SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 1
Arquitetura e Organização deArquitetura e Organização de
ComputadoresComputadores
Organização Interna de um
Computador
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 2
Sumário
• COMPONENTES DE UM SISTEMA DE
COMPUTAÇÃO
• BIT, CARACTERE, BYTE E PALAVRA
• CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE
COMPUTAÇÃO
• MEDIDAS DE DESEMPENHO DE
SISTEMA DE COMPUTADORES
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 3
Organização Interna de um
Computador
• Vimos que um sistema de computador
é um conjunto de componentes que
são integrados para funcionar como
um único elemento e tem por objetivo
realizar manipulações com dados; isto
é, realizar algum tipo de operação com
os dados de modo a obter informações
úteis.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 4
Organização Interna de um
Computador
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 5
Organização Interna de um
Computador
• UCP  é o componente vital do sistema de computação,
responsável pela realização das operações de
processamento (os cálculos matemáticos com os dados,
etc.) e pelo controle de quando e o que deve ser
realizado, durante a execução de um programa.
• Tal controle é realizado através da emissão de sinais
apropriados de controle, na Figura 4.1, representados
pelas linhas pontilhadas.
• A função da UCP consiste, então, em:
– a) buscar uma instrução na memória, uma de cada vez;
– b) interpretar que operação a instrução está
explicitando (pode ser e soma de dois números, uma
multiplicação, etc.);
– c) buscar os dados onde estiverem armazenados, para
trazê-los até a UCP;
– d) executar efetivamente a operação com os dados,
guardar o resultado no local definido na instrução;
– e) reiniciar o processo apanhando nova instrução.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 6
Organização Interna de um
Computador
• Memória  é o componente de um sistema de
informação cuja função é armazenar as informações
que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema.
• Os programas e os dados são armazenados na
memória para execução imediata (memória principal)
ou para execução ou uso posterior (memória
secundária).
• Há duas únicas ações que podem ser realizadas:
1) a de guardar um elemento na memória, então
chamamos de armazenar e a operação associada a
esta ação é de escrita ou gravação (“write”); ou,
2) recuperação de um elemento da memória, ação de
recuperar, e operação de leitura (“read”).
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 7
Organização Interna de um
Computador
• Dispositivos de Entrada e Saída  serve basicamente para
permitir que o sistema de computação se comunique com o
mundo externo, realizando ainda, a interligação, a conversão
das linguagens do sistema para a linguagem do meio externo
e vice-versa.
• Os seres humanos entendem símbolos como A, b, *, ?, etc. e
o computador entende sinais elétricos que podem assumir um
valor de +3Volts para representar 1 e ou outro valor, 0 Volts
para representar 0.
• O teclado (dispositivo de ENTRADA) interliga o usuário e o
computador, por exemplo, quando pressionamos a tecla A, os
circuitos eletrônicos existentes no teclado “convertem” a
pressão mecânica em um grupo de sinais elétricos, alguns
com voltagem alta (bit 1) e outras com voltagem baixa (bit
0), que corresponde, para o computador, ao caractere A.
• Os dispositivos de SAÍDA operam de modo semelhante, porém
em sentido inverso, do computador para o mundo exterior,
convertendo os sinais elétricos em símbolos conhecidos por
nós.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 8
Organização Interna de um
Computador
• Dispositivos de Entrada e Saída  serve basicamente para
permitir que o sistema de computação se comunique com o
mundo externo, realizando ainda, a interligação, a conversão
das linguagens do sistema para a linguagem do meio externo
e vice-versa.
• Os seres humanos entendem símbolos como A, b, *, ?, etc. e
o computador entende sinais elétricos que podem assumir um
valor de +3Volts para representar 1 e ou outro valor, 0 Volts
para representar 0.
• O teclado (dispositivo de ENTRADA) interliga o usuário e o
computador, por exemplo, quando pressionamos a tecla A, os
circuitos eletrônicos existentes no teclado “convertem” a
pressão mecânica em um grupo de sinais elétricos, alguns
com voltagem alta (bit 1) e outras com voltagem baixa (bit
0), que corresponde, para o computador, ao caractere A.
• Os dispositivos de SAÍDA operam de modo semelhante, porém
em sentido inverso, do computador para o mundo exterior,
convertendo os sinais elétricos em símbolos conhecidos por
nós.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 9
BIT, CARACTERE, BYTE E
PALAVRA
• Bit  é a menor unidade de informação
armazenável em um computador.
• Bit é a contração das palavras inglesas
Binary Digit.
• O bit pode ter, então, somente dois valores:
0 e 1.
• Evidentemente, com possibilidades tão
limitadas, o bit pouco pode representar
isoladamente; por essa razão, as
informações manipuladas por um
computador são codificadas em grupos
ordenados de bits, de modo a terem um
significado útil.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 10
BIT, CARACTERE, BYTE E
PALAVRA
• Caractere  é o menor grupo de bits
representando uma informação útil e
inteligível para o ser humano.
• Qualquer caractere a ser armazenado em um
sistema de computação é convertido em um
conjunto de bits previamente definidos para
o referido sistema (chama-se código de
representação de caracteres).
• Cada sistema poderá definir como (quantos
bits e como se organizam) cada conjunto de
bits irá representar um determinado
caractere.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 11
BIT, CARACTERE, BYTE E
PALAVRA
• Byte  é o grupo de 8 bits, tratados de forma individual,
como unidade de armazenamento e transferência.
• Como os principais códigos de representação de caracteres
utilizam 8 bits por caractere, os conceitos de byte e
caractere tornam-se semelhantes e as palavras, quase
sinônimas.
• É costume, no mercado, construírem memórias cujo
acesso, armazenagem e recuperação de informações, são
efetuados byte a byte (ou caractere a caractere).
• Por exemplo, 16 Kbytes de memória ou 12 Mbytes.
• O K e M são letras indicativas de um valor numérico fixo,
