Império Romano e Alta idade Média, História

232 visualizações

Publicada em

Aula suave pra todo mundo se divertir

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
232
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Império Romano e Alta idade Média, História

  1. 1. Aulinha História 2.000° O Império Romano E A Alta Idade Média Pedro Artigas 1°C Fórum de Roma
  2. 2. Conteúdo Império Romano Alta Idade Média • RELACIONAR AMBOS CONTEÚDOS VAI SER ESSENCIAL PARA A PROVA; • Entender o quê significa a passagem da Idade Antiga para a Idade Média. Ano 1000, fim da Alta Idade Média
  3. 3. O Império Romano “Civilização que sintetizou todos os aspectos da Idade Antiga” Alto Império •27 a.C- 235 •Apogeu, conquistas, Pax Romana. Baixo Império • 235-476 • Crises, Invasões, decadência.
  4. 4. Alto Império Romano (27 a.C.- 235) Augusto de Prima Porta • Formação do Império 1º Triunvirato (Crasso, Pompeu e Júlio César) Morte de César (44 a.C.) 2º Triunvirato (Lépido, Marco António e Otávio) • O que mudou da República para o Império? • Poder Religioso, Militar, Judiciário, Econômico e das províncias mais importantes foi para o Augusto • Economia voltada para o comércio (exterior e interior) + Conquistas • Consolidam-se mais as fronteiras do que conquistam (ex. Adriano, construtor de várias muralhas defensivas na fronteira).
  5. 5. Alto Império Romano (27 a.C.- 235) pt.2 Mais Mudanças República para Império • Agora o poder estava em uma estrutura militarizada, já que os imperadores eram generais, em sua maioria; • Difusão da Classe Equestre (grandes comerciantes) na estrutura de poder; • Formas de lidar com as massas: • Escrava (número gigantesco) – Repressão Nível PM • Plebeia (desempregada e sem-teto) – Política do Pão e circo
  6. 6. Imagens Panem Et Circenses
  7. 7. Imperadores Icônicos- Alto Império pt.1 JúlioCésar OctávioAugusto Cláudio Nero Ditador vitalício de 44 a.C.- 44 a.C. Marca o fim da República; Maior conquistador até então; Extremamente popular. 27 a.C. – 14 d.C Expande as estradas de Roma (Via Ápia) Pax Romana; Reforma Roma (vira mármore); Pão e Circo. 41 d.C. – 54 Aquedutos; Conquista a Bretanha; Governo muito bom. 54 d.C. – 68 Incendeia Roma e culpa cristãos; Constrói a Casa Dourada aumentado imposto dos ricos; Mata a mãe.
  8. 8. Imperadores Icônicos- Alto Império pt.2Vespasiano Trajano Adriano Caracala 69-79 d.C. “Anti-nero” Constrói o Coliseu (com recursos do templo de Salomão) ESTABILIDADE governamental 98- 117 d.C. 1º imperador não italiano Senso de supremacia (construção e manutenção de estradas/ aquedutos) e banhos em cima da casa dourada O que mais estende as fronteiras do Império Novo Fórum 117- 138 d.C. Administrador de fronteiras Constrói barreiras nas fronteiras, ex: Bretanha Constrói o Panteão (o templo de todos os Deuses) com uma rotunda. 211 – 217 d.C. Faz o maior complexo de termas em Roma; Se punha acima dos deuses, mata o irmão para ascender; A partir da morte dele começa a decadência.
  9. 9. Coliseu, construído por Vespasiano e inaugurado por Tito em 80 d.C
  10. 10. Roma, no Fim do Reinado De Trajano
  11. 11. Baixo Império Romano 235-476 d.C. CRISE Os Hunos, liderados por Átila, invadem a Itália, como visualizado nessa pintura do século XIX de Ulpiano Checa (1860-1916). “ Em momentos de profundas crises, tendemos a mudar de valores”
  12. 12. Crise Econômica • Crise Escravista pela falta de expansões (que traziam os escravos) • Inflação dos escravos e dos produtos, primeiramente por causa a inflação do primeiro, que elevou o custo de produção; • A produção passou a ser feita em pequenas propriedades (vilae) aumentando ainda mais o custo da produção; • Isso levou ao colonato, modo de trabalho que substituiu a escravidão. Era um sistema de arrendamento de terra para os plebeus; • Retração da moeda devida a superinflação e quase extinção do comércio interno e externo. • Diminuição dos jogos
