3 – Suficiente (S) (50% a 69%)
4 – Bom (B) (70% a 89%)
5 – Muito Bom (MB) (90% a 100%)
O recurso ao Muito Insuficiente deverá ter sempre carácter de excepção. Os professores poderão optar pela não utilização da discriminação negativa (Muito Insuficiente), alargando o intervalo percentual
correspondente ao Insuficiente (que passará a ser, neste caso, de 0% a 49%).
Muito Insuficiente (MI) Insuficiente (I) Suficiente (S) Bom (B) Muito Bom (MB)
A avaliação das Competências Específicas das disciplinas do Conselho Curricular de Ciências Naturais será feita de acordo com os seguintes pesos:
 Fichas de Avaliação – 70 %
 Trabalhos de grupo e/ou individuais – 20%
 Participação oral – 10%
Na ausência do parâmetro trabalhos de grupo e ou individuais, o seu peso, vinte por cento, será redistribuído pelos outros dois parâmetros equitativamente;
Na avaliação de atitudes e valores, atribuí-se a cada domínio um peso de vinte e cinco por cento. Dentro de cada domínio, procura-se distribuir o mesmo peso pelos comportamentos observados. Fica no
entanto salvaguardada a possibilidade de aplicação de critérios diferentes, de acordo com os Projectos Curriculares de Turma
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...Seduc MT
 
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...Daniel Raber
 
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE D...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE   D...APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE   D...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE D...Daniel Raber
 
Meio ambiente quem ama preserva
Meio ambiente quem ama preservaMeio ambiente quem ama preserva
Meio ambiente quem ama preservasharytha
 
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-escola Argentina Pereira Feitosa
 
Ivonilda teste - curso linux
Ivonilda   teste - curso linuxIvonilda   teste - curso linux
Ivonilda teste - curso linuxivonildamaria
 
Planejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano Física
Planejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano FísicaPlanejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano Física
Planejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano FísicaRonaldo Santana
 
I ELAS Daniel Raber 26set2013
I ELAS Daniel Raber 26set2013I ELAS Daniel Raber 26set2013
I ELAS Daniel Raber 26set2013Daniel Raber
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem Cientista
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem CientistaMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem Cientista
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem CientistaInstituto Unibanco
 
Atividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_mena
Atividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_menaAtividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_mena
Atividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_menasanchezmar
 
Projeto vamos cuidar do meio ambiente?
Projeto vamos cuidar do meio ambiente?Projeto vamos cuidar do meio ambiente?
Projeto vamos cuidar do meio ambiente?Daisymelo
 
Gerar o minimo e reciclar o máximo
Gerar o minimo e reciclar o máximoGerar o minimo e reciclar o máximo
Gerar o minimo e reciclar o máximoVeronica Buosi
 
1º a, b.edinaldo geo-pdf
1º a, b.edinaldo geo-pdf1º a, b.edinaldo geo-pdf
1º a, b.edinaldo geo-pdfFatima Moraes
 

Mais procurados (17)

Poster Tomasnovo
Poster TomasnovoPoster Tomasnovo
Poster Tomasnovo
 
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
 
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: Uma proposta com potencia...
 
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE D...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE   D...APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE   D...
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA PROPOSTA DE UNIDADE D...
 
Meio ambiente quem ama preserva
Meio ambiente quem ama preservaMeio ambiente quem ama preserva
Meio ambiente quem ama preserva
 
Pedagogia de Projetos em Ciências
Pedagogia de Projetos em CiênciasPedagogia de Projetos em Ciências
Pedagogia de Projetos em Ciências
 
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
 
Ivonilda teste - curso linux
Ivonilda   teste - curso linuxIvonilda   teste - curso linux
Ivonilda teste - curso linux
 
Eliane1
Eliane1Eliane1
Eliane1
 
Planejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano Física
Planejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano FísicaPlanejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano Física
Planejamento anual 2016: Prof. Ronaldo - 9º Ano Física
 
Plano 4
Plano 4Plano 4
Plano 4
 
I ELAS Daniel Raber 26set2013
I ELAS Daniel Raber 26set2013I ELAS Daniel Raber 26set2013
I ELAS Daniel Raber 26set2013
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem Cientista
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem CientistaMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem Cientista
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Jovem Cientista
 
Atividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_mena
Atividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_menaAtividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_mena
Atividade7 turma2 unidade1_marcos_roberto_sanchez_mena
 
Projeto vamos cuidar do meio ambiente?
Projeto vamos cuidar do meio ambiente?Projeto vamos cuidar do meio ambiente?
Projeto vamos cuidar do meio ambiente?
 
