Geopolítica do Petróleo      Alexandre Szklo           2007                        1
Projeções da Matriz Energética  Primária no Mundo: WorldEnergy Outlook 2006 (IEA, 2007)                       2
Projeções da Matriz Energética  Primária no Mundo: WorldEnergy Outlook 2006 (IEA, 2007)                       3
Projeções da Matriz Energética  Primária no Mundo: WorldEnergy Outlook 2006 (IEA, 2007)                       4
Nem todas as opções que contribuem para o aumento da segurançaenergética têm baixos níveis de emissões de CO2...          ...
“Por que os preços do petróleo estão                 subindo?”Explicações Usuais:1. O Espectro da Penúria no Lado da Ofert...
“O Espectro da Penúria no Lado da Oferta”      Mas, se o atual patamar de preço reflete      uma perspectiva de escassez d...
“O Espectro da Penúria no Lado da Oferta”                                 8
Desafios e Incertezas que Podem Afetar a Expansão de Produção Canadense -                  GN“a future barrel of in situ p...
“O Espectro da Penúria no Lado da Oferta”                                 10
11
“Geopolítica Dura”A capacidade ociosa de produção da OPEPpassou de cerca de 7 Mbpd (jan 2002) para 1,5Mbpd (jan 2005).É ve...
É a OPEP vulnerável às oscilações de preço e tamanho              de mercado do petróleo?50,0%45,0%40,0%                  ...
14
15
16
“Gargalo do refino”                         Preço dos                          derivados                         leves sob...
Quais serão as                                                                                                            ...
Demanda Especulativa por PetróleoA OPEP, por exemplo, estimou em US$ 15/b o prêmionos preços associado aos movimentos espe...
O Novo Patamar de Demanda por Petróleo                               20
O Novo Patamar de Demanda por PetróleoO truísmo de que o crescimento da demanda é tão grandeque a expansão da oferta não o...
INCERTEZAS E CAOS 1. Demanda: CHINA e crescimento econômico mundial 2. Oferta:       E&P, Iraque, Oriente Médio, óleo não ...
23
24
(bi US$)                        2004 2005 %                                                (2005/2004)      Recompra de aç...
Obrigadoszklo@ppe.ufrj.br                    26
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arqui3

207 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
207
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Geopolítica dura: após um período em que o balanceamento de oferta e demanda era fruto, sobretudo, da dinâmica de mercado, com o petróleo sendo visto como “uma commodity como outra qualquer”, os aspectos geopolíticos da oferta estariam retomando sua relevância na determinação dos preços; i.e., a OPEP estaria retomando seu poder discricionário sobre o mercado de petróleo. Nessa visão, tal retorno à geopolítica dura seria explicado pelos seguintes condicionantes: i) recrudescimento da demanda por petróleo (EUA, China e Índia, principalmente); ii) maturidade e/ou declínio de produção de petróleo de bacias sedimentares fora da OPEP, sobretudo o Mar do Norte, o que aumenta a dependência do mercado à provisão da oferta marginal de petróleo pela OPEP; iii) a realinhamento político-estratégico dos países da OPEP a partir de 2000 (formalizado pelo desenvolvimento do mecanismo de bandas de preços para a cesta OPEP). O objetivo desse mecanismo era manter os preços do petróleo, melhor, da cesta de referência da OPEP (ORB), no intervalo de US$ 22-28/b [1] . O estabelecimento de quotas de produção de petróleo pela OPEP para seus países-membro passou, então, a ser orientado por esse objetivo; inicialmente, de modo automático (após 10 dias abaixo do piso ou 20 dias acima do teto, as quotas seriam, respectivamente, reduzidas ou aumentadas a fim de convergirem para os valores da banda), e, posteriormente, de maneira discricionária (OPEC, 2003). Tal intervalo não foi determinado ao acaso. [1] A ORB (OPEC Reference Basket) era originalmente composta por 7 tipos de óleo: Saharan Blend (44  API), Bonny Light (37  API), Dubai (32  API), Minas (34  API), Arabian Light (34  API), Tia Juana Light (32  API) e Isthmus (33  API) – este último, um óleo mexicano, i.e. Não-OPEP). Em 16/06/2005, passou a ser composta por 11 tipos de óleo, mais representativos dos países-membro, tornando-se mais pesada (32,7º contra 34,6 º API) e com maior teor de enxofre (1,77% contra 1,44%). Reserva de valor: com a crise da “nova economia”, simbolizada no forte ajuste da NASDAQ em 2000, os investidores de mercado de capitais passaram a buscar outras alternativas financeiras para aplicar seus recursos. Assim, tais investidores aumentaram suas operações no mercado de futuro de petróleo e derivados, buscando auferir ganhos financeiros, sobretudo em transações de curto prazo (normalmente, esses mercados são utilizados de forma defensiva, hedge de operações comerciais, e não como alternativas de investimento – todavia, hedge e especulação são duas faces da mesma moeda).
