SlideShare uma empresa Scribd logo

Enfermagem moderna no Brasil

O documento descreve a evolução da enfermagem no Brasil entre 1900-1969, destacando os principais marcos como o início das atividades da Escola de Parteiras em 1910, a formação do primeiro curso de "socorristas" pela Cruz Vermelha Brasileira em 1916 e o estabelecimento da primeira escola de enfermagem no país, a Escola Ana Néri, em 1923. O texto também aborda a regulamentação da profissão ao longo dos anos e a expansão dos cursos de enfermagem por todo o território nacional.

1 de 15
Baixar para ler offline
30/03/15
1
Enfermagem - FMU
}  1900 → O Brasil se inclui entre os países
onde o Estado controla a saúde pública.
}  1910 → Inicio das atividades da Escola de
Parteiras junto à Maternidade São Paulo.
}  1914 → Inicia-se a Primeira Guerra
Mundial . O Brasil não possuía pessoal
qualificado para enviar junto aos
voluntários da Cruz Vermelha Brasileira.
}  1916 → A Cruz Vermelha Brasileira inicia
um curso de “socorristas” para atender as
necessidades impostas pela guerra. Seus
diplomas eram registrados pelo Ministério
da Guerra e considerados oficiais. A
demanda da formação de profissionais da
Escola Profissional de Enfermeiras Alfredo
Pinto não era suficiente.
30/03/15
2
}  1920 → Surge o esboço da primeira política
de saúde do Estado, cujo interesse era o
controle das epidemias, que prejudicavam
as exportações e o crescimento econômico.
}  Oswaldo Cruz e seu discípulo, Carlos
Chagas através da Reforma Sanitária, criam
várias medidas com a intenção de
reorganizar os Serviços de Saúde e diminuir
as epidemias que assolavam o Brasil, criam
junto á Cruz Vermelha, o curso de
“ V i s i t a d o r a s S a n i t á r i a s o u d e
Higiene” (mantido pela Cruz Vermelha).
}  O intuito na formação destes profissionais,
era o de atender às necessidades da
comunidade, pois os problemas de Saúde
Pública no Brasil estavam ganhando vulto e
colocando em risco a saúde da população.
}  Esta é a primeira categoria de pessoal de
Enfermagem com algum preparo para atuar
na área da saúde pública, formadas no
Brasil.
30/03/15
3
}  Os serviços de saúde começam a crescer no
Brasil, abarcando parcelas maiores da
população ( através das visitações), porém
tais serviços possuíam um alto grau de
autoritarismo.
}  Inicia-se a era da hospitalização
compulsória das vítimas de doenças
contagiosas e dos doentes mentais.
Tornaram obrigatório o isolamento das
pessoas atingidas por moléstias infecto-
contagiosas e dos pacientes considerados
perigosos para a sociedade.
}  Tais medidas, apesar de necessárias, não
evitavam que as cidades continuassem
sendo assoladas por epidemias = aumento
contínuo de cortiços e favelas = aumento
número de enfermos.
}  Fim da teoria dos miasmas = início das
teorias modernas baseadas em estudos
científicos = micróbios (Adolfo Lutz e Emílio
Ribas) + Teoria Eugênica → Revolta das
Vacinas.
30/03/15
4
}  1921 → Mudança do nome da Escola Profissional
de Enfermeiras Alfredo Pinto, para Escola
Profissional de Enfermeiros (mista). Continua
sediada ao lado do Hospital Nacional dos
Alienados (tendências na formação especializada
de profissionais para cuidar de doentes mentais).
Surgem as “Monitoras da Higiene Mental”.
}  } Formação de sua primeira turma de alunos.
}  } Não há registro anterior de diplomados.
Imagina-se que a extensão e a complexidade do
currículo, faziam com que os alunos desistissem,
antes do término do curso.
}  1923 → Dia 19 de fevereiro, inicia-se no
Rio de Janeiro, o curso da primeira escola
de Enfermagem no Brasil, sob orientação de
enfermeiras norte-americanas, treinadas
segundo o modelo nightingaleano,
denominando-se, ESCOLA ANNA NERI,
financiada pela Fundação Rockfeller.
}  O curso tinha duração inicialmente de 28
meses passando logo após a 32 meses. Era
exigido a conclusão do curso normal ou
equivalente para o ingresso da candidata.
30/03/15
5
}  O curso era formado por 14 alunas
}  Regime de internato
}  As enfermeiras treinadas pela Escola,
trabalhavam oito horas diárias no Hospital
Geral de Assistência
}  Quando concluíam o curso, trabalhavam
basicamente nos serviços de saúde pública,
ocupando cargos nas chefias dos serviços
de saúde pública, no ensino e no preparo
das visitadoras sanitárias e no atendimento
de um pequeno segmento da sociedade
provido de recursos (doentes abastados).
}  As primeiras enfermeiras diplomadas pela Escola
Ana Neri, possuíam diploma do Curso Normal →
consideradas de classe superior = trabalho
considerado superior → exerciam basicamente a
supervisão e o ensino, NÃO cuidavam dos pacientes
→ acreditava-se que a valorização da profissão
ocorria a medida em que elas se separassem dos
grupos que exerciam os cuidados diretos ao
paciente.
}  Algumas destas alunas, receberam bolsas da
Fundação Rockfeller, para estudarem nos Estados
Unidos e se prepararem para posições de maior
responsabilidade e liderança na profissão.
30/03/15
6
}  1926 → Fundada pelas primeiras enfermeiras
diplomadas da Escola Ana Néri, a Associação
Nacional das Enfermeiras Diplomadas Brasileiras,
atual Associação Brasileira de Enfermagem –
ABEN.
}  1930 → Criação do Ministério da Educação e
Saúde que “organiza” e regulamenta a Educação
no país.Ascensão da era industrial.
}  Durante todo este período a Enfermagem atua
somente na área do ensino e da saúde pública.
Nos hospitais, volta ao seu padrão anterior →
religiosas e voluntárias = pessoal dominante no
exercício da prática da enfermagem.
}  Neste período, os trabalhos e controle da
febre amarela, prosseguiam nas regiões
atingidas, até ser obtido um razoável nível
de controle sanitário.
}  A mulher se tornava mais instruída e sua
influência passava dos limites do lar →
pouco a pouco ingressavam nas escolas
superiores e no serviço público.
}  Isto favoreceu ainda mais, a autorização dos
pais para freqüentarem as Escolas de
Enfermagem.

