Aula de Epidemiologia

396 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
396
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de Epidemiologia

  1. 1. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica Vigilância NNISVigilância NNIS Investigação e Prevenção de Infecção e Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária
  2. 2. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• DefiniDefiniççãoão – Vigilância Epidemiológica das infecções hospitalares é a observação ativa, sistemática e contínua de sua ocorrência e de sua distribuição entre pacientes, hospitalizados ou não, e dos eventos e condições que afetam o risco de sua ocorrência, com vistas à execução oportuna das ações de prevenção e controle. Portaria nº 2.616/MS/GM, de 12 de maio de 1998 Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  3. 3. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica •• ““Os registros rotineiros que sãoOs registros rotineiros que são incorporados aos sistemas de informaincorporados aos sistemas de informaçção,ão, os censos e os inquos censos e os inquééritos de baseritos de base populacional são valiosas fontes de dadospopulacional são valiosas fontes de dados que devem ser utilizadas para conhecer eque devem ser utilizadas para conhecer e acompanhar a situaacompanhar a situaçção da saão da saúúde.de.”” •• ((ViacavaViacava, F. Informa, F. Informaçções em saões em saúúde: a importância dos inqude: a importância dos inquééritos populacionais.ritos populacionais. Ciências & SaCiências & Saúúde Coletiva, 2002; 7(4):607de Coletiva, 2002; 7(4):607--21.)21.)
  4. 4. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• ObjetivosObjetivos – Determinar nível endêmico das IHs – Obter as taxas endêmicas – Analisar os dados para reconhecer as tendências das IHs, sítios envolvidos, fatores riscos, patógenos hospitalares, resistência antimicrobiana e ocorrência de surtos – Tabulação, análise e divulgação dos dados Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica Densidade de Incidência de Infecções Relacionadas a Cateteres Venosos Centrais (CVC) Período de Jan/97 a Ago/98 0 20 40 60 80 100 120 140 Jan/9 7Fev/9 7M ar/97Abr/97 Mai/97Jun/9 7 Jul/97Ago/9 7 Set/97O ut/97Nov/9 7D ez/9 7Jan/9 8Fev/9 8Mar/98Abr/98 Mai/98Jun/9 8 Jul/98Ago/9 8 Meses DensidadedeIncidência (1000CVC-dia) Limite epidêmico de ação Limite epidêmico de alerta Densidade incidência 1000 cvc-dia Média
  5. 5. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• ObjetivosObjetivos – Determinar áreas, situações e serviços que merecem atuação especial da CCIH – Comparar dados entre hospitais em populações similares – Avaliar o impacto das medidas de prevenção implementadas (Pearl, TM. In Wenzel RP - Prevention and Control of Nosocomial Infections, 2 ed. Williams & Wilkins, Baltimore, 139-176,1994) Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  6. 6. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• MMéétodos de coleta de dadostodos de coleta de dados o Passivo • notificação pelo médico ou enfermeira da unidade falta de critérios de infecção uniforme relutância de alguns médicos em admitir a infecção dificuldade na detecção de surtos revisão de prontuários na alta/óbito o Ativo - Portaria 2616, 12/05/1998, anexo III • membro da CCIH • busca ativa de casos Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  7. 7. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• MMéétodos detodos de VigilânciaVigilância o Portaria MS 2616/98 - anexo III – Prospectivo – Retrospectivo – Transversal Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  8. 8. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• MMéétodotodo Prospectivo o Monitorar a ocorrência de infecção enquanto o paciente está internado o Avaliar o grau de risco no momento da sua admissão o Visitar periodicamente o Visão global das IHs Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  9. 9. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• MMéétodotodo Prospectivo o febre o antimicrobianos o culturas positivas o exames laboratoriais e radiológicos o contato direto com os profissionais responsáveis o acompanhamento de prontuário – tempo de internação – evolução médica e de enfermagem – procedimentos invasivos Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica analisar durante as visitas