utilizado para reduzir a quantidade de algarismos
representativos de um número, onde K representa mil
vezes e M milhões.
• Como os computadores são binários, toda indicações
numéricas referem-se a potência de 2, ou seja, o K
representa 210 = 1.024 unidades e M é 1.024 * 1.024 =
1.048.576 caracteres ou bytes.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 12
BIT, CARACTERE, BYTE E
PALAVRA
• Palavra  é um conjunto de bits que
representam uma informação útil, mas
estaria associada ao tipo de interação
entre a MP (memória principal) e a
UCP, que é individual, informação por
informação, ou seja, a UCP processa
informação por informação, armazena
e recupera número a número (cada
uma estaria associada a uma palavra).
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 13
BIT, CARACTERE, BYTE E
PALAVRA
• De modo geral, usam-se dois valores
diferentes: um relacionado à unidade
de armazenamento – o byte e o outro
para indicar a unidade de transferência
e processamento – a palavra (que na
quase totalidade de computadores,
possui um número de bits múltiplo de
1 byte – 16 ou 32 bits é o valor mais
comum).
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 14
CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE
COMPUTAÇÃO
• Microcomputadores  surgiram comercialmente por
volta de 1974, através do desenvolvimento dos
microprocessadores (todos os componentes de uma UCP
em uma única pastilha) e o nome foi justamente devido
ao tamanho e à capacidade de processamento, ambos
pequenos em relação ao que já existia no mercado.
• Há no mercado várias categorias de
microcomputadores, classificadas quanto ao tamanho
físico do equipamento e a sua portabilidade:
a) Mesa ou desktop;
b) Torre (maior disponibilidade para instalação de
dispositivos de entrada e saída);
c) Laptops;
d) Notebooks e sub-notebooks;
e) Palmtops.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 15
CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE
COMPUTAÇÃO
• Estação de Trabalho  é essencialmente
um microcomputador projetado para realizar
tarefas pesadas, em geral na área científica
ou industrial, tais como complexas
computações matemáticas e a composição,
manipulação e apresentação de gráficos e
imagens de altíssima resolução.
• Especialmente no que se refere a velocidade
do processador e a capacidade de memória,
a potência de uma estação de trabalho é
semelhante à de um minicomputador. Ex:
IBM RS/6000.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 16
CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE
COMPUTAÇÃO
• Minicomputadores  são máquinas
projetadas para atender simultaneamente a
demanda por execução de programas de
vários usuários, embora a quantidade de
usuário e de programas não seja tão grande
quanto se pode encontrar em computadores
de grande porte.
• A capacidade de suportar múltiplos usuários
e programas requer além de velocidade de
processamento e capacidade/velocidade de
memória, uma extensa potencialidade para
manipular diversos dispositivos de entrada e
saída. Ex: IBM AS/400.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 17
CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE
COMPUTAÇÃO
• Computador de Grande Porte
(Mainframe)  são sistemas projetados
para manusear considerável volume de
dados e executar simultaneamente
programas de uma grande quantidade de
usuários.
• Essas máquinas podem interagir com
centenas de usuários em um dado instante,
como, por exemplo, um sistema de reserva
de passagens aéreas, bem como uma
contínua solicitação de processamento por
parte dos incontáveis terminais conectados
diretamente ao sistema, aos quais os
computadores têm que atender e responder
em poucos segundos. Ex: IBM 3090; Control
Data CDC 6600 e UNISYS A14.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 18
CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE
COMPUTAÇÃO
• Supercomputadores  são
projetados primariamente para atender
a um único propósito: realizar grandes
quantidades de cálculos matemáticos o
mais rapidamente possível, tipo
previsão do tempo, simulação,
modelagem tridimensional, etc. Ex:
IBM 9021 e CRAY Y-MP.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 19
MEDIDAS DE DESEMPENHO DE
SISTEMA DE COMPUTADORES
• A medida geral de desempenho de um sistema de
computador depende fundamentalmente da capacidade
e velocidade de seus diferentes componentes, da
velocidade com que estes se comunicam entre si e do
grau de compatibilidade que possa existir entre eles.
• Desempenho dos Processadores  é medido em
termos de sua velocidade de trabalho; como seu
trabalho é executar instruções, criou-se a unidade
chamada MIPS – milhões de instruções por segundo e
também a unidade MFLOPS – milhões de operações de
ponto flutuante por segundo, que é uma medida típica
de estações de trabalho e de supercomputadores, pois
estes costumam trabalhar mais com cálculos
matemáticos.
• Tempo de Acesso  é uma unidade de medida mais
apropriada, estando relacionada à velocidade de cada
componente e à do canal de interligação entre os dois
(UCP e memória).
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 20
MEDIDAS DE DESEMPENHO DE
SISTEMA DE COMPUTADORES
• Tempo de Resposta  é a medida ligada ao
desempenho global do sistema e não de um ou outro
componente. Trata-se do período de tempo gasto entre
o instante em que o usuário iniciou uma solicitação ou
interrogação e o instante em que o sistema apresentou
ao usuário a sua resposta ou atendeu à sua solicitação.
Ex: o intervalo de tempo entre a solicitação de um saldo
de conta em um terminal bancário e apresentação no
vídeo da resposta (o saldo da conta).
• Vazão (throughput)  define a quantidade de ações
ou transações que podem ser realizadas por um sistema
na unidade de tempo. Por exemplo, a quantidade de
atualizações que podem ser feitas em um sistema de
controle do estoque de uma empresa por minuto.
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 21
ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores
Organização Interna de um Computador 22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 conhecimentos básicos - hardware
Aula 1    conhecimentos básicos - hardwareAula 1    conhecimentos básicos - hardware
Aula 1 conhecimentos básicos - hardwareCristiano Carvalho
 
