O LEIGO ENQUANTO CRISTÃO           O presente capítulo apresenta o leigo em sua condição de cristão. Este, pelobatismo, fo...
20mulher, ancião); a família lugar teológico do cultivo da vocação laical; o apostolado doleigo; a formação do leigo.2.1 A...
21        João Paulo II apresenta seu pensamento acerca da ação do Espírito Santo:                         Uma outra forma...
22        A responsabilidade da missão se dá na compreensão de que todo batizado émissionário. O envio é para todos, ningu...
23filho fiel a seu Deus, que reconhece e aceita o amor do Pai, revelado pelo Filho, com aluz e o poder do Espírito Santo.2...
24                           modo de ser cristão, com uma vocação e missão próprias). O Concílio                          ...
25        Manoel Santos lembra que, “na Igreja primitiva, o leigo possuía uma funçãoclaramente valorizada. Contudo, não se...
26                          Por instituição divina, a santa Igreja é estruturada e regida com                          adm...
27                        clérigos-leigos. Desde o século III, e mais claramente no século V,                        adici...
28missão formam, na Igreja, uma coisa só, e devem sê-lo também na consciência de todocristão”73.   Porém cabe ressaltar aq...
29                         elementos da doutrina e da espiritualidade ao alcance de todo o povo                         cr...
30                             O Senhor Jesus, Mestre e modelo divino de toda perfeição, a todos e a                      ...
31                        A vocação à santidade deverá ser compreendida e vivida pelos fiéis                        leigos...
32                        pessoa de Cristo e o oferece a Deus em nome de todo o povo. Os fiéis,                        no ...
33        Afirma o Papa Wojtyla que “todos os membros da Igreja participam da suadimensão secular”91. A existência humana ...
34       Illanes recorda que “o leigo é uma das formas ou concretização possível davocação cristã, aquela precisamente cuj...
35implica compreender esse processo como uma ‘desdivinização’ do mundo”104. Aqui,melhor entendendo, pode-se optar pela pro...
36diversas”109. Na descrição do leigo, segundo Illanes, “o caráter secular é próprio epeculiar dos leigos. (...) aos leigo...
37                          educação cristã relativamente aos filhos, aos quais testemunham e                          tra...
38        A família, formada a partir do matrimônio, é fundamental para a existênciahumana, para sua continuidade. E é no ...
39        O chamado de Cristo à vocação não é feito apenas àqueles que pertencem a uminstituto de vida consagrada. Estes g...
40        Contudo, a importância de sua contribuição na realização das tarefas na Igrejanão merece menos consideração. Sua...
41uma preferência especial pelas crianças, pois se dirige a elas como portadoras do Reino:“Deixai vir a mim as criancinhas...
42           Em terceiro lugar, a situação do ancião.           Na carta aos anciãos, João Paulo II escreve:              ...
43Deus aos homens, criados por amor, à sua imagem e semelhança’ ‘Esta compreensão dadignidade sagrada da pessoa humana lev...
44Igreja espera e confia na habilidade e na experiência dos idosos, para trazerem a estemundo de controvérsia a sua contri...
45vocação específica, na medida própria de cada um, participam do múnus sacerdotal 144,profético145 e real146 de Cristo147...
46                        apostolado dos pastores não poderia, muitas vezes, alcançar o seu pleno                        e...
47        Tendo a compreensão clara do papel que cada um tem de desempenhar diante doque o mundo oferece, fica mais explíc...
48puro tronco, ao invés de uma árvore com seus ramos, não podemos deixar de lembrarque nem sempre foi assim.           Ass...
49        uma coisa é a ocasião de um movimento ou uma instituição, e outra é sua razão formal        158            .    ...
50                        chamada ‘espiritual’, com os seus valores e exigências. E por outro, a                        ch...
51        Em primeiro lugar, a formação espiritual164: neste ponto, é abordado o assunto demodo a considerar a importância...
52trabalho que exige dedicação e fidelidade e, mais ainda, um número muito grande depessoas. O número limitado de ministro...
53          Quando se fala em formação, logo vem a idéia da tradicional formaçãointelectual. E, de certo, é correto pensar...
54
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O LEIGO ENQUANTO CRISTÃO

3.497 visualizações

Publicada em

O leigo enquanto Cristão - Teologia - Missão - Papa João Paulo II

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O LEIGO ENQUANTO CRISTÃO

  1. 1. O LEIGO ENQUANTO CRISTÃO O presente capítulo apresenta o leigo em sua condição de cristão. Este, pelobatismo, foi incorporado a Cristo41 e, com isso, torna-se co-responsável na realização damissão da Igreja, que Jesus Cristo confiou a seus apóstolos e a seus sucessores juntocom todos os fiéis cristãos leigos. Enquanto cristão, o leigo é, sim, um membro integrante da Igreja, com funçãodefinida e de capital importância para a vida da mesma Igreja. Para entender isso, JoãoPaulo II analisa o significado do mistério da vinha: A Bíblia emprega a imagem da vinha de muitas maneiras e com diversos significados: ela serve particularmente para exprimir o mistério do povo de Deus. Nesta perspectiva mais interior, os fiéis leigos não são simplesmente os agricultores que trabalham na vinha, mas são parte dessa mesma vinha: ‘Eu sou a videira, vós os ramos’, diz Jesus (Jo 15,5) 42. Assim, o leigo pertence à Igreja por efeito do batismo. Participa da tríplicemissão: sacerdotal, profética e régia. Há formas de participação do leigo como membrode Cristo, definidas e entendidas pela Igreja: no múnus sacerdotal, no múnus profético eno múnus real. O tema indicado no título requer a apresentação dos seguintes aspectos: a noçãoteológica de cristão; a noção teológica de leigo; o leigo e o chamado universal àsantidade; o sacerdócio comum dos cristãos; da secularidade da Igreja à secularidade doleigo (secularidade: dimensão e índole); a diversidade da vocação laical (criança,41 Cf. LG 31.42 CfL 8.
  2. 2. 20mulher, ancião); a família lugar teológico do cultivo da vocação laical; o apostolado doleigo; a formação do leigo.2.1 A noção teológica de cristão João Paulo II lembra que “o batismo, como sacramento, ou seja, como sinalvisível da graça invisível, é a através da qual Deus atua na alma, para unir em Cristo ena Igreja43”. É verdade que o batismo faz entrar na Igreja, corpo de Cristo. Estesacramento faz com que o ser humano viva da mesma vida de Cristo. Para umacompreensão do que é ser cristão, é importante dizer que, para se configurar essacaracterística no ser humano, é necessário que se viva a vida de Cristo, ou seja, emconformidade com o compromisso recebido no batismo. João Paulo II recorda que “da santificação batismal derivam, nos cristãos,indivíduos e comunidades, a possibilidade e a obrigação de uma vida santa”44. Essa deveser a meta que identifica o cristão, sua conduta de vida. Na verdade, somos filhos de Deus pelo batismo. Regenerados como “filhos noFilho’, os batizados são inseparavelmente ‘membros de Cristo e membros do corpo daIgreja’, como ensina João Paulo II”45. O batismo ‘imprime’ no fiel cristão a índole da responsabilidade, ocomprometimento com a causa do Evangelho. Ele deve tornar-se um anunciador feliz,pois a maravilha operada nele o torna vivo e forte para anunciar. João Paulo II lembra: Regenerados como ‘filhos no Filho’, os batizados são inseparavelmente ‘membros de Cristo e membros do corpo da Igreja’ 46. Recordamos nas palavras de Paulo o eco fiel da doutrina do próprio Jesus, que revelou a unidade misteriosa dos seus discípulos com ele e entre si, apresentando- a como imagem e prolongamento daquela arcana comunhão que une o Pai ao Filho e o Filho ao Pai no vínculo amoroso do Espírito Santo47.43 JOÃO PAULO II. A Igreja – 51 catequeses do Papa sobre a Igreja. São Paulo: Cléofas, 2001, p. 105.44 Id., ibid., p. 107.45 CfL 12.46 Id., ibid., 12.47 Id., ibid., 12.
  3. 3. 21 João Paulo II apresenta seu pensamento acerca da ação do Espírito Santo: Uma outra forma de ver essa imagem é na comparação dos batizados como pessoas vivas. Todos são importantes para a edificação do edifício espiritual, e essa vida vem da força do Espírito Santo, que dá vida nova e vigor. O Espírito Santo imprime a marca indelével, a própria marca do Espírito. Por essa razão, o batismo torna o novo membro de Cristo um ser de coragem e disponibilidade para a missão48. A Igreja crê e ensina o verdadeiro significado do batismo e o que ele passa asignificar na vida do batizado. Sua inserção no corpo de Cristo o torna membro idênticocom seu Senhor, ele passa a ser como membro fiel de Cristo. “E essa pertença édefinitiva, é o caráter indelével”49. Com isso, o batizado torna-se participante do realmistério de Jesus Cristo, morre junto e ressuscita junto, ambos tornam-se um só corpo: Através do Sacramento do Batismo, tornamo-nos parte integrante do corpo de Cristo, tanto na morte como na ressurreição50. Há uma modificação do homem, ele é transformado numa nova criatura. Os que são batizados ficam revestidos de Cristo. Os muitos que eram, agora, com a ação do Batismo, tornam-se um só, em Cristo, como na imagem da videira. Como apóstolos de Cristo, todos vivemos D’ele51. Todo batizado é missionário, e, portanto, anunciador da boa noticia, nãoimportando se é clérigo ou se é leigo. A verdade é que seu estado leigo não o isenta daresponsabilidade, do compromisso com a missão redentora de Jesus. Ele deve ir pelomundo anunciar o que viu ou o que crê. Conclui-se que, de ‘posse’ do batismo e da crisma, cada cristão torna-seresponsável, não só por si, mas também por seu irmão, no cuidado com ele, na ajuda, nacaridade, na compreensão, no amor fraterno, na disponibilidade, etc. Assim estarácontribuindo para seu crescimento e o crescimento do outro, e juntos poderão ser vistoscomo cristãos que verdadeiramente se amam. O amor é o maior dos mandamentos.48 Id., ibid.,13.49 “Incorporado em Cristo pelo Batismo, o batizado é configurado a Cristo. O Batismo sela o cristão comum sinal espiritual indelével (‘character’) da sua pertença a Cristo. Pecado algum apaga esta marca”(Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 1272).50 Rm 6, 3-5.51 CfL 12.