  • Diante das estimativas médias de EUR remanescentes realizadas por USGS (2000), que montam a 2.628 Bb, mesmo sem considerar novas revisões, posturas mais otimistas ou a inclusão dos óleos não-convencionais - cuja magnitude dos recursos inicialmente in place alcançam 7 trilhões de barris, segundo IEA (2004a) –, parece lícito afirmar que o “espectro da penúria” estaria influenciando excessivamente as análises sobre tendência de preços de petróleo nos próximos 20 ou 30 anos.
  • Two Cheers for Expensive Oil - Leonardo Maugeri . Foreign Affairs. New York: Mar/Apr 2006. Vol. 85, Iss. 2; pg. 149
  • Declarações oficiais da OPEP revelam preocupação com os efeitos do novo patamar de preços para a estabilidade do mercado e para os interesses de longo prazo da OPEP (maximizar a renda petrolífera pelo maior prazo possível – enfoque da A. Saudita.
  • Nota: Gráfico 1: Série mensal de janeiro de 1995 a outubro de 2006 (141 observações). Gráfico 2: Nota: Série mensal de junho de 1999 a outubro de 2006 (88 observações).
  • Arqui3

    1. 1. Geopolítica do Petróleo Alexandre Szklo 2007 1
    2. 2. Projeções da Matriz Energética Primária no Mundo: WorldEnergy Outlook 2006 (IEA, 2007) 2
    3. 3. Projeções da Matriz Energética Primária no Mundo: WorldEnergy Outlook 2006 (IEA, 2007) 3
    4. 4. Projeções da Matriz Energética Primária no Mundo: WorldEnergy Outlook 2006 (IEA, 2007) 4
    5. 5. Nem todas as opções que contribuem para o aumento da segurançaenergética têm baixos níveis de emissões de CO2... 5 Fonte: IEA – Energy Technology Perspectives 2006
    6. 6. “Por que os preços do petróleo estão subindo?”Explicações Usuais:1. O Espectro da Penúria no Lado da Oferta: “A Produção de Petróleo Está Perto do Pico”2. O Retorno à Geopolítica Dura3. Gargalo do refino – capacidade e/ou conversão4. Demanda Especulativa por Petróleo: “O Ouro Negro como Reserva de Valor”5. O Novo Patamar de Demanda por Petróleo: “A Sede dos Beberrões de Petróleo” 6
    7. 7. “O Espectro da Penúria no Lado da Oferta” Mas, se o atual patamar de preço reflete uma perspectiva de escassez de longo prazo, por que a alta de preços de petróleo não está levando ao maior aproveitamento dos óleos não-convencionais e ao maior esforço em E&P? Por que a oferta não reage à alta de preços? Na verdade, há uma defasagem entre esforço em E&P e Produção. E os custos de E&P são crescentes! 7
    8. 8. “O Espectro da Penúria no Lado da Oferta” 8
    9. 9. Desafios e Incertezas que Podem Afetar a Expansão de Produção Canadense - GN“a future barrel of in situ produced high-quality SCO mayrequire more than 1700 standard cubic feet of natural gas;1700 cubic feet of natural gas is energy equivalent to 0.3barrels of oil” => aproximadamente 50 m 3 /b 9
    10. 10. “O Espectro da Penúria no Lado da Oferta” 10
    11. 11. 11
    12. 12. “Geopolítica Dura”A capacidade ociosa de produção da OPEPpassou de cerca de 7 Mbpd (jan 2002) para 1,5Mbpd (jan 2005).É verdade que eventos e tensões geopolíticas noOriente Médio, Nigéria e Venezuela têmcontribuído para ampliar o prêmio de risco nospreços. Mas, a OPEP, ainda que possa sebeneficiar destes efeitos de curto prazo, nãocontrola os eventos e tensões. 12