Gerar o minimo e reciclar o máximo
Gerar o minimo e reciclar o máximoGerar o minimo e reciclar o máximo
Gerar o minimo e reciclar o máximo
 
1º a, b.edinaldo geo-pdf
1º a, b.edinaldo geo-pdf1º a, b.edinaldo geo-pdf
1º a, b.edinaldo geo-pdf
 

Semelhante a Plano de Ação de Ciências da Natureza

Proposta projeto escola verde versão final
Proposta projeto escola verde versão finalProposta projeto escola verde versão final
Proposta projeto escola verde versão finalAna Paula Motta
 
Plano ação eco escolas 2012 canidelo
Plano ação eco escolas 2012   canideloPlano ação eco escolas 2012   canidelo
Plano ação eco escolas 2012 canideloEcoEscolaEBCanidelo
 
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)UyaraPortugal
 
5_ciencias_naturais.pdf
5_ciencias_naturais.pdf5_ciencias_naturais.pdf
5_ciencias_naturais.pdfCristafe1
 
ELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdf
ELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdfELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdf
ELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdfVânia da Silva Ramos
 
ciencias_naturais_3c_9a_AE.pdf
ciencias_naturais_3c_9a_AE.pdfciencias_naturais_3c_9a_AE.pdf
ciencias_naturais_3c_9a_AE.pdfSandra Semedo
 
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLAProjeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLAAMG Sobrenome
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoElianacapimdourado
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoElianacapimdourado
 
Aprendendo a relatar um experimento científico
Aprendendo a relatar um experimento científicoAprendendo a relatar um experimento científico
Aprendendo a relatar um experimento científicoMaria Edna Lima Santos
 
5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdf
5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdf5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdf
5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdfJoana Lourenço Cunha
 
Educação Ambiental / BIODIVERSA
Educação Ambiental / BIODIVERSAEducação Ambiental / BIODIVERSA
Educação Ambiental / BIODIVERSADemis Lima
 

Semelhante a Plano de Ação de Ciências da Natureza (20)

Proposta projeto escola verde versão final
Proposta projeto escola verde versão finalProposta projeto escola verde versão final
Proposta projeto escola verde versão final
 
Plano ação eco escolas 2012 canidelo
Plano ação eco escolas 2012   canideloPlano ação eco escolas 2012   canidelo
Plano ação eco escolas 2012 canidelo
 
Eco escolas 2012 abril
Eco escolas 2012   abrilEco escolas 2012   abril
Eco escolas 2012 abril
 
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)
 
5_ciencias_naturais.pdf
5_ciencias_naturais.pdf5_ciencias_naturais.pdf
5_ciencias_naturais.pdf
 
ELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdf
ELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdfELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdf
ELETIVA CIÊNCIAS DA NATUREZA - HERÓI OU VILÃO - Copia.pdf
 
JornalEco Linneu 1.pptx
JornalEco Linneu 1.pptxJornalEco Linneu 1.pptx
JornalEco Linneu 1.pptx
 
Ativ2 1apres-projetogilda
Ativ2 1apres-projetogildaAtiv2 1apres-projetogilda
Ativ2 1apres-projetogilda
 
ciencias_naturais_3c_9a_AE.pdf
ciencias_naturais_3c_9a_AE.pdfciencias_naturais_3c_9a_AE.pdf
ciencias_naturais_3c_9a_AE.pdf
 
Plano acção eco escolas
Plano acção eco escolasPlano acção eco escolas
Plano acção eco escolas
 
Concurso santander 1
Concurso santander 1Concurso santander 1
Concurso santander 1
 
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLAProjeto - O ICNF VAI À ESCOLA
Projeto - O ICNF VAI À ESCOLA
 
formaçao.pptx
formaçao.pptxformaçao.pptx
formaçao.pptx
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projeto
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projeto
 