  10. 10. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• MMéétodotodo Retrospectivo o revisão de prontuários após a alta do paciente o Desvantagens dependência da qualidade das informações identificação dos pacientes infectados → alta demanda de tempo para revisar os prontuários não detecta o aparecimento de surtos distância entre a equipe do controle de infecção e os profissionais que prestam a assistência aos pacientes Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  11. 11. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• MMéétodotodo TTransversal ((estudo de prevalênciaestudo de prevalência)) o Observação → avaliação de todos os pacientes internados no hospital ou em uma unidade em um determinado período determinado de tempo (dia, semana, mês, trimestre). oo ComentComentááriosrios reduz o tempo necessário à vigilância baixa eficácia não fornece índices endêmicos dificuldade p/ identificar surtos difícil interpretação dos dados (poucos casos) Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  12. 12. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica •• GlobalGlobal •• ObjetivosObjetivos •• DirigidaDirigida – sítio específico – unidade específica – rotatividade de unidades – surtos •• MicrobiolMicrobiolóógicagica •• PPóóss--altaalta •• Componentes (NNIS)Componentes (NNIS)
  13. 13. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Vigilância GlobalVigilância Global – Consiste na avaliação sistemática de todos os pacientes internados em todas as clínicas do hospital, sendo monitorizadas as IHs em todas as topografias (Haley RW. et al. - In Bennet,J.;Brachman,P. eds.Hospital Infectios, 3rd ed. Boston: Little, Brown, 79-108,1992) Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica
  14. 14. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Incidência (%) das Infecções Hospitalares nas Enfermarias Clínicas, Cirúrgicas e Unidades de Terapia Intensiva - Hospital- XXXX 1995 - 2002 0 10 20 30 40 50 CLIN. CIRUR CLIN. MED. UTIs GLOBAL 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 1995 = 4453 SAÍDAS / 387 INFECÇÕES / 8,69 % 1996 = 4752 SAÍDAS / 325 INFECÇÕES / 6,84 % 1997 = 5286 SAÍDAS / 451 INFECÇÕES / 8,53 % 1998 = 4229 SAÍDAS / 348 INFECÇÕES / 8,22 % 1999 = 4983 SAÍDAS / 378 INFECÇÕES / 7,58 % 2000 = 4767SAÍDAS / 392 INFECÇÕES / 8,22 % 2001 = 4409 SAÍDAS/ 360 INFECÇÕES / 8,16 % 2002 = 4639 SAÍDAS / 375 INFECÇÕES/ 8,08 % As taxas foram calculadas nos meses de fevereiro a abril de 1995, 1996, 1997, 1998, 1999, 2000, 2001 e 2002
  15. 15. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Corrente Sanguínea 24% Pneumonia 13% Pele 10% Relacionada ao Cateter 13% Trato Urinário 24% Sítio Cirúrgico 9% Outras 7% Distribuição (%) das Infecções Hospitalares (n=375) por Sítios nas Enfermarias Clínicas, Cirúrgicas e Unidades de Terapia Intensiva (Hospital XXXX 2002)
  16. 16. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br E. coli 6%K. pneumoniae 9% P. aeruginosa 20% Enterococcus sp 4% Enterobacter sp 10% A. baumannii 16% fungos 2% S. aureus 11% SCN 8% outros Gram + 5% outros Gram - 10% Distribuição (%) dos Microorganismos Isolados (N=360) das Infecções Hospitalares (N=375) do Hospital XXXX - 2002
  17. 17. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Vigilância por objetivosVigilância por objetivos – Define-se qual infecção se pretende diminuir, quanto se pretende diminuir e qual a estratégia a ser implantada Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica
  18. 18. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br 0 1 2 3 4 5 6 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO UTI-PNEU Pacientes (n=Pacientes (n=0606) com cultura positiva de swab anal para) com cultura positiva de swab anal para EnterococcusEnterococcus sppspp (ERV)(ERV) Vigilância na UTIVigilância na UTI PneumologiaPneumologia -- janeiro atjaneiro atéé agosto de 2000agosto de 2000
  19. 19. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br 0 1 2 3 4 5 6 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO CULTURA INFECÇÃO Pacientes (n=06) com cultura positiva de swab anal paraPacientes (n=06) com cultura positiva de swab anal para EnterococcusEnterococcus sppspp (ERV)(ERV) -- CColonizaolonizaççãoão xx IInfecnfecççãoão UTI/PneumologiaUTI/Pneumologia a partir de janeiro ata partir de janeiro atéé agosto de 2000.agosto de 2000.