Arquitetura de-computadores
Arquitetura de-computadoresArquitetura de-computadores
Arquitetura de-computadoresPimentel
 
Informática parte 2-hardware
Informática parte 2-hardwareInformática parte 2-hardware
Informática parte 2-hardwareMauro Pereira
 
Introdução à estrutura e funcionamento de um sistema informático
Introdução à estrutura e funcionamento de um sistema informáticoIntrodução à estrutura e funcionamento de um sistema informático
Introdução à estrutura e funcionamento de um sistema informáticoRicardo Santos
 
Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos Tiago Vieira
 
Unidade 1.3. estrutura e funcionamento de um computador
Unidade 1.3.   estrutura e funcionamento de um computadorUnidade 1.3.   estrutura e funcionamento de um computador
Unidade 1.3. estrutura e funcionamento de um computadorhenriquecorreiosapo
 
Itic estrutura do sistema informático
Itic estrutura do sistema informáticoItic estrutura do sistema informático
Itic estrutura do sistema informáticoKaty Castanho
 
Informática 1-conceitos e componentes
Informática  1-conceitos e componentesInformática  1-conceitos e componentes
Informática 1-conceitos e componentesMauro Pereira
 
02 hardware e software
02   hardware e software02   hardware e software
02 hardware e softwaremorgannaprata
 
Partes do Computador
Partes do ComputadorPartes do Computador
Partes do Computadorcarbgarcia
 
TIC - Conceitos Básicos
TIC - Conceitos BásicosTIC - Conceitos Básicos
TIC - Conceitos BásicosAntonio Semedo
 
Apostila de informtica para concursos bb
Apostila de informtica para concursos bbApostila de informtica para concursos bb
Apostila de informtica para concursos bbzeramento contabil
 
Arquitetura de um computador
Arquitetura de um computadorArquitetura de um computador
Arquitetura de um computadorFilipe Duarte
 
Portas de comunicacao
Portas de comunicacaoPortas de comunicacao
Portas de comunicacaorenatogersos
 
3 introdução à estrutura e funcionamento de um pc
3 introdução à estrutura e funcionamento de um pc3 introdução à estrutura e funcionamento de um pc
3 introdução à estrutura e funcionamento de um pcSandra Minhós
 

Mais procurados (20)

Mod 2 Hardware
Mod 2   HardwareMod 2   Hardware
Mod 2 Hardware
 
Aula 1 conhecimentos básicos - hardware
Aula 1    conhecimentos básicos - hardwareAula 1    conhecimentos básicos - hardware
Aula 1 conhecimentos básicos - hardware
 