1º encontro
1º encontro1º encontro
1º encontro
 
Aprendendo a relatar um experimento científico
Aprendendo a relatar um experimento científicoAprendendo a relatar um experimento científico
Aprendendo a relatar um experimento científico
 
5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdf
5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdf5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdf
5º ANO CN- Planificação a Médio Prazo de Ciências Naturais 22-23.pdf
 
Educação Ambiental / BIODIVERSA
Educação Ambiental / BIODIVERSAEducação Ambiental / BIODIVERSA
Educação Ambiental / BIODIVERSA
 
Projetos Curriculares
Projetos CurricularesProjetos Curriculares
Projetos Curriculares
 

Mais de Pedro Tonyzinho (20)

Planifificacao 5ano cn_2012-13
Planifificacao 5ano cn_2012-13Planifificacao 5ano cn_2012-13
Planifificacao 5ano cn_2012-13
 
Planificação medio 5º ano
Planificação medio   5º anoPlanificação medio   5º ano
Planificação medio 5º ano
 
Planificação lectiva cn 5
Planificação lectiva cn 5Planificação lectiva cn 5
Planificação lectiva cn 5
 
Planificacao anual 5ano_ 11_ 12pdf
Planificacao anual  5ano_  11_ 12pdfPlanificacao anual  5ano_  11_ 12pdf
Planificacao anual 5ano_ 11_ 12pdf
 
Planificacao 6ano cn_2012-2013
Planificacao 6ano cn_2012-2013Planificacao 6ano cn_2012-2013
Planificacao 6ano cn_2012-2013
 
Planificação anual cn 6
Planificação anual cn 6Planificação anual cn 6
Planificação anual cn 6
 
Planificação anual cn 5
Planificação anual cn 5Planificação anual cn 5
Planificação anual cn 5
 
Planificação anual 7º 11 12
Planificação anual 7º 11 12Planificação anual 7º 11 12
Planificação anual 7º 11 12
 
Planificaçâo 8ºano
Planificaçâo 8ºanoPlanificaçâo 8ºano
Planificaçâo 8ºano
 
Planificação 9ºano
Planificação 9ºanoPlanificação 9ºano
Planificação 9ºano
 
Planificacao anual cn 6ano _11_12 pdf
Planificacao anual  cn 6ano _11_12 pdfPlanificacao anual  cn 6ano _11_12 pdf
Planificacao anual cn 6ano _11_12 pdf
 
Planificaçâo 7ºano
Planificaçâo 7ºanoPlanificaçâo 7ºano
Planificaçâo 7ºano
 
Planif cn6
Planif cn6Planif cn6
Planif cn6
 
Plan
PlanPlan
Plan
 
Pla.l.p6 c.n.competencias
Pla.l.p6 c.n.competenciasPla.l.p6 c.n.competencias
Pla.l.p6 c.n.competencias
 