  4. 4. 22 A responsabilidade da missão se dá na compreensão de que todo batizado émissionário. O envio é para todos, ninguém está dispensado dessa tarefa. Essa é umaobra, um serviço assumido pela Igreja, a partir do mandato de Cristo. Ele foi quemprimeiro anunciou a salvação, ele operou milagres, dentre os mais fracos, curandodoentes e perdoando pecados, sinais da presença do Reino. Mas, ser cristão nãoenvolve apenas o aspecto da missão: Pelo Batismo, o cristão é sacramentalmente assimilado a Jesus, que antecipa no seu Batismo a sua Morte e a sua Ressurreição; deve entrar neste mistério de rebaixamento humilde e de arrependimento, descer à água com Jesus, para subir novamente com ele, renascer da água e do Espírito para tornar-se no Filho bem-amado do Pai e viver em uma vida nova52. “Quem é imerso com Cristo, quem desce ao túmulo, morre ao pecado e tem vidanova, em Cristo. Quem aceita morrer com Cristo, também gozará da sua vida emplenitude”53. Pelo batismo é que se alcança essa condição. Portanto, é justo que se diga quetodo batizado é um cristão. Segundo o Catecismo da Igreja Católica, o sacramento do Batismo é conferido ‘em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo’ (Mt 28,19). No Batismo, o nome do Senhor santifica o homem, e o cristão recebe seu próprio nome na Igreja. Este pode ser o de um santo, isto é, de um discípulo que viveu uma vida de fidelidade exemplar a seu Senhor. O nome de Batismo pode também exprimir um mistério cristão ou uma virtude cristã. Cuidem os pais e padrinhos e pároco que não se imponham nomes alheios ao senso cristão 54. Essa é, sem dúvida, a condição necessária para o reconhecimento da identidadedo cristão, no serviço do anúncio da boa nova, da vida que vem de Jesus Cristo, do seusangue derramado na cruz e da salvação que daí brotou. Por fim, o cristão é aquele quese identifica com a obra de Jesus Cristo, é aquele que se mantém fiel ao seu Senhor,pois, no Batismo, se recebe a ‘marca’ desse Senhor, e essa marca se identifica com avontade do Pai: que todos conheçam a salvação oferecida por Jesus Cristo. O cristão é o52 Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 537.53 Id., ibid., 628.54 Id., ibid., 2156.
  5. 5. 23filho fiel a seu Deus, que reconhece e aceita o amor do Pai, revelado pelo Filho, com aluz e o poder do Espírito Santo.2.2 A noção teológica de leigo João Paulo II lembra que a figura do fiel leigo tem seu fundamento no Batismo oqual nos regenera para a vida dos filhos de Deus, nos une a Jesus Cristo e ao seu corpo,que é a Igreja, unge-nos no Espírito Santo, constituindo-nos templos espirituais55. O Concílio Vaticano II elenca as atividades dos leigos na Igreja: Existe na Igreja diversidade de serviços, mas unidade de missão. Aos apóstolos e a seus sucessores foi por Cristo conferido o múnus de, em nome e com o poder d’Ele, ensinar, santificar e reger. Os leigos, por sua vez, participam do múnus sacerdotal, profético e régio de Cristo, compartilham a missão de todo o povo de Deus na Igreja e no mundo. Realizam verdadeiramente apostolado, quando se dedicam a evangelizar e santificar os homens e animar e aperfeiçoar a ordem temporal com espírito do Evangelho, de maneira a dar, com sua ação neste campo, claro testemunho de Cristo e a ajudar à salvação dos homens 56. Bruno Forte assevera: A relação fontal, constitutiva do ser e do agir do leigo, é a relação com o Cristo: por meio do batismo ele foi incorporado a Cristo, ungido pelo Espírito Santo e por isso constituído povo de Deus. Todas as riquezas de sua condição estão enraizadas no fato de que ele é o homo christianus (homem cristão)57. Manoel Santos faz referência à reflexão do Concílio Vaticano II, no tocante aopapel do leigo na Igreja e no mundo: O Concílio Vaticano II considerou de uma maneira ativa o papel do leigo na Igreja e no mundo, como participante da consciência de missão e de responsabilidade que tem todo o povo de Deus. Junto com isso, o Concílio recuperou a distinção entre o conceito de ‘fiel’ (que expressa um modo de todo batizado) e o conceito de leigo (que expressa um55 Cf. CfL 10.56 AA 2.57 FORTE, B. A missão dos leigos. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 1987, p. 39.
  6. 6. 24 modo de ser cristão, com uma vocação e missão próprias). O Concílio Vaticano II recolheu o núcleo central do esforço teológico e das realidades apostólicas e espirituais que o haviam precedido, também no que se refere à definição, descrição ou tipificação do leigo. Havia a distinção tradicional, recolhida no Código de Direito Canônico: leigo é todo aquele que não é clérigo. O Concílio Vaticano II preferiu outro caminho: são os membros do povo de Deus que não pertencem ao clero nem estão consagrados no estado religioso ou na profissão dos conselhos evangélicos58. O leigo participa do múnus sacerdotal, dando testemunho de Cristo ressuscitado,anunciando a salvação de Deus, para glorificar seu nome59. “Pelo múnus profético, por sua condição de missionário, o leigo é um membrode Cristo, que atua no seu meio dando testemunho de sua fé, torna conhecida a salvaçãode Deus e alimenta a esperança do povo, evangelizando e mostrando o Cristosalvador”60. “Pelo múnus real, deve o leigo tornar-se um comunicador do poder de Deus edo amor por seu Filho Jesus Cristo, ao qual sujeitou todas as coisas, ser o espelho, ondese possa ver em suas ações o rosto amoroso de Deus”61.58 SANTOS, M. Leigos: Nos Ministérios ou no Mundo? Teocomunicação, Porto Alegre, v. 31, n. 134, p.736, dez. 2001.59 “O supremo e eterno Sacerdote Jesus Cristo quer continuar seu testemunho e seu serviço tambématravés dos leigos. Vivifica-os por isso com seu Espírito e incessantemente os impele para toda obra boa eperfeita. Aqueles, pois, que une intimamente à Sua vida e missão, também concede parte de Seu múnussacerdotal no exercício do culto espiritual para que Deus seja glorificado e os homens salvos. Por isso,consagrados a Cristo e ungidos pelo Espírito Santo, os leigos são admiravelmente chamados e munidospara que neles se produzam sempre mais abundantes os frutos do Espírito” (LG 34).60 “Cristo, o grande profeta que proclamou o Reino do Pai, quer pelo testemunho da vida, quer pela forçada palavra, continuamente exerce seu múnus profético até à plena manifestação da glória. Ele o faz, nãosó através da hierarquia que ensina em Seu nome e com Seu poder, mas também através dos leigos. (...)‘Assim como os sacramentos da nova Lei, que alimentam a vida e o apostolado dos fiéis, prefiguram onovo céu e a nova terra’ (cf. ap 21,1), assim também os leigos tornam-se valiosos pregoeiros da fé nascoisas a serem esperadas (cf. Hb 11,1). (...) Por conseguinte, mesmo quando se ocupam com as tarefastemporais, os leigos podem e devem exercer preciosa ação para evangelizar o mundo” (id., ibid., 35).61 “Cristo, feito obediente até à morte e por isso exaltado pelo Pai ‘(cf. Fl 2,8-9)’, entrou na glória do seureino. A Ele todas as coisas estão sujeitas, até que submeta todas as criaturas ao Pai, para que Deus sejatudo em todos ‘(cf. 1 Cor 15,27-28)’. Comunicou esse poder aos discípulos, para que também eles sejamconstituídos na liberdade régia e por sua abnegação e vida santa vençam em si mesmos o reino do pecado‘(cf. Rm 6,12)’. (...) Também através dos fiéis leigos o Senhor quer dilatar seu reino de ‘verdade e vida,reino de santidade e graça, reino de justiça, amor e paz’. Neste reino a própria criatura será libertada dojugo da corrupção para a liberdade gloriosa dos filhos de Deus” (cf. Rm 8,21)’ (id., ibid.,36).
  7. 7. 25 Manoel Santos lembra que, “na Igreja primitiva, o leigo possuía uma funçãoclaramente valorizada. Contudo, não se sublinhava tanto a distinção entre sacerdotes eleigos”62. Nessa linha, F. Alexandre explica: Indo às origens, o cristão logo percebe que de leigo nada se fala no Novo Testamento: não há nenhum indício do termo, nem traço algum de qualquer realidade que se pudesse transpor e fazer corresponder ao fato leigo contemporâneo; pelo contrário, os elementos, com que definimos atualmente os leigos como uma categoria específica, na maior parte está ausente dos escritos neotestamentários, quando não são neles explicitamente contestados63. Uma teologia do leigo se faz necessária, para dirimir a dúvida quanto ao seulugar na Igreja. Ora, se, em nossos estudos, constatamos que ele é deveras importantepara a cooperação da construção do Reino de Deus, então não é mais tempo deconsiderá-lo apenas com o conceito de que ‘o leigo é um fiel que não é clérigo’, comoafirma Mascarello, mas que “o leigo participa do múnus sacerdotal, régio e profético deCristo e, com isso, o leigo é missionário e realiza o apostolado de Cristo, por direito epor dever”64. A reflexão acerca da identidade do leigo é de suma relevância. Segundo Illanes, o Sínodo de 1987 e a Christifideles Laici, desenrolaram, tornaram claro o que o Concílio Vaticano II, precisamente em um de seus pontos essenciais propunha. A proclamação da plena participação de todo cristão na vida e missão da Igreja, com que esteve e está intimamente relacionada à afirmação do valor e a consistência da vocação ou condição laical. Merece pois a atenção sobre a problemática 65. Assim, o Concílio Vaticano II esclarece:“Aqui são compreendidos todos oscristãos, exceto os membros de ordem sacra e do estado religioso aprovado na Igreja” 66.O leigo é um cristão no ambiente, no mundo, e digno de ser reconhecido como tal,devido ao seu testemunho de vida em Cristo:62 SANTOS, M. Leigos: nos ministérios..., loc. cit., p. 732.63 F. ALEXANDRE. Os leigos nas origens da Igreja. Petrópolis: Vozes, 1992, p. 17.64 Cf. LG 34, 35, 36; AA 2.65 Cf. ILLANES, op. cit., p.143.66 LG 31.