    13. 13. É a OPEP vulnerável às oscilações de preço e tamanho de mercado do petróleo?50,0%45,0%40,0% Exportações de Ásia e Pacífico35,0%30,0% Petróleo por América do Norte25,0% Destino da OPEP (%) – 1982-200420,0% Europa Ocidental15,0% Japão10,0%5,0% Estados Unidos0,0% 82 88 94 96 98 04 84 86 90 92 00 02 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 99,10% 94,58% 100,00% 90,00% 92,26% 92,57% 92,25% Receitas de 84,64% 80,00% 77,06% Exportação de Petróleo sobre as 73,36% 68,35% 69,88% 70,00% Arábia Saudita 60,00% Argélia EAU Receitas Totais de 50,00% 44,26% Indonésia Irã Exportação da 40,00% Iraque Kuwait OPEP e de seus 30,00% 15,46% Líbia países-membro Nigéria 20,00% Qatar (%) – 2003 10,00% Venezuela 13 OPEP 0,00%
    14. 14. 14
    15. 15. 15
    16. 16. 16
    17. 17. “Gargalo do refino” Preço dos derivados leves sobe (inelasticidade de Através do substituição) net-back, o Preço do cru diferencial sobe óleo leve- Preço dos pesado derivados sobe pesados relativamente estável (competiçãoEfeito sobre com outras fontes)preço do Cru 17
    18. 18. Quais serão as margens para garantir rentabilidade? Uller, 2007 35,00 30,00Margens Líquidas (US$/bbl) 25,00 R2 = 0,7327 20,00 15,00 R2 = 0,6762 10,00 5,00 R2 = 0,4319 0,00 Uller, 2007 -5,00 15 25 35 45 55 65 75 85 Brent (US$/bbl) 18 Maya (Coking) USGC Mars (Coking) USGC LLS (Cracking) USGC
    19. 19. Demanda Especulativa por PetróleoA OPEP, por exemplo, estimou em US$ 15/b o prêmionos preços associado aos movimentos especulativos.Embora possa adicionar um prêmio de risco aospreços do petróleo e de seus derivados, o impacto da“especulação” é um efeito de segunda ordem;sobretudo no longo prazo, quando a expansão dacapacidade de oferta poderia deixar o mercado “maisfolgado” (o mercado de futuros ficaria em“backwardation” – preço futuro menor que o presente–, como antes da Guerra do Iraque). 19
    20. 20. O Novo Patamar de Demanda por Petróleo 20
    21. 21. O Novo Patamar de Demanda por PetróleoO truísmo de que o crescimento da demanda é tão grandeque a expansão da oferta não o consegue acompanharignora o fato de que o ritmo de crescimento da demandanão é um problema mas uma solução para os negócios, seas condições de investimentos forem boas (custo decapital e nível de risco do empreendimento).As empresas de petróleo têm batido recordes históricos delucratividade devido à alta dos preços, ampliando suasrespectivas capacidades de auto-financiamento e/ou dealavancagem financeira. Mas, e o acesso às reservas? 21
    22. 22. INCERTEZAS E CAOS 1. Demanda: CHINA e crescimento econômico mundial 2. Oferta: E&P, Iraque, Oriente Médio, óleo não convencional, gás natural, Mudanças Climáticas Globais (favorece leves? Favorece ou não OPEP?) Refino: especificação de qualidade de produtos, boutique fuels Keynes: preferência pela liquidez: “em momentos de incerteza, os investidores preferem se manter com ativos de maior liquidez, adotando estratégias conservadoras de investimento, até que o cenário se 22 torne mais claro “.
    23. 23. 23
    24. 24. 24
    25. 25. (bi US$) 2004 2005 % (2005/2004) Recompra de ações (R) 25 45 +84 Dividendos 35 47 +33 Investimentos (I) 90 99 +10 Lucro Líquido (LL) 103 141 +37 % R/I 28 45 R/LL 24 32(*) ExxonMobil, BP, Shell, Total, ChevronTexaco, ConocoPhillips, RespsolYPF, Eni.(**) Investimento: aumento quase todo explicado por elevação de custos (70% em E&P)(***) Exxon (2005): LL=36, Dividendos=19, Recompra=17. 25
    26. 26. Obrigadoszklo@ppe.ufrj.br 26

    ×