Recomendados

1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem resenfe2013
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópiaKarla Toledo
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemFernando Dias
 
Apostila introducao a enfermagem
Apostila   introducao a enfermagemApostila   introducao a enfermagem
Apostila introducao a enfermagemrayana
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaJarquineide Silva
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE Valdirene1977
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPriscila Tenório
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeJesiele Spindler
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxMirnaKathary1
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteProqualis
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteProqualis
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfCASA
 

Mais procurados (20)

Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Aula 01 O Hospital
Aula 01 O HospitalAula 01 O Hospital
Aula 01 O Hospital
 
Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 

Destaque

Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30
Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30
Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30Willian Abreu
 
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...cidacandine
 
A década de 50 - Anos 50
A década de 50 - Anos 50A década de 50 - Anos 50
A década de 50 - Anos 50Carine Gusso
 
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica Iasmin Marinho
 
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980vallmachado
 
Historia da Educacao no Brasil
Historia da Educacao no BrasilHistoria da Educacao no Brasil
Historia da Educacao no Brasilleticiacapelao
 

Destaque (7)

Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30
Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30
Reformas Educacionais Século XX décadas 20 e 30
 
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
 
A década de 50 - Anos 50
A década de 50 - Anos 50A década de 50 - Anos 50
A década de 50 - Anos 50
 
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
REFORMAS EDUCATIVAS NO BRASIL: uma aproximação histórica
 
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
 
Uepa 2009 pronto tcc
Uepa 2009 pronto tccUepa 2009 pronto tcc
Uepa 2009 pronto tcc
 
Historia da Educacao no Brasil
Historia da Educacao no BrasilHistoria da Educacao no Brasil
Historia da Educacao no Brasil
 

Semelhante a Enfermagem moderna no Brasil

2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdf2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdfMichelleSoares58
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxJessiellyGuimares
 
