SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Livres Defensivos
Retirado do Livro: Fútbol – Mi filosofia. Johan Cruyff, 2012.
 O mais importante é minimizar o mais possível as
possibilidades de êxito do adversário.
 Se conseguirmos organizarmo-nos bem, ter uma
boa visão da situação e muita tranquilidade,
estaremos no bom caminho. Para evitar um
adversário que faz todo o possível para nos
confundir, a sobriedade é a melhor arma. Não
devemos entrar em pânico e devemos manter os
olhos bem abertos.
 O Guarda-Redes (GR) tem de servir de exemplo
neste sentido, pois deve dar o exemplo de
liderança e quase sempre é quem dirige as
operações defensivas.As posições defensivas e a
colocação da barreira são competência sua. É ele o
“diretor”, pois é quem tem melhor visão global.
 A tranquilidade doGR significará sobretudo que se
moverá pouco. Aqui, mover-se demasiado rápido
significa mover-se demasiado tarde.
 Um bom especialista em marcar livres esperará o
momento em que o GR em movimento se dirija
para o seu lado “mau” para aplicar o truque mágico
de “apanhá-lo em contrapé”. O GR não lhe deve
dar essa oportunidade.
 Um GR tranquilo terá melhor visão da jogada e
portanto saberá antecipar melhor a direção da
bola, que pode ir ao poste curto ou ao poste longo.
Se a bola for ao poste curto, mesmo atrás da
barreira, terá tempo suficiente para reagir.
 Se o atacante lança ao poste afastado, a bola não
só percorre um trajeto mais longo, como também
o GR tem mais tempo para atuar. O GR não se deve
deixar enganar: é mediante a conservação da sua
visão geral da jogada que os fatores de risco se
reduzem consideravelmente.
 Por outro lado, um simples cálculo indica que o GR
tem entre 1 a 2 metros de ângulo morto.
Humanamente o GR apenas pode cobrir 6m da
baliza.
 A barreira deverá reduzir este problema “tirando
uns metros” à baliza.A colocação da barreira é
responsabilidade do GR. A bola bater na barreira é
revelador do bom trabalho do GR.
 Algo que nunca deveria ocorrer, e que no entanto é
usual, é que a barreira se mova. Nove em cada 10
vezes a bola passa pela barreira, seja porque os
jogadores saem da barreira ou porque avançam
alguns passos em direção da bola tapando a cara.
Em nenhum dos casos conseguem ver a bola.
 No entanto, mesmo que se forme a barreira
perfeita, pode ocorrer que façam golo. Nesse caso
só nos restará aplaudir.A marcação perfeita de
livres é imparável.
 No entanto, para a parte defensiva existem várias
opções para inverter os papéis e confundir a parte
ofensiva. Para isso há que sair dos modelos
standard…
1
Nesta opção, coloca-se a barreira do mesmo lado que o GR deseja “cobrir”. Serão
necessários entre 4 e 5 jogadores na barreira. Outro jogador ficará a 2 metros da
barreira. Se a bola for pelo lado exterior desse jogador, significa que sairá ao lado da
baliza. Se a bola “apanhar” efeito, baterá neste jogador. Se a bola não for por cima da
barreira, nem por cima do jogador, e se passa no espaço entre ambos, o GR não deverá
ter problemas para interceptá-la.
3452
6
1
0
1
Não sou um grande defensor da barreira. Se eu fosse GR, colocaria 2 jogadores a cobrir
o poste esquerdo e outros 2 a cobrir o poste direito, e ocuparia eu o espaço central para
proteger os meus 6 metros. Assim poderia ver sempre a bola, coisa que não acontece
com uma barreira convencional. Seria um verdadeiro combate entre atacante e GR.
34 52
1
0
 ComoTreinador nunca imporia estas regras ao GR.
CadaGR deve escolher a proteção para a sua baliza
com a qual se sinta mais cómodo. Cada variante
escolhida tem os seus prós e contras (a menos,
claro, que o GR sofra muitos golos com as suas
escolhas). Se isso ocorrer, o GR deveria mudar de
variante.
 Em relação aos jovens é melhor deixá-los
tranquilos. Devemos deixar que pensem em todas
as possibilidades que lhes ocorram.
 Por exemplo, em colocar os companheiros mais
altos nos extremos de fora da barreira, porque
protegem os postes. É uma maneira de diminuir as
vantagens que possam ter os atacantes.
 Resumo das principais tarefas do GR:
1. Deixar que a barreira se coloque até que esteja a seu gosto;
2. Procurar uma posição em que possa ter contato visual com o
marcador;
3. Conservar a visão global e a serenidade. Mover-se, portanto, o
mínimo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alemanha vs Portugal - Análise completa da Alemanha
Alemanha vs Portugal - Análise completa da AlemanhaAlemanha vs Portugal - Análise completa da Alemanha
Alemanha vs Portugal - Análise completa da AlemanhaValter Correia
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoFundação Real Madrid
 