  8. 8. 26 Por instituição divina, a santa Igreja é estruturada e regida com admirável variedade. Pois, como em um só corpo temos muitos membros, mas todos os membros não têm a mesma função, assim nós, embora sejamos muitos, somos um só corpo em Cristo, e cada um de nós somos membros de outros67. Na vida da Igreja, o leigo tem sua importância distinta, e isso requer empenho ededicação de todos no anúncio da boa nova. No papel de santificação da Igreja, o leigoocupa um lugar de suma importância, pois é chamado a servir e dar testemunho atravésdas suas obras: Os leigos são congregados no povo de Deus e constituídos num só Corpo de Cristo sob uma só cabeça. Quem quer que seja, todos são chamados a empregar todas as forças recebidas por bondade do Criador e graça do Redentor, como membros vivos, para o incremento e perene santificação da Igreja68. A missão deve envolver o leigo. A atividade missionária há que tornar-se parteintegrante de sua vida. Não se pode conceber um leigo inativo, no que se refere àscoisas de Deus. Há tantos ambientes, dentro e fora da Igreja, onde cada um podeexecutar suas tarefas, de acordo com cada carisma específico e, assim, ajudar naconstrução e divulgação do Reino de Deus que é meta de salvação. Está na origem da Igreja esse reconhecimento, talvez não com tanto acento, poisos tempos eram outros, e as urgências também. Portanto, ainda que as realidades fossemoutras, nem por isso eram menos importantes do que as que a Igreja vive hoje. ManoelSantos recorda como era visto o leigo na Igreja primitiva: Na Igreja primitiva, o leigo possuía uma função claramente valorizada. No início, não se sublinhava tanto a distinção entre sacerdotes e leigos. A Igreja vivia no meio do mundo pagão, submetida muitas vezes à perseguição, mantendo vivo o sentimento de esperança do céu, graças ao sangue dos mártires. Não é que, no interior da Igreja, não se desse uma articulação entre a hierarquia e o laicato, mas se sublinhava mais a unidade e se mantinha viva a consciência dos diferentes carismas dos leigos. De qualquer forma, é a partir do século II que se difunde ‘leigo’ como termo de contraste, dando lugar a uma perspectiva bipartida:67 Id., ibid., 32.68 Id., ibid., 33.
  9. 9. 27 clérigos-leigos. Desde o século III, e mais claramente no século V, adiciona-se uma distinção tripartida: clérigos-leigos-monges 69. Também encontramos a presença marcante dos fiéis cristãos leigos, aludidos nasSagradas Eascrituras: Se, nas Sagradas Escrituras, há sobejas provas de quão espontânea e fecunda foi a atividade dos leigos, nos primeiros tempos da Igreja, presentes, atuantes, integrantes, participativos, fatos tão manifestos nos textos já aludidos, nos Atos dos Apóstolos, na Carta aos Romanos, aos Filipenses, se nos Santos Padres, pelo menos até ao redor do século IV, a perspectiva teológica é amplamente unitária e comunitária, na dispensação dos ministérios, tanto quanto na recepção frutuosa dos mesmos, dentro da visão comunicante do ‘Corpo de Cristo’ e do Cristo ‘tudo em todos’; se, nos últimos tempos, já desde Pio XI, retoma-se pouco a pouco o vigor do laicato na Igreja, através dos documentos do Magistério e dos Movimentos concomitantes, então, por que, em nosso tempo, se põe de maneira tão candente, e até inovadora, a questão dos leigo na Igreja, se esta questão seria um aspecto tão normal, tão da essência e da existência da Igreja, tão absolutamente necessária? Por que a redescoberta do leigo tem a feição de uma descoberta? 70. Contudo, o termo leigo não aparece no Novo Testamento. Segundo F.Alexandre, “é inútil procurar o termo leigo no Novo Testamento ao que parece; o termolaikós também era desconhecido dos tradutores da Septuaginta”71. No decorrer dahistória, vai aparecer como termo usual o ‘leigo’.Lembra F.Alexandre: Somente no final do século I, graças a um texto cristão, esse termo aparece no plano religioso. Essa data pode parecer tardia, para quem vê no laicato uma realidade primordial do cristianismo e por isso é tentado a ir buscar seu aparecimento nas origens72. Está claro que, mesmo nos tempos mais remotos, sempre houve a presença dosleigos na Igreja. A atividade do leigo como missionário perpassa os tempos, se constrói nahistória do povo de Deus e se faz sempre atual e necessária. Segundo Illanes, “ser e69 SANTOS, M. Leigos: nos ministérios..., loc. cit., p. 732.70 QUADROS, O. A redescoberta do leigo: uma descoberta e a progressiva consciência do leigo-Igreja.Teocomunicação, Porto Alegre, n. 70, p. 30, 1985/4.71 Versão grega do Antigo Testamento.72 F. ALEXANDRE. Os leigos..., op. cit., p. 29.
  10. 10. 28missão formam, na Igreja, uma coisa só, e devem sê-lo também na consciência de todocristão”73. Porém cabe ressaltar aqui que nem sempre as coisas foram muitosatisfatórias e aceitas por todos; e foi justamente no período conhecido como sendo o“período das sombras” que se deu uma fase não tão boa para os leigos. Suasperspectivas são nesse período degradadas. M. Bingemer lembra: É mais no período da Idade Média que começa a haver certa depreciação do leigo, identificado como iletrado, quando passa a vigorar a imposição do monge como ideal de pessoa ‘espiritual’ e ‘perfeita’, baseando-se essa espiritualidade e perfeição no desapego aos bens terrestres, inclusive o casamento e a vida conjugal. Nos meios monásticos, o leigo passa a ser visto, não como um membro de pleno direito do povo de Deus, mas como alguém assimilado aos carnais, aos mundanos e aos que se ocupam do século. Há que se ter em conta que a própria sacerdotalização do monacato, muito clara nos séculos VIII e IX, contribui para esse processo74. Como se pode observar, é árduo e difícil o reconhecimento do leigo dentro daIgreja. Hoje, há uma tentativa muito forte, por parte de João Paulo II, no sentido dessereconhecimento. O que a Igreja busca, na verdade, é encontrar uma forma de definircom clareza qual mesmo seja a identidade do leigo. Muito já se falou aqui sobre esseaspecto; porém, é preciso lembrar que, no ambiente da Igreja, ainda há uma forteclericalização, restando assim pouco espaço para a ação missionária leiga. Muito se deve também, no tocante às dificuldades, ao fator cultura, pois, mesmoreconhecendo que a atividade laical vem desde as origens, há muito pouco tempo oleigo começou a se identificar com a missão. Vejamos como se deu na história oreconhecimento do leigo em busca da sua identidade: A alta Idade Média traz o reconhecimento da possibilidade da santidade, não apenas no mundo, mas também pelo exercício cristão das atividades seculares. Na Idade moderna, a Reforma que trouxe de volta a espiritualidade leiga ao cristianismo puro e simples assim como a conseqüente Contra- reforma católica vão dar lugar a uma divulgação maior das práticas espirituais e da doutrina cristã com os catecismos que colocam os73 Cf. ILLANES, op. cit., p. 110.74 BINGEMER, Maria Clara. A identidade crística – sobre a identidade, e a vocação e a missão dosleigos. São Paulo: Loyola, 1998, p. 55.
  11. 11. 29 elementos da doutrina e da espiritualidade ao alcance de todo o povo cristão. Em nossos dias, o Concílio Vaticano II apresenta uma visão eclesial, marcada não só pela concepção da Igreja como comunhão de relações entre pastores e fiéis, pela diversidade de carismas e ministérios (LG 4, 7, 12, 13, 18, 33), mas também pela valorização do terrestre e do temporal, onde seria, a rigor, o lugar do leigo. Além disso, procura oferecer uma visão positiva do leigo. Definindo-o, não pelo negativo (aquele que não é clérigo nem religioso), mas positivamente, como membro pleno e integrante do povo de Deus75. Nessa busca da identidade, o leigo não pode manter-se à margem das discussõessobre a sua vocação, pois é no âmbito da Igreja que persiste ainda sempre a opiniãosegundo a qual os leigos são enviados ao mundo, às suas estruturas, em suas tarefasseculares. A identidade do leigo no mundo é na verdade, a identidade de Cristo, pois amissão é dele, de Cristo. O leigo e o clérigo são enviados para essa missão, sãooperários de Cristo. E aqui há que se distinguir a vocação leiga da vocação clerical, paraque se possa, então, chegar ao conhecimento da identidade de cada um.2.3 O leigo e o chamado universal à santidade O Papa Wojtyla destaca que “o santo é o testemunho mais esplêndido dadignidade conferida ao discípulo de Cristo”. Explicita que à vocação universal àsantidade, são chamados os fiéis leigos. Todos os fiéis, de qualquer ordem ou estado,são chamados à plenitude da vida cristã. “A vocação à santidade deverá sercompreendida e vivida pelos fiéis leigos”76. “A Igreja é santa e todos os seus membrosestão chamados à santidade. Os leigos participam na santidade da Igreja, ao seremmembros com pleno direito da comunidade cristã”77. A Igreja toda é chamada à santidade. Na sua origem está seu fundador que ésanto por excelência. Cada cristão, portanto, é chamado a essa santidade. Incorporado aCristo, ele torna-se membro importante para a vida da Igreja:75 Id., ibid., p. 56.76 CfL 16-17.77 JOÃO PAULO II. Creo en la Iglesia. Catequesis sobre el credo. Madrid: Palabra, 1997, p.414.
  12. 12. 30 O Senhor Jesus, Mestre e modelo divino de toda perfeição, a todos e a cada um dos discípulos de qualquer condição pregou a santidade de vida da qual Ele mesmo é o autor e o consumador, dizendo: ‘Sede portanto, perfeitos, assim como também vosso Pai celeste é perfeito’. Pois sobre todos enviou o Espírito Santo para interiormente os mover a amarem a Deus com todo o coração, toda a alma, toda a mente e toda a sua força, e para que se amassem mutuamente como Cristo os amou 78. A missão que leva a santidade a todos é possível: Todos na Igreja, precisamente porque são seus membros, recebem e, por conseguinte, partilham a comum vocação à santidade. A título pleno, sem diferença alguma dos outros membros da Igreja, a essa vocação são chamados os fiéis leigos: ‘Todos os fiéis, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade’; ‘todos os fiéis são convidados e têm por obrigação tender à santidade e à perfeição do próprio estado79. Se toda a Igreja é chamada à santidade, os fiéis cristãos leigos, que a elapertencem, também recebem esse chamado. Todos na Igreja, precisamente porque sãoseus membros, recebem e, por conseguinte, partilham a comum vocação à santidade. “Atítulo pleno, sem diferença alguma dos outros membros da Igreja, a essa vocação sãochamados os fiéis leigos”80. Toda dignidade de que pode gozar o leigo, e todos os cristãos, é considerada emplenitude, se for fruto daquela que vêm de Deus, aquela que Deus dá a cada um, “avocação à santidade, a plenitude da caridade”81. “Todos na Igreja, precisamente porquesão seus membros, recebem e, por conseguinte, partilham a comum vocação àsantidade”82. João Paulo II esclarece:78 LG 40.79 Cf. CfL 15 e cf. LG 40.80 CfL 16.81 Id., ibid.,16.82 Id., ibid.,16.