Pcn6
Pcn6Pcn6
Pcn6
 
Pcn5
Pcn5Pcn5
Pcn5
 
Mpcn8
Mpcn8Mpcn8
Mpcn8
 
Mpcn7
Mpcn7Mpcn7
Mpcn7
 
Mpcn9
Mpcn9Mpcn9
Mpcn9
 

Plano de Ação de Ciências da Natureza

  • 1. AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE AZEITÃO Plano de Acção de Ciências da Natureza/Naturais Prioridades do Projecto Educativo Metas e Objectivos Actividades (público alvo) Observ. EU E OS OUTROS - Reduzir os índices de indisciplina; - Melhorar as relações inter- pessoais - Aperfeiçoar os canais de comunicação/ informação entre todos os intervenientes da comunidade escolar; - Aumentar o envolvimento parental na escola ➣ Promover o respeito mútuo ➣ Promover valores e atitudes para o exercício de uma cidadania responsável ➣ Promover a comunicação, a partilha de boas práticas e materiais no Conselho Curricular. - Criar oportunidades para o desenvolvimento de trabalho em equipa, gestão de conflitos e definição de normas de conduta - Desenvolver atitudes promotoras de saúde - Fomentar a participação dos Pais e Encarregados de Educação na vida escolar. - Desenvolver no Departamento um espaço comum de partilha. - Desenvolvimento de projectos com o envolvimento/conhecimento dos Encarregados de Educação - Trabalho de pares e de grupo Comemoração de datas relacionadas com a Ciência (dia mundial da água, da alimentação,do ambiente, da árvore, do coração, da floresta, doa oceanos, da saúde, sem tabaco e da Terra) . Feira dos minerais . Colecção de rochas e minerais . Visitas de estudo (CCV de Estremoz, Amarsul, ETAR, Museu da Água, Museu da Electricidade, e Oceanário) . Micro estação meteorológica . Horto Pedagógico . Participação nas actividades a desenvolver pelo Projecto “Saúde em meio escolar” e pelo GIA . Participação na festa do agrupamento EU E O CONHECIMENTO - Aumentar o sucesso ➣ Atingir os indicadores de sucesso estabelecidos pelo Conselho Pedagógico ➣ Prevenir o abandono escolar - Proporcionar aos alunos experiências de aprendizagem diversificadas e participadas - Desenvolver as competências essenciais para a literacia científica - Facilitar aprendizagens significativas, articuladas e contextualizadas - Incentivar a adopção de metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagens adequadas a objectivos visados - Elaboração de planificações; testes de diagnóstico; definição de critérios de avaliação - Recurso às TIC no desenvolvimento de trabalhos e projectos - Elaboração de pesquisas, organização e selecção de informação; - Auto e hetero avaliação . Comemoração de datas relacionadas com a Ciência (dia mundial da água, da alimentação,do ambiente, da árvore, do coração, da floresta, doa oceanos, da saúde, sem tabaco e da Terra) . Feira dos minerais . Colecção de rochas e minerais . Visitas de estudo (CCV de Estremoz, Amarsul, ETAR, Museu da Água, Museu da Electricidade, e Oceanário) . Participação nas actividades a desenvolver pelo Projecto “Saúde em meio escolar” e pelo GIA . Participação na festa do agrupamento . Portefólio da Natureza . Portefólio da saúde e higiene . Micro estação meteorológica . Horto Pedagógico ApropostadeoutrasvisitasdeestudoemCiênciasdaNaturezaeNaturaisserádefinidano âmbitodosProjectosCurricularesdeTurmadeacordocomasnecessidadeseestratégiasa definiremcadaturma.
  • 2. EU E OS ESPAÇOS - Melhorar os espaços interiores e exteriores - Garantir o maior número de horas de ocupação dos tempos escolares ➣ Promover a rentabilização e valorização dos espaços de trabalho disponíveis na escola (Sala Polivalente, BE-CRE, outros...) ➣ Assegurar a correcta utilização dos espaços específicos – Laboratório e salas de Ciências Naturais e da Natureza ➣ Assegurar a preservação de todos os espaços escolares - Criar oportunidades para a efectiva utilização dos recursos disponíveis - Zelar pelo cumprimento das normas estabelecidas para cada espaço. - Promover a divulgação e aplicação regulamento de utilização dos espaços específicos - Recurso à BE-CRE em actividades de pesquisa. - Integração das TIC nas experiências de aprendizagem. - Desenvolvimento de projectos de divulgação e sensibilização temáticos; - Dinamização de actividades extra-curriculares (Clube da Protecção Civil) - Exposições temáticas; . Comemoração de datas relacionadas com a Ciência (dia mundial da água, da alimentação,do ambiente, da árvore, do coração, da floresta, doa oceanos, da saúde, sem tabaco e da Terra) . Colecção de rochas e minerais . Visitas de estudo (CCV de Estremoz, Amarsul, ETAR, Museu da Água, Museu da Electricidade, e Oceanário) . Micro estação meteorológica . Horto Pedagógico . Participação na festa do agrupamento . Construção de ecopontos . Campanha das tampinhas . Arranjo e embelezamento dos espaços interior e exterior do GIA Necessidades de Formação - Trabalho e segurança laboratorial no ensino das ciências experimentais - Trabalhar com a indisciplina e a diversidade no contexto de sala de aula - Promoção da saúde em contexto escolar - Tecnologias