Aula de hardware
Aula de hardwareAula de hardware
Aula de hardware
 
Arquitetura de-computadores
Arquitetura de-computadoresArquitetura de-computadores
Arquitetura de-computadores
 
Informática parte 2-hardware
Informática parte 2-hardwareInformática parte 2-hardware
Informática parte 2-hardware
 
Apontamentos
ApontamentosApontamentos
Apontamentos
 
Introdução à estrutura e funcionamento de um sistema informático
Introdução à estrutura e funcionamento de um sistema informáticoIntrodução à estrutura e funcionamento de um sistema informático
Introdução à estrutura e funcionamento de um sistema informático
 
Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos Microprocessador e barramentos
Microprocessador e barramentos
 
Unidade 1.3. estrutura e funcionamento de um computador
Unidade 1.3.   estrutura e funcionamento de um computadorUnidade 1.3.   estrutura e funcionamento de um computador
Unidade 1.3. estrutura e funcionamento de um computador
 
Microprocessadores
MicroprocessadoresMicroprocessadores
Microprocessadores
 
Itic estrutura do sistema informático
Itic estrutura do sistema informáticoItic estrutura do sistema informático
Itic estrutura do sistema informático
 
Informática 1-conceitos e componentes
Informática  1-conceitos e componentesInformática  1-conceitos e componentes
Informática 1-conceitos e componentes
 
02 hardware e software
02   hardware e software02   hardware e software
02 hardware e software
 
Partes do Computador
Partes do ComputadorPartes do Computador
Partes do Computador
 
Arquitetura de-computadores-apostila-avançada completa
Arquitetura de-computadores-apostila-avançada completaArquitetura de-computadores-apostila-avançada completa
Arquitetura de-computadores-apostila-avançada completa
 
TIC - Conceitos Básicos
TIC - Conceitos BásicosTIC - Conceitos Básicos
TIC - Conceitos Básicos
 
Apostila de informtica para concursos bb
Apostila de informtica para concursos bbApostila de informtica para concursos bb
Apostila de informtica para concursos bb
 
Arquitetura de um computador
Arquitetura de um computadorArquitetura de um computador
Arquitetura de um computador
 
Portas de comunicacao
Portas de comunicacaoPortas de comunicacao
Portas de comunicacao
 
3 introdução à estrutura e funcionamento de um pc
3 introdução à estrutura e funcionamento de um pc3 introdução à estrutura e funcionamento de um pc
3 introdução à estrutura e funcionamento de um pc
 

Destaque (20)

Arquitetu..
Arquitetu..Arquitetu..
Arquitetu..
 
Arquitetura 9
Arquitetura 9Arquitetura 9
Arquitetura 9
 
Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2
 
Bancode perguntas
Bancode perguntasBancode perguntas
Bancode perguntas
 
Ti para concursos
Ti para concursosTi para concursos
Ti para concursos
 
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Arquitetura
 
Parte 5 -_memória_externa
Parte 5 -_memória_externaParte 5 -_memória_externa
Parte 5 -_memória_externa
 
Apresentação de Trabalho - Computação Pervasiva Como Evolução do Hardware e S...
Apresentação de Trabalho - Computação Pervasiva Como Evolução do Hardware e S...Apresentação de Trabalho - Computação Pervasiva Como Evolução do Hardware e S...
Apresentação de Trabalho - Computação Pervasiva Como Evolução do Hardware e S...
 
Arquitetura 8 3
Arquitetura 8 3Arquitetura 8 3
Arquitetura 8 3
 
Arquitetura 8
Arquitetura 8Arquitetura 8
Arquitetura 8
 
Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2
 
Apostila 9 virtualização - nova
Apostila 9   virtualização - novaApostila 9   virtualização - nova
Apostila 9 virtualização - nova
 
Arquitetura 4
Arquitetura 4Arquitetura 4
Arquitetura 4
 
Arquitetura 6 1
Arquitetura 6   1Arquitetura 6   1
Arquitetura 6 1
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
 
Arquitetura 7
Arquitetura 7Arquitetura 7
Arquitetura 7
 
Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
 
Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1
 
Arquitetura 10
Arquitetura 10Arquitetura 10
Arquitetura 10
 

Semelhante a ArquiteturaComputadoresOrganizaçãoInterna

Organização de Computadores - Aula 02
Organização de Computadores - Aula 02Organização de Computadores - Aula 02
Organização de Computadores - Aula 02thomasdacosta
 
01 introducao vaston
01 introducao vaston01 introducao vaston
01 introducao vastonsilfisica
 
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)Editora Juspodivm
 
Apostila informatica-para-concurso
Apostila informatica-para-concursoApostila informatica-para-concurso
Apostila informatica-para-concursodesueira
 
01 - Informatica Basica.pdf
01 - Informatica Basica.pdf01 - Informatica Basica.pdf
01 - Informatica Basica.pdfNiltonRaice
 
