Engenharia Biomédica<br />Instrumentação e aquisição de sinais<br />2009/2010<br />Bioimpedância (ICG)<br />Ana Sabino, 64...
<ul><li>Bioimpedância
Aplicações
ICG
Modelo de Kubiceket al.</li></ul>Introdução<br />
Bioimpedância<br />A bioimpedância consiste na resistência de um tecido biológico à passagem de corrente <br />O uso de bi...
Aplicações<br />Cálculo do índice de massa corporal<br />Medições do fluído corporal<br />Tomografia por bioimpedância<br ...
ICG<br />
Modelo de Kubiceketal<br />É um método que mede a impedância eléctrica para estimar o volume de ejecção.<br />Foi desenvol...
Modelo de Kubiceketal<br />Para calcular o volume de ejecção<br />SV = Volume de ejecção (ml)<br />ρ = Resistividade do sa...
<ul><li>Circuito
Dimensionamento
Parâmetros
Eléctrodos
Aquisição
Algoritmo</li></ul>Desenvolvimento do protótipo<br />
Construção do protótipo<br />
Definição dos parâmetros<br />INA 126  <br />μA741<br />
Colocação dos electrodos<br />
Aquisição<br />Adquirimos o canal 1 e 2<br />Aquisições de 5000 amostras a cada 1ms (aproximadamente, depende do tempo que...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bioimpedance aplication

1.271 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.271
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bioimpedance aplication

  1. 1. Engenharia Biomédica<br />Instrumentação e aquisição de sinais<br />2009/2010<br />Bioimpedância (ICG)<br />Ana Sabino, 64416<br />João Tiago, 64408<br />Paula Antunes, 64407<br />
  2. 2. <ul><li>Bioimpedância
  3. 3. Aplicações
  4. 4. ICG
  5. 5. Modelo de Kubiceket al.</li></ul>Introdução<br />
  6. 6. Bioimpedância<br />A bioimpedância consiste na resistência de um tecido biológico à passagem de corrente <br />O uso de bioimpedância baseia-se no princípio de que os tecidos biológicos se comportam como condutores de corrente eléctrica e/ou isolantes (dieléctricos), dependendo de sua composição.<br />
  7. 7. Aplicações<br />Cálculo do índice de massa corporal<br />Medições do fluído corporal<br />Tomografia por bioimpedância<br />Cardiografia por impedância (ICG)<br />
  8. 8. ICG<br />
  9. 9. Modelo de Kubiceketal<br />É um método que mede a impedância eléctrica para estimar o volume de ejecção.<br />Foi desenvolvido em meados de 1960 por um grupo liderado por William G. Kubicek.<br />Um cardiograma de impedância de Kubicek típico corresponde a <br />ΔZ=ΔZ(t)<br />E para um individuo adulto e saudável será aproximadamente igual à curva a da figura abaixo<br />A curva b representa a primeira derivada em ordem ao tempo<br />dZ(t)/dt<br />
  10. 10. Modelo de Kubiceketal<br />Para calcular o volume de ejecção<br />SV = Volume de ejecção (ml)<br />ρ = Resistividade do sangue (135 omh.cm)<br />L = Distancia entre os dois electrodos de medida (cm)<br />Zo = Imdedância de base (ohm)<br />dZ/dt= Taxa máxima da variação da impedancia durante a sistole (ohm/s)<br />T = Tempo de ejecção ventricular esquerda (s)<br />Aproxima o tórax a um cilindro!<br />
  11. 11. <ul><li>Circuito
  12. 12. Dimensionamento
  13. 13. Parâmetros
  14. 14. Eléctrodos
  15. 15. Aquisição
  16. 16. Algoritmo</li></ul>Desenvolvimento do protótipo<br />
  17. 17. Construção do protótipo<br />
  18. 18. Definição dos parâmetros<br />INA 126 <br />μA741<br />
  19. 19. Colocação dos electrodos<br />
  20. 20. Aquisição<br />Adquirimos o canal 1 e 2<br />Aquisições de 5000 amostras a cada 1ms (aproximadamente, depende do tempo que o algoritmos demora a efectuar os cálculos)<br />Tempo de aquisição ajustável<br />Calculamos os seus valores eficazes<br />Calculamos a impedância segundo a fórmula<br />Impedância tempo quase real<br />Impedância<br />
  21. 21. Processamento<br />Variáveis cardíacas<br />Z<br /><ul><li>Filtragem através do movingaverage.
  22. 22. Cálculo da variação da impedância, ΔZ
  23. 23. Cálculo da 1ª derivada
  24. 24. Detecção dos pontos B, X e Z (dZ/dtmax)
  25. 25. Estimação de parâmetros hemodinâmicos importantes</li></ul>B<br />X<br />
  26. 26.
  27. 27. <ul><li>Impedância e 1ª derivada
  28. 28. Complexo BZX
  29. 29. Volume de ejecção
  30. 30. Parâmetros Hemodinâmicos
  31. 31. Correlações com função cardíaca</li></ul>Resultados<br />
  32. 32. Impedância e a 1ª derivada<br />
  33. 33. Complexo BZX<br />Z<br />Onda O<br />B<br />X<br />- Variação no intervalo 1.5x[-STD;STD].<br /><ul><li>Onda média com forma completamente típica.
  34. 34. Duração do complexo ≈ 1 segundo -> HR</li></li></ul><li>Volume de ejecção<br />Parâmetro chave adquirido com ICG<br /><ul><li>Varia de ejecção para ejecção
  35. 35. Aproximadamente 500 ms (documentado como 265 +- 38 ms em pessoas com HR de 80+- 13 beat/min)</li></ul>SV (Stroke Volume) ou Volume de ejecção – quantidade de sangue bombeada pelo ventrículo esquerdo a cada batimento.<br />
  36. 36. Parâmetros Hemodinâmicos<br />
  37. 37. Correlações com função cardíaca<br />O parâmetro mais bem medido através do ICG é o SV!<br />

×