  13. 13. Crise Político-Cultural • A corrupção dos vários servidores públicos e dos diversos imperadores desse período diminuíram os valores e a confiança do povo no Estado; • Crescimento do cristianismo, que e enraizou nas bases do governo e moral Romana no seu final; • Naturalização de bárbaros que invadem o Império e o crescimento dos Cristãos descredibiliza o poder divino dos Augustos. • Fez com que os Imperadores projetassem seu poder no aparato militar (mas não tinham meios de bancar isso) e o exército começou exigir maiores remunerações e a aumentar ainda mais a inflação monetária. • Sem a possibilidade de manter a máquina estatal funcionando, o Império começou a descentralizar a sua administração (diarquias, divisão Império do Ocidente/Oriente, competência dos senhores para cobrar impostos) Representação da arte cristã primitiva
  14. 14. Declínio Militar • As Fronteiras Gigantescas de Roma eram muito difíceis de serem defendidas pelas constantes hordas bárbaras; • Então, os Imperadores buscam a alternativa de oferecer abrigo no território a povos bárbaros em troca de soldados; • Estes estavam fora do eixo cultural e disciplinário do Império, causando inúmeras revoltas internas vindas do corpo militar, que estava agora heterogenizado; • Revoltas que inclusive levaram a criação de estados autônomos dentro do território romano; • Essas revoltas, mais a instabilidade militar levaram a Anarquia Militar, período de 49 anos que tiveram 21 Imperadores. Destes, vários assassinados em guerras militares pelo poder. Nesse período ocorrem recuos nas fronteiras (Ex: Aureliano perde a Dácia) e intensificaram todas as crises anteriores.
  15. 15. Reino visigótico- Fundado dentro do Império antes de seu fim
  16. 16. Soluções para a crise Diocleciano: 284-305 d.C. Acaba com a Anarquia Militar e instaura a Tetrarquia Constantino como Imperador unificado: 324-337 d.C. Édito de Milão (liberdade cristã) e construção de Nova Roma (Bizâncio) Teodósio 378-395 d.C. Divisão do império (ocidental/oriental) e Édito De Tessalônica (cristianismo como religião oficial)
  17. 17. Tetrarquia de Diocleciano
  18. 18. Primeiro Concílio de Nicéia Cristograma de Constantino
  19. 19. Divisão De Teodósio 395 d.C.
  20. 20. Queda Do Império Romano Do Ocidente As crises foram se intensificando e se tornaram insustentáveis, vários povos bárbaros transitavam livremente no Império, e foram fundando vários reinos antes mesmo de Roma finalmente cair, em 476 d.C. nas mãos de Odoacro, rei Hérulo Ex: Reino dos Francos e Reino Visigótico.
  21. 21. Mas Quem eram esses Germânicos? Organizavam-se em clãs Eram Seminômades Viviam da Tradição Oral Assembleia Oral Formavam os povos confederados com Roma Passaram a invadir o território em fuga dos Hunos Viviam da caça, agricultura, criação de gado e saques Atila, o Rei dos Hunos no Sec. V d.C. Meteu o loco em todos os povos germânicos Vem da Mongólia até a Europa rasgando
  22. 22. Reinos Germânicos – Sec. VI "Para além disso, sobreviver ao líder e retirar- se do campo de batalha é uma desonra e infâmia para toda a vida“, Obra Germânia de Tácito C O M I T A T U S Em Roma, desde a época da república, terras eram distribuídas para soldados ao fim do serviço militar deste. Esta prática desenvolveu- se na relação feudal entre o Vassalo e Suserano.
  23. 23. Alta Idade Média (476-1000) Características • Fragmentação do poder; • Ruralização da sociedade; • Clericalização da sociedade; • Desenvolvimento de relações pessoais; • Monopólio da fé pela Igreja Católica; • Retração do comércio e da moeda; • Relações de Vassalagem (Comitatus) e Relações Servis (colonato)