Introdução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir Matias
Introdução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir MatiasIntrodução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir Matias
Introdução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir MatiasAdemir Matias
 
Introdução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiral
Introdução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiralIntrodução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiral
Introdução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiralJéssica Cristina Cardoso Fernandes
 
Introdução a Informatica Basica
Introdução a Informatica BasicaIntrodução a Informatica Basica
Introdução a Informatica BasicaPedro Kangombe
 
1 º parte conceitos e fundamentos
1 º parte   conceitos e fundamentos 1 º parte   conceitos e fundamentos
1 º parte conceitos e fundamentos Atila Curso Pontual
 
Apresentacao - Introducao Informatica.ppt
Apresentacao - Introducao Informatica.pptApresentacao - Introducao Informatica.ppt
Apresentacao - Introducao Informatica.pptJunioSantos28
 
Apostila informatica para_concursos
Apostila informatica para_concursosApostila informatica para_concursos
Apostila informatica para_concursosrphasaigg
 
INFORMÁTICA I - MECANICA.pptx
INFORMÁTICA I - MECANICA.pptxINFORMÁTICA I - MECANICA.pptx
INFORMÁTICA I - MECANICA.pptxJohnCapaloTJ
 

Semelhante a ArquiteturaComputadoresOrganizaçãoInterna (20)

Organização de Computadores - Aula 02
Organização de Computadores - Aula 02Organização de Computadores - Aula 02
Organização de Computadores - Aula 02
 
01 introducao vaston
01 introducao vaston01 introducao vaston
01 introducao vaston
 
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
Resumos para Concursos - v.34 - Informática (2014)
 
18 113
18 11318 113
18 113
 
Apostila Informática
Apostila InformáticaApostila Informática
Apostila Informática
 
Apostila informatica-para-concurso
Apostila informatica-para-concursoApostila informatica-para-concurso
Apostila informatica-para-concurso
 
01 - Informatica Basica.pdf
01 - Informatica Basica.pdf01 - Informatica Basica.pdf
01 - Informatica Basica.pdf
 
Introdução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir Matias
Introdução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir MatiasIntrodução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir Matias
Introdução ao Processamento de Dados - Prof: Ademir Matias
 
Introdução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiral
Introdução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiralIntrodução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiral
Introdução a informática jessicafernandes-turma2012-polopinheiral
 
sistemas operacionais
 sistemas operacionais sistemas operacionais
sistemas operacionais
 
Introdução a Informatica Basica
Introdução a Informatica BasicaIntrodução a Informatica Basica
Introdução a Informatica Basica
 
1 º parte conceitos e fundamentos
1 º parte   conceitos e fundamentos 1 º parte   conceitos e fundamentos
1 º parte conceitos e fundamentos
 
introducao_(1).ppt
introducao_(1).pptintroducao_(1).ppt
introducao_(1).ppt
 
Apresentacao - Introducao Informatica.ppt
Apresentacao - Introducao Informatica.pptApresentacao - Introducao Informatica.ppt
Apresentacao - Introducao Informatica.ppt
 
aula 08.pdf
aula 08.pdfaula 08.pdf
aula 08.pdf
 
Apostila informatica para_concursos
Apostila informatica para_concursosApostila informatica para_concursos
Apostila informatica para_concursos
 
Aula 01 - IPD
Aula 01 - IPDAula 01 - IPD
Aula 01 - IPD
 
COMPUTADOR_122756.pdf
COMPUTADOR_122756.pdfCOMPUTADOR_122756.pdf
COMPUTADOR_122756.pdf
 
INFORMÁTICA I - MECANICA.pptx
INFORMÁTICA I - MECANICA.pptxINFORMÁTICA I - MECANICA.pptx
INFORMÁTICA I - MECANICA.pptx
 
Aula 2 todas as fichas
Aula 2  todas as fichasAula 2  todas as fichas
Aula 2 todas as fichas
 

Mais de Paulo Fonseca

Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivosPaulo Fonseca
 
Arquitetura 6 exercícios
Arquitetura 6   exercíciosArquitetura 6   exercícios
Arquitetura 6 exercíciosPaulo Fonseca
 
Arquitetura 4 complemento de 2
Arquitetura 4   complemento de 2Arquitetura 4   complemento de 2
Arquitetura 4 complemento de 2Paulo Fonseca
 
Arquitetura digital works
Arquitetura   digital worksArquitetura   digital works
Arquitetura digital worksPaulo Fonseca
 
Apostila 9 virtualização - nova
Apostila 9   virtualização - novaApostila 9   virtualização - nova
Apostila 9 virtualização - novaPaulo Fonseca
 
Apostila 6 gerência de memória
Apostila 6   gerência de memóriaApostila 6   gerência de memória
Apostila 6 gerência de memóriaPaulo Fonseca
 