  13. 13. 31 A vocação à santidade deverá ser compreendida e vivida pelos fiéis leigos, antes de mais, como sendo uma obrigação exigente a que não se pode renunciar, como um sinal luminoso do infinito amor do Pai que os regenerou para a vida de santidade. Tal vocação aparece então como componente essencial e inseparável de nova vida batismal e, por conseguinte, elemento constitutivo da sua dignidade. Ao mesmo tempo, a vocação à santidade anda intimamente ligada à missão e à responsabilidade confiadas aos fiéis leigos na Igreja e no mundo 83. Os desafios do dia-a-dia são os fatores determinantes para a realização da missãoe da santidade. Por isso, o cristão leigo viverá essa santidade, inserido no mundojuntamente com os problemas comuns a cada situação. “A vocação dos fiéis leigos àsantidade comporta que a vida segundo o Espírito se exprima de forma peculiar na suainserção nas realidades temporais e na sua participação nas atividades terrenas”84.2.4 O sacerdócio comum dos cristãos Acerca do sacerdócio comum dos cristãos o Concílio Vaticano II declara:“Osacerdócio comum dos fiéis e o sacerdócio ministerial ou hierárquico ordenam-se um aooutro, embora se diferenciem na essência e não apenas em grau”85. Na LG encontra-se a seguinte afirmação: Cristo Senhor, pontífice tomado dentre os homens, fez do novo povo ‘um Reino e sacerdotes para Deus Pai’, pois os batizados, pela regeneração e unção do Espírito Santo, são consagrados como casa espiritual e sacerdócio santo, para que por todas as obras do homem cristão ofereçam sacrifícios espirituais e anunciem os poderes d’Aquele que das trevas os chamou à sua admirável luz86. O sacerdócio comum refere-se àquele que é exercido por todo o cristão batizado: O sacerdócio comum dos fiéis e o sacerdócio ministerial ou hierárquico ordenam-se um ao outro, embora se diferenciem na essência e não apenas em grau. Pois ambos participam, cada qual a seu modo, do único sacerdócio de Cristo. O sacerdote ministerial, pelo poder sagrado de que goza, forma e rege o povo sacerdotal, realiza o sacrifício eucarístico na83 Id., ibid.,17.84 Id., ibid.,17.85 LG 10.86 Id., ibid., 10.
  14. 14. 32 pessoa de Cristo e o oferece a Deus em nome de todo o povo. Os fiéis, no entanto, em virtude de seu sacerdócio régio, concorrem na oblação da Eucaristia e ação de graças, no testemunho de uma vida santa, na abnegação e na caridade ativa87. Diferente do sacerdócio ministerial, o sacerdócio comum dos fiéis acontece, setorna possível, à medida que as necessidades do dia-a-dia vão surgindo, nas realidadesvividas pelas pessoas. O cristão, que participa do único sacerdócio de Cristo, presta seusserviços àqueles que precisam dele e assim louva a Deus, por essa dádiva. Incorporadosà Igreja pelo batismo, os fiéis são delegados ao culto da religião cristã, em virtude docaráter, e, regenerados para serem filhos de Deus, são obrigados a professar diante doshomens a fé que receberam de Deus pela Igreja. Não é possível contabilizar os serviços em que podem realizar-se efetivamenteos trabalhos próprios desse sacerdócio. M. Santos afirma que “o sacerdócio comumcoloca em destaque a profunda unidade entre o culto litúrgico e o culto espiritual econcreto da vida quotidiana. Todos os fiéis estão chamados a entrar no dinamismo daoferenda de Cristo, mas somente Cristo é o mediador. Portanto, todo fiel tem que aderir-se à mediação de Cristo, que é o sacerdócio ministerial”88. O sacerdócio comum dos fiéis realiza-se concretamente na vida quotidiana do fiel, quando a sua própria existência se torna oblação de si mesma inserindo-se no ministério pascal de Cristo. É a participação no dinamismo da oferenda de Cristo, participação existencial 89. M. Santos lembra que o sacerdócio ministerial tem sua raiz na sucessão apostólica, é recebido pelo sacramento da ordem e é dotado de um poder sagrado, que consiste na faculdade e na responsabilidade de agir na pessoa de Cristo cabeça e pastor. Enquanto que o sacerdócio comum do povo de Deus é determinante de sua identidade pelo batismo 90.2.5 Da secularidade da Igreja à secularidade do leigo (Secularidade: dimensão e índole)87 Id., ibid., 10.88 SANTOS, M. Novos caminhos para os ministérios – reformular o Motu proprio ministeria quaedam?Teocomunicação, Porto Alegre, v. 32, n. 135, p. 29, mar. 2002.89 Id., ibid., p. 29.90 Id., ibid., p . 30.
  15. 15. 33 Afirma o Papa Wojtyla que “todos os membros da Igreja participam da suadimensão secular”91. A existência humana está cercada pelas realidades do mundo e,com isso, Igreja e homens tornam-se próprios dessa condição. É a partir do mundo,onde se realiza toda condição secular, que os leigos tornam concretas as possibilidadesde trabalho pela Igreja. João Paulo II lembra que a índole dos fiéis leigos é a de procurar o Reino deDeus, tratando das coisas temporais e ordenando-as segundo Deus92. Toda a Igreja é secular, pois ela, embora de caráter divino, está também nomundo. O próprio Verbo encarnado quis participar da vida social dos homens(...) 93. AIgreja, com efeito, vive no mundo, embora não seja do mundo94. João Paulo II afirma: “Precisamente para se entender de forma completa,adequada e específica, a condição eclesial do fiel leigo, é preciso aprofundar o alcanceteológico da índole secular, à luz do plano de Deus e do mistério da Igreja”95. Assim, a dimensão secular é própria da Igreja inteira e, portanto, de todos e cada um dos seus membros; quaisquer que sejam a vocação e a condição dos membros, essas dizem relação com o mundo, contribuem à santificação do mundo. A dimensão secular da Igreja é inerente à sua íntima natureza e missão. Impede a Igreja de desinteressar-se das realidades temporais, da história, da vida concreta e diária, das circunstâncias que integram a normal existência humana, onde deve manifestar a realidade desse amor divino que lhe foi comunicado e que deve anunciar96.91 CfL 15.92 Cf. JOÃO PAULO II. Palavra de João Paulo II aos Bispos do Brasil. São Paulo: Paulinas, 2003, p. 42.93 Id., ibid., 15.94 Id., ibid., 15.95 Id., Ibid., 15.96 SANTOS, M. Novos caminhos..., loc. cit., p. 33.
  16. 16. 34 Illanes recorda que “o leigo é uma das formas ou concretização possível davocação cristã, aquela precisamente cuja fisionomia resulta configurada pelasecularidade, pela plena dedicação às ocupações seculares ou temporais”97. A nota definitória do laicato está na secularidade, na presença e ação no mundo,vistas, não como mera situação sociológica, mas como dimensão do existir cristão ecomo forma de participação na obra redentora98. Pois, mesmo os que receberam a ordemsacra, e ainda que dediquem seu tempo ou parte dele às tarefas seculares, por suanatureza pertencem à ordem sacra. Com isso, diferenciam-se dos leigos. O mesmoafirma Manoel G. Gómez sobre o que é essencialmente característico do leigo: “asecularidade, a consecratio mundi das realidades terrenas ou seculares”99. A índole secular caracteriza especialmente os leigos. Pois os que receberam a ordem sacra, embora algumas vezes possam ocupar-se em assuntos seculares, exercendo até profissão secular, em razão de sua vocação particular destinam-se principalmente e ex-professo ao sagrado ministério100. “A relação entre leigos e século está ligada por razões próprias de ser doleigo”101, “pois este encontra-se no mundo, entre as coisas temporais” 102, onde as coisasseculares existem e acontecem, como exercício da vida comum do dia-a-dia, e que nãopertencem às coisas das ordens sagradas. Tratando-se do assunto em torno da índole secular, é bom elucidar que essaexpressão está carregada de significado das coisas do século. Segundo Illanes, “porsecularidade se entende, como sendo realidade de presença e ação no mundo,certamente, a Igreja inteira está presente no mundo, e mais concretamente, nasestruturas da sociedade humana e secular”103. Ou seja, ser secular é índole humana,dentro das estruturas do mundo, e é por isso que a Igreja tem que estar atuante nessemeio. Como afirma M. Santos, “a segunda interpretação do processo de secularização97 Cf. ILLANES, op. cit., p. 97.98 Cf. Id., ibid., p. 113.99 GÓMES, M. Sacerdotes y laicos en la Iglesia primitiva y en los cultos paganos. Pamplona:Universidad de Navarra, 2002 p. 34.100 LG 31.101 Cf. ILLANES, op. cit., p. 102.102 Id., ibid., p.102.103 Id., ibid., p.192.
  17. 17. 35implica compreender esse processo como uma ‘desdivinização’ do mundo”104. Aqui,melhor entendendo, pode-se optar pela proposta de uma interpretação de um mundo quenão é puramente divino, embora as coisas de Deus estejam nele. Illanes explica: “A conseqüência, a condição laical, a condição do cristão, cujavida está dedicada às ocupações seculares, aparecerá como uma condição cujafisionomia cristã se edifica na margem dessas ocupações e tarefas, entrelaçando-se comelas”105. O trabalho no mundo distingue com clareza a missão do leigo. Na reflexão deM. Santos, ao apresentar uma das possíveis vocações cristãs como definidas precisamente pela conexão com o mundo, não se corre porventura o risco de propugnar uma divisão de funções demasiado rígida e deformadora da realidade: o mundo para os leigos, a Igreja para os sacerdotes e religiosos, ou, em outras palavras, o problema de fundo está em manter o equilíbrio entre os dois pólos da relação Igreja-mundo, evitando posições extremas de ‘eclesialização ‘ do mundo e ‘mundalização’ da Igreja, ou, ainda, de ‘clericalização’ dos leigos e ‘secularização’ dos clérigos106. Illanes lembra que, “nos estudos e discussões em torno do processo desecularização, a secularidade é entendida como uma propriedade da cultura, em virtudeda qual pode ser afirmada como dotada de valor ou consistência, porém não fechada emsi mesma, senão aberta ao absoluto, quer dizer, a Deus” 107. “Na verdade, o sentido dasecularidade do leigo é sua própria identidade, pois ele vive no mundo e está para ascoisas dele e essa é a sua dimensão de secularidade, como recorda Illanes”108. Se, por sua vez, o leigo tem em si o caráter da secularidade, também a Igreja éassim, pois ambos estão no mundo. Passando pela secularidade do leigo, chega-se àsecularidade da Igreja. Ambos, Igreja e leigo, têm em si implícita essa condição, essasecularidade. Contudo, nem sempre houve essa compreensão com tanta clareza. M.Santos lembra que “um dos grandes problemas que teve de enfrentar a teologia dolaicato foi a própria terminologia. A própria etimologia proporcionou interpretações104 SANTOS, M. Igreja x mundo..., loc. cit., p. 494.105 ILLANES, op. cit., p.125.106 SANTOS, M. Igreja x mundo..., loc. cit., p. 501.107 ILLANES, op. cit., p.118.108 Id., ibid., p. 118.
  18. 18. 36diversas”109. Na descrição do leigo, segundo Illanes, “o caráter secular é próprio epeculiar dos leigos. (...) aos leigos corresponde, por própria vocação, tratar de obter oReino de Deus cuidando dos assuntos temporais e ordenando-os segundo Deus”110. Illanes recorda que “a dimensão secular, assim entendida, é própria da Igrejainteira e, por tanto, de todos e cada um de seus membros” 111. E o leigo, pelo seu modopróprio de ser constituído e chamado por Deus, é secular e participa da vida da Igreja edo povo de Deus.2.6 A diversidade da vocação laical e situações especiais A família, como lugar teológico de cultivo de vocação laical expressa o que édito com relação a qualquer tipo de vocação, pois, de fato, é no seio da família quepodem e devem ser cultivadas todas as possibilidades necessárias. Daí geralmentederiva o sucesso ou o fracasso humano de alguém. A família é, sem dúvida, a célulamais importante da sociedade, como afirma o Papa Wojtyla: Uma vez que os valores dos quais estamos a falar aqui são transmitidos em primeiro lugar na família e sucessivamente são consolidados na escola, tanto a família como a educação deveriam ser objeto da vossa constante solicitude pastoral. A própria família deve ser salvaguardada e promovida, dado que permanece como «a célula básica da sociedade» (...)112. Como importante célula formadora, a família ocupa um lugar de destaque, poisdela é que derivam as várias vocações, as várias possibilidades de pessoas para seengajarem no serviço do Reino. Ela é o seio do cultivo da vocação cristã leiga, o berçoda educação, onde tudo começa, onde acontece o primeiro sinal vocacional. É nesseambiente que Deus se manifesta, é aí que ele se revela com sua ação educadora: Também a família cristã, enquanto ‘Igreja doméstica’, constitui uma escola nativa e fundamental para a formação da fé: o pai e a mãe recebem do sacramento do Matrimônio a graça e o ministério da109 SANTOS, M. A teologia brasileira e os ministérios não-ordenados. In: Excerpta e dissertationibus insacra Theologia. Pamplona: Universidade de Navarra, 2002, p. 185.110 ILLANES, op. cit., p.119.111 Id., ibid., p.157.112 JOÃO PAULO II. Exortação Apostólica Familiaris Consortio. São Paulo: Paulinas, 1981. 46.
  19. 19. 37 educação cristã relativamente aos filhos, aos quais testemunham e transmitem, simultaneamente, valores humanos e valores religiosos113. João Paulo II, em suas considerações acerca da família cristã, afirma: Se a família cristã é comunidade, cujos laços são renovados por Cristo através da fé e dos sacramentos, a sua participação na missão da Igreja deve processar-se segundo uma modalidade comunitária: juntos, portanto, os cônjuges enquanto casal, os pais e os filhos enquanto família devem prestar serviço à Igreja e ao mundo 114. João Paulo II fala das várias vocações laicais, como se dá essa possibilidade demanifestação e como se pode zelar por elas115. Augusto Sarmiento lembra que “auniversalidade da missão se desprende da própria natureza da Igreja, a universalidade damissão em nossos dias se mostra com renovada urgência como conseqüência do mundoem que vivemos”116. Assim, da universalidade da missão, nasce a necessidade de umaampla variedade de vocações.113 CfL 62.114 Id., ibid., 52.115 “A rica variedade da Igreja encontra uma sua ulterior manifestação no seio de cada estado de vida.Assim, dentro do estado de vida laical, há lugar para várias ‘vocações’, isto é, diversos caminhosespirituais e apostólicos que dizem respeito a cada fiel leigo.(...) Neste âmbito podemos lembrar tambéma experiência espiritual que recentemente amadureceu na Igreja com o desabrochar de diversas formas deinstitutos seculares: aos fiéis leigos(...) abre-se a possibilidade de professar os conselhos evangélicos depobreza, castidade e obediência, por meio de votos ou das promessas, conservando plenamente a própriacondição laical e clerical. Como observam os padres sinodais, ‘o Espírito Santo suscita também outrasformas de doação de si mesmos,a que se entregam pessoas que permanecem inteiramente na vida laical.Podemos concluir, relendo uma linda página de São Francisco de Sales, o qual promoveu tanto aespiritualidade dos leigos. Falando da ‘devoção’, ou seja, da perfeição cristã ou ‘vida segundo o espírito’,ele apresenta de uma forma simples e esplêndida a vocação de todos os cristãos à santidade e, ao mesmotempo, a forma específica com que cada cristão a realiza: ‘Na criação Deus ordenou às plantas queproduzissem os seus frutos, cada uma ‘segundo a própria espécie’. A mesma ordem dá aos cristãos, quesão as plantas vivas da sua Igreja, para produzirem frutos de devoção, cada um segundo o seu estado e asua condição. A devoção deve ser praticada de forma diferente pelo cavalheiro, pelo operário, pelodoméstico, pelo príncipe, pela viúva, pela mulher solteira e pela casada. Isso não basta, é preciso tambémconciliar a prática da devoção com as forças. Os empenhos e os deveres de cada pessoa...É um erro, umaheresia mesmo, excluir do ambiente militar, da oficina dos operários, da corte dos príncipes, das casas doscônjuges, a prática da devoção. (...) Colocando-se na mesma linha, o Concílio Vaticano II escreve: ‘Estaespiritualidade dos leigos deverá assumir características especiais, conforme o estado de matrimônio efamiliar, de celibato ou viuvez, situação de enfermidade, atividade profissional e social. Não deixem, porisso, de cultivar assiduamente as qualidades e dotes condizentes com essas situações, e utilizar os donspor cada um recebidos do Espírito Santo” (id., ibid., 56).116 SARMIENTO, Tomás Rincon; YANGUAS, José Maria; QUIROS, Antonio. La Misión del laico en laIglesia y en el mundo. Pamplona: Universidad de Navarra, p. 50.
  20. 20. 38 A família, formada a partir do matrimônio, é fundamental para a existênciahumana, para sua continuidade. E é no batismo que a vida nova de Cristo começa aproduzir frutos no homem, como afirma Illanes: O batismo implica um novo nascimento, um ato em que Cristo, fazendo-se presente em sua Igreja, infunde vida nova num homem vindo, nascido no seio de uma família, de uma nação, de um mundo, que resulta regenerado todo esse conjunto de realidades 117. É na família onde tudo começa, desde o propósito de se realizar o matrimôniocom planos de se gerar filhos, que deve ser o principal fim do matrimônio 118, juntamentecom o bem dos cônjuges. “O matrimônio é, em suma, um estado de vida pertencente àcondição secular”119. Muitas das realidades vividas no sociedade têm sua origem nafamília, condições postas a partir da formação da mesma na realização do matrimônio. O matrimônio e a família, que dele deriva, são realidades humanas, ordenadas uma a outra, igual que outras muitas, que são incorporadas no interior cristão (...), pelo vínculo matrimonial humano que, em virtude da graça, é elevado, ontológica e naturalmente, por assim dizer, a condição de sacramento120. Daí pode-se caracterizar a família como um bem de Deus, pois goza da sua graçae é constituído com a mesma graça recebida no matrimônio. E por isso, e devido a suacondição de estar e pertencer ao mundo, seu serviço será sempre necessário para aedificação e santificação de todos aqueles que querem e desejam. Segundo H. Giordani, O matrimônio natural tinha e tem ainda um caráter sagrado, porque desempenha uma tarefa naturalmente sagrada qual é a de expandir o Reino de Deus nas criaturas racionais. A intervenção de Cristo sublima essa missão, fazendo da união dos cônjuges batizados uma participação da união sua com a Igreja. Não apenas imagem, mas órgão da mesma. Se, pois, o grande sacramento do amor de que é ministro o sacerdote é a Eucaristia, o grande sacramento do amor de que é ministro o leigo é o matrimônio121.117 Cf. ILLANES, op. cit., p. 139.118 “Sobre os fins do matrimônio e sua relação e ordem, têm aparecido nestes últimos anos alguns escritosque afirmam que o fim principal do matrimônio não é a procriação dos filhos, que os fins secundáriosnão estão subordinados ao principal, senão que são independentes do mesmo” DENZINGER, Enrique. ElMagisterio de la Iglesia – Manual de los símbolos, definiciones de la Iglesia em materia de fé ycostumbres. Barcelona: Herder, 1963 (Decreto del Santo Oficio, de 1º de abril de 1944).119 ILLANES, op. cit., p. 140.120 Id., ibid., p. 140.121 GIORDANI, Higino. Laicato e sacerdócio. São Paulo: Paulinas, 1967, p. 157.
  21. 21. 39 O chamado de Cristo à vocação não é feito apenas àqueles que pertencem a uminstituto de vida consagrada. Estes gozam de um chamado especial, pois passarão adedicar suas vidas, com exclusividade, aos serviços da Igreja. O chamado também sedirige aos leigos, e de várias formas, pois todos têm possibilidades para desenvolverdiversos tipos de tarefas. A vocação, segundo Veremundo Tóth, não é privilégio de poucos chamados àvida sacerdotal e religiosa, mas todos os batizados têm a vocação de se tornarem ‘sal daterra’ e ‘luz do mundo’122. Convém analisar algumas situações especiais dos cristãos leigos: Em primeiro lugar, a situação da mulher. Nela é gerada a vida. Ela é parte integrante e fundamental, desde os primeirospassos de um bebê até ao amadurecimento de um adulto. Dentro de uma família, muitasvezes encontram-se quase que todos os membros com certa dependência de umamulher. Sua presença também é de fundamental importância na missão da Igreja. Nagrande maioria das vezes, ela é encontrada em setores da Igreja. São aqueles quefornecem a primeira educação da fé, que é a catequese. João Paulo II recorda que os Padres sinodais dedicaram uma atenção especial à condição e ao papel da mulher, num dúplice objetivo: reconhecer e convidar todos a que mais uma vez reconheçam o indispensável contributo da mulher na edificação da Igreja e no progresso da sociedade; e elaborar, além disso, uma análise mais específica da participação da mulher na vida e na missão da Igreja123. Apesar da grande contribuição da mulher na realização da sociedade, ainda não éreconhecida, em muitos casos, com igualdade de direitos em relação ao homem Aindaexistem grandes distorções, no tocante aos tratos domésticos, no âmbito profissional eno reconhecimento social de modo geral.122 TÓTH, Veremundo. A comunhão dos santos – a tarefa do leigo na Igreja. São Paulo: Loyola, 1989, p.38.123 CfL 49.
  22. 22. 40 Contudo, a importância de sua contribuição na realização das tarefas na Igrejanão merece menos consideração. Sua presença é fundamental para a evangelização,sendo necessária nos diversos setores onde acontece a educação da fé. Na ExortaçãoApostólica sobre a missão da família cristã, no mundo de hoje, João Paulo II confirmaa necessidade de se reconhecer a igualdade de dignidade da mulher com relação aohomem: Convém ressaltar, antes de tudo, a igual dignidade e responsabilidade da mulher em relação ao homem: tal igualdade encontra uma forma singular de realização na doação recíproca de si ao outro e de ambos aos filhos, doação que é específica do matrimônio e da família 124. Ainda, o Papa Wojtyla afirma que só o claro reconhecimento da dignidadepessoal da mulher constitui o primeiro passo a dar-se para promover a sua plenaparticipação, tanto na vida eclesial como na social e pública125. Em segundo lugar, a situação das crianças. João Paulo II dirige sua palavra às crianças, no ano da família, depositando nelastodo o crédito para quem deseja entrar no Reino de Deus, sendo como imitador de umacriança para poder alcançar essa dádiva. Afirma ele: Na criança, há algo que nunca poderá faltar em quem deseja entrar no Reino dos Céus. Ao céu estão destinados aqueles que são simples como as crianças, aqueles que são cheios de confiança e abandono, ricos de bondade e puros como elas. Só esses podem encontrar em Deus um Pai, e tornar-se, por sua vez e graças a Jesus, igualmente filhos de Deus 126. São membros iniciantes no apostolado da Igreja, na visão de João Paulo II. Elenão se furtou em dirigir sua atenção também para elas, como o fez com relação àsmulheres, aos idosos, aos jovens, enfim, a cada grupo de diferentes faixas etárias. “Aimportância da criança aos olhos de Jesus pode-se observar no Evangelho” 127. Jesus tem124 JOÃO PAULO II. Exortação Apostólica Familiaris Consortio. São Paulo: Paulinas, 1981. 22.125 CfL 49.126 JOÃO PAULO II. Carta do Papa às crianças no ano da família. São Paulo: Paulinas, 1994, p. 9.127 Id., ibid., p. 8.
  23. 23. 41uma preferência especial pelas crianças, pois se dirige a elas como portadoras do Reino:“Deixai vir a mim as criancinhas, não as afasteis, pois delas é o Reino de Deus”128. As crianças iniciam seu apostolado conhecendo Jesus na Eucaristia, após teremtrilhado o período próprio de preparação. É importante ressaltar que o exemplo dafamília se torna indispensável para que perseverem na vida de fé. O Concílio Vaticano II confirmou essa posição das crianças como membros doapostolado, sem descuidar das suas possibilidades e capacidades, como iniciantes na fé.Também as crianças têm sua atividade apostólica própria. Segundo a capacidade, sãoverdadeiras testemunhas vivas de Cristo junto aos colegas 129. Essa capacidade dependedas condições próprias de ser criança. Ora, essa fase é a mesma em que estáacontecendo a maioria das novidades em suas vidas. Seu aprendizado básico está sedesenvolvendo nesse período. Portanto, cabe a seus educadores tratar de educá-lastambém na fé. Segundo AA, a formação para o apostolado deve iniciar-se desde aeducação das crianças. De modo especial, no entanto, iniciem-se no apostolado osadolescentes e jovens, imbuindo-os desse espírito apostólico130. João Paulo II deposita sua esperança nas crianças e conclama-as, para quelouvem o nome do Senhor, pois elas são verdadeiras testemunhas do Reino. Na verdade,delas é o Reino de céus. Assim o Papa Wojtyla dirige-se às crianças: Permiti, meninos e meninas, que, no final desta Carta, recorde as palavras de um Salmo que sempre me tocaram: Laudate pueri Dominum! Louvai, crianças, louvai o nome do Senhor! Bendito seja o nome do Senhor agora e para sempre! Desde o nascer ao pôr-do-sol, seja louvado o nome do Senhor131. Porém, dependendo da educação recebida, no que diz respeito à fé, e de comoseja o exemplo da sua família, principalmente dos pais, a criança poderá, desde cedo,almejar o caminho a ser seguido e tornar-se uma verdadeira porta-voz do Reino deDeus.128 Id., ibid., p. 8.129 AA 12.130 Id., ibid., 30.131 JOÃO PAULO II. Carta do Papa às crianças no ano da Família. São Paulo: Paulinas, 1994, p. 13.
  24. 24. 42 Em terceiro lugar, a situação do ancião. Na carta aos anciãos, João Paulo II escreve: O Salmo 92 (91), como querendo sintetizar os brilhantes testemunhos dos anciãos que encontramos na Bíblia, proclama: ‘O justo florescerá como a palmeira, erguer-se-á como os cedros do Líbano. (...) Na velhice darão frutos, conservarão a sua seiva e seu frescor, para anunciar quão é justo o Senhor’ (13 15,16). O apóstolo Paulo, fazendo-se eco do Salmista, escreve na carta a Tito: ‘Os anciãos devem ser sóbrios, graves, prudentes, firmes na fé, na caridade e na paciência’. (...) A velhice, portanto, à luz do ensinamento e no léxico próprio da Bíblia, apresenta-se como ‘tempo favorável’132. O Papa Wojtyla, na sua reflexão, tenta resgatar a figura e o verdadeiro valor doancião, antes cultivado no seio das famílias. Hoje, num mundo altamente competitivo,onde o que importa é a habilidade, o mais rápido e o mais forte, não restou lugar para oidoso. Ele está quase que totalmente esquecido em muitos lares. Parece que a inutilidadetotal tomou conta de sua vida; já não serve para mais nada. Quem sabe, agora só lheresta ir para um canto e esperar o seu fim. João Paulo II tenta mostrar o valor e a utilidade do idoso. Descreve váriosexemplos de cultivo, na tradição, onde o velho tem sua dignidade e respeito resgatados: A juventude e a adolescência são passageiras, observa o Eclesiastes (11,10).” A Bíblia não deixa de chamar a atenção, por vezes com grande realismo, sobre a caducidade da vida e sobre o tempo que passa inexoravelmente: ‘Vaidade das vaidades, vaidade das vaidades! Tudo é vaidade’ (Ecl 1,2): quem não conhece a severa advertência do antigo Sábio? Entendemo-lo especialmente nós anciãos, pela experiência 133. A Igreja aponta o idoso como um importante agente da missão de Cristo e donode uma vida que é dom de Deus. João Paulo II lembra que “A vida é um dom feito por132 JOÃO PAULO II. Carta aos anciãos. São Paulo: Paulinas, 1999, 8.133 Id., ibid.,6.
  25. 25. 43Deus aos homens, criados por amor, à sua imagem e semelhança’ ‘Esta compreensão dadignidade sagrada da pessoa humana leva a dar valor a todas as etapas da vida”134. Nesse sentido, o documento do Conselho Pontifício para os Leigos, ao referir-seà questão do idoso, põe em alta a perspectiva da utilidade do ancião, dando-lhe o créditoe reconhecimento vividos pela experiência: “O contributo de experiência que os anciãospodem dar ao processo de humanização de nossa sociedade e da nossa cultura é mais doque nunca precioso e necessário, valorizando aqueles aspectos que poderemos definircomo carismas próprios da velhice”135. O documento chama a atenção para algunsaspectos importantes, para que a sociedade não perca de vista valores que hoje ficamobscuros diante das correrias e dos grandes progressos: A gratuidade (o ancião que vive o tempo da disponibilidade pode chamar a atenção de uma sociedade demasiado ocupada para a necessidade urgente de derrubar as barreiras de uma indiferença aviltante, que desanima e irrompe o fluxo dos impulsos altruístas); a memória (o idoso pode estabelecer um dialogo entre as gerações, impedindo, assim, que se perca a memória); a experiência (a técnica hoje é avançada, porém sua rapidez não deve desencorajar as pessoas da terceira idade, pois estas têm muito a dizer às gerações mais novas, têm muito a partilhar com elas136. “Honrarás a pessoa do ancião”137 , Nas Escrituras, a estima pelo anciãotransformou-se em lei: ‘Levantar-te-á, diante de uma cabeça encanecida (...) e temerás oteu Deus’. E ainda: ‘Honra teu Pai e tua mãe’ 138. Uma delicadíssima exortação em favordos pais, sobretudo na idade senil...”139. Lembra-nos o documento que Deus pode revelar-se na idade senil, mesmoquando marcada por limitações e dificuldades. ‘Deus escolheu o que é fraco no mundo,para confundir os fortes’140, e ainda: ‘Mesmo na velhice dará os seus frutos’ 141. Assim, a134 Conselho Pontifício para os Leigos. A dignidade do ancião e sua missão na Igreja e no mundo. SãoPaulo: Paulinas, 1999, p. 11.135 Id., ibid., p. 11-12 .136 Id., ibid., p. 12.137 Lv 19,32.138 Dt 5,16.139 Conselho Pontifício para os Leigos. A dignidade do ancião e sua missão na Igreja e no mundo. SãoPaulo: Paulinas, 1999, p. 15.140 1Cor 1,27-28.141 Sl 91 (92), 15).
  26. 26. 44Igreja espera e confia na habilidade e na experiência dos idosos, para trazerem a estemundo de controvérsia a sua contribuição na missão salvadora de Cristo, ajudando naconversão de pessoas. Numa sociedade moderna, cheia de divergências, onde os valores maistradicionais cada vez mais sofrem depreciação, o ancião pode contribuir com suapresença e sua experiência adquirida ao longo da vida.2.7 O apostolado do leigo João Paulo II, ao referir-se à missão do homem e da mulher no mundo e naIgreja, acentua que, “por força do Batismo e da Crisma, a mulher, como o homem,torna-se participante no tríplice múnus de Jesus Sacerdote, Profeta e Rei e, portanto, éhabilitada e vocacionada para o apostolado fundamental da Igreja-a Evangelização”142. O leigo, no apostolado, é um colaborador importante. Seu empenho é vital para aIgreja. Por isso, seu testemunho se torna indispensável. João Paulo II reconhece eafirma essa importância. Sua contribuição para a propagação do Reino de Deus sempreé bem-vinda. “O apostolado dos leigos é a participação na própria missão salvífica daIgreja”143. João Paulo II confirma que a missão salvífica da Igreja no mundo realiza-se,não só pelos ministros, que são em virtude do sacramento da ordem, mas também portodos os fiéis leigos: estes, com efeito, por força da sua condição batismal e da sua142 CfL 51.143 LG 33.
  27. 27. 45vocação específica, na medida própria de cada um, participam do múnus sacerdotal 144,profético145 e real146 de Cristo147. Bruno Forte, citando a Apostolicam Actuositatem, comenta a relação da missãodo leigo com a de Cristo na Igreja e no mundo: Assim como Cristo recebe e dá o Espírito, assim também o cristão incorporado em Cristo, mediante a economia sacramental, é ungido de Espírito Santo, e torna-se comunicador dele na participação na função profética, sacerdotal e real de Cristo. A missão funda-se na consagração, e o dar o Espírito, no tê-lo recebido e no recebê-lo a todo instante. Em outras palavras: a vocação ao apostolado, como a vocação para o todo das atividades ordinárias, para tornar participantes todos os homens na redenção operada por Cristo, identifica-se com a vocação cristã148. O apostolado do leigo não está restrito apenas a uma ou outra atividade.Segundo Illanes, “a missão cristã não é uma mera função ou encargo, e sim expansão deum ministério de comunicação de vida divina” 149. Ele pode ter, em seu campo, muitaspossibilidades de aplicação, ou seja, seu fim está direcionado, tanto para a Igreja, quantopara o mundo. O Concílio Vaticano II assegura: Como participantes do múnus de Cristo sacerdote, profeta e rei, os leigos participam ativamente na vida e na ação da Igreja. No interior das comunidades da Igreja, sua ação é tão necessária que sem ela o próprio144 “O supremo e eterno Sacerdote Jesus Cristo quer continuar seu testemunho e seu serviço tambématravés dos leigos” (id., ibid., 34).145 “Cristo, o grande profeta que proclamou o Reino do Pai, quer pelo testemunho da vida, quer pela forçada palavra, continuamente exerce seu múnus profético até à plena manifestação da Glória. Ele o faz, nãosó através da hierarquia que ensina em seu nome e com seu poder, mas também através dos leigos” ( id.,ibid., 34).146 “Cristo feito obediente até à morte, e por isso exaltado pelo Pai, entrou na glória do seu Reino. A Eletodas as coisas estão sujeitas, até que submeta todas as criaturas ao Pai, para que Deus seja tudo em todos.Comunicou esse poder aos discípulos, para que também eles sejam constituídos na liberdade régia e porsua abnegação e vida santa vençam em si mesmos o Reino do pecado. Mais ainda, servindo a Cristotambém nos outros, com paciência e humildade, conduzam seus irmãos ao Rei, ao qual servir é reinar.Também através dos fiéis leigos o Senhor quer dilatar seu Reino, Reino de verdade e vida, Reino desantidade e graça, Reino de justiça, amor e paz” (id., ibid., 36).147 CfL 23.148 FORTE, B. op. cit., p. 47.149 ILLANES, op. cit., p.181.
  28. 28. 46 apostolado dos pastores não poderia, muitas vezes, alcançar o seu pleno efeito150. Outro lugar da atuação do apostolado leigo é na família, onde, como auxiliaresde Deus, na promoção do Reino, educam seus filhos na fé, tornando-os cidadãos debem, para a construção de uma sociedade capaz de se tornar cada vez mais fraterna ejusta. É nesse sentido que o bom resultado da educação faz efeito no mundo. Oscônjuges cristãos constituem um para o outro, para os filhos e demais familiares,cooperadores da graça e testemunhas da fé. Para os filhos, são eles os primeirosanunciadores e educadores da fé. Formam-nos para a vida cristã e apostólica pelapalavra e pelo exemplo151. “A chamada não diz respeito apenas aos pastores, aos sacerdotes, aos religiosose religiosas, mas estende-se aos fies leigos: também os fiéis leigos são pessoalmentechamados pelo Senhor, de quem recebem uma missão para a Igreja e para o mundo”152. O fim último do apostolado leigo no mundo não pode ser o de substituição aossacerdotes, mas o de auxílio aos sacerdotes e à Igreja, um compromisso com oEvangelho. O Batismo nos torna missionários. Isso quer dizer que a missão não estáreservada a nenhum grupo especial. É, sim, compromisso de todos, e as necessidades,que o mundo oferece, têm que ser vistas por todos; e ninguém está dispensado dessastarefas. São palavras de João Paulo II: As imagens evangélicas do sal, da luz e do fermento, embora se refiram indistintamente a todos os discípulos de Jesus, têm uma específica aplicação nos fiéis leigos. São imagens maravilhosamente significativas, porque falam, não só da inserção profunda e da participação plena dos fiéis leigos na terra, no mundo, na comunidade humana, mas também, e sobretudo, da novidade e da originalidade de uma inserção e de uma participação destinadas à difusão do Evangelho que salva153.150 AA 10.151 Id., ibid., 11.152 CfL 2.153 CfL 15.
  29. 29. 47 Tendo a compreensão clara do papel que cada um tem de desempenhar diante doque o mundo oferece, fica mais explícito que o leigo não é alguém que vive fora darealidade vivida dentro da sociedade. É alguém que pertence ao grupo que devetrabalhar pelo bem comum, e deve ter consciência da sua participação como membro deCristo. Por isso, deve trabalhar para que o Reino de Deus possa ser construído epercebido por todos. É bom destacar que o leigo sempre esteve ligado de alguma forma à açãoevangelizadora da Igreja. No decorrer da história, as funções vão se definindo, e suatarefa vai se tornando cada vez mais clara. Nos tempos atuais, o vasto campo social urgea necessidade e a presença dele. A Igreja não pode dar-se ao luxo de dispensar esseserviço, pois isso a levaria a conseqüências trágicas, por falta de pessoas para ajudar naobra da redenção. Afirma Illanes: “A secularidade da Igreja, sua responsabilidade oumissão no mundo, não consiste, pois, em contribuir a umas finalidades do mundo,alheias às que a ela mesma são próprias, senão em manifestar aos homens a dimensãoprofunda do valor radical”154. É preciso qualificar a ação laical como essencial para o dinamismo da Igreja.Não é possível apenas o clero dar conta das incontáveis tarefas que envolvem o dia-a-dia das comunidades eclesiais. O povo de Deus é sedento do Evangelho, e há aindamuitos que nem o conhecem. Portanto, o mundo é um excelente lugar para a realizaçãoda missão. Para especificar a ligação do fiel leigo à Igreja, Urbano Zilles considera oseguinte: Reparar só na missão específica dos leigos, esquecendo a sua simultânea condição de fiéis, seria tão absurdo como imaginar um ramo verde e florido que não pertencesse a nenhuma árvore. Esquecer-se do que é específico, próprio e peculiar dos leigos, ou não compreender suficientemente as características destas atividades apostólicas seculares e o seu valor eclesial seria como reduzir a frondosa árvore da Igreja à monstruosa condição de puro tronco155. Mesmo reconhecendo a necessidade dessa ligação, conforme vimos na citaçãoanterior, entre o fiel leigo e a sua Igreja e Cristo, aludida pelo autor, ao referir-se ao154 ILLANES, op. cit., p.132.155 ZILLES, U. Quem é o leigo na Igreja? qual sua missão? Teocomunicação, Porto Alegre, n. 72, p. 25,1986/2, p. 25.
  30. 30. 48puro tronco, ao invés de uma árvore com seus ramos, não podemos deixar de lembrarque nem sempre foi assim. Assim, sobre essa matéria o documento de Puebla afirma: É no mundo que o leigo encontra seu campo específico de ação. Pelo testemunho de sua vida, por sua palavra oportuna e sua ação concreta, o leigo tem a responsabilidade de ordenar as realidades temporais para pô-las a serviço da instauração do Reino de Deus156. E no Documento de Santo Domingo, expondo sobre a importância e o lugar doleigo, lemos: Que todos os leigos sejam protagonistas da Nova Evangelização, da Promoção Humana e da Cultura Cristã. É necessária a constante promoção do laicato, livre de todo clericalismo e sem redução ao intra- eclesial. Que os batizados não-Evangelizados sejam os principais destinatários da Nova Evangelização. Esta só será efetivamente levada a cabo, se os leigos, conscientes de seu batismo, responderem ao chamado de Cristo a quem se convertem em protagonistas da Nova Evangelização. No marco da comunhão eclesial, urge um esforço de favorecer a busca de santidade dos leigos e o exercício de sua missão 157. Mesmo diante das dificuldades, o leigo não pode furtar-se à suaresponsabilidade. É urgente que no mundo desempenhe seu papel como evangelizador.A Igreja o chama para essa missão, e bem se sabe que de fato seu papel é de capitalimportância. Sobre a finalidade do apostolado leigo, para Raimondo Spiazzi, há dois tipos deconcepções. Em primeiro lugar, as concepções falsas: Do quanto se tem dito até aqui, pode-se também deduzir quais são os fins e os trabalhos essenciais do apostolado dos seculares na Igreja. É uma concepção falsa a que os converte simplesmente em substitutos dos sacerdotes, onde e porque estes faltam. A ocasião para o desdobramento e para a organização do apostolado dos seculares pode ter se dado, em tempos modernos, o feito da carência de sacerdotes, ou mais, a impossibilidade de estes atuar em muitos ambientes impossíveis de se penetrar; porém,156 DP 789.157 DSD 97.
  31. 31. 49 uma coisa é a ocasião de um movimento ou uma instituição, e outra é sua razão formal 158 . Em segundo lugar, as concepções verdadeiras: Pode-se talvez dizer que é nota específica da ação dos seculares, no plano propriamente apostólico, no que atuam como auxiliares da hierarquia, ex officio, levar a verdade e a vida da Igreja àqueles afastados material e espiritualmente, que não são acessíveis ao sacerdote. Em se tratando de indivíduos ou famílias, ou de ambientes ou setores da cultura, da vida social, profissional, política, etc., os seculares podem falar aqui melhor que os sacerdotes, porque estão em seu próprio campo, onde vivem diariamente em contato com os homens que, sendo vizinhos seus nesses campos, não o são na fé, e na vida cristã, a eles toca trazê-los para os caminhos de Cristo, seja com o testemunho de sua vida, seja com a palavra e a obra posta no momento oportuno 159. Enviado no meio do mundo, impulsionado pela força do Espírito Santo, o cristãoleigo vive sua própria identidade, não dividida em termos de contraposições como cleroversus laicato. Tal serviço prestado pelo leigo à Igreja e ao mundo é, na verdade, umanecessidade para si mesmo. Afinal, importa que ele possa merecer ser contado entre oscolaboradores de Jesus na missão160, no trabalho, na dedicação, e assim colher os frutosda salvação.2.8 A formação do leigo No pensamento de João Paulo II, fica evidente que a formação do fiel cristãoleigo é algo primordial, não só no sentido permanente, mas também em suaintegralidade. Somente dessa forma é possível viver uma vida na unidade com Deus ecom a Igreja, na vida de fé. Igreja requer muito mais do que simples informações.Requer adesão e conhecimento. É o lugar onde se gera vida, com a própria vida: Ao descobrir e viver a própria vocação e missão, os fiéis leigos devem ser formados para aquela unidade, de que está assinalada a sua própria situação de membros da Igreja e de cidadãos da sociedade humana. Não pode haver na sua existência duas vidas paralelas: por um lado, a vida158 SPIAZZI, R. El laicado en la Iglesia. Barcelona: Herder, 1961, p. 88.159 Id., ibid., p. 89.160 “E ninguém contradiga que Jesus Cristo é conservador da Igreja dos homens. Por que não por falta deforça, senão pela grandeza de sua bondade, quer ele que também da nossa parte coloquemos algumtrabalho para obter e alcançar os frutos da salvação que ele por seu mérito adquiriu” (DENZINGER, op.cit., n. 1936c).
