SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
O TRÁFICO NEGREIRO
CENTRO DE ENSINO ISAURA AMORIM
CIDELÂNDIA
2014
por Pedro Gervásio
O TRÁFICO NEGREIRO
O tráfico negreiro iniciou-se em 1549 até se concretizar a escravidão
em uma forma de trabalho. Entre os séculos XVI e XIX o tráfico de
negros da África foi o negócio mais lucrativo do período. Um marco
importante nesse processo, foi a fundação do entreposto de São
Paulo de Luanda, em 1575.
O IMPULSO DO TRÁFICO TRANSATLÂNTICO
A motivação do comércio escravo teve dois fatores: a possibilidade
de grandes lucros e a constante procura de mão-de-obra escrava no
Brasil. Com as exportações brutal dos escravos, muitos deles
morriam prematuramente, o que impossibilitava o crescimento
natural da população escrava.
NEGÓCIOS PARA POUCOS
Os traficantes eram pessoas de excelentes condições, o bastante
para investirem o valor de uma boa fazenda em cada viagem,
pagando navios, bens para escambo e manutenção, tripulação,
impostos e seguros.
Francisco Felix, nascido em Salvador, fez fama e fortuna. Ele era
conhecido como “Chachá”, ele foi considerado o maior traficante de
escravos do século XIX.
Francisco Felix de Souza
NAVIOS DA MORTE
A maioria dos escravos trazidos para o Brasil, era da Guiné e da Costa
da Mina. Até a chegada no Brasil, uma média de 25% dos escravos
morriam no decorrer da viagem por causa das péssimas qualidades
das embarcações, as condições sanitárias eram também precárias e
as vezes por naufrágios dos navios.
O DESTINO DOS ESCRAVOS
Entre os séculos XVI e XIX, quase 10 milhões desembarcaram na América.
Brasileiras Britânicas Francesas Espanhola Holandesas
40%
26%
14%
18%
2%
Colônias:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Diaspora Africana
Diaspora AfricanaDiaspora Africana
Diaspora Africana
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Conjuração Baiana
Conjuração BaianaConjuração Baiana
Conjuração Baiana
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
Africa reinos e imperios
Africa   reinos e imperiosAfrica   reinos e imperios
Africa reinos e imperios
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Independência da américa espanhola
Independência da américa espanholaIndependência da américa espanhola
Independência da américa espanhola
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 

Destaque

2013 tráfico negreiro
2013  tráfico negreiro2013  tráfico negreiro
2013 tráfico negreiroMARIANO C7S
 
Tráfico negreiro - História
Tráfico negreiro - HistóriaTráfico negreiro - História
Tráfico negreiro - HistóriaLeila Santana
 
Palestra.importancia.das.ações.afirmativas
Palestra.importancia.das.ações.afirmativasPalestra.importancia.das.ações.afirmativas
Palestra.importancia.das.ações.afirmativasRodrigo Cardoso
 
Escravos
EscravosEscravos
EscravosLane94
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoPortal do Vestibulando
 
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravosQuestões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravosZé Knust
 
5 Formas de Resistência à Escravidão
5  Formas de Resistência à Escravidão5  Formas de Resistência à Escravidão
5 Formas de Resistência à EscravidãoMarcas da Luta
 

Destaque (10)

2013 tráfico negreiro
2013  tráfico negreiro2013  tráfico negreiro
2013 tráfico negreiro
 
Tráfico negreiro - História
Tráfico negreiro - HistóriaTráfico negreiro - História
Tráfico negreiro - História
 
Slide ações afirmativas
Slide ações afirmativasSlide ações afirmativas
Slide ações afirmativas
 
Palestra.importancia.das.ações.afirmativas
Palestra.importancia.das.ações.afirmativasPalestra.importancia.das.ações.afirmativas
Palestra.importancia.das.ações.afirmativas
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
 
Preconceito e ações afirmativas
Preconceito e ações afirmativasPreconceito e ações afirmativas
Preconceito e ações afirmativas
 
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravosQuestões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
 
5 Formas de Resistência à Escravidão
5  Formas de Resistência à Escravidão5  Formas de Resistência à Escravidão
5 Formas de Resistência à Escravidão
 
Escravidão e Resistência
Escravidão e ResistênciaEscravidão e Resistência
Escravidão e Resistência
 

Semelhante a Tráfico negreiro

TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRATRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRAJooeRuteBaio
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaFatima Freitas
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesaSimone Gomes
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonialmvmachado
 
Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Vagner Lin
 
Modelos De Urbanismo E Mobilidade
Modelos De  Urbanismo E  MobilidadeModelos De  Urbanismo E  Mobilidade
Modelos De Urbanismo E Mobilidadeclaudiabrito80
 
Civilização do açúcar
Civilização do açúcarCivilização do açúcar
Civilização do açúcarcasdirair
 
Os Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas GeraisOs Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas GeraisBruce Portes
 
ESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASIL
ESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASILESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASIL
ESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASILdeisewonka30
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraDandara Lima
 