Apostila 5 processos e threads
Apostila 5   processos e threadsApostila 5   processos e threads
Apostila 5 processos e threadsPaulo Fonseca
 
Apostila 3 concorrência
Apostila 3   concorrênciaApostila 3   concorrência
Apostila 3 concorrênciaPaulo Fonseca
 
Apostila 2 conceitos de hardware e software
Apostila 2   conceitos de hardware e softwareApostila 2   conceitos de hardware e software
Apostila 2 conceitos de hardware e softwarePaulo Fonseca
 
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5   componentes do cabeamento estruturadoCabeamento 5   componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturadoPaulo Fonseca
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissãoPaulo Fonseca
 
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturadoCabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturadoPaulo Fonseca
 
Cabeamento 1 introdução - normas - categorias
Cabeamento 1   introdução - normas - categoriasCabeamento 1   introdução - normas - categorias
Cabeamento 1 introdução - normas - categoriasPaulo Fonseca
 
Cabeamento 4 meios de transmissão
Cabeamento 4   meios de transmissãoCabeamento 4   meios de transmissão
Cabeamento 4 meios de transmissãoPaulo Fonseca
 

Mais de Paulo Fonseca (19)

Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
 
Arquitetura 6 1
Arquitetura 6 1Arquitetura 6 1
Arquitetura 6 1
 
Arquitetura 6
Arquitetura 6Arquitetura 6
Arquitetura 6
 
Arquitetura 6 exercícios
Arquitetura 6   exercíciosArquitetura 6   exercícios
Arquitetura 6 exercícios
 
Arquitetura 5
Arquitetura 5Arquitetura 5
Arquitetura 5
 
Arquitetura 4 complemento de 2
Arquitetura 4   complemento de 2Arquitetura 4   complemento de 2
Arquitetura 4 complemento de 2
 
Arquitetura 2
Arquitetura 2Arquitetura 2
Arquitetura 2
 
Arquitetura digital works
Arquitetura   digital worksArquitetura   digital works
Arquitetura digital works
 
Apostila 9 virtualização - nova
Apostila 9   virtualização - novaApostila 9   virtualização - nova
Apostila 9 virtualização - nova
 
Apostila 6 gerência de memória
Apostila 6   gerência de memóriaApostila 6   gerência de memória
Apostila 6 gerência de memória
 
Apostila 5 processos e threads
Apostila 5   processos e threadsApostila 5   processos e threads
Apostila 5 processos e threads
 
Apostila 3 concorrência
Apostila 3   concorrênciaApostila 3   concorrência
Apostila 3 concorrência
 
Apostila 2 conceitos de hardware e software
Apostila 2   conceitos de hardware e softwareApostila 2   conceitos de hardware e software
Apostila 2 conceitos de hardware e software
 
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5   componentes do cabeamento estruturadoCabeamento 5   componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
 
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturadoCabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturado
 
Cabeamento 1 introdução - normas - categorias
Cabeamento 1   introdução - normas - categoriasCabeamento 1   introdução - normas - categorias
Cabeamento 1 introdução - normas - categorias
 
Cabeamento 4 meios de transmissão
Cabeamento 4   meios de transmissãoCabeamento 4   meios de transmissão
Cabeamento 4 meios de transmissão
 