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptxENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptxCarlosSilva338371
 
As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...
As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...
As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...Natália Barros
 
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfAnderson Macedo
 
Avaliação de etica e história da enfermagem
Avaliação de etica e história da enfermagemAvaliação de etica e história da enfermagem
Avaliação de etica e história da enfermagemfrizo1965
 
Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Eni Bertolini
 
Politicas publicas de saúde
Politicas publicas de saúdePoliticas publicas de saúde
Politicas publicas de saúdeRômulo Augusto
 
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdfCarolinaMelo636868
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxGizeleSantos10
 
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINAEVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINARodrigo Abreu
 
História das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptx
História das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptxHistória das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptx
História das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptxAnaPaulaCruz57
 
Aula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptx
Aula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptxAula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptx
Aula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptxWanessaSales6
 
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicasAula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicasGhiordanno Bruno
 

Semelhante a Enfermagem moderna no Brasil (20)

Enfermagem e sociedade - UFBA
Enfermagem e sociedade -  UFBAEnfermagem e sociedade -  UFBA
Enfermagem e sociedade - UFBA
 
Wanda aguiar
Wanda aguiarWanda aguiar
Wanda aguiar
 
historia da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docxhistoria da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docx
 
2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdf2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdf
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
 
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptxENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
 
História da saúde no brasil parte 1
História da saúde no brasil  parte 1História da saúde no brasil  parte 1
História da saúde no brasil parte 1
 
As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...
As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...
As visitadoras de Saúde: as mulheres e as políticas públicas de saúde nos ano...
 
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
 
Avaliação de etica e história da enfermagem
Avaliação de etica e história da enfermagemAvaliação de etica e história da enfermagem
Avaliação de etica e história da enfermagem
 
Trabalho sus
Trabalho susTrabalho sus
Trabalho sus
 
Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013
 
Politicas publicas de saúde
Politicas publicas de saúdePoliticas publicas de saúde
Politicas publicas de saúde
 
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
 
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINAEVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
 
História das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptx
História das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptxHistória das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptx
História das Políticas Públicas de Saúde no Brasil - N1 (1) (1).pptx
 
Aula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptx
Aula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptxAula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptx
Aula-Início-da-Saúde-no-Brasil.pptx
 
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicasAula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
 

Mais de Pedro Miguel

Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Pedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema RespiratorioFisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema RespiratorioPedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Respiratório 2
Fisiologia - Sistema Respiratório 2Fisiologia - Sistema Respiratório 2
Fisiologia - Sistema Respiratório 2Pedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema DigestorioFisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema DigestorioPedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Renal
Fisiologia - Sistema RenalFisiologia - Sistema Renal
Fisiologia - Sistema RenalPedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema ReprodutivoFisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema ReprodutivoPedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1Pedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Endócrino 2
Fisiologia - Sistema Endócrino 2Fisiologia - Sistema Endócrino 2
Fisiologia - Sistema Endócrino 2Pedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularPedro Miguel
 
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco Pedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)Pedro Miguel
 
Fisiologia - Sistema Nervoso Central
Fisiologia - Sistema Nervoso CentralFisiologia - Sistema Nervoso Central
Fisiologia - Sistema Nervoso CentralPedro Miguel
 
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioFisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioPedro Miguel
 
Fisiologia - Organização do Sistema Nervoso
Fisiologia - Organização do Sistema NervosoFisiologia - Organização do Sistema Nervoso
Fisiologia - Organização do Sistema NervosoPedro Miguel
 
Fisiologia da Membrana Celular
Fisiologia da Membrana CelularFisiologia da Membrana Celular
Fisiologia da Membrana CelularPedro Miguel
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaPedro Miguel
 
Aula de Epidemiologia
Aula de EpidemiologiaAula de Epidemiologia
Aula de EpidemiologiaPedro Miguel
 
Entidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - EnfermagemEntidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - EnfermagemPedro Miguel
 
Anatomia - Sistema Genital
Anatomia - Sistema GenitalAnatomia - Sistema Genital
Anatomia - Sistema GenitalPedro Miguel
 