  24. 24. O Feudalismo Mudança mais significativa, explica boa parte da Idade Média e seus meandros únicos É quase uma ANARQUIA Um sistema de organização econômica, social e política baseado nos vínculos de homem a homem, no qual uma classe de guerreiros especializados – os senhores -, subordinados uns aos outros por uma hierarquia de vínculos dependência, domina uma massa campesina que explora a terra e lhes fornece com que viver. Jacques Le Goff, A civilização do Ocidente medieval • Manso Senhorial – Castelo e campos nobres (iam para os nobres) • Manso Servil – pertencia aos servos (produto ia para os servos e nobres) • Manso Comunal – Uso comum de todos (não se para tributos)
  25. 25. Vínculos de Dependência de senhor e servo COLONATO SERVILISMO O Servo cria um vínculo de trabalho na Terra do Senhor Feudal em troca de moradia Servos pagavam DIVERSOS impostos para o senhor em sua terra, aqui seguem alguns: 1. Córveia – trabalhar 3-4 vezes por dia no manso senhorial 2. Talha – 50% do que o servo produzia no manso servil 3. Banalidades – Uso de alguma máquina que pertencia ao senhor 4. Mão Morta – Imposto para possuir a terra de um parente morto 5. Tostão de Pedro – Dízimo (que na época, parte pro senhor feudal) 6. Prima Nocte – Direito de noite de núpcias do senhor sobre as mulheres dos servos
  26. 26. Vínculos de Dependência de senhor e servo O servilismo em imagens
  27. 27. Relações de Vassalagem REI SENHOR FEUDAL SENHOR FEUDAL SENHOR FEUDAL MENOR SENHOR FEUDAL MENOR Em troca de um feudo e da proteção do senhor, o vassalo lhe garantia assistência militar, o provisionamento de cavaleiros, hospedagem, participação nos tribunais do senhor e garantia de pagamento de resgate, em caso de captura do senhor.
  28. 28. SOCIEDADE TRIPARTIDA  O PADRE REZA  O SENHOR PROTEGE  O CAMPONÊS TRABALHA • ESTAMENTAL E HIERARQUERIZADA Além do camponês existia também o Vilão (aquele que morava na vila). Este era contratado pelo senhor feudal para auxiliar na colheita, por exemplo. Estes vãos ser extremamente importantes para o Renascimento comercial do sec. X e futuramente formarão a Burguesia. Primogênia: Ideia de herança, onde o nobre só legava seus Patrimônios ao filho primogênito. Os seguintes filhos iam ou para o Clero, ou se tornavam aventureiros nas Cruzadas ou nas estradas (essa última parte se aplica a Baixa Idade Média)
  29. 29. A IGREJA CATÓLICA ROMANA • Surge como instituição durante o Império Romano. Ela possuía valores quase opostos ao Império, e acabou sobrevivendo e se aproveitando da queda de Roma em 476; • Caiu nas graças de povos germânicos por causa da: mistura cultural entre eles e os romanos, difusão do arianismo, e teoria atrativa da própria religião, PRÁTICAS DE INCORPORAÇÃO DE TRADIÇÕES PAGÃS; • Foi resolvendo questões doutrinárias durante sua existência (ex: Concílio de Nicéia). E na Alta Idade Média é contra várias práticas que acabou adotando, como a usura; • Mais pro final da Alta IM começa a interferir mais na política, fazendo medidas como a PAZ DE DEUS (989 d.C.); • MONOPÓLIO DA FÉ; • Possuía o maior exército da Europa e estabelecia uma relação com os reis que simulava a de um Estado; • Europa era unida por UMA única ideia: A crença na fé católica; CLERO SECULAR
  30. 30. Ordens Monásticas Monopólio da Educação, do Conhecimento científico, literário e outras mil coisas nessa direção CLERO REGULAR As principais ordens foram formadas em abadias, afastadas da cidade para pregar a vida do desapego. Ao longo do tempo, os monges assumiram várias funções na sociedade. • Atendiam como hospitais, angariavam os que mais possuíam conhecimento, já que eram os únicos que conseguiam ler e escrever, adquiriram quase autonomia dos reinos; • Sem essa última habilidade, vários escritos gregos não se salvariam das diversas queimadas de livros durante a história, já que os monges copistas transcreviam essas obras para a linguagem atual; • A ordem mais famosa na Alta Idade Média foi a de São Bento; • Na baixa Idade Média surgem ordens mendincantes nas cidades e se focam em combater as heresias. Iluminura medieval.
  31. 31. Mosteiro de Cluny, Borgonha (910)

×