Arquitetura 9
Arquitetura 9Arquitetura 9
Arquitetura 9
 

ArquiteturaComputadoresOrganizaçãoInterna

  • 1. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 1 Arquitetura e Organização deArquitetura e Organização de ComputadoresComputadores Organização Interna de um Computador
  • 2. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 2 Sumário • COMPONENTES DE UM SISTEMA DE COMPUTAÇÃO • BIT, CARACTERE, BYTE E PALAVRA • CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO • MEDIDAS DE DESEMPENHO DE SISTEMA DE COMPUTADORES
  • 3. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 3 Organização Interna de um Computador • Vimos que um sistema de computador é um conjunto de componentes que são integrados para funcionar como um único elemento e tem por objetivo realizar manipulações com dados; isto é, realizar algum tipo de operação com os dados de modo a obter informações úteis.
  • 4. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 4 Organização Interna de um Computador
  • 5. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 5 Organização Interna de um Computador • UCP  é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos com os dados, etc.) e pelo controle de quando e o que deve ser realizado, durante a execução de um programa. • Tal controle é realizado através da emissão de sinais apropriados de controle, na Figura 4.1, representados pelas linhas pontilhadas. • A função da UCP consiste, então, em: – a) buscar uma instrução na memória, uma de cada vez; – b) interpretar que operação a instrução está explicitando (pode ser e soma de dois números, uma multiplicação, etc.); – c) buscar os dados onde estiverem armazenados, para trazê-los até a UCP; – d) executar efetivamente a operação com os dados, guardar o resultado no local definido na instrução; – e) reiniciar o processo apanhando nova instrução.
  • 6. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 6 Organização Interna de um Computador • Memória  é o componente de um sistema de informação cuja função é armazenar as informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. • Os programas e os dados são armazenados na memória para execução imediata (memória principal) ou para execução ou uso posterior (memória secundária). • Há duas únicas ações que podem ser realizadas: 1) a de guardar um elemento na memória, então chamamos de armazenar e a operação associada a esta ação é de escrita ou gravação (“write”); ou, 2) recuperação de um elemento da memória, ação de recuperar, e operação de leitura (“read”).
  • 7. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 7 Organização Interna de um Computador • Dispositivos de Entrada e Saída  serve basicamente para permitir que o sistema de computação se comunique com o mundo externo, realizando ainda, a interligação, a conversão das linguagens do sistema para a linguagem do meio externo e vice-versa. • Os seres humanos entendem símbolos como A, b, *, ?, etc. e o computador entende sinais elétricos que podem assumir um valor de +3Volts para representar 1 e ou outro valor, 0 Volts para representar 0. • O teclado (dispositivo de ENTRADA) interliga o usuário e o computador, por exemplo, quando pressionamos a tecla A, os circuitos eletrônicos existentes no teclado “convertem” a pressão mecânica em um grupo de sinais elétricos, alguns com voltagem alta (bit 1) e outras com voltagem baixa (bit 0), que corresponde, para o computador, ao caractere A. • Os dispositivos de SAÍDA operam de modo semelhante, porém em sentido inverso, do computador para o mundo exterior, convertendo os sinais elétricos em símbolos conhecidos por nós.
  • 8. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 8 Organização Interna de um Computador • Dispositivos de Entrada e Saída  serve basicamente para permitir que o sistema de computação se comunique com o mundo externo, realizando ainda, a interligação, a conversão das linguagens do sistema para a linguagem do meio externo e vice-versa. • Os seres humanos entendem símbolos como A, b, *, ?, etc. e o computador entende sinais elétricos que podem assumir um valor de +3Volts para representar 1 e ou outro valor, 0 Volts para representar 0. • O teclado (dispositivo de ENTRADA) interliga o usuário e o computador, por exemplo, quando pressionamos a tecla A, os circuitos eletrônicos existentes no teclado “convertem” a pressão mecânica em um grupo de sinais elétricos, alguns com voltagem alta (bit 1) e outras com voltagem baixa (bit 0), que corresponde, para o computador, ao caractere A. • Os dispositivos de SAÍDA operam de modo semelhante, porém em sentido inverso, do computador para o mundo exterior, convertendo os sinais elétricos em símbolos conhecidos por nós.
  • 9. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 9 BIT, CARACTERE, BYTE E PALAVRA • Bit  é a menor unidade de informação armazenável em um computador. • Bit é a contração das palavras inglesas Binary Digit. • O bit pode ter, então, somente dois valores: 0 e 1. • Evidentemente, com possibilidades tão limitadas, o bit pouco pode representar isoladamente; por essa razão, as informações manipuladas por um computador são codificadas em grupos ordenados de bits, de modo a terem um significado útil.
  • 10. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 10 BIT, CARACTERE, BYTE E PALAVRA • Caractere  é o menor grupo de bits representando uma informação útil e inteligível para o ser humano. • Qualquer caractere a ser armazenado em um sistema de computação é convertido em um conjunto de bits previamente definidos para o referido sistema (chama-se código de representação de caracteres). • Cada sistema poderá definir como (quantos bits e como se organizam) cada conjunto de bits irá representar um determinado caractere.