de Informação e Comunicação nas Ciências Experimentais Avaliação do Plano O Conselho Curricular irá rever as directrizes deste plano sempre que for de interesse para a comunidade escolar, bem como quando se alterem as permissas, que lhe deram origem, como forma de regular a sua implementação. No final do ano lectivo, será feita uma avaliação global do plano. Anexos: Competências gerais a priorizar pelo Conselho Curricular Na mobilização de saberes Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano. Na comunicação e linguagens específicas Usar correctamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento próprio; Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar. Nos métodos de trabalho e na pesquisa, selecção e organização de informação Adoptar metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagem adequadas a objectivos visados; Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável; Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões; Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa. Na realização de actividades Empenhar-se de forma autónoma na realização das actividades; Desenvolver o espírito crítico e a criatividade. Operacionalização específica das competências gerais DOMÍNIO DE COMPETÊNCIAS PARÂMETROS Substantivo . Aquisição de conhecimento científico, interpretando e compreendendo leis e modelos científicos Experiências de Aprendizagem em Ciência – Indicações do Currículo Nacional Para os conhecimentos científicos serem compreendidos pelos alunos em estreita relação com a realidade que os rodeia, considera-se fundamental a vivência de experiências de aprendizagem como as que a seguir se indicam: • Observar o meio envolvente. • Recolher e organizar material, classificando-o por categorias ou temas • Planificar e desenvolver pesquisas diversas. • Conceber projectos, prevendo todas as etapas, desde a definição de um problema até à comunicação de resultados e intervenção no meio, se for esse o caso. • Realizar actividade experimental e ter oportunidade de usar diferentes instrumentos de observação e medida. • Analisar e criticar notícias de jornais e televisão, aplicando conhecimentos científicos na abordagem de situações da vida quotidiana; • Realizar debates sobre temas polémicos e actuais • Comunicar resultados de pesquisas e de projectos, expondo as suas ideias e as do seu grupo • Realizar trabalho cooperativo em diferentes situações (in Currículo Nacional)
  • 3. Conhecimento Processual  Realização de pesquisa bibliográfica  Observação  Execução de experiências (individual ou grupo)  Avaliação resultados obtidos na experiência  Planeamento e realização de investigações  Elaboração e interpretação de representações gráficas Epistemológico a)  Análise e debate de relatos e descobertas científicas Raciocínio Aplicação do método de Resolução de problemas Comunicação  Interpretação de fontes de informação diversa  Debates  Produção de textos escritos/e orais  Apresentação de resultados de pesquisa Atitudes  Curiosidade, empenho, respeito por normas e pessoas, responsabilidade Critérios de Avaliação Gerais e Específicos do Conselho Curricular de Ciências da Natureza/Naturais Os critérios de avaliação aprovados no agrupamento, pretendem constituir-se como orientadores da acção do professor, sem prejuízo das prioridades e orientações estabelecidas nos Departamentos, e no Projecto Curricular de cada turma, levando sempre em conta as características e necessidades específicas dos alunos. Nomenclatura da escala a usar na aplicação dos critérios de avaliação, na classificação de trabalhos, testes e outras actividades 1 - Muito Insuficiente (MI) (0% a 19%) 2 – Insuficiente (I) (20% a 49%) 3 – Suficiente (S) (50% a 69%) 4 – Bom (B) (70% a 89%) 5 – Muito Bom (MB) (90% a 100%) O recurso ao Muito Insuficiente deverá ter sempre carácter de excepção. Os professores poderão optar pela não utilização da discriminação negativa (Muito Insuficiente), alargando o intervalo percentual correspondente ao Insuficiente (que passará a ser, neste caso, de 0% a 49%). Muito Insuficiente (MI) Insuficiente (I) Suficiente (S) Bom (B) Muito Bom (MB)
  • 4. A avaliação das Competências Específicas das disciplinas do Conselho Curricular de Ciências Naturais será feita de acordo com os seguintes pesos:  Fichas de Avaliação – 70 %  Trabalhos de grupo e/ou individuais – 20%  Participação oral – 10% Na ausência do parâmetro trabalhos de grupo e ou individuais, o seu peso, vinte por cento, será redistribuído pelos outros dois parâmetros equitativamente; Na avaliação de atitudes e valores, atribuí-se a cada domínio um peso de vinte e cinco por cento. Dentro de cada domínio, procura-se distribuir o mesmo peso pelos comportamentos observados. Fica no entanto salvaguardada a possibilidade de aplicação de critérios diferentes, de acordo com os Projectos Curriculares de Turma ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------