Os povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeuOs povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeuAna Carvalho
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialdaviprofessor
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5anabelasilvasobral
 

Semelhante a Tráfico negreiro (20)

TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRATRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 
Trabalho dos escravos
Trabalho dos escravosTrabalho dos escravos
Trabalho dos escravos
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1
 
Os Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
Os Tumbeiros - Prof. Altair AguilarOs Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
Os Tumbeiros - Prof. Altair Aguilar
 
Modelos De Urbanismo E Mobilidade
Modelos De  Urbanismo E  MobilidadeModelos De  Urbanismo E  Mobilidade
Modelos De Urbanismo E Mobilidade
 
Civilização do açúcar
Civilização do açúcarCivilização do açúcar
Civilização do açúcar
 
O branco e o negro no brasil açúcar e escravidão.
O branco e o negro no brasil  açúcar e escravidão.O branco e o negro no brasil  açúcar e escravidão.
O branco e o negro no brasil açúcar e escravidão.
 
Os Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas GeraisOs Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas Gerais
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
ESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASIL
ESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASILESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASIL
ESCRAVIDÃO NO BRASIL. AFRICANOS NO BRASIL
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
 
Os povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeuOs povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeu
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
Mandinga - Sebastião Pinheiro
Mandinga - Sebastião PinheiroMandinga - Sebastião Pinheiro
Mandinga - Sebastião Pinheiro
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonial
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 

Mais de Pedro Gervásio

Mais de Pedro Gervásio (19)

2ª geração do modernismo brasileiro
2ª geração do modernismo brasileiro2ª geração do modernismo brasileiro
2ª geração do modernismo brasileiro
 
Meu Universo
Meu UniversoMeu Universo
Meu Universo
 
Origem de Jesus Cristo
Origem de Jesus CristoOrigem de Jesus Cristo
Origem de Jesus Cristo
 
Buracos na camada de ozônio
Buracos na camada de ozônioBuracos na camada de ozônio
Buracos na camada de ozônio
 
A primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
A primeira Guerra Mundial e a Revolução RussaA primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
A primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
 
ÁLcool
ÁLcoolÁLcool
ÁLcool
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Poluição térmica
Poluição térmicaPoluição térmica
Poluição térmica
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
 
Hemofilia
HemofiliaHemofilia
Hemofilia
 
Filo cnidaria
Filo cnidariaFilo cnidaria
Filo cnidaria
 
Feelings - sentimentos
Feelings - sentimentosFeelings - sentimentos
Feelings - sentimentos
 
Constituição histórica do nordeste
Constituição histórica do nordesteConstituição histórica do nordeste
Constituição histórica do nordeste
 
Ciências e valores
Ciências e valoresCiências e valores
Ciências e valores
 
Alimentaçõ e saúde
Alimentaçõ e saúdeAlimentaçõ e saúde
Alimentaçõ e saúde
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
A síntese newtoniana
A síntese newtonianaA síntese newtoniana
A síntese newtoniana
 
A independência das treze colônias
A independência das treze colôniasA independência das treze colônias
A independência das treze colônias
 

Último

Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 

Último (20)

Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 

Tráfico negreiro

  • 1. O TRÁFICO NEGREIRO CENTRO DE ENSINO ISAURA AMORIM CIDELÂNDIA 2014 por Pedro Gervásio
  • 2. O TRÁFICO NEGREIRO O tráfico negreiro iniciou-se em 1549 até se concretizar a escravidão em uma forma de trabalho. Entre os séculos XVI e XIX o tráfico de negros da África foi o negócio mais lucrativo do período. Um marco importante nesse processo, foi a fundação do entreposto de São Paulo de Luanda, em 1575.
  • 3. O IMPULSO DO TRÁFICO TRANSATLÂNTICO A motivação do comércio escravo teve dois fatores: a possibilidade de grandes lucros e a constante procura de mão-de-obra escrava no Brasil. Com as exportações brutal dos escravos, muitos deles morriam prematuramente, o que impossibilitava o crescimento natural da população escrava.
  • 4. NEGÓCIOS PARA POUCOS Os traficantes eram pessoas de excelentes condições, o bastante para investirem o valor de uma boa fazenda em cada viagem, pagando navios, bens para escambo e manutenção, tripulação, impostos e seguros. Francisco Felix, nascido em Salvador, fez fama e fortuna. Ele era conhecido como “Chachá”, ele foi considerado o maior traficante de escravos do século XIX. Francisco Felix de Souza
  • 5. NAVIOS DA MORTE A maioria dos escravos trazidos para o Brasil, era da Guiné e da Costa da Mina. Até a chegada no Brasil, uma média de 25% dos escravos morriam no decorrer da viagem por causa das péssimas qualidades das embarcações, as condições sanitárias eram também precárias e as vezes por naufrágios dos navios.
  • 6. O DESTINO DOS ESCRAVOS Entre os séculos XVI e XIX, quase 10 milhões desembarcaram na América. Brasileiras Britânicas Francesas Espanhola Holandesas 40% 26% 14% 18% 2% Colônias: