Atelier de escrita de Natal

404 visualizações

Publicada em

Escrita criativa

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atelier de escrita de Natal

  1. 1. Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009 Ajuda o Pai Natal e vive uma linda aventura.
  2. 2. ◇ Ajuda o Pai Natal a fazer um acróstico com o seu nome. Não te esqueças que um acróstico é um jogo de palavras, que consiste em iniciar cada verso com uma letra de uma palavra escrita verticalmente. Ou seja, a partir das letras dessa palavra criam-se outras palavras ou pequenas frases. P A I N A T A L Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009 Eu gosto tanto de viajar no meu trenó e entregar presentes, mas gostava de ter um acróstico com o meu nome (Pai Natal), a identificar o meu trenó. Será que podes ajudar-me?
  3. 3. ◇ Ajuda o Pai Natal a fazer um bolo de Natal. Não te esqueças de colocar  Ingredientes  Preparação  Apresentação (desenho) Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009 Quero fazer um bolo de Natal para a festa de Natal, mas não sei como o fazer! Ajuda-me.
  4. 4. ◇ Ajuda o Pai Natal a fazer o convite. Quando escreveres o convite não te esqueças de indicar os seguintes elementos:  O nome de quem convida;  Qual é a finalidade do convite;  Para que data convida (dia da semana / mês / dia);  Para que horas;  Para que local;  Assinatura de quem convida. Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009 Vou fazer uma festa de Natal. Adoro festas… Vou convidar a turma do 4º C da Escola EB1 / JI Agualva 2. Mas… Preciso de fazer um convite.
  5. 5. ◇ Ajuda o Pai Natal e regista 6 argumentos para convenceres os convidados do Pai Natal a não faltarem à festa. De seguida escreve um texto com esses argumentos e convence. Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009 Espero que os meus convidados não faltem à minha festa de Natal. Tenho tantos presentes para oferecer… Que argumentos vou escrever para os convencer a não faltarem à minha festa? Ajuda-me.
  6. 6. ◇ Ajuda o Pai Natal a fazer umas bonitas quadras de Natal, para colocar na árvore e a tornar ainda mais bela. Não te esqueças que as quadras podem ter rimas! Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009 Já enfeitei a árvore para receber os meus convidados. Mas, ainda lhe falta um toque especial. Ah! Já sei, vou fazer umas quadras de Natal.
  7. 7. ◇ Vamos aprender com o Pai Natal a história da árvore de Natal.  Lê o texto e retira a informação mais importante.  Faz um desdobrável para o Pai Natal entregar aos convidados.  Não te esqueças de ilustrar o teu desdobrável. Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009 A Árvore de Natal já está enfeitada. A história da árvore de Natal…
  8. 8. A Árvore de Natal A história da Árvore de Natal vem de longe, muito longe. O pinheiro foi sempre a árvore escolhida por duas razões: porque acreditavam que trazia felicidade e porque as suas folhas não caem nunca e se mantêm verdes, mesmo quando fustigadas pelo vento ou cobertas de neve. O pinheiro representava tudo o que não acaba nunca. Há muitos anos atrás era hábito representar-se no largo da igreja ou dentro dela, uma peça religiosa tirada de uma cena bíblica. Quase sempre era a história de Adão e Eva. O cenário do Paraíso era figurado por um pinheiro de cujos ramos pendiam maçãs e rosas de papel. Se a peça se desenrolasse dentro da igreja, a árvore erguia-se no centro de um círculo formado por velas acesas. A representação das cenas bíblicas caiu em desuso, mas as pessoas conversaram o costume de enfeitar em suas casas uma Árvore do Paraíso, com maçãs e flores. Os enfeites foram mudando ao longo dos anos. Depois das maçãs, rosas de papel e guloseimas, passaram a figurar no pinheiro, bolachas modeladas em massa branca com Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009
  9. 9. vários feitios: estrelas, anjos e corações. A estes enfeites juntaram-se os fios dourados, as nozes douradas ou prateadas e os brinquedos. O hábito de iluminar a Árvore de Natal começou no século XVIII. Havia quem achasse que só se deviam colocar no pinheiro 12 velas acesas, para simbolizar os 12 meses do ano. Por volta de 1850 apareceram as decorações em vidro e em cristal e as bolas vermelhas substituíram as maçãs do paraíso. Ainda hoje a cor vermelha é a cor preferida para as decorações do Natal. À volta da Árvore de Natal era costume cantarem-se canções alusivas ao Menino Jesus e à fraternidade entre os homens. Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009
  10. 10. vários feitios: estrelas, anjos e corações. A estes enfeites juntaram-se os fios dourados, as nozes douradas ou prateadas e os brinquedos. O hábito de iluminar a Árvore de Natal começou no século XVIII. Havia quem achasse que só se deviam colocar no pinheiro 12 velas acesas, para simbolizar os 12 meses do ano. Por volta de 1850 apareceram as decorações em vidro e em cristal e as bolas vermelhas substituíram as maçãs do paraíso. Ainda hoje a cor vermelha é a cor preferida para as decorações do Natal. À volta da Árvore de Natal era costume cantarem-se canções alusivas ao Menino Jesus e à fraternidade entre os homens. Carla Francisco EB1 / JI Agualva2 PNEP 2008/2009

×