  20. 20. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Vigilância DirigidaVigilância Dirigida – Consiste no direcionamento de ações de vigilância e prevenção de IHs para áreas consideradas críticas ou para problemas identificados na instituição • sítio específico • unidade específica • rotativa • surtos (HALEY, R. W. et al.., 1992) Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica
  21. 21. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br VIGILÂNCIA DIRIGIDAVIGILÂNCIA DIRIGIDA UNIDADEUNIDADE CARDIOVASCULARCARDIOVASCULAR Sítio Específico e Unidade Específica
  22. 22. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br INTRODUINTRODUÇÇÃOÃO •• InfecInfecçção de são de síítio cirtio cirúúrgico (ISC)rgico (ISC) éé uma das quatro maisuma das quatro mais importantes infecimportantes infecçções hospitalaresões hospitalares •• Incidência ISC pIncidência ISC póóss--cirurgia cardcirurgia cardííacaaca – 0,23 a 17,50% Pèrez et al, Ver Uurg Cardiol, 12(1):18-22,1997. Paniágua et al, Rev Bras Cir Cardiovasc, 14:14-8,1999. McConkey et al, Infect Control Hosp Epidemiol, 20: 533-8,1999. Sampaio et al, Rev Bras Cir Cardiovasc, 15: 23-31, 2000.
  23. 23. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br DistribuiDistribuiçção (%) das IH (n=35) por topografiaão (%) das IH (n=35) por topografia Disciplina de Cirurgia CardDisciplina de Cirurgia Cardííaca (maio a setembro/2003)aca (maio a setembro/2003) PNEU 43% ITU 14% ICS 11% ISC 26% Outras 6%
  24. 24. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br DistribuiDistribuiçção (%) das IH (ão (%) das IH (14%14%) por tipo de procedimento cir) por tipo de procedimento cirúúrgicorgico (maio a setembro/2003)(maio a setembro/2003) 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Maio Junho Julho Agosto Setembro Revascularização do Miocárdio Válvulopatias Congênitas Marcapasso Aneurisma Outros
  25. 25. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br RM 78% VV 11% Outros 11% RM 53% Marc 7% Outros 13% Aneu 20% VV 7% Distribuição das PNEU (n=15) por tipo de procedimento cirúrgico (maio a setembro/2003) Distribuição das ISC (n=09) por tipo de procedimento cirúrgico (maio a setembro/2003) Marcapasso : 0% Congênita: 0% Aneurisma: 0% DistribuiDistribuiçção (%) da taxa de IH de São (%) da taxa de IH de Síítio Cirtio Cirúúrgico e Pneumoniasrgico e Pneumonias por tipo de procedimento cirpor tipo de procedimento cirúúrgicorgico (maio a setembro/200(maio a setembro/20033))
  26. 26. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Vigilância microbiolVigilância microbiolóógicagica – Usa somente dados do laboratório de Microbiologia • são verificadas culturas dos pacientes • permite a detecção de MR aos antibióticos • uso isolado não é suficiente Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica
  27. 27. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Incidência de Pseudomonas aeruginosa (n=107) noIncidência de Pseudomonas aeruginosa (n=107) no Hospital XXX, de janeiro a junho de 2003Hospital XXX, de janeiro a junho de 2003 16 24 18 18 19 12 0 10 20 30 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
  28. 28. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Vigilância pVigilância póóss--altaalta Avalia a ocorrência de IH que se manifesta após a alta do paciente Realizada através de telegrama, telefone, fichas encaminhadas aos médicos ou visitas domiciliares Ótima para infecções de sítio cirúrgico – Problemas: • baixa taxa de retorno • profissional específico para coleta • critérios pouco uniformes (paciente/médico) Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica
  29. 29. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Metodologia NNISMetodologia NNIS ((NationalNational NosocomialNosocomial InfectionInfection SurveillanceSurveillance -- SystemSystem)) Investigação e Prevenção de Infecção e Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária
  30. 30. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Vigilância por componentesVigilância por componentes (NNIS)(NNIS) ((NationalNational NosocomialNosocomial InfectionInfection SurveillanceSurveillance -- SystemSystem)) – Global – Cirúrgico – UTI – Berçário Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica
  31. 31. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Vigilância por componentes (Vigilância por componentes (NNIS)NNIS) -- ObjetivosObjetivos – Estimar a incidência das IHs a nível nacional – Analisar comportamento epidemiológico das IHs – Obter medida mais precisa dos riscos para IHs – Prover aos hospitais dados comparativos das IHs → para avaliação das medidas de prevenção e controle – Conduzir pesquisas (EMORI et al.A JICl, 19:19-35, 1991) Tipos de Vigilância EpidemiolTipos de Vigilância Epidemiolóógicagica
  32. 32. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br NNISS - DefiniçõesNNISNNISSS -- DefiniDefiniççõesões •• Paciente NNISPaciente NNIS – Data de admissão e data de saída em dias diferentes do calendário, e: •• Pacientes excluPacientes excluíídos:dos: psiquiátricos, ambulatoriais clínicos e cirúrgicos, em reabilitação física, crônicos/ asilares, externos (diálise, quimioterapia, cateterismo cardíaco)
  33. 33. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br VIGILÂNCIA NNISVIGILÂNCIA NNISSS UTIUTI •• Paciente NNISPaciente NNIS -- UTIUTI – estar internado na UTI por mais de 24 horas
  34. 34. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br ComponenteComponente UTIUTI •• Todos os pacientes são monitorados paraTodos os pacientes são monitorados para IHsIHs emem todos os stodos os síítios corporais e avaliados diariamentetios corporais e avaliados diariamente quantoquanto àà presenpresençça de intervena de intervençções relacionadas aoões relacionadas ao aumento de risco para infecaumento de risco para infecçções:ões: • Cateter urinário • Cateter central • Respirador
  35. 35. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br ComponenteComponente UTIUTI •• Se a IH se manifesta nas primeiras 48h do mês seguinte, aSe a IH se manifesta nas primeiras 48h do mês seguinte, a infecinfecçção deve ser registrada no mês em que o paciente estavaão deve ser registrada no mês em que o paciente estava sob risco, istosob risco, isto éé, no mês anterior, no mês anterior •• Serão consideradas IH para a UTI aquelas que se manifestaremSerão consideradas IH para a UTI aquelas que se manifestarem atatéé 48 h ap48 h apóós a alta da UTIs a alta da UTI •• ConsideraConsidera--se IH, aquela infecse IH, aquela infecçção que não estava presente ou emão que não estava presente ou em incubaincubaççãoão àà admissão na UTIadmissão na UTI •• Coletar diariamente os dados sobre os denominadores desteColetar diariamente os dados sobre os denominadores deste componente em formulcomponente em formuláário prrio próóprio ao mês sob vigilânciaprio ao mês sob vigilância
  36. 36. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br ComponenteComponente UTIUTI •• FormulFormuláário de denominadoresrio de denominadores – Registrar o mês, o ano e a unidade •• A cada dia do mês registrar:A cada dia do mês registrar: – n° de pacientes presentes na unidade • cada paciente é contado todo dia – n° de pacientes com SVD – n° de pacientes com 1 ou mais CVC – n° de pacientes no Respirador
  37. 37. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br ComponenteComponente UTIUTI •• DenominadoresDenominadores – Total de pacientes-dia por mês – Total de sonda vesical-dia por mês – Total de cateter venoso central-dia por mês – Total de respirador-dia por mês
  38. 38. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br
  39. 39. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Maio/2005 6 6 4 5 8 8 5 6 124 Paciente-dia 128 125 128 2,3/1000/Paciente-dia
  40. 40. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br
  41. 41. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• CCáálculo das Taxaslculo das Taxas •• Taxa de IH por 1000 pacientesTaxa de IH por 1000 pacientes--diadia ComponenteComponente UTIUTI No. Total de IH Taxa de IH Global = N° de pacientes-dia X 1000