Anatomia - Sistema Urinário
Anatomia - Sistema UrinárioAnatomia - Sistema Urinário
Anatomia - Sistema UrinárioPedro Miguel
 

Mais de Pedro Miguel (20)

Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3
 
Fisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema RespiratorioFisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema Respiratorio
 
Fisiologia - Sistema Respiratório 2
Fisiologia - Sistema Respiratório 2Fisiologia - Sistema Respiratório 2
Fisiologia - Sistema Respiratório 2
 
Fisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema DigestorioFisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema Digestorio
 
Fisiologia - Sistema Renal
Fisiologia - Sistema RenalFisiologia - Sistema Renal
Fisiologia - Sistema Renal
 
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema ReprodutivoFisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
 
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
 
Fisiologia - Sistema Endócrino 2
Fisiologia - Sistema Endócrino 2Fisiologia - Sistema Endócrino 2
Fisiologia - Sistema Endócrino 2
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
 
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
 
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
Fisiologia - Sistema Nervoso Periférico (Eferente)
 
Fisiologia - Sistema Nervoso Central
Fisiologia - Sistema Nervoso CentralFisiologia - Sistema Nervoso Central
Fisiologia - Sistema Nervoso Central
 
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioFisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
 
Fisiologia - Organização do Sistema Nervoso
Fisiologia - Organização do Sistema NervosoFisiologia - Organização do Sistema Nervoso
Fisiologia - Organização do Sistema Nervoso
 
Fisiologia da Membrana Celular
Fisiologia da Membrana CelularFisiologia da Membrana Celular
Fisiologia da Membrana Celular
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
 
Aula de Epidemiologia
Aula de EpidemiologiaAula de Epidemiologia
Aula de Epidemiologia
 
Entidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - EnfermagemEntidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - Enfermagem
 
Anatomia - Sistema Genital
Anatomia - Sistema GenitalAnatomia - Sistema Genital
Anatomia - Sistema Genital
 
Anatomia - Sistema Urinário
Anatomia - Sistema UrinárioAnatomia - Sistema Urinário
Anatomia - Sistema Urinário
 

Último

A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...azulassessoriaacadem3
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioProfessor Belinaso
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...apoioacademicoead
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 