FC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaFC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaRicardo Luiz Pace
 
Handebol Defesa Individual
Handebol Defesa IndividualHandebol Defesa Individual
Handebol Defesa Individualpathylinda
 
Posicionamento Defensivo #2
Posicionamento Defensivo #2Posicionamento Defensivo #2
Posicionamento Defensivo #2Telmo Silva
 
Posicionamento Defensivo #1
Posicionamento Defensivo #1Posicionamento Defensivo #1
Posicionamento Defensivo #1Telmo Silva
 
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de JogoFC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de JogoRenato Moreira
 
8 ano fundamentos volei
8 ano fundamentos volei8 ano fundamentos volei
8 ano fundamentos voleiLuciana Santos
 
Breve análise ao everton
Breve análise ao evertonBreve análise ao everton
Breve análise ao evertonValter Correia
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolBalonmano
 
Análise ao AS Mónaco
Análise ao AS Mónaco Análise ao AS Mónaco
Análise ao AS Mónaco Diogo Alves
 
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga EuropaAnálise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga EuropaTacticZone
 

Mais procurados (20)

Alemanha vs Portugal - Análise completa da Alemanha
Alemanha vs Portugal - Análise completa da AlemanhaAlemanha vs Portugal - Análise completa da Alemanha
Alemanha vs Portugal - Análise completa da Alemanha
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
 
FC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaFC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensiva
 
Handebol Defesa Individual
Handebol Defesa IndividualHandebol Defesa Individual
Handebol Defesa Individual
 
Posicionamento Defensivo #2
Posicionamento Defensivo #2Posicionamento Defensivo #2
Posicionamento Defensivo #2
 
Posicionamento Defensivo #1
Posicionamento Defensivo #1Posicionamento Defensivo #1
Posicionamento Defensivo #1
 
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de JogoFC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
 
8 ano fundamentos volei
8 ano fundamentos volei8 ano fundamentos volei
8 ano fundamentos volei
 
Breve análise ao everton
Breve análise ao evertonBreve análise ao everton
Breve análise ao everton
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebol
 
Jornadas tecnicas
Jornadas tecnicasJornadas tecnicas
Jornadas tecnicas
 
Andebol - Nível Introdução
Andebol - Nível IntroduçãoAndebol - Nível Introdução
Andebol - Nível Introdução
 
EAS
EASEAS
EAS
 
Análise ao AS Mónaco
Análise ao AS Mónaco Análise ao AS Mónaco
Análise ao AS Mónaco
 
Ef.
Ef.Ef.
Ef.
 
Sistemas táticos
Sistemas táticosSistemas táticos
Sistemas táticos
 
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga EuropaAnálise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
Análise ao Fenerbahçe - adversário do SL Benfica na meia final da Liga Europa
 
SC Braga
SC BragaSC Braga
SC Braga
 
Relatorio scp vs fcp jun c
Relatorio scp vs fcp   jun cRelatorio scp vs fcp   jun c
Relatorio scp vs fcp jun c
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 

Destaque

Holanda mundial brasil 2014
Holanda mundial brasil 2014Holanda mundial brasil 2014
Holanda mundial brasil 2014Futbol_Ofensivo
 
Análisis de la_selección_alemana
Análisis de la_selección_alemanaAnálisis de la_selección_alemana
Análisis de la_selección_alemanaFutbol_Ofensivo
 
Informe australia modificado en el mundial
Informe australia modificado en el mundialInforme australia modificado en el mundial
Informe australia modificado en el mundialFutbol_Ofensivo
 
Proyectosarmientointegral
ProyectosarmientointegralProyectosarmientointegral
ProyectosarmientointegralFutbol_Ofensivo
 
K1 j garganta-ssebastián oij 2013
K1 j garganta-ssebastián oij 2013K1 j garganta-ssebastián oij 2013
K1 j garganta-ssebastián oij 2013Futbol_Ofensivo
 
Apresentacao do power point
Apresentacao do power pointApresentacao do power point
Apresentacao do power pointFutbol_Ofensivo
 
Análisis de los ciclos del juego en el barca ii
Análisis de los ciclos del juego en el barca iiAnálisis de los ciclos del juego en el barca ii
Análisis de los ciclos del juego en el barca iiFutbol_Ofensivo
 
Análisis del real madrid
Análisis del real madridAnálisis del real madrid
Análisis del real madridFutbol_Ofensivo
 
La operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbol
La operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbolLa operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbol
La operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbolFutbol_Ofensivo
 
Miguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbol
Miguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbolMiguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbol
Miguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbolFutbol_Ofensivo
 

Destaque (20)

Holanda mundial brasil 2014
Holanda mundial brasil 2014Holanda mundial brasil 2014
Holanda mundial brasil 2014
 
Análisis de la_selección_alemana
Análisis de la_selección_alemanaAnálisis de la_selección_alemana
Análisis de la_selección_alemana
 
Ataque directo videos
Ataque directo videosAtaque directo videos
Ataque directo videos
 
Estilos de entrenador
Estilos de entrenadorEstilos de entrenador
Estilos de entrenador
 
Informe australia modificado en el mundial
Informe australia modificado en el mundialInforme australia modificado en el mundial
Informe australia modificado en el mundial
 
Proyectosarmientointegral
ProyectosarmientointegralProyectosarmientointegral
Proyectosarmientointegral
 
K1 j garganta-ssebastián oij 2013
K1 j garganta-ssebastián oij 2013K1 j garganta-ssebastián oij 2013
K1 j garganta-ssebastián oij 2013
 
Llopis
LlopisLlopis
Llopis
 
Apresentacao do power point
Apresentacao do power pointApresentacao do power point
Apresentacao do power point
 
Análisis de los ciclos del juego en el barca ii
Análisis de los ciclos del juego en el barca iiAnálisis de los ciclos del juego en el barca ii
Análisis de los ciclos del juego en el barca ii
 
Análisis del real madrid
Análisis del real madridAnálisis del real madrid
Análisis del real madrid
 
La operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbol
La operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbolLa operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbol
La operacionalización de la organización del juego en un equipo de fútbol
 
Miguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbol
Miguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbolMiguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbol
Miguel morilla, la preparación psicológica del entrenador de fútbol
 
Pdf
PdfPdf
Pdf
 
Johan CRUYFF - Cantos Ofensivos
Johan CRUYFF - Cantos OfensivosJohan CRUYFF - Cantos Ofensivos
Johan CRUYFF - Cantos Ofensivos
 
O Treinamento no Futebol Profissional
O Treinamento no Futebol ProfissionalO Treinamento no Futebol Profissional
O Treinamento no Futebol Profissional
 
Sistema 1-5-4-1
Sistema 1-5-4-1Sistema 1-5-4-1
Sistema 1-5-4-1
 
Chile
Chile Chile
Chile
 
Trabajo atletico
Trabajo atleticoTrabajo atletico
Trabajo atletico
 
Corte
CorteCorte
Corte
 

Mais de Fundação Real Madrid

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraFundação Real Madrid
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorFundação Real Madrid
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013Fundação Real Madrid
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolFundação Real Madrid
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaFundação Real Madrid
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoFundação Real Madrid
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalFundação Real Madrid
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Fundação Real Madrid
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoFundação Real Madrid
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretFundação Real Madrid
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentFundação Real Madrid
 

Mais de Fundação Real Madrid (20)

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
 
Club Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth DevelopmentClub Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth Development
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização Convencional
 
New Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development FrameworkNew Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development Framework
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
 
FUNino: Horst Wein
FUNino: Horst WeinFUNino: Horst Wein
FUNino: Horst Wein
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o Jogo
 
The FA: Tesco Skills 5-11's
The FA:  Tesco Skills 5-11'sThe FA:  Tesco Skills 5-11's
The FA: Tesco Skills 5-11's
 
LIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training DrillsLIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training Drills
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent Development
 
DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme
 
Belgium Youth Development
Belgium Youth DevelopmentBelgium Youth Development
Belgium Youth Development
 