  42. 42. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• CCáálculo das Taxaslculo das Taxas •• Taxa de IH por 1000 procedimentosTaxa de IH por 1000 procedimentos--diadia – SVD, CVC e Respirador ComponenteComponente UTIUTI Taxa de PNEU em = N° PNEU associadas Resp pacientes no Resp N° de Respiradores-dia X 1000
  43. 43. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br ComponenteComponente UTIUTI (Am J Infect Control 2003; 31: 481-498)
  44. 44. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• DU (DU (DeviceDevice UtilizationUtilization )) – Grau de invasibilidade – Práticas invasivas e a severidade da doença Componente UTIComponenteComponente UTIUTI DU = N° de procedimentos-dia N° de pacientes-dia X 100 ↑ DU correlaciona = ↑ da Taxa Global↑ DU correlaciona = ↑ da Taxa Global
  45. 45. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br DU = 227 SVD-dia 345 X 100 = 65,80% •• DU (DU (DeviceDevice UtilizationUtilization )) – Grau de invasibilidade Componente UTIComponenteComponente UTIUTI
  46. 46. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br VIGILÂNCIA NNISSVIGILÂNCIA NNISS SSíítio Cirtio Cirúúrgicorgico •• Paciente NNISPaciente NNIS -- CirCirúúrgicorgico – Paciente NNIS • dar entrada no bloco cirúrgico e ser submetido a pelo menos uma incisão e sutura • estar incluído numa categoria de procedimento
  47. 47. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Componente CirComponente Cirúúrgicorgico •• Todos os pacientes submetidos a procedimentosTodos os pacientes submetidos a procedimentos circirúúrgicos NNIS são monitorizados parargicos NNIS são monitorizados para IHsIHs emem todos os stodos os síítios corporaistios corporais ou apenas paraou apenas para infecinfecçção de são de síítio cirtio cirúúrgico.rgico.
  48. 48. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Componente CirComponente Cirúúrgicorgico •• FormulFormuláário de denominadoresrio de denominadores – Registrar • ASA (American Association of Anestesiology) • Classificação da cirurgia • Duração da cirurgia (cut point) • Equipe cirúrgica
  49. 49. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Incidência das infecções de sítio cirúrgico segundo potencial de contaminação da Unidade de Cirurgia Gastroenterológica - Hospital XXXX (março/97 -março/ 2004) 567 23 374 54 173 30 31 8 0 100 200 300 400 500 600 700 Limpa Pot. Cont. Cont. Infect. Cirurgias ISC 1145 cirurgias no período
  50. 50. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• CCáálculo das Taxaslculo das Taxas •• Taxa de IH (fTaxa de IH (fóórmula genrmula genéérica)rica) Componente CirComponente Cirúúrgicorgico 7 IHs de Revascularização do Miocárdio Taxa = ------------------------------------------------ X 100 45 cirurgias de RM Taxa observada = 15,55%
  51. 51. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• Ex:Ex: Por cirurgiãoPor cirurgião • A = 15 cirurgias - 5 IH • B = 30 cirurgias - 2 IH Componente CirComponente Cirúúrgicorgico 5 IHs de RM Taxa A = -------------------- X 100 15 cirurgias de RM Taxa A observada = 33,33% 2 IHs de RM Taxa B = -------------------- X 100 30 cirurgias de RM Taxa B observada = 6,66%
  52. 52. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Componente CirComponente Cirúúrgicorgico •• ÍÍndice de risco para infecndice de risco para infecçção cirão cirúúrgica (IRIC)rgica (IRIC) – ASA (American Society of Anestesiology) – Duração da cirurgia – Classificação da ferida operatória - potencial de contaminação
  53. 53. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br • Classificação da American Society of Anestesiologists – ASA ASA 1 → Saudável ASA 2 → Alteração sistêmica discreta ASA 3 → Alteração sistêmica grave, com limitação de atividade ASA 4 → Alteração sistêmica grave, com risco de vida ASA 5 → Paciente moribundo •• ClassificaClassificaçção daão da AmericanAmerican SocietySociety ofof AnestesiologistsAnestesiologists –– ASAASA ASA 1ASA 1 → Saudável ASA 2ASA 2 → Alteração sistêmica discreta ASA 3ASA 3 → Alteração sistêmica grave, com limitação de atividade ASA 4ASA 4 → Alteração sistêmica grave, com risco de vida ASA 5ASA 5 → Paciente moribundo Componente cirComponente cirúúrgicorgico