Enfermagem moderna no Brasil

  • 1. 30/03/15 1 Enfermagem - FMU }  1900 → O Brasil se inclui entre os países onde o Estado controla a saúde pública. }  1910 → Inicio das atividades da Escola de Parteiras junto à Maternidade São Paulo. }  1914 → Inicia-se a Primeira Guerra Mundial . O Brasil não possuía pessoal qualificado para enviar junto aos voluntários da Cruz Vermelha Brasileira. }  1916 → A Cruz Vermelha Brasileira inicia um curso de “socorristas” para atender as necessidades impostas pela guerra. Seus diplomas eram registrados pelo Ministério da Guerra e considerados oficiais. A demanda da formação de profissionais da Escola Profissional de Enfermeiras Alfredo Pinto não era suficiente.
  • 2. 30/03/15 2 }  1920 → Surge o esboço da primeira política de saúde do Estado, cujo interesse era o controle das epidemias, que prejudicavam as exportações e o crescimento econômico. }  Oswaldo Cruz e seu discípulo, Carlos Chagas através da Reforma Sanitária, criam várias medidas com a intenção de reorganizar os Serviços de Saúde e diminuir as epidemias que assolavam o Brasil, criam junto á Cruz Vermelha, o curso de “ V i s i t a d o r a s S a n i t á r i a s o u d e Higiene” (mantido pela Cruz Vermelha). }  O intuito na formação destes profissionais, era o de atender às necessidades da comunidade, pois os problemas de Saúde Pública no Brasil estavam ganhando vulto e colocando em risco a saúde da população. }  Esta é a primeira categoria de pessoal de Enfermagem com algum preparo para atuar na área da saúde pública, formadas no Brasil.
  • 3. 30/03/15 3 }  Os serviços de saúde começam a crescer no Brasil, abarcando parcelas maiores da população ( através das visitações), porém tais serviços possuíam um alto grau de autoritarismo. }  Inicia-se a era da hospitalização compulsória das vítimas de doenças contagiosas e dos doentes mentais. Tornaram obrigatório o isolamento das pessoas atingidas por moléstias infecto- contagiosas e dos pacientes considerados perigosos para a sociedade. }  Tais medidas, apesar de necessárias, não evitavam que as cidades continuassem sendo assoladas por epidemias = aumento contínuo de cortiços e favelas = aumento número de enfermos. }  Fim da teoria dos miasmas = início das teorias modernas baseadas em estudos científicos = micróbios (Adolfo Lutz e Emílio Ribas) + Teoria Eugênica → Revolta das Vacinas.
  • 4. 30/03/15 4 }  1921 → Mudança do nome da Escola Profissional de Enfermeiras Alfredo Pinto, para Escola Profissional de Enfermeiros (mista). Continua sediada ao lado do Hospital Nacional dos Alienados (tendências na formação especializada de profissionais para cuidar de doentes mentais). Surgem as “Monitoras da Higiene Mental”. }  } Formação de sua primeira turma de alunos. }  } Não há registro anterior de diplomados. Imagina-se que a extensão e a complexidade do currículo, faziam com que os alunos desistissem, antes do término do curso. }  1923 → Dia 19 de fevereiro, inicia-se no Rio de Janeiro, o curso da primeira escola de Enfermagem no Brasil, sob orientação de enfermeiras norte-americanas, treinadas segundo o modelo nightingaleano, denominando-se, ESCOLA ANNA NERI, financiada pela Fundação Rockfeller. }  O curso tinha duração inicialmente de 28 meses passando logo após a 32 meses. Era exigido a conclusão do curso normal ou equivalente para o ingresso da candidata.
  • 5. 30/03/15 5 }  O curso era formado por 14 alunas }  Regime de internato }  As enfermeiras treinadas pela Escola, trabalhavam oito horas diárias no Hospital Geral de Assistência }  Quando concluíam o curso, trabalhavam basicamente nos serviços de saúde pública, ocupando cargos nas chefias dos serviços de saúde pública, no ensino e no preparo das visitadoras sanitárias e no atendimento de um pequeno segmento da sociedade provido de recursos (doentes abastados). }  As primeiras enfermeiras diplomadas pela Escola Ana Neri, possuíam diploma do Curso Normal → consideradas de classe superior = trabalho considerado superior → exerciam basicamente a supervisão e o ensino, NÃO cuidavam dos pacientes → acreditava-se que a valorização da profissão ocorria a medida em que elas se separassem dos grupos que exerciam os cuidados diretos ao paciente. }  Algumas destas alunas, receberam bolsas da Fundação Rockfeller, para estudarem nos Estados Unidos e se prepararem para posições de maior responsabilidade e liderança na profissão.