Técnicas defensivas de livres segundo Johan Cruyff

  • 1. Livres Defensivos Retirado do Livro: Fútbol – Mi filosofia. Johan Cruyff, 2012.
  • 2.  O mais importante é minimizar o mais possível as possibilidades de êxito do adversário.  Se conseguirmos organizarmo-nos bem, ter uma boa visão da situação e muita tranquilidade, estaremos no bom caminho. Para evitar um adversário que faz todo o possível para nos confundir, a sobriedade é a melhor arma. Não devemos entrar em pânico e devemos manter os olhos bem abertos.
  • 3.  O Guarda-Redes (GR) tem de servir de exemplo neste sentido, pois deve dar o exemplo de liderança e quase sempre é quem dirige as operações defensivas.As posições defensivas e a colocação da barreira são competência sua. É ele o “diretor”, pois é quem tem melhor visão global.  A tranquilidade doGR significará sobretudo que se moverá pouco. Aqui, mover-se demasiado rápido significa mover-se demasiado tarde.
  • 4.  Um bom especialista em marcar livres esperará o momento em que o GR em movimento se dirija para o seu lado “mau” para aplicar o truque mágico de “apanhá-lo em contrapé”. O GR não lhe deve dar essa oportunidade.  Um GR tranquilo terá melhor visão da jogada e portanto saberá antecipar melhor a direção da bola, que pode ir ao poste curto ou ao poste longo. Se a bola for ao poste curto, mesmo atrás da barreira, terá tempo suficiente para reagir.
  • 5.  Se o atacante lança ao poste afastado, a bola não só percorre um trajeto mais longo, como também o GR tem mais tempo para atuar. O GR não se deve deixar enganar: é mediante a conservação da sua visão geral da jogada que os fatores de risco se reduzem consideravelmente.  Por outro lado, um simples cálculo indica que o GR tem entre 1 a 2 metros de ângulo morto. Humanamente o GR apenas pode cobrir 6m da baliza.
  • 6.  A barreira deverá reduzir este problema “tirando uns metros” à baliza.A colocação da barreira é responsabilidade do GR. A bola bater na barreira é revelador do bom trabalho do GR.  Algo que nunca deveria ocorrer, e que no entanto é usual, é que a barreira se mova. Nove em cada 10 vezes a bola passa pela barreira, seja porque os jogadores saem da barreira ou porque avançam alguns passos em direção da bola tapando a cara. Em nenhum dos casos conseguem ver a bola.
  • 7.  No entanto, mesmo que se forme a barreira perfeita, pode ocorrer que façam golo. Nesse caso só nos restará aplaudir.A marcação perfeita de livres é imparável.  No entanto, para a parte defensiva existem várias opções para inverter os papéis e confundir a parte ofensiva. Para isso há que sair dos modelos standard…
  • 8. 1 Nesta opção, coloca-se a barreira do mesmo lado que o GR deseja “cobrir”. Serão necessários entre 4 e 5 jogadores na barreira. Outro jogador ficará a 2 metros da barreira. Se a bola for pelo lado exterior desse jogador, significa que sairá ao lado da baliza. Se a bola “apanhar” efeito, baterá neste jogador. Se a bola não for por cima da barreira, nem por cima do jogador, e se passa no espaço entre ambos, o GR não deverá ter problemas para interceptá-la. 3452 6 1 0
  • 9. 1 Não sou um grande defensor da barreira. Se eu fosse GR, colocaria 2 jogadores a cobrir o poste esquerdo e outros 2 a cobrir o poste direito, e ocuparia eu o espaço central para proteger os meus 6 metros. Assim poderia ver sempre a bola, coisa que não acontece com uma barreira convencional. Seria um verdadeiro combate entre atacante e GR. 34 52 1 0
  • 10.  ComoTreinador nunca imporia estas regras ao GR. CadaGR deve escolher a proteção para a sua baliza com a qual se sinta mais cómodo. Cada variante escolhida tem os seus prós e contras (a menos, claro, que o GR sofra muitos golos com as suas escolhas). Se isso ocorrer, o GR deveria mudar de variante.  Em relação aos jovens é melhor deixá-los tranquilos. Devemos deixar que pensem em todas as possibilidades que lhes ocorram.
  • 11.  Por exemplo, em colocar os companheiros mais altos nos extremos de fora da barreira, porque protegem os postes. É uma maneira de diminuir as vantagens que possam ter os atacantes.  Resumo das principais tarefas do GR: 1. Deixar que a barreira se coloque até que esteja a seu gosto; 2. Procurar uma posição em que possa ter contato visual com o marcador; 3. Conservar a visão global e a serenidade. Mover-se, portanto, o mínimo.