  • 11. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 11 BIT, CARACTERE, BYTE E PALAVRA • Byte  é o grupo de 8 bits, tratados de forma individual, como unidade de armazenamento e transferência. • Como os principais códigos de representação de caracteres utilizam 8 bits por caractere, os conceitos de byte e caractere tornam-se semelhantes e as palavras, quase sinônimas. • É costume, no mercado, construírem memórias cujo acesso, armazenagem e recuperação de informações, são efetuados byte a byte (ou caractere a caractere). • Por exemplo, 16 Kbytes de memória ou 12 Mbytes. • O K e M são letras indicativas de um valor numérico fixo, utilizado para reduzir a quantidade de algarismos representativos de um número, onde K representa mil vezes e M milhões. • Como os computadores são binários, toda indicações numéricas referem-se a potência de 2, ou seja, o K representa 210 = 1.024 unidades e M é 1.024 * 1.024 = 1.048.576 caracteres ou bytes.
  • 12. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 12 BIT, CARACTERE, BYTE E PALAVRA • Palavra  é um conjunto de bits que representam uma informação útil, mas estaria associada ao tipo de interação entre a MP (memória principal) e a UCP, que é individual, informação por informação, ou seja, a UCP processa informação por informação, armazena e recupera número a número (cada uma estaria associada a uma palavra).
  • 13. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 13 BIT, CARACTERE, BYTE E PALAVRA • De modo geral, usam-se dois valores diferentes: um relacionado à unidade de armazenamento – o byte e o outro para indicar a unidade de transferência e processamento – a palavra (que na quase totalidade de computadores, possui um número de bits múltiplo de 1 byte – 16 ou 32 bits é o valor mais comum).
  • 14. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 14 CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO • Microcomputadores  surgiram comercialmente por volta de 1974, através do desenvolvimento dos microprocessadores (todos os componentes de uma UCP em uma única pastilha) e o nome foi justamente devido ao tamanho e à capacidade de processamento, ambos pequenos em relação ao que já existia no mercado. • Há no mercado várias categorias de microcomputadores, classificadas quanto ao tamanho físico do equipamento e a sua portabilidade: a) Mesa ou desktop; b) Torre (maior disponibilidade para instalação de dispositivos de entrada e saída); c) Laptops; d) Notebooks e sub-notebooks; e) Palmtops.
  • 15. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 15 CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO • Estação de Trabalho  é essencialmente um microcomputador projetado para realizar tarefas pesadas, em geral na área científica ou industrial, tais como complexas computações matemáticas e a composição, manipulação e apresentação de gráficos e imagens de altíssima resolução. • Especialmente no que se refere a velocidade do processador e a capacidade de memória, a potência de uma estação de trabalho é semelhante à de um minicomputador. Ex: IBM RS/6000.
  • 16. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 16 CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO • Minicomputadores  são máquinas projetadas para atender simultaneamente a demanda por execução de programas de vários usuários, embora a quantidade de usuário e de programas não seja tão grande quanto se pode encontrar em computadores de grande porte. • A capacidade de suportar múltiplos usuários e programas requer além de velocidade de processamento e capacidade/velocidade de memória, uma extensa potencialidade para manipular diversos dispositivos de entrada e saída. Ex: IBM AS/400.
  • 17. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 17 CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO • Computador de Grande Porte (Mainframe)  são sistemas projetados para manusear considerável volume de dados e executar simultaneamente programas de uma grande quantidade de usuários. • Essas máquinas podem interagir com centenas de usuários em um dado instante, como, por exemplo, um sistema de reserva de passagens aéreas, bem como uma contínua solicitação de processamento por parte dos incontáveis terminais conectados diretamente ao sistema, aos quais os computadores têm que atender e responder em poucos segundos. Ex: IBM 3090; Control Data CDC 6600 e UNISYS A14.
  • 18. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 18 CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO • Supercomputadores  são projetados primariamente para atender a um único propósito: realizar grandes quantidades de cálculos matemáticos o mais rapidamente possível, tipo previsão do tempo, simulação, modelagem tridimensional, etc. Ex: IBM 9021 e CRAY Y-MP.
  • 19. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 19 MEDIDAS DE DESEMPENHO DE SISTEMA DE COMPUTADORES • A medida geral de desempenho de um sistema de computador depende fundamentalmente da capacidade e velocidade de seus diferentes componentes, da velocidade com que estes se comunicam entre si e do grau de compatibilidade que possa existir entre eles. • Desempenho dos Processadores  é medido em termos de sua velocidade de trabalho; como seu trabalho é executar instruções, criou-se a unidade chamada MIPS – milhões de instruções por segundo e também a unidade MFLOPS – milhões de operações de ponto flutuante por segundo, que é uma medida típica de estações de trabalho e de supercomputadores, pois estes costumam trabalhar mais com cálculos matemáticos. • Tempo de Acesso  é uma unidade de medida mais apropriada, estando relacionada à velocidade de cada componente e à do canal de interligação entre os dois (UCP e memória).
  • 20. ArquiteturaeorganizaçãodeComputadores Organização Interna de um Computador 20 MEDIDAS DE DESEMPENHO DE SISTEMA DE COMPUTADORES • Tempo de Resposta  é a medida ligada ao desempenho global do sistema e não de um ou outro componente. Trata-se do período de tempo gasto entre o instante em que o usuário iniciou uma solicitação ou interrogação e o instante em que o sistema apresentou ao usuário a sua resposta ou atendeu à sua solicitação. Ex: o intervalo de tempo entre a solicitação de um saldo de conta em um terminal bancário e apresentação no vídeo da resposta (o saldo da conta). • Vazão (throughput)  define a quantidade de ações ou transações que podem ser realizadas por um sistema na unidade de tempo. Por exemplo, a quantidade de atualizações que podem ser feitas em um sistema de controle do estoque de uma empresa por minuto.