  • 6. 30/03/15 6 }  1926 → Fundada pelas primeiras enfermeiras diplomadas da Escola Ana Néri, a Associação Nacional das Enfermeiras Diplomadas Brasileiras, atual Associação Brasileira de Enfermagem – ABEN. }  1930 → Criação do Ministério da Educação e Saúde que “organiza” e regulamenta a Educação no país.Ascensão da era industrial. }  Durante todo este período a Enfermagem atua somente na área do ensino e da saúde pública. Nos hospitais, volta ao seu padrão anterior → religiosas e voluntárias = pessoal dominante no exercício da prática da enfermagem. }  Neste período, os trabalhos e controle da febre amarela, prosseguiam nas regiões atingidas, até ser obtido um razoável nível de controle sanitário. }  A mulher se tornava mais instruída e sua influência passava dos limites do lar → pouco a pouco ingressavam nas escolas superiores e no serviço público. }  Isto favoreceu ainda mais, a autorização dos pais para freqüentarem as Escolas de Enfermagem.
  • 7. 30/03/15 7 }  1930 → Escola Ana Néri é ameaçada de continuar funcionando → obtêm apoio de deputadas do Movimento Feminista da época, e é incorporada à Universidade do Brasil, depois Universidade Federal do Rio de Janeiro. }  } 1931 → Decreto 20109 de 15/06 = regulamenta o ensino da Enfermagem no Brasil. }  } Getúlio Vargas extingue os Centros de Saúde e reinstala a polícia sanitária. }  1931 → A Escola de Parteiras é chamada de Escola de Obstetrícia e Enfermagem Especializada e em 1944 é transferida para o HC da USP. }  1932 → Decreto 2931 de 11/01 = regulamenta e fiscaliza o exercício da Medicina, da Odontologia, da Medicina Veterinária, da profissão de farmacêutico, Parteiras e da Enfermagem no Brasil, estabelecendo penas para infrações destas profissões.
  • 8. 30/03/15 8 }  1932 → Decreto 22257 = Confere as irmãs de caridade com mais de seis anos de prática, direitos iguais aos dos enfermeiros de saúde pública que atuavam nos hospitais de congregações religiosas. }  1933 → Criada a Escola de Enfermagem Carlos Chagas em Minas Gerais pioneira entre as escolas estaduais, foi a primeira a diplomar religiosas no Brasil. }  1938 → Decreto 2.956/38 – O Presidente da República (GV) institue o dia 12 de Maio, como o “Dia do Enfermeiro – ... devendo nesta data, serem prestadas homenagens especiais à memória de Ana Néri, em todos os hospitais e escolas de Enfermagem do País” }  1939 → Fundada a Escola de Enfermagem Luisa de Marillac. Dirigida por Irmãs de Caridade. Representou uma grande avanço na Enfermagem Nacional, pois abriu suas portas, não só para jovens estudantes, como também a t o d a s a s r e l i g i o s a s d e t o d a s a s Congregações. É a mais antiga escola de religiosas no Brasil. Hoje faz parte da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. }  1939 → Fundada pelas Franciscanas Missionárias de Maria, a Escola Paulista de Enfermagem. Sua principal contribuição para a Enfermagem foi a criação dos Cursos de Pós- Graduação em Enfermagem
  • 9. 30/03/15 9 }  1940/1942 → Eclosão da II Guerra Mundial. Estímulo do desenvolvimento urbano- industrial, exigência dos trabalhadores por melhores condições de atendimento. }  Criado o SESP – Serviço Especial de Saúde Pública (Convênio entre o Brasil e os EUA), visava principalmente prestar assistência médico-sanitária às populações amazônicas (borracha) }  Criação do Hospital das Clínicas em São Paulo – com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino e da pesquisa = surge um novo campo para a enfermagem. }  1942 → Em 31 de outubro, Fundada a Escola de Enfermagem da USP, parte integrante da Universidade de São Paulo. }  1949 → Lei 775, cria oficialmente os cursos de auxiliares de enfermagem e regulamenta as escolas de nível superior já existentes. As Instituições hospitalares públicas ou privadas, só poderiam contratar para a direção de seus serviços de enfermagem, enfermeiros diplomados (isto possibilitou uma divisão de trabalho viável, conveniente à continuidade do cuidado ao doente.
  • 10. 30/03/15 10 }  Esta lei determinava como pré-requisito, a conclusão do curso colegial e o período de 04 anos para Enfermeiro e o curso de 18 meses para auxiliares de enfermagem }  1950 → Os profissionais de nível superior passaram a ser absorvidos pelo setor público e o setor privado (para reduzir custos) passou a absorver auxiliares e operacionais (atendente) }  1951 → Ministério da Educação e Ministério da Saúde determinam que o título de Enfermeiro seja apenas dos profissionais diplomados (graduados). }  1953 → Governo KubistscheK – desvincou o Ministério da Saúde do Ministério da Educação e Cultura. }  1954 → Associação Brasileira de Enfermeiras Diplomadas, passa a chamar-se Associação Brasileira de Enfermagem (ABEN).