  32. 32. 50 chamada ‘espiritual’, com os seus valores e exigências. E por outro, a chamada vida ‘secular’, ou seja, a vida da família, do trabalho, das relações sociais, do empenho político e da cultura. A vida, incorporada na videira que é Cristo, dá os seus frutos em todos os ramos da atividade e da existência. Pois os vários campos da vida laical entram todos no desígnio de Deus, que os quer como o ‘lugar histórico’, em que se realiza a caridade de Jesus Cristo para glória do Pai e a serviço dos irmãos161. João Paulo II adverte para a importância da formação dos fiéis leigos Esta é,sem dúvida, uma forma, não só de dar frutos, mas de dar bons frutos. Uma vocaçãoleiga que não amadurece na formação terá que contar apenas com o que a vida oferecer,como sobra do que já não serve mais. Ademais, também é notório que, em todas asatividades, em todas as áreas de atuação da humanidade, cada dia é necessário mais emais conhecimento, num progressivo processo de amadurecimento e aperfeiçoamento.Na reflexão de João Paulo II, a imagem evangélica da videira e dos ramos mostra-nos um outro aspeto fundamental da vida e da missão dos fiéis leigos: a chamada para crescer, amadurecer continuamente, dar cada vez mais fruto. Como diligente agricultor, o Pai cuida da sua vinha. A presença carinhosa de Deus é ardentemente invocada por Israel, que assim reza: ‘Voltai, Deus dos exércitos, olhai do Céu e vede e visitai esta vinha, protegei a cepa que a vossa mão direita plantou, o rebento que cultivastes’(Sl 80,15-16). O próprio Jesus fala da obra do Pai: ‘Eu sou a verdadeira videira e o meu Pai é o agricultor’162. João Paulo II diz:: “Como a ação educativa humana está intimamente ligada àpaternidade e à maternidade, assim a formação cristã encontra a sua raiz e força emDeus, o Pai que ama e que educa os seus filhos. Sim, Deus é o primeiro e o grandeeducador do seu povo”163. Ao analisar os aspectos da formação, João Paulo II especifica-os:161 CfL 59.162 Id., ibid., 57.163 Id., ibid., 61.
  33. 33. 51 Em primeiro lugar, a formação espiritual164: neste ponto, é abordado o assunto demodo a considerar a importância dada à formação espiritual daqueles que são chamadosa fazerem parte da missão de Cristo. Isso porque a vida espiritual bem desenvolvida decada um se torna indispensável para a caminhada missionária. Em segundo lugar, a formação doutrinal 165: não diferente da formação espiritual,a doutrinal também se faz urgente, pois o conhecimento e a clareza no anúncio tornammais compreensíveis os conteúdos da fé. Em terceiro lugar, a formação integral 166: aqui, é onde se torna possível que oindivíduo adquira a consciência de ser um membro especial de Cristo, ele é um filho deDeus, que deve ter uma boa consciência social, imbuída de valores éticos e morais. Há uma constante preocupação, por parte da Igreja, no tocante à promoção doleigo no seu seio. Contam muito as inúmeras tarefas num contexto de gigantescasdemografias, em que anunciar a boa noticia, propagar o reino, é, sem dúvida, um164 “Não há dúvida de que a formação espiritual deve ocupar um lugar privilegiado na vida de cada um,chamado a crescer incessantemente na intimidade com Jesus Cristo, na conformidade com a vontade doPai, na dedicação aos irmãos, na caridade e na justiça. Escreve o Concílio: ‘Esta vida de íntima união comCristo alimenta-se na Igreja com as ajudas espirituais que são comuns a todos os fiéis, sobretudo aparticipação ativa na sagrada liturgia, e os leigos devem socorrer-se dessas ajudas, de modo que, aocumprir com retidão os próprios deveres do mundo, nas condições normais da vida, não separem daprópria vida a união com Cristo, mas, desempenhando a própria atividade segundo a vontade de Deus,cresçam nela” (id., ibid., 60).165 “A formação doutrinal dos fiéis leigos mostra-se hoje cada vez mais urgente, não só pelo naturaldinamismo de aprofundar a sua fé, mas também pela exigência de ‘racionalizar a esperança’ que estádentro deles, perante o mundo e os seus problemas graves e complexos. Tornam-se, desse modo,absolutamente necessárias uma sistemática ação de catequese, a dar-se gratuitamente, conforme a idade eas várias situações da vida, e uma mais decidida promoção cristã da cultura, como resposta às eternasinterrogações que atormentam o homem e a sociedade de hoje. Em particular, sobretudo para os fiéisleigos, de várias formas empenhados no campo social e político, é absolutamente indispensável umaconsciência mais exata da doutrina social da Igreja, como repetidamente os Padres sinodaisrecomendaram nas suas intervenções. Falando da participação política dos fiéis leigos, assim seexprimiam: ‘Para que os leigos possam realizar ativamente este nobre propósito na política (isto é,propósito de fazer reconhecer e estimar os valores humanos e cristãos), não são suficientes as exortações;é preciso dar-lhes a devida formação da consciência social, sobretudo acerca da doutrina social da Igreja,a qual contém os princípios de reflexão, os critérios de julgar e as diretivas práticas” (cf. Congregaçãopara a Doutrina da Fé, Instrução sobre liberdade cristã e libertação, 72) (id., ibid., 60).166 “No contexto da formação integral e unitária dos fiéis leigos, é particularmente significativo, para asua ação missionária e apostólica, o crescimento pessoal no campo dos valores humanos. Precisamentenesse sentido, o Concílio escreveu: ‘(os leigos) tenham também em grande conta a competênciaprofissional, o sentido da família, o sentido cívico e as virtudes próprias da convivência social, como ahonradez, o espírito de justiça, a sinceridade, a amabilidade, a fortaleza de ânimo, sem as quais nemsequer se pode dar uma vida cristã autêntica’, Ao amadurecer a síntese orgânica da sua vida, que,simultaneamente, é expressão da unidade do seu ser e condição para o cumprimento eficaz da sua missão,os fiéis leigos serão interiormente conduzidos e animados pelo Espírito Santo, que é Espírito de unidade ede plenitude de vida” (id., ibid., 60).
  34. 34. 52trabalho que exige dedicação e fidelidade e, mais ainda, um número muito grande depessoas. O número limitado de ministros ordenados não seria suficiente para atender asnecessidades do povo de Deus. No âmbito da pastoral, para atingir, com eficiência, o povo de Deus, é necessáriauma formação de qualidade dos agentes. E nos dias atuais, muitos leigos exercemimportantes funções para a vida da Igreja. Eles necessitam formação especial. Os desafios modernos trazem consigo exigências profundas no campo pastoral.Como os leigos não têm, de modo geral, uma formação teológica específica, cabe entãoà Igreja tomar a iniciativa de orientação, nesse sentido, e encaminhar os novos trabalhosde pastorais exercidos por leigos, com novas perspectivas e novos horizontes. Eis comose expressa a CNBB: As ‘coisas novas’ do complicado mundo atual foram analisadas sucessivamente pelo Magistério da Igreja, com rica reflexão doutrinal. Da mesma forma, a vocação e missão dos cristãos leigos na sociedade receberam lúcidos ensinamentos teológicos. Mas tais análises, reflexões e ensinamentos não são suficientes. Fazem-se necessárias novas posturas pastorais167.167 Diretrizes gerais da ação pastoral da Igreja no Brasil. – Doc. n. 45. CNBB, 266 – 272:a) “Partir da problemática dos leigos, trazida de seu próprio ambiente temporal, com maior aproximação àsua real situação, em diálogo franco e adulto com ele”.b) “Socorrer-se do indispensável trabalho de especialistas, sobretudo leigos, na reflexão teológica sobrequestões como ‘fé e modernidade’, ‘fé e ciência’, ‘fé e o mundo da tecnologia’, ‘ética social e princípioscristãos’ para uma presença no mundo contemporâneo”.c) “Criar adequados organismos de reflexão e participação. Nossos conselhos e assembléias pastorais,pensados até agora prevalentemente em função daqueles que atuam no interior da comunidade eclesial,devem estender seu alcance à missão dos leigos na sociedade”. d) “Realizar maiores investimentos, inclusive financeiros, na formação de lideranças, quer entre os‘construtores da sociedade’, quer nos meios populares, sem os quais as estruturas temporais não serãopermeáveis aos valores evangélicos”.e) “Retomar, com novo vigor de formação, a pastoral da juventude, seja dos meios populares, seja dosmeios colegiais e universitários, indispensável para a renovação da sociedade”.f) “Em síntese, cabe-nos acolher o apelo e a orientação de João Paulo II aos Bispos do Brasil, no sentidode que ‘uma prioridade importante e inadiável seja a de formar leigos’. Formar leigos significa favorecer-lhes a aquisição de verdadeira competência e habilitação no campo em que devem atuar; mas significa,sobretudo, educá-los na fé e no conhecimento da doutrina da Igreja naquele campo”.
  35. 35. 53 Quando se fala em formação, logo vem a idéia da tradicional formaçãointelectual. E, de certo, é correto pensar assim, pois o fiel leigo deve oferecer o que háde melhor; e, para isso, deve estar em constante processo de formação, não uma simplese qualquer formação, mas, sim, que seja integral, que brote do espírito. Por isso, não sedeve ter uma idéia de um leigo por compartimentos, mas de um ser humano todo, umindivíduo integral. A formação do leigo se faz necessária, pois é constante e crescente, cada vezmais, a participação ativa deste na missão da Igreja. E, diante de tantos desafios, torna-se primordial que a Igreja disponha de agentes competentes e com sólida formação,tanto espiritual como doutrinal. Cresce também a preocupação, por parte da Igreja,quanto ao tipo de atenção que vem sendo dedicada ao leigo. O Documento de Pueblalembra: À medida que cresce a participação dos leigos na vida da Igreja e na missão desta no mundo, torna-se também mais urgente a necessidade de sua sólida formação humana em geral, formação doutrinal, social, apostólica. Os leigos têm o direito de recebê-la primordialmente em seus próprios movimentos e associações, mas também em institutos adequados e no contato com seus pastores168. Manter um compromisso com a formação dos leigos é um dos grandespropósitos da Igreja, e tem sido assunto de pauta nos grandes Encontros de Bispos,demonstrando que de fato a linha a ser seguida é a mesma da orientação do Papa JoãoPaulo II. As grandes Conferências deram acento a esse tema, confirmando opensamento do Papa, como mostra Santo Domingo: Incentivar uma formação integral, gradual e permanente dos leigos mediante organismos que facilitem ‘a formação de formadores’’ e programem cursos e escolas diocesanas e nacionais, dispensando particular atenção à formação dos pobres (cf. ChL 63). Os pastores procuraremos, como objetivo pastoral imediato, fomentar a preparação de leigos que se sobressaiam no campo da educação, da política, dos meios de comunicação social, da cultura e do trabalho. Estimularemos uma pastoral específica para cada um destes campos, de maneira que os que neles estiverem presentes sintam todo o respaldo de seus pastores. (...) Tendo presente que a santidade é um chamado a todos os cristãos, os pastores procurarão os meios adequados que favoreçam aos leigos uma autêntica experiência de Deus. Incentivarão também publicações específicas de espiritualidade laical 169.168 DP 794.169 DSD 99.
  36. 36. 54

×