  54. 54. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Taxa de InfecTaxa de Infecçção de São de Síítio Cirtio Cirúúrgicorgico-- por CIRURGIÃOpor CIRURGIÃO –– IRIC 3IRIC 3 -- Disciplina OrtopediaDisciplina Ortopedia -- Jan 2003 a Ago 2003Jan 2003 a Ago 2003 Hospital XXXXHospital XXXX CIRURGIÃO CIRURGIAS nº % ISC nº % IRIC M001 79 23 5 6,3 3 M002 48 14 9 18,8 3 M003 6 1,7 1 16,7 3 M004 100 29,1 8 8,0 3 M005 100 29,1 7 7,0 3 M005 55 16,0 6 10,9 3
  55. 55. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Componente BerComponente Berçáçário de Alto Riscorio de Alto Risco UNIDADEUNIDADE NEONATOLOGIANEONATOLOGIA
  56. 56. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br • Todos os neonatos hospitalizados requerendo cuidados intensivos são monitorizados para infecções hospitalares em todos os sítios corporais • Divisão em 4 categorias de acordo com o peso ao nascimento (<=1000g; 1001-1500g; 1501-2500; >2500g) • Avaliação diária quanto a presença – cateter umbilical – cateter central – respirador Componente BerComponente Berçáçário de Alto Riscorio de Alto Risco
  57. 57. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Componente BerComponente Berçáçário de Alto Riscorio de Alto Risco (Am J Infect Control 2003; 31: 481-498)
  58. 58. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• RelatRelatóóriosrios • 100 saídas (alta, óbito e transferência) • 1000 pacientes-dia • 1000 procedimentos-dia • nº procedimentos cirúrgicos/mês Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica
  59. 59. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• CCáálculo da Taxalculo da Taxa – EX: total de saídas EX: CEX: Cáálculo de Taxa de IHlculo de Taxa de IH Taxa de IH = No. Total de IH Total de saídas X 100
  60. 60. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br •• CCáálculo de Taxa por salculo de Taxa por saíídasdas – EX: total de saídas EX: CEX: Cáálculo da Taxa de IHlculo da Taxa de IH Taxa de IH do Hospital X = 5 IH 57 saídas X 100 Taxa de IH do hospital X = 8,77%
  61. 61. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br DiagnDiagnóóstico de Infecstico de Infecççãoão HospitalarHospitalar • É importante que a forma de realizar o diagnóstico seja a mesma. •• ÉÉ importante que aimportante que a forma de realizar oforma de realizar o diagndiagnóóstico seja astico seja a mesma.mesma.
  62. 62. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br De quemDe quem éé a atribuia atribuiçção do diagnão do diagnóósticostico de Infecde Infecçção Hospitalar ?ão Hospitalar ? •• AtribuiAtribuiçção exclusiva da CCIHão exclusiva da CCIH •• Razão: busca ativa de casosRazão: busca ativa de casos •• Membros executores, em campo,Membros executores, em campo, realizam o diagnrealizam o diagnóóstico de IH, nãostico de IH, não confiando, exclusivamente, noconfiando, exclusivamente, no diagndiagnóóstico dos demais profissionaisstico dos demais profissionais de sade saúúde.de.
  63. 63. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br • “A Vigilância adequada não garante necessariamente a tomada de decisões corretas, mas reduz as chances de tomar as incorretas” •• ““A Vigilância adequada nãoA Vigilância adequada não garante necessariamente agarante necessariamente a tomada de decisõestomada de decisões corretas, mas reduz ascorretas, mas reduz as chances de tomar aschances de tomar as incorretasincorretas”” Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica (Langmuir AD, NEJM 1963;268:182)
  64. 64. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br • sinais@anvisa.gov.br • gipea@anvisa.gov.br •• sinais@anvisa.gov.brsinais@anvisa.gov.br •• gipeagipea@@anvisaanvisa..govgov..brbr Vigilância EpidemiolVigilância Epidemiolóógicagica (Langmuir AD, NEJM 1963;268:182)

×