  • 11. 30/03/15 11 }  A expansão do pessoal da enfermagem continua desordenada, cabendo ao atendente (profissão não regulamentada) a maior parte das tarefas relacionadas diretamente ao doente. }  Grande proliferação dos cursos para auxiliares. 1955 → Lei 2604 – Definiu as categorias que poderiam exercer a enfermagem no Brasil: enfermeiros práticos, os práticos de enfermagem, os enfermeiros assistentes, os assistentes de enfermagem, enfermeiro }  1960 → A profissão do Enfermeiro é incluída no Código Nacional de Profissões/ Ministério do Trabalho – como profissional liberal. }  Através do Decreto 48.202/60 – O Presidente da Republica (JK), institui a Semana da Enfermagem...a ser celebrada anualmente de 12 a 20 de maio, datas estas respectivamente, nascimento de Florence e morte de Ana Neri. }  1962 → Lei das Diretrizes e Bases é sancionada → passa a ser exigido o curso secundário completo aos inscritos nos curso de habilitação em Enfermagem. A Enfermagem passa a ser curso de nível superior.
  • 12. 30/03/15 12 }  1966 → Regulamentação da profissão do Técnico de Enfermagem, como proposta do governo de priorizar o ensino profissionalizante de nível médio. }  }  } 1967 → A Escola de Enfermeiros Alfredo Pinto deixa de pertencer ao Serviço Nacional de Doenças Mentais e fica ligada ao Ministério da Saúde. }  1969 → Reforma Universitária = exigia que os cursos de ensino superior deveriam ser administrados em Universidades e não em Instituições isoladas. A Escola de Enfermeiros Alfredo Pinto é incorporada à Federação de Escolas Federais isoladas do Estado da Guanabara, depois Federação de Escolas Federais isoladas do Estado do Rio de Janeiro, hoje, UNI-RIO.
  • 13. 30/03/15 13 }  Ditadura / Política Nacional de Saúde → priorizava a medicina curativa (indústria farmacêutica em expansão) deixando de lado medidas coletivas de promoção à saúde (incluindo saneamento básico) = LUCRO. }  Assistência primária à saúde → surgimento da enfermagem comunitária e do atendente rural (categoria criada emergencialmente para cobertura primária da saúde em regiões rurais), não houve regulamentação da profissão. São hoje conhecidos como “agentes de saúde”. }  C r i a ç ã o d o C o n s e l h o F e d e r a l d e Enfermagem (1973). }  Lei 5692, regulou a LDB para o ensino de 1.o e 2.o graus, oficializa real e efetivamente a integração dos cursos de Técnico e Auxiliar de Enfermagem no sistema educacional do País ao nível de 2.o grau (profissionalizante). }  Porém com a crise na saúde houve a necessidade, em caráter emergencial, de permitir a formação do Auxiliar de Enfermagem em nível de ensino de 1.o grau. Esta situação persiste até hoje (mesmo após 20 anos)
  • 14. 30/03/15 14 }  Reconhecida pelo governo a profunda crise na Saúde, orientação para racionalização de custos no setor = maciça utilização de mão de obra auxiliar. 1985 – Fim do Regime Militar (1964 – 1985) }  1986 → 8.a Conferência Nacional de Saúde = solicita reforma sanitária → estudos e propostas formam a base para a criação do Sistema Único de Saúde. }  Constituinte de 1988 → Institucionalizado o S U S - S i s t e m a Ú n i c o d e S a ú d e . reestruturação do ensino e das práticas de saúde, redefinição da prática nos serviços e o redimensionamento da formação do pessoal da Enfermagem em todos os níveis }  1989 → Seminário da ABEn discute o currículo mínimo para a formação do Enfermeiro, e propõe a mudança do nome do curso de Enfermagem e Obstetrícia para Curso de Enfermagem (visto que o currículo visava a formação de enfermeiro e não de enfermeiro obstétrico). A proposta foi prontamente aceita e regulamentada.
  • 15. 30/03/15 15 }  Esta década é marcada pela euforia nacional decorrente da eleição do presidente da República pelo voto direto. }  Período marcado pela crise social e deterioração das condições de vida e da saúde brasileira. O sucateamento da saúde pública chegou ao auge e a iniciativa privada passou a responder por mais de 80% da prestação de saúde no país. }  A Enfermagem no Brasil vem percorrendo, ao longo dos anos, uma trajetória pontilhada de dificuldades, refletindo em cada momento, o contexto histórico específico da sociedade brasileira.